Celulares Podem ser Responsaveis por Desaparecimento das Abelhas

London Telegraph

Seu desaparecimento causou alarme em toda a Europa e América do Norte, onde os ativistas acusaram o uso de agrotóxicos, as alterações climáticas artificiais e o advento dos produtos geneticamente modificados pelo que agora é conhecido como a “desordem do colapso da colônia.” Grã-Bretanha tem visto um declínio de 15 por cento da sua população de abelhas nos últimos dois anos, o que levou a um aumento de furtos de colméias.

Agora, pesquisadores do Punjab Chandigarh’s University afirmam ter encontrado a causa que poderia ser o primeiro passo para reverter o declínio: Eles estabeleceram que a radiação dos telefones móveis é um fator chave para o fenômeno e dizem que os telefones estão interferindo com os sentidos de navegação das abelhas.

Eles montaram um experimento controlado em Punjab no início deste ano comparando o comportamento e produtividade das abelhas em duas seções – uma equipada com dois telefones celulares que eram ligados por duas sessões de quinze minutos por dia durante três meses. O outro tinha colméias sem telefones.

Após três meses, os pesquisadores registraram uma queda drástica no tamanho da colméia equipada com os telefones móveis e uma redução significativa no número de ovos postos pela rainha. As abelhas também pararam de produzir mel.

A abelha-rainha na colméia com celulares produziu menos da metade de ovos comparado com as quantidades produzidas pelas suas colegas nas colméias sem telefones celulares.

Eles também encontraram um declínio dramático no número de abelhas operárias que retornaram para a colméia após a coleta de pólen. Por isso, a quantidade de néctar produzido na colméia também diminuiu.

Ved Prakash Sharma e Neelima Kumar, os autores do relatório publicado na revista Current Science, escreveram: “O aumento do uso de aparelhos eletrônicos levou a electropoluição do meio ambiente. O comportamento e a biologia das abelhas tem sido afetados por electrosmog porque estes insetos têm magnetita em seus corpos, o que as ajuda na navegação.

“Há relatos de desaparecimento repentino das populações de abelhas em colônias. A razão ainda não está clara. Nós comparamos o desempenho de abelhas em colônias contendo radiação de celulares com outras colônias onde não houve a presença de telefones.

“A diminuição significativa da colônia e a taxa de colocação de ovos da rainha foi observada. O comportamento das forrageiras expostas a radiação foi negativamente influenciado pela exposição; não havia mel nem pólen na colônia no final do experimento. ”

Tim Lovett, da Associação Britânica de Apicultores, disse que as colônias foram bem sucedidas em Londres, onde existe uma utilização alta de telefones móveis. “Os trabalhos anteriores nesta área tem indicado que o uso de telefones móveis não é um fator real”, disse ele. “Assim que os novos dados chegarem, vamos comparar.” Ele disse: “No momento, achamos que é mais provável que seja uma combinação de fatores incluindo doenças, pesticidas e a perda do habitat”.

O Governo do Reino Unido reservou £ 10.000.000 para a investigação do declínio de polinizadores, como abelhas, mas a BBKA alegou que muito mais dinheiro é necessário para a investigação do problema, incluindo estudos sobre pesticidas, doenças e novas tecnologias, como telefones celulares.

De acordo com a Universidade de Durham, as abelhas na Inglaterra estão desaparecendo mais rapidamente do que em qualquer outro lugar na Europa, com mais da metade das colméias morrendo ao longo dos últimos 20 anos. As estatísticas mais recentes mostram que, no último inverno, o declínio das abelhas na Grã-Bretanha diminuiu, com apenas uma em cada seis colméias perdidas. Isto é ainda acima da taxa natural de dez por cento, mas é uma grande melhora em relação aos anos anteriores.

Houve um aumento no número de furtos de colméias em todo o mundo e os apicultores da Alemanha começaram a instalar dispositivos de localização GPS para suas colméias.

Mobile phones responsible for disappearance of honey bee

London Telegraph

Their disappearance has caused alarm throughout Europe and North America where campaigners have blamed agricultural pesticides, climate change and the advent of genetically modified crops for what is now known as ‘colony collapse disorder.’ Britain has seen a 15 per cent decline in its bee population in the last two years and shrinking numbers has led to a rise in thefts of hives.

Now researchers from Chandigarh’s Punjab University claim they have found the cause which could be the first step in reversing the decline: They have established that radiation from mobile telephones is a key factor in the phenomenon and say that it probably interfering with the bee’s navigation senses.

They set up a controlled experiment in Punjab earlier this year comparing the behaviour and productivity of bees in two hives – one fitted with two mobile telephones which were powered on for two fifteen minute sessions per day for three months. The other had dummy models installed.

After three months the researchers recorded a dramatic decline in the size of the hive fitted with the mobile phone, a significant reduction in the number of eggs laid by the queen bee. The bees also stopped producing honey.

The queen bee in the “mobile” hive produced fewer than half of those created by her counterpart in the normal hive.

They also found a dramatic decline in the number of worker bees returning to the hive after collecting pollen. Because of this the amount of nectar produced in the hive also shrank.

Ved Prakash Sharma and Neelima Kumar, the authors of the report in the journal Current Science, wrote: “Increase in the usage of electronic gadgets has led to electropollution of the environment. Honeybee behaviour and biology has been affected by electrosmog since these insects have magnetite in their bodies which helps them in navigation.

“There are reports of sudden disappearance of bee populations from honeybee colonies. The reason is still not clear. We have compared the performance of honeybees in cellphone radiation exposed and unexposed colonies.

“A significant decline in colony strength and in the egg laying rate of the queen was observed. The behaviour of exposed foragers was negatively influenced by the exposure, there was neither honey nor pollen in the colony at the end of the experiment.”

Tim Lovett, of the British Beekeepers Association, said that hives have been successful in London where there was high mobile phone use.  “Previous work in this area has indicated this [mobile phone use] is not a real factor,” he said. “If new data comes along we will look at it.”  He said: “At the moment we think is more likely to be a combination of factors including disease, pesticides and habitat loss.”

The UK Government has set aside £10 million for research into the decline of pollinators like bees, but the BBKA claim much more money is needed for research into the problem, including studies on pesticides, disease and new technology like mobile phones.

According to the University of Durham, England’s bees are vanishing faster than anywhere else in Europe, with more than half of hives dying out over the last 20 years.  The most recent statistics from last winter show that the decline in honey bees in Britain is slowing, with just one in six hives lost.  This is still above the natural rate of ten per cent losses, but a vast improvement on previous years.

There has been an increase in the number of thefts of hives across the world and in Germany beekeepers have started fitting GPS tracking devices to their hives.