Advertisements

Zero Hora Newspaper Lies to Readers about Chem-trails

By Luis R. Miranda
The Real Agenda
June 23, 2010

Chem-trails do not decorate or adorn the sky. They are part of an experiment used globally called Geo-engineering that seeks to limit the

Chem-trails are lines of toxic Aluminum Oxide, Barium and Sulfur left on the sky by airplanes with the intent of reflecting solar radiation.

amount of sunlight the planet receives in order to reduce the nonexistent global warming. As The Real Agenda already reported, chemical trails or chem-trails, as they are called in English, are composed of crystals of aluminum oxide, barium and sulfur, used to -according to some scientists-, block and reflect sunlight in order to decrease the temperature of the planet. The problem with these trails is that, inevitably, they become part of the air people breathe, causing them severe breathing problems and other health complications.

Geo-engineering, or the artificial manipulation of weather and climate patterns, is a topic that has stirred controversy after it was discovered that government agencies have studied and are still studying the application of weather modification techniques, they say, to eliminate or limit global warming and other weather “diseases”. As with other artificially engineered products, such as GM foods, most of us were ignorant about it and took a huge effort from the alternative media to uncover and expose this program. See the video of chemical trails over the city of Sao Leopoldo, RS, Brazil and planes spreading them here.

The use of chemical trails is not only a question of climate change, but involves a set of environmental changes. The first direct consequences of the spraying of chemicals have been a multitude of health complications to the population, as the effects of neurological and behavioral changes, impaired blood circulation, heart problems, effects on the eyes and vision, reproductive failure, damage to the immune system, gastrointestinal, liver and kidney function damage, hearing defects, disorders of the metabolism, dermatological lesions, asphyxiation and pulmonary embolism. How do we know? Tests conducted on people suffering from any or several of these complications have high levels of one or more of the chemicals sprayed on population centers. In other tests, air samples also showed high concentrations of barium and aluminum.

But if these tracks are not toxic chemicals, as the Zero Hora Newspaper says, why is Monsanto, a chemical company itself, creating seeds that can withstand the chemicals used in the spraying? According to Dr. Ilya Sandra Perlingieri, the chemicals applied to populated and depopulated areas are harming not only the environment but also human health.

“… We also know that certain types of chemicals can damage human health and animals, especially the immune system … … the dangers of hormonal changes are now more fully explained in the Internet but are not well known by people who listen to traditional news media.(1) Most of these highly toxic chemicals are invisible and thus are easily out of our collective radar. With the level of stress created by the financial crisis deliberately orchestrated by the elites, where millions of people lost their jobs and homes, a deteriorating environment is not a priority for anyone, especially if there is little information about it. This scenario is part of a broader perspective and is what Naomi Klein writes in his book “The Shock Doctrine.” We have major crises, one after another, making it difficult to keep up with our daily routine, much less to have time to consider the toxicological implications of huge amounts of heavy metals and chemicals that poison our food chain and therefore our supposed health . “We’re on top of a food chain in ruins. ”

Read the complete evaluation from Dr. Perlingieri on Geo-engineering and climate change here.

Chem-trails over Sao Leopoldo, Brazil on June 4th, 2010

In spite of negative consequences, there are scientists who insist on the use of chemical trails.”I suggest that both the aluminum oxide as well as silica particles can be used diluted as an additive in the fuel used in aviation,” writes engineer John Gorman, who conducted experiments to test the feasibility of such a scenario. “We want to burn fuel containing the additive specifically when the aircraft is strolling in the lower stratosphere,” he adds. Reports of chemical trails over hundreds of cities in countries around the world are now common. Plumes of smoke paint the blue skies of gray after commercial and private planes release chemicals. Both government agencies and institutions such as the air force and private contractors are responsible for operating the aircraft, putting the chemicals in tanks or even in the fuel that airplanes use.

With all the negative effects that chem-trails have had on populations, many scientists have made pronouncements about the dangers that this type of Geo-engineering poses to the environment and people. Dan Schrag, from Harvard University, warned that any attempt to change the environment, including the ecosystem itself, could have disastrous consequences, including droughts and other natural disasters. “I think we should consider the climate engineering only as an emergency response to a climate crisis, but there is no evidence to show that a climate crisis exists,” said Schrag. Alan Robock, a professor at Rutgers University, says the consequences could go much further than drought. These experiences, he says, “could create disasters”, damaging the ozone layer and potentially changing the stratosphere, eliminating weather patterns, such as the rainy season from which billions of people depend on for their crops and to feed their families. “The problem is that this is exactly what the use of chemical trails are supposed to do: change weather patterns. The use of chemicals to block the sun’s rays will lead to drastic changes in the biosphere and atmosphere, such as the hydrological cycle, wind patterns and how the sun drives the winds around the planet. Other consequences such as soil fertility and water availability are beginning to be emerge.

Do not let the lies of the Zero Hora newspaper confuse you. Geo-engineering and chemical trails are not the same as condensation trails or contrails. While the contrails disappear after a few minutes in the sky, chem-trails are left by airplanes crossing the sky several times, producing figures like chessboards, circles and semi-circles.

If humans are responsible for global warming, why block the sun? The truth is that the sun is the most gigantic hot body in the solar system and as such, the element that determines the climate. Different calculations estimate that human activity emits only between 4 and 6 percent of total CO2 in the atmosphere, thus having little influence on weather patterns. Volcanic eruptions and the sun, for example, have a greater effect on climate than any human activity. CO2 is really what most of the biosphere uses as food. An environment rich with CO2, provides more fuel for the plants and trees and more food for animals and humans. Another consequence of chemical trails is acid rain. Raindrops containing chemicals cause massive acidification of lakes and rivers, contributing to the poisoning of humans, trees at higher elevations and many sensitive forest soils.

But not only those who reject the theory of anthropogenic global warming are skeptical about the use of chemical trails. The chief scientist of Greenpeace UK, Doug Parr, a defender of the explanation of anthropogenic global warming, disqualifies Geo-engineering as “strange” and “dangerous.” A report from KSLA earlier this year found that chemical experiments with aerosols have been happening for decades. The report revealed experiments exposed in 1977 in hearings before the U.S. Senate. The report showed experiments with biochemical compounds in humans and reported that “239 populated areas were contaminated with biological agents between 1949 and 1969.

According to the article on Zero Hora, -which omits the name of the reporter- these tracks mean nothing more than random condensation of

This is what a chem-trail looks like 30 minutes after it was sprayed. It then spreads and covers the sky in what seems to be haze.

contrails, but the evidence shows exactly the opposite. The newspaper reporters are ignorant or simply lie to their readers deliberately.

If the ultimate goal of Geo-engineering is to reduce the effects of global warming due to human activity and their related emissions of greenhouse gases, you would think that this method would at least have a good chance of working, Would not you? Well, it happens that Geo-engineering has no effect in preventing what corrupt scientists say causes global warming in the atmosphere. Therefore, the use of chemical trails is at best an inefficient solution and, at worst, a mass poisoning of humanity.

Scientist David Suzuki says Geo-engineering is “madness” and goes further to say: “If we learned anything from the past, is that although we are very skillful in inventing new and powerful technologies, our knowledge of how our world works and how things are interconnected is almost zero. ”

But there is a more worrisome aspect about Geo-engineering We all know what governments are capable of doing when they want to manipulate people: inexplicable wars, false pandemics, non-existent terrorist events … Although the use of chemicals as weapons of war is generally seen as morally and universally banned, we have seen very convincing evidence that such a prohibition is not always respected. According to an article published in Wired Magazine, other forms of Geo-engineering such as ocean fertilization can be used to sterilize the oceans, that in turn would destroy fisheries and water ecosystems.

Even the globalist United Nations, traditional supporter of these policies expressed concern with the use of chemical trails. The 14th Session of the Subsidiary Body on Scientific, Technical and Technological Advice was the first place where the United Nations Council discussed Geo-engineering since the signing of the ENMOD Treaty in 1976. The treaty banned Geo-engineering when it is used for hostile purposes.  SBSTTA 14 will recommend to the UN Convention on Biological Diversity to impose a moratorium on all activities related to climate change through Geo-engineering at a meeting in Nagoya Japan on October 2010.

So why have we adopted a technique of changing the climate which is harmful to humans and whose main goal is not achievable? Who benefits from this type of Geo-engineering technologies that are adopted for other reasons? Certainly not the environment. More answers about chemical trails or chem-trails, its origins and what they mean can be found in The Science of “Air Pharmacology” and “Chemtrails.”

Naturally, the knowledge spreads faster and better when more people locally and responsibly report on these issues. So tell your family, friends and acquaintances about the origin and dangers of Geo-engineering around the globe. Just as THE PEOPLE exposed the lies about anthropogenic global warming and Climategate, it is our duty to expose this too.

To my colleagues at the Zero Hora newspaper, I have to say: it costs nothing to write a full report with credible sources and facts. But I think we all know why this newspaper avoids writing the truth. It is part of the great media empire from Brazil known as GLOBO. Maybe it’s hard to speak or write the truth while working there. Only those who lend themselves to lie or tell half-truths because of their ignorance or laziness have space in a company like Zero Hora or the GLOBO empire.

Advertisements

Jornal Zero Hora Mente para seus Leitores

Por Luis R. Miranda
The Real Agenda
Junho 8, 2010

As trilhas químicas não enfeitam ou adornam o céu. Elas são parte de um experimento de geo-engenharia usado globalmente que pretende limitar a quantidade de luz solar que o planeta recebe com o objetivo de diminuir o falso aquecimento global. Como The Real Agenda já reportou, trilhas químicas ou chemtrails, como se chamam em inglés, são compostas de cristais de óxido de alumínio, bário e enxofre que, segundo alguns cientistas, bloqueiam e refletem a luz solar com o objetivo de diminuir a temperatura do planeta. O problema com estas trilhas é que, inevitavelmente, os componentes químicos tornam-se parte do ar que as pessoas respiram, causado-lhes graves problemas respiratórios e outrascomplicações da saúde.

Geo-engenharia, ou a manipulação artificial das condições meteorológicas e padrões climáticos, é um tema que gerou polêmica depois que se descobriu que agências governamentais estudaram e continuam estudando a aplicação de técnicas de modificação do tempo, que eles dizem, é para eliminar ou limitar o aquecimento global e outras “doenças” atmosféricas. Como aconteceu com outros produtos artificiais, tais como alimentos transgênicos, a maioria de nós era ignorante sobre o assunto e levou um esforço gigante da mídia alternativa para descobrir e expor este programa. Veja o vídeo das trilhas químicas nos céus de São Leopoldo, RS, Brasil e de aviões espalhando-as aqui.

Trilhas Químicas sobre Sao Leopoldo, Brazil

O uso de trilhas químicas não é apenas uma questão de mudança do clima, mas implica um conjunto de mudanças ambientais. As primeiras consequências diretas da pulverização de compostos químicos têm sido uma multiplicidade de complicações de saúde às populações, como os efeitos neurológicos e alterações comportamentais, perturbações da circulação sanguínea, problemas cardíacos, efeitos sobre os olhos e a visão, falhas reprodutivas, danos ao sistema imunológico e gastrointestinal, danos ao fígado e às funções renais, defeitos de audição, distúrbios do metabolismo hormonal, efeitos dermatológicos, asfixia e embolia pulmonar. Como sabemos isso? Os testes realizados em pessoas que sofrem de alguma ou várias destas complicações apresentam níveis elevados de um ou mais dos produtos químicos pulverizados sobre centros populacionais. Em outros testes, amostras de ar também apresentaram altas concentrações de bário e alumínio.

Mas, se esses rastros químicos não são tóxicos, como o Jornal Zero Hora diz, porque a Monsanto, uma empresa química, está criando sementes que podem suportar os produtos químicos utilizados nestes percursos? Segundo a Dra. Ilya Sandra Perlingieri, os produtos químicos aplicados às áreas povoadas e despovoadas estão prejudicando não só o ambiente mas também a saúde humana.

“… Nós também sabemos que certos tipos de produtos químicos podem danificar a saúde humana e dos animais, especialmente o sistema imunológico … … os perigos das alterações hormonais estão agora mais amplamente explicadas na Internet, mas não são bem conhecidos pelas pessoas que escutam notícia dos meios de comunicação tradicionais. (1) A maioria destes produtos químicos altamente tóxicos são invisíveis e, portanto, estão facilmente fora do nosso radar coletivo. Com o nível de estresse criado deliberadamente pela crise financeira orquestrada pelas elites, onde milhões de pessoas perderam seus empregos e lares, um ambiente degradado não é prioridade para ninguém, especialmente se há pouca informação ao respeito. Este cenário faz parte de uma perspectiva mais ampla e é o que Naomi Klein escreve em seu livro “The Shock Doctrine”. Temos grandes crises, uma após a outra, sendo difícil manter o contato com nossa rotina diária, muito menos ter tempo para considerar as implicações toxicológicas de enormes quantidades de metais pesados e produtos químicos que envenenam nossa cadeia alimentar e, portanto, a nossa suposta saúde. ” Estamos no topo de uma cadeia alimentar em ruínas. ”

Leia a avaliação completa da Dra. Perlingieri sobre a geo-engenharia e as alterações climáticas aqui.

A pesar das consequências negativas, existem cientistas que insistem no uso de trilhas químicas. “Eu sugiro que tanto o óxido de

Depóis de 30 a 60 minutos as trilhas se extendem e encobrem o céu em São Leopoldo

alumínio quanto partículas de sílica podem ser usadas na estratosfera diluídas como um aditivo no combustível usado na aviação”, escreveu o engenheiro John Gorman, que conduziu experimentos para testar a viabilidade de tal cenário. “Nós queremos queimar combustível contendo o aditivo especificamente quando a aeronave esteja passeando na baixa estratosfera”, acrescenta. Relatórios de trilhas químicas ao longo de centenas de cidades em países ao redor do mundo são agora comuns. Plumas de fumaça pintam os céus azuis de cinza, após aviões comerciais e privados liberam os produtos químicos. Ambas agências governamentais e instituições como a Força Aérea ou empresas privadas contratadas são responsáveis por operar os aviões, colocar os componentes químicos em tanques independentes ou até mesmo no combustível que as naves usam.

Com todos os efeitos negativos que as trilhas tiveram sobre as populações, muitos cientistas fizeram pronunciamentos sobre os perigos que este tipo de geo-engenharia representa para o ambiente e as pessoas. Dan Schrag, da Universidade de Harvard, alertou que qualquer intenção de mudar o ambiente, incluindo o próprio ecossistema, poderia ter conseqüências desastrosas, entre elas, secas e outros desastres naturais. “Eu acho que nós deveríamos considerar a engenharia climática apenas como uma resposta de emergência a uma crise climática, mas não existem provas que mostrem uma crise climática”, disse Schrag. Alan Robock, professor da Rutgers University, diz que as consequências poderão ir muito mais longe do que secas. Estas experiências, ele diz, “poderiam criar catástrofes”, danificando a camada de ozônio e, potencialmente, alterando a estratosfera, eliminando os padrões climáticos, tais como a estação das chuvas, da qual bilhões de pessoas dependem para suas lavouras e alimentos para a população “. O problema é que este é exatamente o que o uso de trilhas químicas pretende fazer: mudar os padrões meteorológicos. A utilização de produtos químicos para bloquear os raios do sol implicará em mudanças drásticas na biosfera e atmosfera, tais como o ciclo hidrológico, padrões de vento e como o sol impulsiona os ventos ao redor do planeta. Com isso, outros aspectos tais como fertilidade do solo e a disponibilidade de água começam a aparecer.

Não deixe que as mentiras do jornal Zero Hora, do Rio Grande do Sul, confundam você. Geo-engenharia e trilhas químicas não é o mesmo que contrails ou trilhas de condensação. Enquanto os contrails desaparecem após alguns minutos no céu, chem-trails são deixadas por aviões que cruzam o céu várias vezes, produzindo figuras como um tabuleiro de xadrez, círculos e semi-circulos.

Se os seres humanos são responsáveis pelo aquecimento global, por que bloquear o sol? A verdade é que o sol é o mais gigantesco corpo quente do sistema solar e como tal, o elemento que determina o clima. Diferentes cálculos estimam que a atividade humana emite apenas entre 4 e 6 por cento do total de CO2 na atmosfera, portanto, tendo pouca influência sobre os padrões climáticos. Erupções vulcânicas e o sol, por exemplo, têm um efeito maior no clima do que qualquer atividade humana. O CO2 é realmente o que a maioria da biosfera usa como alimento. Um ambiente rico em CO2, então, fornece mais combustível para as plantas e as árvores e mais alimentos para animais e seres humanos.

Em una ou duas horas, os compostos químicos formam uma neblina o névoa que mais tarde cai como chuva ácida.

Outra conseqüência das trilhas químicas é a chuva ácida. Gotas de chuva contendo elementos químicos causam enorme acidificação dos lagos e rios, contribuindo com o envenenamento dos humanos, árvores em altitudes elevadas e muitos solos florestais sensíveis. Mas não só aqueles que rejeitam a teoria do aquecimento global antropogênico são céticos sobre o uso de trilhas químicas. O cientista chefe do Greenpeace no Reino Unido, Doug Parr, um defensor da explicação do aquecimento global antropogênico, desqualifica as tentativas de Geo-engenharia do planeta como “estranhas” e “perigosas”. Uma reportagem da KSLA no início deste ano constatou que experimentos químicos com aerosóis vêm acontecendo por décadas. A reportagem revelou experimentos expostos em 1977 em audiências do Senado dos Estados Unidos. O relatório mostrou as experiências com compostos bioquímicos em humanos e relatou que “239 áreas povoadas foram contaminadas com agentes biológicos, entre 1949 e 1969.

Então, para os que escreveram o artigo na Zero Hora, -o qual não tem o nome do repórter- estas trilhas não significam nada mais do que condensação casual de contrails, mas as provas mostram exatamente o oposto. Os repórteres no jornal são ignorantes ou simplesmente mentem para os seus leitores deliberadamente.

Se o objetivo final da Geo-engenharia é reduzir os efeitos do aquecimento global devido à atividade humana e às suas consequentes emissões de gases estufa, pensaríamos que este método teria pelo menos uma boa chance de funcionar, não é? Bem, acontece que a Geo-engenharia bioquímica não tem efeito nenhum para evitar o aquecimento que cientistas corruptos dizem causam o efeito estufa na atmosfera. Portanto, o uso de trilhas químicas é, no mínimo, uma solução incompleta e, no máximo, um envenenamento massivo da humanidade.

O cientista David Suzuki diz que a geo-engenharia é uma “loucura” e vai mais longe ao dizer: “Se nós aprendemos alguma coisa do passado, é que apesar de estarmos muito hábeis em inventar novas e poderosas tecnologias, nosso conhecimento de como o mundo e as coisas estão interligadas é quase zero. ”

No final de tudo isso há um aspecto mais preocupante da geo-engenharia. Nós todos sabemos o que os governos são capazes de fazer quando querem manipular as pessoas: guerras inexplicáveis, pandemias inexistentes, eventos terroristas … Embora o uso de produtos químicos como arma de guerra é geralmente visto como moralmente e universalmente proibido, temos visto evidências muito convincentes de que essa proibição nem sempre é respeitada. Segundo um artigo publicado na Revista Wired Magazine, outras formas de geo-engenharia, tais como fertilização dos oceanos, podem ser usados para proliferação de algas que esterilizam os oceanos, isto, por sua vez destruirá a pesca e os ecossistemas de água.

Mesmo os globalistas das Nações Unidas, tradicionalmente defensores destas politicas, manifestaram sua preocupação com a

Algumas trilhas tomaram completamente os céus de São Leopoldo em 03 de junho.

utilização das trilhas químicas. A 14ª Sessão do Órgão Subsidiário de Assessoramento Científico, Técnico e Tecnológico foi o primeiro lugar onde o Conselho das Nações Unidas discutiu a geo-engenharia, desde a assinatura do Tratado ENMOD em 1976. O tratado proibiu a geo-engenharia, quando ela é usada para objetivos “hostis”. SBSTTA 14 irá recomendar à Convenção das Nações Unidas sobre a Diversidade Biológica a imposição de uma moratória sobre todas as atividades de modificação do clima através de geo-engenharia em uma reunião em Nagoya, Japão em outubro 2010. Naturalmente, o conhecimento se dissemina mais rápido e melhor quando as pessoas mais a nível local são responsáveis por informar sobre estas questões. Então, conte à sua família, amigos e conhecidos sobre a origem e os perigos de armas laser e a modificação do clima com geo- engenharia ao redor do globo. Assim como OS POVOS expuseram as mentiras sobre o aquecimento global antropogênico e Climategate, é nosso dever expor isso também.

Então, por que adotamos uma técnica de modificação do clima que é prejudicial aos seres humanos e cujo principal objetivo não pode ser alcançado? Quem se beneficia deste tipo de tecnologias de geo-engenharia se são adotadas por outras razões? Certamente não será o meio ambiente. Mais respostas sobre trilhas químicas ou chemtrails, suas origens e o que elas significam pode ser encontrado em A Ciência da “Farmacologia do Ar” ou “Chemtrails”. Aos meus colegas na Zero Hora quero dizer: não custa nada escrever uma reportagem completa com fontes confiáveis e com fatos. Mas acho que todos sabemos porque este jornal evita escrever a verdade. Como parte do grande império da Globo, talvez é dificil falar ou escrever a verdade. Somente os que se prestam para mentir ou falar meias verdades por causa da sua ignorância -voluntária ou não- e /ou preguiça profissional têm espaço numa empresa como o Jornal Zero Hora ou o império Globo.

Brasil viola Libertades Civiles

Por Luis R. Miranda
The Real Agenda
Mayo 11, 2010

Brasil es conocido por la samba, hermosas playas y gente amable. El país es a menudo comparado con los países más desarrollados debido a su tamaño, población y recursos. Pero hay una cosa más en la que Brasil es similar a los llamados países desarrollados: Brasil también viola las libertades civiles de sus ciudadanos. A diferencia de, por ejemplo, los Estados Unidos o Inglaterra, la policía aquí no molesta a los ciudadanos. Sin embargo, la violación de sus libertades y derechos se hace en silencio. Brasil es un país con un acceso muy limitado a la información y la gente aquí sabe muy poco acerca de sus derechos y deberes. Este paisaje es un terreno fértil para el abuso y la corrupción gubernamental.

El gigante de América del Sur es conocido por su impunidad. La corrupción es rampante, de norte a sur y de este a oeste. En una encuesta reciente, se determinó que Brasil está entre los primeros países donde la corrupción y la impunidad reinan en todos los niveles. Aunque gran parte de esta corrupción acontece cuando los funcionarios dan y reciben grandes sumas de dinero en efectivo a cambio de favores políticos, hay mucho más que la corrupción de la burocracia. La antigua colonia portuguesa adopta rápidamente medidas de control de población globalistas como lo hacen los Estados Unidos, Gran Bretaña, Australia y Nueva Zelanda.

En los últimos 12 meses, algunos diarios revelaron entre las líneas de sus páginas el casi obligatorio carácter de la campaña de vacunación contra la gripe H1N1, aunque se ha demostrado que la pandémia es una farsa, la vacuna se sigue aplicando en todo el país. Afortunadamente, algunas personas se informaron acerca de los peligros de la vacuna y la campaña no ha tenido los resultados esperados por las autoridades sanitarias del gobierno. Según el periódico Zero Hora, sólo 670 000 personas de edad avanzada fueron vacunados en lugar de 1,4 millones en el estado de Rio Grande do Sul y menos del 50 por ciento se vacunó contra la gripe regular. Sin embargo, esto no significa que Brasil puede escapar del control de las campañas de la Organización Mundial de la Salud pues las vacunaciones se siguen haciendo en todo el país.

Brasil también utiliza una forma sintética de floruro de sódio en el agua potable, una práctica habitual adoptada por las supuestas ventajas en el cuidado de los dientes, aunque se haya determinado que esta creencia no es más que pseudociencia. Recientemente, esta publicación entrevistó a una funcionaria del SEMAE, una organización gubernamental que se ocupa de la calidad del agua en la ciudad de Sao Leopoldo, Brasil. Con una maestría en química, Juliana da Silva Chaves no sólo admitió que nunca vio un estudio que confirme las ventajas de utilizar el ingrediente que ella identificó como flúor, pero también confesó que el floruro se coloca en el agua basándose en la creencia que este ayuda a promover la salud oral. La química confirmó que esta creencia proviene de las altas autoridades de salud, pero ningún estudio que ella vió ha demostrado la veracidad de la misma. Cuando se le preguntó acerca de los peligros que el floruro de sodio y otras sustancias en el agua potable presentan a la salud humana, Chaves dijo que nunca aprendieron nada sobre la toxicidad en las clases universitárias o en las sesiones de capacitación. De hecho, el fluoruro causa caries, cáncer oral, diversos trastornos neurológicos y disminución de la inteligencia.

El país está en la etapa final en la adopción de tarjetas de identificación que tienen un chip de radiofrecuencia, así como los escáneres de cuerpo entero en los aeropuertos. Estas dos últimas tecnologías ya están siendo utilizados o entrarán en funcionamiento en los próximos 10 años. En el caso de los escáneres que emiten radiación, varios de ellos ya se usan en aeropuertos nacionales e internacionales. Según el periódico Zero Hora de Rio Grande do Sul, los pasajeros de vuelos en las ciudades de Guarulhos, Río de Janeiro, Recife y Manaus pueden ser seleccionados como candidatos para pasar por uno de estos escáneres. Esta medida es rechazada por los grupos que defienden la privacidad de los ciudadanos en la mayoría de los países desarrollados, debido no sólo a que emiten radiación, sino también por el hecho de que los cuerpos de las personas se ven completamente desnudos en las fotos que la máquina genera.

De acuerdo a muchos grupos de derechos civiles, el uso de los escáneres es una grave violación de las leyes de privacidad. Las imágenes generadas por los escáneres se guardan en un disco duro y se usan para monitorear a los ciudadanos. Aunque los funcionarios de Brasil niegan la capacidad de los escáneres para ofrecer estas imágenes, Angelo Gioia, de la Policía Federal en Río de Janeiro, admitió que se trata de un método de vigilancia más invasivo. En la actualidad, la legislación brasileña permite que las personas sean revisadas cuando hay sospecha de actividad ilícita, pero no regula el uso de este tipo de escáner. Goia cree que no deben haber límites cuando se trata de seguridad. El costo de cada escáner corporal es de $ 170.000. La tecnología de escaneo funciona basándose en el uso de ondas y radiación en un cuerpo para medir la energía reflejada, y así hacer una imagen 3D de ondas milimétricas. Los usuarios de los escáneres están expuestos a ondas electromagnéticas entre 3 y 30 GHz, similar a la expedición de un teléfono celular. Los promotores de los escáneres en los aeropuertos siempre citan los enormes beneficios que proporcionan en la prevención de los riesgos de seguridad tales como armas, explosivos, etc. Pero la verdad es que una revisión normal o perros detectores de bombas son tan útiles o más exactos. Como se ha hecho en otros países, en Brasil, el uso de estas tecnologías se presenta como una ventaja, para que más personas la reciban y aprueben. Poco se dice acerca de la violación de los derechos de intimidad de las personas y sus propiedades. Más allá de la conveniencia, hay otro factor inyectado en la aprobación de escáneres: el miedo. La amenaza del terrorismo es la carta bajo la manga lista para ser mostrada en caso que las personas se quejen de los escáneres o piensen que son inconvenientes.

¿Cómo es la situación del terrorismo aquí en Brasil? Comparado con otros países como Irlanda, Israel, Palestina, Pakistán y Gran Bretaña, la existencia del terrorismo es nulo. El país nunca ha sufrido un gran ataque terrorista en la historia moderna. Lo más cercano al terrorismo son los enfrentamientos ocasionales entre los traficantes y agentes de policía en pequeños barrios de Río o Sao Paulo. ¿Por qué Brasil necesita entonces de escáneres? La respuesta es no se necesitan. Como en muchos otros países, la adopción de esta tecnología es sinónimo de la pérdida de las libertades civiles, donde los ciudadanos son culpables antes de ser probada su inocencia. De hecho, la historia muestra que los ataques terroristas más sorprendentes fueron aquellos del tipo “bandera falsa”, o false-flag, usualmente patrocinados o llevados a cabo por gobiernos corruptos. Para Gerald Celente, conocido estudioso de las tendencias mundiales y fundador del Instituto para la Investigación de las Tendencias, 2010 es el año de los ataques patrocinados por los gobiernos. “Es el desastre del 2010, tal como habíamos anticipado”, dice Celente. “El colapso de la economía mundial empezó en marzo de 2009, cuando los mercados estaban inflados con dinero falso.” Celente predijo la crisis actual, la caída de las bolsas, el conflicto en Grecia y el colapso de Islandia, Argentina, Portugal, España, y la crisis en EE.UU. y el Reino Unido. “Aquellos que creen que tales cosas como los escáneres y el chip en los documentos de identificación son beneficiosos, merecen lo que reciben.” Gerald Celente alerta a las personas sobre lo que sucederá una vez que este tipo de políticas sean aplicadas en su totalidad. Vea este clip en 5 minutos y 30 segundos.

Cuando se trata de la Tarjeta Nacional de Identidad en  Brasil, la información sobre el tema es muy escasa. La mayoría de las personas que acuden a las oficinas de la policía federal en todo el país para renovar sus licencias de conducir o de identificación no saben o quieren saber acerca de las nuevas tecnologías utilizadas en los documentos. En otros países donde se aplicó, el Documento Nacional de Identidad es rechazado por grupos de ciudadanos informados  ya que contiene toda la información relacionada con el titular de la tarjeta, el número de identidad, dirección física y número de identificación único que incluye una amplia variedad de información privada como cuentas bancarias, de ahorro, el lugar de trabajo, la record votación y otros.

En Brasil, la nueva Tarjeta de Identificación Nacional proporciona un número único de identificación de acuerdo al estado donde vive la persona. En el sur, la gente se identificará con un único número de 10 dígitos, en Brasilia, 7 dígitos, São Paulo, 9 dígitos. La emisión de la nueva tarjeta se iniciará en octubre de 2010 y se estima que todos los ciudadanos y los inmigrantes naturalizados formaran parte de la base de datos en 2020. Según el experto en tecnología RFID, Chris Paget, el RFID se ha utilizado durante años en las tarjetas de crédito y de débito. “Han habido cientos de millones de tarjetas emitidas con RFID. El problema es que la gente no conoce la tecnología contenida en las tarjetas, por lo que no hacen nada para protegerla.” Parece extraño que la tecnología diseñada para mantenernos seguros, debe ser protegida al mismo tiempo. Ahora cualquier persona con un lector RFID puede encontrar tarjetas de crédito y de identificación y obtener información suficiente como para clonarla y utilizarla en una transacción. ¿Por qué los países, literalmente, quieren tener un control preciso de sus ciudadanos? La Dra. Katherine Albrecht, fundadora y directora de la organización CASPIAN de privacidad del consumidor, dice que hay una tremenda presión para que los gobiernos numeren e identifiquen a todos sus ciudadanos y en el proceso, usen tecnología creada por mega corporaciones que, entonces, quedan en control de la información personal, como el número de identificación, cuentas bancarias, cuentas de seguridad social, fondos de pensiones, números de tarjetas de crédito, etc. “Esto lo vemos en China, donde millones de personas se identificaron con documentos de identidad nacional con dispositivos de radio frecuencia. Ellos están haciendo lo mismo en México y la India, donde 1,2 millones de personas fueron también sometidas a este proceso “.

Según el historiador Daniel Estulin, el uso de tarjetas de identidad nacional, junto con otras tecnologías, es un impulso para crear una sociedad sin dinero. “No se necesita dinero porque usted tiene el crédito asignado a su número de identificación. El problema es que usted no es quien determinará si tendrá o no créditos y cuantos serán colocados en la tarjeta. El gobierno tendrá ese poder, y estas empresas que poseen la tecnología también tendrán ese poder, no los ciudadanos “. Estulin, y Albrecht reconocen la existencia de bases de datos de los gobiernos para los que buscan empleo, crédito, y para aquellos en el sistema de justicia penal, y advierten que el uso de tarjetas de identidad nacionales permitirán la creación de una base de datos mundial, donde todos seremos incluidos.

En Brasil, la emisión de la tarjeta de identificación se iniciará como un proyecto piloto en cada región. El documento será como una tarjeta de crédito con un chip que contiene información como CPF o Cadastro de Pessoa Física, registro de votación, huellas dactilares, imagén de iris escaneada que será aceptada por el sistema conocido como AFIS, o Identificación Automática de Las Huellas Dactilares. Este sistema es reconocido en todo el mundo y es utilizado por los gobiernos de los cinco continentes. El número resultante será estándar RG o Registro Geral. Con esta base de datos local, regional y nacional, Brasil será uno de los últimos gigantes del mundo a sucumbir a la intención de someterse a un programa de las corporaciones que sabrán todo sobre todos los seres humanos sin importar donde viven.

Brasil Viola Liberdades Civis

Por Luis R. Miranda
The Real Agenda
Maio 11, 2010

O Brasil é conhecido pelo samba, praias maravilhosas e pessoas amigas. O país é muitas vezes comparado com nações mais desenvolvidas por causa de seu tamanho, população e recursos. Mas há mais uma coisa pela qual o Brasil é similar ao mundo dos chamados desenvolvidos: O Brasil também viola as liberdades civis dos seus cidadãos. Diferente, por exemplo, dos Estados Unidos ou Inglaterra, a polícia aqui não importuna muito os cidadãos. No entanto, a violação das suas liberdades e direitos ainda é feito em silêncio. O Brasil é um país com um acesso muito limitado à informação e as pessoas aqui sabem muito pouco sobre seus direitos e deveres. Este panorama é um terreno fértil para o abuso do governo e a corrupção.

O gigante da América do Sul é conhecido pela sua impunidade ao longo dos anos. A corrupção corre solta de norte a sul e de leste a oeste. Em uma pesquisa recente, foi determinado que o Brasil está entre os primeiros países em corrupção e impunidade. Embora muita desta corrupção eleva-se a funcionários públicos que prestam e recebem grandes somas de dinheiro por favores políticos, há muito mais do que a corrupção da burocracia. A ex-colônia Portuguesa rapidamente adopta medidas globalistas de controle populacional, bem como os Estados Unidos, Inglaterra, Austrália e Nova Zelândia.

Ao longo dos últimos 12 meses, alguns jornais revelaram nas entrelinhas de suas páginas o caráter quase obrigatório da campanha de vacinação contra a gripe H1N1, que embora tenha sido provada uma farsa, continua a ser implementada em todo o país. Felizmente, algumas pessoas foram informadas sobre os perigos da vacina e a campanha não tem tido os resultados esperados pelas autoridades de saúde do governo. De acordo com o jornal Zero Hora, apenas 670.000 idosos foram vacinados ao invés de 1,4 milhões no estado de Rio Grande do Sul. Menos de 50 por cento tomaram a vacina contra a gripe regular. No entanto, isto não significa que o Brasil pode escapar do controle da Organização Mundial de Saúde.  As campanhas continuarão a ser realizadas em todo o país.

O Brasil também utiliza uma forma sintética de fluoreto de sódio na água potável, uma prática historicamente adotada pelas suas supostas vantagens no cuidado dos dentes, embora foi determinado que esta crença nao é mais que pseudociência. Recentemente, esta publicação entrevistou uma química do SEMAE, uma organização governamental que cuida da qualidade da água na cidade de São Leopoldo, Brasil. Com um mestrado em química, Juliana da Silva Chaves não só admitiu que nunca viu um estudo confirmando o benefício do uso do ingrediente que ela identificou como flúor, como também confessou que o flúor é colocado na água com base na crença de que ajuda a promover saúde bucal. Novamente, a química confirmou que esta afirmação foi passada para ela mas nenhum estudo foi mostrado para conferir a veracidade da mesma. Quando perguntamos sobre os perigos do fluoreto de sódio e outras substâncias na água potável, ela disse que nunca aprendeu nada sobre a toxicidade em cursos universitários ou de formação. De fato, o flúor provoca cárie dentária, câncer bucal e diversos distúrbios neurológicos, além de diminuição da inteligência.

O país está em estágio final na adoção de Cartões de Identificação que possuem um chip de rádio frequência, assim como Scanners de Corpo Inteiro nos aeroportos. Estas duas últimas tecnologias já estão sendo utilizadas ou entrarão em vigor nos próximos 10 anos. No caso dos scanners que emitem radiação, há vários deles em aeroportos nacionais e internacionais. Segundo o jornal Zero Hora do Estado do Rio Grande do Sul, passageiros que embarquem nas cidades de Guarulhos, Rio de Janeiro, Recife e Manaus podem ser selecionados como candidatos para provar um destes scanners Esta medida é rejeitada pelos grupos de vigilância da privacidade até mesmo nos países mais desenvolvidos não só pela radiação que emitem, mas também devido ao fato de que os corpos das pessoas são vistos completamente nus nas imagens que a máquina gera.

De acordo com muitos grupos de direitos civis, o uso de scanners é uma grave violação das leis de privacidade. As imagens geradas a partir dos scanners são salvas no disco rígido e mantidas para posterior utilização na vigilância. Embora as autoridades do Brasil neguem a capacidade dos scanners para fornecer essas imagens, Angelo Gioia, da Polícia Federal no Rio de Janeiro, admitiu que é um método mais invasivo de vigilância. Atualmente, a legislação brasileira permite buscas de pessoas quando há suspeitas fundadas de atividades ilícitas, mas não regulamenta a utilização deste tipo de scanner. Goia acredita que não deve haver limites quando se trata de segurança. O custo de cada scanner corporal é de U$170.000. A tecnologia de digitalização opera com base na utilização de ondas e radiação sobre um corpo para medir a energia refletida, e assim processar uma imagem 3D das ondas milimétricas. Os usuários dos scanners são expostos a ondas eletromagnéticas entre 3 e 30 gigahertz, algo próximo ao que emite um telefone celular. Os promotores dos scanners nos aeroportos sempre citam os enormes benefícios que estes proporcionam na prevenção de riscos de segurança, tais como armas, explosivos, etc. Mas a verdade é que uma revisão normal ou cães farejadores de bombas são tão úteis ou mais precisas. Assim como tem sido feito em outros países, no Brasil, o uso destas tecnologias é apresentada como uma conveniência, para que mais pessoas as recebam e aprovem. Pouco se falou sobre a violação ao direito à privacidade das pessoas e suas propriedades. Além da comodidade, há um outro fator injetado na aprovação dos scanners: Medo. A ameaça do terrorismo é a carta extra sob a manga sempre pronta para ser mostrada no caso das pessoas queixarem-se ou acharem os scanners um inconveniente.

Como é a situação do terrorismo aqui no Brasil? Comparado com outros países como a Irlanda, Israel, Palestina, Paquistão e Grã-Bretanha, a existência de terrorismo é nula. O país nunca sofreu um grande ataque terrorista na história moderna. O mais próximo ao terrorismo são os tiroteios ocasionais entre traficantes e policiais militares em pequenos bairros do Rio ou de São Paulo. Então, por que o Brasil precisa de scanners? A resposta é que não precisa. Como em muitos outros países, a adoção desta tecnologia é sinónimo da perda das liberdades civis, onde os cidadãos são culpados antes de serem provados inocentes. Na verdade, a história mostra que os ataques terroristas mais incríveis foram do tipo bandeira falsa, ou false-flag. Para Gerald Celente, conhecido estudioso das tendências mundiais e fundador do Instituto de Pesquisa e Tendências, 2010 será o ano dos ataques patrocinados pelos governos. “É o crash de 2010 como o previmos”, diz Celente. “O colapso da economia global em março de 2009, quando os mercados foram inflados com dinheiro falso.” Celente previu a atual crise, queda das bolsas, agitação civil na Grécia e o colapso da Islândia, Argentina, Portugal, Espanha, bem como a crise nos Estados Unidos e no Reino Unido. “Quem acredita que esse tipo de coisas como scanners e identificação con chip são benéficos, merece o que recebe.” Gerald Celente alerta as pessoas sobre o que vai acontecer uma vez que estes tipos de políticas estiveren totalmente implementadas. Assista a este clip no minuto 5 com 30 segundos.

Quando se trata do Cartão Nacional de Identificação no Brasil, informações sobre o assunto são muito escassas. A maioria das pessoas aqui visitam escritórios da Polícia Federal em todo o país para renovar suas licenças de motorista ou de identificação e não sabem ou não querem saber sobre a nova tecnologia utilizada nos referidos documentos. Em outros países onde foi implementado, o Cartão de Identidade Nacional é rejeitado pelos cidadãos informados, bem como grupos que apoiam a privacidade, porque contém todas as informações relacionadas ao portador do cartão, número da identidade, endereço físico e número de identificação único que inclui uma grande variedade de informações privadas, tais como contas bancárias, de poupança, local de trabalho, histórico de votação e outras.

No Brasil, o novo Cartão de Identificação Nacional prevê um número de identificação único de acordo com o estado onde a pessoa vive. No sul, as pessoas terão identificação com um número de 10 dígitos exclusivo, em Brasília, sete dígitos, São Paulo, 9 dígitos. A emissão do novo cartão terá início em Outubro de 2010 e estima-se que todos os cidadãos, imigrantes naturalizados e legais farão parte do banco de dados até 2020. De acordo com o especialista em tecnologia RFID Chris Paget, Radio Frequency Technology, do tipo usado em cartões de identidade nacional, tem sido usada há anos em cartões de crédito e verificação. “Houve centenas de milhões de cartões emitidos com RFID. O problema é que as pessoas não sabem que a tecnologia está contida nos cartões e, portanto, eles não fazem nada para protegê-los.” Parece estranho que a tecnologia que é criada para manter-nos seguros, precisa ser protegida. Agora, qualquer pessoa com um leitor de RFID pode encontrar cartões de crédito e cartões de ponto de verificação e obter informações suficientes para cloná-lo e usá-lo em uma transação. Então, por que os países, literalmente, querem contar e ter um controle tão exato dos seus cidadãos? Dra. Katherine Albrecht, fundadora e diretora da organização CASPIAN de Privacidade do Consumidor, considera que há uma pressão enorme para que os governos numerem e identifiquem a todos os seus cidadãos e, no processo, usem a tecnologia criada por mega corporações que estariam, então, no controle de informações pessoais tais como número de identificação, contas bancárias, segurança social, contas de fundos de pensão, números de cartões de crédito e assim por diante. “Estamos vendo isso na China, onde 1 bilhão de pessoas foram identificadas com cartões de identidade nacionais com dispositivos de rádio freqüência. Eles estão fazendo o mesmo no México, e na India, onde 1,2 bilhões de pessoas também foram submetidas a este processo.”

De acordo com o historiador Daniel Estulin, o uso de cartões de identidade nacional, juntamente com outras tecnologias, é um impulso para a criação de uma sociedade sem dinheiro. “Não será necessário usar dinheiro, porque você tem o crédito atribuído ao seu número de identificação. O problema é que você não será quem vai determinar se terá ou não créditos a serem colocados no cartão. O governo vai ter esse poder; as empresas donas da tecnología o terão, não os cidadãos “. Estulin, bem como Albrecht reconhecem a existência de bases de dados dos governos para quem procura emprego, crédito e para aqueles no sistema criminal, e alertam que o uso de cartões de identidade nacional vai permitir a criação de um banco de dados mundial, onde todos serão incluídos.

No Brasil, a emissão do Cartão de Identificação Nacional começará como um projeto piloto em cada região. A placa será semelhante a um cartão de crédito, com um chip contendo informações como o CPF ou Cadastro de Pessoa Física, número de registo de eleitores, impressão digital, íris ou uma imagem digitalizada que será aceita pelo sistema denominado AFIS ou de Identificação Automática de Impressões Digitais. Este sistema é reconhecido em todo o mundo e é utilizado pelos governos em todos os cinco continentes. O número resultante será padronizado RG ou Registro Geral. Com esse banco de dados local, regional e nacional, o Brasil será um dos últimos gigantes do planeta a sucumbir ao plano de se submeter a um programa de registro global onde as empresas conhecem cada ser humano, não importando onde eles vivam.

Brazil Also Violates Civil Liberties

By Luis R. Miranda
The Real Agenda
May 11, 2010

Brazil is well-known by its Samba, wonderful beaches and friendly relaxed people. It is often compared to more developed countries for its size, population and resources. But there is one more way in which Brazil is similar to the so called developed world: It also violates civil liberties. Different from say, the United States or England, police here do not harass citizens that much. However, the violation of their liberties and rights is still done quietly. Brazil is a country with very limited access to information and people here know very little about their rights and duties. This panorama is fertile ground for government abuse and corruption.

The giant of South America has been known to have some of the greatest impunity throughout the years. Corruption runs rampant from north to south and east to west. In a recent survey, it was determined that Brazil is among the first countries in corruption and impunity. Although much of this corruption amounts to politicians providing and receiving large sums of money for political favors, there is more beyond regular bureaucracy corruption. The former Portuguese colony is rapidly adopting globalist measures of population control, much like the United States, England, Australia and New Zealand.

Throughout the last 12 months, a few newspapers have revealed in the back of their pages and in tiny one column articles, the almost compulsory nature of the vaccination campaign against the H1N1 flu, which although it has been proven to be a sham, continues to be implemented countrywide. Fortunately, some people have been made aware of the dangers of the vaccine, and the campaign has not had the results first expected by government health authorities. According to Zero Hora newspaper, only 670,000 elderly got vaccinated instead of the 1.4 million expected in the state of Rio Grande do Sul. Less than 50 percent have taken the regular flu vaccination. However, this does not mean Brazil can escape from the control of the World Health Organization. The vaccinations continue to be carried out for different population groups all over the country.

Brazil also uses a form of fluoride in the water supply, a practice largely adopted for its supposed benefits on people’s teeth, but that has also been found to be pseudoscience. Recently this publication interviewed a head chemist at SEMAE, a government organization that cares for the quality of water in the town of Sao Leopoldo, Brazil. With a Master’s Degree in chemistry, she not only admitted she never saw a study that confirmed the claim fluoride, in any form, is beneficial to people, but also confessed that fluoride is put in the water based on the belief it helps to promote oral health. When asked about the dangers sodium fluoride and substances of the like pose to people, she said she never learned anything about that in college or training courses she attended. In fact, fluoride causes tooth decay, mouth cancer and several neurological disorders in addition to lowering intelligence.

The country is in advanced stages of implementing National Identification Cards as well as using Airport Body Scanners. These last two technologies are already being used or will be in force in less than 10 years. In the case of the radiation emitting body scanners, there are several of them in national and international airports. According to the newspaper Zero Hora, from the state of Rio Grande do Sul, beginning in May 2010, travelers who board planes in the cities of Guarulhos, Rio de Janeiro, Recife and Manaus, may be selected as candidates for walk through one of the full body scanners. This measure is taken even though in more developed countries, the use of the scanners raised concern not only for the radiation they emit, but also due to the fact people’s bodies are seen completely naked in the images the machine generates.

According to many civil rights and privacy groups the use of scanners is a gross violation of privacy laws. The images generated from the scanners are saved in hard drives and kept for further use in surveillance. Although authorities in Brazil deny the capacity of the scanners to provide such images, Angelo Gioia, from the Federal Police in Rio de Janeiro, admitted it is a more invasive method of surveillance. Currently, Brazilian laws allow for searches of people when there are founded suspicions of illegal activities, but do not regulate the use of this kind of scanners. Goia believes there should not be any limits when it comes to security. The cost of every body scanner is $170,000. Body scanning technology operates based on the use of millimeter waves over a body to measure the energy reflected back to render a 3D image.Millimeter wave scanners produce,30 to 300 gigahertz electromagnetic waves, something close to what a cellphone emits. The promoters of Airport Body Scanners always cite the huge benefits they provide in preventing safety hazards such as guns, explosives, etc. But the truth is that a pat down or bomb sniffing dogs are as useful or more accurate. Just as it has been done in other countries, in Brazil the use of this technology is presented as an added convenience, so more people receive it and adopt it willingly. Little is talked about the violation to the right to be private as persons and in our property. Added to the convenience, there is another factor injected in the adoption of the scanners: Fear. The threat of terrorism is the extra ace under the sleeve always ready to be pulled out in case people complain or find the scanners to be an inconvenience.

How much terrorism is there in Brazil? Compared to other countries like Ireland, Israel, Palestine, Pakistan or Great Britain, the answer is: nothing. The country has never suffered a major terrorist attack in modern history. The closest to terrorism are the occasional shootings between drug lords and military police in small neighborhoods of Rio or Sao Paulo. So why does Brazil need the scanners? It does not. As in many other countries, the adoption of this technology is all about submission and loss of liberties. In fact, history shows that the most incredible terror attacks have been of the false-flag kind. Trend forecaster and founder of the Trends Research Institute, Gerald Celente, a notable guest in main stream media outlets such as CNN and NBC, believes 2010 will be the year of multiple government sponsored attacks. “It’s the crash of 2010 as we predicted it,” says Celente. “The global economy collapse in March of 2009 when they inflated the markets with fiat money.” Celente predicted the current crisis, falling stock market, civil unrest in Greece and the collapse of Iceland, Argentina, Portugal, Spain as well as the crisis in the United States and the United Kingdom. “Anyone who believes this kind of stuff is beneficial, deserves what they get.” Gerald Celente warns people on what will happen once this kind of policies are fully implemented. Watch this clip at 5 minutes and 30 seconds.

When it comes to the National Identification Card in Brazil, information about it is very scarce. Most people here visit Federal PolicRFIDe offices all around the country to renew their driver licenses or identification and do not inquire or wonder about the new technology used in those documents. In other countries where it has been implemented, the National ID card is rejected by informed citizens as well as pro privacy groups because it contains all information related to the bearer of the card: Social Security number, physical address and a unique identification number that unlocks a wide variety private information such as bank accounts, savings, workplace, voting record, and so on.

In Brazil, the new National ID Card, provides a unique ID number according to the state the person lives in. In the south, people will have ID’s with a unique 10 digit number, in Brasilia, 7 digits, Sao Paulo 9 digits, and so on. The issuance of the new card will begin in October 2010, and it is estimated that every citizen, naturalized and legal immigrants will be part of the database by 2020. According to technology expert Chris Paget, Radio Frequency Technology, the type used in National ID Cards, has been used for years in credit and checking cards. “There have been hundreds of millions of cards issued with RFID. The problem is that people do not know that technology is contained in the cards, and therefore they don’t do anything to protect it” It sounds strange to say the least, that the technology that is supposed to keep us safe, needs to be protected itself. Right now, anyone with an RFID reader can pin point credit and checking cards and obtain enough information to clone it and use it in a transaction. So, why do countries what to literally count and have such a tight control of their citizenry? Dr. Katherine Albrecht, Founder and Director of CASPIAN Consumer Privacy believes there is a massive push for governments to identify and number all of their citizens, and in the process, use technology created by mega corporations which then, would be in control of personal information such as identification number, banking accounts, social security, pension fund accounts, credit card numbers and so on. “We are seeing this in China, where 1 billion people have been issued National ID Cards with radio frequency devices. They are doing the same in Mexico, 1.2 billion people in India…”

According to historian Daniel Estulin, the use of National ID cards along with other technologies is a push for creating a cashless society. “No more money will be needed, because you will have credit assigned to your identification number. The problem is you are not going to be the one deciding how many credit to put on the card. The government will.” Estulin as well as Albrecht recognize the existence of government databases for jobs, credit and crime, and warn the use of National ID Cards will allow for the creation of a worldwide complete database where everyone will be included.

In Brazil, the issuance of the National ID Card will begin as a pilot project in every region. The card will be similar to a Credit Card, with a chip containing information such as the CPF or Cadastro de Pessoa Fisica, voter registration number, fingerprint, or an iris scanned image which will be accepted by the system known as AFIS or Automatic Fingerprint Identification System. This system is recognized worldwide, and is the one utilized by governments in all 5 continents. The resulting number will be a standardized RG or Registro Geral. With this local, regional and national database, Brazil will be one of the last giants in the planet to succumb to the plan to submit to a global registration program where corporations know each and every human being, no matter where they live.

Sources:

Immigration Proposal Creates National ID Card, fingerprint database

https://realagenda.wordpress.com/2010/05/02/dems’-immigration-proposal-creates-national-id-card-‘fingerprints-database/

A Fluoretacao da Agua: O Maior Caso de Fraude Cientifica do Seculo

https://realagenda.wordpress.com/2010/05/01/a-fluoretacao-da-agua-o-maior-caso-de-fraude-cientifica-do-seculo/

Cnet News

http://news.cnet.com/8301-27083_3-10423199-247.html

Gerald Celente, Trend Forecaster

http://www.youtube.com/watch?v=QVonJr9XvK0&feature=player_embedded#!

Shadow Government Film, RFID

http://www.youtube.com/watch?v=Vfpdbxh-8-o

Shadow Government Full Documentary

http://www.liveleak.com/view?i=56a_1265516934

Zero Hora Newspaper, Friday May 7th, 2010

“Identidade terá novo modelo em outubro.” Page 54

Zero Hora Newspaper, Friday May 7th, 2010

“Aeroportos terao scanner de corpo.” Page 57

Automatic Fingerprint Identification System

http://www.interoptest-berlin.de/pdf/DERMALOG_Company_Profile.pdf

European Health Council Unveils H1N1 Fraud

http://www.associatedcontent.com/article/2664587/health_council_of_europe_unveils_h1n1.html?cat=5

Russia Today. Get Ready for the European Double Dip

http://rt.com/Business/2010-05-07/ready-european-double-dip.html

RFID Reader

http://www.cypress.com/?docID=15592

National ID Card

http://epic.org/privacy/id-cards/

CASPIAN Consumer Privacy

http://www.nocards.org/

Daniel Estulin

http://www.danielestulin.com/el-hombre-tras-los-libros/