Novo Foco de Risco Biológico na América Latina

POR LUIS MIRANDA | THE REAL AGENDA | 5 AGOSTO, 2012

Ninguém pode ser muito cauteloso quando se trata de uma ameaça biológica, e não existe uma instalação absolutamente segura quando se trata de agentes patogénicos perigosos. O fato de que um laboratório seja construído e dado um certo nível de segurança para autorizar um local como em ótimo estado para receber e analisar vírus, bactérias e outros agentes biológicos não significa necessariamente que este seja. Nós todos concordamos que já há suficientes laboratórios biológicos em todo o mundo que podem ser usados ​​para analisar e avaliar um organismo desconhecido e determinar se ele representa uma ameaça para a humanidade ou não.

A história de fugas biológicas que aconteceram em laboratórios de alta segurança reforça o fato de que não há locais 100% seguros para brincar com microrganismos perigosos, especialmente quando não há necessidade de fazer tal coisa. Embora a avaliação de ameaças biológicas é considerada a melhor maneira de prevenir pandemias, porque permite aos cientistas estudar o que é um patógeno pode causar na saúde dos seres humanos e outros seres vivos, um tem que saber se o aumento do risco durante a exploração e manipulação desses organismos vale a pena, ou se a criação de novos laboratórios de alto nível biotecnologiaco ainda é necessário, dado o fato de que muitos acidentes têm ocorrido.

O número de acidentes em laboratórios sofisticados, principalmente nos países desenvolvidos, criaram a maioria dos maiores pesadelos da humanidade. Na maioria dos casos, as doenças são estudadas, a vezes até geneticamente fabricadas sob a premissa de que é necessário a fim de encontrar a cura. Esta situação ocorreu quando o virologista Yoshihiro Kawaoka experimentou com alterações nos genes do vírus da gripe H5N1 para estudar supostamente sua mutagênese. Os resultados das experiências e os procedimentos utilizados para a realização destas experiências foram publicadas mais tarde. Neste caso, um novo patógeno altamente virulento foi criado e em seguida o modo da sua criacao foi feito público, de jeito que qualquer pessoa com conhecimento básico pode cria-lo.

Embora a história mostra que os riscos superam os benefícios quando você brincar de Deus com agentes patogénicos perigosos, mais laboratórios de estudo estão sendo abertos em todo o mundo. Na maioria dos casos, esses laboratórios são financiados por empresas privadas, como grandes conglomerados farmacêuticos, no entanto, no mundo em desenvolvimento, o governo geralmente paga a conta. Tal é o caso da Costa Rica, onde o Instituto Nacional de Pesquisa em Nutrição e Saúde (INCIENSA) abriu recentemente um laboratório de contenção nível III para estudar e manter organismos que apresentam riscos biológicos. Embora o laboratório não tem tarefa urgente para realizar, com exceção do estudo de casos de tuberculose que existem no país, os contribuintes costarriquenhos tiveram que contribuir com uma grande parte dos ¢ 230 milhões de colones, cerca de 453.000 dólares.

A idéia por trás da abertura dos laboratórios biológicos, tais como o localizado em Tres Rios, Costa Rica, é que os cientistas devem reduzir o tempo entre a descoberta de um organismo novo perigoso que é resistente aos medicamentos existentes e à criação e implementação de contra medidas médicas, como novas vacinas e produtos farmacêuticos. No entanto, como mostra a história, não há tal coisa como uma cura para os organismos criados artificialmente ou que ocorrem naturalmente que podem ou não causar pandemias. Décadas de pesquisa não têm sido capazes de encontrar uma cura para a AIDS, SARS, dengue, e assim por diante. É por isso que o argumento de que a abertura de mais laboratórios biológicos e a criação de microorganismos geneticamente modificados, a fim de salvar todos nós de uma pandemia mundial é simplesmente errada. O único objetivo que foi alcançado com a abordagem atual para combater doenças é aumentar os benefícios econômicos das empresas farmacêuticas.

Existem duas razões pelas quais a pesquisa biológica, como é realizada hoje, é simplesmente uma perda de tempo. Primeiro, a investigação não pode acompanhar a evolução dos microrganismos e o número diferente de caminhos que a evolução pode tomar. A ciência está sempre um passo atrás, especialmente após os microorganismos foram continuamente expostos a antibióticos ineficazes. Em segundo lugar, qual é o beneficio de que centenas ou milhares de pessoas participem da pesquisa de estudos sobre agentes biológicos em quanto os governos ao redor do mundo abertamente realizam experimentos biológicos, muitas vezes sobre seus próprio povos? A menos que a ciência descobra novos caminhos para alcançar a evolução viral e bacteriana de forma eficaz, por exemplo, todo o dinheiro e esforços nos laboratórios de nível III ou IV são simplesmente um desperdício de tempo e recursos. Além disso, a não ser que os governos decidam pôr fim à experimentação com agentes biológicos, não faz sentido investir recursos em pesquisas de tratamentos ou curas.

Apesar que os esforços para a realização de pesquisa científica são bem-vindos, a verdade é que a tuberculose é uma das doenças menos importantes em que se pode pensar quando se fala sobre o estudo de patógenos perigosos. Segundo a Organização Mundial da Saúde, Costa Rica teve apenas 14 casos de tuberculose por 100.000 habitantes para os anos 2008, 2009 e 2010. “O país não tem um laboratório até agora e isso nos ajuda muito, especialmente para identificar tuberculose resistente aos medicamentos”, diz Carlos Trabado, o Coordenador do Centro Nacional de Pesquisa em Tuberculose na Costa Rica. Como em outros laboratórios de alto nível de biotecnologia, o novo laboratório de Nível III em Costa Rica terá universitários como parte da força de trabalho. “A universidade oferece aos alunos com apenas uma vaga noção, mas isso não é suficiente para trabalhar aqui, por isso, nos damos uma formação para eles”, disse Trabado. É realmente uma boa idéia permitir que os estudantes universitários, sem experiência lidem com ameaças biológicas, mesmo com supervisão de um adulto?

Durante o tempo em que a maioria dos países estudam as ameaças biológicas como uma maneira de criar agentes patogénicos geneticamente modificados, em vez de na verdade encontrar a cura para as doenças já existentes, o que poderia ser o resultado de mais e mais países continuarem a abrir instalações para estudar os riscos biológicos para combater as ameaças percebidas de inimigos ou grupos terroristas que podem ou não possuir uma arma biológica? Se o que você quer é parar todas as ameaças biológicas, não faz mais sentido destruir todos os agentes perigosos em todas as suas variedades e fechar instalações de alto nível, onde um agente biológico pode escapar ou ser removido por estudantes universitários inexperientes ou trabalhadores desonestos? Isso já aconteceu no passado, não é?

Isso não significa que pesquisas científicas não devem ser realizadas. O importante é sempre pesar riscos e benefícios antes de começar uma nova experiência ou a abertura de um novo laboratório que irá manter as ameaças biológicas. Não pode-se ser nunca demasiado cauteloso ao lidar com conformismo ou agentes biológicos. Mas essa não é a idéia que você recebe do Sr. Trabado. “Os vírus e bactérias que permaneceram aqui, não podem sair, e se eles saírem, já estarao mortos.” É exatamente este tipo de absoluta confiança que faz com que a maioria dos acidentes em locais sensíveis, tais como laboratórios de contenção de risco biológico acontecam. Lembre-se que o nível III é apenas um passo abaixo do nível superior, que é o nível IV.

A separação entre um agente patogénico em um laboratório nivel III e a população é um mundano filtro HEPA, antes de que o ar utilizado dentro do laboratório é enviado para fora. Os filtros HEPA deste tipo retém 99,97% de todas as partículas de 0,3 microns ou maiores. Embora a pesquisa científica agora parece estar centrada apenas na tuberculose, um verdadeiro laboratório de nível III pode lidar com microorganismos muito mais perigosos que podem ser transmitidos através da inalação, e que muitas vezes somente precisam de uma dose baixa para causar uma infecção generalizada que pode causar pandemias graves ou fatais. Eles incluem vírus do Nilo Ocidental, o vírus da encefalite eqüina venezuelana, encefalite eqüina do Leste, SARS, Salmonella typhi, Coxiella burnetii, febre do vale do Rift, Rickettsia rickettsii, e o vírus da febre amarela.

Nuevo Foco de Riesgo Biológico en América Latina

POR LUIS MIRANDA | THE REAL AGENDA | 28 JULIO, 2012

Nadie puede ser demasiado cauteloso cuando se trata de una amenaza biológica, y no hay tal cosa como una instalación absolutamente segura cuando se trata de agentes patógenos peligrosos. El hecho de que un laboratorio sea construido y dado un determinado nivel de seguridad con el fin de autorizarlo como un local  equipado para recibir y analizar virus, bacterias y otros agentes biológicos no significa necesariamente que lo sea. Todos estamos de acuerdo que hay suficientes laboratorios biológicos en todo el mundo que se pueden utilizar para analizar y evaluar un organismo desconocido y determinar si representa una amenaza para la humanidad o no.

La historia de los llamados laboratorios de máxima seguridad que fueron el origen de fugas biológicas refuerza el hecho de que no hay lugares 100% seguros para jugar con microorganismos peligrosos, sobre todo cuando no hay necesidad de hacerlo. Aunque la evaluación de amenaza biológica es considerada como la mejor manera de prevenir las pandemias, ya que permite a los científicos estudiar con seguridad lo que un agente patógeno podría hacer a nosotros los seres humanos y otros seres vivos, uno tiene que preguntarse si el aumento del riesgo de mantener y manipular estos organismos vale la pena , o si la creación de nuevos laboratorios de biotecnología de alto nivel es aún necesario, dado el hecho de que numerosos accidentes han ocurrido.

El número de accidentes biológicos en laboratorios muy sofisticados, principalmente en los países desarrollados, causó la mayor parte de las más grandes pesadillas de la humanidad. En la mayoría de los casos, las enfermedades se estudian, a veces incluso se fabrican genéticamente bajo la premisa de que es necesario crear la enfermedad a fin de encontrar la cura. Esta situación se produjo cuando el virólogo Yoshihiro Kawaoka experimentó con alteraciones de los genes del virus de la gripe H5N1 para estudiar supuestamente su mutagénesis. Los resultados de los experimentos y los procedimientos utilizados para llevar a cabo esos experimentos se hicieron públicos meses después. En este caso, un nuevo agente patógeno altamente virulento fue creado y, a continuación se hizo público para que cualquier persona con conocimiento básico pueda probar por sí mismo.

A pesar de que la historia demuestra que los riesgos superan los beneficios, cuando se juega a ser Dios con patógenos peligrosos, los instalaciones de estudio se siguen abriendo en todo el mundo. En la mayoría de los casos, estos laboratorios son financiados por empresas privadas, tales como los grandes conglomerados farmacéuticos, sin embargo, en el mundo en desarrollo, el gobierno por lo general paga la cuenta. Tal es el caso de Costa Rica, donde el Instituto Nacional de Investigación sobre Nutrición y Salud (INCIENSA) ha inaugurado recientemente un laboratorio de contención de nivel III para estudiar y mantener organismos que representan riesgos biológicos. Aunque el laboratorio no tiene ninguna tarea urgente para asumir, salvo el estudio de casos de tuberculosis que existen a nivel local, los contribuyentes costarricenses tuvieron que contribuir con una gran parte de los ¢ 230 millones de colones, aproximadamente, 453.000 dólares.

La idea detrás de la apertura de los laboratorios biológicos, tales como el de Tres Ríos, Costa Rica, es que los científicos deben reducir el tiempo entre el descubrimiento de un nuevo organismo peligroso que es resistente a los medicamentos existentes y la creación e implementación de contramedidas médicas, al igual que vacunas y productos farmacéuticos nuevos. Sin embargo, como demuestra la historia, no hay tal cosa como una cura para los organismos creados artificialmente o de origen natural que pueden o no pueden causar pandemias. Décadas de investigación no han sido capaces de encontrar una cura para el SIDA, el SARS, la peste bubónica, el dengue, y así sucesivamente. Es por eso que el argumento de que la apertura de más laboratorios biológicos y la creación de microorganismos peligrosos a fin de salvarnos a todos de una pandemia en todo el mundo es simplemente errónea. La única meta que se ha logrado con el enfoque actual para hacer frente a la enfermedad es aumentar los beneficios económicos de las corporaciones farmacéuticas.

Hay dos razones por qué la investigación biológica, en la forma en que se lleva a cabo hasta hoy, es simplemente una pérdida de tiempo. En primer lugar, la investigación no puede ponerse al día con la evolución de los microorganismos y el diferente número de rutas que su evolución puede tomar. En pocas palabras, la ciencia está siempre un paso por detrás especialmente después de que los microorganismos han sido continuamente expuestos a antibióticos ineficaces. En segundo lugar, ¿de qué sirve tener cientos o miles de personas que participan de la evaluación e investigación biológica cuando los gobiernos de todo el mundo abiertamente conducen programas de experimentación biológica, a menudo en su propio pueblo? A menos que la ciencia descubra nuevas maneras de alcanzar efectivamente la evolución viral y bacteriana, por ejemplo, todo el dinero y los esfuerzos realizados en los laboratorios de nivel III o IV son simplemente una pérdida de tiempo y recursos. Además, si los gobiernos no deciden poner fín a la experimentación en sus pueblos o en personas de otras regiones del mundo, no tiene sentido invertir recursos en la investigación de tratamientos o curas.

A pesar de los esfuerzos para llevar a cabo investigación científica son bienvenidaos en el caso de Costa Rica, la verdad es que la tuberculosis es una de las enfermedades menos importantes en las que uno puede pensar cuando se habla sobre el estudio de patógenos peligrosos. Según la Organización Mundial de la Salud, Costa Rica tuvo solamente 14 casos de tuberculosis por cada 100.000 habitantes para los años de 2008, 2009 y 2010. “El país no contaba con un laboratorio hasta el momento y esto nos ayuda mucho, sobre todo para identificar la tuberculosis farmacorresistente”, dice Carlos Trabado, el Coordinador del Centro Nacional de Investigación de la Tuberculosis en Costa Rica. Como sucede en otros laboratorios de biotecnología de alto nivel, el nuevo laboratorio de nivel III en Costa Rica tendrá estudiantes universitarios como parte de la mano de obra. “La universidad ofrece a los estudiantes sólo una vaga noción, pero esto no es suficiente para trabajar aquí, así que les damos formación continua”, dijo Trabado. ¿Es realmente una buena idea permitir a estudiantes universitarios sin experiencia manipular amenazas biológicas, incluso con supervisión de un adulto?

Durante la época cuando la mayoría de las naciones ven el estudio de amenazas biológicas como una manera de crear agentes patógenos genéticamente modificados en lugar de verdaderamente encontrar las cura de las enfermedades existentes, cuál podría ser el resultado de que más y más países sigan abriendo  instalaciones para el estudio de riesgos biológicos para contrarrestar supuestas amenazas de enemigos o de los grupos terroristas que pueden o no poseer un arma biológica? ¿Si lo que se quiere es poner fín a todas las amenazas biológicas, no es destruir todos los agentes biológicos peligrosos con todas sus variedades y cerrar  instalaciones de alto nivel, desde donde uno de los agentes biológicos puede escapar o ser sacado por estudiantes universitarios sin experiencia o trabajadores deshonestos? Ha ocurrido en el pasado, no es así?

Esto no quiere decir que la investigación científica no deba llevarse a cabo. Lo importante es sopesar siempre los riesgos y los beneficios antes de iniciar un nuevo experimento o la apertura de un nuevo laboratório que mantendrá amenazas biológicas. Nunca puede haber demasiada cautela o conformismo cuando se manipulan agentes biológicos. Sin embargo, esa no es la idea que se obtiene del Sr. Trabado. “Los virus y las bacterias que que se mantienen aquí no pueden salir y si lo hacen saldrán ya muertos”, dijo Trabado. Es exactamente este tipo de confianza absoluta lo que causa la mayoría de los accidentes en lugares sensibles, como los laboratorios de contención de riesgo biológico. Recuerde que el nivel III es sólo un paso por debajo del nivel superior, que es el nivel IV.

La separación entre un patógeno peligroso contenido en un laboratório nivel III y la población se realiza mediante el uso de un mundao filtro HEPA, antes de que el aire utilizado en el interior del laboratorio se envíe hacia afuera. Los filtros HEPA de este tipo retienen el 99,97% de todas las partículas que son de 0,3 micras o mayor tamaño. Aunque la investigación científica en estos momentos parece estar centrada sólo en la tuberculosis, un verdadero laboratorio de nivel III puede manejar microorganismos mucho más peligrosos que pueden ser transmitidos a través de la inhalación, y de los cuales a menudo se necesitan dosis bajas para producir una infección masiva que puede causar enfermedad grave o potencialmente mortal. Entre ellos están el virus del Nilo Occidental, el virus de la encefalitis equina venezolana, virus de la encefalitis equina del oriental, coronavirus del SRAS, Salmonella typhi, Coxiella burnetii, virus de la fiebre del Valle del Rift, rickettsii Rickettsia, y el virus de la fiebre amarilla.

New Bio Hazard ‘Hot Spot’ in Latin America

By LUIS MIRANDA | THE REAL AGENDA | JULY 27, 2012

No one can ever be too cautious when dealing with a bio threat, and there is not such a thing as an absolutely safe facility when dealing with dangerous pathogens. The fact that a laboratory is built and given a certain safety level in order to authorize it as a locale that is fitted to receive and analyze viruses, bacteria and other bio agents does not necessarily make it so. We can all agree that there are enough bio labs around the world that can be used to analyze and evaluate an unknown organism and determine whether it represents a threat to humanity or not.

The history of so-called maximum security bio labs that were the origin of bio leaks reinforces the fact that there are no 100% safe places to play around with dangerous microorganisms, especially when there is no need to do it. Although biological threat assessment is seen as the best way to prevent pandemics, because it allows scientists to safely study what a pathogen could do to us humans and other living things, one has to ask whether the increased risk to keep and manipulate such organisms is worthwhile, or if the creation of new high level bio labs is even necessary, given the fact that numerous accidents and non-accidents have occurred.

The number of  bio accidents in highly sophisticated labs, mainly in developed countries, caused most of humanity’s biggest nightmares. In most cases, diseases are studied, sometimes even manufactured or genetically engineered under the premise that it is necessary to create the disease in order to find the cure. This scenario took place when virologist Yoshihiro Kawaoka experimented altering the genes of the H5N1 flu virus in order to supposedly study its mutagenesis. The results of the experiments and the procedures used to carry out those experiments were made public months later. In this case, a new highly virulent pathogen was created and then experiment was put out for anyone to try for themselves.

Despite the fact that history shows the risks outweigh the benefits, when playing God with dangerous pathogens, more high level facilities continue to open shop all over the world. In most cases these bio labs are financed by private enterprises such as large pharmaceutical conglomerates, however in the developing world, government usually picks up the tab. That is the case of Costa Rica, where the Institute for Research on Nutrition and Health (INCIENSA) has recently opened a level III Biohazard Containment Laboratory. Although the lab doesn’t have an urgent task to take on, except for studying cases of tuberculosis in that exist locally, taxpayers had to contribute with a big chunk of the ¢230 million, approximately, $453,000.

The idea behind the opening of bio labs such as the one in Tres Rios, Costa Rica, is that scientists must reduce the time between the discovery of new dangerous organism that is resistant to existent drugs, and the creation and implementation of medical countermeasures, like vaccines and new pharmaceuticals. However, as history shows, there isn’t such a thing as a cure for artificially created or naturally occurring organisms that may or may not cause pandemics. Decades or research have not been able to find a cure for AIDS, SARS, Bubonic plague, Dengue, and so on. That is why the rationale that opening more bio labs and creating dangerous microorganisms in order to save us all from a worldwide pandemic is simply flawed. The only goal that has been achieved with the current approach to dealing with disease is increase the economic benefits of the large pharmaceutical powerhouses.

There are two reason why bio research the way it is carried out today is simply a waste of time. First, research can never catch up with the evolution of microorganisms and the different number of paths their evolution can take. Put simply, science is always a step or two behind, especially after microorganisms have been continuously exposed to ineffective antibiotics. Second, what good does having hundreds or thousands of people participating of biological assessment and research do, when governments around the world openly conduct bio warfare experimentation, often on their own people? Unless science discovers new ways to effectively catch up with viral and bacterial evolution, for example, all monies and efforts being done in level III or IV bio labs are simply a waste of time and resources. Also, unless governments decide that experimenting on their people or on people from other regions of the world, there is no sense in investing resources on research for treatments or cures.

Although the effort to conduct research is welcomed in the case of Costa Rica, the truth is that Tuberculosis is one of the least important diseases one can think of when talking about the study of dangerous pathogens. According to the World Health Organization, Costa Rica had only 14 cases of tuberculosis for every 100,000 people for the years of 2008, 2009 and 2010. “The country did not have a lab so far and this helps us a lot, especially to identify drug-resistant tuberculosis,” says Carlos Trabado, the Coordinator of the National Center for Tuberculosis Research in Costa Rica. As it happens in other high level bio labs, the new level III lab in Costa Rica will have college students as part of the inexperienced labor force. “The university gives the students only a vague notion, but this is not enough to work here, so we give them continuous training,” said Trabado. Is it really a good idea to have college students handling bio threats, even with adult supervision?

During times when most nations see bio threat assessment as a way to create genetically modified pathogens as supposed to truly find cures for the existent ones, what could be the outcome  of more and more countries continuing to open bio hazard facilities to counteract supposed threats from foes or terrorist groups who may or may not possess a biological weapon? Isn’t the best way to end all biological threats to destroy all dangerous bio agents with all of their strains and close down the high level facilities from where one of those bio agents can escape or be carried out by inexperienced college students or dishonest workers? It has happened in the past, hasn’t it?

This is not to say that scientific research should not be conducted. The important thing is to always weigh the risks and the benefits before starting a new experiment or opening a new bio threat hot spot. There can never be too much caution or conformism when handling bio agents. However, that is not the idea one gets from Mr. Trabado, at the level III lab in Costa Rica. “Viruses and bacteria that come out of here will be already dead, or will simply not come out at all,” said Trabado. It is exactly this kind of absolutist self-assurance what causes most of the accidents in sensitive places such as level III Biohazard Containment Laboratories. Remember that level III is just one step below the top level, which is level IV.

The separation between a dangerous pathogen contained in a level III lab and the population is made by a mundane HEPA filter, before the air used in the inside of the lab is sent outside. HEPA filters of this kind remove “99.97% of all particles that are 0.3 micron or larger in size. Although right now scientific research seems to be focusing only on Tuberculosis, a real level III lab can handle much more dangerous microorganisms that may be transmitted via inhalation, that often need low doses to produce a massive infection that can cause serious or life-threatening disease. Among them, there are West Nile virus, Venezuelan equine encephalitis virus, Eastern equine encephalitis virus, SARS coronavirus, Salmonella typhi, Coxiella burnetii, Rift Valley fever virus, Rickettsia rickettsii, and yellow fever virus.