Alimentos Transgênicos são Armas Biológicas

“Nós temos uma estufa cheia de plantas de milho que produzem anticorpos anti-esperma”, disse Mitch Hein, presidente da Epicyte, uma empresa de biotecnologia da Califórnia.

Por Luis R. Miranda
The Real Agenda
02 junho de 2011

Os organismos geneticamente modificados (OGM) usados para criar novos alimentos e sementes são verdadeiras armas biológicas para criar infertilidade em nível mundial. Existem várias empresas que trabalham no campo da biotecnologia e da nano tecnologia, que existem com o único propósito de estudar, experimentar e criar organismos geneticamente modificados que causem infertilidade em animais, plantas e seres humanos. A mais famosa dessas empresas é a Monsanto, cujos executivos disseram publicamente que querem que Monsanto seja a única produtora de sementes do mundo e que nenhum alimento deve ser produzido por outra empresa que não seja a sua.

A Monsanto é apoiada por outros gigantes da biotecnologia e da química como Cargill, DuPont e ConAgra. Mas a criação e aplicação de organismos transgênicos não se limita a essas corporações multinacionais. Há empreiteiros menores que fazem o mesmo trabalho com resultados talvez mais impressionantes devido ao know-how dos seus trabalhos. Um exemplo é Epicyte, uma empresa na Califórnia, cujo presidente tem demonstrado a satisfação de estar na posse de grandes quantidades de produtos alimentares infectados com ingredientes transgênicos, que, depois de ser consumidos, causam a esterilização de quem ingeri-los.

Um relatório com data 28 de maio afirma que a organização do Codex internacional, fundada pelas Nações Unidas, e que regulamenta todos os alimentos, minerais e ervas em todo o mundo, não acredita que os produtos transgênicos são alimentos, e isto coloca alimentos com esses ingredientes em um local diferente do que o alimento produzido naturalmente, e como tal pode ser usado para diversas práticas, incluindo o controle da natalidade e a criação de infertilidade em uma nação ou povo.

Em uma de suas publicações, o Salem News indica que há esforços a nível local, regional, nacional e internacional para identificar e rotular OGM em produtos destinados ao consumo humano, mas os governos e as empresas se recusam a aceitar tal pedido. Após a implementação do Codex Alimentarius em 2009 a vontade das grandes empresas se tornou realidade, porque dentro das normas estabelecidas pelo Codex, afirma-se claramente que os OGM não são considerados alimentos e, portanto, não podem ser identificados.

A existência de milho geneticamente modificado foi analisado em testes realizados pelo Departamento de Agricultura de Estados Unidos, que trabalhou com a empresa Epicyte. Ao anunciar o seu sucesso numa conferência de imprensa de 2001, o presidente da Epicyte, Mitch Hein, disse que suas plantas transgênicas de milho fabricam “anticorpos anti-esperma.”

Hein disse que a criação de organismos transgênicos e sua aplicação em alimentos “poderia ser usado como uma ferramenta para resolver a superpopulação”-. Salem News

Em 1996, após a criação e utilização de OGM em milho e outros grãos em lugares como América do Sul, México e África, surgiram dados relacionados com a fertilidade nos EUA, onde quase imediatamente após a aprovação do famoso -ou infame- milho Bt de Monsanto, a taxa de natalidade diminuiu de forma acelerada, apenas três anos após a introdução de OGM no abastecimento alimentar americano.

Muitas fundações empurram a expansão e aceitação de OGM nos alimentos; e na lista estão, claro, o milho, soja e arroz. Estes três são os grãos mais utilizados na erradicação da fome e da pobreza no mundo. As fundações Gates, Rockefeller, e Agra, fundada por Kofi Annan, são três das mais prestigiadas organizações que se esforçam para aumentar a oferta de fundos e alimentos às populações mais carenciadas do mundo. Todos estes alimentos contêm OGM.

A Fundação Bill e Melinda Gates gasta bilhões de dólares “ajudando” com o plantio e colheita de culturas geneticamente modificadas na África, América Latina e Ásia. Você reconhece o genocídio? Essas fundações não apenas fogem do pago de impostos com a sua alegada filantropia, mas colaboram com o assassinato de milhões de pessoas que não sabem que seus alimentos contém OGM’s, ou mesmo sabendo, não tem nenhuma escolha mas que se alimentar com estes venenos.

Nos Estados Unidos existe uma luta contínua entre os consumidores e a Food and Drug Administration (FDA) para rotular os produtos que contêm OGMs. No entanto, a agência do governo deu lugar às exigências das grandes empresas, antes dos pedidos do público. A maioria dos desinformados ou mal informados cidadãos compram e continuam consumindo alimentos contaminados. Enquanto isso, embora os alimentos GM não são considerados “alimentos” pelo Codex Alimentarius, a FDA permite que as corporações usem estes organismos em grãos básicos utilizados para fabricar a maioria dos produtos que as pessoas comem, bebem e usam diariamente.

A criação de um organismo transgênico que é usado na fabricação de alimentos consumidos pelos seres humanos depois de ser modificado para esterilizar, é essencialmente um exemplo do uso de uma arma biológica com o único objectivo de reduzir a população mundial secretamente. Bem, isso não é mais um segredo. Os alimentos transgênicos não são considerados pelo Codex Alimentarius como “alimentos”, mas ao mesmo tempo, é permitido que pequenas e grandes empresas de biotecnologia usem estes na fabricação de produtos de consumo mundial. O objectivo é muito claro.

Agroindústria Ameaça a Segurança Alimentar

Por Luis R. Miranda
The Real Agenda
13 de maio de 2011

Pessoas desinformadas tendem a dizer que o crescimento populacional é a maior ameaça do século 21, especialmente no que se refere à disponibilidade de alimentos. Embora o acesso à alimentação é uma das questões mais importantes que a humanidade enfrenta hoje, o “problema alimentar” tem tudo a ver com a qualidade do mesmo e nada a ver com a escassez devido à superlotação do planeta. O mundo mudou em muitos aspectos ao longo dos últimos cinquenta anos e muitas dessas mudanças foram para o bem, mas muitas delas foram para pior. No passado, a maioria dos países produziam seu próprio alimento e as pessoas eram independentes para se alimentar. Hoje, um punhado de corporações controlam todo o processo de produção e distribuição de sementes e alimentos. Com relação à oferta de alimentos, talvez haja uma conseqüência pior do que as práticas e políticas monopolistas: Alimentos que devem nos dar a nutrição que precisamos realmente estão nos adoecendo e nos matando lentamente.

No Reino Unido, uma bactéria chamada de Campylobacter provoca diarréia, febre, dor abdominal e cãimbras. Muitas vezes, esses efeitos se agravam e causam doenças crônicas e a morte. Estima-se que 85% das aves no Reino Unido estão infectadas. Enquanto isso, nos Estados Unidos, o norovírus, que é transmitido através da manipulação de alimentos com as mãos sujas, bem como a Salmonella, que infecta as pessoas que comem alimentos com fezes, causam vômito, diarréia, febre e cãimbras. Estes são apenas dois exemplos de má gestão de alimentos que acontecem no chamado ‘mundo desenvolvido’. Mas é ainda pior em países do terceiro mundo onde as normas sanitárias para alimentos são menos claras ou são simplesmente ignoradas pela indústria de alimentos.

Na China, por exemplo, a contaminação dos alimentos com melamina causou a morte de seis bebês e adoeceu 300.000 pessoas em 2008. A contaminação ocorreu quando a melamina, um produto químico industrial, foi introduzido no leite. No “mundo desenvolvido”, a Alemanha teve o seu próprio caso de intoxicação alimentar em massa por dioxina em cerca de 4.000 fazendas em todo o país. Uma empresa alemã vendeu 200.000 toneladas de ração animal contaminada com dioxina e este alimento foi dado a milhares de animais. As dioxinas são substâncias tóxicas que causam câncer.

Embora não haja nenhum processo formal de registro de casos de intoxicação alimentar e outras ameaças à saúde feitas sobre alimentos contaminados, os dados disponíveis mostram que a contaminação dos alimentos é um problema comum na maioria das nações. Mesmo os países que conseguem ter o seu próprio sistema para manter os alimentos livres de produtos químicos não podem impedir que bactérias e vírus envenenem em massa os seus cidadãos. Em Singapura, 3 milhões de pessoas morrem anualmente de intoxicação alimentar.

Impróprios para o consumo

Uma avaliação recente publicada pela GRAIN, uma organização internacional sem fins lucrativos que fornece informações sobre questões de segurança alimentar em todo o mundo -se um alimento é adequado para comer ou não- descreve uma série de razões a considerar na determinação da segurança alimentar. “As más práticas (falta de higiene, abuso de animais, o uso e abuso de antibióticos e pesticidas), as tecnologias de alto risco que não foram devidamente testadas (manipulação genética, a nano tecnologia, a irradiação, a clonagem), contaminação intencional (manipulação, por exemplo) ou simplesmente má supervisão” são apenas algumas das razões pelas quais os alimentos chegam contaminados à sua mesa. É por isso que existe preocupação sobre a segurança alimentar e o tamanho das empresas que produzem alimentos para os consumidores. É um fato que o sistema de alimentos industrializados que regulamenta a produção e distribuição de alimentos é a principal causa de contaminação dos mesmos. Tem tudo a ver com o tamanho. Se um pequeno produtor de carne ou de verduras fornece alimentos contaminados, o impacto é pequeno, mas se uma grande empresa que produz e distribui alimentos em todo o mundo gerencia seus processos mal, o resultado é que centenas de milhares de pessoas ficarão doentes e muitos outros morrerão como resultado de alimentos contaminados.

A produção em grande escala é uma das principais causas de intoxicação alimentar em massa. Não somente as regras são mais difíceis de aplicar quando uma empresa produz grandes quantidades de carne, grãos ou embalados, mas também é provável que as empresas não estão preocupadas com a implementação de práticas que garantam a boa higiene e segurança no trabalho. A quantidade de produtos que entra e sai de uma fábrica de embalagem de carne ou uma instalação de processamento de grãos faz com que seja quase impossível fiscalizar cada item. As políticas que regem grandes unidades de produção são: receber, embalar e transportar o máximo de produtos possível, o que garante mais lucros.

Onde estão os reguladores?

Em uma frase, os reguladores do governo são normalmente cúmplices de “Big Corp”; as grandes corporações. Não é realista acreditar que os burocratas que supervisionam a segurança alimentar não estão conscientes dos problemas com a produção e distribuição de alimentos, embora esta geralmente é a desculpa dada por eles e pelo governo para justificar a sua inação. Há muitas evidências de que as agências de governo e as empresas estão em constante negociação para evitar a aplicação das leis que protegem os consumidores. Quase todas as novas leis que são aprovadas sobre segurança alimentar abrem novas portas para que a indústria de alimentos encontre atalhos e saídas a qualquer lei que governa a produção de alimentos. Tomemos por exemplo o caso do leite cru. O leite é processado por pasteurização e homogeneização em todo lugar. Os países que ainda não proibiram a venda e o consumo de leite cru estão atualmente trabalhando na legislação para fazer isso. O processamento do leite é necessário, os governos e as empresas dizem, para evitar a ingestão de bactérias que possam existir quando o leite está cru. No entanto, também é verdade que a pasteurização e homogeneização acabam com todos os nutrientes que o leite cru tem. Alguém falou em pandemia de deficiência de cálcio e osteoporose? Claro que as grandes empresas farmacéuticas produzem medicamentos para tratar estes problemas. Não é?

O leite cru é uma das mais importantes fontes de nutrição para pessoas pobres em todo o mundo. É uma das poucas fontes disponíveis de nutrição e pode facilmente ser fervido em casa para garantir a sua segurança. Então porque é que os governos têm leis ou regulamentações que proíbem o leite cru? Estas regras são criadas e impostas pela Organização Mundial do Comércio, uma instituição que trabalha para o cartel internacional que controla a maior parte da produção e distribuição de alimentos. Outros motivos frequentemente invocados para justificar a proibição da venda de leite cru é a idéia de que vai ajudar a modernizar a indústria de laticínios, que por sua vez, se beneficiaria, pois as empresas seriam capazes de competir com a importação e exportação de outros produtos. Nada disso é verdade. A verdadeira razão é que os países membros da OMC são obrigados a aderir às suas normas se eles querem a oportunidade de participar nos chamados Acordos de Livre Comércio. Os acordos de livre comércio são ferramentas utilizadas pelas empresas para acumular o controle sobre a maioria, se não todas as atividades produtivas. As políticas que regem a produção de alimentos têm pouco a ver com a saúde pública e tudo a ver com o controle total dos mercados, monopólios e dominação corporativa.

Os acordos de livre comércio são a incorporação de controles monopolistas empreendidos por organizações multilaterais -em nome de “Big Corp”- em rodadas de negociação realizadas com freqüência em um país ou na sede da OMC e determinam as regras sobre a produção de alimentos desde o ponto de vista comercial. Nada nesses acordos está relacionado à ciência e à acessibilidade dos alimentos. Mundialmente, as empresas cada vez mais determinam o que é permitido como prática para a produção e manuseio dos alimentos e o que é proibido. GRAIN cita os casos de empresas que alimentam as vacas com partes de animais como uma forma de fornecer proteína. Esta prática, em muitos casos, leva à doença das vacas loucas, mas ainda é permitido em países como os Estados Unidos e o Japão. Outro caso é o da ractopamina, uma substância dada aos porcos para promover o crescimento. Este item é adicionado aos alimentos. Em um raro exemplo de segurança alimentar, países como a China e regiões inteiras como a União Europeia, que juntos produzem cerca de 70 por cento do fornecimento mundial de carne suína, proibiram seu uso em carnes. Outros países como os EUA continuam usando ractopamina na alimentação fornecida aos suínos, perus, galinhas e vacas. O governo dos EUA não só permite a sua utilização, mas também defende o produtor de ractopamina, Eli Lilly, e luta contra qualquer governo ou organização que tente banir suas exportações de carne. Não são apenas os consumidores dos EUA que estão contaminados com este produto químico, mas também todas as pessoas em todos os países que aceitam carne de porco, peru e frango dos EUA.

Acordos de livre comércio como instrumento para impor regulamentações corporativas

Nas últimas três décadas, os acordos tornaram-se as ferramenta de moda usadas pelas grandes corporações e credenciadas pela Organização Mundial do Comércio e a Organização Mundial da Saúde para impor as suas regras e realizar o seu jogo. Tudo começou na década de 80 com as negociações conhecidas como GATT. Depois, vieram os acordos de livre comércio entre a Europa e os países latino-americanos e outros entre América do Norte e países da América Latina, como a ALCA, CAFTA e NAFTA. Contidos nos referidos acordos existem todos os tipos de truques escritos para permitir que as corporações manipulem e, finalmente, controlem os mercados. Isso ocorre porque há pouca proteção em relação ao que pode ser comercializado e como esse comércio deve ocorrer. O objetivo comum que todas as negociações anteriores tiveram era promover o intercâmbio de mercadorias com custos de produção mais baixos para oferece-las por menor preço. Isso seria bom se estas mercadorias não fossem produtos e alimentos contaminados, produzidas violando interminavelmente as leis trabalhistas e os trabalhadores para que um punhado de corporações conquistem os mercados mundiais e ditem o que é produzido, vendido, comprado, quais as taxas e encargos aplicados e para que elas “protejam” tudo, mesmo aquilo que não é delas, contra o “roubo” através de leis absurdas de propriedade intelectual que são anexadas a todos os acordos comerciais.

Os acordos de livre comércio não têm nada a ver com o livre comércio para benefício dos consumidores ou para permitir a existência de agricultores de pequeno e médio porte. As empresas que controlam os governos querem um passe livre para invadir todos os mercados e produzir tudo o que comemos e usamos, de modo que todos os outros sejam dependentes de produtos cultivados e produzidos no outro lado do mundo para a sua sobrevivência . Estes acordos não fazem nada para promover ou garantir a segurança alimentar e a saúde pública, mas para garantir o crescimento ilimitado das corporações e as suas margens de lucro. Estas empresas criam monopólios de mercado através da implementação de políticas que, embora inexplicavelmente ridículas, são aceitas como padrões em todo o mundo. Estas políticas têm sido adaptadas para limitar a concorrência leal em todos os países de uma forma que apenas os países onde as grandes corporações tem interesse estão autorizados a entrar em mercados competitivos.

A União Européia proibiu a importação de peixes provenientes da Índia, porque os produtores não cumpriam as normas europeias, como a limpeza e desinfecção das instalações com água potável, apesar do fato de que a Índia não tem infra-estrutura para fornecer água potável para a maioria da sua população. Na Tanzânia, os pescadores tiveram a mesma experiência. Eles recolhiam 80 por cento das suas receitas da venda de peixe na Europa, mas depois que a União Europeia proibiu o produto, os pescadores perderam seu mercado. Uganda também sofreu um resultado semelhante, que custou ao país $ 40 milhões em perdas. E como os europeus conseguiram comer peixe? Empresas como a Pescanova se mudaram para a África e começaram a servir o mercado europeu. Uma vez instalado no continente, a empresa adquiriu todas as empresas de produção e distribuição.

O caso dos organismos geneticamente modificados (OGM)

O que poderia ser mais perigoso para comer do que os organismos geneticamente modificados que provaram prejudiciais aos seres humanos e animais. Independentemente das provas que mostram os perigos para a nossa saúde, agências governamentais de todo o mundo continuam a permitir a utilização de ingredientes geneticamente modificados em alimentos. Não só isso, mas também se recusam a rotular produtos que contenham OGM, alegando que é injusto para as empresas que os produzem e que seria confuso para os consumidores. No caso do salmão transgênico, por exemplo, a indústria do salmão diz que o produto não pode ser rotulado porque seu produto é idêntico ao salmão selvagem. O mesmo é verdade para outros produtos básicos como milho, soja, leite e vegetais. A idéia de que um consumidor informado é a melhor ferramenta para fortalecer os negócios e os mercados não parece ser bem acolhida pelas empresas. Para eles é melhor um grupo de consumidores com pouca informação. Assim, elas podem impor suas práticas desonestas. Uma informação revelada pelo Wikileaks mostra como o governo Bush pressionou o governo francês para aliviar as suas preocupações sobre os organismos geneticamente modificados:

“Analisar formas de retaliar contra a União Europeia e [a aceitação dos transgênicos] é uma responsabilidade colectiva e estas represálias incidirão sobre os que mostrem oposição.” A lista de retaliação deve ser medida ao invés de viciosa e deve ser sustentável no longo prazo. Não devemos esperar uma vitória rápida. “

A campanha para impor o uso de organismos geneticamente modificados é um exemplo claro de como as grandes corporações exercem o seu controle sobre os governos para que gigantes como Monsanto, DuPont, ConAgra, Cargill e outras empresas de biotecnologia não tenham interrupções nos países que querem proibir sementes ou alimentos geneticamente modificados ou exigir que os rótulos informem os consumidores. Junto com a França, as corporações que controlam o governo dos EUA também ameaçam a soberania dos países do terceiro mundo que não têm voz nem voto nas práticas sanitárias utilizadas na produção, importação e exportação de produtos na sua própria terra. Mesmo como acontece nos países desenvolvidos, as nações do terceiro mundo também são ordenadas a “relaxar” a sua oposição às culturas geneticamente modificadas e remover qualquer “exagero” dos riscos que vêm com o uso e consumo de OGM. Com a criação e implementação do Codex Alimentarius, as grandes corporações ficaram ainda mais fortes. O conjunto de regras contidas nos documentos do Codex Alimentarius deixa claro que nem as empresas nem as agências transnacionais em matéria de segurança alimentar e saúde em todo o mundo estão interessadas ​​em seres humanos saudáveis ​​e alimentos seguros. Na verdade, através do Codex Alimentarius, as empresas procuram controlar os mercados de alimentos naturais e suplementos, proibindo a produção e comercialização de alimentos naturais e substituindo-os com produtos farmacêuticos rotulados como “suplementos naturais.”

O Codex Alimentarius é a Frankenciencia das Nações Unidas e Organização Mundial de Saúde para forçar restrições sobre o que podemos comer. Desde a década de 1960, estas organizações tem se esforçado para limitar as escolhas dos consumidores para cuidar da sua saúde e para restringir o acesso aos alimentos como os conhecemos hoje. Codex Alimentarius (Codex) significa “código de alimentos”. Este código mundial de alimentos é uma agência das Nações Unidas, co-patrocinada pela Organização Mundial da Saúde (OMS) e a Organização para Alimentação e Agricultura (FAO). Existe há quase 50 anos e seu status internacional dá uma missão comum: proteger a segurança alimentar e promover o comércio mundial de alimentos. Isto esta sendo feito através da adoção de orientações de caráter voluntário e regras ali contidas pesaram (a definição de alimentos no comércio internacional) nas suas decisões executadas através da Organização Mundial do Comércio (OMC), que considera as suas orientações e normas como prova presuntiva nas disputas entre países ou entre países e corporações. Codex, em seguida, tornou-se uma criatura dos Grandes: Grandes Governos, Grandes Agronegócios e Grandes Farmacêuticas.

Para entender o que é o Codex Alimentarius, deve ser entendido que não tem nada a ver com a proteção do consumidor. A ideia de que esse e o caso é apenas uma frase cativante para que os povos e nações aprovem a sua execução. “Codex Alimentarius” significa “regras de comida” em latim. O plano nasceu em 1962 quando a Comissão do Codex Alimentarius (CAC) foi fundada pela Organização das Nações Unidas para supostamente facilitar as relações comerciais. Na verdade, foi criada para regular e controlar o modo como o alimento é produzido, a nutrição gerenciada, como os produtos são vendidos para as pessoas; é tudo sobre os lucros das corporações multinacionais. A relação é muito simples: quanto mais as pessoas usam produtos naturais, menos os benefícios que as empresas farmacêuticas recebem. Codex Alimentarius foi criado para proteger os lucros das grandes empresas farmacêuticas, através da eliminação de produtos de saúde e tratamentos naturais. O que é mais preocupante agora é que o Codex foi aprovado em 31 de dezembro de 2009. Depois que o plano foi assinado, foi forcado sobre todos os países membros através da sua aprovação pelos parlamentos locais, assim como aconteceu com o Tratado de Copenhague.

Superbactérias em Agronegócios

Superbactérias são bactérias que desenvolvem a capacidade de lutar contra os antibióticos. Exemplos de superbactérias apareceram pela primeira vez na Europa na década de 60 e desde então se espalham livremente por todo o mundo. Nos Estados Unidos, as mortes por infecções por MRSA atingiram 17.000 em 2005. Uma pesquisa de 2007 constatou que ST398, uma nova versão do MRSA, estava presente em 39% dos suínos e 81% das fazendas suinícolas locais nos Países Baixos. Outras pesquisas revelaram que o MRSA é encontrado em pelo menos dois terços das fazendas localizadas nos países membros da União Europeia. Em estudos europeus, os pesquisadores descobriram que a Espanha e a Alemanha estão entre os países com maior incidência de MRSA em suas fazendas. Mais de 40% dos suínos que foram testados deram positivo por MRSA. É por isso que não é nenhuma surpresa que os europeus enviam a maior parte da carne de porco ao exterior. Segundo a Universidade de Guelph, um estudo de suínos em Ontário, no Canadá, mostrou que a ST398 esteve presente em um quarto dos suínos locais, em um quinto dos suinocultores que foram testados.

A capacidade de uma superbactéria para resistir a antibióticos, como ocorre em seres humanos, acontece devido ao uso intensivo deste produto. Segundo a União dos Cientistas Preocupados, o gado nos Estados Unidos consome cerca de 80 por cento dos antibióticos vendidos no país. Enquanto isso, na China, o número chega a 50 por cento dos animais. Um relatório de fevereiro 2011 no Sydney Morning Herald revela que, na Alemanha, os bovinos são injetados com três vezes mais antibióticos que os seres humanos. A existência e proliferação de bactérias resistentes a antibióticos em fazendas industriais é a principal causa dos casos de intoxicação alimentar, que são estimuladas pelo abuso de antibióticos administrados aos animais.

A Walmartização dos Alimentos

Se Monsanto, ConAgra, Cargill e outros gigantes da biotecnologia são conhecidos por seu desejo de conquistar o mercado de sementes e alimentos, o Wal-Mart pode ser visto como o equivalente quando se trata da moda dos Supermercados. Os alimentos que são vendidos hoje passam diretamente através de “ligações” feitas pelas grandes cadeias de supermercados. Longe estão os dias quando o produtor vendia suas maçãs, bananas, abacaxis e cenouras. Hoje, as corporações transnacionais, como Wal-Mart e Carrefour controlam o fornecimento de alimentos em muitas partes do mundo. Estas empresas não só transportam e distribuem os alimentos que ingerimos, mas também decidem o que produzir e o que não, quando os produtos são vendidos, quando são enviados e quais são os preços que terão quando você compra no supermercado local. As grandes cadeias de supermercados, realmente, controlam os mercados mundiais de alimentos.

As vendas anuais da Wal-Mart alcançam atualmente 405 bilhões de dólares, que é mais do que o produto interno bruto da Argentina, Noruega, Grécia e Dinamarca. O sucesso que este número revela levou a mais cadeias de supermercados para colocar os olhos sobre as regiões do mundo que podem funcionar tanto como um local de produção, ou como um lugar onde elas podem monopolizar a produção e distribuição de alimentos, ou garantir a compra de alimentos produzidos a preços muito baixos e respeitando as suas próprias diretrizes. Grandes varejistas como Tesco, Wal-Mart, Carrefour e Lotte estão comprando ou negociando operações na Índia, China, Brasil e Indonésia. Essas e outras nações do Terceiro Mundo ainda dependem de vendas porta a porta, vendas de rua, cooperativas locais e atacadistas regionais para a alimentação de sua população. O que os supermercados querem fazer é ir e comprar o seu caminho no mercado através da assinatura de contratos com produtores, distribuidores e supermercados locais para controlar a produção e distribuição de alimentos. Uma vez que eles conseguem absorver os mercados, as grandes redes impõem seus próprios modelos e estabelecem as mesmas normas e regras que têm aplicado em outros lugares. A conseqüência direta e imediata dessa prática é o início de uma nova linha de consumidores dependentes que não serão mais capazes de plantar, colher ou vender seus alimentos. Dependência é o nome do jogo.

Como se a existência de uma cadeia de supermercados poderosa não fosse ruim o suficiente para o consumidor, essas grandes corporações também funcionam como um cartel. Elas decidem juntas quais são as regras para a indústria. Como Barry Harper disse em seu livro “Quebrando a Cadeia: O Caso Antitrust contra a Wal-Mart”, a potência e o tamanho das empresas são duas das muitas armas que elas têm para influenciar o sistema alimentar global. Imagine o que podem conseguir trabalhando em conjunto contra um país, um supermercado ou pequenos agricultores do terceiro mundo. Essas empresas têm o poder e a capacidade de ditar aos fornecedores, produtores e processadores de alimentos as regras do jogo. O poder das empresas de alimentos é tão importante que os governos são capazes de colocar os seus lucros em primeiro lugar e a saúde das pessoas em segundo, quando se trata de segurança alimentar. Um exemplo é a proibição imposta pelos EUA contra melões mexicanos por causa da contaminação por salmonela em 2002. Depois de uma rodada de negociações entre os governos dos dois países, que, naturalmente, teve a participação das grandes corporações, a proibição foi levantada após a criação de um programa novo, juntamente com uma nova burocracia. A criação deste novo conjunto de regras não fez nada para garantir a segurança dos melões, porque os agricultores não respeitaram as regras com relação a limpeza, análise da água e outros assuntos conforme solicitado pelo novo programa. De fato, 94 por cento das fazendas não têm banheiros portáteis e 88 por cento deles usam água de rios para abastecer suas plantações.

A eliminação dos agricultores

A colonização agrícola do mundo por um punhado de corporações parece ter o mesmo denominador em todos os lugares: o desaparecimento do agricultor. Supermercados gigantes têm muitas maneiras de forçar a sua presença em novos mercados ou aumentar a sua participação nestes mercados. A invasão de grandes supermercados no hemisfério sul faz dos países em desenvolvimento as fontes de alimento para o resto do mundo e, em muitos casos, faz com que essas regiões dependem da capacidade da cadeia de supermercados e a disponibilidade dos seus alimentos para alimentar as populações. Porque as grandes cadeias de supermercados têm a prerrogativa de decidir quanto pagar pelos alimentos que compram e os produtores devem seguir as normas, prazos de entrega, processos de distribuição e assim por diante. Por isso, é fácil para eles manipularem os mercados locais, regionais e nacionais. Mas, quando estes grandes supermercados não conseguem o que querem, são capazes de importar frutas e legumes de todo o mundo a fim de destruir os concorrentes. Muitas vezes, grandes cadeias de supermercados utilizam publicidade enganosa para manter ou aumentar o fluxo de clientes em suas instalações. Por exemplo, quando Wal-Mart invadiu a América Central ao comprar cadeias alimentares locais, a empresa decidiu manter o nome original pelo fato de que Walmart era conhecido nesses lugares por sua má reputação no exterior.

O que esse tipo de deturpação permite é manter o controle da oferta e da demanda de alimentos usando nomes diferentes. Esta prática dá tempo suficiente para resolver e absorver o maior número de clientes até que eles decidam identificar-se. Mas o controle dos mercados de alimentos não é apenas uma vitrine. As grandes cadeias de supermercados não têm sequer que se estabelecer em um país para controlar a oferta de alimentos. Elas solicitam e fecham alianças com produtores e distribuidores no exterior, assim que a empresa do setor alimentar é monopolizada localmente. Uma cidade inteira ou um país pode enfrentar falta de arroz ou feijão, por exemplo, não porque não estão disponíveis, mas porque eles estão estocados em armazéns que pertencem a grandes supermercados onde esperam para ser enviados para o estrangeiro ou onde paguem o preço que os supermercados querem. Como é que essa prática afeta os agricultores? Embora o preço que os agricultores recebem pelos seus grãos, frutas ou legumes pode ser considerado justo, em muitos casos, os próprios agricultores poderiam ter obtido maiores lucros se tivessem vendido seus produtos para compradores locais ao invés dos supermercados transnacionais. A escassez artificial que as empresas de alimentos causam ao armazenar o alimento até que alguém decida pagar o que eles querem é o que facilita a manipulação de preços, tornando mais difícil para as pessoas se alimentarem e as suas famílias. Além disso, alguns agricultores se tornam reféns das promessas de futuras compras enquanto esperam para receber o pagamento das vendas atuais feitas para as redes de supermercados internacionais.

Em muitos países da Ásia e da América Latina, os agricultores não têm dinheiro para iniciar uma nova estação de plantio porque o pagamento recebido não atende aos novos custos, ou, simplesmente, porque obtêm pouco lucro. Quando as grandes cadeias de supermercados não estão explorando os agricultores locais, as redes de supermercados locais assumem esse papel. A forte concorrência que as cadeias nacionais ou regionais tem contra as corporações transnacionais faz com que elas se tornem predadores. A competição é tal que as empresas nacionais que foram parceiras no passado, de repente, adotam o mesmo modelo das grandes empresas e fazendeiros transformando os agricultores em um grupo de trabalhadores agrícolas colonizados. Este é o caso de ShopRite da África do Sul e DMA no Brasil.

“Na China, onde os supermercados estão se expandindo a um ritmo rápido, essas tendências são ainda mais profundas. Grandes cadeias de supermercados, tanto estrangeiras como nacionais, estão trabalhando em estreita colaboração com os fornecedores e os governos locais para desenvolver fazendas que fornecem frutas e legumes. Como parte de uma campanha para melhorar a segurança alimentar e a integração de 700 milhões de pequenos agricultores na “cadeia alimentar de alto valor” com “métodos científicos de agricultura”, o governo chinês vem buscando a criação de mercados de frutas e legumes em parcerias com o setor privado. Em cada uma dessas áreas de produção, autoridades locais negociam acordos com empresas privadas por meio dois quais as empresa entram, ficam com um pedaço de terra e fazem com que os agricultores que eram donos, agora deslocados, sejam a mão de obra barata.”Relatório da Segurança Alimentar, 2011 GRAIN

Não temos que comer da forma ditada pelas grandes corporações

O movimento para rejeitar firmemente as políticas de segurança alimentar atuais e do modelo de negócios que as empresas impõem aos consumidores é um motivo de esperança. América produz carne que não é aceita pelas pessoas em Taiwan, Austrália, Japão ou Coreia do Sul. A intoxicação por melamina na China acordou milhares de pessoas neste país e no estrangeiro milhões rejeitam o leite contaminado da China. Na América Latina, Europa e partes dos Estados Unidos, cada vez mais pessoas questionam o atual sistema industrial utilizado na produção, distribuição e venda de alimentos. Casos de intoxicação alimentar por Salmonella, a doença da vaca louca, superbactérias e organismos geneticamente modificados estimulam a criação e o crescimento de grupos que se tornam “seguranças”, educando outras pessoas e exigindo melhores práticas agrícolas para substituir as atuais políticas agro-coloniais criadas pelas grandes corporações e adotadas pelos governos corruptos e organizações internacionais. Na Coréia, a resistência das pessoas à carne bovina dos EUA resultou em inúmeros questionamentos de sua suposta democracia representativa. Na Oceania, a Austrália anunciou uma nova campanha para recuperar o controle de seu sistema de alimentação para que mais pessoas aprendam cada vez mais e possam gerir a sua nutrição, o que naturalmente inclui o fornecimento de alimentos. Sobre os OGM, o número de grupos de cidadãos ao redor do mundo são tão numerosas e diversos quanto as culturas que eles representam.

Um único parece ser o objetivo comum da maioria destes grupos: a superação das consequências sociais, econômicas, sanitárias e ambientais que o modelo do sistema alimentar industrial trouxe ao povo. Cooperativas de alimentos orgânicos sao criadas. Os cultivos produzidos localmente estão aparecendo até mesmo em países desenvolvidos, onde as grandes corporações têm um punho forte no mercado de alimentos. Grupos locais continuam a organizar campanhas para expor os perigos dos organismos geneticamente modificados e da produção industrial de carne de porco e peru. Supermercados respeitam mais o ambiente, a agricultura, as fazendas e agricultores para atrair mais clientes. Mas, talvez mais importante que isso é o fato de que mais pessoas agora entendem que a auto-suficiência alimentar é um dos principais objetivos que todos nós devemos procurar. Campanhas educativas complementares são lançadas para explicar o conceito de soberania alimentar e do direito das pessoas a uma alimentação saudável. Uma das chaves para a independência alimentar e segurança é evitar modelos agrícolas que promovam o plantio e a comercialização de uma única cultura, como soja, milho, açúcar e outros. Diversidade alimentar em solos naturalmente fertilizados é o que faz qualquer modelo garantir que existirão alimentos disponíveis para quem precisar. A criação e promoção de associações locais ou cooperativas que empregam trabalhadores locais para plantio e colheita de frutos cultivados localmente, legumes e carne estão dando melhores resultados para as pessoas do mundo inteiro. Produção local de alimentos é a única maneira de garantir a segurança, preços justos e disponibilidade de alimentos que têm o potencial de acabar com a fome.

Para obter informações detalhadas sobre a segurança alimentar visite os seguintes links:

 Institute for Responsible Technology

 Navdanya International

 GRAIN

 Food Safety for Whom

 En Español

 Folleto Riesgos a la Salud

 Guía de Compras No-OMG