IDflu: O Coquetel de vacinas de Sanofi-Pasteur

Por Luis R. Miranda
The Real Agenda
Setembro 9, 2010

Como The Real Agenda relatou algumas semanas atrás, os globalistas que criaram a fraudulenta, amplamente reportado como tal, pandemia da gripe H1N1 estão de volta com mais fome do que nunca para mais fraudes e mais dólares. Recentemente, o jornal La Nación de Costa Rica publicou um artigo sobre a disponibilidade da nova vacina da empresa farmacêutica Sanofi-Pasteur chamada IDflu. O artigo, como quase tudo que este jornal publica, está cheio de mentiras e meias verdades; então, eu fui obrigado a escrever um artigo que mostra os detalhes que Irene Rodriguez, autora do artigo original, omitiu.

Esta é a fina agulha usada para injetar IDflu que é vendido como uma das novos "conveniências", porque as pessoas sentem picada não é tão dolorosa.

Eu mandei um e-mail a ela descrevendo estes detalhes, embora eu não esperasse que ela reescrevesse o artigo com as informações documentadas no e-mail. “Eu li seu artigo sobre a nova vacina da Sanofi-Pasteur chamada IDFlu. Estou preocupado com a omissão de detalhes importantes sobre a vacina. Esses detalhes são, precisamente, aqueles que nunca são descritos para o público e a razão pela qual muitas pessoas ainda acreditam que é uma ótima idéia se vacinarem de forma contínua.”

Em primeiro lugar, a vacina é a primeira de vários tipos que serão oferecidas ao público como um “cocktail” com vários vírus, incluindo o H1N1. Com isso, o consumidor já não tem mais a opção de escolher qual a vacina que ele quer tomar, pois terá de tomar uma única vacina contendo todos os vírus em um. Isso elimina o direito de escolher. Na verdade, a vacina contém três vírus: A / New Caledonia/20/99 (H1N1) como a tensão (A / New Caledonia/20/99 (IVR-116)) 9 microgramas HA, A/Wisconsin/67/2005 (H3N2 ) como a tensão (A/Wisconsin/67/2005 (NYMC X-161), 9 microgramas HA, B / Malaysia/2506/2004 como a tensão (B/Malaysia/2506/2004) 9 microgramas HA. Ver o documento original contendo a descrição da vacina. Página 32

Em segundo lugar, o artigo não lista os efeitos colaterais, que são tão graves quanto outros tipos de vacinas: problemas no sistema vascular e linfático, encefalomielite (inflamação do cérebro e medula espinhal), neurite, síndrome de Guillain-Barré, inflamação dos vasos sanguíneos, convulsões, doenças neurológicas e imunogenicidade ou o aparecimento de reações imunológicas que geralmente culminam em paralisia parcial ou completa. Página 39

Além disso, o artigo não menciona que os estudos clínicos foram realizados a partir do momento em que a vacina é injetada até três semanas depois, um período durante o qual é difícil detectar os efeitos colaterais sérios, especialmente os citados acima (principalmente a imunogenicidade ), porque os sintomas ocorrem após esse período. O acompanhamento da empresa farmacêutica convenientemente termina em seis meses, o que significa que não se observa se algum efeito colateral apareceu depois deste período. Portanto, a Sanofi-Pasteur não poderia descartar o aparecimento de efeitos colaterais graves causados pelo uso da vacina, porque o monitoramento não é feito. No entanto, a Sanofi-Pasteur afirma que tais efeitos são raros ou inexistentes (parte inferior da página 4). Em que se baseia para fazer tal observação? Não em estudos científicos.

Em terceiro lugar, de acordo com o documento que descreve a origem, produção e composição da vacina, estudos clínicos foram conduzidos em populações europeias. Em outras palavras, o resultado destes estudos não pode ser usado para provar a eficácia ou a segurança da vacina em outras populações. Como a venda de um produto que não foi estudado em populações específicas é permitida no mercado? Esta pergunta deveria ser feita ao seu Departamento de Saúde.

Em quarto lugar, os resultados obtidos em relação à segurança da vacina para uso humano são baseados em estudos com animais (ponto 5.3 na página 6) e estes estudos, de acordo com a empresa farmacêutica, apresentaram imunogenicidade.

Em quinto lugar, estudos de segurança não foram realizados após a vacina foi introduzida no mercado. Estudos sobre incompatibilidade ou estudos clínicos sobre os efeitos que a vacina pode ter sobre as habilidades motoras, tais como operar veículos ou máquinas nao foram realizados.

Além disso, a vacina contém formaldeído, ou formol em sua forma líquida, que é um ingrediente tóxico usado em vacinas e cujo efeito cumulativo enfraquece o sistema imunológico, causa alterações genéticas, acidose metabólica, choque circulatório, insuficiência respiratória e insuficiência renal aguda. O formol também é um sensibilizador, uma característica que torna as pessoas alérgicas a muitas outras coisas. Se ingerido, é corrosivo e é cancerígeno. Além dos ingredientes já citados, as vacinas também contêm:timerosal, esqualeno, adjuvantes, cloreto de sódio, cloreto de potássio, fosfato dissódico dihidratado e dihidrogenofosfato de potássio.

No entanto, a novidade sobre esta vacina não esta nos seus ingredientes, mas no seu comportamento no organismo. De acordo com informações contidas no documento oficial, a vacina não é injetada no músculo como tradicionalmente é feito. Sanofi utiliza um novo método, o intradérmico. A dose exata de 0,1 ml é injetada sob a pele para uma mais ação imediata. É possível que a mesma velocidade com que a vacina age para “imunizar” possa ser vista no aparecimento de efeitos colaterais? A empresa farmacêutica Sanofi-Pasteur não tem dados a respeito.

Talvez o único lado positivo, especialmente para os costarriquenhos, é que as autoridades de saúde não vão adquirir a vacina da empresa farmacêutica pelo menos por agora. Para aqueles que querem injetar o coquetel de vírus, deverão pagar 24 dólares de seus próprios bolsos para comprar em farmácias locais. Deste modo, não há dinheiro do contribuinte enriquecendo as contas bancárias da empresa Sanofi-Pasteur.

IDflu: Sanofi-Pasteur’s Vaccine Cocktail

by Luis R. Miranda
The Real Agenda
September 7, 2010

As The Real Agenda reported a few weeks ago, the globalists who created the fraudulent H1N1 influenza pandemic, widely recorded as such, are back hungrier than ever for more fraud and more dollars. Recently, the newspaper La Nacion of Costa Rica published an article concerning the availability of the new vaccine from the pharmaceutical company Sanofi-Pasteur called IDFlu. The article, like almost everything this newspaper publishes is full of lies and half truths, so I was forced to write an article that talks about the details that Irene Rodriguez, the newspaper’s writer, omitted.

This is the tiny needle used to inject IDflu which is sold as one of the new "conveniences" because the pinch people feel is not so painful.

I wrote her an e-mail describing the details that were omitted, although I do not expect her to re-write it with the information documented in the e-mail. “I read your article on the new vaccine from Sanofi- Pasteur called IDFlu. I am concerned about omission of important details about the vaccine.” These details are precisely those that are never described to the public and for which many people still believe it’s a great idea to get vaccinated continuously.

First, the vaccine is the first of several types that will be offered to the public as a “cocktail” with various viruses including the infamous H1N1. With this, the consumer no longer has the option to choose which vaccine he wants to use, but will have to take them all; all in one. This eliminates the right to choose. In fact, the vaccine contains three viruses:
A / New Caledonia/20/99 (H1N1) like strain (A / New Caledonia/20/99 (IVR-116)) 9 micrograms HA, A/Wisconsin/67/2005 (H3N2 ) like strain (A/Wisconsin/67/2005 (NYMC X-161), 9 micrograms HA, B / Malaysia/2506/2004 like strain (B/Malaysia/2506/2004) 9 micrograms HA. View the original document descriptive of the vaccine.Page 32

Second, the article does not highlight the list of side effects, which are as severe as in other types of vaccines: Blood and lymphatic system disorders,encephalomyelitis (inflammation of the brain and spinal cord), Neuritis, Guillain Barre Syndrome, Inflammation of blood vessels, seizures, neurological diseases and immunogenicity, or the appearance of immunological reactions that usually end in partial or complete paralysis. Page 39

In addition, the article does not say that the clinical studies were conducted only from the time the vaccine is injected up to three weeks later, a period during which it is difficult to detect serious side effects, such as those cited above, (especially immunogenicity) because they usually occur after that period. The pharmaceutical company follow ups conveniently end at the end of six months, meaning that it does not carefully observes side effects that appear later. Therefore, Sanofi-Pasteur cannot say it can rule out serious side effects caused by the use of the vaccine, because monitoring is not done. However, Sanofi-Pasteur says that these effects are rare or nonexistent (Bottom of Page 4). Based on what does it make this observation? Not through scientific studies.

Third, according to the descriptive document that details the origin, manufacture and composition of the vaccine, clinical studies were conducted in European populations. In other words, any result obtained in these studies can not be used to prove the vaccine’s effectiveness or safety in other populations. How is it that the sale of a product that has not been studied to see its efficacy or risk of side effects in specific populations is allowed on the market? This question should be asked to your Department of Health.

Fourth, the results obtained regarding the safety of the vaccine for human use are based on animal studies (5.3 on page 6) and these studies, according to the pharmaceutical company, DO show immunogenicity.

Fifth, safety studies were not conducted after the vaccine was placed on the market and neither were incompatibility or clinical studies on the effects the vaccine may have on human motor skills, for example, to operating a vehicle equipment or machines, etc.

Finally, the vaccine contains formaldehyde, or formalin -in its liquid form-, a toxic ingredient used in vaccines and whose cumulative effect weakens the immune system, causes genetic alterations, metabolic acidosis, circulatory shock, respiratory failure and acute renal failure. Formalin is also a sensitizer, which means it can make you sensitive or allergic to many other things. It is corrosive if ingested, and is a possible carcinogen. In addition to the above, vaccines usually contain other ingredients such as thimerosal, squalene, adjuvants, sodium chloride, potassium chloride, disodium phosphate dihydrate and potassium dihydrogen phosphate.

However, the news about this vaccine are not its ingredients, but its behavior in the body. According to details contained in the official document, the vaccine is not injected into the muscle as traditionally done. Sanofi uses a new method, the intradermal. The exact dose of 0.1 ml is injected just under the skin, for more immediate action. Is it possible that the same speed with which such acts in the supposed task of immunization can be seen in the appearance of side effects? The pharmaceutical company Sanofi-Pasteur does not detail anything about it.

Perhaps the only positive side, specifically for Costa Ricans, is that health authorities are not going to buy the vaccine from the pharmaceutical company, at least for now, so those who want to inject the cocktail of viruses and formalin will have to take 24 dollars out of their pockets to buy it from local pharmacies. In this case, there is no taxpayer money for enriching the bank accounts of the corporation Sanofi-Pasteur.