Como é Estados Unidos hoje?

Mais impostos, mais desemprego, mais pessoas sem casa, mais venda de álcool

Por Luis R. Miranda
The Real Agenda
6 fevereiro 2012

Muitas vezes, as pessoas querem saber como é exatamente os Estados Unidos hoje. Acontece que a maioria das pessoas têm uma idéia errada. Em muitos países onde as pessoas ainda acreditam que ter tudo é o que significa viver bem, ainda vêm os EUA como a casa brilhante no topo do morro. “É muito diferente de quando eu morava lá”, eu respondo sempre. A chave aqui é que as mudanças que tiveram lugar nos Estados Unidos, a maioria senão todas elas para o pior, tem sido rápidas. As mudanças mais significativas para grande parte da população ocorreram na última década.

A maioria das mudanças negativas têm a ver com a perda da liberdade, uma conseqüência do crescimento fora de controle do governo federal. Hoje mesmo a mídia corporativa não pode esconder a realidade nos EUA, não mesmo a mídia amiga do presidente Obama (MSNBC, NBC, CNN, New York Times, Time, Newsweek, FOX e assim por diante). A situação aberrante na qual Estados Unidos está atualmente, pode ser medida usando pelo menos 4 variáveis: impostos, desemprego, pobreza e álcool.

A galinha dos ovos de ouro: O cidadão americano

Vamos começar com os impostos. O poder de tributar é o poder de escravizar. Eu não sei quantas vezes ouvi essa frase, mas eu duvido que muitas pessoas no poder realmente entendam o que isto realmente significa. Provavelmente menos do que um punhado estão dispostos a agir para corrigir o que significa. Até 1913, o governo dos Estados Unidos (federal e os estados) funcionaram muito bem sem um imposto de renda, mas os recursos arrecadados através de impostos não eram suficientes para sustentar um governo federal nos níveis de crescimento que os corporatistas em controle queriam. Hoje, o imposto de renda come o fruto do trabalho do povo. E quando os impostos não são suficientes para suportar a crescente burocracia, mais impostos são colocados sobre a população. Tem sido assim durante quase 100 anos. No entanto, o crescimento do governo federal e sua intenção de obter mais poder não é a única razão pela qual este precisa de mais impostos. Se você não acha que o governo não tem dinheiro para pagar professores, policiais, bombeiros e outros trabalhadores locais e federais, você provavelmente está conscientes dos infames relatórios financeiros anuais. Este é o conjunto duplo de livros que todas as cidades e os estados têm. Uma delas é a contabilidade que a maioria das pessoas pensam que conhecem, o outro detém o recorde dos dinheiros que foram levados do cofre dos governos para fazer coisas que poucos cidadãos conhecem. Enquanto as corporações e bancos obtêm crédito fácil da janela do Fed, além de ser resgatados com bilhões de dólares dos contribuintes, as pessoas comuns tiveram que apertar o cinto se eles tiveram a sorte de manter seus empregos no últimos 10 anos. Embora se diga que a crise econômica começou em 2008, a verdade é que ela começou muito antes, mesmo antes de George Bush chegar ao poder.

Se alguém pode esperar que os impostos sejam mais baixos durante um governo republicano, também pode esperar que esses mesmos impostos sejam mais altos durante uma administração democrática. Infelizmente, os cortes de impostos republicanos são geralmente aplicados aos ricos, e o impostos aumentados pelos democratas são aplicadas à classe média e os muito pobres. A última década tem sido a pior para o povo dos Estados Unidos, provavelmente desde a última Grande Depressão, e a situação não parece melhorar. Quem é o culpado? Todos os presidentes que não tiveram a coragem de lidar com empresas multinacionais que controlam o governo federal, pelo menos desde 1913. De acordo com o Congressional Budget Office (CBO), não haverá alívio para os contribuintes americanos em 2012. Na verdade, os impostos vão aumentar em pelo menos 30 por cento nos próximos dois anos. Esse número é válido, se deixarmos de lado a prática fiscal que o governo federal tem usado desde há 100 anos, e que é a manipulação da moeda ou a desvalorização artificial do dólar, imprimindo dinheiro do nada.

Impostos mais altos não só significa um maior governo federal, mas também menos recuperação, menos empregos, menos renda e menos liberdade. Esta imagem é assim “principalmente devido ao vencimentos previsto de disposições fiscais, tais como taxas reduzidas sobre o rendimento, que limitam o âmbito do imposto mínimo alternativo (AMT) e a imposição de novos impostos, taxas e multas que estão programadas para ter efeito nos próximos anos “, diz o documento do CBO.

Como poderia haver uma recuperação quando o governo federal come uma grande parte dos recursos arrecadados através de impostos e quase nada deste dinheiro é usado para beneficiar os contribuintes? Os números da CBO dizem que as receitas fiscais federais totalizaram 2,302 bilhões de dólares no ano fiscal de 2011 e aumentaram para 2,523 bilhões de dólares no ano fiscal de 2012, 2,988 bilhões de dólares em 2013 e 3, 313 bilhões em 2014. O relatório acrescenta que, como percentagem do PIB, as receitas fiscais foram 15,4 por cento no ano fiscal de 2011, e serão 16,3 por cento em 2012, 18,8 por cento em 2013 e 20,0 por por cento em 2014. Em outras palavras, o Governo Federal terá mais dinheiro para gastar do que em anos anteriores. É improvável, porém, que o governo vai gastar dinheiro em programas para fazer crescer a economia, criar empregos e melhorar a questão da dívida. De fato, em janeiro, o aumento da dívida pública federal cresceu em mais 1 trilhao de dólares. De lá é onde vem a previsão de que haverá uma economia lenta ao longo dos próximos seis anos.

Mais impostos, menos empregos

Vamos falar sobre o desemprego. Com os números preparados pelo governo, seus funcionários dizem que a taxa de desemprego é de cerca de 7 por cento. A CBO tem vindo a dizer que é realmente 10 por cento. No entanto, é provável que esta taxa tenha atingido 20 por cento, porque foi estimado em mais de 17 por cento em 2009. O governo federal assumiu a responsabilidade de encorajar as empresas a mudar-se para o exterior, ao invés de promover os EUA como o lugar para estar, para criar empregos, produzir bens e vender seus produtos. Impostos mais altos no país, junto com a ganância corporativa levou as empresas a mudar-se para Ásia e América Latina em um ritmo rápido. Ao mesmo tempo, os impostos mais elevados e uma economia estagnada terminaram o empreendedorismo local e abriram a porta para corporações como Wal-Mart, a IKEA e outras empresas que lucram através da exploração de trabalhadores no Terceiro Mundo para produzir lixo que é depois vendido em os EUA e no mundo. Se você é um socialista ou comunista, e acredita que o consumismo é ruim para o meio ambiente e a humanidade como um todo, dê uma olhada no que os produtos produzidos com mão de obra barata fazem.

Desde aproximadamente 2000, os Estados Unidos perdeu 6 milhões de empregos na indústria. A maioria destes trabalhos, como eu disse, foram para o México, Brasil, Índia, China e outros países ao redor do mundo à custa dos contribuintes americanos. Um estudo realizado pelo Instituto de Política Econômica mostra como o déficit comercial dos EUA com a China faz com que os EUA perca cerca de meio milhão de empregos por ano. Além disso, os registros fiscais indicam que até 2008, o emprego oferecido pelas empresas originais dos Estados Unidos criaram 10,1 milhões de empregos no exterior através de suas subsidiárias em países como os mencionados acima. Isso é cerca de metade do número de empregos cortados por empresas multinacionais nos Estados Unidos durante o mesmo período. O numero total? 21,1 milhões de empregos. A indústria não é mais uma atividade significativa em os EUA, como era 50 ou 60 anos atrás, quando 28 por cento da produção econômica estava diretamente relacionada com a produção de bens em solo dos EUA. Hoje em dia, é menos da metade; 11,5 por cento.

Você já ouviu falar sobre o efeito NAFTA? Se você não sabe o que é NAFTA seria uma ótima idéia perguntar para o Bill Clinton e Al Gore, os pais desta criança. O Acordo Norte-Americano de Livre Comércio assinado sob a administração Clinton seria, de acordo com Clinton e Gore, a melhor invenção desde que a linha de montagem entrou em existência. Ironicamente, o NAFTA é o principal responsável pelo extermínio das linhas de montagem nos Estados Unidos.

O livre comércio não é ruim quando existem condições iguais para todos os participantes, ou onde a renda pode compensar a perda em outras áreas, se você entende o que quero dizer. No entanto, este não é o que o NAFTA fez para os EUA depois de ter sido assinada por Clinton em 1994. Os defensores do NAFTA contradizem a idéia de que este acordo foi negativo para os EUA porque dizem que os EUA experimentou um aumento significativo do PIB, como resultado da implementação deste tratado. Muitas vezes aspectos macroeconômica pré NAFTA são comparados a estes mesmos aspectos post NAFTA para fazer os seus argumentos. Os resultados positivos são apresentados e descritos em termos macroeconómicos porque é mais fácil de criar pontos de discussão para alimentar a mídia, que então regurgita estes pontos para o público. No entanto, como vimos anteriormente, o NAFTA é responsável pela perda de empregos na indústria. Esta perda não ocorreu logo após a implementação do NAFTA, como a maioria das empresas não se mudaram ao exterior imediatamente. A perda de postos de trabalho fora de controle veio no final dos anos 90 e durante os primeiros anos do século 21. Um único relatório do economista Robert Scott, do Instituto de Política Econômica mostra como foi a perda de pelo menos 700.000 postos de trabalho devido ao NAFTA. Leia o relatório completo “Southbound” comércio México-EUA e deslocamento de trabalho após o Nafta. ” Opiniões sobre o NAFTA como ajudou ou prejudicar a economia dos EUA ainda são numerosos, mas a verdade é que a prova está no pudim.

Bye, bye sonho americano

Eu pessoalmente não acredito no sonho americano, então me perdoe se você acredita. Mas se era real em algum momento, talvez as pessoas em os EUA (99 por cento delas) concordaria que desapareceu nos últimos dez anos. Dependendo de quem você pergunte, o símbolo mais importante do sonho americano inclui possuir uma casa, embora na maioria dos casos as pessoas não são donos de suas casas, se não os bancos. Este é outro aspecto que mudou nos Estados Unidos na última década. Embora o novo milênio viu um número crescente de americanos recebendo empréstimos para comprar casas, agora sabemos que foi apenas uma bolha planejada, e que deveria explodir e deixar milhões de desabrigados em todo o país. E assim foi que aconteceu.

Não importa o quanto a mídia diga que a crise vai acabar a curto prazo. Junto com o aprofundamento do desespero econômico, possuir um imóvel também se torna muito difícil. O número de proprietários de imóveis em os EUA caiu 66 por cento. Este valor vem do Censo dos EUA, publicado apenas cinco dias atrás. Mas o fato que existem pessoas sem um lar não é um assunto novo. Esta é uma tendência que os americanos viram mais fortemente nos últimos três anos. Junto com a queda na taxa de compra de casa própria, está a queda nos preços das casas a uma taxa de 1,3 por cento em novembro e 3,7 por cento em outubro. Os valores acima são uma lembrança das condições vistas na época da Grande Depressão. Assim, quando os meios de comunicação corporativos dizem que o país está se recuperando, você pode ter certeza que é uma das mentiras mais audaciosas que já ouviu. Pode ser diferente para Wall Street, é claro.

As duas principais razões para o declínio no numero de pessoas com casa própria? A falta de crédito disponível, o que é devido à falta de dinheiro e as poucas opções de financiamento para os potenciais proprietários. O economista Paul Dales disse que mesmo se as pessoas querem ter uma casa, é difícil comprar porque não há financiamento para uma hipoteca. É um risco financeiro ajudar alguém se os preços das casas continuam a cair este ano e em 2013. O número de imóveis desocupados chega a 2,5 por cento, todo o estoque a partir do qual os compradores podem escolher. Mas existem compradores? Sem dúvida, existem muitas pessoas sem abrigo que precisam de um lugar para dormir. A queda no numero de pessoas com casa própria tem visto seu pior na Costa Oeste, onde a taxa atingiu 60,1 por cento, de acordo com dados do censo. Este cenário não é surpreendente, porque se as pessoas não têm emprego, empregos bem remunerados e estáveis, enquanto eles são escravos do IRS, não se pode esperar que sejam se tornem proprietários de um imóvel.

Uma ferramenta de último recurso: o álcool?

Tempos de desespero pedem medidas desesperadas. Quais são as chances de que a venda de álcool aumente anualmente durante uma crise econômica? De maneira nenhuma digo que este aumento é uma conseqüência direta da crise global, mas não seria uma surpresa. “Os embarques de uísque, rum, vodca e conhaque em 2011 aumentou 2,7 por cento sobre o ano anterior – o maior aumento em cinco anos, segundo dados da indústria”, informa a Fox News. A taxa de 2,7 por cento não parece muito, mas se esse percentual é quantificado, talvez possamos ter uma melhor perspectiva. “As vendas de produtos das melhores marcas alcoólicas subiu 5,3 por cento no ano passado, em linha com a média pré-recessão de 5,8 por cento. Pelo menos sabemos que setor da economia tem potencial para crescer. Então, se livre de seu fundo de garantia, poupança e outros produtos financeiros e compre de alimentos não perecíveis, água e talvez acoes da indústria do álcool?

O Poder Horizontal do Estado

Por Luis R. Miranda
The Real Agenda
13 de julho de 2011

Quantos liberais, libertários, conservadores e anarquistas, para citar alguns, não gostam dos resultados derivados de ter um Estado fora de controle? Seria interessante a realização de uma pesquisa para descobrir exatamente. No entanto, uma pesquisa não é necessária a menos que você seja um fã de estatísticas ou matemática, para saber que a maioria das pessoas estão insatisfeitas com o atual estado das coisas. Prova de que o envolvimento do governo pode fazer mais mal do que bem está em todos os aspectos da vida. Mas não é o governo ou o Estado responsável por esses resultados, é o povo que apóia os Estados ou governos que têm a culpa.

Embora a estrutura e o poder do governo são vistos como construídos em forma de pirâmide, a verdade é que o governo ou o Estado é construído na horizontal. O governo é composto por pessoas que dão apoio jurídico e moral de existir, assim essas mesmas pessoas são responsáveis pelo que o Estado ou o governo faz ou não faz. Portanto, todas as coisas que se originam no Estado, boas ou más, são o resultado directo do apoio dado pelas pessoas ao que conhecemos como o governo ou o Estado.

O problema é que muitas pessoas não sabem ou não entendem isso. As pessoas se queixam sobre o estado atual das coisas, sem perceber que eles são os culpados pela miséria que estão experimentando. Outras pessoas percebem, mas são muito hipócritas ou têm medo de fazer algo sobre isso. Eles não falam contra o Estado, porque têm medo da rejeição social. Aqueles que temem vao ficar feliz em saber que o problema do abuso e as acoes fora do controle do Estado é resolvido com ações, não palavras. Por quê? Porque a linguagem é tão frágil que pode ser manipulada em muitas formas para dizer o que qualquer pessoa quiser. É quase impossível injetar uma dose de senso comum em qualquer pessoa que tenha sido previamente doutrinada, e todos nós somos doutrinados a algum grau. No entanto, se trabalhamos em algo que é visto como ruim ou abusivo, os outros vão ver por si mesmos o que queremos dizer, porque nossas ações fazem mais sentido do que o que eles acharam real durante as suas vidas.

Despertar as pessoas para agir e mudar o atual estado das coisas é uma tarefa impossível se você só usa as palavras. A razão para isto é que a cultura está tão profundamente enraizada em suas mentes, que a realidade do povo não é nada mais do que aquilo que a cultura lhes diz que é. Nada mais. É claro que a cultura não “ensina” a realidade ou a verdade às pessoas, mas dá uma mistura de meias-verdades e mentiras.

 Como fazer, por exemplo, as pessoas entenderem que enquanto os nazistas mataram 6 milhões de judeus diretamente e indiretamente um total de 40 milhões de pessoas, há outra entidade que já matou quase sete vezes mais pessoas do que os nazistas. Pode vir como uma surpresa para muitos que durante a era contemporanea, os Estados são responsáveis pela morte de pelo menos 262 milhões de pessoas. Isso é um fato que a cultura não vai contar a ninguém.

Por exemplo, em nossa “realidade” criada pela cultura, o problema é o terrorismo, mas ao invés de atacar as causas profundas do terrorismo, o Estado trata os seus cidadãos como criminosos. De repente, todo mundo é culpado até que se prove inocente e todo mundo está sujeito a esta forma de pensar. Nós revisamos os sapatos em aeroportos para resolver o problema do terrorismo, a cultura nos diz. Damos ao Estado uma foto do nosso corpo nu (em scanners de corpo inteiro), como forma de resolver o terrorismo, dizem-nos os meios de comunicação.

Enquanto isso, os terroristas, os verdadeiros terroristas, que operam os scanners nos aeroportos, que mataram pelo menos um milhão de pessoas no Iraque, que apoiaram a limpeza étnica na Bósnia, agora fazem a mesma coisa na Líbia, Paquistão, Iêmen e Síria, gracas a complacência do povo.

Pessoas apoiam o Estado porque é a forma como foram educados. Dependendo de onde você mora, o sistema de ensino doutrina a obedecer e adorar o Estado. Junto com a doutrinação está o papel que a cultura desempenha na vida das pessoas. A cultura reforça a paradigmas que foram criados para que tudo fique como sempre. Os seres humanos foram doutrinados a aceitar e exigir uma explicação da realidade que nunca deve mudar: que o Estado, qualquer Estado, tem nossos melhores interesses em mente. É por isso, por exemplo, que todos pagam impostos de propriedade pelo resto de suas vidas, apesar de que já pagaram esse imposto quando compraram a propriedade. É por isso que “escolhem” os seus representantes de ambos dois partidos politicos principais, e acreditam que o sistema lhes dá uma opção. É por isso que todo mundo obedece as leis criadas pelo Estado, embora este não obedece. Isto é porque as leis são para os escravos, e não os proprietários. E adivinhem? Os proprietários também são seres humanos como eu e você, não importa o quanto eles adoram ver-se como seres superiores.

O problema com a “realidade” criada pela cultura e que porque ela é objetivamente falsa, você precisa de um apoio contínuo para torná-la credível. É exatamente como “diga uma mentira mil vezes e ela vai se tornar verdade”. Isso é o que a cultura faz. Pessoas que acreditam no sistema de paradigmas impostos por engenheiros sociais, paradoxalmente, exigem reforço constante para eles poder acreditar que uma coisa é verdade. Por exemplo, as pessoas foram ensinadas que a Primeira Guerra Mundial foi travada em prol da democracia, ou que o governo veio depois da Grande Depressão para salvar a todos, ou que a Segunda Guerra Mundial veio para salvar o capitalismo, ou que os bancos centrais existem para controlar as forças terríveis que os mercados livres geram e que são falhas e perigosas. O problema com todas essas realidades falsas e que muitos de acham que são reais, é nosso futuro e o futuro de nossos filhos e filhas serão determinados por decisões tomadas por pessoas que acreditam que essas falsas verdades.

Isto é porque todos pensam que o Estado ou o governo existe para corrigir tudo o que está errado e, portanto, não há nada a temer. Deste tipo de pensamento originou-se o Estado Baba. Uma vez que os indivíduos não são capazes de gerir suas próprias vidas, isso é o que temos sido ensinados, há um Estado que coloca a porca no parafuso solto, uma entidade que nos dá tudo o que precisamos. O que as pessoas não percebem é que esta entidade, se permitido, também vai tirar tudo o que é distribuído pelo poder investido nele. Porque a realidade é criada e reforçada pela cultura gira em torno de pontos de vista de dependência coletivista, e que o Estado tornou-se o problema que é hoje. Embora a evidência mostra que esta entidade, a qual todos supostamente devemos tudo o que temos, destruiu tudo que tocou, o nível de doutrinação do povo é tão grande que não só não lhes permite ver essa destruição, mas também automaticamente direciona-los a buscar reforços de sua falsa realidade.

Da educação para até a economia, da política externa até os serviços sociais, o Estado tem destruído tudo. Intencionalmente, é claro. É precisamente porque a evidência derrota os paradigmas falsos que a cultura quer impor, as pessoas continuamente pedem seus reforcos diários, semanais e mensais da falsa “realidade”. É por isso que os engenheiros sociais criaram e mantem coisas como o New York Times, CNN, Dancing with the Stars e American Idol, de modo que os escravos obtenham a sua pílula azul quando precisem e não ameaçem deixar a fazenda onde eles são explorados a cada dia de suas vidas. A pílula azul mantém o Estado horizontal, o que as pessoas vêem como uma pirâmide hierárquica, mas realmente é tão plano quanto uma prancha de surf. Esta distinção pequena é o que separa os seres humanos de liberdade verdadeira, e de acabar com o controle do Estado.

A chave para libertar-se dos abusos do Estado encontra-se na capacidade de reconhecer é esta estrutura hotizontal a que faz com que o Estado seja tão perversamente bem-sucedido. De fato, a força do Estado não vem de si mesmo, mas de seus familiares, vizinhos, amigos, colegas de trabalho, etc; em outras palavras, a população escrava a qual você e eu pertencemos. Os escravos apoiam este sistema devido a uma série de razões. Primeiro, porque eles foram ensinados a fazer isso. Segundo, porque eles se beneficiam diretamente de alguma bugiganga criada pelo Estado e não querem perdê-la. Terceiro, eles não querem que os outros os superem sejam mais bem sucedidos. Quarto, porque o colapso do sistema significa um estado de realidade com o qual não podem lidar. É ignorância, falta de humildade e, acima de tudo, a doutrinação da maioria, que os impede de tomar a pílula vermelha e abrir os olhos para o mundo real. Em vez disso, os escravos do Estado garantem a sobrevivência da pirâmide atacando a minoria que se destina a alertá-los para a mentira em que vivem. É a aceitação voluntária da falsa realidade a razão que a maioria das pessoas vivem no ambiente que permite que o Estado cresca fora de controle. Enquanto a maioria das pessoas perdem tempo com tribalismos esportivos, racismo, inveja e adequação cultural, seus co-escravos nos níveis meios asseguram-se de que os engenheiros sociais terao um Estado que vai continuar a crescer mais forte.

A natureza horizontal do Estado e como ela é usada pelos engenheiros sociais para manter a maioria das pessoas cegas e complacentes é o que explica a possibilidade de que algumas centenas de pessoas possam governar bilhões. Seria impossível de outra forma. Mas é precisamente a natureza horizontal que apresenta as pessoas com a oportunidade de quebrar as cadeias do Estado antes de ele tournar-se maior e mais cruel. É mesmo possível, eu diria não só reduzir o tamanho do governo, mas também fazer com que este trabalhe para as pessoas, como a maioria de nós acreditamos que deveria ter sido sempre. Mudança neste sentido não é fácil, no entanto. Ela exige honestidade de quem quer “consertar as coisas”. Se o sucesso da corrupção do Estado é baseada no apoio moral e material recebido pelos próprios escravos, é a retirada desse apoio o que vai acabar com nossa escravidão.

Se você pagar seus impostos de propriedade a cada ano, porque teme que o Estado virá a invadir sua casa e levá-lo para a cadeia, você é um escravo do estado, e cada vez que você paga seus impostos você é um torcedor do Estado e como tal o seu cúmplice em todos os seus atos. Se você arquiva faz a sua declaracao de impostos e, assim, legitima os poderes do Estado para cobrar impostos sobre suas rendas, a qual e a razao que você existe aos olhos do Estado, então você é cúmplice do Estado. Se você odeia a guerra, mas vota por políticos que permitem o financiamento de invasões e assassinatos no exterior, você é cúmplice na invasão e os assassinatos. Se você não gosta de corrupção e ineficiência burocrática, mas você optar por continuar votando por co-escravos que fazem negócios escuros debaixo da mesa ou atrás de portas fechadas, você é cúmplice do Estado.

No entanto, se voce é honesto consigo mesmo e tem um pouco de coragem para despertar os seus co-escravos, as coisas começaram a mudar. Mas lembre-se, a mudança não é através de palavras ou o uso da linguagem, mas virá através da ação. Se o sucesso das ações imorais do Estado ocorrem pelo apoio que recebe, a retirada desse apoio o libertará das correntes que o prendem ao Estado. Você não pode lutar contra a cultura dominante com a palavra falada, porque a cultura é especialista no uso da linguagem para controlar a sociedade. Porque os controladores e seus cúmplices não podem lidar com a verdade, manipulam a linguagem para enganar, e ninguém é melhor do que eles. Eles são imbatíveis. É por isso que para destruir a cultura da mentira e da falsa realidade as pessoas devem usar as ações, não palavras. Fazendo o que pregamos é o que vai nos tirar da fazenda humana em que vivemos, onde nós ordenham até a última gota todos os dias da nossa vida.

Lembre-se que os partidários do Estado e estatismo aprovam o uso da violência contra aqueles que se atrevem a questionar a sua existência. Ou seja, você pode ser preso, encarcerado, torturado e estuprado se mostra oposocao ao Estado. Mas, pode você ser amigo ou conhecido de alguém que apóia a guerra, os impostos estaduais, corrupção e violência contra você mesmo? Será que você não é cúmplice em suas ações e, portanto, cúmplice do Estado? Eu não sei você, mas eu não vou ter nada a ver com alguém que tem a audácia imoral e covardia de me atacar por dizer a verdade no lugar de atacar aqueles que matam milhões de pessoas, roubar nossas pensões, que nos alimentam com tóxicos e nos enferman com seus produtos farmacêuticos.

Se um ser humano, supostamente livre, não pode falar e pagar o preço de ser condenado ao ostracismo por seus colegas em troca da liberdade real, então não há esperança de liberdade. Se estamos com medo de ser alvos porque vivemos por nossas próprias leis e rejeitamos aquelas que a cultura e o Estado impoem, então não merecemos ser livres.