OMS: Niños vacunados contra H1N1 sufren de narcolepsia

Registrados en 12 países casos de narcolepsia con la vacuna de la gripe A

Terra.es

Según la OMS, los afectados son niños y adolescentes, pero hace falta más investigación para determinar que la causa sea la ingesta del medicamento.

La OMS donó 36 millones de dosis de 'Pandemrix' a 18 países en desarrollo.

 

La Organización Mundial de la Salud (OMS) ha anunciado este martes que al menos 12 países registraron casos de narcolepsia en niños y adolescentes que previamente habían sido vacunados contra la gripe A.

El Comité Consultivo Mundial de la Seguridad de Vacunas de la OMS ha publicado un comunicado en el que especifica que “desde agosto de 2010, y tras masivas vacunaciones contra el virus de la gripe H1N1 en 2009, se detectaron casos de narcolepsia en niños y adolescentes en al menos 12 países”.

No obstante, el grupo ha señalado que hace falta “más investigación” para determinar la relación exacta entre los casos de narcolepsia y la vacunación contra la gripe, sea con la vacuna Pandemrix o con otra.

La semana pasada, la OMS anunció que investigaba un aumento de casos de narcolepsia en Finlandia que podría tener relación con la vacuna ‘Pandemrix’ del fabricante Glaxo, dado que todos los afectados parecían haber sido inmunizados con el mismo producto.

Finlandia interrumpe el uso de la vacuna

El Gobierno de Finlandia había informado de casos de narcolepsia entre vacunados contra la gripe A de entre 4 y 19 años.

 

Las autoridades de Finlandia han suspendido el uso de la vacuna, tras detectar varios casos de afectados de entre 4 y 19 años.

En Helsinki, el Instituto Nacional de Salud y Bienestar de Finlandia (THL) publicó un estudio según el cual la vacuna contra la gripe AH1N1 Pandemrix, fabricada por la compañía farmacéutica GlaxoSmithKline, multiplica el riesgo de contraer narcolepsia infantil. 

Según ese estudio, entre 2009 y 2010 se diagnosticaron 60 casos de narcolepsia en niños y adolescentes finlandeses de entre 4 y 19 años, de los cuales 52 (casi el 90 por ciento) habían sido vacunados con Pandemrix.

El fenómeno llevó a las autoridades sanitarias finlandesas a interrumpir el uso de esta vacuna de forma preventiva hasta determinar sus posibles efectos secundarios.

La narcolepsia es un estado patológico que produce en el afectado accesos irresistibles de sueño en cualquier momento.

Posibles países afectados

La OMS ha donado 36 millones de dosis de la vacuna ‘Pandemrix’ a 18 países en desarrollo, tres de ellos latinoamericanos, pero hasta el momento no se han tenido noticias de que se hayan dado casos de narcolepsia.

La lista de países que recibieron ‘Pandemrix’ es la siguiente: Armenia, Azerbaiyán, Bangladesh, Bolivia, Burkina Faso, Cuba, Corea del Norte, El Salvador, Etiopía, Ghana, Namibia, Filipinas, Tayikistán, Togo, Ruanda, Kenia, Mongolia y Senegal.

El informe completo y definitivo sobre la relación entre la narcolepsia y esta vacuna se difundirá el próximo 31 de agosto próximo.

Influenza H1N1: A fraude que foi… o Perigo que está por chegar

Por Luis R. Miranda
The Real Agenda
Setembro 9, 2010

Gostaria de uma vacina contra a gripe comum, misturada com um vírus H1N1? Como você se sentiria se esta vacina fosse obrigatória? As pessoas não acreditaram a fraude do ano passado, mas como na melhor das seqüelas de Hollywood, os vilões se tornaram mais agressivos do que nunca. As empresas farmacêuticas estão trabalhando em um plano destinado a, através de seus governos controlados, proibir as pessoas ir à escola, trabalhar ou ter uma vida normal, se não se injetam com seus produtos tóxicos. Os controladores chegam de mãos vazias, como no ano passado, sem estudos científicos, e sem ciência.

Os países da Oceania e Finlândia já provaram o amargor da nova vacina híbrida. Crianças e adultos que tomaram o novo “coquetel” sofrem de efeitos colaterais terríveis tais como temperaturas corporais elevadas, convulsões, vômitos e hemorragias graves. Tanto assim, que o governo australiano tem parado de usar a mistura tóxica. Barbara Loe Fisher, fundadora da National Vaccine Information (NVIC), é uma das especialistas que estudam e analisam a fraude da falsa pandemia de gripe H1N1 do ano passado, e as alterações potencialmente nocivas que são introduzidas na nova vacina contra a gripe A nesta temporada. Os resultados da sua pesquisa evidenciam coisas que vão além do que qualquer cidadão doutrinado ou desinformado poderia duvidar.

É relatado que na Finlândia os casos de narcolepsia em crianças aumentaram em 300 por cento após a injeção com a nova vacina durante a campanha de vacinação mais recente. O Instituto Nacional de Saúde da Finlândia (THL) suspendeu o uso de vacina H1N1 pelo medo que a vacina continue causando distúrbios neurológicos em crianças e jovens, como tem acontecido nos últimos seis meses. A narcolepsia é um distúrbio neurológico que pode ser desencadeado por um vírus. “Um paciente que sofre de narcolepsia pode adormecer, de repente, por exemplo, enquanto, fala ou come, sem aviso prévio. Seus músculos também podem enfraquecer de repente, e subitamente colapsar. Nenhuma cura é conhecida para a doença “, relata o site de notícias YLE da Finlândia.

“Há uma correlação clara entre o tempo dos casos e a vacina contra a gripe H1N1”, relata o Helsingin Sanomat. Um número anormalmente elevado de casos de narcolepsia, na Suécia, também surgiram como resultado da vacina H1N1 durante um programa de vacinação. De acordo com a Kari Lankinen, médica chefe da agência finlandesa de medicamentos, os médicos foram cúmplices em esconder a relação entre a vacina contra a gripe A e a narcolepsia e como isto afetaria a sua carreira, a publicação de artigos em revistas internacionais, etc. Os médicos que fizeram os comentários nos últimos meses, agora trabalham com o Instituto Nacional de Saúde e Assistência (THL) “, relata YLE.fi. No total, cerca de 750 finlandeses têm experimentado efeitos colaterais resultantes da vacina H1N1, de acordo com o Times de Helsínquia.

Tanto a FDA como a Organização Mundial da Saúde recomendam a vacina H1N1 para ser incluída na vacina contra a gripe tradicional e, portanto, os serviços de saúde em todo o mundo combinam agora as duas vacinas. Como informamos no início deste ano, o presidente do Conselho de Saúde da Europa, Wolfgang Wodarg confirmou que o surto de gripe H1N1 de 2009 foi uma farsa fabricada por empresas farmacêuticas em conjunção com a OMS para obter enormes lucros, sem se importar com a saúde pública.

O perigo que vem

Ambas as vacinas contra a gripe tradicional e a H1N1 estão associadas a uma série de efeitos colaterais em todo o mundo, incluindo síndrome de Guillain-Barré e distonia, uma doença neurológica incapacitante. A vacina contra a gripe tradicional também tem sido associada com convulsões em crianças menores de 5 anos de idade.

Muitos lotes de vacinas contra a gripe H1N1 incluem esqualeno e mercúrio entre os seus ingredientes, duas substâncias que foram directamente ligados à explosão de autismo entre crianças, bem como outras doenças. Enquanto isso, pessoas dentro do governo e as forças armadas tiveram o privilégio de receber a vacina sem estes aditivos. Por quê? A chanceler alemã, Angela Merkel e os ministros do governo, bem como os soldados alemães estavam entre aqueles que receberam a versão “amigavel” da vacina.

A fim de evitar ações judiciais contra as empresas farmacêuticas, estas foram legalmente isentas por todos os governos que utilizaram a vacina em suas populações. Sanofi-Pasteur, GlaxoSmithKline e outros fabricantes de vacinas têm agora direito a imunidade. Por quê? A verdade é que a vacina contra a gripe para o inverno de 2010-2011, terá três vírus de tipo A ou B, e um deles é o H1N1. No ano passado, os cidadãos tinham a opção entre a vacina contra a gripe comum ou H1N1, mas este ano vão ser forçados a usar ambas. Então, as vacinas que causam o síndrome de Guillain-Barré, que afetaram e continuam a afetando a criação de células brancas no sangue, causando uma reação auto-imune e paralisia facial, devem ser tomadas por todos, porque nenhuma outra opção existe para aqueles que confiam a sua saúde e suas vidas para as vacinas. Os governos é claro, dizem que não sabem se essas reações são causadas pelas vacinas.

“Eu acho que não é razoável pedir às mulheres grávidas se injetar uma vacina que não tenha sido estudada, e cujos efeitos colaterais têm sido tão nitidamente negativos para os pacientes”, diz Barbara Loe Fisher, diretora do Centro de Informação sobre Vacinas

Mas a questão é mais séria do que um estudo clínico pode revelar. Timerosal, o preservativo de mercúrio usado em quase todas as vacinas é uma substância que não pode ser descartada no lixo uma vez que as vacinas expiram. A razão é que é tão tóxico que está proibido descartá-lo como qualquer outro produto. Mas para as autoridades de saúde é uma boa ideia usar vacinas com timerosal nas pessoas. Cerca de 12.000 crianças nos Estados Unidos foram usados como cobaias para uma vacina contra a gripe H1N1 contendo esqualeno, um ingrediente perigoso que tem sido diretamente relacionado com casos de Síndrome da Guerra do Golfo e uma série de outras doenças debilitantes. (NVIC.org). “É perigoso para as mulheres e as crianças que estão em suas barrigas.” A pergunta que Fisher e outros que monitoram a criação e utilização de vacinas é, onde esta a ciência que apoia a eficácia e segurança de produtos farmacêuticos tais como vacinas? A resposta que Fisher encontra uma e outra vez é que os dados obtidos nestes dois aspectos são quase inexistentes ou inconclusivos. “Como é que estão solicitando que todos se injetem com algo que não sabemos como nos afetará?”, diz Fisher.

E para aqueles que acreditam que a dose de mercúrio é muito baixa em uma vacina para prejudicar um ser humano, devem saber que a vacina contra a gripe A tem uma dose 25.000 vezes superior ao que é considerado uma quantidade segura. O Dr. Kent Holtorf, especialista em doenças infecciosas, alertou que a vacina é mais perigosa que a gripe. “Tenho uma grande preocupação com a vacina contra a gripe A H1N1. Foi introduzida no mercado muito rapidamente, e tem níveis muito mais elevados de adjuvantes, timerosal e esqualeno “, acrescenta Holfort. Quando o repórter perguntou se ele iria injetar a vacina nos seus filhos, Holtorf disse que “absolutamente não. Seria uma aposta muito arriscada.”

Outros doutores têm enfatizado os efeitos colaterais de outros ingredientes. O esqualeno contribuiu para a cascata de reações chamada síndrome da Guerra do Golfo. (Desenvolvido por soldados que foram vacinados), que também ficaram doentes com problemas de artrite, fibromialgia, linfadenopatia, erupção cutânea, erupção fotossensível, fadiga crônica, dores de cabeça crônica, perda de cabelo anormal do corpo, lesões de pele que não cicatrizam, úlceras, tontura, fraqueza, perda de memória, convulsões, alterações de humor, problemas neuropsiquiátricos, efeitos anti-tireóide, anemia, hemossedimentação (VHS), lúpus eritematoso sistêmico, esclerose múltipla, esclerose lateral amiotrófica, doença de Raynaud, síndrome de Sjogren , diarreia crónica, suores nocturnos e febre. Esses sintomas e problemas de saúde foram confirmados pelo médico e micropaleontologo Viera Scheibner.

“As vacinas, como tem sido constantemente encontrado, são prejudiciais para os seres humanos. Nunca foi provado que uma vacina trata ou cura qualquer doença, mas para aquelas pessoas que querem usar as vacinas, o mínimo que eles merecem é ter estudos científicos comprovando a eficácia e segurança das vacinas”, diz Barbara Loe Fisher. “Nem o governo nem nenhuma organização internacional têm o direito ou o poder de obrigar ninguém a usar um produto, muito menos se não foi cientificamente testado e aprovado. Fisher assim como médicos que foram consultados para este artigo concordam que as pessoas têm e devem conservar o direito de escolher se querem ou não usar uma vacina ou qualquer outro produto.

Assim, quando o médico, o diretor da escola ou da faculdade ou o seu patrão diga que é necessário injetar a vacina para trabalhar ou estudar, ensine-lhe a diferença entre um mandato e uma lei, e explique que não há lei obrigando ninguém a usar nenhuma vacina. Nenhum governo tem o poder de criar uma lei que obrigue um cidadão a ser injetado. Isso é inconstitucional. Se você é discriminado porque não vacinou-se ou não vacinou suas crianças, saiba que as leis, a ciência e a verdade estão do seu lado.

IDflu: O Coquetel de vacinas de Sanofi-Pasteur

Por Luis R. Miranda
The Real Agenda
Setembro 9, 2010

Como The Real Agenda relatou algumas semanas atrás, os globalistas que criaram a fraudulenta, amplamente reportado como tal, pandemia da gripe H1N1 estão de volta com mais fome do que nunca para mais fraudes e mais dólares. Recentemente, o jornal La Nación de Costa Rica publicou um artigo sobre a disponibilidade da nova vacina da empresa farmacêutica Sanofi-Pasteur chamada IDflu. O artigo, como quase tudo que este jornal publica, está cheio de mentiras e meias verdades; então, eu fui obrigado a escrever um artigo que mostra os detalhes que Irene Rodriguez, autora do artigo original, omitiu.

Esta é a fina agulha usada para injetar IDflu que é vendido como uma das novos "conveniências", porque as pessoas sentem picada não é tão dolorosa.

Eu mandei um e-mail a ela descrevendo estes detalhes, embora eu não esperasse que ela reescrevesse o artigo com as informações documentadas no e-mail. “Eu li seu artigo sobre a nova vacina da Sanofi-Pasteur chamada IDFlu. Estou preocupado com a omissão de detalhes importantes sobre a vacina. Esses detalhes são, precisamente, aqueles que nunca são descritos para o público e a razão pela qual muitas pessoas ainda acreditam que é uma ótima idéia se vacinarem de forma contínua.”

Em primeiro lugar, a vacina é a primeira de vários tipos que serão oferecidas ao público como um “cocktail” com vários vírus, incluindo o H1N1. Com isso, o consumidor já não tem mais a opção de escolher qual a vacina que ele quer tomar, pois terá de tomar uma única vacina contendo todos os vírus em um. Isso elimina o direito de escolher. Na verdade, a vacina contém três vírus: A / New Caledonia/20/99 (H1N1) como a tensão (A / New Caledonia/20/99 (IVR-116)) 9 microgramas HA, A/Wisconsin/67/2005 (H3N2 ) como a tensão (A/Wisconsin/67/2005 (NYMC X-161), 9 microgramas HA, B / Malaysia/2506/2004 como a tensão (B/Malaysia/2506/2004) 9 microgramas HA. Ver o documento original contendo a descrição da vacina. Página 32

Em segundo lugar, o artigo não lista os efeitos colaterais, que são tão graves quanto outros tipos de vacinas: problemas no sistema vascular e linfático, encefalomielite (inflamação do cérebro e medula espinhal), neurite, síndrome de Guillain-Barré, inflamação dos vasos sanguíneos, convulsões, doenças neurológicas e imunogenicidade ou o aparecimento de reações imunológicas que geralmente culminam em paralisia parcial ou completa. Página 39

Além disso, o artigo não menciona que os estudos clínicos foram realizados a partir do momento em que a vacina é injetada até três semanas depois, um período durante o qual é difícil detectar os efeitos colaterais sérios, especialmente os citados acima (principalmente a imunogenicidade ), porque os sintomas ocorrem após esse período. O acompanhamento da empresa farmacêutica convenientemente termina em seis meses, o que significa que não se observa se algum efeito colateral apareceu depois deste período. Portanto, a Sanofi-Pasteur não poderia descartar o aparecimento de efeitos colaterais graves causados pelo uso da vacina, porque o monitoramento não é feito. No entanto, a Sanofi-Pasteur afirma que tais efeitos são raros ou inexistentes (parte inferior da página 4). Em que se baseia para fazer tal observação? Não em estudos científicos.

Em terceiro lugar, de acordo com o documento que descreve a origem, produção e composição da vacina, estudos clínicos foram conduzidos em populações europeias. Em outras palavras, o resultado destes estudos não pode ser usado para provar a eficácia ou a segurança da vacina em outras populações. Como a venda de um produto que não foi estudado em populações específicas é permitida no mercado? Esta pergunta deveria ser feita ao seu Departamento de Saúde.

Em quarto lugar, os resultados obtidos em relação à segurança da vacina para uso humano são baseados em estudos com animais (ponto 5.3 na página 6) e estes estudos, de acordo com a empresa farmacêutica, apresentaram imunogenicidade.

Em quinto lugar, estudos de segurança não foram realizados após a vacina foi introduzida no mercado. Estudos sobre incompatibilidade ou estudos clínicos sobre os efeitos que a vacina pode ter sobre as habilidades motoras, tais como operar veículos ou máquinas nao foram realizados.

Além disso, a vacina contém formaldeído, ou formol em sua forma líquida, que é um ingrediente tóxico usado em vacinas e cujo efeito cumulativo enfraquece o sistema imunológico, causa alterações genéticas, acidose metabólica, choque circulatório, insuficiência respiratória e insuficiência renal aguda. O formol também é um sensibilizador, uma característica que torna as pessoas alérgicas a muitas outras coisas. Se ingerido, é corrosivo e é cancerígeno. Além dos ingredientes já citados, as vacinas também contêm:timerosal, esqualeno, adjuvantes, cloreto de sódio, cloreto de potássio, fosfato dissódico dihidratado e dihidrogenofosfato de potássio.

No entanto, a novidade sobre esta vacina não esta nos seus ingredientes, mas no seu comportamento no organismo. De acordo com informações contidas no documento oficial, a vacina não é injetada no músculo como tradicionalmente é feito. Sanofi utiliza um novo método, o intradérmico. A dose exata de 0,1 ml é injetada sob a pele para uma mais ação imediata. É possível que a mesma velocidade com que a vacina age para “imunizar” possa ser vista no aparecimento de efeitos colaterais? A empresa farmacêutica Sanofi-Pasteur não tem dados a respeito.

Talvez o único lado positivo, especialmente para os costarriquenhos, é que as autoridades de saúde não vão adquirir a vacina da empresa farmacêutica pelo menos por agora. Para aqueles que querem injetar o coquetel de vírus, deverão pagar 24 dólares de seus próprios bolsos para comprar em farmácias locais. Deste modo, não há dinheiro do contribuinte enriquecendo as contas bancárias da empresa Sanofi-Pasteur.