Fluoración del Agua: El Caso más grande de Fraude Científico del Siglo

Robert Carlton, Ph.D, ex-científico de la EPA
Traducción Luis R. Miranda

La historia de obligar a los seres humanos a usar este desecho industrial tóxico a través de la fluoración del agua potable se hace con mentiras, avaricia y engaños. Los gobiernos añaden fluor al agua potable e insisten en que es seguro, beneficioso y necesario, sin embargo, la evidencia científica muestra que el flúor no es seguro para ser usado en ningún tipo de actividad saludable y los países que ponen flúor en el suministro de agua potable tienen mayores índices de caries, cáncer, fluorosis, osteoporosis y otros problemas de salud. Debido al impulso de la industria del aluminio, las empresas farmacéuticas y los fabricantes de armas, el flúor sigue siendo añadido al agua de casi todo el mundo, y debido a demandas recientes contra empresas que ponen este aditivo en el agua potable, el precedente se estableció que hace casi imposible que más demandas se presenten contra los proveedores de agua con flúor.

Hay una creciente resistencia en contra de añadir flúor a nuestro suministro de agua, pero por desgracia, debido a que el flúor se ha convertido en una parte importante de la economía moderna y la industria (Bryson 2004), hay mucho dinero en juego para aquellos que endosan la fluoruración del agua. Las mentiras sobre los beneficios de la fluoración del agua siguen siendo alimentadas en las cabezas de la gente, no por los beneficios a la salud, sino para beneficio del complejo militar-industrial.

La historia comienza en 1924, cuando Interessen Gemeinschaft Farben (IG Farben), una empresa química alemana, comenzó a recibir préstamos de los banqueros norteamericanos, poco a poco y para la creación del enorme cartel de IG Farben. En 1928, Henry Ford y American Standard Oil Company (la familia Rockefeller) fusionaron sus activos con la IG Farben, y por los años treinta, hubo más de un centenar de empresas de EE.UU. que tenían filiales y asociaciones con ellos en Alemania. Los activos de I.G. Farben en los Estados Unidos estaban controladas por una sociedad, American IG Farben, que figuraba en el sector marítimo y al cual pertenecían personas como Edsel Ford, presidente de Ford Motor Company, E. Mitchell, presidente de Rockefeller, el National City Bank of New York, Walter Teagle, presidente de la Standard Oil de Nueva York, Paul Warburg, presidente de la Reserva Federal y el hermano de Max Warburg, el financiero de Alemania y promotor de las guerras, Herman Metz, un director del Banco de Manhattan, controlado por Warburg, y varios otros miembros de los cuales tres fueron juzgados y condenados como criminales de guerra en Alemania por sus crímenes contra la humanidad. En 1939, en virtud del acuerdo Alted, la American Aluminum Company (ALCOA), entonces el mayor productor mundial de flúor de sodio, y Dow Chemical Company transfirieron su tecnología a Alemania. Colgate, Kellogg, Dupont y muchas otras compañías finalmente firmaron acuerdos entre las empresas con IG Farben, creando un poderoso grupo de cabildeo apodado “la mafia de flúor” (Stephen 1995).

Al final de la Segunda Guerra Mundial, el gobierno de EE.UU. envió a Charles Eliot Perkins, un investigador en química, bioquímica, fisiología y patología, para trabajar en las plantas químicas de Farben en Alemania. Los químicos alemanes dijeron a Perkins sobre un programa que habían concebido durante la guerra y había sido adaptado por el Estado Mayor alemán. El alemán explicó su intención de utilizar productos químicos para controlar la población en un área determinada a través de la medicación masiva de agua potable con flúor de sodio, una táctica utilizada en Alemania y Rusia en los campos de prisioneros de guerra para hacer que los prisioneros fueran más”estúpidos y dóciles “(Stephen 1995). Farben había desarrollado planes durante la guerra para el uso de flúor en los países ocupados porque se descubrió que la fluoración causaba daños leves a una parte específica del cerebro, haciendo más difícil para la persona afectada pensar en defender su libertad y haciendo que el individuo llegase a ser más obediente a la autoridad. El flúor es una de las sustancias más potentes antipsicóticas conocida, y figura en el veinticinco por ciento de los tranquilizantes. Puede que no parezca sorprendente que Hitler practicara el concepto de control de la mente por medios químicos, pero los militares norteamericanos continuaron la investigación nazi, técnicas exploradas para incapacitar a un enemigo o medicar a toda una nación. Como se indica en el Informe Rockefeller, un informe a la Presidencia sobre las actividades de la CIA, “el programa anti-drogas era parte de uno mucho más grande de la CIA para estudiar los medios para controlar el comportamiento humano” (Stephen 1995).

El mito de la prevención de caries a través del uso de flúor, se originó en los Estados Unidos en 1939, cuando un científico llamado Gerald J. Cox, un empleado de Alcoa, el mayor productor de residuos tóxicos de flúor, siendo amenazado por los daños que el flúor reducía las caries y alegó que debía añadirse al abastecimiento de agua en todo el país. En 1947, Oscar R. Ewing, un abogado de ALCOA, fue nombrado jefe de la Agencia Federal de Seguridad, una posición que lo puso a cargo del Servicio de Salud Pública (PHS). Durante los próximos tres años, ochenta y siete ciudades de América comenzaran con la fluoración del agua, incluyendo la una ciudad que funcionó como un estudio de control de la fluoración del agua en Michigan, eliminando así la prueba más científicamente objetiva de seguridad y los beneficios antes de que tal estudio fuera terminado.

Las investigaciones sobre las consecuencias del uso de flúor en los Estados Unidos fueron financiados por la industria de fertilizantes y de armas que buscaba una salida para los residuos de flúor generados durante los procesos industriales y para aumentar los beneficios económicos. El “descubrimiento” de que el flúor “beneficiaba” los dientes, fue pagado por la industria que necesitaba ser capaz de defender las demandas en su contra por envenenar a los trabajadores y las comunidades por emisiones de flúor industrial (Bryson, 1995) y convertir un pasivo en un activo. El flúor, un componente de los residuos en los procesos de fabricación de explosivos, fertilizantes y otras necesidades, cuya eliminación era cara fue utilizada en el suministro de agua en Estados Unidos, a través de la reeducación del público. Una vez un producto de desecho, se convirtió en el ingrediente activo de plaguicidas fluorados, fungicidas, raticidas, anestésicos, tranquilizantes, medicamentos fluorados, y un número de geles dentales industriales y domésticos fluorados, pasta dental y enjuague bucal. El flúor es una parte importante de los ingresos de la industria farmacéutica: mil millones de dólares, y el final de la práctica de fluorar el agua significaría una pérdida económica imposible, jurídicamente impensable y potencialmente devastadora para su existencia y reputación.

Financiado por los hombres de negocios de EE.UU. en un intento por promover la aceptación pública de flúor, Edward Bernays, también conocido como el padre de las relaciones públicas, o el mentiroso más hábil, comenzó una campaña de engaño para convencer a la opinión pública. Barnays explicó que “se puede conseguir casi que cualquier idea sea aceptada si los médicos están a favor. El público está dispuesto a aceptarla ya que el médico es una autoridad para la mayoría de las personas, independientemente de lo mucho que sabe o no sabe “(Bryson, 2004). Los médicos que apoyaron y todavía hoy apoyan la fluoración no saben de las consecuencias para la salud que el flúor presenta. El flúor ha llegado a ser visto como parte del progreso científico y desde que fue lanzado como una cosa tan sana, como una sustancia que se añade al medio ambiente por el bien de los niños, los que se opusieron a su uso fueron despedidos como charlatanes y lunáticos. El flúor se convirtió en inmune a las críticas debido no solo por la implacable ofensiva de relaciones públicas, sino también debido a su toxicidad general. A diferencia de los productos químicos que tienen un efecto inmediato, el flúor, un veneno sistémico, produce una gama de problemas de salud, de modo que sus efectos son más difíciles de diagnosticar.

Documentos recientemente desclasificados del Ejército de Estados Unidos sobre el Proyecto Manhattan, muestra cómo flúor es la sustancia química clave en la producción de bombas atómicas y que millones de toneladas se necesitaban para la fabricación de bombas de uranio y el plutonio. Intoxicación por flúor y no el envenenamiento por radiación, surgió como el líder en la lista de peligros para la salud de los trabajadores y comunidades cercanas. Los científicos se vieron obligados a ofrecer elementos útiles para la defensa en los litigios, así que comenzaron en secreto pruebas con flúor en pacientes de hospital que no sospechaban nada así como de en niños con retraso mental. “La edición de agosto de 1948 de la Revista de la Asociación Dental Americana que dijo existían pruebas sobre efectos adversos del flúor fue censurada por la Comisión de Energía Atómica en los EE.UU. por razones de “seguridad nacional” (Griffiths, 1998). El informe señaló sólo se el flúor era seguro para los seres humanos en dosis pequeñas.

Durante la Guerra Fría, el Dr. Harold C. Hodge, quien había sido el toxicólogo para el Ejército de Estados Unidos en el Proyecto Manhattan, fue el principal promotor científico de la fluoración del agua. Hodge ejecutó una serie de experimentos secretos de fluoración del agua pública en la ciudad de Newburgh, Nueva York, estudiando en secreto muestras biológicas de los ciudadanos de Newburgh en su laboratorio en la Universidad de Rochester. Dado que no existen restricciones legales contra la supresión de datos científicos, la única conclusión publicada de estos experimentos fue que el flúor es seguro en dosis bajas, un veredicto profundamente útil para el ejército de EEUU, que temían ser demandado por los daños que el flúor había causado en los trabajadores de las centrales nucleares y las fábricas de municiones. La contaminación del flúor fue una de las mayores preocupaciones legales que enfrentaron los sectores industriales de EE.UU. durante la guerra fría. Un grupo secreto de abogados de las empresas, conocido como el Comité de Abogados de flúor, cuyos miembros incluían a las empresas del acero, ALCOA, Aluminio y Metales Kaiser Reynolds, visitaban las empresas que estaban luchando contra una ola de quejas de ciudadanos por daños causados por el flúor. El Comité de Abogados de Flúor y sus embajadores médicos estaban en contacto personal y frecuente con altos funcionarios del Instituto Nacional de Investigación Dental del gobierno federal, y fueron implicados en el estudio “Kettering” que demuestra que el flúor envenena los pulmones y los ganglios linfáticos en animales de laboratorio. Los intereses privados trataron de destruir carreras y censurar la información, garantizando que los estudios científicos que planteaban dudas sobre la seguridad de flúor nunca fueran financiados, y si lo eran, que no fueran publicados.

Durante la encuesta de 1990, realizada por el toxicólogo de Harvard Phillis Mullenix, se demostró que el flúor en el agua puede llevar a disminuir el coeficiente intelectual, y aumentar los síntomas de déficit de atención con hiperactividad (ADHD). Pocos días antes de que su investigación fuera aceptada para publicación, Mullenix fue despedido como jefe de toxicología de Forsyth Dental Center en Boston. Luego, su solicitud de una beca para continuar sus investigaciones sobre las consecuencias de flúor en el sistema nervioso central fue rechazada por el Instituto Nacional de Salud (NIH), donde un panel le dijo que “el flúor no tiene ningún efecto sobre el sistema nervioso central “(Griffiths 1998).

A pesar de la evidencia creciente de que es perjudicial para la salud pública, las agencias de salud públicas y las grandes organizaciones médicas y dentales, como la Asociación Dental Americana (ADA), siguen promoviendo el flúor. La fluoración del agua continúa a pesar de que los propios científicos de la EPA, cuya unión, Capítulo 280 de la Unión Nacional de Empleados del Tesoro, tomó una posición firme en contra de ella. El Dr. William Hirzy, vicepresidente del capítulo 280, declaró que “fluoruro (que se añade al agua municipal) es un producto de los residuos peligrosos para los cuales hay evidencia substancial de efectos adversos para la salud y que, a diferencia de la percepción pública prácticamente no hay ninguna prueba que demuestre beneficios significativos “(Mullenix 1998). Aunque el flúor es hasta cincuenta veces más tóxico que el dióxido de azufre, no está regulado como un contaminante del aire bajo la Ley de Aire Limpio. Como miles de toneladas de residuos industriales de flúor se vierten en el agua potable, aparentemente para favorecer las sonrisas brillantes en nuestros niños, la gran industria tiene la ventaja de poder enviar los residuos de flúor al medio ambiente sin ningún tipo de requisito para medir las emisiones y no hay manera de hacerles responsables por la intoxicación de personas, animales y vegetación.

En agosto de 2003, la EPA solicitó al Consejo Nacional de Investigación, el brazo de investigación de la Academia Nacional de Ciencias (NAS), revaluar la seguridad del flúor en el agua a través de una revisión de la literatura científica reciente, porque el último examen, en 1993 tenía grandes lagunas en la investigación. “Ni la Administración de Alimentos de los Estados Unidos (FDA) ni el Instituto Nacional de Investigación Dental (NIDR), ni la Academia Americana de Odontología Pediátrica cuenta con pruebas sobre la inocuidad o la eficacia del flúor” (Sterling, 1993). La Academia Internacional de Medicina Oral y Toxicología ha clasificado el flúor como un medicamento no aprobado por su alta toxicidad y el Instituto Nacional del Cáncer encontró que el flúor es un agente carcinógeno (Maurer, 1990).

En la actualidad, los gobiernos siguen introduciendo sistemas de fluoración en todos los lugares, lo que hace imposible que las compañías de agua sean sometidas a audiencias civiles o criminales como resultado de la adición de flúor al suministro público de agua.

En una sociedad donde los productos que contienen amianto, plomo, berilio y muchos otros carcinógenos se han recogido del mercado, es sorprendente que el flúor es abrazado tan a fondo y ciegamente. Me parece absurdo que se considere el pagar a la industria química para eliminar sus desechos tóxicos añadiéndolos a nuestro suministro de agua. Ocultar los peligros de la contaminación de flúor del público es una obra de estilo corporatista de proporciones épicas que se ha producido debido a que un poderoso grupo de presión tiene la intención de manipular la opinión pública con el fin de proteger sus intereses financieros. “Aquellos que manipulan este mecanismo invisible de la sociedad constituyen un gobierno invisible que es el verdadero poder gobernante de nuestro país … nuestras mentes son moldeadas, nuestros gustos formados, nuestras ideas sugeridas mayormente por hombres de los cuales nunca hemos oído hablar” (Bernays 1991).

Materiales Consultados:

1. Bryson, Christopher. La Mentira de la Fluoridación: Como un Desecho Nuclear es Usado en Nuestro Suministro de Agua. 2004

2.Los Peligros del Flúor y la Fluoración del Agua

3. Datos Científicos sobre los Efectos Biológicos de los Fluoruros

4.Polución con flúor

5. Griffiths, J. Fluoruro, el Golpe Tóxico de la Industria. FluorideIndustry’s Toxic Coup”. 1998

6. Valerian, Valdamar. Effectos del Fluoruro en el Comportamiento de las Poblaciones. Behavioral “Effects of Fluorides On Mass Populations.”

7.Sterling.Fluoride the Modern Day DDT.” 1993

8.Null Gary, Ph,D.Fluoride: The Deadly Legacy”

9. Toxic Secrets: Fluoride & the A-Bomb – (Nexus Magazine) By Joel Griffiths & Chris Bryson. Manhattan Project scientists and military men who developed the first atomic bomb also conducted secret studies of fluoride but hid the facts about its health hazards

10. The Dentist’s Tale — Fluoride Can Kill – Story of a Dentist who talks to a chemist, is threatened with his practice, gets cancer and goes public. (The Ecologist, September 2000 Vol 30 No 6)

11. FluorideAlert.org – An International Coalition to End Water Fluoridation and Alert People to Fluoride’s Health and Environmental Risks

12. EarthLife.org.za – Fluoride Fact Sheet – lethal doses, effects on body, side effects, environmental effects.

13. Sukel.com – The Fluoride Controversy – synopsis of both sides.

Open Directory Project Listings – “Society > Issues > Health > Water Treatment > Fluoridation”

Una Pandemia de Corrupción, no de Gripe H1N1

Dr. Margaret Chan

La Dra. Margaret Chan, jefe del Cartel Internacional de Corrupción Médica conocida como la OMS.

Por Luis R. Miranda
The Real Agenda
Junio 8, 2010

No hay necesidad de decirlo, es casi redundante y repetitivo hablar acerca de la corrupción que provocó la falsa alarma de gripe H1N1 el año pasado. Sin embargo, nunca es excesivo señalar la corrupción masiva cuando es detectada e identificada con tanta claridad. Muchas fuentes independientes han denunciado la corrupción rampante que existe en la Organización Mundial de la Salud. Una de ellas, el Consejo Europeo de la Salud, estudió y publicó un informe que reveló el esquema de corrupción gigantesca dentro de la OMS y entre sus trabajadores y la industria farmacéutica.

Ahora es el turno de la revista British Medical Journal de denunciar y publicar sus resultados. Lo más destacado del informe indica que científicos altamente posicionados que “convencieron” a los jefes de la OMS para declarar la pandemia, tenían relaciones financieras con las empresas farmacéuticas que acumularon billones en sus arcas con la venta de las vacunas. Los científicos de la OMS recibieron compensaciones económica directas de los fabricantes de vacunas. Durante y después de la investigación, la OMS negó el pedido de revelar información sobre los conflictos de intereses entre sus principales asesores y las compañías farmacéuticas.

Tal vez la mayor víctima después de los miles de pacientes que murieron por los efectos secundarios de la vacuna, o los que padecen trastornos neurológicos irreparables -también como consecuencia de la vacuna- y otros que moriran y se enfermaran en el futuro, es la propia OMS. La escasa credibilidad que la OMS tenía se ha disipado por completo y nada que salga de sus altavoces se puede confiar. Ahora, la única forma en que la organización -una rama de las Naciones Unidas- puede hacer valer sus políticas enloquecedoras es a través de los gobiernos títeres que siguen cualquiera de las orientaciones que esta emita en los próximos meses y años.

Los resultados de la más reciente investigación, revelados por Deborah Cohen, editora de la revista BMJ, y Philip Carter, un periodista que trabaja para la Oficina de Periodismo de Investigación en Londres, no sólo no fueron negados por la jefe de la OMS, Dra. Margaret Chan, pero también defendidos y justificados . Chan dijo que el secreto era necesario para proteger la integridad y la independencia de los miembros mientras se hace un trabajo crítico y también para garantizar transparencia. En otras palabras, no es necesario llevar a cabo un trabajo honrado en la Organización Mundial de la Salud mientras que las personas no sospechen que hay corrupción. Sin embargo, si se descubre la corrupción, es absolutamente aceptable ocultarlo mientras que la propia OMS se investiga para determinar si hay o no irregularidades en sus operaciones.

Caduceus

* El Caduceus, símbolo de la medicina moderna, era en el pasado la guía de los muertos y protector de los comerciantes, apostadores, mentirosos y ladrones. Muy apropiado, sin duda.

El British Medical Journal no es la única organización que encuentró corrupción en el corazón de la OMS. Como se mencionó anteriormente, la investigación de la Concejo de Salud de la Unión Europea también determinó que la declaración de la pandemia del virus H1N1 se basó en política y corrupción, no en ciencia. El reporte dijo que la manera en que la OMS manejó la supuesta pandemia fue “una pérdida de grandes sumas de dinero público, y también una cadena de miedo injustificado sobre los riesgos de salud que enfrentarían los ciudadanos europeos y en general.”

La reacción del complejo farmacéutico industrial no pudo llegar lo suficientemente rápido. Los señores de la droga dijeron que la OMS no tenía otra opción que declarar la pandemia por el hecho de que las vacunas eran la única manera de prevenir y curar la enfermedad. Por supuesto, esto son mentiras. Las vacunas no tratan o curan ninguna enfermedad, sino que las prolongan y las producen. Por otra parte, la producción natural de vitamina D, por ejemplo, es una forma comprobada de prevenir y curar enfermedades como la gripe y otras como el cáncer de manera más eficaz que cualquier vacuna jamás podría. ¿Cuántas veces usted oye cualquier médico o científico de la OMS recomendar a un paciente exponerse a la luz del sol para que el cuerpo pueda producir la vitamina D o D3 necesaria para prevenir enfermedades? La respuesta es nunca. La razón de esto es que tanto la industria farmacéutica como los médicos mal informados pretenden perpetuar el actual sistema de salud que tiene el mayor número de gente adictos a drogas farmacéuticas. Todos hemos oído hablar sobre drogas y la dependencia de productos farmacéuticos, no es verdad?

Estudios realizados en América del Norte, América del Sur y Europa han demostrado que 40-60 nanogramos de suero hidroxivitamina D por mililítro (100-150 nanomols por litro) de sangre es suficiente para mantener un óptimo estado de salud. La misma cantidad previene enfermedades que incluyen 10 tipos diferentes de cáncer, diabetes y por supuesto la influenza . Los detalles de los estudios y lo que la vitamina D y D3 son capaces de hacer para prevenir enfermedades, así como para reducir la probabilidad que muchos problemas médicos vuelvan a surgir, se pueden ver aquí. Así que una de las claves para prevenir enfermedades consiste en averiguar cuál es el nivel de suero en la sangre, y consumir vitamina D o D3 si hay una deficiencia. El costo puede variar de gratuito (exposición al sol 10-15 minutos al día entre 11 a.m.-1 p.m., cuando hay menos radiación UVB) a unos cinco centavos de dólar al día (con suplementos). No permita que su médico lo confunda con la frase “nadie sabe cual es la dosis adecuada de vitamina D”, porque esa es exactamente la pregunta equivocada. Pero si usted es alguien que se siente más cómodo con la medición de su consumo diario de vitamina D, un uso de 2000 UI (unidades internacionales) por día es una dosis recomendada. Una vez más, los detalles pueden verse en el vídeo citado arriba.

Como Mike Adams escribe en el caso de la falsa pandemia: “Se mantuvo a la gente ignorante sobre los remedios naturales, para asegurarse de que más personas murieran y se hiciera una llamada más urgente para adoptar programas de vacunación masiva. La pérdida de vidas nunca se interpone en el camino de Big Pharma, ¿no? “. Eso es exactamente mi punto de vista también. Unos pocos miles de vidas no significan nada para una industria cuyo único objetivo es obtener ganancias cada año a toda costa, inclusive sobre mentiras y las vidas de las personas usando tácticas de intimidación y corrupción. Esto es precisamente lo que la Dra. Margaret Chan quería decir con su declaración. La corrupción es tolerada. La experimentación con seres humanos está bien. El saqueo de las arcas públicas también está bien. Y cuando la gente descubre las mentiras, la misma OMS decide si hubo irregularidades o no.

Pero ¿cómo es que la Organización Mundial de la Salud elabora, mezcla, usa el cóctel de corrupción del que estamos hablando?

Exagerando el supuesto riesgo: Las compañías farmacéuticas y la OMS clasifican el riesgo como muy alto y crean niveles imaginativos de mortalidad. Esta vez, la OMS creó un sexto grado de peligrosidad, el más alto de la historia, y luego declaró que estábamos en el. En ese momento, cuando muy pocos casos de H1N1 habían sido confirmados en todo el planeta, la ingestión de vitamina D y D3 -ya sea a través de la luz solar o suplementos- habría acabado con el virus.

Demandar que las naciones compren las vacunas naciones: La OMS pidió y exigió que los países compraran las vacunas de las más grandes casas de fabricación: Sanofi y Glaxosmithkline, con el fin de prepararse para la supuesta pandemia. A continuación, se elevó el nivel de riesgo a una de “emergencia de salud pública”, que hace que los países lleven a cabo campañas de vacunación masivas contra el público desprevenido.

Saquear las arcas públicas: Las naciones, tanto en regiones desarrolladas como subdesarrolladas del mundo gastaron miles de millones de dólares en la compra vacunas contra el virus H1N1 mientras este nunca alcanzó un nivel significativo de riesgo. Al final resultó que, de hecho, las empresas farmacéuticas engordaron sus gigantescas cuentas bancarias aún más.

Pagos a los científicos corruptos: Mientras el mundo se estaba cayendo víctima del pánico y de interactuar con cualquier persona en la calle fue vista como arriesgada, máscaras de estallar por todas partes-los científicos de la OMS embolsado sobornos de los fabricantes de productos farmacéuticos. Esos fondos se mantuvieron deliberadamente secreto, como la cabeza de la OMS, Dra. Margaret Chan admitió.

Fomentar y aumentar el miedo: Como una forma de mantener los beneficios de la venta de vacunas, la OMS, así como los departamentos de salud nacionales y locales pidieron a la población vacunarse a sí mismos y sus familiares. La vacunación, dijeron, era la única manera de salvarse del mortal virus H1N1. ¿Cuántas de las personas que presuntamente murieron a causa del H1N1 murieron debido al virus? Muy pocos. La mayoría de ellos murieron de complicaciones de salud relacionadas con problemas médicos previos que se vieron agravados por el virus de la influenza. La vacuna no prevenía o trataba esas complicaciones. De hecho, muchos de ellas fueron provocadas por las propias vacunas.

La pregunta que viene a la mente es entonces: ¿Por qué los gobiernos y sus departamentos de salud continúan siguiendo las directrices de la OMS aunque se sepa de la corrupción flagrante que gobierna sus acciones? Y más importante: ¿Continuarán a obedecer las directivas de la OMS en el futuro? Probablemente sí. La burocracia es un delincuente que no distingue si se trata de un órgano local, regional, nacional o internacional. Así que la decisión de rechazar las normas de la corrupta OMS y asumir la responsabilidad de su salud está en tus manos. Así que cuando la próxima pandemia venga, recuerde: Los científicos que asesoran a la OMS se encuentran en la nómina de las empresas farmacéuticas y ellos siempre inventarán información sobre un virus y lo convertirán en un monstruo de 5 cabezas si eso es lo que se necesita para obtener algún beneficio. Y una cosa más: nunca ha habido un estudio científico independiente que confirme que las vacunas previenen, tratan o curan ninguna enfermedad. Las vacunas son la mayor estafa de la medicina moderna. Todos los estudios médicos realizados que afirman que una vacuna previene, trata o cura una enfermedad fueron realizados por los fabricantes de vacunas o pagados por ellos para que las universidades y laboratorios “confirmen” las vacunas son eficaces.

Si hay algo positivos que dejó la pandemia imaginaria de la OMS es que ahora más que nunca podemos estar seguros que ni la OMS ni el complejo farmacéutico industrial comparten nuestro interés de ser saludables. Sus únicos intereses giran en torno a la idea de llenar sus bolsillos con dinero y al mismo tiempo tratar de despoblar el planeta un poco más cada vez.

* W. Burkert, Greek Religion 1985 section III.2.8; “Hermes.” Encyclopedia Mythica from Encyclopedia Mythica Online. Retrieved October 04, 2006.

Câncer de Mama: A Grande Farsa, o Grande Negócio

Por Luis R. Miranda
The Real Agenda
Maio 1, 2010

Você provavelmente nunca leu nada parecido sobre o câncer da mama. É o relatório que a indústria médica prefere esconder, porque contém as verdades surpreendentes sobre como isso realmente alimenta a continuação desta doença, enquanto as estratégias de prevenção que poderia curar 90 por cento dos cânceres, são censuradas.

Aqui você vai aprender:

• A maioria das 18 causas mais comuns de câncer da mama que podem ser controladas
• Como o câncer de mama prevê bilhões em lucros para as companhias farmacêuticas
• Por que a indústria de câncer de mama não está procurando por uma cura real
• Quais os nutrientes simples que evitam 77% de todos os cânceres
• Uma pesquisa recente sobre terapias naturais para a prevenção do câncer de mama que realmente funcionam
• Os nomes e endereços da web que contem informações sobre ervas e suplementos, anti-câncer
• A verdadeira razão de mortalidade por câncer é muito maior em negros do que em brancos (e por que eles nunca disseram a verdade sobre isso …)
• A chocante verdade sobre o fracasso de drogas contra o câncer de mama
• Como a quimioterapia provoca lesão permanente dos órgãos em pacientes com câncer
• Por que os produtos “rosa” são muitas vezes apenas uma farsa de marketing
• Por que a indústria do câncer em última análise, não quer que as pessoas possam prevenir o câncer
• Como alguns grupos que dizem que lutam contra o câncer são realmente representantes de grandes empresas farmacêuticas
• Como a indústria vitimiza as mulheres e os negros, mantendo-os ignorantes das estratégias de prevenção do câncer
• A verdade sobre a mortalidade das mamografias (e por que de cada mulher que se beneficia de este método existem outras 10 que são prejudicadas)
• 22 formas de prevenir ou mesmo curar o câncer de mama
• Quais alimentos anti-câncer funcionam melhor para travar o crescimento do tumor
• Como a indústria do câncer dominada por homens que exploram mulheres para obter lucros corporativos
• Os grupos sem fins de lucro nos que você pode realmente confiar!
• Que ervas da floresta amazônica mostram poderosa atividade antitumoral
• Por sua localização geográfica no planeta, o impacto das alterações e risco de câncer de mama (incluindo gráficos)
• Por que correr em círculos para arrecadar dinheiro para curar um câncer “é uma completa perda de tempo
• Como os grupos sem fins lucrativos, abandonaram a prevenção de câncer em favor do rastreio e tratamento ”

Você vai aprender sobre tudo isso e muito mais nesta reportagem exclusiva de Mike Adams, o Ranger de saúde.

Controlando as Mulheres
Ao longo da história humana, abrangendo praticamente todas as culturas e continentes, as mulheres têm sido sistematicamente negadas o direito de acesso às informações que possam educá-las. Mantendo as mulheres ignorantes é uma forma em que os homens podem controlá-las e tratá-las como bens pessoais. De Roma antiga, e até o século 19, as mulheres eram consideradas uma sub-classe de cidadãos e intencionalmente negadas o direito de conhecer as informações que lhes dariam mais controle sobre suas próprias vidas.

Neste relatório, você vai aprender como a indústria de câncer – que é dominada por homens poderosos – usa as mesmas táticas do século passado a controlar as mulheres fingindo estar ao seu serviço. Você vai aprender como os poderosos e como a indústria do câncer explora o corpo das mulheres para gerar lucros para as empresas farmacêuticas, enquanto sistematicamente nega às mulheres o acesso a informação que poderia ensiná-las a prevenir o câncer de mama (e outros cânceres). Um único nutriente, por exemplo, tem-se revelado para evitar 77 por cento de todos os cânceres, mas a indústria do câncer recusa-se a recomendar este nutriente.

Para realmente entender a magnitude do comportamento altamente ético, operador da indústria convencional do câncer e da forma como trata as mulheres, precisa ampliar o seu alcance e de considerar outros sistemas de saúde existentes no mundo hoje.

É isso que esta história começa.

Medicina Moderna

Há muitos sistemas de medicina no mundo de hoje: a medicina chinesa, medicina ayurvédica, a medicina tibetana, ervas ocidentais, medicina nativa americana (com todas as suas variantes), ervas da floresta amazônica, a medicina aborígines na Austrália Havaí / Ilhas do Pacífico, etc

Cada sistema desse tipo de medicamento baseia-se principalmente sobre as propriedades medicinais das plantas que crescem naturalmente nas regiões locais. Medicina aborígine na Austrália, por exemplo, baseia-se em muitas plantas nativas do continente australiano. Medicina tibetana está baseada em grandes plantas medicinais que crescem em ambientes de elevada altitude do Tibet. Medicina na Amazônia é baseada na rica biodiversidade dos medicamentos naturais encontrados na floresta.

Note que cada sistema de medicina é um tratamento para câncer de mama. Na Amazônia, os tratamentos podem incluir a erva Unha de Gato (que é amplamente utilizado como uma potente droga antineoplásica). Nas regiões agora conhecidas como o sudoeste americano e no México para tratamentos contra o câncer usando o chá da folha do arbusto Chaparral (também conhecido nos tempos modernos como o arbusto de creosoto.) Na medicina chinesa, o câncer é abordado a partir de um ponto de vista diferente: o sistema de cinco elementos. Os protocolos de tratamento podem incluir uma receita de várias ervas com um efeito sinérgico que trabalha para fortalecer e apoiar o sistema de imunidade inata do corpo e seus mecanismos de proteção contra o câncer.

Em outras palavras, se você viajar pelo mundo à procura de tratamentos e curas para o câncer de mama, iria encontrar centenas, senão milhares destes tratamentos, que inclui diversas culturas, geografias, e paradigmas médicos. E esses tratamentos realmente funcionam: os cientistas modernos estão descobrindo cada vez mais que essas drogas de câncer que contêm compostos anti-câncer nativa que o trabalho de inúmeras formas. Eles podem cortar o fornecimento de sangue aos tumores de câncer, promover a apoptose de células cancerígenas (morte celular), bloquear a replicação das células cancerosas, estimular a função do sistema imunológico e assim por diante.

Há literalmente milhares de diferentes tratamentos para o câncer de mama que são usados em muitas culturas ao redor do mundo. Muitos, como a medicina chinesa, são minuciosamente documentado e é baseado em milhares de anos de pesquisa e experiência clínica. Incontáveis vidas foram salvas por esses tratamentos e uma cura em todo o mundo. No entanto, a indústria do câncer ocidental, constituído das clínicas de câncer, grupos sem fins lucrativos, empresas farmacêuticas, hospitais, médicos, escolas médicas e revistas médicas, fazer todos os esforços para negar às mulheres o acesso a este informações e conhecimento sobre o tratamento ou prevenção de câncer de mama. A única coisa que ensinou é a visão convencional, baseada principalmente em tratamentos nocivos: quimioterapia, radioterapia e cirurgia.

Soluções Censuras
Tudo que não é controlado pela medicina convencional e as empresas farmacêuticas é depreciado como charlatanismo. Todos os testes são jogados no lixo, e os médicos convencionais, assustam as mulheres a não usar terapias que são benéficas, por exemplo, de evitar programas de antioxidantes de apoio nutricional baseada no mito de que os programas de antioxidantes “interferem” com a quimioterapia. (Na verdade, os antioxidantes são limitadas a proteger células sadias dos efeitos tóxicos da quimioterapia.)

Em geral, a indústria do câncer, através da sua falsa autoridade e posição dominante, não só desacreditou todos os sistemas de medicina que não são seus, há muito tempo conseguiu ilegalização de sistemas mais competitivos, a transformação de experimentos com ervas (que retêm o conhecimento de inúmeras gerações de nativos e sabedoria de medicamentos). Portanto, todas as clínicas mais bem sucedidas em combate ao câncer no mundo estão fora dos Estados Unidos. A prática da cura do câncer – um resultado comum em clínicas alternativas – foi proibido nos Estados Unidos. Na realidade, é ilegal para um cientista tentar curar um paciente com câncer. Tal ato poderia levar à prisão federal.

Esta estratégia da indústria do câncer realmente mantém as mulheres em estado de ignorância sobre as soluções que realmente pode curá-los. Ele desabilita as mulheres, tornando-as vítimas de tratamentos ditadas a eles por homens que, como diretores das instituições de câncer e empresas farmacêuticas, proporcionam grandes ganhos por cada ciclo de quimioterapia, radioterapia ou cirurgia de câncer exigido às mulheres.

Por tudo isso, o símbolo da indústria do câncer de mama nos Estados Unidos – a fita rosa – não é um símbolo de compaixão e cuidado. É um símbolo da emancipação das mulheres, ou para educar as mulheres sobre o chamado “opções de tratamento.” A fita cor de rosa é um símbolo da dominação masculina sobre as mulheres. Vire o laço de cabeça para baixo e se parece mais com uma fita rosa pendurada. É a partir dessa ligação que mulheres inocentes são enforcadas em toda a sua ignorância, submetidas a um sistema de tratamento que, deliberadamente, nega às mulheres o acesso a um mundo de informações que poderiam ajudar a prevenir, tratar e até curar o câncer de mama.

Quimioterapia, realmente causa insuficiência cardíaca, lesão cerebral e lesão renal permanente. Se submeter a tratamentos de quimioterapia para pacientes com câncer de mama faz que os seus órgãos fiquem danados para sempre.

Lavagem cerebral Rosa

“O câncer de mama se tornou um mercado impulsionado pela indústria. Tornou-se mais sobre como ganhar dinheiro de patrocinadores de financiamento inovadores para tratar o câncer de mama,” diz Samantha King, autora do livro Pink Ribbons Inc.

O uso da cor rosa para o câncer da mama, ou a compra de produtos de-rosa é uma demonstração de apoio para a escravização de mulheres por uma indústria pouco ética que visa a transformar o corpo das mulheres em centros de lucro . O uso da cor rosa grita: “Eu apoio a ignorância das mulheres! Apoio as empresas farmacêuticas! Apoio a dominação masculina e controle das empresas sobre a saúde dos peitos das mulheres!”

Adquirindo produtos rosa envia a mesma mensagem. Quer se trate de uma lata de sopa, um par de baterias de-rosa, ou mesmo umas férias de rosa”(sim, férias-de-rosa), estes produtos estão no “carro-de-rosa, por uma razão: os consumidores compram. Pintando qualquer produto de-rosa aumentar as vendas.

O impulso para a comercialização de produtos de-rosa é tão forte agora que muitas empresas que vendem produtos que realmente causam câncer saltaram no “carro-de-rosa!” É uma prática chamada “pinkwashing” e quando você vê as coisas como cosméticos e produtos químicos tóxicos em produtos fabricados esportes cuidados pessoais com fitas cor de rosa e tem o compromisso de apoio à investigação do câncer da mama, você tem que parar e fazer a pergunta óbvia: Será que esses produtos realmente causam câncer de mama? Sim, muitos deles fazem.

A verdade é que não há prestação de contas das doações provenientes das vendas desses produtos rosa. Comprando uma sopa de marca com uma fita cor de rosa, por exemplo, pode gerar um total de dois centavos em doações. E onde estão as doações? Sendo investidos em programas de educação nutricional para as mulheres? Claro que não – estas vão muitas vezes aos bolsos dos pró-farmacêuticos sem fins lucrativos (como a Fundação Susan G. Komen para câncer de mama) que tem laços muito fortes com empresas farmacêuticas e recebe efetivamente muito de suas fontes de financiamento dessas empresas. Na verdade, estes são “grupos de fachada ” de empresas farmacêuticas envolvidas em assustar e promover a” evidência a fim de multiplicar o número de pessoas que são ” tratados ” contra o câncer de mama. Os tratamentos são, evidentemente, aqueles que beneficiam financeiramente às empresas farmacêuticas e os médicos da medicina convencional.

A solução? Pense antes de adotar a Rosa! Consulte o site da organização Breast Cancer Action, em http://www.ThinkBeforeYouPink.org para aprender mais.

Censura Planejada

É através dessa censura da informação e controle sobre as opções de médicos que a indústria de câncer é, em si mesma, cega para bloquear todas as outras soluções de medicamentos contra o câncer e cirurgia. A indústria de câncer, também quer que todas as mulheres se mantenham cegas, por isso continua usando a estratégia da ignorância. O menos que as mulheres sabem realmente como prevenir e curar o câncer da mama, o mais fácil é de ser enganadas com tratamentos sob o controle dos centros de tratamento convencional para o câncer e empurrado por grupos sem fins lucrativos filiados à indústria do câncer.

Ignorância, então, é uma maneira de forçar as mulheres a escolher os tratamentos convencionais para o câncer, por padrão. Uma vez que todas as outras opções de tratamento têm sido desacreditadas, ignoradas ou proibidas, as mulheres nos Estados Unidos, por exemplo, ficam com o cardápio de um único tratamento: quimioterapia, radioterapia e cirurgia. É exatamente como um grande laboratório farmacêutico que a indústria do câncer quer, porque é isso que permite a continuação da doença e os benefícios da correlação.

Decodificando a linguagem dos grupos sem fins lucrativos afiliados à indústria farmacêutica

Quando os grupos sem fins lucrativos, dizem que as mulheres merecem ser tratados contra o câncer de mama, estas falam dos tratamentos com drogas de quimioterapia.

Quando eles dizem que as mulheres precisam ser mais “educadas” sobre o câncer da mama, o que significa é uma educação sobre as opções de tratamento com drogas de quimioterapia.

Quando eles dizem que mais dinheiro deve ser elevado para “encontrar” a cura para o câncer de mama, o que significa é que as drogas estão sendo desenvolvidas ainda mais tóxicas, e que podem ser comercializadas para as mulheres.

No entanto, existem muitas outras opções que as mulheres não ouvem falar, com exceção da imprensa independente. Por um lado, a vitamina D tem sido mostrada para prevenir 77 por cento de todos os cânceres! Este é um nutriente que está disponível gratuitamente, pois é realmente fabricado pela pele em resposta à luz solar. Estudos recentes mostram que a vitamina D é um potente nutriente anti-câncer que, quando circula no sangue, impede o crescimento de tumores de câncer de quase todos os tipos.

Leia o nosso relatório sobre essa pesquisa aqui: http://www.NaturalNews.com/021892.htm

Basta incitar as pessoas a obter mais luz solar para prevenir quase oito em cada 10 casos de câncer de mama e câncer de próstata, câncer de cólon, mieloma múltiplo e outros cânceres. No entanto, a indústria do câncer parece ter nenhuma intenção de recomendar a vitamina D para ninguém. Por que isso? Por que a indústria do câncer não têm interesse em impedir oito de 10 tipos de câncer? A vitamina D não pode ser patenteada ou vendida como uma droga. Não há nenhuma vantagem nisso. Assim, a vitamina D está sendo sistematicamente ignorada e atacada como causa de câncer! (Inacreditável, mas real.)

Você pode rever a pesquisa adicional sobre vários nutrientes anti-câncer, visite a lista de pesquisa do Google Acadêmico aqui:

A vitamina D e câncer de mama (13.900 ligações), chá verde e câncer de mama (7.180 ligações), raiz de alcaçuz e câncer de mama (967 ligações), selênio e câncer de mama (7.150 ligações), Brócolis e câncer de mama (3.140 ligações), alho e câncer de mama (3.630),
Algas e câncer de mama (888 ligações), linhaça e câncer de mama (1.480 ligações),
Fungos e câncer de mama (2.020 ligações).

Soluções contra o Câncer

Existem muitas outras fontes de informações precisas sobre as propriedades anti-câncer de alimentos, nutrientes e ervas. O banco de dados RainTree.com, escrito por um defensor da liberdade de saúde Dra. Leslie Taylor, oferece uma riqueza de informações sobre o poder curativo das ervas selvagens. Aqui está um resumo das RainTree.com a garra do gato:

Além de sua atividade estimuladora do sistema imunológico foram documentados propriedades anticancerígenas em ensaios in vitro de alcalóides e outros componentes da Unha de Gato. Cinco dos alcalóides oxindólicos foram documentados clinicamente com propriedades antileucêmicas in vitro e diversos extratos da casca da raiz têm mostrado ser antitumorais e propriedades anticâncer. Os investigadores italianos encontraram em um estudo in vitro de 2001, quando a unha de gato diretamente inibiu o crescimento de uma linhagem de células humanas de câncer de mama em 90%, enquanto outro grupo de pesquisa relatou que inibe a ligação do estrogênio em células humanas de câncer de mama in vitro. Os investigadores suecos documentaram que inibiu o crescimento de leucemia e linfoma de células in vitro, em 1998. Os primeiros relatórios sobre os testes e observações em pacientes com câncer constatou que a unha de gato, quando tomada em conjunto com terapias tradicionais, como a quimioterapia e a radiação causou uma diminuição dos efeitos colaterais dos tratamentos tradicionais (tais como perda de cabelo, perda de peso, náusea, infecções secundárias e problemas de pele). Os investigadores mostraram que esses efeitos podem ser possíveis: tem sido relatado que a unha de gato pode ajudar a reparar o DNA celular e prevenir a mutação de células, e também pode ajudar a prevenir a perda de glóbulos brancos e o dano de células do sistema imunológico causado por muitas drogas de quimioterapia (um efeito colateral comum chamado de leucopenia).

Ignorância

Depois de ver esta compilação de alguns nutrientes anti-câncer, pergunte-se: “Quando foi a última vez que o meu médico ou oncologista recomendou alguma dessas coisas?” Porque se você for como a maioria das mulheres, a resposta é: “Nunca!”

A indústria de câncer (e na medicina convencional, também) afirma que essas soluções não existem. Isso tudo é parte da cegueira que mantém e gera mais ignorância. É quase como ver as estrelas na noite e dizer, “Uau! Há cinco estrelas no céu!”, Quando na verdade existem milhares e milhares visíveis a olho nu, e mais milhares de milhões que nós podemos ver com telescópios .

O céu está cheio de estrelas, como o mundo real está repleto de tratamentos e curas para o câncer de mama. É que a indústria não quer saber sobre eles. Só utilize os tratamentos que podem ser controlados e explorados, não sobre os tratamentos que realmente funcionam para prevenir, tratar ou curar o câncer de mama.

A indústria de câncer não está realmente interessada em ajudar as mulheres só está interessada no lucro. E isso requer a configuração de sua opinião sobre o que são os tratamentos disponíveis, promovendo o mito de que mais dinheiro vai resultar em encontrar uma cura para o câncer (que é patenteado, é claro), e as mulheres em assustando tratamentos tóxicos usando táticas e estratégicas das mulheres dizendo que têm apenas seis meses de vida se não forem submetidos a quimioterapia.
No entanto, tanto quanto a indústria do câncer explora as mulheres, suas ações são particularmente nefastas para as mulheres negras.

A exploração de mulheres negras

Embora a indústria do câncer de mama não discrimina abertamente contra as mulheres negras em sua campanha de ignorância imposta, as conseqüências desta ignorância são muito mais graves para as mulheres com a pigmentação da pele mais escura. O câncer de mama é bem conhecido por ser muito agressivo em mulheres negras, como o câncer de próstata é igualmente agressivo em homens negros.

A indústria do câncer diz estar confundidos com isso, ignorando a resposta óbvia para este dilema – uma resposta que há muito deveria ter sido enviado a homens e mulheres negros, mas não por acaso, continua proibido de qualquer discussão. Para visualizar esta resposta por si próprio, considere o seguinte gráfico que mostra a mortalidade por câncer entre as mulheres negras, discriminadas por estado nos Estados Unidos.

Neste gráfico, você verá uma estranha correlação entre o câncer e geografia. Observe como todas as taxas mais altas de câncer de mama são encontrados nos estados do norte? (Isto é indicado pela cor vermelha no gráfico). Você também ver como as baixas taxas de câncer de mama são nos estados do sul. (Branco ou rosa no gráfico.) A importância deste está prestes a ser clara.

Este gráfico mostra claramente, as taxas de câncer de mama em mulheres negras são correlacionados com a exposição ao sol. Os estados com menos luz solar (Oregon e Washington, na costa oeste, os estados do norte como Minnesota e longe da costa leste dos Estados) têm as maiores taxas de câncer de mama. Entretanto, praticamente todos os estados ao longo do Cinturão do Sol (Arizona, Novo México, Texas, Alabama, Flórida, etc) têm menores taxas de câncer de mama.

A explicação é tão simples que um aluno de quarta pode compreender (e ainda câncer de nossa indústria continua intrigado com ela, ou finge não reconhecer): exposição ao sol produz vitamina D na pele, e vitamina D é um dos mais poderosos nutrientes anti-câncer conhecido pela ciência moderna. No entanto, a luz em blocos de pigmentação escura da pele como um filtro solar ultravioleta natural. Portanto, evitar a criação de vitamina D, resultando em deficiência de vitamina D que aumenta consideravelmente o risco não só do câncer de mama, mas praticamente todos os cânceres.

Hoje, as mulheres negras são tão profundamente deficientes em vitamina D que um surpreendente 92,5 por cento dos bebês são nascidos com deficiências de vitamina D (muitos deles são realmente como raquitismo resultado). A mesma pesquisa revela que 66,1 por cento dos bebês nascidos brancos são deficientes em vitamina D. Você pode ler o nosso relatório sobre essa investigação em http://www.NaturalNews.com/022039.html

Conseqüentemente, as mulheres negras que precisam desesperadamente de ser dito que elas devem absorver mais luz solar, a fim de prevenir o câncer, especialmente se eles vivem em latitudes setentrionais ou climas chuvosos. No entanto, a indústria do câncer está agora a fazer exatamente o oposto: aviso a todos sobre os perigos do sol, assustando as mulheres de tratamento gratuito que poderia ajudar a prevenir o câncer! Ao negar essa informação para as mulheres negras em particular, a indústria do câncer está, na verdade condenando as mulheres negras ainda mais a sofrer câncer de mama, uma doença que, naturalmente, gera um ganho para as grandes empresas farmacêutica — uma indústria dominada por homens brancos ricos.

A escravização de homens e mulheres negros nos Estados Unidos pode ter acabado oficialmente em 1863, mas a indústria do câncer encontrou uma maneira inteligente de se continuar a gerar lucros a partir das costas de homens negros e mulheres de hoje: manter a ignorância sobre propriedades anti-câncer da luz solar.

Você está começando a entender? Sei que dizer a verdade sobre tudo isto é tão extremamente rara, que pode ser chocante para ler. Muito poucas pessoas estão dispostas a se levantar e falar sobre a indústria do câncer, “O rei está nu!” Mas esta indústria, que prospera com a doença, o medo e as mulheres controle, merece ser exposta. A exploração das mulheres aconteceu muito tempo, e muitas mães, filhas e avós que morreram de tóxicos tratamentos de quimioterapia. Perdemos membros de quatro gerações de mulheres com câncer, e é hora de pôr fim à censura, a exploração e a especulação comercial que a vida das mulheres para o benefício dos acionistas

Enquanto isso, a tecnologia utilizada para detectar o câncer de mama -as mamografias- realmente causam câncer de mama porque elas emitem radiação que causam danos ao DNA do tecido da mama diretamente. Falsos positivos são comuns e quase sempre levam a tratamentos de câncer agressivos em mulheres mal que estão perfeitamente saudáveis. A maioria dos cânceres de mama têm estado presentes durante seis a oito anos, quando eles aparecem em mamografias. Radiação é uma causa conhecida do câncer e os efeitos de pequenas quantidades podem se acumular no organismo. O risco de dano de radiação é mais elevado no tecido onde as células estão mudando rapidamente, como o tecido mamário crescente de adolescentes do sexo feminino.

O impulso para ser diagnosticadas com câncer de mama é uma estratégia brilhante para a indústria de câncer, no entanto: As mulheres fazem mamografias é são irradiadas, e as mulheres que fazem a detecção com freqüência suficiente inevitavelmente desenvolvem câncer de mama. E então os médicos dizem, “Como é bom diagnosticar cedo, certo?”

Soluções contra o câncer de mama

18 coisas que causam o câncer (em nenhuma ordem especial)

O tabagismo
Radiação de Mamografia – ver artigos sobre mamografias
Quimioterapia e radiação
Perfumes e fragrâncias em produtos
Cosméticos e produtos de higiene pessoal – ver artigos sobre produtos para cuidados pessoais
Ingerir leite ou não produtos lácteos orgânicos
Óleos hidrogenados e ácidos gordos trans – ver o veneno nos alimentos ou artigos de óleos hidrogenados
Produtos de limpeza domésticos, incluindo detergentes para a roupa, secador de folhas, etc
Recipientes de comida de plástico – inclui o revestimento de plástico dentro de latas de alimentos
Nitrito de sódio – mais em carnes processadas, consulte os artigos em nitrito de sódio
Produtos químicos pesticidas, dioxinas, cloro e outros
Acrilamida (formados durante a alta temperatura de processamento de alimentos, tais como óleo de fritar)
Ver televisão ou a falta de exercício
Grave perturbação emocional ou de relacionamento estresse
Açúcares refinados / grãos refinados
Os produtos químicos de limpeza a seco
Produtos químicos no cabelo de cor
Removedor de esmalte de unhas

22 coisas para prevenir o câncer:

Vitamina D e o sol – veja o poder de cura da luz solar e vitamina D
Alimentos anti-câncer – veja artigos sobre alimentos anti-câncer
O chá verde – ver artigos sobre o chá verde
Brócolis e verduras – ver artigos sobre brócolis
Cogumelos Medicinais – Reishi, shiitake, Agaricus blazei, etc
Licopeno e tomates
Infra-Red saunas e Casas de suor – sudorese, câimbras, expele
Chlorella – ver artigos sobre a chlorella, ou o produto chlorella recomendada: Rejuvenescer! De IntegratedHealth.com
Sementes de romã – ver artigo sobre a romã ou http://www.ats.org/news.php?id=32
Óleos
Omega-3 / sementes de chia – Disponível a partir GoodCauseWellness.com
Rainforest ervas – Há muitos anti-câncer floresta ervas, incluindo Graviola e garra do gato (Cat’s Claw). Fontes recomendada é de Terry Pezzi da alta integridade Amazon Herb Company (que também ajuda a preservar a floresta amazônica) – Outra grande fonte de floresta tropical ervas é Rain Tree com Leslie Taylor
Desintoxicação e sucos – Leia livros pelo Dr. Gabriel Cousens ou visite o seu retiro no sul do Arizona
Acupuntura – ajuda o sangue circular e chi (energia do corpo)
Coles – ALL brotos são anti-câncer. Melhor germinação é easyGrid máquina automática Sprouter (utilizar qualquer mecanismo de busca para encontrar revendedores)
Trevo – Ajuda a limpar o sangue. Busca em todo o fabricante do suplemento.
A respiração profunda / oxigenação / redução do stress – Melhor produto é chamado Stress Eraser (altamente recomendado)
Yoga, Tai Chi ou Pilates – Estes impulsionar a circulação de linfa
Cacau – (de chocolate real) – Boas fontes são NavitasNaturals.com ou Superfoods.com
A massagem terapêutica – ajuda a movimentar linfa, circulação impulso
Mint – o crescimento de sua própria (plantas as mais fáceis a crescer)
Sementes de damasco / laetrile / vitamina B17 – Assista o vídeo mundo sem câncer, com Edward G. Griffin
Amoras – A maioria das bagas contêm algum tipo de droga de câncer.

Ganhando a batalha contra o Câncer

Onde posso ir para obter informações confiáveis sobre a prevenção do cancro da mama ou cura? Tratar Breast Cancer Action (www.BCAction.org), uma organização sem fins lucrativos para o cancro da mama não tem dinheiro de empresas que lucram com câncer. Também o download gratuito do Guia Alimentar (www.HonestFoodGuide.org), que conta a verdade sobre os alimentos que causam câncer ou impedir. Consulte o nosso site e veja http://www.HerbReference.com ervas que previnem o câncer de mama.

Leia nossos artigos sobre o alimentos anti-câncer: http://www.NaturalNews.com / cancer_foo anti-…

EDUQUE-SE! A indústria do câncer espera que você permaneça na ignorância. VOCÊ é a única pessoa que está interessada em manter sua saúde. Lembre-se: quanto mais saudável você está, a menos que você vale a pena para a indústria de câncer! O paciente com câncer médio gera cerca de $ 800.000 em receita para a indústria de câncer. Eu sugiro que você encontrar maneiras de negar a receita para a indústria, evitando a doença completamente!

A Fluoretação da Agua: O Maior Caso De Fraude Científica Do Século

A História De Forçar O Flúor Em Humanos Através Da Fluoretação Da água Potável é Feito Com Mentiras E Engano.

Por Luis R. Miranda
The Real Agenda
Maio 1, 2010

A história de forçar o flúor em humanos através da fluoretação da água potável é feito com mentiras, ganância e engano. Governosfluor que adicionam flúor à água potável, insistem que é seguro, benéfico e necessário, no entanto, provas científicas mostram que o flúor não é seguro para ingerir e áreas que colocam fluor nos seus suprimentos de água potável têm maiores taxas de cáries, câncer, fluorose dental, osteoporose e outros problemas de saúde. Por causa do impulso da indústria de alumínio, as companhias farmacêuticas e fabricantes de armas, o flúor continua a ser adicionado ao abastecimento de água de quase todo o mundo, e devido às recentes ações judiciais contra as empresas de água que colocam fluor na água potável, o precedente foi definido que irá torná-lo impossível que mais ações judiciais sejam tomadas contra os fornecedores de água que com fluor. Há uma crescente resistência contra a adição de flúor no nosso abastecimento de água, mas, infelizmente, porque flúor tornou-se “a força vital de parte da economia e a industrial moderna” (Bryson 2004), há muito dinheiro em jogo para aqueles que endossam a fluoretação da água. As mentiras dos benefícios da fluoretação da água vao continuar a ser alimentado ao público, não para incentivar os benefícios de saúde para um grande número de pessoas, mas para o lucro do complexo militar-industrial.

A história começa em 1924, quando Interessen Gemeinschaft Farben (IG Farben), uma empresa química alemã, começou a receber empréstimos de banqueiros americanos, gradualmente, levando à criação do enorme cartel IG Farben. Em 1928, Henry Ford e American Standard Oil Company (da familia Rockefeller) fundiram os seus bens com IG Farben, e pelos anos trinta, houve mais de uma centena de empresas americanas que tinham filiais e associacoes com eles na Alemanha. Os ativos da I.G. Farben na América eram controlados por uma holding, a American IG Farben, que enumerava sobre ela, a bordo do sector marítimo da Administração: Edsel Ford, presidente da Ford Motor Company, E. Mitchell, presidente da Rockefeller, aos National City Bank de Nova York, Teagle Walter, presidente da Standard Oil de Nova York, Paul Warburg, presidente da reserva federal e irmão de Max Warburg, financista da Alemanha, aos esforços de guerra, Herman Metz , um diretor do Bank of Manhattan, controlado pelo Warburgs, e uma série de outros membros, dos quais três foram julgados e condenados como criminosos de guerra na Alemanha por seus crimes contra a humanidade. Em 1939, no âmbito do acordo Alted, o americano Aluminum Company (ALCOA), então o maior produtor mundial de fluoreto de sódio, e a Dow Chemical Company transferiu sua tecnologia para a Alemanha. Colgate, Kellogg, Dupont e muitas outras empresas eventualmente assinaram acordos de cartel com IG Farben, criando um poderoso grupo de pressão com precisão apelidada de “a máfia de flúor” (Stephen 1995).

No final da II Guerra Mundial, o governo de Estados Unidos enviou a Charles Eliot Perkins, um pesquisador em química, bioquímica, fisiologia e patologia, para tomar conta das plantas químicas vastas Farben, na Alemanha. Os químicos alemaes disseram ao Perkins de um regime que eles tinham planejado durante a guerra e que tinha sido adaptado pelo Estado-Maior alemão. O alemão explicou sua intensao de usar químicos para controlar a população numa determinada região, através da medicação em massa de água potável com fluoreto de sódio, uma tática usada na Alemanha e Russia nos campos de prisioneiros de guerra para fazer o prisioneiro “estúpidos e dócil” (Stephen 1995) . Farben havia desenvolvido planos durante a guerra para usar fluor nos países ocupados, pois verificou-se que o fluoretação causou danos leves a uma parte específica do cérebro, tornando mais difícil para a pessoa afectada defender sua liberdade e fazendo com que o indivíduo se torne mais dócil para autoridade. Fluoreto permanece uma das mais fortes substâncias anti-psicóticas conhecidas, e está contido em vinte e cinco por cento dos tranqüilizantes. Pode não parecer surpreendente que Hitler, praticou o conceito de controle da mente por meios químicos, mas os americanos continuaram a investigação militar nazista, exploraram as técnicas para incapacitar um inimigo ou medicar uma nação inteira. Tal como e referido no Relatório de Rockefeller, um briefing presidencial sobre as atividades da CIA “, o programa de drogas fazia parte de um programa da CIA muito maior para estudar meios de controlar o comportamento humano” (Stephen 1995).

O, mito da prevencao de caries, associados com o uso de flúor, se originou nos Estados Unidos em 1939, quando um cientista chamado Gerald J. Cox, empregado da Alcoa, o maior produtor de resíduos tóxicos de flúor e, ao mesmo tempo sendo ameaçado por alegações por danos com flúor , deu fluor para alguns ratos de laboratório e concluiu que o flúor reduziu as cáries e alegou que devia ser adicionado ao abastecimento de agua de toda a nação. Em 1947, Oscar R. Ewing, um advogado da ALCOA por muito tempo, foi nomeado chefe da Agência Federal de Segurança, uma posição que o colocou no comando do Public Health Service (PHS). Durante os próximos três anos, oitenta e sete novas cidades americanas começaram a fluoretação de água, incluindo a cidade de funcionou como um estudo de controle de fluoretação da água em Michigan, eliminando, assim, o teste mais cientificamente objetivo de segurança e benefícios antes de ele nunca foi concluído.

As investigacoes sobre as consequencias no uso de fluor nos Estados Unidos “foram financiadas pela Indústria de Fertilizantes e Armas que procurava uma saída para os resíduos de fluoreto de montagem industrial, enquanto cada vez mais atingir aumentar o lucro positivo. A “descoberta” que o flúor “beneficiava” os dentes, foi pago pela indústria que precisava ser capaz de defender os “processos de trabalhadores e comunidades envenenadas pelas emissões de flúor industrial” (Bryson, 1995) e transformar um passivo em um ativo. Flúor, um componente de resíduos nos processos de fabricação de explosivos, fertilizantes e outras necessidades “, cuja eliminacao era dispendiosa “foi usado entao no abastecimento de água na América, Através da re-educação pública, o fluoreto, uma vez um produto de resíduos, tornou-se o ingrediente ativo em pesticidas fluorados, fungicidas, raticidas, anestésicos, tranquilizantes, medicamentos fluorados, e um número de produtos industriais e domésticos, dentais géis fluordaos, cremes dentais e enxaguatórios. O flúor é uma parte importante da renda bilionária da industria farmacêutica, que a eventual retirada do apoio desta pratica é financeiramente impossível, juridicamente impensável e potencialmente devastadora para a sua carreira e reputação.

Financiado por empresários de E.U., em uma tentativa de promover a aceitação pública de flúor, Edward Bernays, também conhecido como o pai do PR, ou o spin doctor original, começou uma campanha de artifício para convencer a opinião pública. Barnays explicou que “você pode obter praticamente qualquer idéia aceita se os médicos são a favor. O público está disposto a aceitá-la porque um médico é uma autoridade para a maioria das pessoas, independentemente de quanto ele sabe ou não sabe” (Bryson, 2004). Médicos que aprovaram a fluoretação não sabiam nem sabem hoje das consequencias para a saude que o flúor apresenta. O fluoreto chegou a ser visto como parte do progresso científico e desde que foi apresentado ao público como saúdavel,como uma substância adicionados ao ambiente para o bem das crianças, os opostos ao flúor foram demitidos como excêntricos, os charlatães e lunáticos. Fluoreto tornou-se imune às críticas por causa de uma ofensiva de relacoes publicas implacável, mas também por causa de sua toxicidade global. Ao contrário dos produtos químicos que têm um efeito de assinatura, fluoreto, um veneno sistêmico, produz uma gama de problemas de saúde, de modo que seus efeitos são mais difíceis de diagnosticar.

Documentos recentemente desclassificados nos E.U. Do Projeto Militar Manhattan, mostram como o flúor é a substância química chave na produção da bombas atômica e milhões de toneladas que eram necessários para a fabricação de bombas de urânio e plutônio. Intoxicação por Flúor, não envenenamento por radiação, emergiu como o principal perigo químico de saúde para os trabalhadores e comunidades próximas. Cientistas foram obrigados a fornecer elementos úteis para a defesa no litígio, de modo que começaram secretamente testes de flúor em pacientes hospitalizados desavisados e indignados, crianças deficientes mentais ..”A edicao de agosto 1948 do Journal of American Dental Association que mostrou que há provas de efeitos adversos de flúor foi censurada pela Comissão de Energia Atômica de E.U. por razões de” segurança nacional “(Griffiths, 1998). O relatório liberado somente afirmou que o flúor era seguro para humanos em pequenas doses.

Durante a Guerra Fria, o Dr. Harold C. Hodge, que tinha sido o toxicologista para o Exército de E.U. no Projeto Manhattan, foi o promotor de liderança científica da fluoretação da água. Ele foi secretamente realizando uma das premeiras experiências de fluoretação da água pública em Newburgh, Nova York, secretamente estudando amostras biológicas de cidadãos de Newburgh E.U. em seu laboratório na Universidade de Rochester. Dado que não existem restrições legais contra a supressão de dados científicos, a única conclusão publicada dessas experiências foi que o flúor era seguro em baixas doses, a um veredicto profundamente útil para o Exercito de E.U. que temeu ações judiciais por danos com fluoreto nos trabalhadores em usinas nucleares e fábricas de munições. Poluição do flúor foi uma das maiores preocupações legais que enfrentam os sectores industriais dos E.U. durante a guerra fria. Um grupo secreto de advogados das empresas, conhecidos como os advogados da Comissão Fluor, cujos membros incluíam companias de Aço, ALCOA, Kaiser Alumínio e Reynolds Metals, visitaram as empresas que estavam lutando uma onda de reclamações dos cidadãos por lesão de flúor. Os Advogados do Comité Fluor e os seus embaixadores médicos estavam em contato pessoal e freqüente com os altos funcionários do governo federal do Instituto Nacional de Pesquisa Odontológica, e têm sido implicados no estudo “Kettering” da campanha de quarenta anos, que mostrou que o flúor envenena os pulmões e os gânglios linfáticos em animais de laboratório. Os interesses privados, procuraram destruir carreiras e censurar a informação, garantindo que os estudos científicos levantando dúvidas sobre a segurança do flúor nunca foram financiados, e se o fizessem, nunca foram publicados.

Durante a pesquisa de 1990, conduzido pelo toxicologista Phillis Mullenix de Harvard, ele mostrou que o flúor na água pode levar diminuir o IQ, e aumentar os sintomas em ratos de déficit de atenção e hiperatividade (TDAH). Poucos dias antes de sua pesquisa for aceita para publicação, Mullenix foi demitido como chefe de toxicologia no Forsyth Dental Center, em Boston. Em seguida, a sua candidatura a uma bolsa para continuar sua pesquisa sobre as consequencias do fluor no sistema nervoso central foi rejeitado pelo National Institute of Health (NIH), quando um painel do NIH lhe disse que “o fluor não tem efeitos no sistema nervoso central” (Griffiths 1998) .

A pesar de evidências crescentes de que é prejudicial para a saúde pública, agências de saúde púbica e grandes organizações médicas e dentais, tais como a American Dental Association (ADA), continuam a promover o flúor. A fluoretação da água continua, apesar de que os próprios cientistas da EPA, cuja união, o capítulo 280 do Tesouro Nacional, União de Trabalhadores, tomou uma posição firme contra isso. Dr. William Hirzy, vice-presidente do capítulo 280, declarou que “flúor (que é adicionado à água municipal) é um produto de resíduos perigosos para os quais há provas substanciais de efeitos adversos para a saúde e que, ao contrário da percepção pública, virtualmente nenhuma evidência significativa mostra seus benefícios “(Mullenix 1998). Embora o flúor é de até cinqüenta vezes mais tóxico do que o dióxido de enxofre, ainda não é regulamentada como um poluente do ar pelo Clean Air Act americano. Uma vez que milhares de toneladas de resíduos industriais de flúor é vertida em abastecimento de água potável, supostamente para incentivar sorrisos brilhantes em nossas crianças, a grande indústria tem a vantagem de poder emitir resíduos de flúor no ambiente como eles gostam, com absoluta nenhuma exigência para medir as emissões e não há maneira de ser considerado responsável pelo envenenamento de pessoas, animais e vegetação.

Em agosto de 2003, a EPA solicitou que o Conselho Nacional de Pesquisa, o braço de pesquisa da National Academy of Sciences (NAS), reavaliar as normas de segurança da água de flúor através da revisão da literatura científica recente, porque a última revisão, em 1993, tinha grandes lacunas na investigação . “Nem o E.U. Food and Drug Administration (FDA), nem o Instituto Nacional de Pesquisa Odontológica (NIDR), nem a American Academy of Pediatric Dentistry tem qualquer prova sobre a segurança ou a eficácia do flúor” (Sterling, 1993). A Academia Internacional de Medicina Oral e Toxicologia classificou o flúor como um medicamento não aprovado devido à sua alta toxicidade e o Instituto Nacional do Câncer encontrou que o flúor é um agente cancerígeno (Maurer 1990).

Atualmente, os governos continuam a introduzir sistemas de fluoretação adicional em todo o país, incluindo as Leis da Água, o que tornou impossível para as empresas de água se submeter a uma audiçao civil ou penal, como resultado da adição de flúor à água de abastecimento público.

Em uma sociedade onde os produtos que contenham amianto, chumbo, berílio e muitos outros carcinógenos foram recolhidos do mercado, é surpreendente que o flúor é abraçado tão completamente e cegamente. Parece absurdo que iríamos considerar pagar pela indústria química, para eliminar seus resíduos tóxicos, adicionando-o ao nosso abastecimento de água. Esconder os perigos da poluição do flúor do público é um trabalho de estilo capitalista, de proporções épicas que tem ocorrido porque um poderoso lobby pretende manipular a opinião pública a fim de proteger os seus interesses financeiros. “Aqueles que manipulam esse mecanismo invisível da sociedade constitui um governo invisível que é o verdadeiro poder dominante de nosso país … nossas mentes são moldadas, nossos gostos formados, nossas idéias sugeridas, em grande parte por homens de quem nós nunca ouvimos falar” (Bernays 1991 ).