O Legado da Medicina Moderna: Doenças Incuráveis

Por Luis R. Miranda
The Real Agenda
20 de fevereiro de 2012

A natureza sempre encontra uma maneira de evoluir e sobreviver. O que poderia estar pensando em um ser humano, quando cría um produto farmacêutico a fim de “erradicar” um vírus ou bactéria? Os seres humanos não sabem o suficiente sobre os microorganismos, como vivem ou se adaptam a ambientes adversos para afirmar que um tratamento foi encontrado ou que há uma cura universal. O problema não é a procura de uma solução para nos manter livres de doenças, mas sím a arrogância dos chamados especialistas e cientistas que  dizem que a solução final foi encontrada. O campo da medicina tem evoluído ao longo do tempo, e continua evoluindo até hoje. Nenhum tratamento é final, nenhuma cura é livre de defeitos. A humanidade evolui e melhora, e assim acontece com os vírus e bactérias.

Um dos pecados mais perigosos da medicina moderna e os seus praticantes é assumir que as suas descobertas e os benefícios que vêm com elas vão acabar com toda a dor e sofrimento. A natureza continua mostrando que eles estão errados, uma e outra vez.

O mais recente exemplo do que chamo de “insanidade médica” está aumentando o número de doenças intratáveis e incuráveis. Assim como as ervas daninhas têm encontrado uma maneira de sobreviver ao ataque de herbicidas criando mecanismos para sobreviver, vírus e bactérias absorvem o impacto dos antibióticos e evoluem ao longo de gerações, para se tornar não só intratáveis, mas em muitos casos incuráveis.

No Reino Unido, novas bactérias e vírus são resistentes aos medicamentos tradicionais e agora representam uma ameaça maior do que a apresentada pela Aids ou o vírus que em teoría causa as pandémias de gripe. A bactéria E. Coli é um exemplo do tipo de ameaça que está quase fora de controle. Infecção com E.coli está se tornando uma doença que é impossível de tratar. Segundo o professor Peter Hawkey, do grupo de analise do governo sobre a resistência aos antibióticos, o aumento lento mas constante do número de bactérias que estão se tornando intratáveis até agora matam 25.000 pessoas por ano na União Europeia.

Entretanto, as infecções e mortes por doenças incuráveis e intratáveis não estão confinadas à Europa. A ameaça de uma bactéria ou um vírus incurável que vai se espalhar por todo um continente ou o mundo não seria um evento raro. Na verdade, a presença da bactéria E. coli no sangue de pacientes aumentou 30 por cento. De acordo com relatórios oficiais, o número de pessoas que foram vítimas de infecções bacterianas subiu de 18.000 para 25.000 em apenas quatro anos. A percentagem de microorganismos resistentes aos antibióticos foi de 1 por cento a 10 por cento em apenas 11 anos.

“Apenas uma em cada 20 infecções com E. coli é bacteremia, pelo que os dados acima são apenas a ponta de um iceberg de casos de pessoas infectadas “, diz um relatório elaborado pelo Professor Hawkey e seu grupo de estudo.

Enquanto isso, as empresas farmacêuticas que antes viam o desenvolvimento de antibióticos como uma grande oportunidade para encher seus bolsos com dinheiro agora não vêem incentivo para continuar ou iniciar uma nova pesquisa sobre melhores medicamentos que podem ajudar a diminuir os efeitos do que parecem ser microorganismos imunes. Não é de interesse comercial para as grandes farmacêuticas continuar  investindo tempo e dinheiro com medicamentos que os pacientes tomam por alguns dias e que estarão obsoletos em questão de anos. É mais rentável projetar drogas que os pacientes continuam usando por décadas.

Tal como acontece com a gripe aviária e gripe suína, E. Coli geralmente afeta pessoas idosas e pessoas com problemas crônicos de saúde, que são duas das populações mais vulneráveis. As pessoas nesses dois grupos não costumam morrer de ataque viral ou bacteriano, mas devido a complicações médicas que aumentam o uso de antibióticos, o qual faz com que os ataques de vírus e bactérias sejam implacáveis. E. coli tem uma ameaça ainda maior do que o MRSA, à meticilina resistent Staphylococcus aureus, que é causada por uma estirpe de estafilococo resistente aos antibióticos.

Enquanto os antibióticos tornam-se ineficazes para o tratamento de E. coli e MRSA, a necessidade de medicamentos mais fortes é mais evidente. No entanto, a atual linha de tratamento antibiótico está chegando aos seus limites. A utilização de carbapenêmicos, que são a última linha disponível já está encontrando resistência. “Nos últimos dois ou três anos vimos [microorganismos] desenvolvendo resistência aos medicamentos carbapenêmicos, o nível mais alto nos tratamentos com antibióticos que é citado como o instrumento de último recurso quando se trata de infecções virais ou bacterianas. No final de 2011, o Centro Europeu de Controlo e Prevenção de Doenças citou várias bactérias como a causa do envenenamento do sangue; entre elas a K. pneumoniae que também é resistente aos carbapenêmicos em alguns países.

De acordo com o ECDC, o número de bactérias resistentes a carbapenêmicos aumentou de 7 por cento a 15 por cento.

Assim como acontece com os seres humanos, os microorganismos como bactérias e vírus, historicamente, encontraram formas de superar perigos naturais para sobreviver. No caso de bactérias, no entanto, a evolução não é medida em décadas ou séculos. Processos reprodutivos e de desenvolvimento ocorrem mais rapidamente do que nos seres humanos e podem se adaptar a ambientes agressivos dentro de meses ou anos. A evolução e adaptação das formas de vida, tais como bactérias é tão simples como é explicado em qualquer aula de ciência da escola primária. Embora muitas bactérias ou vírus podem ser mortos por antibióticos, alguns sempre irão sobreviver e os membros sobreviventes modificarão a sua estrutura genética para criar uma resistência aos antibióticos. As bactérias têm a vantagem sobre os antibióticos porque sua capacidade para sobreviver e adaptar-se é quase infinita, enquanto que o número de combinações de antibióticos utilizados para combate-los é limitado.

Simplificando, a medicina moderna criou uma solução temporária para um problema perene e, agora, as empresas farmacêuticas estao sem iniciativa, sem ideias e sem ciência para continuar a luta. Aparentemente, os microorganismos tem vencido a última batalha. Eu me pergunto o que aconteceria se os seres humanos tivessem tratado as infecções causadas por bactérias da mesma forma que as bactérias progressaram contra os antibióticos. E se em vez de criar novas cepas mortais de gripe H5N1, os cientistas tivessem usado seu tempo tentando entender que os seres humanos são apenas uma pequena parte da natureza, e não seus criadores.

Vacina contra H1N1 contém Virus Vivo, Esqualeno e Adjuvantes

Adjuvantes aceleram ação da vacina e causam reações imunológicas mortais.  Descrição da vacina diz que a mesma provoca efeitos neurológicos colaterais

Por Luis R. Miranda
The Real Agenda
Maio 1, 2010

Como tem sido abundantemente comprovado, mercúrio e seus derivados são responsáveis pelo autismo em crianças emuitas outras doenças neurológicas, como a Síndrome da Guerra do Golfo. Mercúrio em sua forma mais comum de timerosal é colocado em quase todas as vacinas disponibilizadas ao público, normalmente como conservante. Como foi recentemente revelado pelo jornal Washington Post, muitas doses da nova vacina H1N1 serao armazenada em frascos de dose múltipla, que irao conter timerosal. Dados do Departamento de Educação relacionadas com estudos de 1992 e 1993 que foram comparados a dados de 2000 a 2001, revelam que o autismo tem aumentado em 644% entre as crianças nos E.U. Ao mesmo tempo, a Agencia de Alimentos e Drogas dos Estados Unidos (FDA) nunca exigiu às empresas farmacêuticas realizar testes de funcionamento. De acordo com Boyd Haley, o presidente do Departamento de Química da Universidade de Kentucky, o mercúrio é responsável por danos à mitocôndria.

Depóis de ler a transcrição e assistir o relatório onde o Dr. David Spencer, chefe do Centro de Control de Doencas (CDC), durante a crise da gripe de 1976 confessou que a vacina da gripe suína não foi testada antes de ser usada em 46 milhões de pessoas, agora tenho outra preocupação em relação à nova vacina contra H1N1. Foi confirmado que a nova vacina vai conter mercúrio e ingredientes derivados.

Devido ao uso de timerosal nas vacinas dadas às crianças, o número de casos de autismo aumentou em 1.500 por cento desde 1991. Este número corresponde ao período de tempo durante o qual o número de vacinas para crianças também aumentaram. Enquanto em 1991 havia uma criança com diagnóstico de autismo por cada 2500, hoje existem 166 crianças diagnosticadas para o 2500 mesmo. Estes números, bem como a pressão pública para interromper o uso de mercúrio em vacinas, obrigou algumas empresas para supostamente reduzir as quantidades de timerosal usado em seus produtos. Digo supostamente, porque, apesar de muitos médicos e outros profissionais de saúde assegurar às pessoas que a vacina é livre de mercúrio, esqualeno e adjuvantes, a verdade é que as descrições das vacinas páginas (Novartis 11-14) não só confirmam a utilização desses ingredientes, mas também confirmam que as vacinas não foram devidamente testadas (Sanofi Pasteur), a fim de conhecer os seus efeitos nas mulheres grávidas, crianças e jovens. Esses três grupos são os mesmos que o governo e as empresas pharmaceuticas tem como alvo nas campanhas de vacinação.

Enquanto o Center for Disease Control (CDC), a Organização Mundial da Saúde (OMS) e outras agências continuam empurrando vacinas que contém mercúrio e outros produtos farmacêuticos como forma de prevenir e curar a doença, o Departamento de Defesa dos Estados Unidos reconhece os perigos do mercúrio. “O mercúrio é um material perigoso, que pode causar a morte se ingerido, inalado ou absorvido através da pele.” Entretanto, a Environmental Protection Agency (EPA), limitou as emissões de mercúrio na produção industrial, porque pode danificar o cérebro e sistema nervoso e é especialmente perigoso em fetos e crianças pequenas. As pessoas não pensariam que o mercúrio é perigoso ou que as vacinas são prejudiciais ao assistir os noticiários. Isso é porque ha uma campanha para tentar covencer as pessoas de que o mercúrio é bom e para fabricar a creenca que as vacinas sao ainda melhor. Há alegações nos meios de comunicação que querem fazer-nos pensar o mercúrio é maravilhoso para as crianças. E quando tal crença não funciona, nunca falta propaganda que diga que as criancas são ruins para o mundo.

Embora existam estudos independientes que provam que a ingestao de mercúrio tem consequências perigosas para o corpo humano, as empresas farmacêuticas continuam a rejeitá-los e dizem que as quantidades de mercúrio nas vacinas são seguras para ser injetadas na corrente sanguínea. Entre as conseqüências derivadas da ingestao de mercúrio de acordo com um estudo Ruso de 1977 estao dano cerebral, necrose tubular e lesão do sistema nervoso, incluindo obnubilação, coma e morte. Os epidemiologistas Tom Verstraeten e Dr. Richard Johnston, pediatra e imunologista da Universidade do Colorado, concluíram que o timerosal foi responsável pelo aumento dramático nos casos de autismo, mas seus resultados foram demitidos pela CDC. Rússia proibiu o timerosal das vacinas das crianças em 1980. Dinamarca, Áustria, Japão, Grã-Bretanha e todos os países escandinavos também proibiram o preservativo.

Em 1948, Randolph Byers e Frederick Moll, da Harvard Medical School e da Federal Drug Administration, realizaram testes com vacinas DPT no Hospital Infantil de Boston e concluiram que graves problemas neurológicos poderiam seguir da administração de vacinas DPT. Os resultados dos ensaios foram publicados na revista Pediatria. Segundo o testemunho do secretário adjunto de Saúde, Edward Grant, Jr., diante de uma Comissão do Senado nos E.U. no dia 3 de maio de 1985, a cada ano, 35.000 crianças sofrem danos neurológicos relacionados com a vacina DTP. Uma figura ainda mais recentes sobre a reação à vacina DTP indica que 1 em cada 100 crianças reagem com convulsões ou colapso ou agudos e que uma em cada 3 destes, que é de 1 em cada 300 permanece permanentemente danificados . Para obter mais informações, leia o Treatise Alex Logia sobre “Vacinação”

Assim, mais uma vez, centenas de milhares, senão milhões de pessoas servirão como ratos de laboratório para testar uma vacina que provavelmente não funciona. Ambas as companhias farmacêuticas e agências de saúde ainda não sabem como fazer uma vacina que seguramente vai lutar contra o vírus sem prejudicar o público. Estima-se que cerca de 12.000 crianças nos E.U. serao injetados com mercúrio quando estes sejam vacinados contra a gripe H1N1. Os preparativos estão sendo feitos para a realização de campanhas de vacinação forçada, para inocular em massa milhões de pessoas em todo o mundo.

Então o que devemos fazer em relação a nova vacina? Nós certamente não podemos confiar no governo ou nas agências do governo que nunca conseguiram nos manter saudaveis com os seus produtos químicos e outras ameaças como fluoreto de sódio na água potavel. Na verdade, os governos patrocinam muitos dos programas que matam pessoas. Além disso, as empresas farmacêuticas estão imunes a uma ação judicial por parte dos consumidores pois os paises que usam as vacinas assinaram um documento que mantém as grandes empresas farmaceuticas livres de culpa se qualquer pessona fica doente o morre depois de ser vacinado.

Esteja ciente não há nenhuma lei ou qualquer mandato que obrigue voce a tomar vacinas. Portanto, nenhum servidor público ou privado, deve obrigar a tomar uma vacina ou um produto farmacêutico. Há renúncias que um pai pode usar para evitar tomar vacinas, o que também pode ser usado para impedir que os seus filhos sejam injetados na escola. A recomendação feita por muitos médicos, cientistas e enfermeiros que reconhecem os perigos das vacinas e mercúrio como um ingrediente em si é não tomar a vacina até que seja comprovado de forma independente que esta é segura. Outro passo que você pode tomar para manter-se e aos seus filhos a salvo de mercúrio e outras substâncias químicas contidas em vacinas e medicamentos, é melhorando as chances de se manter saudável, é o de melhorar o seu sistema imunológico com produtos naturais como o óleo de orégano, vitamina D3, água sem floreto de sódio assim como frutas e vegetais orgânicos.

Fontes de informacao:

Vacinas, Neurodesenvolvimento e Transtornos do Espectro do Autismohttp://web.mac.com/rblaylock/Russell_Blaylock_M.D./Articles/Entries/2008/3/12_Vaccines%2C_Neurodevelopment_and_Autism_Spectrum_Disorders.html

1. O objetivo de cada vacina H1N1 é Imunotoxicidade, neurotoxicidade e esterilidade
http://preventdisease.com/news/09/103009_vaccine_sterility_immunotoxicity_neurotoxicity.shtml

2. Novo estudo implica Mercúrio no desenvolvimento do autismo
http://stanford.wellsphere.com/autism-autism-spectrum-article/new-study-implicates-mercury-in-the-development-of-autism/202357

3. Vacinas, Autismo e Síndrome da Guerra do Golfo
http://www.rense.com/general67/vacc.htm

4. Washington Post: vacina contra gripe suína contém mercúrio
http://nationalexpositor.com/News/1603.html

5. CBS 60 Minutes: 1976 Propaganda para favorecer vacinacao contra gripe suína
http://www.youtube.com/watch?v=Ro1WL5ketWg

6. CBS K-EYE Mercúrio e bom para voce
http://www.youtube.com/watch?v=vZArebYZzdc

7. Crianças são ruins para o planeta?
http://www.sodahead.com/living/having-kids-is-bad-for-the-planet/question-249304/

8. Fatos científicos sobre Mercúrio
http://www.greenfacts.org/en/mercury/l-2/mercury-2.htm

9. Mercúrio, vacinas, autismo e a saúde do seu filho
http://www.naturalnews.com/011764.html

10. Painel cria lista de grupos para vacinar a populacao
http://www.washingtonpost.com/wp-dyn/content/article/2009/07/29/AR2009072903607_2.html?wpisrc=newsletter&wpisrc=newsletter&wpisrc=newsletter&sid=ST2009072903827

11. Wal-Mart quer ser centro de vacinacao
http://www.reuters.com/article/domesticNews/idUSTRE56T4I220090730

12. University of Alabama Implementa Programa de Vacinação Obrigatória
http://www.republicmedia.tv/index.php?option=com_content&view=article&id=3556:university-of-alabama-implements-mandatory-vaccination-program&catid=42:national-headlines&Itemid=53

13. Empresas que fabricam a vacina contra a gripe suína obtem imunidade
http://southeastern-massachusetts.injuryboard.com/fda-and-prescription-drugs/swine-flu-vaccine-makers-get-immunity-.aspx?googleid=267416

14. Experimentação médica nos humanos: A história chocante sobre a verdade da medicina moderna e psiquiatria (1833-1965)
http://www.naturalnews.com/019189.html

15. Associação Nacional de Autismo. O que provoca o autismo
http://www.nationalautismassociation.org/thimerosal.php

16. Boyd Haley comentários sobre o autismo e timerosal
http://adventuresinautism.blogspot.com/2008/03/boyd-haley-comments-on-thimerosal-and.html