A classe média: Uma espécie em extinção

Por Luis R. Miranda
The Real Agenda
1 de Março, 2011

Toda vez que você ouvir a “economia mundial”, este termo deve ser identificado como a destruição da classe média nos países desenvolvidos, e o agravamento das condições de vida nos países em desenvolvimento. Nas últimas décadas, a economia mundial foi lenta, mas seguramente fundida e se tornou um sistema econômico global. Infelizmente para a classe média, boa parte do mundo não tem leis de salário mínimo e a protecção dos trabalhadores que existem em alguns países.

Globalização: Um modelo económico e social baseado na obtenção de lucros elevados para as corporações que empregam menos e escravizam cada vez mais.

As corporações gigantes que agora dominam a nossa economia pagam salários aos trabalhadores que não poderiam ser considerados nada melhor do que escravidão. Por outro lado, a importação de produtos originários desses países como China, Tailândia, Filipinas e outros, para muitos em desenvolvimento, bem como os chamados industrializados, fazem com que estes não tenham chance de competir por esses empregos e a fabricação desses produtos e mercadorias. Isto levou a um êxodo em massa de empresas e suas fábricas para países onde seus líderes não só apoiam as suas condições de trabalho escravizantes, mas também dao incentivos para que as empresas ofereçam salários miseráveis, criando assim as chamadas economias de serviço.

Assim, na ausência de um bom trabalho, a classe média deixa de existir. A classe média como um grupo social se enfraqueceu dramaticamente devido à falta de emprego e condições de trabalho benéficas. A única coisa que a grande maioria dos membros da classe média têm a oferecer no mercado econômico é o seu trabalho. Hoje, os membros dessa classe média tem que competir com milhões e milhões de trabalhadores em todo o mundo que laboram durante 15 horas por dia, mas recebem salários equivalentes a uma pequena fração do que os trabalhadores da classe média ganham nos países desenvolvidos. Este modelo de desenvolvimento neo-feudal, mas identificado pelo corporativistas como de “livre mercado” fazem com que as taxas de desemprego nos países europeus, Estados Unidos e partes da Ásia sejam incrivelmente altas.

Hoje, os EUA têm uma taxa de desemprego de 19 por cento. Seu vizinho, o Canadá, também sofre desemprego recorde, e no México é ainda pior, onde apesar da chegada de várias multinacionais, os salários e condições de trabalho continuam a ser do Terceiro Mundo. Mas esta política de falso “livre mercado” não termina quando destrói blocos completos de fontes de emprego numa sociedade, mas continua a exercer pressão sobre os poucos empregos restantes nos países desenvolvidos e em outras nações em desenvolvimento, cujos salários e condições de trabalho continuam a deteriorar-se.

Então, quando você ouvir o termo “globalização” e “economia global”, é importante ressaltar que essas são palavras de código que representam a escravidão do povo dos países emergentes no âmbito de um sistema econômico que está destruindo a classe média de outros países. Um mercado de trabalho único no mundo significa que o padrão de vida para a classe média vai continuar a cair para níveis nunca antes vistos, mesmo no terceiro mundo. Muitas vezes ouvimos que as economias produtivas estão sendo transformadas em economias de serviços. No entanto, nunca ou quase nunca ouvimos falar de como postos de trabalho disponíveis no setor de serviços oferecem salários que são substancialmente inferiores aos pagos em economias baseadas em trabalhos de manufatura, indústria e produção.

Como pode a classe média sobreviver neste ambiente? Não pode. Esta sujeita a uma morte lenta e dolorosa. É fácil encontrar economistas que qualificam às pessoas preocupadas com boas condições de trabalho, bons salários e economias fortes com base na fabricação e produção, como “protecionista”, mas estes teóricos da economia nunca falam sobre como os acordos comerciais, são instrumentos para criar impostos desnecessários ao consumo, valor acrescentado (20%), quotas de exportação e políticas de proteção de patentes que contribuem para a erosão das economias em desenvolvimento e as desenvolvidas. Mas cada vez que alguém menciona como esses acordos comerciais são extremamente injustos e desequilibrados, esses economistas teóricos imediatamente rotulam seus oponentes como “protecionistas”.

Embora as conseqüências do chamado livre comércio -tanto nos países desenvolvidos quanto nas nações em desenvolvimento- são claramente negativas, poucas pessoas, para não dizer ninguém, estão revisando as políticas adotadas no âmbito de acordos de comércio, que muitas vezes têm superioridade jurídica sobre as Constituições dos países participantes. Como resultado das políticas neoliberais no âmbito destes acordos de comércio, quando os corporatistas decidem causar uma crise económica, estas crises têm um alcance maior, pois as economias estão intimamente ligadas. Na verdade, a chamada economia global, às vezes identificada como a globalização, é negativa para os países industrializados, emergentes e as nações pobres.

Como se vê claramente, as políticas globalistas têm impulsionado as nações e sua classe média para níveis tão baixos que podem ser identificados como desconhecidos. Os “grandes pensadores” louvam a beleza do falso “livre comércio”, mas não conseguem explicar como a classe média em todo o mundo continua a perder postos de trabalho na nova economia global. Enquanto isso, muitos políticos, burocratas e líderes sociais cegamente apoiam os acordos de livre comércio mas não entendem que quando se juntam as condições de trabalho de uma economia baseada na produção manufatureira e industrial com outras nas quais se promove a escravidão, a consequência é a caída na qualidade de vida; não a melhora da mesma. Na verdade, os acordos comerciais, criados nos níveis mais altos das casas corporativas, têm a meta de fundir ambos tipos de economias para que cada vez mais o desemprego e o declínio da produção seja visto como “normal”.

As consequências da desindustrialização tem sido mais intensamente sentidas nos países desenvolvidos, onde cidades inteiras tornaram-se áreas fantasma (Detroit, Chicago), geralmente associadas a países como o Haiti, Cuba, República Dominicana, Nicarágua e Honduras. Nos países em desenvolvimento, onde os políticos continuam a dizer que os acordos de livre comércio são benéficos para seus países, os efeitos dessas políticas têm sido um pouco mais tênues, pois para estas nações os acordos significam, num primeiro momento, a chegada de produtos nunca antes vistos pelos seus povos, a preços muito baixos, bem como a disponibilidade de alguns trabalhos considerados por aqueles mesmos políticos como um sinal de que as políticas neoliberais adotadas funcionaram.

O que a maioria dessas populações não sabem é que a abundância de produtos a preços ridiculamente baixos é o primeiro gancho lançado pelos globalista para promover seus planos de conquista social e escravidão eterna. Nos EUA, é visto como um transtorno temporário o fato de ter perdido milhões de postos de trabalho em menos de uma década, ou que 43 milhões de pessoas sejam dependentes da ajuda do governo para se alimentar. Enquanto isso acontece, políticos como Al Gore e Bill Clinton, que serviram como fornecedores de acordos de livre comércio assinados por EUA, dizem que as condições desfavoráveis são temporárias e, em breve economia dos EUA vai ficar melhor do que nunca.

Não é isso o que você ouve da boca dos presidentes títeres da América Latina e na Europa? Não é isto prova suficiente para uma vez por todas, parar de ouvir o que falam os políticos, que como de costume, com suas política habituais gostam de promover a “economia mundial”?. Eles estão mentindo. Eles sempre mentiram.

A globalização é um modelo fantástico para os globalistas que permanecem no controle, não importa quem esteja no poder. Na verdade, eles são os que decidem quem deve estar no poder. Também é melhor para avançar sua agenda para levantar a China, sobre qualquer outro pais, como um exemplo de uma nação “vibrante” que se tornou o que é hoje, graças a políticas globalistas. Mas é que a China é exatamente a experiência criada pelo globalistas para executar seus planos de controle governamental sobre todos os aspectos econômicos e sociais. A China é hoje o modelo mais altamente louvado pelo modelo globalista de uma sociedade planejada, onde as corporações conseguem os maiores benefícios através da escravização da população. Se você está preocupado com seu padrão de vida e o do seus concidadãos e quer ter certeza de que seu país terá um futuro económica e social promissor, ou pelo menos viável para a sua família, é melhor você começar a se preparar para lidar com a globalização.

Populações do mundo: E hora de acordar. Por favor, acordem.

Propriedade Humana: A Historia da sua Escravidão

Como todos os animais, os seres humanos querem dominar e utilizar os recursos ao seu redor. No começo, os primeiros seres humanos caçabam, pescabam e comiam do fruto da terra. Mas então, algo mágico e terrível acontenceu às nossas mentes: Viramos no meio de todos os animais, temerosos da morte e perdas futuras.

E este foi o início de uma grande tragédia, assim como de uma maior possibilidade. Quando estamos com medo de morrer, da dor e de ser prisioneiros, tornamo-nos dóceis e, portanto, valiosos. Valiosos de uma maneira que nenhúm outro recurso poderia ser.

O maior recurso que qualquer ser humano pode controlar não são os recursos naturais, ferramentas, animais ou terra, mas outros seres humanos. Você pode assustar um animal porque eles se assustam com a dor a qualquer momento. Mas você não pode assustar um animal com a perda da liberdade, a tortura ou a prisão como uma consequência futura, pois os animais têm muito pouco ou nenhum entendimento sobre o futuro.

Você não pode ameaçar uma vaca com tortura ou uma ovelha com a morte. Você não pode agitar uma espada na frente de uma árvore e gritar para produzir mais frutos, ou acender uma tocha para um campo de trigo para dar um melhor desempenho. Você não obtendrá mais ovos de uma galinha ameaçando-a, mas pode ameaçar e exigir que um ser humano dei seus pertences.

Este tipo de gestão ou de “cultivo humano” é o mais rentável e o seu uso o mais destrutivo na história. É por isso que está chegando a um clímax destrutivo. A sociedade humana não pode ser compreendida racionalmente até ser vista como o que é: Uma série de chácaras, onde os Proprietários são donos de “gado humano”.

Algumas pessoas estão confundidas, porque os governos proporcionam saúde e cuidados médicos, água, educação e estradas. Isso, para muitas pessoas é um sinal da benevolência do governo. Nada poderia estar mais longe da realidade.

O Proprietário do terreno permite a irrigação e presta cuidados médicos e da formação ou preparação para o seu “gado humano”. Muitas pessoas se confundem, porque podemos ter alguma liberdade e, portanto, imaginam que os nossos governos querem  proteger essas e outras liberdades. Mas os proprietários plantam a uma certa distância para aumentar a produção e permitir que alguns animais usem partes maiores de suas terras, se isso significa que eles produzem mais carne ou leite.

No seu país, o seu Proprietário lhe permite algumas liberdades. Ele faz isso não porque se importa com que você tenha essas liberdades, mas porque ele está interessado em aumentar seus lucros. Você pode começar a ver a origem da jaula em que você nasceu?

Houve quatro fases principais de “agricultura humana”. A primeira fase, no antigo Egito, foi caracterizado pela direta e brutal coerção humana. O corpo humano foi controlado, mas a produtividade criativa da mente humana se manteve longe da marca do chicote e as correntes. Os escravos não eram muito produtivos e era necessária uma enorme quantidade de recursos para mantê-los sob controle. A segunda fase foi o modelo romano, onde os escravos foram dados um pouco de liberdade, o engenho e criatividade, aumentou assim a produtividade.

Esse aumento da produtividade criou mais riqueza para o governo romano. Com esta riqueza adicional foi que Roma se tornou um império, que então destruiu as liberdades económicas que levaram ao seu poder e como consequência o império colapsou.

Certamente, esta situação não é totalmente estranha hoje.

Após o colapso de Roma, o modelo feudal introduziu o conceito de “bens humanos e tributação”. Em vez de ser diretamente possuído por um proprietário de terras, os agricultores cultivavam a terra, a qual podiam manter sempre que pagaram a sua quota aos senhores feudais locais. Este modelo finalmente desmoronou-se devido à subdivisão contínua de terras produtivas, e foi destruído durante o período em que foi limitado o acesso à propriedade privada, quando a terra foi consolidada e centenas de milhares de agricultores foram despojados dos seus bens em razão de novas técnicas de cultivo que levaram a que grandes propriedades foram mais produtivas com menos trabalhadores.

O aumento da produtividade na Idade Média criou uma abundância de comida necessária para a expansão das cidades, que deu origem ao atual modelo conhecido como o modelo democrático de “propriedade humana”. Quando os agricultores deslocados chegaram nas grandes cidades, uma grande quantidade de mão de obra barata tornou-se disponível para os industriais e latifundiários da classe alta, quem rapidamente perceberam que poderiam ganhar mais dinheiro se eles deixaram o seu “gado” para escolher suas ocupações.

Sob o modelo democrático, a posse de escravos como propriedade foi substituído pelo modelo da Máfia. A Máfia é raramente um proprietário do negócio. Em vez disso, mafiosos preferem enviar um valentão de cada mês, para roubar os proprietários da empresa. Por agora você está autorizado a escolher a sua própria ocupação, o que aumenta sua produtividade e, consequentemente, os impostos que você paga para seus proprietários.

“Apreciem este momento de suas vidas crianças, porque este é o momento de sua vida quando você ainda tem a oportunidade de escolher. E passa tão rápido.”  Este é o discurso típico dos conselheiros em escolas e faculdades. “Quando você é jovem você acha que pode fazer qualquer coisa, e você pode. Os vinte anos são difíceis. Quando você chegar a trinta, você é responsável por sua família. Ganha pouco dinheiro e pensa: O que aconteceu com minha juventude? Aos 40 anos, já tem uma barriga e tem um outro queixo do gordos  que estão. A música começa a parecer muito alta. Uma de suas amigas de escola torna-se uma avó. Aos 50, você passa por cirurgia, que vocês chamam de irrelevante. Aos 60, você tem uma cirurgia muito mais grave. A música ainda parece estar muito alta, mas isso não importa, porque você já não pode ouvir mais. Aos 70 anos, você e sua esposa -já pensionistas- começam a jantar às duas da tarde, almoçam  às 10 da manhã bebem café da manhã no dia anterior. Em seguida, passam o resto do tempo caminhando pelas ruas ou nos shoppings pensando porque é que os filhos não ligam? Aos 80, você sofre um derrame e termina como um vegetal sendo cuidado por uma enfermeira que vocês chamam de mãe.

Suas poucas liberdades são mantidas porque são um benefício econômico para seus proprietários. O grande enigma do modelo democrático é que o aumento da riqueza ameaça o Proprietário. A classe é beneficiada ao dispor de um mercado relativamente livre de capital e trabalho, mas uma vez que o “gado” percebe as suas liberdades, e transformar essas liberdades em riqueza, eles começam a se perguntar porque precisam dos seus Proprietários ? Bem, ninguém nunca disse ser um Proprietário de “propriedade humana” seria fácil.

Manter o “gado humano” na posse do proprietário, no terreno da classe alta é um processo dividido em três fases. O primeiro é doutrinar os jovens através da “educação” e o “sistema de ensino” do governo. Uma vez que a riqueza cresceu nos países democráticos, as escolas financiadas pelo governo eram universalmente imposta para controlar os pensamentos e as almas do “gado humano”. A segunda fase é a de transformar os cidadãos uns contra os outros através da criação de uma sociedade dependente. É muito difícil controlar os humanos com o uso da força e, se possível, torna-se improdutivo.

Seres humanos não se reproduzem ou são eficazes quando estão em cativeiro. Mas se os seres humanos pensam que são livres, em seguida, produzem mais para seus proprietários. A melhor maneira de manter esta ilusão da liberdade é colocando parte do “gado” em posições de poder nas organizações que são propriedade do Proprietário. O “gado” que passa a depender da hierarquia existente automaticamente ataca o “gado” que revela e denuncia a corrupção, a violência, a hipocrisia e a imoralidade do Proprietário e o sistema de “propriedade humana”.

A liberdade é escravidão e escravidão é liberdade.

Se os Proprietários conseguem que parte do “gado” ataque a outra parte sempre que alguém está relatando a realidade de uma situação, não é necessário gastar tanto tempo e recursos em controle direto. Este “gado” que passa a depender dos recursos  fornecidos pelo Proprietário, violentamente se opõem a qualquer questionamento sobre a “propriedade humana” e as classes intelectuais e artísticas, sempre e eternamente dependente dos donos vão dizer a quem alega liberdade: “Você está prejudicando os  seus compatriotas”.

O “gado” é, então, mantido em jaulas mudando o sentido de responsabilidade moral sempre que é necessário para manter a natureza destrutiva do sistema contra a “violência” de aqueles que exigem a verdadeira liberdade.

A terceira fase é continuamente inventando ameaças externas, de modo que o “gado” fique com medo e procure a protecção dos Proprietários. Este sistema de “propriedade humano” está chegando ao fim. A terrível tragédia dos sistemas econômicos do mundo moderno ocidental não ocorreram devido a, mas como uma consequência dos sistemas económicos utilizados no passado e as suas liberdades falsas. O aumento excessivo da riqueza no mundo ocidental através do século 19, foi o resultado dessas políticas econômicas e foi exatamente o aumento desenfreado da riqueza por meio de sistemas como o Sistema Bancário Fracionário, o que alimentou e elevou o poder do Estado.

Quando o “gado humano” torna-se exponencialmente produtivo, isso resulta em um aumento proporcional no número de Proprietários e dos que dependem deles. O crescimento do Estado é sempre proporcional as condições económicas passadas. Estas condições econômicas baseadas na dívida, criam riqueza e essa riqueza atrai ladrões políticos e parasitas, cujo egoísmo destrói qualquer situação económica, boa ou ma. Em outras palavras, o sistema de falsa liberdade econômica se torna no câncer do Estado.

O Governo que começa pequeno, sempre acaba maior. É por isso que não há alternativa viável e sustentável para uma sociedade verdadeiramente livre e pacífica. Uma sociedade sem donos e sem “propriedade humana”, sem a violência de leis fiscais e do estatismo. Ser livre, verdadeiramente livre é muito fácil e muito difícil ao mesmo tempo. Evitamos o horror de nossa escravidão, porque é muito doloroso vê-lo cara a cara. Nós dançamos em torno a violência do nosso sistema porque temos medo que as outras pessoas nos ataquem.

Mas só podemos ser presos em jaulas que nos recusamos a ver e reconhecer.

Acorde! Ver e reconhecer a jaula, vai permiti-lhe sair dela!