FMI presiona os países Europeus a entregarem sua Soberania

POR LUIS MIRANDA | THE REAL AGENDA | 18 NOVEMBRO, 2012

O Fundo Monetário Internacional (FMI) pediu aos países sob pressão do mercado por custos de financiamento elevados, incluindo a Espanha, que busquem a ajuda dos fundos de resgate europeus para o programa de compra de dívida criado pelo Banco Central Europeu (BCE).

“Os países deveriam implementar programas de ajuste e, se necessário, procurar o apoio adequado da EFSF / ESM. Isso permitiria ao BCE intervir com o programa recentemente criado, indicou “um documento do FMI preparado para a reunião dos ministros das finanças e presidentes de bancos centrais do G-20, em 4 e 5 de Novembro.

Neste sentido, a organização destaca que apesar da decisão do BCE de remover alguns dos principais riscos na zona do euro, os fatores econômicos e políticos podem acarretar que estes países não procurem a ajuda de seus parceiros europeus e do BCE.

A instituição liderada por Christine Lagarde disse que, embora se tenha avançado, a resolução da crise da zona do euro vai exigir  a implementação “oportuna e decisiva” das políticas propostas pelo BCE e do FMI.

O FMI alerta que o acesso ao financiamento a um custo razoável é “essencial para que as economias se ajustem com sucesso. Embora as economias de periferia devam continuar a ajustar seus balanços fiscais a uma taxa que possam ser pagos no atual ambiente frágil, devem, também, adoptar as políticas certas. “O documento adverte que as alterações que não envolvem um” resgate “podem ​​não ser suficientes para recuperar totalmente a confiança dos mercados, especialmente a implantação de risco.

Assim, a suposta solução fornecida pelos banqueiros não é somente eficaz, como também uma faca de dois gumes. Além de manter os países endividados, os banqueiros também querem aprofundar a crise através da emissão de mais dívida, para que mais risco se possa criar e que nada mude. É por isso que os bancos querem assumir o controle total, mantendo as políticas fiscais e monetárias em cada país para que eles possam arriscar tudo o que querem com o dinheiro dos outros sem ter que prestar contas a ninguém.

O FMI afirma falsamente que as medidas tomadas pela crise devem ser acompanhadas por um guia que levará a criação de um sindicato bancário e uma maior integração fiscal para fortalecer a união monetária. Este é o mecanismo que, de uma vez por todas, dará  o controle completo de todas as decisões financeiras da Europa aos banqueiros. Eles também pretendem exportar este mecanismo para o mundo uma vez que os países da UE sejam completamente absorvidos.

Segundo o FMI, a UE deve se basear em um único mecanismo de monitoramento – controlado pelos bancos que criaram a crise – um mecanismo de resolução ao nível da zona do euro com o apoio de todos os membros e um esquema onde todos os países financiem um sistema de seguro de depósito para a união monetária. Esse dinheiro também será destinado para causas decididas pelos banqueiros e os países ou bancos serão “resgatados” somente se estiverem de acordo com os termos dos contratos.

O FMI também destaca que a continuação da execução de reformas financeiras, fiscais e estruturais é “essencial”, embora reconheça que levará vários anos antes que todas as políticas se apliquem plenamente. Isto significa que os banqueiros, pelo menos por enquanto, não vão desabar o sistema financeiro europeu de uma só vez, desde que se possa criar mais dívida e fazer nações soberanas escravas desta dívida.

Os banqueiros têm alertado sobre o uso de austeridade como uma forma de reduzir os gastos fora de controle do governo. Em vez disso, dizem eles, os países devem defende uma dívida perpétua. Isto é porque este é o mecanismo mais eficiente para que eles rapidamente controlem nações diretamente. A verdade é, no entanto, que o FMI é um dos principais motores de austeridade como um primeiro passo na aquisição de nações endividadas. Uma vez que os burocratas do governo já não são capazes de cortar os orçamentos, os banqueiros se colocam como salvadores a emprestar dinheiro, fazendo com que os países comecem um novo ciclo de endividamento.

The Real Agenda permite a reprodução do conteúdo original publicado no site APENAS através das ferramentas fornecidas no final de cada artigo. Por favor, NÃO COPIE o conteúdo do nosso site para redistribuir ou para enviar por e-mail.

FMI presiona a países Europeos para que entreguen su soberanía

POR LUIS MIRANDA | THE REAL AGENDA | 13 NOVIEMBRE, 2012

El Fondo Monetario Internacional (FMI) ha instado a los países que están bajo presión de los mercados por los altos costes de financiación, entre ellos España, para buscar la ayuda de los fondos de rescate europeos para que el programa de compra de deuda creada por el Banco Central Europeo (BCE) pueda ser iniciado.

“Los países deberían implementar planes de ajuste y, si es necesario, solicitar apoyo adecuado de la EFSF / ESM. Esto permitiría al BCE intervenir con el programa establecido recientemente “, indicó un documento del FMI preparado para la reunión de ministros de Finanzas y gobernadores de bancos centrales del G-20 para el pasado 4 y 5 de noviembre.

En este sentido, la organización subraya que a pesar de la decisión del BCE de eliminar algunos de los principales riesgos de la zona euro, los factores políticos y económicos pueden causar que estos países no busquen la ayuda de sus socios europeos y el BCE en el momento adecuado.

La institución dirigida por Christine Lagarde, dijo que aunque se ha avanzado, la resolución de la crisis de la eurozona requerirá “oportuna y decisiva” aplicación de las políticas propuestas por el BCE y el FMI.

El FMI advierte que el acceso a la financiación a un coste razonable es “esencial para que las economías se ajusten exitosamente. Mientras que las economías de la periferia deben seguir ajustando sus balances fiscales a una tasa que se pueden permitir en el frágil entorno actual, también deben adoptar las políticas correctas. ” El documento advierte que los cambios que no incluyan un “rescate” pueden no ser suficientes para recuperar plenamente la confianza de los mercados, especialmente la implementación de riesgo.

Así, la supuesta solución proporcionada por los banqueros no sólo no es eficaz, sino también una navaja de dos filos. Además de mantener a los países en deuda, los banqueros también quieren profundizar la crisis mediante la emisión de más deuda para que más riesgo se pueden crear y nada va a cambiar nunca. Es por eso que los bancos quieren tomar el control completo, llevando a cabo una microgestión de políticas fiscales y monetarias en cada país, de modo que puedan arriesgar todo lo que quieran con el dinero de otros sin tener que rendir cuentas a nadie.

El FMI falsamente subraya que las medidas adoptadas por la crisis deben ir acompañadas de una guía que les lleve hacia la creación de un sindicato bancario y una mayor integración fiscal para fortalecer la unión monetaria. Ese es exactamente el mecanismo que, de una vez por todas, dará el control completo de todas las decisiones financieras de Europa a los baqueros que gobiernan desde Bruselas. Ellos también tienen la intención de exportar esto al resto del mundo una vez que los países de la UE sean completamente absorbidos.

A juicio del FMI, la Unión debe basarse en un único mecanismo de supervisión — controlado por los bancos que crearon la crisis –, un mecanismo de resolución a nivel de la zona euro, con el apoyo de todos los miembros y un esquema donde todos países financien un sistema de garantía de depósitos para la unión monetaria completa. Ese dinero también será destinado a causas dirimidas por los banqueros y los países o instituciones bancarias serán “rescatados” sólo si están de acuerdo con todos los términos de los contratos.

El FMI también destaca que la aplicación continuada de reformas financieras, fiscales y estructurales es “esencial”, aunque reconoce que tendrán que pasar varios años antes de que todas las políticas se apliquen plenamente. Esto significa que los banqueros, al menos por ahora, no van a colapsar el sistema financiero europeo de una sola vez, siempre y cuando se pueda posponer a través de la creación de más deuda y la adición de las naciones soberanas a su cartera de esclavos de la deuda.

Los banqueros han advertido sobre el uso de austeridad como una manera de reducir el gasto fuera de control de los gobiernos. En su lugar, dicen, los países de ben abogar por un endeudamiento perpetuo. Esto es porque este es el mecanismo más eficiente para que ellos puedan más rápidamente controlar a las naciones directamente desde su interior. La verdad es, sin embargo, que el FMI es uno de los principales impulsores de la austeridad como un primer paso en la adquisición de las naciones endeudadas. Una vez que los burócratas del gobierno ya no son capaces de cortar más nada de los presupuestos, los banqueros se hacen pasar por salvadores al prestar dinero hecho de la nada, lo que hace que los países comiencen otro ciclo de endeudamiento.

The Real Agenda permite la reproducción del contenido original publicado en el sitio SOLAMENTE a través de las herramientas proporcionadas al final de cada artículo. Por favor NO COPIE contenido de nuestro sitio para redistribuirlo o enviarlo por correo electrónico.

Líderes Europeus negociam como Colapsar a Europa

Herman van Rompuy pede menos soberania, para o resto dos Estados-nação.

POR LUIS MIRANDA | THE REAL AGENDA | 16 SETEMBRO 2012

Flashback: Herman van Rompuy, presidente da União Europeia: “Os Estados-nação homogéneos estão mortos.”

O colapso do euro e da União Europeia não é um resultado da crise financeira criada pelos banqueiros. Na verdade, a crise foi criada como uma forma de justificar a aquisição de Estados-nação independentes na Europa, América, África e Ásia.

Depois de ler o que Herman van Rompuy tem dito — sobre como acabar com os Estados — é claro que nenhum país sairá reforçado como resultado de qualquer ação tomada pela União Europeia, o Banco Central Europeu ou o FMI. Agora há uma luta dentro da hierarquia bancária, cujos membros estão discutindo qual é a melhor maneira de completar o colapso do sistema financeiro global, começando com a zona do euro e depois levando-o para as Américas.

O presidente da UE não tenha renunciado ao seu objetivo de destruir as nações e coloca-las sob o poder de órgãos de governo não eleitos. “O tempo dos Estados-nação homogêneos acabou”, disse Van Rompuy, acrescentando que “em todos os estados membros da União Europeia, há pessoas que acreditam que seu país pode sobreviver sozinho no mundo globalizado. É uma ilusão — é uma mentira.” A força desta declaração só pode vir de um homem quem por trás das cenas conhece todos os detalhes da implosão planejada do sistema financeiro global.

Desde a semana passada e durante o fim de semana, líderes europeus se reuniram para determinar a melhor maneira de destruir a zona euro, consolidando o poder sobre os estados independentes como fizeram com a Grécia. Depois que o Banco Central Europeu admitiu que compraria títulos soberanos de países endividados, o Fundo Monetário Internacional (FMI) lançou-se como um abutre financeiro descrevendo como a entidade acredita que deve ser o seu papel no mecanismo para destruir a economia europeia. Enquanto isso, o primeiro-ministro espanhol, Mariano Rajoy, que não aceitou formalmente as condições dadas pelo BCE, entrou em uma corrida para pedir condições mais suaves antes de entregar o seu país ao BCE e ao FMI.

“A decisão do BCE de fornecer fundos para a Espanha, praticamente força o país a buscar um segundo resgate”, disse o chefe do BCE Mario Draghi. O BCE já manifestou sua intenção de comprar quantidades ilimitadas de dívida da Espanha e outros países em necessidade, por isso espera-se que Rajoy não vai deixar passar a oportunidade de pedir um resgate completo. Diplomatas espanhóis têm ido para Bruxelas, Frankfurt, Washington e Madri para tentar negociar melhores condições antes que a Espanha solicite o resgate neste outono.

Mas de acordo com membros da elite em Bruxelas, nem mesmo um resgate será uma forte rede de segurança para a Espanha, porque é claro que o país não pode cumprir sua metas de redução do défice, devido à depressão econômica que ocorre em Europa e a falha do governo espanhol de aumentar sua renda. Assim, o resgate é nada mais do que uma cortina de fumaça para facilitar a entrega da Espanha a seus credores, os banqueiros europeus.

Enquanto isso, a chefe do FMI, Christine Lagarde, disse que a organização está interessada em jogar um papel na concepção e acompanhamento do plano do Banco Central Europeu para comprar títulos emitidos por governos da zona do euro. Lagarde destacou que as medidas recentemente anunciadas pelo Presidente do BCE, Mario Draghi, “pavimentam o caminho para a frente”, mas observou que a prioridade deve ser aplicada de uma forma coordenada. “Estamos prontos para ajudar na concepção e implementação de todos os programas que devem ser parte da solução”, disse Lagarde, que enfatizou que a sua instituição está disposta a participar “ativamente” na concepção e desenvolvimento do programa de compra de dívida dos países da zona do euro.

Tanto Herman van Rompuy, como o primeiro-ministro italiano Mario Monti tem chamado para uma reunião com outros líderes europeus para encontrar um terreno comum para “derrotar idéias populistas que tentam destruir o euro”, disse ele. “A integração da UE é um problema permanente”, disse Herman Van Rompuy, “mais uma vez enfrentando problemas econômicos e sociais (…) por isso, saúdo a idéia do presidente Monti de realizar uma reunião especial sobre futuro da unidade europeia “, disse Van Rompuy.

O Presidente explicou que a Comissão Europeia está consciente das críticas e oposições que existem no momento, mas destacou “os enormes esforços de todos os países e instituições da UE com solidariedade sem precedentes”. O Sr. van Rompuy provavelmente quer dizer  que há solidariedade com os banqueiros, não a favor da população europeia, que, apesar de sofrer as maiores taxas de desemprego da história recente, não tem apoio direto de líderes da UE . Na verdade, as primeiras iniciativas tomadas pelos governos da UE cortaram gastos de programas sociais, salários, pensões e outros programas que costumam aliviar a carga sobre a maioria do cidadão europeu médio.

Espanha deverá expandir sua campanha por melhores condições antes da aplicação de um plano de resgate durante a reunião de ministros das Finanças da UE. “Essa é uma conversa que não deverá ocorrer entre Espanha e do BCE, mas entre a Espanha e todos os membros da zona do euro,” disse Benoit Coeuré, diretor francês do BCE, em entrevista à France Inter.

Herman van Rompuy, não evitou as perguntas feitas na semana passada sobre o resultado dessas negociações. Van Rompuy disse que em dezembro será apresentado o projeto de uma nova arquitectura europeia. Este projeto será realizado pelo BCE e pela Comissão Europeia, e irá incluir quatro pilares interligados: um sindicato bancário, uma união fiscal, união económica e uma união política mais intensa.

Líderes Europeos Negocian cómo Colapsar Europa

Herman van Rompuy pide menos soberanía para el resto de los estados-nación.

POR LUIS MIRANDA | THE REAL AGENDA | 16 SEPTIEMBRE 2012

Flashback: Herman van Rompuy, presidente de la Unión Europea: “Los Estados-nación homogéneos están muertos”.

El colapso del euro y de la Unión Europea no es un resultado de la crisis financiera creada por los banqueros. De hecho, la crisis fue creada como una forma de justificar la adquisición de los estados nacionales independientes en Europa, América, África y Asia, entre otros.

Después de leer lo que Herman van Rompuy tiene  — para poner fin a los Estados — es claro que los países no se verán fortalecidos a raíz de cualquier medida adoptada por la UE, el Banco Central Europeo o el FMI. En estos momentos hay una lucha dentro de la jerarquía bancaria, cuyos miembros están discutiendo cuál es la mejor manera de colapsar el sistema financiero mundial, comenzando con la zona euro y extenderla más tarde a las Américas.

El presidente de la UE no ha renunciado a su objetivo de destruir a las naciones y someterlas al poder de órganos gubernamentales no electos. “El tiempo de los Estados-nación homogéneos ha terminado”, dijo van Rompuy, quien agregó que “en todos los estados miembros europeos, hay personas que creen que su país puede sobrevivir solo en el mundo globalizado. Es más que una ilusión — es una mentira.” La firmeza de esta sentencia sólo puede venir de un hombre que detrás de las escenas conoce todos los detalles de la implosión prevista del sistema financiero mundial.

Desde la semana pasada y durante el fin de semana, los líderes europeos se han reunido para determinar cuál es la mejor manera de destruir la zona euro, consolidando el poder sobre los Estados independientes como lo han hecho con Grecia. Después de que el Banco Central Europeo admitió que comprará bonos soberanos de los países endeudados, el Fondo Monetario Internacional (FMI) se lanzó como un buitre financiero describiendo lo que cree que debe ser su papel en el mecanismo para destruir la economía europea. Mientras tanto, el primer ministro español, Mariano Rajoy, que no ha aceptado oficialmente las condiciones dadas por el BCE, entró en una carrera para pedir condiciones más suaves antes de entregar su país al BCE y el FMI.

“La decisión del BCE de proporcionar fondos a España, prácticamente obliga al país a solicitar un segundo rescate”, dijo el jefe del BCE, Mario Draghi. El BCE ya ha expresado su intención de comprar cantidades ilimitadas de deuda de España y otros países que lo necesiten, por lo que se espera que Rajoy no va a dejar pasar la oportunidad sin pedir un rescate completo del país. Diplomáticos españoles han ido a Bruselas, Frankfurt, Washington y Madrid para tratar de negociar mejores condiciones antes de que España pida el rescate este otoño.

Pero de acuerdo a información privilegiada de Bruselas, ni siquiera un plan de rescate financiero será una fuerte red de seguridad para España, porque es claro que el país no podrá cumplir con sus metas de reducir el déficit debido a la depresión económica que tiene lugar en Europa y el fracaso del gobierno español para aumentar sus ingresos. Así que el rescate no es más que una cortina de humo para facilitar la entrega de España a sus acreedores, los banqueros europeos.

Mientras tanto, la jefe del FMI, Christine Lagarde, dijo que la organización está interesada en jugar un papel relevante en el diseño y seguimiento del plan del Banco Central Europeo de comprar bonos emitidos por los gobiernos de la zona euro. Lagarde subrayó que las medidas recientemente anunciadas por el presidente del BCE, Mario Draghi, “allanan el camino a seguir”, pero señaló que la prioridad debe ser aplicada de una manera coordinada. “Estamos dispuestos a ayudar y colaborar en el diseño y ejecución de todos los programas que deben ser parte de la solución “, dijo Lagarde, quien ha enfatizado que su institución está dispuesta a participar “activamente “en el diseño y desarrollo del programa de compra de deuda de países de la zona euro.

Tanto Herman van Rompuy, como el primer ministro italiano Mario Monti, han convocado a una reunión con otros líderes europeos para encontrar un terreno común para “derrotar las ideas populistas que han tratado de destruir el euro”, dijeron. “La integración de la UE es un problema constante”, dijo Herman Van Rompuy, “una vez más frente a los problemas económicos y sociales (…) así que le doy la bienvenida a la idea del presidente Monti de celebrar una cumbre extraordinaria sobre el futuro de la unidad europea “, dijo Van Rompuy.

El presidente explicó que la Comisión Europea es consciente de las críticas y oposiciones que existen en este momento, pero hizo hincapié en “los enormes esfuerzos de todos los países e instituciones europeas realizadas con solidaridad sin precedentes”. El Sr. van Rompuy probablemente quiere decir que hay solidaridad hacia los banqueros, no a favor de la población europea, que a pesar de sufrir las mayores tasas de desempleo en la historia reciente, no ha tenido ninguna ayuda directa de los líderes de la UE. De hecho, las primeras iniciativas adoptadas por los gobiernos de la UE iban a recortar el gasto en programas sociales, salarios, pensiones y otros programas que generalmente alivian la carga que pesa sobre la mayor parte del ciudadano europeo promedio.

Se espera que España amplíe su campaña para obtener mejores condiciones antes de su solicitud de un plan de rescate durante la reunión de ministros de Finanzas de la UE. “Esa es una conversación que no debe ocurrir entre España y el BCE, sino entre España y los demás miembros de la zona euro”, dijo Benoit Coeuré, director francés del BCE, en una entrevista en France Inter.

Herman van Rompuy no rehuyó la semana pasada a preguntas sobre cual será el resultado final de todas estas negociaciones. Van Rompuy dijo que en diciembre el proyecto de una nueva arquitectura europea se habrá presentado. Este proyecto se llevará a cabo por el BCE y la Comisión Europea, e incluirá cuatro pilares relacionados entre sí: un sindicato bancario, una unión fiscal, una unión económica y una unión política más profunda.

Europa: Do Subprime ao Colapso

POR LUIS MIRANDA | THE REAL AGENDA | AGOSTO 17, 2012

A tempestade, que começou em os EUA pelo menos cinco anos atrás, desestabilizou governos, bancos e financistas de hipotecas.

A explosão da crise das hipotecas subprime em os EUA atinge o seu quinto aniversário com um legado que inclui uma crise econômica mundial que parece interminável: a dissolução do euro quase certa, e, no caso da Grécia, Espanha, França e, provavelmente, Portugal e Itália, entre outros países, a necessidade para buscar socorro financeiro da União Europeia.

Depois de cinco anos, a Grécia já não é propriedade de seu povo, mas dos banqueiros. O país sofreu um colapso total, depois que o alarme disparou em 9 de agosto de 2008. O mesmo aconteceu em Espanha, que passou de ter uma taxa de crescimento de 4% para um valor negativo que deverá ser de 1,5% em 2012. Como em outros países afetados pela dívida soberana, o mercado de ações da Espanha perdeu metade do seu valor — não que isto realmente signifique algo no mundo real — e os lucros das empresas, dependendo de quem você perguntar, tem visto perdas dramáticas.

Quase todos os países da zona do euro têm visto a sua capacidade de endividamento eliminada ou profundamente desgastada, devido à perda de reputação como mutuários de confiança. Isso também tornou mais caro para as nações pagar sua dívida existente, o que colocou o foco sobre os líderes dessas nações. Em resposta ao desafio fiscal, os governos simplesmente decidiram continuar como antes, ou seja, pedir mais empréstimos com taxas de juro mais elevadas, a fim de financiar os sistemas de dependência populares gigantescos dos que são orgulhosamente donos.

Através dos anos, o déficit cresceu, assim como a dívida e os respectivos juros. A bolha da dívida soberana, para usar um termo familiar, está muito mais próxima de explodir em alguns países como a Espanha, onde a incapacidade de pagar a sua dívida é cada vez menor, enquanto continua pedindo mais empréstimos.

A recusa dos governos europeus a agir de acordo com os melhores interesses de seu povo, levou a mais desemprego, mais dívida, menos produção e menos soberania. Na zona euro, a maioria dos países foram rebaixados pelas agências de classificação de crédito, que por sinal foram criadas pelos banqueiros —  Fitch e Moody’s — que resultou no aumento de custos dos empréstimos.

O premium de risco, o índice de confiança dos investidores na dívida soberana de um país, medido pela diferença entre os títulos de um pais, colocados a 10 anos, e os títulos alemães para o mesmo período, foi do total anonimato a se tornar o indicador essencial para todas as economias. Em agosto de 2007, o premium de risco para a Espanha, por exemplo, que é a medida dos custos adicionais exigidos pelos investidores para comprar dívida soberana espanhola em comparação com a Alemanha, foi de 12 pontos. Hoje é de 630 pontos.

Embora a crise do subprime foi originada nos Estados Unidos, onde todos os tipos de sistemas foram criados para fraudar credores, devedores, famílias e fundos de investimento, as ondas de choque rapidamente chegaram à Europa, onde grandes bancos haviam investido — mesmo sabendo — nos mesmos produtos financeiros fraudulentos contaminados com empréstimos subprime.

Um dos gatilhos da crise na Europa foi a suspensão temporária de três fundos de ações pertencentes ao BNP Paribas em 9 de agosto de 2007. Esta medida foi uma consequência direta do desastre das hipotecas subprime nos EUA, onde as empresas investiram o dinheiro dos seus clientes, enquanto o risco era mínimo. Proporcionalmente, de cada $ 100 em risco, $ 97 pertenciam a fundos de pensões, cooperativas de crédito, contas de aposentadoria e investidores médios. Apenas R $ 3 eram dos bolsos daqueles que arriscaram ativos de seus clientes.

Na maioria dos casos, as instituições financeiras norte-americanas nao regulamentadas diversificaram os riscos de empréstimos subprime a traves da securitização, e transferiram-os para outros bancos no mercado de derivativos de crédito. Derivativos são uma forma de produtos financeiros criados artificialmente que têm pouco ou nenhum valor.

A falta de transparência e falta de clareza nos termos dos contratos de derivativos, fez este instrumento financeiro um dos mais atraentes, mas também o mais arriscado. No caso da crise de 2008, os investidores apenas revelaram a possibilidade de obter retornos elevados, mas não o risco em seus investimentos. Assim, pessoas, empresas e organizações viram o seu dinheiro simplesmente desaparecer. Alguém tinha fugido com seu dinheiro.

As supostas securitizações inofensivas envolviam a transformação de um bem ou um direito não-negociável para um pagamento (por exemplo, uma hipoteca) títulos de dívida ou títulos homogêneos, padronizados e abertos à negociação em mercados organizados. As instituições financeiras assumiram o risco por duas razões. Primeiro, porque o dinheiro que estava em risco, era dos investidores e não o seu. Segundo, porque eles sabiam que os governos ofereceriam resgates, como aconteceu desde 2008. A impossibilidade imediata de saber o valor total desses ativos tóxicos e quem tinha sido exposto a eles piorou ainda mais o tsunami que aprofundou a crise para níveis nunca antes vistos.

A infecção causou o colapso dos mercados financeiros e serviu de desculpa perfeita para o Banco Central Europeu (BCE), a Federal Reserve e outros bancos centrais para assumir a liderança e iniciar a maior transferência de riqueza nunca vista na história. Não apenas os bancos escaparam com o dinheiro de investidores, mas eles também estavam prestes a receber resgates financiados pelos contribuintes — ainda em curso — mesmo sendo eles os únicos culpados pelo colapso do sistema existente.

Até agora, os resgates bancários totais atingiram US $ 1 trilhão, e em todos os casos, todo esse dinheiro tem sido dado a pessoas ligadas aos governos e instituições bancárias internacionais. É importante ressaltar que alguns cálculos estabelecem o valor de mercado de derivativos em pelo menos US $ 1 quatrilhão de dólares; um valor que é impossivel de pagar.

Desde o início da crise, e em uma transação feita de forma isolada, o Banco Central Europeu deu $94.841 milhões, um terço a mais do que foi dado aos bancos depois dos ataques terroristas de 11 de setembro de 2001 em Nova York, que somou um total de $69,300 milhoes. Esta mudança significa pouco ou nada, porque as conexões em uma economia globalizada começaram a revelar que os problemas estavam prestes a piorar.

A tempestade, que começou em algumas empresas de financiamento de hipotecas se tornou um vendaval que esmagou governos como os da Grécia, Itália e França, as gigantes hipotecárias Fannie Mae e Freddie Mac e os bancos de investimento como o Bear Stearns e Lehman Brothers em Wall Street. Estes dois bancos, junto com muitos outros foram literalmente absorvidos e digeridos por bancos maiores, com dinheiro dos contribuintes, que ajudou aos banqueiros a curar as perdas e ainda ter mais dinheiro para eles pagar os salários exorbitantes de seus CEOs.

A crise chegou a um ponto em que ela arruinou matematicamente quase a todos, se não todos os países desenvolvidos — embora seus políticos digam o contrário — devido à incapacidade das nações de pagar suas dívidas. Sua implosão é apenas uma questão de tempo. Com a Espanha, França e Itália, que são nacoes incapazes de cumprir as suas obrigações e não estao dispostas a buscar políticas fiscais e monetárias sanas, o colapso da zona euro é quase iminente. Como mencionado em artigos anteriores, a quantidade de tempo até a ocorrência do colapso total está nas mãos dos bancos que inicialmente causaram a crise.

A crise financeira e a desconfiança no sistema de crédito levou a uma recessão extensa nos paises desenvolvidos e retardou o crescimento em mercados emergentes como Brasil e China, mas principalmente colocou em perigo a sobrevivência da moeda única europeia. Os efeitos da crise não foram vistos muito em outras regiões do mundo, onde, no entanto, as suas economias já começaram a encolher.