Um Novo Reichstag norte-americano Está Chegando

Por Luis R. Miranda
The Real Agenda
18 agosto de 2011

Isso é o que os comentários do governo dos Estados Unidos parecem sugerir. Algumas semanas atrás, informamos sobre como um vídeo do Departmento de Seguranca Nacional(DHS) incitava o medo sobre os terroristas brancos de Al-Qaeda. Apenas um dia após a publicação, Anders Breivik explodiu um prédio do governo em Oslo, Noruega.

O governo dos EUA está pregando a idéia de que um novo ataque ao estilo de Oklahoma City está chegando.

Depois de Oslo, o mesmo Departamento de Segurança Nacional lançou um anúncio em que os suspeitos são, mais uma vez, cidadãos brancos. O Americano branco é uma ameaça. De alguma forma o Governo dos Estados Unidos encontrou uma maneira de mover a ameaça dos fundamentalistas islâmicos aos cidadãos que apoiam o constitucionalismo.

No anúncio, o DHS mostra “rostos brancos” e pede ao mesmo tempo um alto grau de vigilância do público para reportar qualquer atividade “suspeita” ou “incomum”. Como antes, não existe uma definição clara de atividade “suspeita” ou “fora do comum”. Esta técnica, como já relatado anteriormente, é uma operação psicológica para fomentar o medo e a desconfiança do público, não só para aceitar a mensagem do governo, mas para que o público espie nos seus vizinhos e membros da família e acusem seu questionamento das políticas governamentais.

No passado, o infame Partido Nazista, liderado por Adolf Hitler, usou a falsa ameaça de uma força estrangeira que planejava atacar a Alemanha a fim de que o público aceitasse a sua tomada do poder, a qual terminou com a morte de judeus, cristãos e qualquer outro membro de grupos que se opunham a suas políticas. Hitler só não conseguiu amassar poder em toda Europa e o mundo, porque os seus controladores já tinham alcançado seu objetivo de criar o movimento que produziu o conflito entre Hitler e as forças militares estrangeiras.

A ameaça de um ataque no estilo “lobo solitário” como aconteceu em Oklahoma City é então a solução para salvar a presidência. Se você acha que isso é loucura, confira este artigo no Financial Times de Londres, onde Robert Shapiro, ex-conselheiro da Casa Branca com Bill Clinton sugere que a menos que um ataque terrorista aconteça, a administração Obama está fadada ao fracasso. Devemos acrescentar a própria avaliação de Barack Obama, incluindo seu pensamento de que os EUA poderia absorver um novo ataque terrorista da magnitude do 11 de setembro.

Ontem, Barack Obama reforçou ainda mais a alegada ameaça de terrorismo doméstico durante uma entrevista na CNN. Em resposta a um comentário de Wolf Blitzer, Obama identificou a possibilidade de que uma pessoa possa causar um grande ataque terrorista. “Estamos em alerta e monitorando constantemente a ameaça de um ataque terrorista … O risco está sempre lá … O risco que nos interessa agora é um ataque estilo “lobo solitário”, uma única pessoa com uma arma, alguém que é capaz de realizar o tipo de ataque que vimos recentemente na Noruega.” Obama mentiu mais uma vez, porque já foi demonstrado que Anders Breivik não agiu sozinho. Na verdade, inclusive a mídia corporativa informou que Breivik chamou a polícia para se render antes de realizar os ataques.

Alguns dias atrás, o escritor do New York Times, Paul Krugman, sugeriu que os EUA se beneficiaria muito se uma nova ameaça, como uma invasão alienígena acontecesse porque permitiria que o governo lançasse uma nova guerra, e assim, reviver a economia. Esta linha de pensamento seria engraçada se não fosse porque o que sugere Krugman é exatamente o programa realizado durante a Primeira e Segunda Guerra Mundial. Após a crise econômica, os Globalistas decidiram enfrentar as nações umas contra as outras para esconder a verdadeira razão da crise e estimular a produção de máquinas de guerra, criar empregos no complexo militar-industrial e começar do zero após o fim da guerra. Mas a que custo humano?

O que faz o novo anúncio DHS significa?

Continuando onde tinham deixado no seu discurso há algumas semanas, o Departamento de Segurança Nacional, dirigido pela Secretária Janet Napolitano, continua sua campanha de alarmismo para que as pessoas aceitem o grande ataque terrorista e as medidas de Estado Policia que virão.

No vídeo, o DHS mostra um homem branco e jovem dirigindo um táxi. Ele para na frente do que parece ser uma estação de ônibus ou trem, abre o porta-malas do táxi e ativa o que parece ser um dispositivo explosivo. Ao mesmo tempo, dois passageiros dentro da estação vêem uma mulher de aparência suspeita caminhando pela estação. E adivinhem? Ela é branca, também. Um homem branco que observa o motorista do táxi, em seguida, aparece conversando com um policial em uma suposta tentativa de avisar sobre as atividades suspeitas.

O que podemos deduzir? Quando você olha em mais de uma dimensão, é claro que mais uma vez, o DHS pretende retratar brancos como pessoas perigosas, especialmente a classe média branca. Para entender este truque, conecte o anúncio para a atual situação financeira, onde os mais afetados são em sua maioria de classe média e os pobres (taxistas e passageiros de transporte público) quem foram roubados do seu futuro. Em todo o mundo, é a classe média e os pobres que estão se levantando contra a tentativa dos Globalistas de consolidar ainda mais o poder econômico e militar. Após que Anders Breivik supostamente atacara o prédio federal em Oslo, as autoridades reforçaram a segurança na capital e outras cidades na Noruega. Após os motins em Londres, em um outro esquema Problema, Reação, Solução, um grupo de criminosos atacou negócios e residências. O governo britânico decidiu usar a tecnologia de reconhecimento facial nas ruas para digitalizar e armazenar imagens de qualquer pessoa que “agir de forma suspeita.” Antes dos ataques, a polícia deixou os saqueadores fazer o que queriam e agora querem fazer coletar imagens dos rostos de aqueles que eles achem suspeitos.

Voltando para EUA a mídia prostituta está ecoando o discurso de Obama sobre a ameaça de um ataque estilo “lobo solitário”. Na terça-feira, CBS disse que o próximo ataque não viria de terroristas islâmicos, mas um membro do movimento de “cidadãos soberanos” nos Estados Unidos, ou cidadãos que estão exigindo o fim da Reserva Federal, as guerras, a recuperação econômica, a adoção de políticas fiscais e monetárias sanas e o fim da intervenção e manutenção do império americano. A julgar pelas pesquisas recentes, este grupo de pessoas sendo agora rotulado como “perigoso” pelo governo federal, inclui uma minoria poderosa que está armado e pronta para defender seu direito à liberdade de expressão, a possuir e portar armas para se proteger e suas famílias do aumento do crime, o seu direito ao protesto público contra as políticas do governo, etc. O grupo identificado por agências como o FBI como “perigoso” também inclui qualquer um que apoia o candidato presidencial Ron Paul, que está liderando a maioria das pesquisas de intenção de voto, e qualquer um ou qualquer coisa que cheira a Constitucionalismo.

Naturalmente, o governo sabe que não é necessaria uma maioria para retornar o governo de volta para as pessoas, mas uma minoria bem educada e armada para expulsar os invasores que tomaram o governo dos Estados Unidos da América, bem como todos os outros países do mundo ocidental. É por isso que o governo está avançando discretamente iniciativas para proibir o direito constitucional de possuir armas e realizam operações em feiras de armas e invadem propriedade privada em busca de armas de fogo legalmente possuídas. O próprio Obama é um protetor falso do direito de estar armado. Também sao Rick Perry, e Mitt Romney. Em abril, o jornal Star-Tribune informou que o FBI está espionando os cidadãos em Wyoming para monitorar o uso de armas de fogo. A agente do FBI Kathy Wright disse que “o escritório tem mantido um olho sobre o movimento, porque alguns soberanos acreditam na ilegitimidade do sistema atual e podem agir violentamente contra ele.”

O que poderia resultar de uma situação em que uma sociedade desarmada é incapaz de proteger-se de crime e o abuso do governo? Peca uma explicação para as famílias de pessoas que sobreviveram as atrocidades nazistas, pergunte ao povo de Oklahoma City, os alunos da Virginia Tech, o povo de Nova York e, mais recentemente, na Noruega. O que poderia resultar de uma sociedade educada que livremente têm armas de fogo para se defender? Peca uma opinião aos cidadãos da Suíça e Texas.

 

Ataque Terrorista em Oslo Possível Falsa-bandeira

Por Luis R. Miranda
The Real Agenda
25 de julho de 2011

Como The Real Agenda alertou na quinta-feira passada, a probabilidade de um ataque terrorista de falsa bandeira era cada vez mais possível. Em nosso artigo publicado na quinta-feira 21 de Julho, se concentrou em um novo vídeo divulgado pelo Departamento de Segurança Interna e FEMA nos Estados Unidos, que apontou especificamente para os homens brancos como uma ameaça potencial do terrorismo. No vídeo, as duas organizações apresentam homens brancos que deixam carros-bomba em um prédio federal e ativam explosivos em uma rua em algum lugar.

Quais são as chances de que no dia seguinte, um suposto ataque terrorista causado por um homem branco em um edifício do governo em Oslo, Noruega? Quais são as chances de que o suposto terrorista utilizara um dos dois métodos mostrados no vídeo do Departamento de Segurança Interna? Quais são as chances de que ele era um homem branco com crenças cristãs conservadoras?

Somente temos que olhar para a história e as principais características de eventos anteriores e comparar o bombardeio em Oslo com estes eventos, mas que poderia ter acontecido em qualquer outro lugar do mundo. Primeiro, a mídia tradicional rapidamente culpou extremistas muçulmanos pelo ataque, para depois alterar a sua história e culpar um membro “branco” do grupo terrorista Al-Qaeda pelo ataque em Oslo e Utoya.

Outra parte que coincide com outros ataques de falsa bandeira é que o autor dos ataques é apresentado na mídia tradicional como o único responsável, agindo sozinho, e quando as histórias falsas da mídia não convenceram o público, novos detalhes são adicionados para fazer com que a história sobreviva mais um dia. Agora, a polícia disse que um segundo homem está sob custódia, e que este homem teria agido juntamente com Anders Behring Breivik para realizar os dois ataques. O mesmo padrão de bode expiatório único foi oferecido pelas autoridades durante os ataques na cidade de Oklahoma e no World Trade Center em 1993.

Outro pedaço de informação que não faz sentido é que o ataque terrorista ocorreu em um feriado, quando a maioria dos trabalhadores do governo não estavam em seus escritórios. Por que um terrorista perderia tempo e trabalho para realizar um ataque durante um feriado, quando o dano seria menor? Por que um grupo de terroristas atacaria um prédio quase vazio em um feriado? A explosão de uma bomba de Oslo, vem em um momento de dificuldades econômicas na Europa, enquanto o governo está passando por um baixo nível de aprovação pública e depois que a Noruega anunciou a retirada de suas tropas da força NATO que está a bombardeando a Líbia e outros países Africanos.

Anders Behring Breivik é um branco caucasiano de 32 anos de idade, que chama-se a si mesmo um cristão conservador, como alguns rumores relataram, um membro da Maçons. Não tenho nada contra dos maçons aqui. De nenhuma maneira, no entanto, um “lobo solitário” poderia matar 92 pessoas na Noruega. De fato, um outro homem foi preso. É a informação publicada na página do Facebook Breivik uma tentativa de enquadrar os conservadores cristãos e, em seguida, classificá-los como potenciais terroristas? Este é um cenário muito provável, porque é isso que os governos fizeram para os muçulmanos depois de 11 de setembro. Veja a página do Anders Behring Breivik no Facebook aqui.

A tudo isto há que acrescentar que a polícia esperou 90 minutos antes de realizar a operação de resgate de jovens na ilha de Utoya. Isso permitiu que o atirador (os atiradores) executaram seu plano para disparar todos aqueles na frente antes de serem encontrados pela polícia. Durante o 11 de setembro, aviões de combate não foram enviados para “caçar” os aviões supostamente seqüestrado por ordem do vice-presidente Dick Cheney, como disse o ex-secretário de Transportes Norman Minetta. Isso permitiu que os aviões chegassem até a cidade de Nova York e chocaram contra as torres gêmeas. A mídia em seguida, culpou os muçulmanos pelos ataques da Noruega com zero evidência, em seguida também culpou os “brancos” da Al Qaeda, novamente sem nenhuma prova.

Dado o fato de que o primeiro-ministro da Noruega visitaria Utoya para conversar com os jovens que foram baleados por atiradores, funcionou muito bem com o fato que a bomba explodiu no prédio do governo apenas umas poucas horas antes e funcionara como uma distração para realizar os assassinatos em Utoya.. Outro fato prático é que Anders Behring Breivik era supostamente um fazendeiro. Isto serviu como uma desculpa para comprar seis toneladas de fertilizantes antes do ataque, o seu provedor, disse no sábado. Os tiroteios começaram poucas horas depois da explosão que destruiu o prédio do governo em Oslo, onde o escritório do primeiro-ministro estava.

Segundo o historiador e pesquisador G. Webster Tarpley, o ataque terrorista em Oslo tem “indícios de uma provocação de falsa bandeira”.

“Tem sido relatado que, embora a mídia mundial está tentando se concentrar em Anders Behring Breivik como um assassino solitário na tradição de Lee Harvey Oswald, muitas testemunhas concordaram que um segundo atirador agiu na massacre em um acampamento de jovens em Utøya. Também foi revelado que uma unidade especial da polícia realizou um exercício no centro de Oslo, que envolvia a detonação de bombas – exatamente o que causou o derramamento de sangue algumas centenas de metros de distância, pouco mais de 48 horas depois. A pesquisa também revela que as agências de inteligência dos Estados Unidos haviam realizado um programa de larga escala para recrutar oficiais reformados da polícia norueguesa com o suposto objectivo de realizar vigilância dentro do país. Este programa, conhecido como Unidades de Vigilância Detecção ou SIMAS é o veículo perfeito para a penetração e subversão da polícia norueguesa pela NATO. ”

Segundo a imprensa norueguesa, houveram vários treinos nos dias que antecederam os ataques em Oslo, com homens vestindo ternos pretos descendo pelas paredes de edifícios do centro de Oslo, a poucos quarteirões do escritório do primeiro-ministro. Este comportamento é consistente com as ações tomadas em anteriores ataques de falsa bandeira como no 11 de setembro de 2001. O que os exercícios fazem é permitir que se coloquem explosivos ou carros-bomba, que podem ser parte da simulação e, em teoria, são falsos explosivos e falsos carros-bomba, mas elas realmente são explosivos reais e carros-bomba verdadeiros. Aqueles que participam nos exercícios podem ou não saber sobre a realidade dos explosivos ou bombas, pois os equipamentos e materiais utilizados durante os exercícios são reais. O fato de que os exercícios ocorreram pouco antes do ataque também protege aqueles que podem ser os culpados pelo ataque porque “era tudo parte do exercício” e ninguém sabia que havia explosivos reais envolvidos bombas reais ou carro.

Outra característica que torna a explosão de uma bomba em Oslo estranha é que um conhecido de Anders Behring Breivik, Ulav Andersson, diz que ele pode ter sido doutrinado ou ele pode ter tido uma “lavagem cerebral”. Anderson também foi colega de trabalho de Breivik.

Breivik também participou de reuniões do grupo Os Cavaleiros Templários e como foi dito anteriormente, também parece ser um membro dos Maçons. A única coisa que não aconteceu no ataque terrorista em Oslo é que Breivik não foi misteriosamente morto na prisão ou se enforcou em sua cela, como em outros casos. No entanto, mais detalhes serão divulgados nos próximos dias e esse resultado não seria uma surpresa.

Enquanto toda esta informação aponta claramente para um ataque de falsa bandeira, a mídia e seus especialistas em segurança e terrorismo optam por ignorá-los e continuam culpando extremistas cristãos conservadores.

 

“Unregulated Greed has Destroyed the Capitalist System”

Paul Craig Roberts

I write about major problems: the collapsing US economy, wars based on lies and deception, the police state based on “the war on terror” and other fabrications such as those orchestrated by corrupt police and prosecutors, who boost their performance reports by convicting the innocent, and so on. America is a very distressing place. The fact that so many Americans are taken in by the lies told by “their” government makes America all the more depressing.

Often, however, it is small annoyances that waste Americans’ time and drive up blood pressures. One of the worst things that ever happened to Americans was the breakup of the AT&T telephone monopoly. As Assistant Secretary of the US Treasury in 1981, if 150 percent of my time and energy had not been required to cure stagflation in the face of opposition from Wall Street and Fed Chairman Paul Volcker, I might have been able to prevent the destruction of the best communications service in the world, and one that was very inexpensive to customers.

The assistant attorney general in charge of the “anti-trust case” against AT&T called me to ask if Treasury had an interest in how the case was resolved. I went to Treasury Secretary Don Regan and told him that although my conservative and libertarian friends thought that the breakup of At&T was a great idea, their opinion was based entirely in ideology and that the practical effect would not be good for widows and orphans who had a blue chip stock to see them through life or for communications customers as deregulated communications would give the multiple communications corporations different interests than those of the customers. Under the regulated regime, AT&T was allowed a reasonable rate of return on its investment, and to stay out of trouble with regulators AT&T provided excellent and inexpensive service.

Secretary Regan reminded me of my memo to him detailing that Treasury was going to have a hard time getting President Reagan’s economic program, directed at curing the stagflation that had wrecked President Carter’s presidency, out of the Reagan administration. The budget director, David Stockman, and his chief economist, Larry Kudlow, had lined up against it following the wishes of Wall Street, and the White House Chief of Staff James Baker and his deputy Richard Darman were representatives of VP George H.W. Bush and did not want s substantial Reagan success that would again threaten the Republican Establishment’s hold over the party. Baker and Darman wanted to be sure that George H. W. Bush, and not Jack Kemp, succeeded Ronald Reagan, and that required a muted Reagan success that they could claim as theirs for moderating an “extremist” program.

I told Secretary Regan that if I had another deputy assistant secretary, I could reach a reasonable conclusion whether the breakup of AT&T was sensible. He replied that he was sure that was the case, but that once I had three deputies the headlines in the Washington Post and New York Times, Business Week, Newsweek, and so on, would be: “Supply-sider builds empire at Treasury.” He said it would sink me and that without me he could not get the President’s economic program out of the President’s administration. “Which do you want to do,” he asked, “save AT&T or cure stagflation?”

Curing stagflation gave America twenty more years. Ironically, the good times started to erode when Reagan’s other goal was accomplished and the Soviet Union dissolved in 1990. “The end of history” resulted in India and China opening their labor markets to American capitalists, who began producing offshore with foreign labor the products that they sold to Americans. The labor costs savings pushed up corporate profits, shareholders’ returns, and managerial bonuses. But it deprived Americans of middle class incomes and wrecked the balance of trade. The US income distribution and the trade deficit worsened.

Many progressives blame the worsening income distribution on the Reagan tax rate reductions, but the real cause is the offshoring of manufacturing, industrial, and professional service jobs, such as software engineering.

None of us in the Reagan administration foresaw jobs offshoring as the consequence of Soviet collapse. We had no idea that by bringing down the Soviet Union we would be bringing down America. During the Reagan years India was socialist and would not allow foreign corporations, had they been interested, to touch their labor force. China was communist and no foreign capital could enter the country.

However, once the Soviet Union was gone from the earth, the remaining socialist and communist regimes decided to go with the winners. They opened to Western corporations and sucked jobs out of the developed West.

But this is a different story. To get back to deregulation, nothing has worked for the consumer since deregulation. Deregulation permitted corporations to impose their costs of operation on customers without having to send them a bill. For example, corporations use voice recognition technology to keep customers from salaried customer representatives. I remember when a customer with a problem could call a utility company or bank and have the problem immediately corrected.

No more. There was an error in my phone bill today, which I had corrected without result on two previous occasions. As everyone knows by now, it takes 10-15 minutes, usually, to get a live person who can actually fix the problem. After listening to sales pitches for 12 minutes, I got a live person. Once the problem was understood, it was pronounced to be an upper level problem out of his hands. I waited another 10 minutes while he tried to reach a superior who had the code to fix the problem that the phone company had produced in my account. The entire time I listened to product advertisements.

How many times has this happened to you?

Whoever invented these artificial voice capabilities is the enemy of mankind. Whomever a customer calls–utilities, credit card companies, banks, whatever, the customer gets a voice machine. Some voice machines never tell the customer how to get a live person who can, on occasion, actually fix the problem.

In my opinion, the strategy behind the endless delays is to cause the customers to give up, slam the telephone down and play the higher incorrect bill as it is cheaper in time and frustration to correcting the problem and being billed in the correct amount. These ripoffs of the customer are produced by Wall Street pressures for higher earnings.

The frustrations, of course, multiply when one reaches an offshored service somewhere in the Third World. The incentive is to hang up and to pay the excessive bill so that phone, internet, or credit card services are not cut off

Had Don Regan and I known that the high speed Internet was in our future and that American corporations would use it to destroy the jobs traditionally filled by US university graduates, possibly we would have decided to save the regulated telephone monopoly and to deliver the economy over to stagflation.

The reason is that sooner or later something would have been done about stagflation, but nothing whatsoever has been done about offshoring. Saving the economy from offshoring would have been a greater achievement than saving the economy from stagflation. However, in my time stagflation, not offshoring, was the problem.

I regret that I did not have a crystal ball.

Deregulation proponents will say that the breakup of AT&T gave us cell phones and broadband, as if foreign regulated communication companies and state monopolies do not provide cell phone service or high speed Internet connections. I can remember attending corporate board meetings years ago at which the European members had digital cell phones with which they could call most anywhere on earth, while we Americans with our analogue cell phones could hardly connect down the street.

What deregulation did was to permit Wall Street to push the deregulated industries– phone service, airlines, trucking, and later Wall Street itself– to focus on profits and not on service. Profits were increased by curtailing service, by pushing up prices and by Wall Street creating fraudulent financial instruments, which the banksters used America’s reputation to market to the gullible at home and abroad.

Consider air travel. Admit it, if you are my age you hate it. The deterioration in service over my lifetime is phenomenal. Studies in favor of airline deregulation focused on short flights between A and B and concluded that small airlines serving high density areas were more efficient because they were not regulated. What was left out of the analysis is that regulated airlines served low density areas and permitted free stopovers. For example, if one was flying from the US to Athens, Greece, the traveler could stopover in London, Paris, and Rome without additional charges. Moreover, passengers were fed hot meals even in tourist class. In those halcyon days, it was even possible to travel more comfortably in tourist class than in first class, because flights were not scheduled in keeping with full capacity. Several rows of seats might be unoccupied. It was possible to push up the arm rests on three or four center aisle seats, lay down and go to sleep.

Perhaps the best benefit of regulated air travel for passengers was that airlines had spare airliners. If one airplane had mechanical problems that could not be fixed within a reasonable time, a standby airliner was rolled out to enable passengers to meet their connections and designations. With deregulation, customer service is not important. The bottom line has eliminated spare airliners.

With deregulated airlines, Wall Street calls the tune. If your flight has a mechanical problem, you are stuck where you are unless you have some sort of privileged status that can bump passengers from later fully booked flights. “Studies” that focus only on discounted ticket price omit major costs of deregulation and thereby wrongly conclude that deregulation has benefited the consumer.

When trucking was regulated, truckers would stop to provide roadside assistant to stranded travelers. Today, with deregulated trucking, every minute counts toward the bottom line. Not only do truckers no longer stop to aid stranded travelers, they travel at excessive speeds that endanger automobile drivers. Trucks have expanded in size, weight and speed. Trucks raise the stress level on interstate highway drivers and destroy, at taxpayers expense, the roads on which they travel.

Conservatives and especially libertarians romanticize “free market unregulated capitalism.” They regard it as the best of all economic orders. However, with deregulated capitalism, every decision is a bottom-line decision that screws everyone except the shareholders and management.

In America today there is no longer a connection between profits and the welfare of the people. Unregulated greed has destroyed the capitalist system, which now distributes excessive rewards to the few at the expense of the many.

If Marx and Lenin were alive today, the extraordinary greed with which Wall Street has infected capitalism would provide Marx and Lenin with a better case than they had in the 19th and early 20th centuries.

O Terror de Outono

Por Luis R. Miranda
The Real Agenda
Julho 25, 2010

Se há uma lição que a história mostra claramente, é que crises não aparecem por acaso. As grandes crises são provocadas para empurrar uma agenda. A primeira e segunda guerras mundiais são exemplos. O ataque do Golfo de Tonkin foi perpetrado artificialmente para criar outra crise que aumentou o controle dos globalistas. As operações terroristas Gladio e Northwoods são dois outros exemplos de como as elites jogam com as mentes do público para forçar seus planos. Mais recentemente, temos os ataques terroristas do 11de setembro e o derramamento de petróleo no Golfo do México.

Terror é a ferramenta preferida das elites para nos forçar a aceitar as suas políticas quando querem ou precisam. O que salvou a presidência de Bill Clinton não foi o seu entendimento da economia, mas seu ataque militar sobre a Bósnia e o ataque terrorista na cidade de Oklahoma. O que salvou a presidência de George W. Bush em seu primeiro mandato não foi seu caracter conservador ou a compaixão das suas ações, mas o ataque ao World Trade Center em Manhattan, Filadélfia e Washington. Agora, está sendo proposto por pessoas controladas pela elite, que só um ataque terrorista maciço pode salvar a presidência de Barack Obama. Um ataque da escala de Oklahoma City ou o 11 de setembro de 2001.

A suspeita de que um ataque maciço contra os americanos ou qualquer outro país do G8 está por chegar a fim de levar a outra, possivelmente, a última crise não é um exagero. A História ensina-nos bem. O que é mais chocante de uma crise criada para avançar uma agenda não é que vai acontecer, mas que essas as pessoas que trabalham para as elites saem e dizem aos quatro ventos que um ataque terrorista maciço é a única maneira de salvar a presidência de Barack Obama e tirar da lama onde ela está agora.

Em um artigo no Financial Times, um agente do governo de Bill Clinton, Robert Shapiro, deixou claro que Obama depende de um ataque para ressuscitar dos mortos. “A verdade é que os americanos não acreditam na liderança do presidente Obama”, disse Shapiro. “Ele tem que encontrar alguma maneira entre agora e novembro, para mostrar que ele é um líder que possa inspirar confiança e, na ausência de um evento à escala de 11 de setembro ou Oklahoma City, eu não posso pensar como ele poderia fazer isso.” Lembre-se da imagem de George W. Bush em pé sobre os escombros do World Trade Center? Onde estará Obama em outubro de 2010? Ele já teve o seu momento, como Bush fez com o Katrina, no Golfo do México, onde manteve os interesses da Coroa britânica sobre os do povo americano, deixando a BP fazer o que quis, literalmente.

A administração Obama não apenas não evitou a catástrofe do vazamento de óleo, mas também permitiu deliberadamente a se deteriorar. Obama impediu de ajuda externa e interna com a limpeza das águas do Golfo do México. Em vez disso, deixou a BP contratar capangas para impedir o resgate de animais selvagens e evitar a propagação do petróleo ao longo da costa do golfo. Enquanto você lê este artigo, BP utiliza as águas e o solo como um depósito de lixo tóxico. Ilhas foram transformadas em centros de morte, derramando cerca delas substâncias químicas que destroem a vida marinha em todo o Golfo. Embora a tecnologia existe para limpar as águas do Golfo do México, Obama e seus companheiros na BP decidiram deixar o óleo no mar, a fim de ter uma desculpa para promover a sua agenda Cap & Trade.

Olhando para trás na história, sob a presidência de Bush, o secretário de Defesa Donald Rumsfeld, sugeriu que um novo ataque terrorista podia ajudar a vender a guerra ao terror melhor. Os militares também sugeriram essa opção como uma forma para dar à falsa guerra global contra o terrorismo uma benção em tempos em que as pessoas estão cansadas da mesma. O tenente-coronel Doug Delaney, do Royal Military College estava sugeriu isso falando como chefe do curso de estudos de guerra. Naturalmente, um ataque contra os Estados Unidos ou em qualquer país do G-8 não teria apenas um impacto local ou regional. A maneira em que a economia mundial está “em depressão” faria que um ataque terrorista permita a instalação dum estado de lei marcial e um Estado Polícia que os globalistas desejam implementar. Além disso, levaria a uma queda mais rápida e ensurdecedora das economias ao redor do mundo.

A “surpresa de outubro”, como é chamada na América do Norte poderia vir de qualquer forma, não necessariamente uma bomba nuclear. Como vimos, não falta criatividade quando se trata de assustar as pessoas. Vimos como o estado da economia foi alterado através da compra e venda ilegal de produtos financeiros imaginários “Derivativos”, agora sabemos como invadir um país e perder uma guerra, e certamente estamos cientes que estamos vivendo as conseqüências de um derramamento de óleo mal administrado -a propósito.

Mas há um detalhe que o próximo ataque pode ter e que nenhúm outro teve. Parece um segredo de polichinelo que desta vez a culpa de qualquer ataque seria concedida para os cidadãos. Qualquer e todos aqueles que criticam o governo e suas ações ilegais foram alvo de ataques do governo ao longo da história. Agora, aqueles que fazem suas vozes sejam ouvidas não somente podem ser presos ou detidos por toda sua vida. Eles mesmos serão responsabilizados por qualquer ataque. Nos Estados Unidos, o grupo conhecido como Tea Party é demonizado diariamente pela mídia corporativa. É claro que nem todos no Tea Party são verdadeiros patriotas, pelo fato de estar infiltrado pelos serviços secretos do governo. No entanto, o verdadeiro Tea Party, é formado principalmente por cidadãos interessados que apóiam o congressista Ron Paul. Eles são objecto de ataques contínuos por parte da polícia, mídia e outros grupos que estão na folha de pagamento do governo.

Então, o que deveria fazer um presidente, quando seu apoio afunda apenas nos primeiros 18 meses de mandato? Nada! Porque nenhúm presidente é capaz de decidir o que é feito. Ele senta-se lá como líder, como o personagem principal do teatro de fantoches. Ele é forçado a fazer o que lhe dizem seus donos. Qual homem inteligente deixaria um desastre químico acontecer? Qual homem o mulher graduado de Harvard mantém os interesses das corporações, bancos e militares acima dos do povo? Só que ele foi criado e é controlado por eles. Também um homem que é chantageado por aqueles que o colocaram no poder.

Outra questão que continua sem ser abordado é: Por que os cidadãos estão em revolta contra o seus governos? Poderia ser porque, para eles, as pessoas são um produto que pode-se vender ou leiloar para o maior lance? Será porque os cidadãos são abusados até terminar com sua última gota de sangue, suor e paciência em seus corpos? Talvez seja o fato de as pessoas ser tratadas como criminosos em seu próprio país, enquanto os criminosos estão soltos na rua. Isto não é porque não há fundos suficientes para manter as vilas e cidades seguras, mas porque foi projetado para ser assím. Se aumentam os impostos, mas se cortam os serviços básicos. Se aumentam os impostos, mas se subsidia o colapso da indústria. E quando esta não for boa, os governantes decidem que é uma boa idéia bombardear os cidadãos irracionais. Na mentalidade coletivista, este bombardeio para acalmar o clima seria feito para beneficiar a maioria, é claro.

Uma coisa em que os governantes não mentem, é o que eles realmente querem fazer conosco. Eles disseram que queriam um ataque terrorista maciço para consolidar seu controle sobre pessoas e recursos, e eles fizeram isso (Projeto para um Novo Século Americano). Quando eles disseram que colapsaria a economia mundial, também o cumpriram (os derivativos, os ativos tóxicos, o FMI e os programas de empréstimo do Banco Mundial). Agora, estamos mais uma vez advertidos que outra grande surpresa está chegando e não temos razão para duvidar deles. Principalmente porque ao contrário da maioria da corrupção atual, os meios de comunicação estão enchendo todas as colunas de cenas de tristeza e desgraça, repetindo o que os terroristas -governantes- dizem.

Quinze anos atrás, não ouvimos falar do grupo Bilderberg na mídia, ou como os bancos centrais são privados e controlados desde o topo da pirâmide. No entanto, estas e outras “teorias da conspiração” são explicados em detalhe todos os dias. Políticos, profissionais, jornalistas e toda a gente na rua sabe que o mundo é controlado por um punhado de famílias. Eles, obviamente, fazêm parecer como se é bom para nós que as coisas sejam desta maneira. Apresentam aos governantes e suas “soluções” como os únicos que podem nos salvar, ao invés de nos dizer a verdade: que são eles quem causam as crises.

A máscara de Obama caíu. Na verdade, as máscaras de todos os presidentes e chefes de governo caíram.

Qual será a forma do Terror de Outono? Quem sabe? O importante é que fomos alertados e temos de nos preparar.

Top Secret America: A hidden world, growing beyond control

Washington Post

The top-secret world the government created in response to the terrorist attacks of Sept. 11, 2001, has become so large, so unwieldy and so secretive that no one knows how much money it costs, how many people it employs, how many programs exist within it or exactly how many agencies do the same work.

 These are some of the findings of a two-year investigation by The Washington Post that discovered what amounts to an alternative geography of the United States, a Top Secret America hidden from public view and lacking in thorough oversight. After nine years of unprecedented spending and growth, the result is that the system put in place to keep the United States safe is so massive that its effectiveness is impossible to determine. 

The investigation’s other findings include:

* Some 1,271 government organizations and 1,931 private companies work on programs related to counterterrorism, homeland security and intelligence in about 10,000 locations across the United States.

* An estimated 854,000 people, nearly 1.5 times as many people as live in Washington, D.C., hold top-secret security clearances.

* In Washington and the surrounding area, 33 building complexes for top-secret intelligence work are under construction or have been built since September 2001. Together they occupy the equivalent of almost three Pentagons or 22 U.S. Capitol buildings – about 17 million square feet of space.

* Many security and intelligence agencies do the same work, creating redundancy and waste. For example, 51 federal organizations and military commands, operating in 15 U.S. cities, track the flow of money to and from terrorist networks.

* Analysts who make sense of documents and conversations obtained by foreign and domestic spying share their judgment by publishing 50,000 intelligence reports each year – a volume so large that many are routinely ignored.

These are not academic issues; lack of focus, not lack of resources, was at the heart of the Fort Hood shooting that left 13 dead, as well as the Christmas Day bomb attempt thwarted not by the thousands of analysts employed to find lone terrorists but by an alert airline passenger who saw smoke coming from his seatmate.

They are also issues that greatly concern some of the people in charge of the nation’s security.

“There has been so much growth since 9/11 that getting your arms around that – not just for the DNI [Director of National Intelligence], but for any individual, for the director of the CIA, for the secretary of defense – is a challenge,” Defense Secretary Robert M. Gates said in an interview with The Post last week.

In the Department of Defense, where more than two-thirds of the intelligence programs reside, only a handful of senior officials – called Super Users – have the ability to even know about all the department’s activities. But as two of the Super Users indicated in interviews, there is simply no way they can keep up with the nation’s most sensitive work.

“I’m not going to live long enough to be briefed on everything” was how one Super User put it. The other recounted that for his initial briefing, he was escorted into a tiny, dark room, seated at a small table and told he couldn’t take notes. Program after program began flashing on a screen, he said, until he yelled ”Stop!” in frustration.

“I wasn’t remembering any of it,” he said.

Underscoring the seriousness of these issues are the conclusions of retired Army Lt. Gen. John R. Vines, who was asked last year to review the method for tracking the Defense Department’s most sensitive programs. Vines, who once commanded 145,000 troops in Iraq and is familiar with complex problems, was stunned by what he discovered.  Read the complete details…