Vacinas com vírus de insetos geneticamente modificados estão aqui!

POR LUIS MIRANDA | THE REAL AGENDA | FEVEREIRO 12, 2013

Uma nova vacina contra gripe chegou ao mercado, e é a primeira contendo células de insectos geneticamente modificados (OGM). Segundo relatos, a Food and Drug Administration dos EUA (FDA) aprovou recentemente a vacina, conhecida como Flublok que contem tecnologia de DNA recombinante e um vírus de inseto chamado baculovírus, que de acordo com as empresas farmacêuticas, visa ajudar a facilitar a rápida produção de vacinas.

De acordo com a documentação contida no pacote da vacina Flublok, ela é trivalente. Isto significa que contém proteínas transgénicas a partir de três cepas de gripe. O fabricante da vacina, Protein Sciences Corporation (PSC) explica que Flublok é produzida pela extração de  de células de uma espécie de lagarta que é geneticamente modificada para produzir grandes quantidades de proteína hemaglutinina do vírus da gripe, permitindo que o vírus da gripe entre no corpo rapidamente.

Então, ao invés de ter que produzir vacinas da forma “tradicional” em culturas de ovos, fabricantes de vacinas têm agora a capacidade de produzir rapidamente grandes quantidades de proteínas do vírus da gripe usando organismos geneticamente modificados, que ajudam a indústria de vacinas para aumentar seus lucros. A vacina também causa muitos efeitos secundários graves, incluindo doenças do sistema nervoso como a Síndrome de Guillain-Barré (GSB), que aparece como um possível efeito colateral.

“Se a Síndrome de Guillain-Barré (SGB) ocorre dentro de seis semanas após o recebimento de uma vacina contra a gripe, a decisão de usar Flublock deve ser baseada em consideraçoes ciudadosas sobre os benefícios e riscos potenciais”, diz um parte da literatura da vacina em “Advertências e Precauções”. Outros possíveis efeitos colaterais incluem reações alérgicas, infecções respiratórias, dores de cabeça, fadiga, imunocompetência alterada, rinorréia e mialgias.

De acordo com dados clínicos fornecidos pelo PSC sobre Flublok, dois participantes do estudo morreram durante os ensaios da vacina. No entanto, a empresa continua a insistir que Flublok é segura e eficaz, e que é 45 por cento eficaz contra todas as cepas da gripe em circulação, em vez de apenas uma ou duas cepas.

FDA aprovou a vacina contra a gripe, que também contém células de rim de cão

Em novembro passado, a FDA também aprovou uma vacina contra a gripe conhecida como Flucelvax que usa células de rins de cães. Um produto da gigante farmacêutica Novartis, Flucelvax também elimina as culturas de ovos, e da mesma forma permite a produção  rápida do produto, o que significa que as companhias de vacinas podem ter vacinas prontas se os governos declaram uma pandemia.

Como Flublok, a produção de Flucelvax foi possível graças a um investimento de US $ 1 bilhão, financiado pelos contribuintes através de uma concessão do Departamento de Saúde e Serviços Humanos (HHS) à indústria de vacinas em 2006, que têm como objectivo desenvolver novos métodos de produção de vacinas. O objetivo final era ser capaz de produzir rapidamente centenas de milhões de vacinas para distribuição rápida.

Por outro lado, foi relatado que há duas vacinas contra a gripe que foram geneticamente modificadas que estão atualmente em desenvolvimento. Uma delas, que está sendo produzida por Novavax, usa “pedaços de material genético em células de lagarta cultivadas”, que são partículas semelhantes ao vírus “que imita um vírus da gripe”, segundo a Reuters.

Este artigo é original de NaturalNews.com. Leia-o em Inglês aqui.

The Real Agenda permite a reprodução do conteúdo original publicado no site APENAS através das ferramentas fornecidas no final de cada artigo. Por favor, NÃO COPIE o conteúdo do nosso site para redistribuir ou para enviar por e-mail.

Las vacunas con virus de insectos modificados genéticamente están aquí!

POR LUIS MIRANDA | THE REAL AGENDA  | FEBRERO 8, 2013

Una nueva vacuna para la influenza ha llegado al mercado, y es la primera que contiene proteínas genéticamente modificadas (GM) derivadas de células de insectos. Según los informes, la Administración de Alimentos y Medicinas de EE.UU. (FDA) aprobó recientemente la vacuna, conocida como Flublok, que contiene tecnología del ADN recombinante y un virus de insecto conocido como baculovirus, que según las corporaciones farmacéuticas, pretende ayudar a facilitar la producción más rápida de las vacunas. (Primera alarma de advertencia)

De acuerdo con la documentación contenida en el paquete de la vacuna Flublok, esta es trivalente. Esto significa que contiene proteínas transgénicas a partir de tres cepas de la gripe. El fabricante de la vacuna, Protein Sciences Corporation (PSC), explica que Flublok se produce mediante la extracción de células del gusano cogollero, un tipo de oruga, que son alteradas genéticamente para producir grandes cantidades de hemaglutinina, una proteína del virus de la gripe que permite al virus de la gripe para entrar en el cuerpo rápidamente. (Segunda alarma de advertencia)

Así que en lugar de tener que producir vacunas contra la forma “tradicional” a partir de cultivos de huevo, los fabricantes de vacunas tienen ahora la capacidad de producir rápidamente grandes cantidades de proteína del virus de la gripe que utilizan organismos genéticamente modificados, que ayudará a la indústria de las vacunas a aumentar sus beneficios económicos. Pero también es seguro que conllevará a todo tipo de efectos secundarios graves, incluyendo la mortal enfermedad del sistema nervioso, Síndrome de Guillain-Barré (GSB), que aparece en la escena como un posible efecto secundario.

“Si el síndrome de Guillain-Barré (GBS) se ha producido en las seis semanas siguientes a la recepción de una vacuna contra la influenza, la decisión de dar Flublock debe basarse en una consideración cuidadosa de los beneficios y riesgos potenciales”, explica una parte de la literatura de la vacuna titulada “Advertencias y precauciones “. Otros efectos secundarios posibles incluyen reacciones alérgicas, infecciones respiratorias, dolores de cabeza, fatiga, inmunocompetencia alterada, rinorrea y mialgia. (Tercera alarma de advertencia)

De acuerdo a los datos clínicos aportados por PSC en la documentación de Flublok, dos participantes en el estudio murieron durante los ensayos de la vacuna. Sin embargo, la empresa sigue insistiendo en que Flublok es segura y eficaz, y que es un 45 por ciento eficaz contra todas las cepas de la gripe en circulación, en lugar de sólo una o dos cepas.

FDA aprueba vacuna contra la gripe que también contiene células de riñón de perro

En noviembre pasado, la FDA también aprobó una nueva vacuna contra la gripe conocida como Flucelvax que hace uso de células de riñón de perro. Un producto del gigante farmacéutico Novartis, Flucelvax también acaba con las culturas de huevo, y de manera similar se puede producir mucho más rápidamente que las vacunas contra la gripe tradicional, lo que significa que las compañías de vacunas pueden tener las vacunas listas si el gobierno federal declara una pandemia.

Al igual que Flublok, la producción de Flucelvax fue posible debido a una inversión $ 1 mil millones, financiado por los contribuyentes a través de una subvención concedida por el Departamento de Salud y Servicios Humanos (HHS) de EE.UU. a la industria de las vacunas en el 2006, la cual intentaría desarrollar nuevos métodos de fabricación de vacunas. El objetivo final era ser capaces de fabricar rápidamente cientos de millones de vacunas para una rápida distribución.

Mientras tanto, se dice que hay dos vacunas contra la gripe que han sido genéticamente modificadas que están actualmente en desarrollo. Una de ellas, que está siendo producida por Novavax, utilizará “trozos de material genético en las células cultivadas de oruga”, que son partículas similares al virus “que imita a un virus de la gripe”, según Reuters.

Este artículo es original de NaturalNews.com. Léalo en Inglés aquí.

Genetically Modified Vaccines with reprogrammed insect virus are here!

NATURALNEWS | FEBRUARY 8, 2013

A new vaccine for influenza has hit the market, and it is the first ever to contain genetically-modified (GM) proteins derived from insect cells. According to reports, the U.S. Food and Drug Administration (FDA) recently approved the vaccine, known as Flublok, which contains recombinant DNA technology and an insect virus known as baculovirus that is purported to help facilitate the more rapid production of vaccines.

According to Flublok’s package insert, the vaccine is trivalent, which means it contains GM proteins from three different flu strains. The vaccine’s manufacturer, Protein Sciences Corporation (PSC), explains that Flublok is produced by extracting cells from the fall armyworm, a type of caterpillar, and genetically altering them to produce large amounts of hemagglutinin, a flu virus protein that enables the flu virus itself to enter the body quickly.

So rather than have to produce vaccines the “traditional” way using egg cultures, vaccine manufacturers will now have the ability to rapidly produce large batches of flu virus protein using GMOs, which is sure to increase profits for the vaccine industry. But it is also sure to lead to all sorts of serious side effects, including the deadly nerve disease Guillain-Barre Syndrome (GSB), which is listed on the shot as a potential side effect.

“If Guillain-Barre Syndrome (GBS) has occurred within six weeks of receipt of a prior influenza vaccine, the decision to give Flublock should be based on careful consideration of the potential benefits and risks,” explains a section of the vaccine’s literature entitled “Warnings and Precautions.” Other potential side effects include allergic reactions, respiratory infections, headaches, fatigue, altered immunocompetence, rhinorrhea, and myalgia.

According to clinical data provided by PSC in Flublok’s package insert, two study participants actually died during trials of the vaccine. But the company still insists Flublok is safe and effective, and that it is about 45 percent effective against all strains of influenza in circulation, rather than just one or two strains.

FDA also approves flu vaccine containing dog kidney cells

Back in November, the FDA also approved a new flu vaccine known as Flucelvax that is actually made using dog kidney cells. A product of pharmaceutical giant Novartis, Flucelvax also does away with the egg cultures, and can similarly be produced much more rapidly than traditional flu vaccines, which means vaccine companies can have it ready and waiting should the federal government declare a pandemic.

Like Flublok, Flucelvax was made possible because of a $1 billion, taxpayer-funded grant given by the U.S. Department of Health and Human Services (HHS) to the vaccine industry back in 2006 to develop new manufacturing methods for vaccines. The ultimate goal is to be able to quickly manufacture hundreds of millions of vaccines for rapid distribution.

Meanwhile, there are reportedly two other GMO flu vaccines currently under development. One of them, which is being produced by Novavax, will utilize “bits of genetic material grown in caterpillar cells called ‘virus-like particles’ that mimic a flu virus,” according to Reuters.

Israeli American Microbiologist Linked to Deadly Fungus Cryptococcus

Infowars

The strange case of Joseph Moshe has resurfaced.

In August of 2009, Moshe was accused of making threats against the White House. He briefly made headlines during a stand-ofcryptococcusf with police in Los Angeles. During the confrontation, the Israeli scientist remarkably withstood five rounds of chemical agent tossed inside his car in the parking lot of the Federal Building in West Los Angeles.

It was later learned that Moshe had called into a radio talk show and said he wanted to supply evidence regarding tainted H1N1 swine flu vaccines being produced by Baxter BioPharma Solutions. Moshe claimed a Baxter lab in Ukraine was producing a bioweapon that would be passed off as a vaccine. He said the vaccine contained an adjuvant engineered to weaken the immune system. Replicated RNA from the virus, Moshe insisted, was responsible for the 1918 pandemic Spanish flu.

It was speculated Moshe worked for Israel’s Mossad.

In late October of 2009, Ukraine was hit by an especially aggressive and virulent form of hemorrhagic pneumonia. “The virus appears to be either a highly aggressive mutation of the globally-circulating H1N1 strain, or a combination of three different influenza strains now circulating in Ukraine,” Mike Adams wrote at the time.

“Moshe claimed that Baxter’s laboratory in the Ukraine out of all places was creating this biological weapon. All of this came out in the beginning of August, which is more than 2 months before the situation that is currently unfolding [in Ukraine]. For Moshe to correctly name the country where a new epidemic would be unleashed, requires either inside information, or an incredible coincidence as anyone with a basic knowledge of statistics can confirm for himself,”David Rothscum wrote on October 31.

The H1N1 flu “pandemic” turned out to be mostly government and media hype. It was later said the United Nations’ World Health Organization had connived with Baxter, GlaxoSmithKline, Novartis, and Sanofi-Aventis to create a pandemic scare in order to sell vaccines.

In January of this year, the WHO insisted it was not unduly influenced by drug companies to exaggerate the dangers of the H1N1 flu virus. The WHO subsequently appointed a committee to investigate the allegations but its credibility suffered a serious blow when it was learned Dr. John Mackenzie would be included in the investigation. Mackenzie has direct links with several vaccine and pharmaceutical companies and was influential in the WHO declaration of a level 6 pandemic in 2009.

At the time, some 200 million doses of H1N1 vaccine and funding of approximately $12 million were pledged to fight the virus.

In February of 2009, Bloombergreported that Baxter had accidentally contaminated samples with the bird flu virus. The contamination was discovered when ferrets at a lab in the Czech Republic died after being inoculated with vaccine made from the samples. The virus material was supposed to contain a seasonal flu virus and was contaminated after “human error,” according to Baxter.

Dan Even, writing for Haaretz, reported earlier this week that a report had linked the deadly Cryptococcus gatti fungus to labs in the United States and the Nes Tziona Biological Institute in Israel. “The report also linked an Israeli American scientist, Dr. Joseph Moshe, to the spread of the fungus,” writes Even.

An outbreak of the fungus killed six people in Oregon and was predicted to move into northern California and possibly farther, according to experts. “No one knows how the species got to North America or how the fungus can thrive in a temperate region,” notes Christine Dell’Amoreof National Geographic News. Cryptococcus gattii is an airborne fungus native to tropical and subtropical regions, including Papua New Guinea, Australia, and parts of South America.

However, much like the H1N1 virus, the threat posed by the “killer” fungus appears to be little more than corporate media sensationalism.

“At its peak, we were seeing about 36 cases per million per year, so that is a very small number,” Christina Hull, an assistant professor of medical microbiology and immunology and of biomolecular chemistry at the University of Wisconsin School of Medicine and Public Health in Madison, told Bloomberg Businessweek on April 30.

Joseph Moshe is currently scheduled for a court hearing on his mental status on August 24, 2010, in California.

Vacina contra H1N1 contém Virus Vivo, Esqualeno e Adjuvantes

Adjuvantes aceleram ação da vacina e causam reações imunológicas mortais.  Descrição da vacina diz que a mesma provoca efeitos neurológicos colaterais

Por Luis R. Miranda
The Real Agenda
Maio 1, 2010

Como tem sido abundantemente comprovado, mercúrio e seus derivados são responsáveis pelo autismo em crianças emuitas outras doenças neurológicas, como a Síndrome da Guerra do Golfo. Mercúrio em sua forma mais comum de timerosal é colocado em quase todas as vacinas disponibilizadas ao público, normalmente como conservante. Como foi recentemente revelado pelo jornal Washington Post, muitas doses da nova vacina H1N1 serao armazenada em frascos de dose múltipla, que irao conter timerosal. Dados do Departamento de Educação relacionadas com estudos de 1992 e 1993 que foram comparados a dados de 2000 a 2001, revelam que o autismo tem aumentado em 644% entre as crianças nos E.U. Ao mesmo tempo, a Agencia de Alimentos e Drogas dos Estados Unidos (FDA) nunca exigiu às empresas farmacêuticas realizar testes de funcionamento. De acordo com Boyd Haley, o presidente do Departamento de Química da Universidade de Kentucky, o mercúrio é responsável por danos à mitocôndria.

Depóis de ler a transcrição e assistir o relatório onde o Dr. David Spencer, chefe do Centro de Control de Doencas (CDC), durante a crise da gripe de 1976 confessou que a vacina da gripe suína não foi testada antes de ser usada em 46 milhões de pessoas, agora tenho outra preocupação em relação à nova vacina contra H1N1. Foi confirmado que a nova vacina vai conter mercúrio e ingredientes derivados.

Devido ao uso de timerosal nas vacinas dadas às crianças, o número de casos de autismo aumentou em 1.500 por cento desde 1991. Este número corresponde ao período de tempo durante o qual o número de vacinas para crianças também aumentaram. Enquanto em 1991 havia uma criança com diagnóstico de autismo por cada 2500, hoje existem 166 crianças diagnosticadas para o 2500 mesmo. Estes números, bem como a pressão pública para interromper o uso de mercúrio em vacinas, obrigou algumas empresas para supostamente reduzir as quantidades de timerosal usado em seus produtos. Digo supostamente, porque, apesar de muitos médicos e outros profissionais de saúde assegurar às pessoas que a vacina é livre de mercúrio, esqualeno e adjuvantes, a verdade é que as descrições das vacinas páginas (Novartis 11-14) não só confirmam a utilização desses ingredientes, mas também confirmam que as vacinas não foram devidamente testadas (Sanofi Pasteur), a fim de conhecer os seus efeitos nas mulheres grávidas, crianças e jovens. Esses três grupos são os mesmos que o governo e as empresas pharmaceuticas tem como alvo nas campanhas de vacinação.

Enquanto o Center for Disease Control (CDC), a Organização Mundial da Saúde (OMS) e outras agências continuam empurrando vacinas que contém mercúrio e outros produtos farmacêuticos como forma de prevenir e curar a doença, o Departamento de Defesa dos Estados Unidos reconhece os perigos do mercúrio. “O mercúrio é um material perigoso, que pode causar a morte se ingerido, inalado ou absorvido através da pele.” Entretanto, a Environmental Protection Agency (EPA), limitou as emissões de mercúrio na produção industrial, porque pode danificar o cérebro e sistema nervoso e é especialmente perigoso em fetos e crianças pequenas. As pessoas não pensariam que o mercúrio é perigoso ou que as vacinas são prejudiciais ao assistir os noticiários. Isso é porque ha uma campanha para tentar covencer as pessoas de que o mercúrio é bom e para fabricar a creenca que as vacinas sao ainda melhor. Há alegações nos meios de comunicação que querem fazer-nos pensar o mercúrio é maravilhoso para as crianças. E quando tal crença não funciona, nunca falta propaganda que diga que as criancas são ruins para o mundo.

Embora existam estudos independientes que provam que a ingestao de mercúrio tem consequências perigosas para o corpo humano, as empresas farmacêuticas continuam a rejeitá-los e dizem que as quantidades de mercúrio nas vacinas são seguras para ser injetadas na corrente sanguínea. Entre as conseqüências derivadas da ingestao de mercúrio de acordo com um estudo Ruso de 1977 estao dano cerebral, necrose tubular e lesão do sistema nervoso, incluindo obnubilação, coma e morte. Os epidemiologistas Tom Verstraeten e Dr. Richard Johnston, pediatra e imunologista da Universidade do Colorado, concluíram que o timerosal foi responsável pelo aumento dramático nos casos de autismo, mas seus resultados foram demitidos pela CDC. Rússia proibiu o timerosal das vacinas das crianças em 1980. Dinamarca, Áustria, Japão, Grã-Bretanha e todos os países escandinavos também proibiram o preservativo.

Em 1948, Randolph Byers e Frederick Moll, da Harvard Medical School e da Federal Drug Administration, realizaram testes com vacinas DPT no Hospital Infantil de Boston e concluiram que graves problemas neurológicos poderiam seguir da administração de vacinas DPT. Os resultados dos ensaios foram publicados na revista Pediatria. Segundo o testemunho do secretário adjunto de Saúde, Edward Grant, Jr., diante de uma Comissão do Senado nos E.U. no dia 3 de maio de 1985, a cada ano, 35.000 crianças sofrem danos neurológicos relacionados com a vacina DTP. Uma figura ainda mais recentes sobre a reação à vacina DTP indica que 1 em cada 100 crianças reagem com convulsões ou colapso ou agudos e que uma em cada 3 destes, que é de 1 em cada 300 permanece permanentemente danificados . Para obter mais informações, leia o Treatise Alex Logia sobre “Vacinação”

Assim, mais uma vez, centenas de milhares, senão milhões de pessoas servirão como ratos de laboratório para testar uma vacina que provavelmente não funciona. Ambas as companhias farmacêuticas e agências de saúde ainda não sabem como fazer uma vacina que seguramente vai lutar contra o vírus sem prejudicar o público. Estima-se que cerca de 12.000 crianças nos E.U. serao injetados com mercúrio quando estes sejam vacinados contra a gripe H1N1. Os preparativos estão sendo feitos para a realização de campanhas de vacinação forçada, para inocular em massa milhões de pessoas em todo o mundo.

Então o que devemos fazer em relação a nova vacina? Nós certamente não podemos confiar no governo ou nas agências do governo que nunca conseguiram nos manter saudaveis com os seus produtos químicos e outras ameaças como fluoreto de sódio na água potavel. Na verdade, os governos patrocinam muitos dos programas que matam pessoas. Além disso, as empresas farmacêuticas estão imunes a uma ação judicial por parte dos consumidores pois os paises que usam as vacinas assinaram um documento que mantém as grandes empresas farmaceuticas livres de culpa se qualquer pessona fica doente o morre depois de ser vacinado.

Esteja ciente não há nenhuma lei ou qualquer mandato que obrigue voce a tomar vacinas. Portanto, nenhum servidor público ou privado, deve obrigar a tomar uma vacina ou um produto farmacêutico. Há renúncias que um pai pode usar para evitar tomar vacinas, o que também pode ser usado para impedir que os seus filhos sejam injetados na escola. A recomendação feita por muitos médicos, cientistas e enfermeiros que reconhecem os perigos das vacinas e mercúrio como um ingrediente em si é não tomar a vacina até que seja comprovado de forma independente que esta é segura. Outro passo que você pode tomar para manter-se e aos seus filhos a salvo de mercúrio e outras substâncias químicas contidas em vacinas e medicamentos, é melhorando as chances de se manter saudável, é o de melhorar o seu sistema imunológico com produtos naturais como o óleo de orégano, vitamina D3, água sem floreto de sódio assim como frutas e vegetais orgânicos.

Fontes de informacao:

Vacinas, Neurodesenvolvimento e Transtornos do Espectro do Autismohttp://web.mac.com/rblaylock/Russell_Blaylock_M.D./Articles/Entries/2008/3/12_Vaccines%2C_Neurodevelopment_and_Autism_Spectrum_Disorders.html

1. O objetivo de cada vacina H1N1 é Imunotoxicidade, neurotoxicidade e esterilidade
http://preventdisease.com/news/09/103009_vaccine_sterility_immunotoxicity_neurotoxicity.shtml

2. Novo estudo implica Mercúrio no desenvolvimento do autismo
http://stanford.wellsphere.com/autism-autism-spectrum-article/new-study-implicates-mercury-in-the-development-of-autism/202357

3. Vacinas, Autismo e Síndrome da Guerra do Golfo
http://www.rense.com/general67/vacc.htm

4. Washington Post: vacina contra gripe suína contém mercúrio
http://nationalexpositor.com/News/1603.html

5. CBS 60 Minutes: 1976 Propaganda para favorecer vacinacao contra gripe suína
http://www.youtube.com/watch?v=Ro1WL5ketWg

6. CBS K-EYE Mercúrio e bom para voce
http://www.youtube.com/watch?v=vZArebYZzdc

7. Crianças são ruins para o planeta?
http://www.sodahead.com/living/having-kids-is-bad-for-the-planet/question-249304/

8. Fatos científicos sobre Mercúrio
http://www.greenfacts.org/en/mercury/l-2/mercury-2.htm

9. Mercúrio, vacinas, autismo e a saúde do seu filho
http://www.naturalnews.com/011764.html

10. Painel cria lista de grupos para vacinar a populacao
http://www.washingtonpost.com/wp-dyn/content/article/2009/07/29/AR2009072903607_2.html?wpisrc=newsletter&wpisrc=newsletter&wpisrc=newsletter&sid=ST2009072903827

11. Wal-Mart quer ser centro de vacinacao
http://www.reuters.com/article/domesticNews/idUSTRE56T4I220090730

12. University of Alabama Implementa Programa de Vacinação Obrigatória
http://www.republicmedia.tv/index.php?option=com_content&view=article&id=3556:university-of-alabama-implements-mandatory-vaccination-program&catid=42:national-headlines&Itemid=53

13. Empresas que fabricam a vacina contra a gripe suína obtem imunidade
http://southeastern-massachusetts.injuryboard.com/fda-and-prescription-drugs/swine-flu-vaccine-makers-get-immunity-.aspx?googleid=267416

14. Experimentação médica nos humanos: A história chocante sobre a verdade da medicina moderna e psiquiatria (1833-1965)
http://www.naturalnews.com/019189.html

15. Associação Nacional de Autismo. O que provoca o autismo
http://www.nationalautismassociation.org/thimerosal.php

16. Boyd Haley comentários sobre o autismo e timerosal
http://adventuresinautism.blogspot.com/2008/03/boyd-haley-comments-on-thimerosal-and.html