World Bank Is Quietly Funding a Massive Corporate Water Grab

By Scott Thill

Billions have been spent allowing corporations to profit from public water sources even though water privatization has been an epic failure in Latin America, Southeast Asia, North America, Africa and everywhere else it’s been tried. But don’t tell that to controversial loan-sharks at the World Bank. Last month, its private-sector funding arm International Finance Corporation (IFC) quietly dropped a cool 100 million euros ($139 million US) on Veolia Voda, the Eastern European subsidiary of Veolia, the world’s largest private water corporation. Its latest target? Privatization of Eastern Europe’s water resources.

“Veolia has made it clear that their business model is based on maximizing profits, not long-term investment,” Joby Gelbspan, senior program coordinator for private-sector watchdog Corporate Accountability International, told AlterNet. “Both the World Bank and the transnational water companies like Veolia have clearly acknowledged they don’t want to invest in the infrastructure necessary to improve water access in Eastern Europe. That’s why this 100 million euro investment in Veolia Voda by the World Bank’s private investment arm over the summer is so alarming. It’s further evidence that the World Bank remains committed to water privatization, despite all evidence that this approach will not solve the world’s water crisis.”

All the evidence Veolia needs that water grabs are doomed exercises can be found in its birthplace of France, more popularly known as the heartland of water privatization. In June, the municipal administration of Paris reclaimed the City of Light’s water services from both of its homegrown multinationals Veolia and Suez, after a torrent of controversy. That’s just one of 40 re-municipilazations in France alone, which can be added to those in Africa, Asia, Latin America, North America and more in hopes of painting a not-so-pretty picture: Water privatization is ultimately both a horrific concept and a failed project.

“It’s outrageous that the World Bank’s IFC would continue to invest in corporate water privatizations when they are failing all over the world,” Maude Barlow, chairwoman of Food and Water Watch and the author of Blue Covenant: The Global Water Crisis and the Fight for the Right to Water, told AlterNet. “A similar IFC investment in the Philippines is an unmitigated disaster. Local communities and their governments around the world are canceling their contracts with companies like Veolia because of cost overruns, worker layoffs and substandard service.”

The Philippines is an excellent example of water privatization’s broken model. After passing the Water Crisis Act in 1995, the Philippines landed a $283 million privatization plan managed partially by multinational giants like Suez and Bechtel. After some success, everything fell apart after 2000, and it wasn’t long before tariff prices repeatedly increased, water service and quality worsened, and public opposition skyrocketed. Today, some Filipinos still don’t have water connections, tariffs have increased from 300 to 700 percent in some regions, and outbreaks of cholera and gastroenteritis have cost lives and sickened hundreds.

“The World Bank has learned nothing from these disasters and continues to be blinded by an outdated ideology that only the unregulated market will solve the world’s problems,” added Barlow.

But asking the World Bank to learn from disaster would be akin to annihilating its overall mission, which is to capitalize on disaster in the developing world in pursuit of profit. Its nasty history of economic and environmental shock therapy sessions have severely wounded more than one country, and has been sharply criticized by brainiacs like Joseph Stiglitz, who was once the Bank’s chief economist, and Naomi Klein, whose indispensable history The Shock Doctrine is a horrorshow of privatization nightmares. From its cultural imperialism and insensitivity to regional differences to its domination by a handful of economic elites drunk on deregulation, whose utter failure needs no further example than our continuing global economic crisis, the World Bank’s good intentions have been compromised by an unending string of terrible press and crappier deals.

“In the past, the World Bank pushed privatization as the way to increase investment in basic infrastructure for water systems,” said Gelbspan. “But since then bank officials have admitted that the transnational corporations don’t want to invest in infrastructure, and instead want only to pare down operations and skim profits. The World Bank has lowered the bar, satisfied with so-called ‘operational efficiency,’ that cuts utility workforce, tightens up bill collections and shuts off people who can’t pay.”

That’s been a recipe for failure and protest, especially in the very region that IFC and Veolia hope to pump for all its water worth. In 1998, World Bank loans were secured to upgrade the crumbling post-Soviet water system in Yerevan, a city in the Eastern European nation of Armenia. With a caveat: It had to be managed by a private contractor. The Italian transnational ACEA landed the job, but quickly failed to extend water access, partially thanks to company corruption. It also failed to properly maintain water pressure, allowing sewage to seep into the city’s drinking water and sicken hundreds. Despite the travesty, the World Bank issued another contract in 2006 to Veolia, which hired ACEA’s top executive. Two years later, only one in three Yerevan residents were lucky enough to score 24-hour water service, while contamination problems continued. Veolia’s contract with the city is up for renewal in 2015.

The same goes for the Turkish city of Alacati, which landed a $13 million loan in the late ’90s, as well as Veolia’s incompetence. The city’s water bills skyrocketed to 12 times the price of service in other parts of the country. Multiply that times most every nation or city that has privatized its water service, and you’ve got a good idea of why the World Bank’s IFC is under fire for rapacious resource-snatching. And why the developing world is right to be wary of its good graces, although the World Bank can do good when it so chooses.

“The World Bank does not at all speak with one voice on their pro-privatization stance,” Darcey O’Callaghan, Food and Water Watch’s international policy director, explained to AlterNet. “One staff member referred to it as a bad experiment that has been proven wrong, while higher staffers try to take a more nuanced position, claiming that the Bank is neither for or against privatization but simply promotes the most appropriate model for specific communities. Unfortunately, our own statistics have shown that regardless of their statements, 52 percent of their projects between 2004 and 2008 promoted some form of privatization.”

But rather than repair privatization’s failed project at its source, the World Bank is simply spinning off its compromised philosophy to the IFC. So while the World Bank may be torn in its endorsement of water privatization, the IFC has no such reservations, in hopes of dodging the slings and arrows of public outcry, and perhaps legal liability.

“What’s really scary,” O’Callaghan added, “is that we are increasingly seeing the International Finance Corporation pick up where the Bank has left off in water privatization. The IFC is a Bank-sponsored institution whose goal is to promote the private sector, and because their financing also comes from the private sector, they can be more difficult to hold accountable. Worse yet, according to our 2000-2008 stats, 80 percent of IFC loans had gone to the four largest multinational water companies, further concentrating the global water industry.”

It’s not just water that’s at the center of Earth’s mounting resource wars. In late October, Britain’s government announced it was looking to sell off its state-owned forests to counteract a yawning deficit. Today, natural gas companies are preparing to drill in America’s national parks. Indeed, America and Britain’s bungled occupation of Iraq is a protracted resource war for control of the embattled nation’s oil reserves. Water is just one more natural resource, albeit the most important one, worth a killing to those seeking to callously leverage limited funds for innocent lives.

“Droughts and deserts are spreading in over 100 countries,” Barlow said. “It is now clear that our world is running out of clean water, as the demand gallops ahead of supply. These water corporations, backed still by the World Bank, seek to take advantage of this crisis by taking more control over dwindling water supplies.”

Which is another way of saying that, regardless of the refreshing trend toward re-municipalization, no one should expect the World Bank or its IFC untouchables to give up the privatization and deregulation ghost anytime soon. That means that every city, and citizen, is due for a day of reckoning of some sort, and should fight back against the bankrupt privatization paradigm with everything in its arsenal.

“Get involved at the local level,” O’Callaghan said. “Know where your water comes from. Fight against privatization schemes. Promote conservation. Don’t drink bottled water.”

And Barlow adds, “The only path to a water-secure future is water conservation, source water protection, watershed restoration and the just and equitable sharing of the water resources of the planet. Water is a commons, a public trust and a human right and no one has the right to appropriate for profit when others are dying from lack of access.”

Scott Thill runs the online mag Morphizm.com. His writing has appeared on Salon, XLR8R, All Music Guide, Wired and others.

Geo-engenharia: Armas Laser e Modificação Climática

Por Luis R. Miranda
The Real Agenda
Junho 3, 2010

Muitas pessoas agem com incredulidade quando o assunto do uso de armas de energia direta é falado em uma conversa. Acredita-se

Armas laser disparadas do ar o desde o espaço são já uma realidade.

que a pessoa é “excêntrica” se ela explica que estas armas podem ser usadas para modificar o clima ou derrubar estruturas ou locais. No entanto, uma recente utilização do laser revela que tal uso militar não está somente bem próximo da realidade, mas na verdade é uma aplicação comum hoje em dia.

Em um artigo publicado na Russia Today, a existência de tais tecnologias é admitida por cientistas e militares e suas aplicações explicadas.

Abaixo está o artigo que Russia Today publicou em 4 de maio de 2010, às 13:08:

Um poderoso laser pode ser emitido no ar úmido para provocar a condensação da água, os cientistas descobriram. A tecnologia tem o potencial de substituir a adubação de nuvens usada hoje.

Um pulso de laser é disparado no ar e este faz um caminho de oxigênio e nitrogênio ionizado. Alguns pesquisadores militares querem usar este canal “plasma” para conduzir a eletricidade em armas futuristas de energia direta, mas parece que existe também um uso para fins pacíficos.

As moléculas ionizadas atuam como núcleos de condensação de água natural e, potencialmente, podem ser utilizadas para induzir a chuva. Jérôme Kasparian, um físico óptico na Universidade de Genebra, na Suíça, e seus colegas descobriram este processo ao investigar a possibilidade de desviar a descarga através de um raio laser.

Adubação de nuvens, o método utilizado atualmente, envolve o uso de iodeto de prata ou dióxido de carbono, que estimula a formação de gotículas nas nuvens. Os produtos químicos são liberados a partir de geradores na terra ou lançados de aeronaves em qualquer lugar. Esta abordagem tem sido usada há 50 anos, é apenas moderadamente eficaz e existem algumas preocupações ambientais.

Kasparian e a sua equipe testaram com sucesso o uso de lasers para criar condensação, tanto em laboratório como no mundo real. O número de gotas foi contado para um segundo pulso disperso de baixa energia de outro laser. Em tempo úmido, a medida foi 20 vezes maior do que após disparar o primeiro laser. Isto é relatado na revista Nature Photonics.

A tecnologia, entretanto, está em seus estágios iniciais e os cientistas ainda estão por provar que realmente podem causar condensação em grandes áreas. Também tem que ser investigado a tecnologia opera em diferentes condições ambientais.

Podemos acreditar que esta tecnologia não está em uso agora? Claro que não. Pode este laser ser usado para criar um maior grau de instabilidade na atmosfera, da mesma forma que pode ser usado para criar nuvens e fazer chover? Julgue você mesmo.

Quais outras aplicações pode ter essa tecnologia? Que tal ser capaz de disparar um raio de laser desde o espaço até qualquer ponto na Terra? De repente, a teoria de que armas de energia foram usadas em 9/11, não parece tão louca, né? Apesar de ainda faltar um ponto de ligação entre a tecnologia e como ela pode ou não ser sido utilizada em 2001, o paralelismo estabelecido em alguns estudos parece ser bastante preciso.

Trilhas químicas sobre a cidade de Sao Leopoldo-RS, Brasil

Será que a alteração do clima é uma iniciativa pacífica, como é definido no artigo anterior? Na realidade não. O clima em nosso

planeta gira em torno de processos naturais que fazem parte de um equilíbrio natural, portanto, qualquer alteração artificial pode causar efeitos inesperados nos padrões do clima. A modificação artificial do tempo e o clima através da utilização de trilhas químicas, ou chemtrails, é negada como técnica para mudar o clima em uma região na atualidade, apesar da existência de programas secretos e outros de conhecimento público que revelam a utilização de compostos de bário, óxido de alumínio e outros para modificar o tempo. Estes programas são concebidos para controlar a quantidade de luz solar que atinge a Terra. Quando questionadas sobre os programas secretos, as autoridades afirmam que a pulverização química é para o bem de todos. A primeira desculpa dada é o acontecimento do aquecimento global. Os cientistas e os governos acham que é uma boa idéia pulverizar produtos químicos que causam problemas de saúde e poluem o ar que respiramos e a água que bebemos para mudar um processo que ocorre naturalmente.

Depóis de alguns minutos, as trilhas se expandem e toman conta do céu em Sao Leopoldo-RS, Brasil.

Programas que tratam com a modificação do tempo, acredita-se, é uma questão da imaginação das pessoas, até que descobrimos que organizações corruptas como o IPCC estudaram e proporam o uso da tecnologia para alterar artificialmente o clima. O que os estudos não dizem é que as partículas utilizadas na mudança do clima são tão pequenas quanto 10 mícrons e podem ter consequências desastrosas para nossa saúde. O acúmulo de óxido de alumínio e outros produtos químicos na água da chuva coletada em regiões onde o produto químico foi usado é 20 vezes superior ao normal.

A iniciativa de mudar o clima através do uso de produtos químicos não é apenas uma coisa do presente ou do futuro. No passado, o governo dos E.U., por exemplo, usou adubação de nuvens para modificar o tempo e causar chuvas torrenciais no Vietnã durante a guerra. A chuva trouxe grandes enchentes que interromperam a ação do exército de resistência vietnamita e facilitou o trabalho dos aviões americanos. Os Estados Unidos realizaram mais de 2.000 missões de modificação do clima durante a guerra. O projeto Stormfury, ou Furia da Tormenta, usado para adubar nuvens e modificar o clima, assim como outras tecnologias, têm sido estudadas e aplicadas há pelo menos 40 anos. Dr. Joseph Golden, um cientista e pesquisador na National Oceanic Atmospheric Administration (NOAA), disse que essas tecnologias têm sido usadas para enfraquecer furacões em até 15 por cento no passado. Ele também apoia a utilização de produtos químicos que permite que os cientistas e militares controlem o tempo em qualquer lugar durante períodos variados. Chemtrails, ou trilhas químicas, podem permanecer entre 6 e 20 horas na atmosfera após os produtos químicos que os formam serem pulverizados. Elas podem abranger áreas tão grandes quanto 4.000 milhas ou mais. Minha pergunta é: estas tecnologias podem ser usadas para criar furacões da mesma maneira que se usam para enfraquecê-los ou até mesmo dissipá-los? A resposta é SIM.

O uso de lasers e outras tecnologias semelhantes é, como podemos ver nesta tabela, um objetivo bem alcançado. O mais famoso de todos os usos é o de Nikola Tesla, com o uso de energia direta. A aplicação de Tesla foi estudada e aperfeiçoada ao longo de décadas e é agora reconhecida, mesmo pelos militares, como uma fonte real de energia. Tenente-Coronel Thomas E. Bearden (aposentado), analista de sistemas com experiência e especialista em programas militares disse: “O tempo e a energia eventualmente tornam-se coisas que você pode inventar.” Ele continuou: “Para a nossa própria sobrevivência, é absolutamente imperativo que os cidadãos informados estejam conscientes desta mudança radical, que está apenas no início. A ciência nova e poderosa deve ser controlada e utilizada em benefício da humanidade e não em seu prejuízo. Caso contrário, será usada para destruir toda a vida na terra, como indicado por Nikita Khrushchev em 1960. ”

Tenente-Coronel Bearden

O que o Tenente-Coronel Bearden quer dizer é que a humanidade tem em suas mãos uma nova arma, uma arma que pode destruir toda a vida na Terra. A sua visão é apoiada pelo ex-secretário de Defesa dos Estados Unidos, William Cohen, quem alertou sobre o uso de armas laser como uma forma de terrorismo ecológico. “Outros estão envolvidos, mesmo em um tipo de eco-terrorismo que pode alterar o clima, causar terremotos e erupcões vulcánicas remotamente através do uso de ondas eletromagnéticas … Então, há uma abundância de mentes engenhosas que estão lá fora trabalhando para encontrar maneiras de criar terrorismo em outros países … “

Embora os cientistas não estejam pensando em usar a geo-engenharia ou tecnologias de modificação do tempo para causar danos a grandes áreas da Terra, -pelo menos não todos eles- a realidade é que essa decisão não está em suas mãos. Os cientistas são responsáveis por pensar, criar e implementar tecnologias. O que é feito com essas tecnologias é, então, a prerrogativa de empresas privadas ou governos, que são aqueles que fornecem financiamento e infra-estrutura para os experimentos. Uma questão que pode surgir sobre as alterações climáticas com armas laser ou trilhas químicas é: como ela nos afetam? A resposta é: não positivamente. Outra questão é: porque se no passado os governos e as empresas negaram a existência de modificações climáticas e as tecnologias de armas deste tipo, estão agora falando sobre seu uso e tornando-as visíveis para todos? Bem, porque você não pode negar a geo-engenharia que está acontecendo, como é reconhecida pelos cientistas e militares. Portanto, não é necessário documentar as trilhas químicas, porque está provado que elas existem. Não há necessidade de documentar as armas laser, tanto na Terra como no espaço, porque sem dúvida existem. Leia este documento PDF do Council on Foreign Relations (CFR), uma organização globalista conhecida por suas opiniões sobre o uso unilateral da geo-engenharia.

Como disse o ex-secretário de Defesa, William Cohen, a questão agora não é se a geo-engenharia através de lasers e trilhas químicas é real ou não, mas para que será usada. E se tomarmos a dua palavra, como ex-secretário de Defesa da mais poderosa força militar do mundo, o futuro não parece ser bom. Simplesmente a partir do ponto de vista do que armas laser ou a geo-engenharia são capazes de fazer, todas as questões devem ser levantadas. Se esses rastros químicos não são tóxicos, como alguns cientistas dizem, porque a Monsanto, empresa química em si, está criando um tipo de semente que pode suportar os produtos químicos utilizados nestes percursos? Segundo a Dra. Ilya Sandra Perlingieri, os produtos químicos aplicados às áreas povoadas e despovoadas estão prejudicando não só o ambiente mas também a saúde humana.

“… Nós também sabemos que certos tipos de produtos químicos podem danificar a saúde humana e dos animais, especialmente o sistema imunológico … … os perigos das alterações hormonais estão agora mais amplamente explicadas na Internet, mas não são bem conhecidos pelas pessoas que escutam notícia dos meios de comunicação tradicionais. (1) A maioria destes produtos químicos altamente tóxicos são invisíveis e, portanto, estão facilmente fora do nosso radar coletivo. Com o nível de estresse criado deliberadamente pela crise financeira orquestrada pelas elites, onde milhões de pessoas perderam seus empregos e lares, um ambiente degradado não é prioridade para ninguém, especialmente se há pouca informação ao respeito. Este cenário faz parte de uma perspectiva mais ampla e é o que Naomi Klein escreve em seu livro “The Shock Doctrine”. Temos grandes crises, uma após a outra, sendo difícil manter o contato com nossa rotina diária, muito menos ter tempo para considerar as implicações toxicológicas de enormes quantidades de metais pesados e produtos químicos que envenenam nossa cadeia alimentar e, portanto, a nossa suposta saúde. ” Estamos no topo de uma cadeia alimentar em ruínas. ”

Leia a avaliação completa da Dra. Perlingieri sobre a geo-engenharia e as alterações climáticas aqui. E sobre as armas laser? Bem,

Secretario de Defesa dos Estados Unidos, William Cohen.

se os governos e as empresas têm agora a possibilidade de criar nuvens, criar e gerenciar furacões, criar terremotos e outros fenômenos tais como William Cohen e o Tenente Bearden dizem, é seguro afirmar que estas são ameaças gigantescas à sobrevivência da humanidade. O uso de produtos químicos e lasers são o mesmo tipo de soluções rápidas que nos trouxeram DDT, gases CFC, dispositivos de radiação de microondas, os organismos geneticamente modificados (OGM), os pesticidas em alimentos e outros. É essa ameaça que levou as pessoas a se mobilizarem a nível mundial. O cientista David Suzuki diz que a geo-engenharia é uma “loucura” e vai mais longe ao dizer: “Se nós aprendemos alguma coisa do passado, é que apesar de estarmos muito hábeis em inventar novas e poderosas tecnologias, nosso conhecimento de como o mundo e as coisas estão interligadas é quase zero. ”

Mesmo os globalistas, tradicionalmente defensores da redução da população nas Nações Unidas, manifestaram sua preocupação com a utilização tanto das armas laser como das trilhas químicas. A 14ª Sessão do Órgão Subsidiário de Assessoramento Científico, Técnico e Tecnológico foi o primeiro lugar onde o Conselho das Nações Unidas discutiu a geo-engenharia, desde a assinatura do Tratado ENMOD em 1976. O tratado proibiu a geo-engenharia, quando ela é usada para objetivos”hostis”. SBSTTA 14 irá recomendar à Convenção das Nações Unidas sobre a Diversidade Biológica a imposição de uma moratória sobre todas as atividades de modificação do clima através de geo-engenharia em uma reunião em Nagoya, Japão em outubro 2010. Naturalmente, o conhecimento se dissemina mais rápido e melhor quando as pessoas mais a nível local são responsáveis por informar sobre estas questões. Então, conte à sua família, amigos e conhecidos sobre a origem e os perigos de armas laser e a modificação do clima com geo- engenharia ao redor do globo. Assim como OS POVOS expuseram as mentiras sobre o aquecimento global antropogênico e Climategate, é nosso dever expor isso também.