United Nations Precipitously Falls into Irrelevance

By LUIS MIRANDA | THE REAL AGENDA | SEPTEMBER 27, 2012

How Corrupt Is the World Food Program? Click and learn more.

How do you know when an organization has lived beyond its days? When even its minion members do not attend what is portrayed as the most relevant meeting of the year. The decay of the United Nations is not new. The globalist-founded entity lost its credibility pretty much since it was created by ignoring crime and corruption all over the planet.

On its charter, the United Nations fancies itself as an organization that was founded to: maintain world peace and security, develop friendly relations among nations, achieve international co-operation in solving international problems and to be a centre for harmonizing the actions of nations.

One fact that the Charter does not say is who really founded the U.N. and how its founders never mean to achieve any of the goals listed above, which is why this irrelevant entity has never come even close to achieving anything positive. So, even though we’ve reported tirelessly about the real origin of the United Nations, let’s review it quickly again.

The United Nations was created back in 1945. The key proponent of the U.N. was Alger Hiss, an American lawyer and communist spy for the Stalin regime, as testified in Congress under oath by Whittaker Chambers, a former Communist Party member. Other founders of the U.N. include the Rockefeller family, and some other 30 or 40 members of the Council on Foreign Relations members, among others. Rockefeller himself donated the land on which the U.N. building sits today.

Upon its creation, the U.N. attempted to become relevant by producing a Universal Declaration of Human Rights, which is only valid as long as those rights “do not oppose the purposes and principles of the United Nations.” This Declaration though, was not created to bring freedom and liberty. It has the purpose of giving people the right “to a social and international order”, as explained on article 28 of the U.N. document.

Anyone mildly informed about current events is pretty well aware of the United Nations actions and its core globalist principles, so let’s  review a number of ‘accomplishments’ that the U.N. has accumulated throughout the years. Going from the most recent to oldest of its actions, the U.N. works hard to convince people that they and their governments need to be disarmed.

The U.N. is also a champion pusher of a global tax to finance its illegitimate operations. An initiative presented by the U.N.’s President of the Economic and Social Council, Milos Koterec, calls for the imposition of a global tax in an attempt to globally institutionalize socialism as a way to solve every single problem there is. His plan was presented at a forum whose main focus was the non-existent right of people to have “universal access to basic social protection and social services.” This is not to say that people in need should be left to die, but that an international institution without legitimacy like the U.N. does not have the legal standing to do such a thing.

The United Nations is known for financing eugenics programs all over the world with the monies it already receives from developed nations from across the planet as well as fake philanthropists such as John D. Rockefeller, Henry Ford, Edward Harriman, Andrew Carnegie, William Gates, George Soros, Ted Turner, Oprah Winfrey, Prince Charles and many others. Bill Gates and Ted Turner have publicly expressed their desire to depopulate the planet and they use their tax exempted foundations to finance their eugenics programs.

“First we got population. The world today has 6.8 billion  people. That’s headed up to about 9 billion. Now if we do a really great job on  new vaccines, health care, reproductive health  services, we lower that by perhaps 10 or 15  percent.”  – Bill Gates at California TED 2010 Conference.

“A total population of 250-300 million people, a 95% decline from present levels, would be ideal.”  – Ted Turner

“In the event that I am reincarnated, I would like to return as a deadly virus, in order to contribute something to solve overpopulation.”  – Prince Philipe quote from Deutsche Press Agentur (DPA), August, 1988.

Prince Philip helped start the World Wildlife Fund in 1961 with former Nazi SS Officer Prince Bernhard of the Netherlands, who is closely affiliated with the founders of the Bilderberg Group, and Sir Julian Huxley, who was also the President of the British Eugenics Society.

The U.N. is also a promoter of government-controlled access to health and medicine, pushing a global set of rules to manage what people eat and don’t eat. This initiative is known as Codex Alimentarius, a set of policies that let’s the U.N. govern over nutrition and access to traditional or alternative medical treatments and food.

Instead of actually dedicating its efforts to ending poverty and bringing health and services to the neediest, the U.N. has used its budget to push for a socialist agenda which includes taking possession of government-owned lands as well as privately kept properties all around the world. Through its proposed Agenda 21 initiative, the U.N. intends to socialize land ownership not to give it to the poorest, but to hoard it. As explained in a recent article, the United Nations is infiltrating developing nations to convince its leaders and citizens that they should not aspire to enjoy the benefits of the land and the industry. Instead, U.N. accomplices say, people should seek to be in peace with themselves while letting their countries and their people live in denigrating conditions.

For these and many other reasons, the United Nations has become increasingly irrelevant even for people like Vladimir Putin and Angela Merkel, who missed the 2012 meeting happening now in New York City. “The concept of a world of nation-states, which dates to the Treaty of Westphalia in 1648, and the idea that they have a monopoly on international relations and on the conduct of war, is no longer valid,” said Max Manwaring, a professor at the Strategic Studies Institute of the U.S. Army War College in Carlisle, to the Wall Street Journal.

While the globalist organizations tell us that independent nation-states are obsolete, it seems that the only antique entity around here is their main instrument to centralize power and control — the U.N.. Despite the fact that their sham is falling in pieces, globalist minions like Barack Obama attempt to challenge real constitutional rights and freedoms by saying that “at a time when anyone with a cell phone can spread offensive views around the world with the click of a button, the notion that we can control the flow of information is obsolete.” Do you see the double speech?

The appearance of social media that helped democratize information, and although they remain in the hands of corporations, these media now threaten to destroy the ‘monopoly of truth’ in the hands of the establishment. That is why the U.N. is also attacking the right of people to say what they think. The United Nations is one of the strongest pushers of internet censorship and bans on free speech.

But don’t forget about the United Nations push for the Nazi inspired Environmentalist movement. The Nazi environmental program was the base for the creation of the U.N.’s Global Biodiversity Assessment Report. The complete program of sustainability is based on an effort to change human behavior to states that ordinarily humans would not approve or enjoy. This changes in human behavior are mostly brought upon by instigating fear. Fear of global warming, climate change, natural disasters, wars, famine, droughts and so on. This is a technique used throughout history by establishment globalists to ease people into their deadly social, political and economic models.

The United Nations is not a scapegoat as suggested by Flavia Krause-Jackson of the Wall Street Journal. She implies that the fact only 5 countries make all the decisions in the security council has somehow handicapped the U.N.. There is a reason why the United Nations was never opened to more nations to participate of the decision-making process: The U.N. was never meant to be what Ms. Jackson and those she interviewed for her article think. It was meant to be just another globalist-controlled entity that serves as a tool to torture the planet into a super concentrated state of tyranny.

The Real Agenda encourages the sharing of its original content ONLY through the use of the tools provided at the bottom of every article. Please DON’T copy articles from The Real Agenda and redistribute by email or post to the web, unless you request and receive written permission to do so. If permission is granted, you must publish the article EXACTLY as it appears on The Real Agenda.

Alarmistas do clima propõem esterilização e infanticídio

As técnicas para alcançar a redução da população incluem a esterilização em massa através de vacinas, o planejamento familiar obrigatório em troca por ajuda estatal.

Por Luis R. Miranda
The Real Agenda
Dezembro 10, 2010

Apenas alguns meses depois que um documento das Nações Unidas revelou o plano que os alarmistas do clima pretendem culpar a “superpopulação” como um mantra para reviver o desacreditado aquecimento global como um meio de desmantelamento da classe média, o bilionário Ted Turner salientou a mesma coisa durante um almoço em Cancún, exortando o mundo a adoptar a política brutal da China de permitir apenas um filho por família, e até sugeriu que os pobres devem ser esterilizados em troca de ajuda do governo.

Depois de um discurso precedido pelo economista Brian O’Neill, do Centro para a Pesquisa Atmosférica, nos Estados Unidos, que concluiu com a ideia de que uma população crescente está contribuindo para uma aceleração do crescimento das emissões, o Tio Ted lembrou que os escravos não devemos aspirar a seguir o seu exemplo de ter cinco filhos, e se fizemos isso devemos enfrentar a ira de uma política de natalidade no estilo chinês, que envia as mulheres que desafiam seus editais para “campos de reeducação”, depois de terem sido espancadas e forçadas a injetar-se para acabar com a vida de seus bebês no útero, é claro.

O Sr. Turner – um defensor do controle da população – disse que o estresse ambiental sobre a Terra exige soluções radicais, sugerindo que os países deveriam seguir o exemplo da China em estabelecer uma política de ter um filho único para reduzir a população mundial ao longo do tempo. Ele acrescentou que os direitos da fertilidade podem ser vendidos para as pessoas pobres podem e assim elas se beneficiem de sua decisão de não se reproduzir “, relata o jornal Globe and Mail.

O segredo por trás do pedido de Turner para impor uma política tirânica como a da China, que é administrada pela polícia secreta e de “planejamento familiar”, -seqüestram, drogam e obrigam as mulheres a abortar-, não tem nada a ver com a sua preocupação com o meio ambiente.

Turner tem cinco filhos e possui nada menos que 2.000.000 hectares de terra. Ele é o maior proprietário do planeta, atrás apenas das famílias reais da Europa. Turner tem defendido publicamente programas para reduzir e sacrificar a população humana em um 95%, um valor que só pode ser alcançado através de genocídio em massa, o aborto e o infanticídio.

No terceiro mundo, Turner deu bilhões para a redução da população, especialmente através dos programas das Nações Unidas, junto com Bill e Melinda Gates e Warren Buffet (o pai de Gates tem sido um membro da Planned Parenthood e sua política eugênica.) Gates tem dado palestras em que promove o uso de vacinas e do aborto como meio de reduzir a população mundial e à redução das emissões de CO2.

A alegação de que os cuidados de saúde através da vacinação podem salvar vidas, mas também reduzir o número de pessoas no planeta é um oxímoro, a menos que Gates se refere às vacinas para esterilizar as pessoas, que é precisamente o mesmo método preconizado no livro escrito pelo consultor científico atual para a Casa Branca, John P. Holdren chamado Ecoscience. Este livro defende uma ditadura ou “regime global” para impor medidas draconianas para reduzir a população através de todos os tipos de técnicas de opressão, inclusive a esterilização.

Isto é o que Gates e Turner discutiram quando se encontraram em segredo, com pessoas como George Soros, David Rockefeller e Oprah Winfrey, em um encontro privado de bilionários em Manhattan, no ano passado, um esquema que incidiu sobre como estes globalistas poderiam usar sua riqueza para “deter o crescimento da população global. ”

Como é eminentemente provável, a agenda real por trás atiçar as chamas do medo sobre a superpopulação, é a redução do nível de vida em todo o mundo, para impedir que o terceiro mundo se torne economicamente próspero, enquanto evisceram a classe média das nações ocidentais. Não tem nada a ver com o cuidado do meio ambiente ou o planeta. Simplesmente é apenas mais um Cavalo de Tróia para avançar sua tirania globalista.

Este fato foi admitido em um plano da ONU vazado que surgiu em setembro. O documento exorta os alarmistas das alterações climáticas a promover o tema da “superpopulação” como um substituto para o “aquecimento global”, embora admitem que o objetivo final é “limitar e reorientar as aspirações de uma vida melhor para o crescimento da classe média em todo o mundo”; em outras palavras, para convencer as massas, que terão de se contentar com um estado de pobreza para salvar o planeta do Armagedon. Naturalmente, o tio Ted pode manter os seus 2 milhões de hectares e cinco crianças que vão procriar ad infinitum.

A superpopulação é um mito. Dados da ONU indicam claramente que a população se estabilizará em 2020 e, em seguida, cairá dramaticamente depois de 2050 de uma forma natural. Como The Economist relatou: “A fertilidade está diminuindo e o número de membros da família está diminuindo, como no Brasil, na Indonésia, e até mesmo partes da Índia, onde as pessoas pensam que está explodindo com novos nascimentos. Como mostra esta informação, a taxa de fertilidade de metade do mundo agora é de 2,1 ou menos, o número mágico que é consistente com uma população estável e é muitas vezes chamado de “taxa de reposição da fertilidade.” Em algum momento entre 2020 e 2050, a taxa global de fertilidade será inferior à taxa de reposição em geral. ”

Para se destacar, não só os números indicam claramente que a superpopulação é um susto artificial, mas que os alarmistas têm sido forçados a admitir que estão alimentando temores a fim de reduzir os padrões de vida no Ocidente e, portanto, lançar o seu plano de redistribuição de riqueza mundial.

E nem por um segundo se iluda pensando que esta “redistribuição da riqueza” alegada irá se manifestar em uma espécie de utopia socialista. Como foi descoberto durante a Reunião de Copenhague, a agenda de “redistribuição da riqueza” em grande parte se concentra na pilhagem das riquezas da classe média nos países mais ricos, através de impostos de carbono e, em seguida, usar esse dinheiro para financiar a construção de um governo mundial. Como revelado no texto dinamarquês (danish text), o dinheiro gerado a partir de impostos sobre o consumo irá diretamente para o Banco Mundial, e não para países em desenvolvimento.

Mesmo se você acredita na charlataneria distribuídos sobre a supepopulação, duvido que você concorde com os globalistas que para “resolver o problema”, devemos matar 95 por cento da humanidade, destruir a prosperidade e a liberdade econômica ou assegurar que o terceiro mundo continue sendo escravizados por montanhas de dívida com o FMI e o Banco Mundial.

Ted Turner é um industrial bilionário, com cinco filhos, dois milhões de acres de terra e uma rede de interesses comerciais que emitem mais dióxido de carbono em um ano do que todas as pessoas que lêem este artigo juntos na vida podem emitir. E ele está dizendo para você fazer sacrifícios, não ter filhos e vender os seus direitos reprodutivos, esterilizar, reduzir seu padrão de vida, assim como Al Gore charlatanea sobre o nível do mar causado pelo aquecimento global, em quanto compra propriedades e constrói mansões que valem milhões de dólares em pontos turísticos ao redor do mundo.

Quantas mais provas são necessárias para que as pessoas aceitam o fato de que a superpopulação é um mito que foi seqüestrado por alarmistas do aquecimento global que estão agora usándo-lo como um substituto para a desacreditada ciência sobre o aquecimento global antropogénico, para a construção de uma nova ordem mundial, que será inteiramente baseada em sufocar a classe média e tornar as pessoas mais dependentes do governo, tornando-se assim em arquitetos da sua própria escravidão?