UN Rio+20 Summit Entertains Anti-Human Declaration

By SUSANNE POSEL | OCCUPY CORPORATISM | JUNE 15, 2012

The UN’s Earth Summit on Sustainable Development in Rio+20 this month has attracted more than 100 science academies and leaders from all across the globe to discuss population control and human consumption, among other topics of global domination.

Humanity is a viable threat to the eco-system and future of planet Earth, say scientists from the UK’s Royal Society .

“The overall message is that we need a renewed focus on both population and consumption – it’s not enough to look at one or the other,” said Prof Charles Godray from the Martin School at the University of Oxford, who chaired the process of writing the declaration. “We need to look at both, because together they determine the footprint on the world.”

Globalist academics decry humanity’s footprint is getting “heavier and heavier”. They have released a public declaration to coerce developed and developing nations to join forces to combat humanity’s assault on our planet.

The declaration states: “The global population is currently around seven billion, and most projections suggest that it will probably lie between eight and 11 billion by 2050. Global consumption levels are at an all-time high, largely because of the high per-capita consumption of developed countries.”

The fear-mongers assert that if governments fail to enact these changes, “will put us on track to alternative futures with severe and potentially catastrophic implications for human well-being.”

Population control and severely limiting human consumption, being discussed at the UN Earth Summit, will admonish governments to agree to “commit to systematically consider population trends and projections in our national, rural and urban development strategies and policies.”

The drafted agreement claims all governments pledge to “change unsustainable consumption and production patterns” to reflect Agenda 21  Sustainable Development policies within sovereign nations so that the UN can usurp authority by ratification of international mandate within individual countries.

The report claims that over population in under-developed countries has resulted in unsustainable consumption worldwide.

Eliya Zulu, executive director of the African Institute for Development Policy  in Nairobi, co-author of the report from the Royal Society, says: “Many African countries are feeling the effects of population growth, and are finding they’ll need to deal with it in order to continue developing as well as to address their environmental issues. If you look at a country like Rwanda, it’s one of the most densely populated in Africa and the government believes one of the reasons behind the genocide was high population density and competition for resources. And the economic downturn that started in the late 1980s made people realize that in order to reach the Millennium Development Goals [MDGs], you can’t do it if your population is growing rapidly.”

Zulu points out that women in Africa are contributing to the over-population problems, which is causing the need to increase family planning provisions in Africa.

“This is an absolutely critical period for people and the planet, with profound changes for human health and wellbeing and the natural environment,” said Sir John Sulston, the report’s chairman, who headed the Human Genome Project , and currently chairs the Institute for Science Ethics and Innovation . “Where we go is down to human volition – it’s not pre-ordained, it’s not the act of anything outside humanity, it’s in our hands.”

These globalists believe that while more people are born, over-consumption becomes an issue of over-population. Under-developed countries are being blamed for ushering our planet toward destruction because of lack of access to family planning services.

By controlling fertility rates, as well as consumption of food, water and other resources, these experts assert that the environment, CO2 emissions and the status of the planet will be saved.

The Royal Society has used gross national product (GDP) to define how a nation’s economy can sustain its population. Their focus is to protect the environment over the rights of humanity as a whole.

While the UN discusses how to deal with the rising human population, radical environmentalists are speaking at the UN Earth Summit, urging that biodiversity be protected from the effects of humanity.

The World Wildlife Federation (WWF) has also released a report called the Living Planet Report that condemns the ecological disaster our planet is becoming from the direct influence of man.

It was the WWF who published a false report  on the polar bear population last year. By purveying the myth that the polar bears are drowning due to ice sheets melting because of global warming, the WWF participated in the alarmism of climate change.

Real world observations from researchers found that polar bear populations are estimated at 66% higher than climate change alarmists predicted.

David Nussbaum, CEO of the WWF in the UK, says: “The Rio+20 conferences are an opportunity for the world to get serious about the need for development to be made sustainable. We need to elevate the sense of urgency, and I think this is ultimately not only about our lives but the legacy we leave for future generations.”

The report from the WWF is compiled from data obtained from the Zoological Society of London  (ZSL), as well as analysis from the Global Footprint Network  (GFN) to further globalist agendas for global sustainability and encompassing the world’s ecological footprint. They assert issues surrounding the use of fossil fuels, deforestation for agricultural use, logging wood, and depleting fish populations as a food source.

The ZSL claims 30% of the species of the world have been in a steady decline since 1970, while tropical species have been waning at a rate of more than 60% because of the destruction to tropical lakes and rivers.

Tim Blackburn, director of the Institute of Zoology at the ZSL, maintains: “Nature is more important than money. Humanity can live without money, but we can’t live without nature and the essential services it provides.”

Nations under pressure by the UN and defined as completely unsustainable are: Qatar, Kuwait, United Arab Emirates countries, Denmark, Belgium, Australia, Ireland, United Kingdom.

The WWF report points out that 405 river systems are under attack worldwide, as well as the 30% food wastage caused by countries in the West contribute to the global food shortages and infrastructure in under-developed countries.

UN Secretary-General Ban Ki-moon, has launched a “ global conversation ” to keep the appearance that the UN is interested in creating the “future we want”.

Through Facebook , Twitter or simply mailing in concerns, the panelists and event participants will answer “questions, expectations, or comments . . . at the event on November 22, 2012 at 10am EST.”

The UN hope to continue to purvey the ruse that they are an international community dedicated to making our world a better place. In the shadows, the globalist Elite lurks and patiently wait while the very right to human existence is stripped from sovereign nations through international directives.

This vision of the future is not what we want.

Climate Alarmists want Forced Relocation of People

They also want to halt production and development in both the developed and underdeveloped worlds.

Paul Joseph Watson

Not content with merely pushing world war-style rationing and the complete de-industrialization of the planet, global warming alarmists meeting in Cancun Mexico this week will propose the forced relocation of entire populations in the name of offsetting man made climate change.

The shocking proposal appears on page 6 of the executive summary of the Special Climate Change Program.

As a means of mitigating climate change, encouraging sustainability and reducing CO2 emissions, the document calls for, “the implementation of relocation programs for human settlements and infrastructure in high risk areas.”

Relocation of populations has historically been achieved by force at the hands of an authoritarian ruling elite, to the “substantial harm” of the target settlement, with loss of private property and harrowing social dislocation, and in some cases genocide, being three primary outcomes. The most odious example in recent history was of course the forced transfer of Jews from wartime Germany by the Nazis.

Political scientist Norman Finkelstein notes that forced relocations are often justified by the ruling authorities as a necessary solution to a drastic crisis, which is precisely the rhetoric used in the Cancun document.

The proposal by climate alarmists to forcibly relocate communities against their will is yet another revealing indication that the green movement has dispensed with all pretense of liberal legitimacy and has openly bared its teeth as an authoritarian and despotic undertaking.

Yesterday we reported on how ultra elitist environmental group The Royal Society published a series of papers to accompany the conference which stated that wartime-style crisis rationing should be implemented by Western governments in order to reduce carbon emissions.

Such a move would see “limits on electricity so people are forced to turn the heating down, turn off the lights and replace old electrical goods like huge fridges with more efficient models. Food that has travelled from abroad may be limited and goods that require a lot of energy to manufacture.” the London Telegraph reported.

Of course, the move has nothing to do with halting global warming, which even the Royal Society itself admits is slowing despite accelerating carbon emissions, and everything to do with lowering living standards in the west as part of the globalist drive to completely dismantle the middle class and thereby remove the primary obstacle to instituting an autocratic global government.

A prominent member of the Royal Society is James Lovelock, an eco-fascist who advocates ending democracy and instituting an authoritarian elite to oversee global climate management and a radical stemming of the human population in order to combat climate change. He is also a patron of the Optimum Population Trust, a notorious UK-based public policy group that campaigns for a gradual decline in the global human population, which it refers to as “primates” or “animals”, to what it sees as a “sustainable” level.

Leading climate skeptic Lord Christopher Monckton, who is in attendance at Cancun over the next ten days, appeared on the Alex Jones Show yesterday, to warn that globalists are attempting to play down the significance of the summit in an effort to impose world government treaties by stealth.

Monckton stated that the alarmists were proposing “lunatic measures” like forced resettlement of populations and concentration camps, as well as food rationing in the west, all concepts familiar to socialists and communist enforcers. He said that the ideas were deliberately extreme in order to make what actually comes out of the conference look reasonable and rational so that “we almost breathe a sigh of relief when the world government takes over.”

 

 

A Royal Society: Aquecimento Global é Incerto

O órgão científico mais importante do Reino Unido deu um passo para trás e admitiu que é “desconhecido” quanto mais quente o planeta vai se tornar.

A Royal Society lançou um novo guia que apresenta um recuo de sua posição de vanguarda anterior sobre a ameaça das alterações climáticas e o aquecimento global que segundo eles era causado pelo homem . A decisão de atualizar seu guia científica veio após 43 dos seus membros se queixaram de que as versões anteriores não levavam em conta a opinião dos cépticos das alterações climáticas.

O novo guia, intitulado “Alterações climáticas: um resumo da ciência”, admite que existem hoje grandes “incertezas” sobre o outrora sagrado “consenso científico” por trás da teoria do aquecimento global antropogénico, admitindo que não só é impossível saber como o clima da Terra irá mudar no futuro, mas também dos efeitos que estas mudanças podem ser. O guia de 19 páginas claramente explica: “Não é possível determinar exatamente quanto a Terra vai aquecer ou exatamente como o clima vai mudar no futuro, mas estimativas das potenciais mudanças e incertezas associadas têm sido feitas cuidadosamente”.

O guia continua afirmando, “Não existe actualmente suficiente compreensão do derretimento maior e recuo dos lençóis de gelo na Groenlândia e na Antártica Ocidental para prever exatamente quanto o nível do mar vai aumentar acima do observado no século passado para uma dada temperatura”.

Em 20 de setembro de 2010 num artigo publicado no Daily Mail do Reino Unido, Professor Anthony Kelly, conselheiro acadêmico do Global Warming Policy Foundation (GWPF), explica: “A orientação anterior desanimava o debate ao invés de fomentar o conhecimento entre as pessoas. A nova orientação é clara e um documento muito melhor “.

A decisão de rever e baixar o tom da sua posição alarmista sobre a mudança climática demonstra uma clara inversão da marcha no seu panfleto do clima de 2007, um que se diz ter causado uma rebelião interna de 43 companheiros da sociedade, provocando uma revisão e uma revisão posterior . A publicação de 2007, que repetiram informações enganosas do IPCC de que a “ciência estava clara” – abriu caminho para o novo guia, que aceita que questões importantes permanecem em aberto e incertezas não resolvidas. “A Royal Society agora também concorda (com nós) que a tendência do aquecimento da década de 1980 e 90, chegou a um impasse nos últimos 10 anos”, disse Benny Peiser, o director do GWPF.

A realidade econômica e uma mudança acentuada na opinião pública desde o escândalo Climategate do ano passado e do fracasso do tão apregoado Foro de Copenhague tem desencadeado uma série de dominós caindo dentro do tema da mudança climática e o aquecimento global antropogênico (AGA). A mudança da Royal Society também segue um outro golpe na semana passada depois que a Grã-Bretanha, resolveu reduzir seu orçamento para o Departamento de Assuntos Climáticos e unir a antiga burocracia com o Departamento do Tesouro.

Alguns analistas também acreditam que o novo guia da Sociedade não vai suficientemente longe. Dr. David Whitehouse, editor de ciência da GWPF disse: “A maior falha do novo guia é que ele descarta os dados de temperatura antes de 1850 como limitados. O aquecimento global teria uma nova luz se esta informação fosse incluída junto com o Período Quente Medieval, o Período Romano quente da Idade do Bronze e do Período Quente foram tão quente como hoje, pois mostraria informação que ajudaria a determinar se estes períodos foram mais quente que hoje. Uma discussão aprofundada da crescente evidência empírica para a existência global do Período Medieval Quente e suas implicações teria sido uma valiosa adição ao novo relatório. ”

Além disso, este recuo da Royal Society sinaliza uma tendência muito real que o ativismo politico na ciência do clima está sendo lentamente substituída por uma avaliação mais sóbria da evidência científica e mais debates científicos estão em curso.

As consequências políticas

Até à data, o ativismo político motor de “mudanças climáticas” é alimentado por uma elite de cientistas, fundações, jornalistas, financiadores e políticos à procura de uma boa causa. O combustível para este motor foi fornecido por oportunidades econômicas a curto prazo, a maioria das quais tem sido na forma de bolsas de investigação enorme, de subsídios que provocaram um aumento nos custos de energia para o consumidor. Em EUA, os problemas com produtos financeiros derivados do assunto da mudança climática sao mais crônicos, depois que o Chicago Climate Exchange (mercado de carbono ou CAP & Trade) teve uma queda quando o mercado da América do Norte reduziu os investimentos e o colapso foi quase total nos preços dos “produtos” de emissões de carbono.

Depois que cientistas do IPCC gradualmente rompem relações com o orgão e voltam ao bom senso, e fundações como a Royal Society revertem suas políticas sobre a natureza da ameaça do clima, os políticos podem perder a confiança e a tração, que uma vez ajudou na promoção das “agendas verdes”.

Isto é seguido, é claro, pela realidade econômica de qualquer democracia em que os contribuintes não podem realmente pagar os gastos de departamentos ou políticas que não entreguem um benefício de para o bem-estar público. Se a elite de cientistas do IPCC não podem ser confiáveis para medir objetivamente as temperaturas globais (dados reais conjuntos da ONU mostram que não houve aumento da temperatura desde 1998), então é evidente que os políticos não podem construir no mundo real uma política de restauração para uma crise que não está realmente acontecendo. A crescente onda de ceticismo e do ressurgimento da análise científica real certamente vai significar o fim das políticas baseadas na fé, previsão e adivinhação que tem afetado o movimento cientifico até hoje.

Em quanto a ciência torna gradualmente seu caminho de volta à realidade e observação do mundo real, muitas das burocracias construídas ao redor das supostas mudanças do clima desde 2000 tropeçaram, como resultado da volta do bom senso. A razão para este fenômeno é descrito com as leis básicas da “física política”, um colapso do chamado “consenso científico” entra em conflito direto com um dos principais dogmas da política de negação plausível. Quando os políticos não podem mais usar cientistas como bodes expiatórios, como em “não é culpa nossa, eles nos disseram que o CO2 era responsável pelo aquecimento do planeta …”, em seguida, a agenda política não funciona mais.

A curva de realidade esté certamente aproximando-se à realidade da mudança do clima.

The Royal Society: Planetary Warming Uncertain

UK’s leading scientific body steps back and admits that it is “not known” how much warmer the planet will become.

Patrick Henningsen

The Royal Society has released a new guide which outlines a retreat from its former vanguard stance on the threat of climate change and man-made global warming. The decision to update their scientific guide came after 43 of its members complained that the previous versions failed to take into account the opinion of climate change sceptics.

The new guide, entitled ‘Climate change: a summary of the science’, concedes that there are now major ‘uncertainties’ regarding the once sacred ‘scientific consensus’ behind man-made global warming theory, admitting that not only is it impossible to know for sure how the Earth’s climate will change in the future but it cannot possibly know what the effects may be. The 19-page guide states clearly, ’It is not possible to determine exactly how much the Earth will warm or exactly how the climate will change in the future, but careful estimates of potential changes and associated uncertainties have been made”.

The guide continues stating, “There is currently insufficient understanding of the enhanced melting and retreat of the ice sheets on Greenland and West Antarctica to predict exactly how much the rate of sea level rise will increase above that observed in the past century for a given temperature increase”.

In a Sept 20, 2010 article published on the UK Daily Mail, Professor Anthony Kelly, academic advisor to  Britain’s Global Warming Policy Foundation (GWPF) explains, ”The previous guidance was discouraging debate rather than encouraging it among knowledgeable people. The new guidance is clearer and a very much better document”.

The decision to revise and tone down its alarmist position on climate change demonstrates a clear u-turn on its previous 2007 climate pamphlet, one which is said to have caused an internal rebellion by the 43 fellows of the Society, triggering a review and subsequent revision. The 2007 publication, which parroted the IPCC’s popular, but misleading impression that the ‘science is settled’ – made way for the new guide which accepts that important questions remain open and uncertainties unresolved. “The Royal Society now also agrees(with us) that the warming trend of the 1980s and 90s has come to a halt in the last 10 years,” said Dr Benny Peiser, the Director of GWPF.

Economic realities and a marked shift in public opinion since last year’s Climategate scandal and failure of the much-hyped UN Copenhagen Summit have triggered a series of falling dominos within the climate change and anthropogenic global warming (AGW) orthodoxy. The Royal Society’s shift also follows last week’s blow to the radical climatist agenda within Britain, where the new Coalition Government announced it will be slashing its Climate Change Department’s budget and folding the former free-standing bureaucracy into the Treasury department.

Some analysts also believe that the Society’s new guide does not go far enough. Dr David Whitehouse, the science editor of the GWPF said: “The biggest failing of the new guide is that it dismisses temperature data prior to 1850 as limited and leaves it at that. It would cast a whole new light on today’s warming if the Medieval Warm Period, the Roman Warm Period and the Bronze Age Warm Period were as warm as today, possibility even warmer than today. A thorough discussion of the growing empirical evidence for the global existence of the Medieval Warm Period and its implications would have been a valuable addition to the new report.”

In addition, this retreat by the Royal Society signals a very real trend in climate science circles where political activism is slowly being replaced by a more sober assessment of the scientific evidence and ongoing climate debates.

The Political Fallout

To date, the political activist engine powering climate change has been anchored by an elite circle of scientists, foundations, green journalists, carbon financiers- and politicians looking for a good cause. The fuel for this engine has been supplied by short-term economic opportunities, most of which has been in the form of massive research grants, subsidies and feed-in tariffs(triggering a rise in energy costs to the consumer) by the State and confederate bodies like the UN and the European Union. In the US, problems with climate change inspired instruments like Cap and Trade are more chronic, where North America’s sole carbon trading market, the Chicago Climate Exchange (CCX), has recently been scaled down following a decline in investment and the near complete collapse in carbon emission prices.

As formerly obedient IPCC scientists and insiders gradually break ranks and defect over to the common sense camp, and foundations like the Royal Society reverse their policies on the nature of the climate threat, politicians may lose the once reliable traction they enjoyed when promoting their various green agendas.

This is followed, of course, by the economic reality of any democracy whereby taxpayers cannot really back departments, much less policies, that do not deliver a measured benefit to the public welfare. If the IPCC’s elite chamber of scientists cannot be trusted to objectively measure past global temperatures (actual UN data sets show that there has been no temperature increase since circa 1998), then it goes without saying that politicians cannot build real-world policy catering for a crisis that is not actually happening. The rising tide of scepticism and the reemergence of real scientific analysis will surely spell an end to the innumerable faith-based policies and guesswork forecasting that has plagued the climate change movement to date.

As science gradually makes its way back into line with reality and real world observation, it follows that many of the climate bureaucracies erected since 2000 will stumble as a result. The reason for this phenomenon is spelled out in the basic laws of ‘political physics’; a collapse of the so-called “scientific consensus” comes into direct conflict with one of the main tenets of politics- plausible deniability. When politicians can no longer use scientists as scapegoats, as in “it’s not our fault, they told us CO2 was heating up the planet…”, then the political agenda is all but dead.

The reality curve is certainly catching up to climate change now.

Aquecimento Global Antropogênico: A Fraude, as Mentiras e o Crime

Como Os Cientistas, Os Globalistas E a Mídia Foram Pegos Mentindo

Por Luis R. Miranda
The Real Agenda
Maio 1, 2010

Se você ouviu falar sobre Climategate nas últimas duas ou três semanas, você está na sorte. Climategate, que é, em parte nomeada aquecimento globalapós Watergate, ou Bushgate devido ao nível de fraude e mentiras, é de acordo com muitos cientistas o maior escândalo que a comunidade científica já viu. Tudo começa com a fuga de e-mails e documentos com mais de 60 MB, da Unidade de Pesquisa Climática na Universidade de East Anglia. E porque todo o escândalo? Bem, os documentos revelam entre outras coisas que os programadores na Unidade fabricaram propositadamente os dados nos que basearam as suas interpretações ao respeito do aquecimento global. Além disso, -os e-mails revelam- houve uma política de tolerância zero em contra de aqueles que dissentiram, assim como uma manipulação intencional da opinião pública através da censura e o segredo.

O que está causando o engano entre tantos cientistas? A resposta para isso é: toda uma nova indústria. A comunidade científica depende de doações e fundos de pesquisa a fim de realizar suas atividades. Quanto mais alarme há sobre um tema como o aquecimento global antropogênico, mais financiamento fluirá para a comunidade científica. Phil Jones, chefe da Unidade de Pesquisa Climática recebeu 55 doações desde 1990, que ascendem a mais de US $ 22 milhões. Dezenove dos vinte e dois foram dados a ele e seus colegas de East Anglia entre 2000 e 2006. Em outras palavras, quanto mais popular o assunto do aquecimento global se tornou na arena pública, maior foi a quantidade de recursos destinada para o estudo do aquecimento global. Algumas das mais importantes agências que doaram para Jones e seus parceiros estão o Departamento de Energia dos E.U., NATO e a ONU. Outras fontes de financiamento potenciais para a pesquisa foram o Carbon Trust do Reino Unido, a Iniciativa de Energia do Norte, o Energy Saving Trust e North West Renováveis. O número total de dólares destinados a investigar o aquecimento global antropogênico alcança os trilhões de dólares por ano.

Em um recente artigo publicado no Wall Street Journal, Bret Stephens revela a influência dos tentáculos dessa nova indústria são.

“A apropriação mais recentes da Comissão Européia para a investigação do clima é de quase US $ 3 bilhões, sem contar os fundos dos governos membros da União Européia. Nos E.U., a Casa Branca pretende desembolsar US $ 1,3 bilhões para a NASA, $ 400 milhões para a NOAA e $ 300 milhões para a National Science Foundation. Os Estados da União Americana também têm uma parte da ação, com a Califórnia, aparentemente não sentindo suficientemente a falência financeira pos dedica-$ 600 milhões para sua iniciativa climática. Na Austrália, os alarmistas têm seu próprio Departamento de Mudanças Climáticas à sua disposição. “ escreve Stephens

Para as pessoas entenderem o quão grande o assunto do aquecimento global antropogênico tem sido para esta nova indústria, precisam reconhecer exemplos. O primeiro deles sendo o financiamento dos cientistas que cometeram a fraude. O segundo exemplo é quem mais, além dos cientistas está se beneficiando ao empurrar esta mentira no público. Al Gore, entre outros globalistas é um dos que tem enchido os bolsos, como conseqüência do que muitos chamam de “New Religion”. The New York Times revelou em um relatório por Jon Broder que as empresas de Gore, bem como aquelas que ele tem investido fortemente como Silver Spring Networks, receberam contratos que ultrapassam as centenas de milhões de dólares por parte do governo dos E.U.. No caso de Silver Spring, um dos contratos foi de US $ 560 milhões. Será que isto é simplesmente um bom negocio? Gore insiste em que isto não reflete a sua fome por dinheiro, mas seu interesse pelo ambiente.

A empresa Generation Investment Management, propriedade do Al Gore, que é conhecida por comercializar créditos de carbono na Chicago Climate Exchange é o maior acionista da mesma. Este, juntamente com outros investimentos Gore percebeu junto com pessoas como Maurice Strong, o pai do movimento ambientalista moderno, mostra com uma luz brilhante o porquê esta agenda está sendo conduzida de forma tão veemente. Gore e Strong são alunos do Clube de Roma, cujo relatório “The First Global Revolution”, admite como os globalistas planejam usar a teoria do aquecimento global antropogênico para promover sua agenda de consolidação do poder nas mãos de organizações não-eleitas como a ONU, a União Européia, a União Africana, a União da Ásia Pacifica, o Mercosul, o Parlacen e outros. O relatório diz, em parte:

“Em busca de um novo inimigo para nos unir, nós viemos com a idéia de que a poluição, a ameaça do aquecimento global, a escassez de água, a fome e outras assim seriam a solução perfeita. Todos estes perigos são provocados por intervenção humana, e é somente através de mudanças de atitudes e comportamentos que podem ser superadas. O verdadeiro inimigo, então, é a própria humanidade “

Idéias como a venda de Créditos de Carbono fazem parte de um esforço concertado para tomar o poder fora das mãos das pessoas e colocá-lo nas mãos de funcionários não eleitos que estão cada vez mais envolvidos com as corporações globais. A adoção de políticas para reduzir as emissões de carbono no mundo, que é o que os representantes das nações do planeta, planejam implantar em Copenhague, significaria um abrandamento significativo da indústria do mundo, tanto em países desenvolvidos e subdesenvolvidos. Esta iniciativa não parece sábia em um momento em que a economia global está se equilibrando na borda do precipício. David Davis, um membro do partido conservador na Inglaterra, diz que a adoção de políticas como a de Créditos de Carbono imporia uma limitação grave para a economia. Davies acrescentou mais tarde que não é surpresa para ele que mais de metade da população não acredita mais que o homem seja responsável pelo aquecimento global devido a que os dados de fato mostram que o planeta esfriou nos últimos 10 anos. Essa afirmação foi uma das muitas que os cientistas em East Anglia tentaram esconder da opinião pública, alterando os resultados dos modelos climáticos com o uso de “truques“, desenvolvidos por programadores de computador com quem eles trabalham.

Ressurreição dos caídos

O astrofísico Nir Shaviv, um dos cientistas que mostraram oposição à teoria do aquecimento antropogênico, e que foi censurado por seus colegas de East Anglia diz que as revelações constantes dos documentos e e-mails não vem como uma surpresa para ele. Se os e-mails revelam censura ou presença de dados falsos não é algo novo para Shaviv, que foi atacado quando ele mostrou os resultados de suas próprias pesquisas aos cientistas que estão a favor da idéia do aquecimento antropogênico, diz que um editor de uma publicação científica proeminente disse-lhe que os estudos que se opõem à teoria do aquecimento global antropogênico eram politicamente motivados, e, portanto, deviam ser rejeitados. “A histeria em torno do conceito de” aquecimento global “vai desaparecer ao longo dos anos … As pessoas vão ver que as previsões apocalípticas não estão se tornando realidade. Hoje não há nenhuma prova que ateste que as emissões de dióxido de carbono provocam um aumento da temperatura”, diz Shaviv . Ele, como centenas de outros climatologistas, meteorologistas, astrofísicos, paleontólogos e oceanógrafos quem estudaram a influência que o sol tem no clima do planeta concluíram que é realmente a gigantesca bola de fogo no espaço, que é responsável pelas mudanças climáticas, não as emissões de dióxido de carbono. Veja The Great Global Warming Swindle, em 16 minutos e 50 segundos. O climatologista Tim Ball explica que as informações obtidas após examinar amostras de núcleos de gelo, assim como dados históricos mostram que, embora a elevação das temperaturas está diretamente relacionada com as emissões de dióxido de carbono, a relação não é como foi apresentada por Al Gore e seus seguidores. Veja The Great Global Warming Swindle em 21 minutos.

O famoso e hoje infame gráfico hockey stick que supostamente mostrou o aumento da temperatura como resultado do aumento das emissões foi fraudulentamente utilizado no filme do Gore “Uma Verdade Inconveniente“. Gore abandonou o gráfico como a sua prova mais clara que o homem é responsável pelo aquecimento, depois que se descobriu que ele e seus asseclas simplesmente decidiram vira-lo para mostrar a falsa relação. Mas que verdade tão inconveniente! A verdadeira relação entre as emissões de CO2 e a temperatura é que, após o aumento de temperatura, a quantidade de dióxido de carbono aumenta com uma defasagem de até 800 anos. Veja The Great Global Warming Swindle, em 22 minutos e 35 segundos

O que, então, influencia o clima e o tempo?

Ambos cientistas Nir Shaviv e Tim Ball explicam como a atividade solar modifica o clima. Os registros históricos, não os modelos climáticos manipulados, mostram que o clima e as previsões meteorológicas são mais efetivamente previstas quando são baseadas na atividade solar. O número de manchas solares que se relacionam com o nível de atividade solar ajudam aos cientistas a determinar a quantidade de vento solar. O vento solar afeta diretamente a quantidade de raios cósmicos que atingem a Terra, o que junto com as gotículas de água formam nuvens no céu. Mais uma vez, os registros históricos mostram que essa teoria é muito sólida. Após a compilação de informações que remontam a 8.000 anos, os cientistas determinaram que a atividade do sol é o que afeta diretamente o clima. Tanto a Pequena Era do Gelo como o Holoceno Máximo, dois períodos de resfriamento e aquecimento, coincidiram com uma diminuição e um aumento de atividade solar. Quando mais vento solar atingiu a atmosfera da Terra, menos raios cósmicos atingiram o planeta e menos nuvens se formaram, portanto, mais aquecimento foi detectado. Entretanto, quando a atividade solar diminuiu e menos vento solar atingiu a atmosfera, mais raios cósmicos atingiram a Terra e mais nuvens se formaram. Um período de resfriamento ocorreu. Veja The Great Global Warming Swindle em 27 minutos e 50 segundos.

A Fraude se descobre

As conseqüências diretas da fraude descoberta na Unidade de Pesquisa Phil Jones levou pouco tempo para desvendar. O próprio Jones se afastou como o manipulador em chefe, enquanto uma investigação interna é conduzida. Nos Estados Unidos, o congressista James Inhofe pediu investigações sobre a fraude, bem como uma revisão detalhada da suposta ciência por trás da teoria do aquecimento global. O Congresso dos E.U. realizou audiências para determinar os passos a seguir depois de descobrir a manipulação e mentiras que, segundo Inhofe requer uma investigação mais profunda, inclusive o relatório do Painel Intergovernamental do Cambio Climático (IPCC). Este relatório é o mesmo a través do qual o consenso teria sido alcançado. A Unidade de Pesquisa Climática providenciou uma quantidade importante de informações para a ONU e seu escritório de pesquisa climática para escrever o relatório do IPCC.

Enquanto isso, na Austrália, o Senado rejeitou o esquema de comércio de emissões pela segunda vez, depois que alguns políticos crescem conscientes sobre a manipulação de dados, opiniões e da ciência. O esquema significaria um imposto de 114 milhões dólares em total. Tal medida seria acompanhada pela instalação obrigatória de medidores digitais nas casas das pessoas que os críticos dizem, eventualmente regularia também o consumo de energia. Os proponentes do aquecimento antropogênico estão também a favor de uma polícia ambiental, que iria espiaria os hábitos das pessoas dentro e fora de suas casas. Países como o Brasil, que rapidamente adotou políticas globalistas doou milhões de hectares da Amazônia para a ONU em um esforço para mostrar preocupação com o aquecimento global. Em troca, o país poderia receber o dinheiro das nações desenvolvidas, a fim de manter um olho sobre a propriedade agora em mãos das Nações Unidas. A terra da Amazônia e demais propriedades próximas são patrulhadas pela polícia verde, treinados de acordo com as orientações expressas na Avaliação da Biodiversidade das Nações Unidas.

Se o Clube de Roma e sua “First Global Revolution” é responsável pela origem da fraude do aquecimento climático, a Enron foi a organização responsável por perpetuar, planejar e projetar uma lista de medidas que devem ser adotadas a fim de implementá-lo. O mesmo Al Gore, que agora assegura às pessoas que o homem é responsável pelo aquecimento global, foi quem se encontrou com Ken Lay na Casa Branca para desenhar as políticas que ele atualmente empurra a fim de salvar o planeta. Quando perguntado sobre essas reuniões em audiências no Congresso, Gore esquivou as perguntas implicando que ele nunca iria usar a ciência para benefício pessoal, mas não respondeu a pergunta diretamente.

O Lord Mockton, provavelmente a pessoa mais franca no Parlamento britânico, escreveu um relatório sobre as descobertas feitas a partir de documentos de East Anglia:

• Eles tinham violado os seus próprios dados, de modo a ocultar as inconsistências e erros.

• Eles tinham usado um “truque” para esconder o “declínio” das temperaturas no paleoclima.

• Eles expressaram consternação pelo fato de, contrariamente a todas suas previsões, as temperaturas globais não subiram significativamente em 15 anos, e vinham caindo há nove anos. Eles admitiram que a sua incapacidade de explicar o que foi descoberto como “uma farsa”. Esta dúvida foi interna em contraste com suas declarações públicas de que a década atual era a mais quente, e que a ciência do “aquecimento global” estava resolvida.

• Tinham interferido com o processo de peer-review, publicando as suas pesquisas em publicações amigáveis para estas serem analizadas por seus amigos ao invés de cientistas independentes.

• Eles tiveram sucesso ao contar com editores de revistas amigáveis para rejeitar trabalhos relatando resultados inconsistentes com seu ponto de vista político.

• Eles tinham feito uma campanha para a remoção do editor de um jornal, pelo simples fato de ele não compartilhar sua intenção de alterar a ciência para fins políticos corruptos.

• Eles tinham montado uma virulenta campanha pública de desinformação e difamação de seus adversários através de um portal científico que tinham criado.

• Ao contrário de todas as regras da ciência, a equipe tinha cometido o delito de conspiração para esconder e destruir códigos de computador e os dados que haviam sido legitimamente solicitados por um pesquisador externo, que tinha boa razão para duvidar que as suas investigações eram honestas ou competentes.

Na mídia, notícias sobre a manipulação dos dados do clima é quase nula. Nos E.U. FOX News dedica apenas uma pequena parte de seus programas para falar sobre os e-mails e documentos. Outros meios de comunicação como a CNN ainda continua chamando aqueles que são céticos do aquecimento global antropogênico de negacionistas do Holocausto. A cobertura das notícias sobre o que é agora chamado Climategate vem principalmente da mídia alternativa e mídia européia, mais especificamente de jornais como o Telegraph, o Daily Express e o Daily Mail do Reino Unido. Em E.U. o New York Times tem sido a voz principal, no entanto, o jornal encobre o escândalo enchendo seus artigos com declarações que sugerem os documentos encontrados não mudam nada e que o programa de Créditos de Carbono deve ser adotado sem demora.. Um relatório da CBS admite que, “Os arquivos mostram que cientistas proeminentes eram tão apegados às teorias do aquecimento global antropogênico que ridicularizaram os dissidentes que pediram cópias de seus dados, e mantiveram eles longe do processo de peer review, assim como também do código dos computadores que tinham sido pedidos a través sob a lei da liberdade de informação “.

Por que eles querem aplicar as leis com base na manipulação da ciência?

Documentos de organizações como a Royal Society, a União Européia, o Clube de Roma, a Comissão Trilateral, o Grupo Bilderberg, o Council on Foreign Relations, e a Casa Branca, todos eles abertos ao escrutínio público- revelam um esforço concertado por essas organizações e as Nações Unidas para estabelecer uma Entidade Global que irá reger acima e além da competência dos Estados membros. Esta entidade será totalmente financiada pelos trilhões de dólares em impostos que os governos serão obrigados a cobrar os seus cidadãos através da adoção do Tratado de Copenhague. Este tratado oficialmente legalizará a criação de uma Autoridade Global que não só vai “salvar o planeta“, mas também controlará a situação financeira e política do mundo.

Um dos objetivos mais importantes do Tratado de Copenhague é evitar que as nações do terceiro mundo se industrializem, e isto será conseguido a través do suborno dos seus políticos e populações com bilhões de dólares que seriam enviados pelas nações industrializadas como pagamento pelas suas emissões passadas. Ao mesmo tempo, os países desenvolvidos terão de reduzir a produção industrial, a fim de reduzir as emissões de CO2. Estes dois fatos desaceleraram o desenvolvimento a nível planetário, e o resultado será um mundo que lenta e dolorosamente voltará a um estado e estilo de vida do tipo medieval, com recursos limitados como comida, água e terra disponível para o cultivo de alimentos para a população, redução do cuidado médico, e completa dependência de um governo global centralizado. Todos estes objetivos serão potencialmente atingidos sob a desculpa de conservação e ambientalismo. O que a maioria das pessoas não sabem, é que por trás do ambientalismo de hoje se escondem uma série de iniciativas para a redução da população,-até 80%-e a habilitação de um governo central global sem limites. Os limites ao acesso de água e alimentos, como é explicado no Memorando número 200 da Casa Branca, e uma tirania nutricional que visa a proibição de alimentos naturais e/ou medicinas alternativas para escravizar o mundo ainda mais ao corporativismo médico que experimentamos hoje. Veja Codex Alimentarius.

Assim como aconteceu nas últimas três décadas no que respeita ao aquecimento global, os cientistas subornados, bem como os globalistas que financiaram eles com dinheiro dos contribuintes e os recursos que eles mesmos possuem, estão contando com que o público continue não se importando ou simplesmente acreditando cegamente neles. É somente através de informações como o as contidas nos e-mails e documentos, como a maioria das pessoas vão ser capazes de despertar e exigir investigações profundas do aquecimento global antropogênico -injustamente rotulado mudanças climáticas, bem como outros de semelhante importância. Apenas porque os documentos provam que a ciência por trás do aquecimento global não é assente na verdade -está longe disso- e que é muito cedo para dizer que há consenso. Parece que tem de haver uma análise mais rigorosa do que é definido como verdade e o que não é. A palavra-chave parece ser Responsabilidade.

Fontes de Informação:

The Great Global Warming Swindle
http://video.google.com/videoplay?docid=-5576670191369613647&ei=o-IXS_ybHaL6rALuzPmuBA&q=The+Great+Global+Warming+Swindle&hl=en#

National Security Study Memorandum 200
http://www.scribd.com/doc/4012734/National-Security-Study-Memorandum-200-NSSM-200

The Treaty of Copenhaguen
http://www.scribd.com/doc/21944058/Copenhagen-Treaty

Club of Rome. The First Global Revolution
http://www.scribd.com/doc/13088153/Club-of-Rome-The-First-Global-Revolution

Codex Alimentarius
http://www.healthfreedomusa.org/?page_id=163

EndGame: Blueprint for Global Enslavement
http://video.google.com/videoplay?docid=1070329053600562261&ei=HSkYS4etCpjqqwKz2c3ADA&q=endgame+blueprint+for+global+enslavement&hl=en#

Gordon Brown calls for a New World Order
http://www.telegraph.co.uk/finance/financetopics/recession/3414946/Gordon-Brown-calls-for-new-world-order-to-beat-recession.html

New World Order
http://www.time.com/time/magazine/article/0,9171,1877388,00.html

And Now for a New World Order
http://www.ft.com/cms/s/7a03e5b6-c541-11dd-b516-000077b07658,dwp_uuid=70662e7c-3027-11da-ba9f-00000e2511c8,Authorised=false.html?_i_location=http%3A%2F%2Fwww.ft.com%2Fcms%2Fs%2F0%2F7a03e5b6-c541-11dd-b516-000077b07658%2Cdwp_uuid%3D70662e7c-3027-11da-ba9f-00000e2511c8.html&_i_referer=http%3A%2F%2Fforums.gazettelive.co.uk%2Fviewtopic.php%3Ft%3D4991%26view%3Dnext

Climategate: it’s all unravelling now
http://blogs.telegraph.co.uk/news/jamesdelingpole/100018556/climategate-its-all-unravelling-now/

Senate kills off emissions trade laws
http://www.abc.net.au/news/stories/2009/12/02/2759595.htm?section=business

Denmark rife with CO2 fraud
http://www.cphpost.dk/news/national/88-national/47643-denmark-rife-with-co2-fraud.html

Lord Monckton’s summary of Climategate and its issues
http://wattsupwiththat.com/2009/12/01/lord-moncktons-summary-of-climategate-and-its-issues/

List of Potential Sources of Funding
http://ukginger.net/FOI2009/FOIA/documents/potential-funding.doc

Climategate: Follow the Money
http://online.wsj.com/article/SB40001424052748703939404574566124250205490.html

Al Gore set to become the first Carbon Billionaire
http://www.prisonplanet.com/al-gore-set-to-become-first-carbon-billionaire.html

East Anglia CRU: welcome to the Piltdown Institute of Mann-made Global Warming
http://blogs.telegraph.co.uk/news/geraldwarner/100018534/east-anglia-cru-welcome-to-the-piltdown-institute-of-mann-made-global-warming/

Climategate: not news to me, says Shaviv
http://blogs.news.com.au/heraldsun/andrewbolt/index.php/heraldsun/comments/climategate_not_news_to_me_says_shaviv#64286

Probability of the Cosmic Ray Flux Theory of Climate Change
http://landshape.org/enm/probability-of-the-cosmic-ray-flux-theory-of-climate-change/

Top Tory David Davis goes to war on Cameron’s green crusade
http://www.dailymail.co.uk/news/article-1232507/Top-Tory-David-Davis-goes-war-Camerons-green-crusade.html

Inhofe Asks Boxer to Investigate Possible Scientific ‘Conspiracy’ in ‘Climategate’
http://www.cnsnews.com/news/article/57879

Climate Change Ringleader Phil Jones to Step Down
http://www.infowars.com/climate-change-ringleader-phil-jones-to-step-down/

University Reviewing Recent Reports on Climate Information
http://www.ems.psu.edu/sites/default/files/u5/Mann_Public_Statement.pdf

Fallout Over “ClimateGate” Data Leak Grows
http://www.cbsnews.com/blogs/2009/12/02/taking_liberties/entry5860171.shtml

Climategate: the whitewash begins
http://blogs.telegraph.co.uk/news/jamesdelingpole/100018144/climategate-the-whitewash-begins/

ClimateGate: Caught Green-Handed
http://scienceandpublicpolicy.org/images/stories/papers/originals/Monckton-Caught%20Green-Handed%20Climategate%20Scandal.pdf

Fall of The Republic. Clip # 1
http://www.youtube.com/watch?v=97n-a9EYUIQ&feature=player_embedded

Fall of the Republic. Clip # 2
http://www.youtube.com/watch?v=N7ZadD7S3zA&feature=player_embedded