Número de feridos na guerra da Síria ultrapassa 100 mil pessoas

POR LUIS MIRANDA | THE REAL AGENDA | MARCO 16, 2013

Não é um segredo que os EUA e outras forças militares ocidentais que trabalham para o complexo militar-industrial estão ajudando os terroristas na Síria para criar instabilidade e matar milhares de pessoas. Ainda ontem, foi confirmado mais uma vez que os Estados Unidos estão treinando rebeldes sírios no Jordão, para depois enviá-los para a Síria.

Os EUA também treinou terroristas na Turquia, e providenciou informações e armas para grupos terroristas na Síria que são usados ​​para atacar civis inocentes. Tudo isto contribui para crimes de guerra, mas ninguém no Ocidente vai pedir uma investigação sobre o assunto.

Enquanto isso, cerca de 100.000 sírios resultaram feridos na guerra de dois anos entre as forças governamentais e grupos rebeldes armados. Aproximadamente 25.000 pessoas ficarão desabilitados pelo resto das suas vidas, diz uma comissão de Inquérito da ONU para aquele país.

Estas vítimas são somadas aos mais de 70.000 pessoas reconhecidas pelo Alto Comissariado da ONU para os Direitos Humanos, uma figura que a entidade, no entanto, tem calculado conservadoramente, mas que é na verdade maior.

“As hostilidades se espalham através da Síria, com civis que se acham presos enquanto fogem das lutas bélicas. O resultado é uma onda de deslocamento que inclui mulheres e crianças que carregam um fardo enorme, com milhões sufrendo pela crise. Estas pessoas são vitimas de trauma e precisam de apoio psicológico “, disse o presidente da comissão, Paulo Pinheiro.

No entanto, nem Pinheiro, nem ninguém mais na ONU apelou para uma retirada imediata das tropas estrangeiras da Síria, que tem ajudado a transformar a crise em uma situação ainda mais complicada.

A escalada de violência nas últimas semanas explica como 160.000 sirios do total de 1 milhao que nos últimos dois anos fugiram do seu pais para buscar refugio, deixaram todo e atravessaram fronteiras em somente 12 dias, com destino a países vizinhos.

O plano das Nações Unidas para obter o Monopólio Militar

Este é o Tratado que nenhum cidadão de qualquer país deve permitir que os funcionários públicos introduzam, adoptem ou votarem a favor, nem em parte nem na sua totalidade.

POR LUIS MIRANDA | THE REAL AGENDA | JULHO 23, 2012

Todo mundo sabe sobre a Declaração Universal dos Direitos Humanos ou, pelo menos, já ouviu falar sobre alguns dos direitos mais importantes que ela contém. Há, no entanto, dois artigos que eu gostaria de me concentrar como um preâmbulo ao tema principal deste artigo. Os artigos são número 28 e número 29. Então, vamos citá-los aqui na íntegra e tentar entender suas implicações.

Artigo 28 da Declaração Universal dos Direitos Humanos diz o seguinte:

“Toda pessoa tem direito a uma ordem social internacional em que os direitos e as liberdades proclamados na presente Declaração possam ser plenamente realizados.”

Por favor, entenda que a Organização das Nações Unidas foi criada em 1945 e a Declaração Universal dos Direitos Humanos foi adotada oficialmente em 10 de dezembro de 1948 em Paris, França. São apenas três anos após a criação da Organização das Nações Unidas. Agora, por favor, pode me chamar de um teórico da conspiração, se quiser, mas o artigo 28 não se parece muito com o discurso que os políticos do mundo e os meios principais de comunicação vêm mostrando nos últimos três a cinco anos? O artigo 28 basicamente diz que temos direito a uma Ordem Mundial. Se este termo é novo para você, faça sua própria investigação e se familiarize com ele. Uma ordem social internacional é o que os banqueiros, políticos e os principais meios de comunicação vêm afirmando mais fortemente nos últimos 24 meses.

Artigo 28 da Declaração Universal dos Direitos Humanos está intimamente relacionado com o próximo artigo, número 29. Em sua essência, o artigo 28 diz que temos direito a ter uma ordem social internacional em que o conteúdo definido na declaração é plenamente realizado. Então, vamos conectá-lo ao seguinte artigo a fim de compreender a magnitude de seu significado antes de seguir em frente.

Artigo 29 da Declaração Universal dos Direitos Humanos diz o seguinte:

“Toda pessoa tem deveres para com a comunidade, na qual o livre e pleno desenvolvimento de sua personalidade é possível. No exercício de seus direitos e liberdades toda pessoa estará sujeita apenas às limitações determinadas pela lei, exclusivamente com o propósito de assegurar o devido reconhecimento e respeito dos direitos e liberdades de outros e de satisfazer as justas exigências morais, de ordem pública do bem-estar numa sociedade democrática. Esses direitos e liberdades não podem, em hipótese alguma, ser exercidos contrariamente aos propósitos e princípios das Nações Unidas.

O artigo completo 29 tem sérias implicações, mas é especialmente a última frase, juntamente com o artigo 28, que deve fazer algumas pessoas caírem de suas cadeiras. O que a última frase do artigo 29 da Declaração Universal dos Direitos Humanos quer dizer é que todos os direitos supostamente dados a qualquer pessoa sob essa declaração são nulos, se tais direitos sejam exercidos de uma maneira que se opõe aos princípios que regem a Organização das Nações Unidas. Então, por um lado, temos uma organização que, especificamente, pretende criar uma ordem mundial e, por outro lado, afirma a sua intenção de limitar ou eliminar direitos de um ser humano se considera que esses direitos infrinjam sua própria existência.

Se essa conexão entre os artigos 28 e 29 não são graves o suficiente para você, deixe-me acrescentar uma outra ressalva. A Organização das Nações Unidas como organização possui o status legal de uma pessoa. Embora pareça paradoxal, é exatamente como está escrito. A ONU é uma organização concebida por homens de monopólio que é legalmente entendida como sendo uma pessoa.

Alguns anos atrás, apareceram rumores sobre a maneira como a Organização das Nações Unidas estava pensando em algum tipo de acordo não vinculativo ou tratado que pediria que países membros adotassem controles mais rígidos de armas. Naquele momento, tudo parecia simples especulação. Em seguida, a ideia para a criação de um acordo de não-ligação ganhou um nome. Hoje, está publicamnete sendo identificado como o Tratado de Comércio de Armas. Embora o próprio nome sugere que pode ser uma espécie de plano para limitar, controlar ou proibir a venda de armas como forma de evitar o chamado comércio ilegal de armas, — do tipo de Fast & Furious — não é bem assim.

Como o título deste artigo sugere, o Tratado de Comércio de Armas (ATT), é o começo do plano das Nações Unidas para realizar um desarmamento mundial de todas as nações do planeta e, com ele, o desarmamento efetivo de cada pessoa que vive nessas nações. Como esperado, as advertências sobre as repercussões que tal tratado teria sobre o direito de manter e portar armas, que existe em muitos países, começaram imediatamente. A maioria desses avisos estão soando em países como os Estados Unidos, onde 130 congressistas escreveram a Barack Obama expressando as suas preocupações:

Nós escrevemos para expressar nossa preocupação sobre a negociação das Nações Unidas sobre o Tratado de Comércio de Armas de (ATT), cujo texto deverá ser finalizado em uma conferência a ser realizada em Nova York durante o mês de julho …. Os EUA não devem aceitar um tratado que viole os nossos direitos constitucionais, especialmente o direito fundamental individual de manter e portar armas que são protegidos pela Segunda Emenda “.

Além do Congresso, a Associação Nacional do Rifle (NRA) também soou o alarme em 29 de junho, advertindo sobre a ameaça que tal tratado representa para os direitos dos cidadãos, que acredita seriam violados se os Estados Unidos adotassem ou aceitassem tal tratado:

“… O Senado tem a palavra final sobre tratados e, afirmando a sua oposição inequívoca a qualquer tratado que afetaria a posse civil de armas de fogo, desafiar a autoridade do Congresso para regulamentar as armas de fogo nos Estados Unidos ou criar um registro de arma internacional”.

Embora a maior parte do texto do tratado a ser discutido em Nova York tem sido mantido fora do público, algumas partes muito reveladores foram colocadas à disposição que nos ajudam a entender o que este tratado pretende alcançar. Dê uma olhada na seguinte frase: “As agências das Nações Unidas se depararam com muitas situações em que vários tipos de armas convencionais foram … mal usadas por seus proprietários legítimos“. É por isso que a ONU propõe que um Tratado de Comércio de Armas seja criado para “maneiras de regular de forma que … minimizem o risco de mal uso de armas por seus proprietários legítimos.” Assim, a ATT se destina a regular aquelas pessoas que possuem armas de fogo porque a ONU acredita que alguns proprietários têm ou podem, no futuro, fazer mau uso das leis existentes que regem sobre a compra, venda e posse de armas de fogo em cada país.

Como explicado por Larry Greenly em seu artigo “Opor Assinatura e Ratificação do Tratado de Armas das Nações Unidas”, a ONU considera a posse de armas um fracasso e está propondo um tratado de armas, a fim de reduzir tal “fracasso”. Sr. Greenly corretamente afirma que “a ONU pensa que a posse de armas – mesmo sob a proteção constitucional nacional e para atividades lícitas – é como uma falha cultural que precisa ser corrigida e não tem paciência com a idéia de que a auto-defesa é um direito inerente. ”

Lembra da idéia de que o tratado não ia ser vinculativo? Bem, isso mudou e a ONU, agora, está falando sobre uma resolução completamente vinculativa para todos os membros. Que razão a ONU e suas instituições de apoio fornecem para concordar e aprovar um tratado de armas? “Estima-se que, aproximadamente, 750 milhões de pessoas são mortas a cada ano com violência armada. Outras milhões de vidas mais são afetadas por lesão e por ter seu meio de subsistência destruído “, disse o ministro para Assuntos Estrangeiros da ONU, Alistair Burt. Neste ponto é importante mencionar o fato de que durante o século 20 os governos assassinaram entre 260 e 350 milhões de pessoas. Não faz mais sentido, então, criar um tratado que acabe com formas violentas de governo, se tudo o que queremos é proteger as pessoas do uso perigoso e irresponsável de armas?

Apesar do Congresso e a NRA mostrarem sua preocupação com a ATT, ainda existem pessoas, especialmente na blogosfera e nos fóruns que dizem que, mesmo se aprovado, o tratado não teria qualquer impacto porque este tipo de acordo não pode substituir a Constituição. Isso é exatamente o que todos pensavam antes do Ato de Autorização da Defesa Nacional seria aprovado, antes da Lei Patriota ser aprovada, antes de Barack Obama dizer que iria governar mediante a emissão de ordens executivas se precisasse, antes de ele e Leon Panetta dizerem que o Pentágono não precisa de permissão do Congresso para realizar guerras no exterior se a ONU as autoriza.

O Tratado de Comércio de Armas também está subestimado porque alguns de seus detalhes se assemelham ou se originam a partir das idéias contidas no documento de Liberdade de Guerra assinado por John Kennedy em 1961. Vamos ver o que esse documento diz. Entre seus objetivos e metas, o texto diz que os estados-nação devem aderir aos padrões comuns de justiça e de conduta internacional. Isso é reforçado pelos princípios estabelecidos no documento, que dizem que “Quando os estados abandonam as armas, as Nações Unidas devem ser progressivamente reforçadas“. O desarmamento de todas as nações está programado em três etapas. Na fase 2, o plano é a “criação de uma força de paz internacional permanente no âmbito das Nações Unidas.” Em outras palavras, o documento de Liberdade de Guerra é uma ferramenta para fortalecer as Nações Unidas fortalecimento, que seria, ainda mais fortalecida com o Tratado de Comércio de Armas, o que daria um alcance global aos poderes já conferidos a ONU.

Um ponto interessante a fazer sobre o documento de Liberdade de Guerra e o novo Tratado das Nações Unidas sobre Comércio de Armas é que, em ambos os casos, a linguagem usada para descrever as metas, etapas e requisitos são tão vagos que, simplesmente, convida a qualquer interpretação se deseja a adotar. Esta é a parte mais perigosa de toda a questão. Imprecisão convida ao abuso e abuso traz repressão.

Quando se trata de aprender, especialmente sobre tirania, não há uma maneira melhor de fazer isso do que olhando para a história. Neste caso, vamos olhar para a história da preparação das Nações Unidas para o período que estamos entrando agora, e esse período é aquele em que a ONU vai fazer um grande esforço para desarmar todas as nações e os seus cidadãos. Uma referência para a análise da história recente leva-nos ao Instituto das Nações Unidas para Pesquisa do Desarmamento. Outra referência é um documento chamado a Remoção das Armas Militares das Mãos de Civis.

Ao descrever o uso de armas pequenas por cidadãos ou civis, o documento acima citado diz que “tais armas tornam cada vez mais difícil para a sociedade a reconstruição após um período de conflitos …… Essa realidade faz com que seja mais difícil para o Estado recuperar o monopólio da força “. A ONU acredita que o monopólio estatal da força deve ser o estado normal das coisas. Como explicado e citado anteriormente, todos nós sabemos, através do estudo de história, o que um monopólio de governo de força resultou no século passado. Então, por que a ONU estaria advogando para um passo atrás na direção do assassinato em massa de centenas de milhões de pessoas?

A razão pela qual a ONU promove o monopólio da força nas mãos dos Estados é porque, enquanto esta organização está trabalhando para desarmar as pessoas, está trabalhando ainda mais para se tornar o único poder de polícia do planeta. A ONU estará no poder completo das armas mais perigosas que existem hoje, se as nações concordarem com a propaganda divulgada pela ONU para “viver livre da guerra”, o que iria transformar a ONU no único administrador de todas as armas, pequenas e grandes. Que vantagens existiriam se as pessoas estivessem completamente desarmadas?

Para começar, “se tornaria difícil para qualquer um fazer lobby para a manutenção do direito do povo de possuir e portar armas“, diz o documento, porque a iniciativa da ONU seria vista como um esforço para oferecer segurança para as pessoas. Essa visão de que o direito de manter e portar armas vem da idéia de que pessoas que possuem armas é de serem capazes de caçar sempre que quiserem. Bem, na realidade, o direito constitucional de manter e portar armas não é sobre a caça, mas sobre o direito do povo de se defender da opressão do governo e daqueles que realizam suas ações.

O direito de manter e portar armas é um direito legítimo, porque foi constitucionalmente adotado e está escrito no documento que os países usam como base para realizar negócios em muitas partes do mundo. Isso nos leva a perguntar: de onde é que a ONU ganha a sua legitimidade? Para isso, precisamos voltar para a fundação das Nações Unidas. Quem é o fundador dessa organização? O principal proponente da ONU foi Alger Hiss, um advogado americano e espião comunista para o regime de Stalin, como foi testemunhado ao Congresso sob juramento por Whittaker Chambers, um antigo membro do Partido Comunista. Outros fundadores da ONU incluem a família Rockefeller, e alguns 30 ou 40 membros do Conselho das Relações Exteriores, entre outros. Rockefeller doou o terreno onde o edifício da ONU está hoje. Muitas pessoas vão dizer, ‘bem, mas todos os países concordaram em criar a ONU e assinaram o documento que legitimaram a sua criação’. Eu não caracterizaria essas ações na legitimação da ONU como apenas presentes na assinatura do texto que Hiss, os Rockefellers e os globalistas haviam escrito. Em outras palavras, a ONU não tem legitimidade para ser o organismo internacional que é hoje, uma vez que os fundadores de tal entidade não foram as nações do mundo, mas, sim, o Sr. Hiss, os Rockefellers e os outros membros do CFR.

Depois de abordar a questão da legitimidade, vamos continuar analisando a história recente das tentativas da ONU de desarmar todos nós. Um documento de 2011 escrito por Sarah Parker e intitulado “Melhorar a Eficácia do Programa de Ação sobre Armas Pequenas“, hospedado no site do Instituto das Nações Unidas para Investigação sobre Desarmamento, nos dá outra visão sobre o que as Nações Unidas têm em jogo. O objetivo principal deste documento é lançar mais luz sobre a iniciativa das Nações Unidas de limitar e, depois, eliminar a posse de armas pequenas por civis. Para atingir seu objetivo, os globalistas por trás da ONU querem implementar políticas de marcação e rastreamento de armas de fogo, bem como a criação de um banco de registo de dados digital de todas as armas nas mãos de civis. A ONU também quer “eliminar e destruir” todas as armas que recolhe de indivíduos e governos, estabelecer a “moratória sobre a fabricação de armas de fogo pequenas“, que é o que Obama anunciou que vai fazer em seu segundo mandato como presidente dos Estados Unidos e o que o prefeito de Nova York Michael Bloomberg já começou a fazer.

De acordo com as diretrizes do Programa de Ação acima mencionado, a ONU está pedindo mais regulamentação na posse de armas de fogo. “Mais controle para os proprietários de armas de fogo é necessário“. O documento também descreve como a ONU não tem dinheiro para criar um registro eletrônico e como as nações deveriam contribuir para criar um fundo que permitiria a ONU de ser capaz de rastrear todas as armas de fogo. O que a ONU está propondo, então, é que cada país crie um banco de dados de registro nacional de armas, cuja fiscalização será transferida para a ONU para que não custe um centavo para os globalistas por trás da organização.

Há uma necessidade de “treinar a polícia na coleta de armas e sua destruição”. Lembra o que aconteceu com os moradores de Nova Orleans após o furacão Katrina? Se vocês não estão cientes, a Guarda Nacional dos EUA tomaram as ruas de Nova Orleans para confiscar, ilegalmente, armas de fogo de seus proprietários legais. Membros da Guarda chutaram portas, bateram em proprietários de armas e confiscaram todos os tipos de armas de fogo para “manter as pessoas seguras”. “Treinamento é necessário em métodos modernos de destruição“, continua a descrever o documento.

Na seção rotulada Conscientização Pública, o Programa de Ação diz que é necessário reforçar a campanha da ONU para se livrar de todas as armas e que esta campanha precisa ter um amplo alcance social. Diz, também, que tais campanhas devem incluir formas de pacificar as pessoas que são contra a entregarem suas armas por medo de tornarem-se impotentes caso algum abuso governamental aconteça, o que o documento chama de percepções falsas. Mesmo? Depois de 350.000.000 mortes a ONU vê o uso de força dos governos como uma falsa percepção?

Claro, o fracasso da ONU para acabar com tal percepção requer a realização do comércio ilegal de armas — como Fast and Furious — para fabricar a necessidade de ter um Tratado de Comércio de Armas. E como se a existência de um comércio ilegal de armas não fosse um falso pretexto suficiente para trazer a regulação do direito individual de possuir e portar armas para defender-se de governos opressores e criminosos, a ONU também cita o fato de que a criação de um acordo vinculativo global legitima a sua tentativa de limitar a posse de armas de fogo.

Em suma, uma organização ilegítima criada por globalistas e banqueiros em 1945 encontrou uma maneira de requerer o desarmamento completo de todos os países do mundo e de todos os cidadãos desses países sob a desculpa de que um mundo mais pacífico pode ser alcançado em que a organização torna-se o único proprietário de todas as armas que existe na superfície do planeta, no espaço e sob o solo. Esta mesma organização, na sua declaração Universal dos Direitos Humanos, afirma que temos direitos que podem ser exercidos, a menos que a ONU decida que o exercício desses direitos viola a sua existência. De acordo com os planos da ONU, é preciso haver apenas uma polícia que garante a paz e impede conflitos, impondo força sobre qualquer um que ouse desafiar o seu reinado sobre todas as nações e indivíduos. Esta organização, por todos conhecida como a Organização das Nações Unidas, também nos proporcionou o direito de viver sob uma centralizada ordem mundial social que ela própria irá comandar.

O que você pensa desta espiada no futuro de nossas vidas sob o reinado das Nações Unidas comandada por banqueiros e globalistas e seu Tratado sobre Comércio de Armas?

Esterilização Forçada: O Segredo Mais Escuro do Peru

Uma investigação sobre se o governo de Alberto Fujimori realizou esterilizações forçadas em massa na década de 1990 foi reaberto. Estas atrocidades foram apoiadas pelas Nações Unidas e a USAID.

Tradução Luis Miranda
The Real Agenda
12 dezembro 2011

O rosto da Victoria Vigo não mostra nenhuma emoção quando ele narra como descobriu – por acaso – que tinha sido cirurgicamente esterilizada contra sua vontade. Em estágios avançados da gravidez, foi internada em um hospital público na cidade de Piura na costa norte do Peru, em abril de 1996 para submeter-se a uma cesariana. Poucas horas após o procedimento, seu filho recém-nascido morreu e a Sra. Vigo, 32 anos de idade na época, estava sendo consolada por dois médicos.

“Eu estava exausta e só queria ir para casa”, diz a Sra. Vigo. “Os médicos estavam tentando confortá-la e disseram que eu era ainda muito jovem e poderia ter mais filhos. Mas então, depois que eu ouvi que eles estavam conversando e um disse que não seria possível para mim ter mais filhos, porque ele tinha me esterilizado. ”

O fato é que a Sra. Vigo não tinha dado permissão para ser cirurgicamente esterilizada. O médico havia omitido o detalhe de sua história médica e ela não foi informada. “Eu me senti completamente violada e brutalmente. Ainda não posso entender o que o motivou “, diz a Sra. Vigo. “Me esterilizou e, em seguida, escondeu as provas. Eu poderia ter tentado durante anos para ter outro filho sem saber ou imaginar. ”

Duplamente traumatizada, a Sra. Vigo foi para casa, sem enfrentar o médico. Mas, eventualmente, processou ele em 2003, e ganhou uma compensação de aproximadamente 2.000 libras. Durante o julgamento, o médico disse que ele tinha seguido as instruções e a prática de esterilização de pacientes – com ou sem seu conhecimento ou consentimento – era comum entre os profissionais de saúde pública no Peru.

O argumento pode agora finalmente ser provado em tribunal, depois que o Procurador Geral do Peru reabriu no mês passado uma investigação sobre a esterilização forçada que teriam acontecido durante os governos de Alberto Fujimori, presidente entre 1990 a 2000. Fujimori está cumprindo uma sentença de 25 anos de prisão por peculato, e por dirigir esquadrões da morte durante a repressão contra o Sendero Luminoso.

A pesquisa será estudará todo sobre a questão da esterilização forçada enquanto se concentra no caso de Mamérita Mestanza, 33 anos, mãe de sete filhos quem somente fala Quechua e mora na região andina de Cajamarca. Ela morreu em 1998 devido a complicações da cirurgia de esterilização que as autoridades de saúde a obrigaram a aceitar.

Segundo grupos de direitos humanos, pode ter sido cerca de 300.000 vítimas, a maioria mulheres, na sua maioria pobres e indígenas, muitas vezes com um conhecimento do espanhol limitado. “Eles eram os mais fracos e mais vulneráveis”, diz a Sra. Vigo, cujo caso ainda é o único que chegou aos tribunais, no Peru.

Segundo o Centro de Nova York para os Direitos Reprodutivos, o Peru de Fujimori é um dos dois lugares onde a esterilização forçada foi adotada como política de Estado desde o Terceiro Reich.

O caso havia sido arquivado em 2009 depois de ser considerado que muito tempo tinha passado e que existiam limitações estabelecidos pelo sistema legal do Peru para rever os casos. No entanto, os promotores reclassificaram as esterilizações como crimes contra a humanidade, ou seja, sem limite de tempo para que os responsáveis sejam levados à justiça.

Esta decisão pode pavimentar o caminho para um processo e julgamento de alto perfil contra Fujimori e seus três ministros da saúde Eduardo Yong Motta, Alejandro Aguinaga e Costa Marino Bauer.

Embora tenham reconhecido que houve problemas em casos individuais, os quatro negaram que tivessem ordenando as esterilizações forçadas. Silvia Romero, uma advogado que representa a Associação de Mulheres Afetadas pela Esterilização Forçada, que tem cerca de 2.000 membros, principalmente na região de Cusco, responde: “Esta foi uma política de Estado que veio dos mais altos escalões do poder” .

Mas a Sra. Vigo também quer que os médicos que fizeram a sua esterilização sejam julgados. Ela acredita que as recentes declaracões feitas pela Associação Médica do Peru, que seus membros foram pressionados a fazer esterilizações, mesmo com a ameaça de perder o emprego, são demasiado pouco, demasiado tarde. “Eles tinham uma escolha”, diz ela. “Se mais médicos tivessem falado contra na época, a esterilização nunca teria acontecido.”

Fujimori ofereceu pela primeira vez a política de esterilizaçoes gratuitas para homens e mulheres em 1995 como uma maneira de lidar com a pobreza endêmica do Peru e do crescimento populacional. No começo, ele recebeu uma recepção calorosa, inclusive das Nações Unidas, que forneceu apoio financeiro. Igualmente, a Agência dos Estados Unidos para Ajuda Internacional, USAID, doou US $ 35 milhões (£ 22 milhões).

Mas a palavra se espalhou rapidamente que os médicos estavam sob pressão para cumprir os objetivos de esterilização, e que os pacientes que estavam sendo enganados ou intimidados para realizar o procedimento. Grupos de direitos humanos tem mostrado relatórios sobre casos suspeitos de pessoal médico e membros das forças armadas, que foram obrigados a passar por esterilizações simplesmente para permitir que clínicas compensaram os números. Como o escândalo se multiplicou fora de controle no governo de Fujimori, a Comissão de Direitos Humanos interveio e supervisionou um acordo em 2001 entre o Estado peruano e a família da Sra. Mestanza, incluindo o pagamento de uma indemnização de 100.000 dólares. A Comissão também instruiu as autoridades peruanas para levar os perpetradores à justiça e reparar os danos causados a todas as vítimas – uma ação que ainda não foi cumprida.

Esterilizações são ainda muito controversas e sem dúvida o tema influenciou o resultado na eleição presidencial de junho em que a filha de Alberto Fujimori, Keiko, perdeu a sua popularidade depois que muitos detalhes sobre as esterilizações foram revelados ao público. Ela pediu desculpas às vítimas, enquanto culpou um grupo de médicos “maus” pelos procedimentos.

De acordo com a Sra. Romero, as esterilizações continuam sendo “os crimes mais esquecidos dos governos de Fujimori.” Isto é em parte devido à magnitude da prática. Mas também devido ao fato de que, ao contrário de abusos dos direitos humanos realizados por ordem de Fujimori na luta contra o Sendero Luminoso, as esterilizações nunca foram consideradas seriamente pela Comissão de Verdade e Reconciliação do Peru.

Tudo isso deixa a Sra. Vigo perguntando-se por que ela? Em muitos aspectos, foi uma vítima atípica. Qualificada como professora, trabalhou como administradora na empresa de construção de sua família, tornando-a um alvo improvável para uma prática que visa reduzir a pobreza.

Agora acredita ter sido escolhida para o procedimento como resultado do infortúnio, na confluência do fato de que ela já tinha dois filhos e a pressão sobre os médicos no hospital para cumprir as cotas, “Eu não era uma candidata para esterilização “, diz ela. “Eu não encaixava no perfil.

“Claro que mudou minha vida. Eu tenho a sorte de ter dois filhos, mas eu queria mais, incluindo uma segunda ou terceira criança com o meu marido [o seu primeiro filho é de uma relação anterior]. O instinto da maternidade é tão poderoso. Quando isso é tirado de você leva o seu único propósito na vida, sua razão de ser. ”

Sobre o Fujimori, ela diz: “eu votei nele duas vezes. Como presidente, ele fez muitas coisas boas. Eu olhei para ele como uma filha olha para um pai. O que ele fez para mim foi o pior tipo de abuso de confiança. ”

Sendero Luminoso Pede Anistia

Sendero Luminoso foi derrotado militarmente e seus poucos membros restantes estariam dispostos a desarmar, um dos líderes do grupo terrorista, admitiu pela primeira vez.

De seu esconderijo na floresta no leste dos Andes, o camarada Artemio, disse que o grupo queria uma anistia para sair do esconderijo. Mas o presidente Ollanta Humala prometeu acabar com Sendero Luminoso. A maioria dos peruanos estão fartos com suas numerosas atrocidades, incluindo explodir corpos das vítimas na frente de suas famílias.

No final de 1990 e início de 1980, inspirado por um estilo de ideologia do Khmer Vermelho, o grupo levou o Peru a uma guerra civil que custou 70.000 vidas. Mas eles caíram em uma espiral descendente desde que o fundador e líder Abimael Guzmán foi capturado em 1992.

Os poucos soldados restantes continuam a patrulhar as áreas montanhosas remotas, às vezes até derrubam helicópteros, mas agora parecem mais interessados em tráfico de cocaína do que na revolução.

Artigo original publicado por Simeão Tegel no The Independent.

Nova Ordem Econômica e Política Mundial à Vista

George Soros tem a intenção de cooptar os países do terceiro mundo, apelando para a participação dos países em desenvolvimento como parte da solução. O controle do novo sistema, no entanto, permanecera nas mãos dos globalistas como ele e seus fantoches eleitos em cada país.

Business & Media Institute
Adaptação de Luis R. Miranda
23 Março, 2011

Em 08 de abril, um grupo financiado com 50 milhões de dólares de contas bancárias de George Soros organizou uma importante conferência econômica e a meta para este evento é “estabelecer novas normas internacionais” e “reforma do sistema monetário.” É tudo de acordo com um plano publicado em uma coluna de 04 de novembro de 2009, onde Soros disse que havia uma necessidade de “reordenar muita coisa no sistema financeiro”.

Globalista e bilionário George Soros

O evento de abril reunirá “mais de 200 acadêmicos, empresários, políticos e burocratas para repetir a famosa reunião de 1944 chamada de Bretton Woods, que ajudou a criar o Banco Mundial e o Fundo Monetário Internacional. Soros quer um “sistema multilateral” ou um novo sistema econômico em que os EUA não seja tão dominante. Esse lugar será ocupado pela China comunista.

Mais de dois terços dos oradores programados têm ligações directas a Soros. O bilionário que acredita que “o principal inimigo da sociedade aberta, creio eu, já não é o comunismo, mas a ameaça capitalista”. Isto não é surpreendente, já que Soros apoia uma regulamentação comum e disse que a China é o modelo em termos de controle monetário, econômico e populacional, entre outros.

Até agora, esta reunião global tem gerado menos publicidade do que um concurso de ortografia. Isso ocorre apesar de ter pelo menos quatro jornalistas na lista de oradores, incluindo um editor do Financial Times e os editores da Reuters e The Times. Considerando-se as advertências de Soros do que poderia acontecer sem um novo acordo, esta pouca divulgação deve ser um grande problema. Mas não é.

O que é um grande problema é que Soros está fazendo exatamente o que ele queria. O seu comentário de 2009, pressionou por uma “nova conferência de Bretton Woods, incluindo a criação da nova estrutura financeira pós-Segunda Guerra Mundial.” E ele tinha fixado as rodas em movimento. A ordem financeira mundial criada após a guerra, e através da qual os globalistas adquiriram tudo, foi a mesma que estabeleceu os EUA como o único super poder, e agora esta mesma diretriz quer ser usada para instalar a China como a cabeça do novo sistema globalista.

De fato, a América tem sido utilizada pelos globalistas para avançar suas agendas de conquista usando sua influência militar e econômica para promover a desregulamentação financeira que lhes permitiu controlar a sociedade global. A utilização de um sistema que no começo tinha tintes capitalistas, mas que nunca atingiu o seu potencial, tornou-se corporativista, baseado no controle corporativo dos governos que hoje perpetua a centralização do poder econômico, político e militar.

Apenas uma semana antes que este editorial ser publicado, Soros havia fundado o Instituto de Novo Pensamento Econômico (INET), em Nova York, o grupo anfitrião da conferência no Mount Washington Resort, o hotel que abrigou primeira reunião. A mais recente foi realizada na Universidade Central Européia em Budapeste. CEU recebeu 206 milhões de dólares de Soros em 2005 e tem 880 milhões a mais do seu fundo, de acordo com o The Chronicle of Higher Education.
Isto, também, é uma reunião de fantoches do Soros. INET terá personalidades como o ex-primeiro-ministro britânico, Gordon Brown, o ex-presidente do Fed, Paul Volcker e Soros, para produzir “um monte de idéias de alta qualidade.”

Apesar que INET diz que mais de 200 estarão presentes na conferência, apenas 79 oradores estão inscritos no seu site – e já se parece com uma convenção Soros. Vinte e dois são membros do INET e outros três tem bolsas de Soros. Dezenove outros empregados são listados como membros da operação Project Syndicate; segundo eles uma -”fonte preeminente do mundo dos comentários originais de opinião” que inclui 456 jornais de grande circulação em 150 países e é financiado pelo Open Society Institute propiedade do Soros. Isso é apenas o começo.

Entre os palestrantes estão:

* Volcker é presidente do conselheiro econômico do presidente Obama. Ele escreveu o prefácio para o um dos mais conhecidos livros de Soros, “A Alquimia das Finanças” e elogiou o Soros como “um especulador de sucesso” que escreveu “com visão e paixão” sobre as questões da globalização.

* O economista Jeffrey Sachs, diretor do Instituto da Terra e destinatário da caridade Soros. Sachs, recebeu 50 milhões de dólares do Soros para o Projeto do Milênio das Nações Unidas, que também dirige. Sachs é reconhecido internacionalmente por sua economia liberal. Em 2009, por exemplo, queixou-se dos impostos nos EUA, que segundo ele eram muito baixos, dizendo que os EUA “tinha que aumentar os impostos, sem dúvida. Este é um evento Soros, de cima para baixo. Mesmo Soros admite que suas ligações com o INET sao um problema, e diz, “há um conflito de interesse que eu reconheço plenamente.” Ele diz que fica de fora das operações. Isso é impossível. Todo o evento é financiado e explorado por ele.

Ex-economista do Banco Mundial, Joseph Stiglitz, um amigo de Soros que uma vez falou do desastre causado pelo Banco Mundial, é parte do evento.

INET não é sutil sobre suas metas para a conferência. Quando entrevistado, Robert Skidelsky, membro do conselho de INET, sobre a necessidade de uma nova Bretton Woods, em um vídeo recente, Skidelsky nao poupou comentários a favor disto. O slide de introdução para o vídeo fala sobre como a questão da moeda e da tensão entre os EUA e a China estão renovando as chamadas para uma reforma financeira global. ” Skidelsky pediu um novo acordo e disse no vídeo que o conflito entre os EUA e a China estava “no centro de qualquer acordo financeiro que possa ser negociado, que precisa ser negociado.”

Soros describiu no editorial em 2009 que o conflito entre os EUA e a China é “outra escolha difícil entre duas maneiras fundamentalmente diferentes de organização: capitalismo internacional e capitalismo de Estado (comunismo). Ele concluiu que “um novo sistema multilateral baseado em princípios mais sólidos deve ser inventado.” Conforme ele explicou, em 2010, “precisamos de um xerife global”.

Na versão 2000 do seu livro Open Society: Reforma do Capitalismo Global”, Soros escreveu sobre como as instituições de Bretton Woods” falharam dramaticamente ” durante a crise econômica no final de 1990. Quando pediu um novo Bretton Woods em 2009, queria “restaurar o Fundo Monetário Internacional, e à reestruturação das Nações Unidas para instar a China e outros países.

“A reorganização da ordem mundial se estende além do sistema financeiro e o envolvimento das Nações Unidas, especialmente os membros do Conselho de Segurança”, escreveu ele. “Esse processo deve ser iniciado por EUA, mas a China e outros países em desenvolvimento devem participar de forma igualitária.”
Soros destacou que este ponto tem que ser uma solução global, fazendo com que os Estados Unidos seja parte da lista. “Potências emergentes devem estar presentes na criação deste novo sistema para garantir que eles são contribuintes ativos.”

E isso é exatamente o tipo de detalhes que INET está publicando no seu site, com ênfase na “reconstrução da União Europeia e os emergentes da Europa Oriental, América Latina e Ásia. “Nestes planos, a China é preeminente, com personagens como um economista sênior do Banco Mundial em Pequim, o diretor da Academia Chinesa de Ciências Sociais, o principal conselheiro da Comissão Reguladora Bancária da China e do Director do Centro de Negócios Estrangeiros EUA-China. Todos eles defendem as velhas e conhecidas políticas globalistas que procuram que os países industrializados paguem novas iniciativas de gastos, especialmente nas áreas de energia sustentável, alterações climáticas, educação e alívio para os pobres.

* Um amigo de Soros, Joseph E. Stiglitz, antigo vice-presidente e economista-chefe do Banco Mundial e ganhador do Prêmio Nobel em Economia tem a mesma opinião que Soros. Ele criticou economistas de livre mercado, que ele chama de “fundamentalistas do mercado livre.” Naturalmente, Stiglitz faz parte do INET e é um contribuinte do Project Syndicate.

* O director executivo do INET Rob Johnson, um ex-presidente da Soros Fund Management, que faz parte do Conselho de Administração do Economic Policy Institute se queixou de que a intervenção do governo na crise fiscal não era suficiente e quis “reestruturação”, incluindo a aplicação “de cartas de demissão de altos executivos de todos os grandes bancos”.

Tudo isso é fácil de fazer quando você tem disponível o George Soros, que financia mais de 1.200 organizações. Só que nenhum destes grupos poderia organizar um evento como esse. Grupos como o MoveOn.org e o Center for American Progress não se tornaram proeminentes pela sua discreção. O mesmo acontece a nível mundial, onde Soros doou mais de 7.000 milhões de dólares para a Open Society Foundations – incluindo meios de comunicação que estão apenas a um telefonema de distância.

George Soros quer que China seja a nova superpotência. Depois de Bretton Woods e até hoje, globalistas como Soros usaram Estados Unidos como instrumento para controlar a sociedade global.

Por que é que estes meios controlados por Soros não publicaram informações sobre o evento? Afinal, Soros advertiu que tudo isso tem que acontecer, porque “a alternativa é assustadora.” O bilionário, que odeia George W. Bush disse que “a América é assustadora, porque uma superpotência em declínio político e econômico, mas que ainda mantém a supremacia militar é uma coisa perigosa.”

O império de Soros não diz nada sobre esta nova conferência de Bretton Woods, uma vez que não só é projetada para mudar as regras econômicas globais. Ela também é projetada para colocar a América em seu lugar, como parte de um mundo multilateral da maneira que Soros quiser. Ele escreveu que os EUA “Pode dirigir um esforço cooperativo para incluir os países desenvolvidos e em desenvolvimento e, assim, restaurar a liderança norte-americana de uma maneira aceitável.”

Isto é o que esta conferência quer: mudar a economia mundial e os EUA para serem “aceitáveis” para George Soros.

“O Autoritarismo é o estado natural da Humanidade”

O professor David Shearman, conselheiro do IPCC das Nações Unidas diz que os humanos são um “eco-tumor maligno” e um “câncer ecológico”.

Versão Português Luis R. Miranda

Um professor influente que foi consultor do IPCC das Nações Unidas pediu para que a democracia para seja substituída por uma eco-ditadura, onde as massas escravizadas são regidas por “elites” e obrigados a seguir uma religião verde. Este é outro exemplo impressionante de como os alarmistas do aquecimento global estão se mostrando como os eco-fascistas que são.

David Shearman é professor emérito de medicina na Universidade de Adelaide, e professor visitante no Departamento de Geografia da Universidade e Ciências do Ambiente e da Faculdade de Direito. Shearman foi consultor do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas, em seu Terceiro e Quarto Relatório de Avaliação.

Em seus escritos, Shearman, rótula a humanidade como um “tumor ecológico maligno” e um “câncer ecológico”, e diz que “o autoritarismo é o estado natural da humanidade” e para salvar o planeta da mudanças climáticas, pelo qual a humanidade é equivocadamente responsabilizada, precisamos da “liderança de guerreiros de elite” treinados para lutar pelo futuro da terra.”

Parte desta batalha envolve a substituição das religiões tradicionais, como o cristianismo e o islamismo com uma nova religião verde que segundo ele ficaria melhor com um governo autoritário.

“Não é impossível que a partir do movimento verde e aspectos do movimento da nova era exista uma alternativa religiosa ao cristianismo e islamismo”, escreve Shearman. “Não é muito difícil imaginar como essa nova religião poderia ser. Pode exigir um Deus transcendente que iria punir e recompensar , porque os seres humanos parecem precisar de uma cenoura e um pedaço de pau”.

O “Deus transcendente” do Shearman é o Deus do Estado, que pune os cidadãos escravos pelos seus delitos, nos seus termos de totalitárismo ecológico. Ele defendeu abertamente a produção artificial de um Deus novo e uma nova religião, de modo que as massas do povo escravizado sob sua planejada eco- autocracia estejam vinculados ao programa de lavagem cerebral. Isto, obviamente, tem suas raízes nas crenças pagãs que bárbaros sacrifícios são necessários para apaziguar a mãe terra, que em uma fase na história incluiu mães que participavam no assassinato dos seus próprios filhos como instrumento para atingir o bem coletivo.

Ainda mais frio, Shearman defende a criação de centros de reabilitação onde os eco-zumbis são treinados para fazer parte de um exército ecológico de executores.

“Capítulo 9 descreve em detalhes como o processo poderia começar a construção com uma verdadeira universidade para treinar os eco-guerreiros para lutar contra os inimigos da vida. Temos que ter essa educação com a mesma dedicação que Esparta teve ao treinar seus guerreiros. Como em Esparta, essas elites naturais são especialmente treinadas desde a infância para enfrentar os desafios difíceis do nosso tempo “, escreve Shearman.
Shearman descreve sua visão de uma ditadura mundial composto pela elite dominante no planeta, na página 134 de seu livro, “O Desafio da Mudança Climática e o Fracasso da Democracia”.

“O governo, no futuro será baseado em um. . . Escritório Supremo da Biosfera. O escritório terá filósofos e ambientalistas especializados. Esses mentores vão governarse a si mesmos ou um governo autoritário, com conselhos sobre as políticas de formação com base na sensibilidade ecológica e filosófica. Esses representantes são especialmente treinados para a tarefa.”

“Se isto fosse escrito em um blog, o plano provavelmente causaria uma visita da ramo da polícia anti-terrorista”, escreve Haunting no Blog da Biblioteca. “Mas o fato de que ele é um professor de uma grande universidade, que trabalha para o IPCC e foi escrito a pedido de uma instituição acadêmica séria, fundada por ato do Congresso, significa que o autor não precisa temer de nada. Mas o resto de nós deveriamos.”

“Eu poderia continuar citando o livro, mas tenho certeza que você tem a essência do que é aqui proposto: o aquecimento global representa um perigo enorme e imediato para o que a democracia já não funciona, e um governo autoritário orgânico de “elites naturais ” deve ser seu substituto e uma nova religião ecológica pode ajudar a fornecer a “cola social para as atrair as massas.”

Como temos documentado, Shearman não está sozinho em sua chamada pela supresão da liberdade e para que esta seja substituída por uma tirania verde autoritária. Na verdade, esta é uma causa comum adotada por uma série de ativistas e cientistas influentes no tema das mudanças climáticas.

– O ambientalista finlandês e alarmistas do aquecimento global, Pentti Linkola apelou publicamente para que os céticos do aquecimento global sejam “reeducados” em eco-campos de concentracão e a grande maioria dos seres humanos sejam assassinados. O resto resto da população deve ser escravizada e controlada pelo Estado e esterilizada à força, os veículos apreendidos e as viagens restringida, mas não para os membros da elite. Linkola quer que os últimos 100 anos de progresso da humanidade sejam “destruídos”.

– James Lovelock, criador da hipótese Gaia, disse ao jornal The Guardian no ano passado que “a democracia deve ser colocada em espera” para combater o aquecimento global e que “algumas pessoas de autoridade” devem controlar o planeta.

– Este sentimento foi ecoado por Keith Farnish, escritor e ambientalista, que afirmou num livro recente que ele apoia a sabotagem e o terrorismo ambiental como a demolição das barragens e cidades, a fim de devolver o mundo para a era agrária. O proeminente alarmista do aquecimento global da NASA, Dr. James Hansen, um aliado do Al Gore aprovou o livro escrito pelo Farnish.
– O czar da ciência da Casa Branca, John P. Holdren também defende obscenas práticas ditatoriais, eco-fascistas e desumanas em nome do ambientalismo. Em seu livro Ecoscience, Holdren pede um “sistema tirânico planetário” para realizar abortos forçados e procedimentos de esterilização forçada, bem como drogar o abastecimento de água em uma tentativa de sacrifício humano.

– Outra figura de destaque no debate sobre mudanças climáticas que exemplifica o sistema de crenças violentas é o Dr. Eric R. Pianka, um biólogo americano baseado na Universidade do Texas em Austin. Durante um discurso para a Academia de Ciências do Texas em 2006, Pianka defendeu a necessidade de exterminar 90% da população mundial com o vírus Ebola no ar.

Para uma amostra do que iria viver sob a tirania do Shearman, basta dar uma olhada no vídeo a seguir, que como exploramos em detalhe recentemente, promove a instituição de, literalmente, “cidades prisão”, onde as populações são controladas com sistemas de alta tecnologia, sua comida é racionada e onde o Estado regula todos os aspectos da sua existência e prende aqueles que se recusam a seguir os seus dogmas em ‘guetos miseráveis’.