Os Estados Dopados da América

Todos os dias, mais bebês americanos são ameaçados por envenenamento e a toxicodependência subseqüente.

Adaptação Luis R. Miranda
RT.com
1 de agosto de 2011

Parece que a tendência para a dependência de drogas de prescrição não têm diferenças geracionais.

Um novo relatório publicado pelo Escritório de Política de Controle de Drogas da Casa Branca revela que não só o abuso de drogas de prescrição tem o crescimento mais rápido nos EUA, mas que mais crianças nascem já “viciadas” em esses produtos farmacêuticos.

No estado da Flórida, as mortes por overdose de medicamentos prescritos aumentaram mais de 250 por cento em menos de uma década. Ainda mais alarmante, porém, é o número de crianças no Estado que nascem viciadas. Registros de saúde mostram que 635 crianças nasceram viciadas em drogas de prescrição apenas no primeiro semestre de 2010.

“Eles sofrem sintómas de vício”, diz Maria Osuch, enfermeira chefe da Unidade de Terapia Intensiva Neonatal de Broward General Medical Center. “Eles incluem caimbras, e o impacto que as sogrem faz suas vidas e sua saúde miseráveis. Eles suam. Eles podem ter respiração rápida. Às vezes, eles podem até ter convulsões. ”

As últimas estatísticas publicadas pelo IMS notam que 80 por cento dos usuários e abusadores de analgésicos no mundo provêm dos Estados Unidos. O Centro de Controle de Doenças diz que analgésicos têm superado as drogas ilegais como a causa de mortes por overdose nos últimos anos.

Marsha Currant, do Centro de Recuperacao Susan B. Anthony, que é perto de Fort Lauderdale, FL, diz que ella percebe o aumento do número de mulheres grávidas em suas instalações que vêm com o vício de prescrição a pílulas. “No princípio era realmente 100% viciadas em cocaína”, diz ela, mas observa que agora existem mais casos adicao a medicamentos prescritos, tais como analgesicos.

No início deste ano, a Procuradora Geral da Florida, Pam Bondi, revelou que muitas mulheres grávidas na Flórida não estão cientes de que drogas como a Oxicodona e Xanax podem causar complicações na gravidez e impactar negativamente a vida de suas crianças por nascer. Juntamente com o presidente do Senado da Florida, Mike Haridopolos, Bondi se reuniu com autoridades de saúde em maio para discutir o problema.

“Temos que acabar com isso,” Bondi disse ao jornal Miami Herald em maio deste ano. Eles observam que no Hospital da Mulher em Tampa, Florida, até 20 por cento dos bebês internados na unidade de terapia intensiva neonatal foram tratados pela sua dependência.

Dados estaduais revelan que o número de criancas dependentes em 2010 chegou a cerca de 1.300 recém-nascidos.