Bancos Não Podem Mais Esconder o Colapso Econômico

POR LUIS MIRANDA | THE REAL AGENDA | 20 MAIO 2012

Tem sido, pelo menos, quatro anos desde o início do colapso financeiro atual. Já em 2008, quando a crise  estava tomando forma, os bancos apoiados pelas instituições financeiras internacionais como o FMI, o Banco Mundial, Banco Europeu, o Banco da Inglaterra e a Reserva Federal dos EUA não hesitaram em acalmar as coisas dizendo que os primeiros sinais de um colapso financeiro global não eram nada para se preocupar. Era uma tosse discreta, disseram. Mas o tempo passou, e aqueles que advertiram de depressão econômica foram justificados. As previsões de uma crise local, regional e global foram infelizmente confirmadas.

Hoje, quatro anos depois que os bancos reconheceram a existência de uma “situação difícil”, devido à acumulação de dívida soberana, confirmamos mais uma vez que a ameaça de um colapso financeiro global é maior do que nunca, e é apenas uma questão de tempo antes que outros países vão à falência. A crise não começou com a Grécia, como muitos nos querem fazer crer. Ele também nao começou com a Islândia. Na verdade, a Islândia fez o que tinha que fazer para limpar sua própria casa. O colapso começou a partir do momento em que os bancos de investimento foram permitidos se unir a bancos de poupança para criar   produtos financeiros artificiais que eles inventaram a apelaram para as nações do mundo para investir seu dinheiro nestes produtos com a desculpa de que eles teriam lucros rápidos e fáceis.

Os sinais da crise ter sido tão alarmantes, que nas últimas semanas, as mesmas entidades que disseram uma vez que não havia crise e que a economia começava a se recuperar, disseram publicamente que o mundo estava na borda. Sua aceitação do inevitável não foi fácil. Somente após que o fato tornou-se impossível de esconder — o colapso financeiro atual — é que os banqueiros tiveram que admitir publicamente que o seu modelo de negócio baseado em dívida chegou ao fim. No entanto, esta aceitação não começou com um claro “é nossa culpa”. Em vez disso, os banqueiros tentaram culpar os países pela sua gestão irresponsável de investimentos que os mesmos bancos ajudaram a realizar junto com seus cúmplices nas burocracias, que colocaram tudo o dinheiro dos povos em um mesmo saco, o saco do setor bancário.

O colapso não teria sido possível sem a ajuda de cúmplices políticos que abriram as portas de seus países às instituições financeiras poderosas através da desregulamentação da sua actividade, permitindo que bancos de investimento se fundiram com os bancos de poupança. Imediatamente, os bancos ofereceram produtos financeiros nos quais países ao redor do mundo investiram seus dinheiros sob a premissa de que seu dinheiro seria devolvido rapidamente e multiplicado muitas vezes.

Como sabemos agora, no caso da Grécia e Islândia, a desregulamentação trouxe ainda mais dívida, em vez de uma recuperação saudável. A diferença é que a Islândia decidiu enfrentar o problema da dívida da maneira correta, ao se livrar do que tinha de ser liquidado, em vez de socorrer seus bancos e outras instituições que usaram seu dinheiro para comprar os credit default swaps. Grécia entretanto decidiu aceitar as exigências dos banqueiros e começou a aceitar os supostos resgates financeiros dados ao país mediterraneo por bancos em representação de outras nações européias. Como resultado, o país está em uma situação financeira terrível, da qual não poderá sair a menos que deixe a zona euro e retorne à sua antiga moeda, o dracma. A saída do euro na Grécia não apenas deixaria o pais com pouca dívida e preparado para começar do zero, mas também livraria o país das correntes colocadas pelos banqueiros europeus que estão no comando do sistema fraudulento do euro. A única opção de sobrevivência é que a Grécia se negue a pagar a enorme dívida que foi adquirida ilegalmente por políticos corruptos em nome de seu povo, o qual não foi consultado. A maior parte dessa dívida, como no caso da Islândia, nao pertence aos gregos, mas aos bancos.

Como relatado anteriormente, as pessoas começaram a perceber que seus representantes não estavam trabalhando para eles e um por um foram demitidos do cargo. O ex-primeiro-ministro da Grécia foi revelado, Sarkozy da França também foi expulso do e Angela Merkel teve perdas significativas nas eleições estaduais recentes na Alemanha. Enquanto isso, nos Estados Unidos, o homem que veio com a palavra mudança escrita na sua testa, será muito provavelmente demitido em novembro. Todos os esforços dos bancos para proporcionar um cenário otimista da realidade falhou porque a realidade tem mostrado o lado escuro que eles não queriam que as pessoas vejam.

Os mercados acionários globais e do euro caíram em valor, enquanto as nações se tornam menos capazes de pagar sua dívida. Os bancos em toda a área do euro continuam a ser rebaixados e as taxas para empréstimos para os países da zona do euro continuam a subir, porque nenhuma das nações são confiáveis para pagar suas dívidas. As tentativas do presidente da Grécia para formar um novo governo, que ele chamou abertamente a ser composto por tecnocratas, falhou terça-feira passada, e agora vai exigir novas eleições. A rejeição por parte de políticos gregos para formar um governo liderado pelo seu presidente vem num momento em que o país é incapaz de pagar os juros de sua dívida e, portanto, a probabilidade de que a Grécia saia da zona do euro é mais real do que antes.

As condições instáveis do país mediterrâneo levaram as pessoas a retirar seu dinheiro dos bancos. Na última semana, os depositantes retiraram pelo menos 1 bilhão de dólares dos bancos na Grécia e a tendência deverá continuar. Enquanto isso, o Banco da Inglaterra cortou sua previsão para o crescimento econômico na Grã-Bretanha alertando que a crise da dívida é a maior ameaça para a recuperação financeira. De repente, os grupos que organizaram e promoveram o sistema baseado na dívida agora se apresentam como os falantes de verdade. Em seu anúncio, o Banco da Inglaterra diz que o crescimento será limitado a apenas 1 por cento, e não 1,2 por cento que foi a previsão feita pelo banco em um relatório financeiro anterior. O Banco da Inglaterra também reduziu sua estimativa de crescimento para 2013. Já está definido para 2 por cento, em vez de 3 por cento, um número determinado pela entidade em fevereiro. Bancos em Espanha também foram rebaixados na sua fiabilidade e depositantes também decidiram remover pelo menos 1 bilhão de dólares de suas contas.

Os efeitos da crise financeira foi aumentada pela interconexão da economia global, composta de blocos econômicos, em vez de estados ou nações independentes. Hoje, um espirro na Italian causa uma gripe em toda a União Europeia. Medidas protecionistas na Argentina tem um impacto sobre o Mercosul inteiro. Outra tendência que mostra o alcance da atual crise financeira é o movimento de grandes quantias de dinheiro de um país para outro. Os investidores parecem confiar mais na Alemanha do que na Grécia, uma vez que tem apostado que seus ativos estariam mais seguros lá. A taxa de juros que a Alemanha deve pagar para tomar dinheiro emprestado por 10 anos caiu ao nível mais baixo no comércio adiantado na quarta-feira, que é um reflexo da crescente preocupação com a necessidade para a Grécia para realizar eleições. “Novas eleições são arriscadas porque elas poderiam confirmar o apoio do público para os partidos que rejeitam a austeridade e, eventualmente, levar a uma saída da zona do euro”, disse o estrategista  Jean-François Robin à AFP.

O último alarme vem da Presidente do Fundo Monetário Internacional, Christine Lagarde, que disse que quando se trata de Grécia, ela está pronta para qualquer coisa, e ela acredita que uma saída Grega da zona do euro deve ser feita de uma forma ordenada. Tanto Angela Merkel como o presidente da Grécia, Karolos Papoulias, quiseram alarmar o público dissendo que a maioria deve tomar a decisão certa na próxima eleição, porque está em jogo é a “ameaça à nossa existência nacional”. De acordo com o jornal UK Telegraph, ações do Reino Unido e da zona euro voltaram a cair esta semana. Os mercados de ações, como o Eurostoxx 600 caiu 0,7 por cento que é o nível mais baixo do ano, o DAX da Alemanha caiu 0,8 por cento e IBEX da Espanha caiu 1,6 por cento. Em Londres, o FTSE100 caiu 0,5 por cento. Estes são sinais claros de que nem mesmo os bancos acreditam que uma solução para a crise grega surgira, ou que a recuperação económica vai acontecer em breve.

No resto da Europa, a situação é preocupante. Na Espanha, por exemplo, a crise acelera ainda mais o colapso do euro. A taxa de empréstimos aos países devedores que são vistos como mais arriscados mutuários aumentou muito esta semana. Em Espanha, a taxa de mercado em 10 anos aumentou para 6,49 por cento, ou 0,4 acima dos níveis que os analistas consideram seguros para manter no longo prazo. Apesar de sua decisão de resgatar um número de bancos comerciais mais uma vez, a Espanha continua a lutar para manter a cabeça acima da água. Os bancos que o país está tentando “resgatar”, cujos investimentos  financiaram empréstimos imobiliários, entraram em colapso em 2008. A imprensa local informou hoje que a Moody ‘s, uma entidade criada pelos próprios bancos, estava pronta para mais uma vez reduzir os ratings de alguns bancos espanhóis apenas um par de dias após o corte dos ratings de 26 bancos italianos.

Itália, Espanha e Portugal estão serao os próximos países a seguir os passos da Grécia no vagão do colapso financeiro, um processo que será adiado apenas se os banqueiros europeus decidem continuar com sua política de obrigar os países sob o seu controle a resgatar bancos que investiram em produtos financeiros altamente tóxicos e efêmeros. Este processo irá continuar enquanto os banqueiros necessitem continuar consolidando poder na Europa e América. A implosão final ocorrerá após os bancos absorverem as nações maiores e mais importantes da área da União Europeia, que originalmente é composta por 17 países. Em seguida virá a aquisição dos Estados Unidos.

Os Quatro Cavaleiros do Sistema Bancário Mundial

Se tiver dificuldade em entender o que é a Nova Ordem Mundial -é realmente o antigo ordem mundial-, e quem o compõe, este é o artigo de esclarecimento.

Por Dean Henderson
Tradução de Luis R. Miranda
27 maio 2011

Se você quer saber onde está o centro de poder real no mundo, siga o dinheiro – cui bono. Segundo a revista Global Finance, a partir de 2010 os bancos mais poderosos estão nas fortalezas de Rothschild no Reino Unido e França.

Eles são o francês BNP (US $ 3 trilhões em ativos), Royal Bank of Scotland (US $ 2,7 trilhões em ativos), o HSBC Holdings baseado no Reino Unido (US $ 2,4 trilhão em ativos ), Credit Agricole França (US $ 2,2 trilhões de dólares em ativos) e o britânico Barclays (US $ 2,2 trilhões em ativos).

Em EUA, uma combinação de desregulação e mania por fusões bancárias deixou quatro mega-bancos como a cabeça do sistema financeiro. Segundo a Global Finance, a partir de 2010 estão o Bank of America (US $ 2,2 trilhões de dólares), JP Morgan Chase (US $ 2 trilhões de dólares), Citigroup (US $ 1,9 trilhão) e Wells Fargo (US $ 1,25 trilhões). Chamei estes os Quatro Cavaleiros do Setor Bancário dos EUA. A consolidação do poder e do dinheiro.

Em setembro de 2000, o casamento que criou o JP Morgan Chase, foi a maior concentração em um frenesi de consolidação bancária que ocorreu na década de 1990. A mania das concentrações foi impulsionada pela desregulamentação do setor bancário como a revogação da Lei Glass Steagall de 1933, que foi promulgada depois da Grande Depressão para conter monopólios bancários que causaram a quebra da Bolsa em 1929 e que precipitou a Grande Depressão.

Em julho de 1929, a Goldman Sachs lançou dois fundos de investimento chamados Shenandoah e Blue Ridge. Nos meses de agosto e setembro desse ano, os bancos promoveram esses fundos e venderam ações ao público por centenas de milhões de dólares em por meio de Goldman Sachs Trading Corporation por 104 dólares por ação. Os investidores de Goldman Sachs foram resgatados no mercado de ações. No outono de 1934 as ações valiam 1,75 dólares cada. Um diretor de Shenandoah e Blue Ridge e Sullivan & Cromwell foi o advogado John Foster Dulles. [1]

John Merrill, fundador do Merrill Lynch, saiu do mercado de ações em 1928, como fizeram os investidores no Lehman Brothers. O presidente do Chase Manhattan, Alfred Wiggin tinha um “pressentimento” e formou o Sherman Corporation em 1929, para atacar as ações de sua própria empresa. Na sequência da crise de 1929, o presidente do Citibank, Charles Mitchell, foi preso por sonegação de impostos. [2]

Em fevereiro de 1995, o presidente Bill Clinton anunciou planos para eliminar o Glass Steagall e o Bank Holding Company Act de 1956 – que proibiu os bancos de serem proprietários de empresas de seguros e outras instituições financeiras. Naquele dia, o traficante de ópio e escravos, Barings faliu após que um dos seus operadores com base em Cingapura chamado Nicholas Gleason foi pego no lado errado de bilhões de dólares em operações com derivativos. [3]

A advertência foi ignorada. Em 1991, os contribuintes dos EUA, que tiveram que pagar mais de 500 bilhões de dólares para o S & L, foram forcados a pagar mais 70 bilhões de dólares para socorrer o FDIC, e logo pagaram o custo do resgate secreto de dois anos e meio no Citibank, que estava à beira do colapso após a crise da dívida na América Latina. Com as contas já pagas pelos contribuintes dos EUA a desregulamentação bancária foi dada como certa, o palco estava armado para um grande número de fusões de bancos como o mundo jamais tinha visto.

O secretário do Tesouro, Reagan, George Gould disse que a fusão dos bancos -em cinco a dez gigantes corporacoes- era necessário para a economia dos EUA. A visão de Gould estava prestes a se tornar realidade.

Em 1992, o Bank of America comprou o seu maior rival na costa ocidental, Security Pacific, e depois engoliu o Continental Bank de Illinois. Bank of America adquiriu mais tarde uma margem de 34% do Black Rock Bank (Barclays detém 20% do Black Rock) e uma participação de 11% no China Construction Bank, tornando-o a segundo maior instituição bancária do país, com ativos de 214 bilhões de dólares. Citibank tinha 249 bilhões de dólares. [4]

Ambos os bancos aumentaram os seus ativos para cerca de 2 trilhões de dólares cada.

Em 1993, o Chemical Bank assumiu o Texas Commerce Bank para se tornar o terceiro maior banco comercial, com 170 bilhões de dólares em ativos. Chemical Bank foi fundido com Manufacturers Hanover Trust, em 1990.

O North Carolina National Bank se uniu com C & S Sovran para formar o Nations Bank, que se tornou o quarto maior banco dos EUA com 169 bilhões de dólares em seus cofres. Fleet Norstar comprou o Banco de Nova Inglaterra, enquanto o Northwest comprou o Bancos Unidos de Colorado.

Durante este período os ativos bancários dessas empresas quebraram recordes a cada trimestre. O ano de 1995 quebrou todos os recordes anteriores devido as fusões bancárias. Negócios entre os bancos ‘produziram’ um total de 389 bilhões de dólares. [5]

Os cinco grandes bancos de investimento, que tinham acabado de ganhar uma tonelada de dinheiro dirigindo negociações da dívida na América Latina, aumentaram os seus lucros através da lista interminável de fusões entre 1980 e 1990.

De acordo com Standard & Poor’s, os bancos de investimento mais poderosos eram Merrill Lynch, Goldman Sachs, Morgan Stanley Dean Witter, Salomon Smith Barney e Lehman Brothers. Um acordo que fracassou em 1995, foi uma fusão entre o grande banco de investimento em Londres, SG Warburg e Morgan Stanley Dean Witter. Warburg escolheu Union Bank of Switzerland como seu pretendente em seu lugar, e então veio UBS Warburg como a sexta força em bancos de investimento.

Depois do frenesi de 1995, os bancos agressivamente saíram para o Oriente Médio, e estabeleceram operações em Tel Aviv, Beirute e Bahrein, onde a frota de bancos dos EUA foi instalada. As privatizações do Banco de Egito, Marrocos, Tunísia e Israel abriu as portas a mega-bancos nessas nações. Chase e Citibank emprestaram dinheiro a Royal Dutch Shell e Saudi Petrochemical, enquanto o JP Morgan trabalhou com o consórcio Qatargas liderado pela Exxon Mobil. [6]

A indústria de seguros também tinha a mania de fusões. Em 1995, o Travelers Group tinha comprado Aetna e, Berkshire Hathaway, uma empresa de Warren Buffet, tinha absorvido Geico, Zurique Insurance tinha absorvido Kemper Corporation, CNA Financial comprou Continental Companies e General Re Corporation afundou seus dentes em Colonia Konzern AG.

No final de 1998, o gigante Citibank fundiu-se com o Travelers Group criando o Citigroup, um gigante de US $ 700 bilhões, que ostentava mais de 163.000 funcionários em 100 países, incluindo empresas Salomon Smith Barney (uma joint venture com o Morgan Stanley), Commercial Credit, Primerica Financial Services, Shearson Lehman Brothers, o Barclays America, a Aetna e Segurities Pacific Financial. [7]

Nesse mesmo ano, Bankers Trust e US Investment Bank Alex Brown foi adquirida pelo Deutsche Bank, que também tinha comprado Morgan Grenfell em Londres, em 1989. A compra pelo Deutsche Bank, fez com que o Deutsche Bank fosse o maior banco do mundo naquela época com um capital de 882.000 bilhões de dólares. Em janeiro de 2002, a japonesa Mitsubishi e Sumitomo Operations foram combinadas para criar Sumitomo Mitsubishi Bank, que superou o Deutsche Bank, com ativos de 905 bilhões de dólares. [8]

Em 2004, o HSBC se tornou o segundo maior banco do mundo. Seis anos depois, os três gigantes tinham sido eclipsados pelo BNP e Royal Bank of Scotland.

Em EUA, o pesadelo de George Gould chegou a seu ponto mais alto na hora certa para o novo milênio, quando o Banco Chase Manhattan, absorviu o Chemical Bank. Bechtel Banker Wells Fargo comprou o Norwest Bank, enquanto o Bank of America assumiu Nations Bank. O golpe final veio quando a reunificação da Casa de Morgan anunciou que iria fundir-se com o Chase Manhattan Bank/Chemical Bank/Manufacturers Hanover.

Quatro bancos gigantes surgem a reinar no mercado financeiro dos EUA. JP Morgan Chase e Citigroup foram os reis do capital da Costa Leste. Juntos, esses dois bancos controlaram 52,86% da Reserva Federal de Nova Iorque [9], enquanto o Bank of America e Wells Fargo prevaleceram na Costa Oeste.

Durante a crise bancária de 2008, essas empresas ainda cresceram mais, recebendo quase US $ 1 trilhão, cortesia da administração Bush e o secretário do Tesouro e ex-Goldman Sachs, Henry Paulsen, enquanto calmamente compravam ativos por centavos de dólar.

Barclays assumiu o Lehman Brothers. JP Morgan Chase engoliu o Bear Stearns e o Washington Mutual. Bank of America agarrou o Merrill Lynch e Countrywide. Wells Fargo teve o quinto maior banco do país, a Wachovia.

Os mesmos bancos controlados pelas mesmas oito famílias que durante décadas galoparam, seus Quatro Cavaleiros do petróleo pelo Golfo Pérsico são mais poderosos do que em qualquer outro momento na história. Eles são os Quatro Cavaleiros do Sistema Bancário Mundial.

[1] The Great Crash of 1929. John Kenneth Galbraith. Houghton, Mifflin Company. Boston. 1979. p.148

[2] Ibid

[3] Evening Edition. National Public Radio. 2-27-95

[4] “Bank of America will Purchase Chicago Bank”. The Register-Guard. Eugene, OR. 1-29-94

[5] “Big-time Bankers Profit from M&A Fever”. Knight-Ridder News Service. 12-30-95

[6] “US Banks find New Opportunities in the Middle East”. Amy Dockser Marcus. Wall Street Journal. 10-12-95

[7] “Making a Money Machine”. Daniel Kadlec. Time. 4-20-98. p.44

[8] BBC World News. 1-20-02

[9] Rule by Secrecy: The Hidden History that Connects the Trilateral Commission, the Freemasons and the Great Pyramids”. Jim Marrs. HarperCollins Publishers. New York. 2000. p.74