FMI presiona os países Europeus a entregarem sua Soberania

POR LUIS MIRANDA | THE REAL AGENDA | 18 NOVEMBRO, 2012

O Fundo Monetário Internacional (FMI) pediu aos países sob pressão do mercado por custos de financiamento elevados, incluindo a Espanha, que busquem a ajuda dos fundos de resgate europeus para o programa de compra de dívida criado pelo Banco Central Europeu (BCE).

“Os países deveriam implementar programas de ajuste e, se necessário, procurar o apoio adequado da EFSF / ESM. Isso permitiria ao BCE intervir com o programa recentemente criado, indicou “um documento do FMI preparado para a reunião dos ministros das finanças e presidentes de bancos centrais do G-20, em 4 e 5 de Novembro.

Neste sentido, a organização destaca que apesar da decisão do BCE de remover alguns dos principais riscos na zona do euro, os fatores econômicos e políticos podem acarretar que estes países não procurem a ajuda de seus parceiros europeus e do BCE.

A instituição liderada por Christine Lagarde disse que, embora se tenha avançado, a resolução da crise da zona do euro vai exigir  a implementação “oportuna e decisiva” das políticas propostas pelo BCE e do FMI.

O FMI alerta que o acesso ao financiamento a um custo razoável é “essencial para que as economias se ajustem com sucesso. Embora as economias de periferia devam continuar a ajustar seus balanços fiscais a uma taxa que possam ser pagos no atual ambiente frágil, devem, também, adoptar as políticas certas. “O documento adverte que as alterações que não envolvem um” resgate “podem ​​não ser suficientes para recuperar totalmente a confiança dos mercados, especialmente a implantação de risco.

Assim, a suposta solução fornecida pelos banqueiros não é somente eficaz, como também uma faca de dois gumes. Além de manter os países endividados, os banqueiros também querem aprofundar a crise através da emissão de mais dívida, para que mais risco se possa criar e que nada mude. É por isso que os bancos querem assumir o controle total, mantendo as políticas fiscais e monetárias em cada país para que eles possam arriscar tudo o que querem com o dinheiro dos outros sem ter que prestar contas a ninguém.

O FMI afirma falsamente que as medidas tomadas pela crise devem ser acompanhadas por um guia que levará a criação de um sindicato bancário e uma maior integração fiscal para fortalecer a união monetária. Este é o mecanismo que, de uma vez por todas, dará  o controle completo de todas as decisões financeiras da Europa aos banqueiros. Eles também pretendem exportar este mecanismo para o mundo uma vez que os países da UE sejam completamente absorvidos.

Segundo o FMI, a UE deve se basear em um único mecanismo de monitoramento – controlado pelos bancos que criaram a crise – um mecanismo de resolução ao nível da zona do euro com o apoio de todos os membros e um esquema onde todos os países financiem um sistema de seguro de depósito para a união monetária. Esse dinheiro também será destinado para causas decididas pelos banqueiros e os países ou bancos serão “resgatados” somente se estiverem de acordo com os termos dos contratos.

O FMI também destaca que a continuação da execução de reformas financeiras, fiscais e estruturais é “essencial”, embora reconheça que levará vários anos antes que todas as políticas se apliquem plenamente. Isto significa que os banqueiros, pelo menos por enquanto, não vão desabar o sistema financeiro europeu de uma só vez, desde que se possa criar mais dívida e fazer nações soberanas escravas desta dívida.

Os banqueiros têm alertado sobre o uso de austeridade como uma forma de reduzir os gastos fora de controle do governo. Em vez disso, dizem eles, os países devem defende uma dívida perpétua. Isto é porque este é o mecanismo mais eficiente para que eles rapidamente controlem nações diretamente. A verdade é, no entanto, que o FMI é um dos principais motores de austeridade como um primeiro passo na aquisição de nações endividadas. Uma vez que os burocratas do governo já não são capazes de cortar os orçamentos, os banqueiros se colocam como salvadores a emprestar dinheiro, fazendo com que os países comecem um novo ciclo de endividamento.

The Real Agenda permite a reprodução do conteúdo original publicado no site APENAS através das ferramentas fornecidas no final de cada artigo. Por favor, NÃO COPIE o conteúdo do nosso site para redistribuir ou para enviar por e-mail.

Líderes Europeus negociam como Colapsar a Europa

Herman van Rompuy pede menos soberania, para o resto dos Estados-nação.

POR LUIS MIRANDA | THE REAL AGENDA | 16 SETEMBRO 2012

Flashback: Herman van Rompuy, presidente da União Europeia: “Os Estados-nação homogéneos estão mortos.”

O colapso do euro e da União Europeia não é um resultado da crise financeira criada pelos banqueiros. Na verdade, a crise foi criada como uma forma de justificar a aquisição de Estados-nação independentes na Europa, América, África e Ásia.

Depois de ler o que Herman van Rompuy tem dito — sobre como acabar com os Estados — é claro que nenhum país sairá reforçado como resultado de qualquer ação tomada pela União Europeia, o Banco Central Europeu ou o FMI. Agora há uma luta dentro da hierarquia bancária, cujos membros estão discutindo qual é a melhor maneira de completar o colapso do sistema financeiro global, começando com a zona do euro e depois levando-o para as Américas.

O presidente da UE não tenha renunciado ao seu objetivo de destruir as nações e coloca-las sob o poder de órgãos de governo não eleitos. “O tempo dos Estados-nação homogêneos acabou”, disse Van Rompuy, acrescentando que “em todos os estados membros da União Europeia, há pessoas que acreditam que seu país pode sobreviver sozinho no mundo globalizado. É uma ilusão — é uma mentira.” A força desta declaração só pode vir de um homem quem por trás das cenas conhece todos os detalhes da implosão planejada do sistema financeiro global.

Desde a semana passada e durante o fim de semana, líderes europeus se reuniram para determinar a melhor maneira de destruir a zona euro, consolidando o poder sobre os estados independentes como fizeram com a Grécia. Depois que o Banco Central Europeu admitiu que compraria títulos soberanos de países endividados, o Fundo Monetário Internacional (FMI) lançou-se como um abutre financeiro descrevendo como a entidade acredita que deve ser o seu papel no mecanismo para destruir a economia europeia. Enquanto isso, o primeiro-ministro espanhol, Mariano Rajoy, que não aceitou formalmente as condições dadas pelo BCE, entrou em uma corrida para pedir condições mais suaves antes de entregar o seu país ao BCE e ao FMI.

“A decisão do BCE de fornecer fundos para a Espanha, praticamente força o país a buscar um segundo resgate”, disse o chefe do BCE Mario Draghi. O BCE já manifestou sua intenção de comprar quantidades ilimitadas de dívida da Espanha e outros países em necessidade, por isso espera-se que Rajoy não vai deixar passar a oportunidade de pedir um resgate completo. Diplomatas espanhóis têm ido para Bruxelas, Frankfurt, Washington e Madri para tentar negociar melhores condições antes que a Espanha solicite o resgate neste outono.

Mas de acordo com membros da elite em Bruxelas, nem mesmo um resgate será uma forte rede de segurança para a Espanha, porque é claro que o país não pode cumprir sua metas de redução do défice, devido à depressão econômica que ocorre em Europa e a falha do governo espanhol de aumentar sua renda. Assim, o resgate é nada mais do que uma cortina de fumaça para facilitar a entrega da Espanha a seus credores, os banqueiros europeus.

Enquanto isso, a chefe do FMI, Christine Lagarde, disse que a organização está interessada em jogar um papel na concepção e acompanhamento do plano do Banco Central Europeu para comprar títulos emitidos por governos da zona do euro. Lagarde destacou que as medidas recentemente anunciadas pelo Presidente do BCE, Mario Draghi, “pavimentam o caminho para a frente”, mas observou que a prioridade deve ser aplicada de uma forma coordenada. “Estamos prontos para ajudar na concepção e implementação de todos os programas que devem ser parte da solução”, disse Lagarde, que enfatizou que a sua instituição está disposta a participar “ativamente” na concepção e desenvolvimento do programa de compra de dívida dos países da zona do euro.

Tanto Herman van Rompuy, como o primeiro-ministro italiano Mario Monti tem chamado para uma reunião com outros líderes europeus para encontrar um terreno comum para “derrotar idéias populistas que tentam destruir o euro”, disse ele. “A integração da UE é um problema permanente”, disse Herman Van Rompuy, “mais uma vez enfrentando problemas econômicos e sociais (…) por isso, saúdo a idéia do presidente Monti de realizar uma reunião especial sobre futuro da unidade europeia “, disse Van Rompuy.

O Presidente explicou que a Comissão Europeia está consciente das críticas e oposições que existem no momento, mas destacou “os enormes esforços de todos os países e instituições da UE com solidariedade sem precedentes”. O Sr. van Rompuy provavelmente quer dizer  que há solidariedade com os banqueiros, não a favor da população europeia, que, apesar de sofrer as maiores taxas de desemprego da história recente, não tem apoio direto de líderes da UE . Na verdade, as primeiras iniciativas tomadas pelos governos da UE cortaram gastos de programas sociais, salários, pensões e outros programas que costumam aliviar a carga sobre a maioria do cidadão europeu médio.

Espanha deverá expandir sua campanha por melhores condições antes da aplicação de um plano de resgate durante a reunião de ministros das Finanças da UE. “Essa é uma conversa que não deverá ocorrer entre Espanha e do BCE, mas entre a Espanha e todos os membros da zona do euro,” disse Benoit Coeuré, diretor francês do BCE, em entrevista à France Inter.

Herman van Rompuy, não evitou as perguntas feitas na semana passada sobre o resultado dessas negociações. Van Rompuy disse que em dezembro será apresentado o projeto de uma nova arquitectura europeia. Este projeto será realizado pelo BCE e pela Comissão Europeia, e irá incluir quatro pilares interligados: um sindicato bancário, uma união fiscal, união económica e uma união política mais intensa.

“Somos absolutamente escravos dos bancos centrais”

POR LUIS MIRANDA | THE REAL AGENDA | 17 JULHO, 2012

Nao foi um segredo por muito tempo, mas os espectadores raramente assistem ou ouvem os convidados na  mídia não apenas aceitar o fato de que somos todos escravos que trabalham para os bancos centrais, mas também admitindo-o, na televisão nacional dos EUA. Em uma recente entrevista na CNBC, um dos co-anfitriões perguntou se a atual situação económica e financeira era simplesmente o resultado de políticas de governança global, e se os bancos centrais estão realmente no comando. Não e verdade que nós todos, vivemos e morremos pelo que os bancos centrais fazem? Um convidado, Jim Iuorio, disse que tal cenário é exatamente o que estamos experimentando. “Para responder à sua pergunta, com certeza somos escravos dos bancos centrais”, disse Iuorio.

Veja o clipe na íntegra abaixo:

E claro que não há necessidade que a mídia admita ou mostre provas de tal cenário. Talvez o mais simples exemplo que mostra como banqueiros centrais estão no controle total, é que eles ordenaram que os governos na América do Norte e da Europa deviam “resgatar” os bancos que estavam à beira da falência devido às suas operações com produtos financeiros tóxicos. Mesmo os bancos que não precisaram ser resgatados foram forçados a aceitar a ajuda financeira de modo que quase todas as instituições bancárias estão acorrentados aos bancos centrais da União Europeia e América do Norte.

Na semana passada, The Real Agenda informou sobre o estado atual de planejamento de políticas na área do euro, onde os bancos centrais já estão trabalhando em uma maior consolidação no sistema financeiro global. No artigo New Global Money Planned in Secret by the Elites, AmericanFreed.com explica como o sistema monetário do mundo está se formando. Conforme explicado em artigos anteriores, os banqueiros centrais são expertos em criar ordem do caos, e da crise global atual não é exceção.

As elites no comando do sistema bancário estão antecipando os resultados das suas políticas monetárias e financeiras do século passado, e já apresentaram planos para uma moeda mundial. A moeda parece ser uma cesta de moedas cujos valores serão fixados tendo como base o valor do ouro. Mais tarde, dessa cesta de moedas surgirá uma moeda única.

Todos os expertos financeiros concordam que o estabelecimento de uma moeda única não ocorrerá imediatamente, mas nos próximos 5 a 15 anos, dependendo de como banqueiros centrais executem os seus planos de consolidação financeira na zona euro e da América do Norte. As elites estão contando com os “resgates” atuais para ganhar tempo até que o sistema esteja totalmente pronto para lidar com o grande colapso durante o qual o atual sistema monetário baseado em uma moeda única sera apresentado como como a solução para o caos que eles causaram. Elites ou bancos centrais que querem governar o mundo vão  prolongar a agonia tanto quanto possível, a fim de consolidar seu poder tão fortemente quanto possível antes do ‘big crunch’.

Os bancos centrais têm sido bem sucedidos em países onde seus governantes adotaram o sistema baseado em dívida como uma forma de sair do estado atual de endividamento, um paradoxo, sem dúvida. Espanha, um país à beira de cair do penhasco financeiro anunciou o seu pedido ao governo em Bruxelas para resgatar seu sistema bancário. O governo espanhol recusou-se até o último minuto a chamar o seu pedido de resgate, embora os US $ 100 bilhões que foram dados a alguns dos maiores bancos do país, vem do fundo europeu de resgate criado sob os auspícios do governo liderado por Angela Merkel.

Espanha concordou com o plano europeu e assinou o memorando de entendimento que o governo de Bruxelas recebeu oficialmente na semana passada. A decisão de aceitar o dinheiro do fundo europeu foi discutido na quinta e na sexta-feira durante uma reunião que foi realizada por alguns líderes da UE. Entre as condições no plano de resgate dos bancos espanhóis estao a duração do empréstimo, a taxa de juros, condições de pagamento e as sanções a serem incorridos por aqueles que não paguem suas dívidas. Este último fato é surpreendente, no entanto, é outro exemplo de como os bancos centrais controlam todos os governos.

Os líderes europeus dizem que os bancos não podem pedir um resgate por eles mesmos, que os países precisam pedir estes dinheiros em representação dos bancos apesar do fato que os bancos são filiais de bancos centrais em toda a Europa. Ao mesmo tempo, os banqueiros no controle da área do euro também dizem que os governos devem distribuir o dinheiro e detalham as condições em que os bancos recebem os fundos, porque os bancos estão legalmente proibidos de pedir os fundos. É claro que não é esse o caso.

Este assunto mostra como os banqueiros centrais europeus ditam os termos e determinam as taxas de juros que os contribuintes europeus, e não os bancos terão que pagar sobre a dívida durante os próximos 25 ou 30 anos. Embora os governos sejam os que pedem o resgate de seus bancos, os bancos não são os que pagarão os juros da dívida. Essa responsabilidade é colocada nas costas da classe trabalhadora européia.

Uma visão mais detalhada de como os bancos centrais controlam o sistema financeiro global veio de outro convidado no show da CNBC, Jim LaCamp. “Os mercados são dirigidos pela política, não por forças de mercado, eles são levados pelas decisões dos bancos centrais.” Em outras palavras, são as decisões tomadas por tecnocratas não-eleitos a cargo de instituições financeiras que operam em nome de bancos centrais e atendem às suas solicitações, quem determinam como as economias funcionam. Não é a produção industrial, os mercados livres, as diretrizes dos governos eleitos pelos cidadãos ou as propostas dadas a estes governos por grupos sociais.

“Na Espanha, muitas pessoas dizem muitas coisas sobre o que fazer”, disse Iñigo Méndez de Vigo, Secretário de Estado dos Assuntos Europeus da Espanha. Veja, apenas os banqueiros devem ditar o que deve ser feito, e não as pessoas, não a imprensa, e não os governos. Segundo Mendez, Bruxelas tem de fiscalizar os orçamentos da Espanha e outras nações, economias e políticas monetárias. “Nós temos que tomar decisões a nível europeu, agora,” Mendez disse em uma entrevista na televisão TVE da Espanha. “Temos que deixar claro para a área do euro que em Espanha somos sérios sobre encontrar uma solução para este problema da dívida.”

“É importante não perder de vista a intenção do presente pedido de fundos”, disse o primeiro-ministro espanhol, Mariano Rajoy, que insiste que o resgate do sistema bancário espanhol não é um resgate. Ele está convencido que o resgate só será aplicável a 3 bancos, mas se esquece de dizer que a quantidade de dinheiro — US $ 100 bilhões — é o que faz o resgate surpreendente, e não o número de bancos que estão sendo resgatados. Sob o atual modelo escolhido pelos bancos centrais, a adoção de programas com base na criação de mais dívida para resolver o colapso causado pela divida soberana, como na Grécia e Espanha vai ser repetido na França, Portugal e no resto da Europa antes se ir para a América do Norte, onde a implosão financeira final terá lugar.

Quem mais vai admitir que as pessoas do mundo somos realmente escravos do sistema financeiro global controlado pelos bancos centrais?

Bancos Não Podem Mais Esconder o Colapso Econômico

POR LUIS MIRANDA | THE REAL AGENDA | 20 MAIO 2012

Tem sido, pelo menos, quatro anos desde o início do colapso financeiro atual. Já em 2008, quando a crise  estava tomando forma, os bancos apoiados pelas instituições financeiras internacionais como o FMI, o Banco Mundial, Banco Europeu, o Banco da Inglaterra e a Reserva Federal dos EUA não hesitaram em acalmar as coisas dizendo que os primeiros sinais de um colapso financeiro global não eram nada para se preocupar. Era uma tosse discreta, disseram. Mas o tempo passou, e aqueles que advertiram de depressão econômica foram justificados. As previsões de uma crise local, regional e global foram infelizmente confirmadas.

Hoje, quatro anos depois que os bancos reconheceram a existência de uma “situação difícil”, devido à acumulação de dívida soberana, confirmamos mais uma vez que a ameaça de um colapso financeiro global é maior do que nunca, e é apenas uma questão de tempo antes que outros países vão à falência. A crise não começou com a Grécia, como muitos nos querem fazer crer. Ele também nao começou com a Islândia. Na verdade, a Islândia fez o que tinha que fazer para limpar sua própria casa. O colapso começou a partir do momento em que os bancos de investimento foram permitidos se unir a bancos de poupança para criar   produtos financeiros artificiais que eles inventaram a apelaram para as nações do mundo para investir seu dinheiro nestes produtos com a desculpa de que eles teriam lucros rápidos e fáceis.

Os sinais da crise ter sido tão alarmantes, que nas últimas semanas, as mesmas entidades que disseram uma vez que não havia crise e que a economia começava a se recuperar, disseram publicamente que o mundo estava na borda. Sua aceitação do inevitável não foi fácil. Somente após que o fato tornou-se impossível de esconder — o colapso financeiro atual — é que os banqueiros tiveram que admitir publicamente que o seu modelo de negócio baseado em dívida chegou ao fim. No entanto, esta aceitação não começou com um claro “é nossa culpa”. Em vez disso, os banqueiros tentaram culpar os países pela sua gestão irresponsável de investimentos que os mesmos bancos ajudaram a realizar junto com seus cúmplices nas burocracias, que colocaram tudo o dinheiro dos povos em um mesmo saco, o saco do setor bancário.

O colapso não teria sido possível sem a ajuda de cúmplices políticos que abriram as portas de seus países às instituições financeiras poderosas através da desregulamentação da sua actividade, permitindo que bancos de investimento se fundiram com os bancos de poupança. Imediatamente, os bancos ofereceram produtos financeiros nos quais países ao redor do mundo investiram seus dinheiros sob a premissa de que seu dinheiro seria devolvido rapidamente e multiplicado muitas vezes.

Como sabemos agora, no caso da Grécia e Islândia, a desregulamentação trouxe ainda mais dívida, em vez de uma recuperação saudável. A diferença é que a Islândia decidiu enfrentar o problema da dívida da maneira correta, ao se livrar do que tinha de ser liquidado, em vez de socorrer seus bancos e outras instituições que usaram seu dinheiro para comprar os credit default swaps. Grécia entretanto decidiu aceitar as exigências dos banqueiros e começou a aceitar os supostos resgates financeiros dados ao país mediterraneo por bancos em representação de outras nações européias. Como resultado, o país está em uma situação financeira terrível, da qual não poderá sair a menos que deixe a zona euro e retorne à sua antiga moeda, o dracma. A saída do euro na Grécia não apenas deixaria o pais com pouca dívida e preparado para começar do zero, mas também livraria o país das correntes colocadas pelos banqueiros europeus que estão no comando do sistema fraudulento do euro. A única opção de sobrevivência é que a Grécia se negue a pagar a enorme dívida que foi adquirida ilegalmente por políticos corruptos em nome de seu povo, o qual não foi consultado. A maior parte dessa dívida, como no caso da Islândia, nao pertence aos gregos, mas aos bancos.

Como relatado anteriormente, as pessoas começaram a perceber que seus representantes não estavam trabalhando para eles e um por um foram demitidos do cargo. O ex-primeiro-ministro da Grécia foi revelado, Sarkozy da França também foi expulso do e Angela Merkel teve perdas significativas nas eleições estaduais recentes na Alemanha. Enquanto isso, nos Estados Unidos, o homem que veio com a palavra mudança escrita na sua testa, será muito provavelmente demitido em novembro. Todos os esforços dos bancos para proporcionar um cenário otimista da realidade falhou porque a realidade tem mostrado o lado escuro que eles não queriam que as pessoas vejam.

Os mercados acionários globais e do euro caíram em valor, enquanto as nações se tornam menos capazes de pagar sua dívida. Os bancos em toda a área do euro continuam a ser rebaixados e as taxas para empréstimos para os países da zona do euro continuam a subir, porque nenhuma das nações são confiáveis para pagar suas dívidas. As tentativas do presidente da Grécia para formar um novo governo, que ele chamou abertamente a ser composto por tecnocratas, falhou terça-feira passada, e agora vai exigir novas eleições. A rejeição por parte de políticos gregos para formar um governo liderado pelo seu presidente vem num momento em que o país é incapaz de pagar os juros de sua dívida e, portanto, a probabilidade de que a Grécia saia da zona do euro é mais real do que antes.

As condições instáveis do país mediterrâneo levaram as pessoas a retirar seu dinheiro dos bancos. Na última semana, os depositantes retiraram pelo menos 1 bilhão de dólares dos bancos na Grécia e a tendência deverá continuar. Enquanto isso, o Banco da Inglaterra cortou sua previsão para o crescimento econômico na Grã-Bretanha alertando que a crise da dívida é a maior ameaça para a recuperação financeira. De repente, os grupos que organizaram e promoveram o sistema baseado na dívida agora se apresentam como os falantes de verdade. Em seu anúncio, o Banco da Inglaterra diz que o crescimento será limitado a apenas 1 por cento, e não 1,2 por cento que foi a previsão feita pelo banco em um relatório financeiro anterior. O Banco da Inglaterra também reduziu sua estimativa de crescimento para 2013. Já está definido para 2 por cento, em vez de 3 por cento, um número determinado pela entidade em fevereiro. Bancos em Espanha também foram rebaixados na sua fiabilidade e depositantes também decidiram remover pelo menos 1 bilhão de dólares de suas contas.

Os efeitos da crise financeira foi aumentada pela interconexão da economia global, composta de blocos econômicos, em vez de estados ou nações independentes. Hoje, um espirro na Italian causa uma gripe em toda a União Europeia. Medidas protecionistas na Argentina tem um impacto sobre o Mercosul inteiro. Outra tendência que mostra o alcance da atual crise financeira é o movimento de grandes quantias de dinheiro de um país para outro. Os investidores parecem confiar mais na Alemanha do que na Grécia, uma vez que tem apostado que seus ativos estariam mais seguros lá. A taxa de juros que a Alemanha deve pagar para tomar dinheiro emprestado por 10 anos caiu ao nível mais baixo no comércio adiantado na quarta-feira, que é um reflexo da crescente preocupação com a necessidade para a Grécia para realizar eleições. “Novas eleições são arriscadas porque elas poderiam confirmar o apoio do público para os partidos que rejeitam a austeridade e, eventualmente, levar a uma saída da zona do euro”, disse o estrategista  Jean-François Robin à AFP.

O último alarme vem da Presidente do Fundo Monetário Internacional, Christine Lagarde, que disse que quando se trata de Grécia, ela está pronta para qualquer coisa, e ela acredita que uma saída Grega da zona do euro deve ser feita de uma forma ordenada. Tanto Angela Merkel como o presidente da Grécia, Karolos Papoulias, quiseram alarmar o público dissendo que a maioria deve tomar a decisão certa na próxima eleição, porque está em jogo é a “ameaça à nossa existência nacional”. De acordo com o jornal UK Telegraph, ações do Reino Unido e da zona euro voltaram a cair esta semana. Os mercados de ações, como o Eurostoxx 600 caiu 0,7 por cento que é o nível mais baixo do ano, o DAX da Alemanha caiu 0,8 por cento e IBEX da Espanha caiu 1,6 por cento. Em Londres, o FTSE100 caiu 0,5 por cento. Estes são sinais claros de que nem mesmo os bancos acreditam que uma solução para a crise grega surgira, ou que a recuperação económica vai acontecer em breve.

No resto da Europa, a situação é preocupante. Na Espanha, por exemplo, a crise acelera ainda mais o colapso do euro. A taxa de empréstimos aos países devedores que são vistos como mais arriscados mutuários aumentou muito esta semana. Em Espanha, a taxa de mercado em 10 anos aumentou para 6,49 por cento, ou 0,4 acima dos níveis que os analistas consideram seguros para manter no longo prazo. Apesar de sua decisão de resgatar um número de bancos comerciais mais uma vez, a Espanha continua a lutar para manter a cabeça acima da água. Os bancos que o país está tentando “resgatar”, cujos investimentos  financiaram empréstimos imobiliários, entraram em colapso em 2008. A imprensa local informou hoje que a Moody ‘s, uma entidade criada pelos próprios bancos, estava pronta para mais uma vez reduzir os ratings de alguns bancos espanhóis apenas um par de dias após o corte dos ratings de 26 bancos italianos.

Itália, Espanha e Portugal estão serao os próximos países a seguir os passos da Grécia no vagão do colapso financeiro, um processo que será adiado apenas se os banqueiros europeus decidem continuar com sua política de obrigar os países sob o seu controle a resgatar bancos que investiram em produtos financeiros altamente tóxicos e efêmeros. Este processo irá continuar enquanto os banqueiros necessitem continuar consolidando poder na Europa e América. A implosão final ocorrerá após os bancos absorverem as nações maiores e mais importantes da área da União Europeia, que originalmente é composta por 17 países. Em seguida virá a aquisição dos Estados Unidos.

Banco Central Europeu: U$ 1 trilhão só serve para ganhar tempo

Por Luis R. Miranda
The Real Agenda
Maio 17, 2010

A corrupção e as mentiras do Banco Central Europeu e das suas filiais ao redor do mundo são ilimitadas. Há um ano atrás, o seu escritório nos Estados Unidos, -a Reserva Federal- solicitou 700 milhões de dólares para ‘salvar’ a economia. Isso, nós aprendemos mais tarde, revelou-se uma mentira. Foi uma mentira não só porque o dinheiro não era para fazer “mágica” econômica tal como foi prometido, mas também porque não erão somente U$700 milhões e, sim, mais de U$ 25 bilhões. Há poucos dias atrás, a União Européia lançou um pacote de ajuda de 1 trilhão de dólares que, segundo eles, serviria para manter a região economicamente estável. Agora, o BCE disse que o trilhão só serve para ganhar tempo. Tempo para quê? Resposta: Tempo para os bancos fazerem os preparativos finais para o colapso total da economia global. Existe alguém que ainda não vê isso?

Este tem sido o padrão mostrado ao longo da história com a elite liderada pelos bancos.  Eles criam problemas e apresentam soluções “milagrosas” que, também, ajudam a consolidar o poder e controle. Desta vez, porém, é definitiva. A linha inferior é esta, os banqueiros jogaram todas as suas cartas e, de uma vez, se converterão nos proprietários de tudo e de todos. A economia e o estado do mundo correram para baixo de modo incontrolável e nem mesmo eles podem salvá-los neste momento. Não que eles tiveram a intenção de fazê-lo.

Um por um, os países que foram vítimas de abutres financeiros ao longo de 100 anos fazem fila para pular além da borda do cânion. Como nos lembramos, tudo começou na Islândia, onde os funcionários agora parecem tentar lutar contra a corrupção enviando banqueiros para a cadeia. A crise mudou-se para a Grécia, onde as nuvens de dívida fiscal envolveram um país que, pelo contrário, é considerado um paraíso. Com Goldman Sachs como portador da lança, os banqueiros adicionaram mais um país à sua valiosa coleção. Nenhum banqueiro foi preso ou processado ainda. Em contrapartida, a Grécia sucumbiu à União Européia, enquanto os banqueiros tomam conta dos fundos de pensão e da poupança através do endividamento.  Os gregos agora estão imersos em uma dívida ainda maior através de um pacote de ajuda que assegura que a jóia do Mediterrâneo seja propriedade dos bancos.

Dois gigantes estão em linha para seguir os passos da Grécia e a Islândia. Portugal e Espanha começaram o processo de colapso através da redução dos salários, congelamento das pensões e o aumento dos impostos. Com uma população à beira do colapso social, as duas nações podem ver protestos no estilo tailandês mais cedo do esperado. A razão pela qual isso não aconteceu ainda? A Engenharia Social, é claro. A atenção do povo é desviada para o futebol e os torneios de tênis assím como cinzas vulcânicas imaginárias. Com o desemprego em torno de 20%, tanto Espanha como Portugal tiveram uma queda quieta livre de dor, mas as últimas medidas de austeridade provavelmente estouraram a bolha que isolou os dois países nos últimos dois anos. As subidas de impostos e os cortes nos serviços sociais foram bastante aplaudidos pelo Banco Central Europeu, bem como o líder do mundo em falências, Barack Obama. Esses aplausos decorrem do fato que as medidas os ajudam a ganhar tempo para consolidar o poder e os recursos. Cada vez que um país anuncia um pacote de medidas de austeridade, significa que mais dinheiro do povo, que já pagam impostos para tudo, é usado para pagar os empréstimos que os bancos já fizeram para estes países. É o banco que tem a prerrogativa de pedir aos países para reembolsar o empréstimo na totalidade, se desejar. Foi o que aconteceu na Islândia, Grécia e é por isso que eles precisam ser resgatados. O problema é que o plano de resgate financeiro vem dos banqueiros com quem os países inicialmente estavam em dívida. Você começa a entender a idéia? Por isso é chamado Consolidação.

A forma na qual os bancos operam é como um pescador que pesca um peixe grande. O pescador coloca a isca, -o banco oferece empréstimos-, o peixe morde a isca -os países aceitam os empréstimos-, e o pescador pode, então, escolher puxar o peixe para fora devagar, esperando que este continue travado no gancho, ou decide dar um grande puxão. A primeira opção fará com que a captura seja quase certa, mas vai demorar mais tempo. A segunda, dará uma recompensa mais rápida, mas o resultado pode ser também que o cordão seja cortado e, como resultado, o peixe escape. Há quase um século atrás, os banqueiros decidiram tentar a primeira opção para puxar a corda devagar deixando que o peixe se sentisse confortável. Agora, o peixe -a gente-, sabe que está preso e está fortemente puxando a corda. O pescador está desesperado porque o peixe pode escapar e está pensando seriamente em puxar a corda rápido e forte.

Parece impossível escapar do desastre econômico mundial que começou há aproximadamente uma década e que somente foi mascarado pelos números falsos de crescimento e recuperação econômica. Não houve geração de empregos significativa nas maiores economias do mundo e, até Jean Claude Trichet,  manifestou o seu pessimismo sobre as esperanças de um final feliz. Ele, claro, conhecia o resultado há muito tempo, provavelmente desde que chegou ao BCE. Ele disse, na semana passada, que os Estados Unidos estavam em uma situação semelhante à da Grécia. Outros cúmplices de Trichet também contribuiram à lista de frases memoráveis. George Soros, por exemplo, disse que o euro estava em uma situação precária e muito perto do colapso.

Pode-se facilmente ver o desespero da elite quando Nicolas Sarkozy bate o punho na mesa e Angela Merkel relutantemente apóia um pacote de ajuda que, em teoria, salvaria a Europa da ruína, mas na verdade não salvará ninguém. Como o BCE disse, o pacote só serve para ganhar tempo. O colapso financeiro foi precipitado ainda mais rapidamente devido ao fato de que mais pessoas estão entendendo este tipo de fraude e como elas foram enganadas durante as últimas décadas submetendo as suas poupanças e pensões  às organizações supranacionais. Como alguém disse, você pode enganar algumas pessoas durante algum tempo, mas você não pode enganar todas as pessoas o tempo todo. O mundo tem sido oprimido durante séculos, até mesmo milhares de anos, pelos impérios, os banqueiros e a elite. Agora, a moeda se inverteu e a pressão está sobre os opressores.  Eles têm que escolher entre fazer o colapso ocorrer de forma lenta ou abrupta. A Comissão Trilateral reuniu-se este mês. A reunião do Grupo Bilderberg é em Junho. O pescador está desesperadamente pensando em puxar a corda fortemente.

Fique atento.