Advertisements

Líderes Europeus negociam como Colapsar a Europa

Herman van Rompuy pede menos soberania, para o resto dos Estados-nação.

POR LUIS MIRANDA | THE REAL AGENDA | 16 SETEMBRO 2012

Flashback: Herman van Rompuy, presidente da União Europeia: “Os Estados-nação homogéneos estão mortos.”

O colapso do euro e da União Europeia não é um resultado da crise financeira criada pelos banqueiros. Na verdade, a crise foi criada como uma forma de justificar a aquisição de Estados-nação independentes na Europa, América, África e Ásia.

Depois de ler o que Herman van Rompuy tem dito — sobre como acabar com os Estados — é claro que nenhum país sairá reforçado como resultado de qualquer ação tomada pela União Europeia, o Banco Central Europeu ou o FMI. Agora há uma luta dentro da hierarquia bancária, cujos membros estão discutindo qual é a melhor maneira de completar o colapso do sistema financeiro global, começando com a zona do euro e depois levando-o para as Américas.

O presidente da UE não tenha renunciado ao seu objetivo de destruir as nações e coloca-las sob o poder de órgãos de governo não eleitos. “O tempo dos Estados-nação homogêneos acabou”, disse Van Rompuy, acrescentando que “em todos os estados membros da União Europeia, há pessoas que acreditam que seu país pode sobreviver sozinho no mundo globalizado. É uma ilusão — é uma mentira.” A força desta declaração só pode vir de um homem quem por trás das cenas conhece todos os detalhes da implosão planejada do sistema financeiro global.

Desde a semana passada e durante o fim de semana, líderes europeus se reuniram para determinar a melhor maneira de destruir a zona euro, consolidando o poder sobre os estados independentes como fizeram com a Grécia. Depois que o Banco Central Europeu admitiu que compraria títulos soberanos de países endividados, o Fundo Monetário Internacional (FMI) lançou-se como um abutre financeiro descrevendo como a entidade acredita que deve ser o seu papel no mecanismo para destruir a economia europeia. Enquanto isso, o primeiro-ministro espanhol, Mariano Rajoy, que não aceitou formalmente as condições dadas pelo BCE, entrou em uma corrida para pedir condições mais suaves antes de entregar o seu país ao BCE e ao FMI.

“A decisão do BCE de fornecer fundos para a Espanha, praticamente força o país a buscar um segundo resgate”, disse o chefe do BCE Mario Draghi. O BCE já manifestou sua intenção de comprar quantidades ilimitadas de dívida da Espanha e outros países em necessidade, por isso espera-se que Rajoy não vai deixar passar a oportunidade de pedir um resgate completo. Diplomatas espanhóis têm ido para Bruxelas, Frankfurt, Washington e Madri para tentar negociar melhores condições antes que a Espanha solicite o resgate neste outono.

Mas de acordo com membros da elite em Bruxelas, nem mesmo um resgate será uma forte rede de segurança para a Espanha, porque é claro que o país não pode cumprir sua metas de redução do défice, devido à depressão econômica que ocorre em Europa e a falha do governo espanhol de aumentar sua renda. Assim, o resgate é nada mais do que uma cortina de fumaça para facilitar a entrega da Espanha a seus credores, os banqueiros europeus.

Enquanto isso, a chefe do FMI, Christine Lagarde, disse que a organização está interessada em jogar um papel na concepção e acompanhamento do plano do Banco Central Europeu para comprar títulos emitidos por governos da zona do euro. Lagarde destacou que as medidas recentemente anunciadas pelo Presidente do BCE, Mario Draghi, “pavimentam o caminho para a frente”, mas observou que a prioridade deve ser aplicada de uma forma coordenada. “Estamos prontos para ajudar na concepção e implementação de todos os programas que devem ser parte da solução”, disse Lagarde, que enfatizou que a sua instituição está disposta a participar “ativamente” na concepção e desenvolvimento do programa de compra de dívida dos países da zona do euro.

Tanto Herman van Rompuy, como o primeiro-ministro italiano Mario Monti tem chamado para uma reunião com outros líderes europeus para encontrar um terreno comum para “derrotar idéias populistas que tentam destruir o euro”, disse ele. “A integração da UE é um problema permanente”, disse Herman Van Rompuy, “mais uma vez enfrentando problemas econômicos e sociais (…) por isso, saúdo a idéia do presidente Monti de realizar uma reunião especial sobre futuro da unidade europeia “, disse Van Rompuy.

O Presidente explicou que a Comissão Europeia está consciente das críticas e oposições que existem no momento, mas destacou “os enormes esforços de todos os países e instituições da UE com solidariedade sem precedentes”. O Sr. van Rompuy provavelmente quer dizer  que há solidariedade com os banqueiros, não a favor da população europeia, que, apesar de sofrer as maiores taxas de desemprego da história recente, não tem apoio direto de líderes da UE . Na verdade, as primeiras iniciativas tomadas pelos governos da UE cortaram gastos de programas sociais, salários, pensões e outros programas que costumam aliviar a carga sobre a maioria do cidadão europeu médio.

Espanha deverá expandir sua campanha por melhores condições antes da aplicação de um plano de resgate durante a reunião de ministros das Finanças da UE. “Essa é uma conversa que não deverá ocorrer entre Espanha e do BCE, mas entre a Espanha e todos os membros da zona do euro,” disse Benoit Coeuré, diretor francês do BCE, em entrevista à France Inter.

Herman van Rompuy, não evitou as perguntas feitas na semana passada sobre o resultado dessas negociações. Van Rompuy disse que em dezembro será apresentado o projeto de uma nova arquitectura europeia. Este projeto será realizado pelo BCE e pela Comissão Europeia, e irá incluir quatro pilares interligados: um sindicato bancário, uma união fiscal, união económica e uma união política mais intensa.

Advertisements

About Luis Miranda
The Real Agenda is an independent publication. It does not take money from Corporations, Foundations or Non-Governmental Organizations. It provides news reports in three languages: English, Spanish and Portuguese to reach a larger group of readers. Our news are not guided by any ideological, political or religious interest, which allows us to keep our integrity towards the readers.

Comments are closed.