Zero Hora Newspaper Lies to Readers about Chem-trails

By Luis R. Miranda
The Real Agenda
June 23, 2010

Chem-trails do not decorate or adorn the sky. They are part of an experiment used globally called Geo-engineering that seeks to limit the

Chem-trails are lines of toxic Aluminum Oxide, Barium and Sulfur left on the sky by airplanes with the intent of reflecting solar radiation.

amount of sunlight the planet receives in order to reduce the nonexistent global warming. As The Real Agenda already reported, chemical trails or chem-trails, as they are called in English, are composed of crystals of aluminum oxide, barium and sulfur, used to -according to some scientists-, block and reflect sunlight in order to decrease the temperature of the planet. The problem with these trails is that, inevitably, they become part of the air people breathe, causing them severe breathing problems and other health complications.

Geo-engineering, or the artificial manipulation of weather and climate patterns, is a topic that has stirred controversy after it was discovered that government agencies have studied and are still studying the application of weather modification techniques, they say, to eliminate or limit global warming and other weather “diseases”. As with other artificially engineered products, such as GM foods, most of us were ignorant about it and took a huge effort from the alternative media to uncover and expose this program. See the video of chemical trails over the city of Sao Leopoldo, RS, Brazil and planes spreading them here.

The use of chemical trails is not only a question of climate change, but involves a set of environmental changes. The first direct consequences of the spraying of chemicals have been a multitude of health complications to the population, as the effects of neurological and behavioral changes, impaired blood circulation, heart problems, effects on the eyes and vision, reproductive failure, damage to the immune system, gastrointestinal, liver and kidney function damage, hearing defects, disorders of the metabolism, dermatological lesions, asphyxiation and pulmonary embolism. How do we know? Tests conducted on people suffering from any or several of these complications have high levels of one or more of the chemicals sprayed on population centers. In other tests, air samples also showed high concentrations of barium and aluminum.

But if these tracks are not toxic chemicals, as the Zero Hora Newspaper says, why is Monsanto, a chemical company itself, creating seeds that can withstand the chemicals used in the spraying? According to Dr. Ilya Sandra Perlingieri, the chemicals applied to populated and depopulated areas are harming not only the environment but also human health.

“… We also know that certain types of chemicals can damage human health and animals, especially the immune system … … the dangers of hormonal changes are now more fully explained in the Internet but are not well known by people who listen to traditional news media.(1) Most of these highly toxic chemicals are invisible and thus are easily out of our collective radar. With the level of stress created by the financial crisis deliberately orchestrated by the elites, where millions of people lost their jobs and homes, a deteriorating environment is not a priority for anyone, especially if there is little information about it. This scenario is part of a broader perspective and is what Naomi Klein writes in his book “The Shock Doctrine.” We have major crises, one after another, making it difficult to keep up with our daily routine, much less to have time to consider the toxicological implications of huge amounts of heavy metals and chemicals that poison our food chain and therefore our supposed health . “We’re on top of a food chain in ruins. ”

Read the complete evaluation from Dr. Perlingieri on Geo-engineering and climate change here.

Chem-trails over Sao Leopoldo, Brazil on June 4th, 2010

In spite of negative consequences, there are scientists who insist on the use of chemical trails.”I suggest that both the aluminum oxide as well as silica particles can be used diluted as an additive in the fuel used in aviation,” writes engineer John Gorman, who conducted experiments to test the feasibility of such a scenario. “We want to burn fuel containing the additive specifically when the aircraft is strolling in the lower stratosphere,” he adds. Reports of chemical trails over hundreds of cities in countries around the world are now common. Plumes of smoke paint the blue skies of gray after commercial and private planes release chemicals. Both government agencies and institutions such as the air force and private contractors are responsible for operating the aircraft, putting the chemicals in tanks or even in the fuel that airplanes use.

With all the negative effects that chem-trails have had on populations, many scientists have made pronouncements about the dangers that this type of Geo-engineering poses to the environment and people. Dan Schrag, from Harvard University, warned that any attempt to change the environment, including the ecosystem itself, could have disastrous consequences, including droughts and other natural disasters. “I think we should consider the climate engineering only as an emergency response to a climate crisis, but there is no evidence to show that a climate crisis exists,” said Schrag. Alan Robock, a professor at Rutgers University, says the consequences could go much further than drought. These experiences, he says, “could create disasters”, damaging the ozone layer and potentially changing the stratosphere, eliminating weather patterns, such as the rainy season from which billions of people depend on for their crops and to feed their families. “The problem is that this is exactly what the use of chemical trails are supposed to do: change weather patterns. The use of chemicals to block the sun’s rays will lead to drastic changes in the biosphere and atmosphere, such as the hydrological cycle, wind patterns and how the sun drives the winds around the planet. Other consequences such as soil fertility and water availability are beginning to be emerge.

Do not let the lies of the Zero Hora newspaper confuse you. Geo-engineering and chemical trails are not the same as condensation trails or contrails. While the contrails disappear after a few minutes in the sky, chem-trails are left by airplanes crossing the sky several times, producing figures like chessboards, circles and semi-circles.

If humans are responsible for global warming, why block the sun? The truth is that the sun is the most gigantic hot body in the solar system and as such, the element that determines the climate. Different calculations estimate that human activity emits only between 4 and 6 percent of total CO2 in the atmosphere, thus having little influence on weather patterns. Volcanic eruptions and the sun, for example, have a greater effect on climate than any human activity. CO2 is really what most of the biosphere uses as food. An environment rich with CO2, provides more fuel for the plants and trees and more food for animals and humans. Another consequence of chemical trails is acid rain. Raindrops containing chemicals cause massive acidification of lakes and rivers, contributing to the poisoning of humans, trees at higher elevations and many sensitive forest soils.

But not only those who reject the theory of anthropogenic global warming are skeptical about the use of chemical trails. The chief scientist of Greenpeace UK, Doug Parr, a defender of the explanation of anthropogenic global warming, disqualifies Geo-engineering as “strange” and “dangerous.” A report from KSLA earlier this year found that chemical experiments with aerosols have been happening for decades. The report revealed experiments exposed in 1977 in hearings before the U.S. Senate. The report showed experiments with biochemical compounds in humans and reported that “239 populated areas were contaminated with biological agents between 1949 and 1969.

According to the article on Zero Hora, -which omits the name of the reporter- these tracks mean nothing more than random condensation of

This is what a chem-trail looks like 30 minutes after it was sprayed. It then spreads and covers the sky in what seems to be haze.

contrails, but the evidence shows exactly the opposite. The newspaper reporters are ignorant or simply lie to their readers deliberately.

If the ultimate goal of Geo-engineering is to reduce the effects of global warming due to human activity and their related emissions of greenhouse gases, you would think that this method would at least have a good chance of working, Would not you? Well, it happens that Geo-engineering has no effect in preventing what corrupt scientists say causes global warming in the atmosphere. Therefore, the use of chemical trails is at best an inefficient solution and, at worst, a mass poisoning of humanity.

Scientist David Suzuki says Geo-engineering is “madness” and goes further to say: “If we learned anything from the past, is that although we are very skillful in inventing new and powerful technologies, our knowledge of how our world works and how things are interconnected is almost zero. ”

But there is a more worrisome aspect about Geo-engineering We all know what governments are capable of doing when they want to manipulate people: inexplicable wars, false pandemics, non-existent terrorist events … Although the use of chemicals as weapons of war is generally seen as morally and universally banned, we have seen very convincing evidence that such a prohibition is not always respected. According to an article published in Wired Magazine, other forms of Geo-engineering such as ocean fertilization can be used to sterilize the oceans, that in turn would destroy fisheries and water ecosystems.

Even the globalist United Nations, traditional supporter of these policies expressed concern with the use of chemical trails. The 14th Session of the Subsidiary Body on Scientific, Technical and Technological Advice was the first place where the United Nations Council discussed Geo-engineering since the signing of the ENMOD Treaty in 1976. The treaty banned Geo-engineering when it is used for hostile purposes.  SBSTTA 14 will recommend to the UN Convention on Biological Diversity to impose a moratorium on all activities related to climate change through Geo-engineering at a meeting in Nagoya Japan on October 2010.

So why have we adopted a technique of changing the climate which is harmful to humans and whose main goal is not achievable? Who benefits from this type of Geo-engineering technologies that are adopted for other reasons? Certainly not the environment. More answers about chemical trails or chem-trails, its origins and what they mean can be found in The Science of “Air Pharmacology” and “Chemtrails.”

Naturally, the knowledge spreads faster and better when more people locally and responsibly report on these issues. So tell your family, friends and acquaintances about the origin and dangers of Geo-engineering around the globe. Just as THE PEOPLE exposed the lies about anthropogenic global warming and Climategate, it is our duty to expose this too.

To my colleagues at the Zero Hora newspaper, I have to say: it costs nothing to write a full report with credible sources and facts. But I think we all know why this newspaper avoids writing the truth. It is part of the great media empire from Brazil known as GLOBO. Maybe it’s hard to speak or write the truth while working there. Only those who lend themselves to lie or tell half-truths because of their ignorance or laziness have space in a company like Zero Hora or the GLOBO empire.

Jornal Zero Hora Mente para seus Leitores

Por Luis R. Miranda
The Real Agenda
Junho 8, 2010

As trilhas químicas não enfeitam ou adornam o céu. Elas são parte de um experimento de geo-engenharia usado globalmente que pretende limitar a quantidade de luz solar que o planeta recebe com o objetivo de diminuir o falso aquecimento global. Como The Real Agenda já reportou, trilhas químicas ou chemtrails, como se chamam em inglés, são compostas de cristais de óxido de alumínio, bário e enxofre que, segundo alguns cientistas, bloqueiam e refletem a luz solar com o objetivo de diminuir a temperatura do planeta. O problema com estas trilhas é que, inevitavelmente, os componentes químicos tornam-se parte do ar que as pessoas respiram, causado-lhes graves problemas respiratórios e outrascomplicações da saúde.

Geo-engenharia, ou a manipulação artificial das condições meteorológicas e padrões climáticos, é um tema que gerou polêmica depois que se descobriu que agências governamentais estudaram e continuam estudando a aplicação de técnicas de modificação do tempo, que eles dizem, é para eliminar ou limitar o aquecimento global e outras “doenças” atmosféricas. Como aconteceu com outros produtos artificiais, tais como alimentos transgênicos, a maioria de nós era ignorante sobre o assunto e levou um esforço gigante da mídia alternativa para descobrir e expor este programa. Veja o vídeo das trilhas químicas nos céus de São Leopoldo, RS, Brasil e de aviões espalhando-as aqui.

Trilhas Químicas sobre Sao Leopoldo, Brazil

O uso de trilhas químicas não é apenas uma questão de mudança do clima, mas implica um conjunto de mudanças ambientais. As primeiras consequências diretas da pulverização de compostos químicos têm sido uma multiplicidade de complicações de saúde às populações, como os efeitos neurológicos e alterações comportamentais, perturbações da circulação sanguínea, problemas cardíacos, efeitos sobre os olhos e a visão, falhas reprodutivas, danos ao sistema imunológico e gastrointestinal, danos ao fígado e às funções renais, defeitos de audição, distúrbios do metabolismo hormonal, efeitos dermatológicos, asfixia e embolia pulmonar. Como sabemos isso? Os testes realizados em pessoas que sofrem de alguma ou várias destas complicações apresentam níveis elevados de um ou mais dos produtos químicos pulverizados sobre centros populacionais. Em outros testes, amostras de ar também apresentaram altas concentrações de bário e alumínio.

Mas, se esses rastros químicos não são tóxicos, como o Jornal Zero Hora diz, porque a Monsanto, uma empresa química, está criando sementes que podem suportar os produtos químicos utilizados nestes percursos? Segundo a Dra. Ilya Sandra Perlingieri, os produtos químicos aplicados às áreas povoadas e despovoadas estão prejudicando não só o ambiente mas também a saúde humana.

“… Nós também sabemos que certos tipos de produtos químicos podem danificar a saúde humana e dos animais, especialmente o sistema imunológico … … os perigos das alterações hormonais estão agora mais amplamente explicadas na Internet, mas não são bem conhecidos pelas pessoas que escutam notícia dos meios de comunicação tradicionais. (1) A maioria destes produtos químicos altamente tóxicos são invisíveis e, portanto, estão facilmente fora do nosso radar coletivo. Com o nível de estresse criado deliberadamente pela crise financeira orquestrada pelas elites, onde milhões de pessoas perderam seus empregos e lares, um ambiente degradado não é prioridade para ninguém, especialmente se há pouca informação ao respeito. Este cenário faz parte de uma perspectiva mais ampla e é o que Naomi Klein escreve em seu livro “The Shock Doctrine”. Temos grandes crises, uma após a outra, sendo difícil manter o contato com nossa rotina diária, muito menos ter tempo para considerar as implicações toxicológicas de enormes quantidades de metais pesados e produtos químicos que envenenam nossa cadeia alimentar e, portanto, a nossa suposta saúde. ” Estamos no topo de uma cadeia alimentar em ruínas. ”

Leia a avaliação completa da Dra. Perlingieri sobre a geo-engenharia e as alterações climáticas aqui.

A pesar das consequências negativas, existem cientistas que insistem no uso de trilhas químicas. “Eu sugiro que tanto o óxido de

Depóis de 30 a 60 minutos as trilhas se extendem e encobrem o céu em São Leopoldo

alumínio quanto partículas de sílica podem ser usadas na estratosfera diluídas como um aditivo no combustível usado na aviação”, escreveu o engenheiro John Gorman, que conduziu experimentos para testar a viabilidade de tal cenário. “Nós queremos queimar combustível contendo o aditivo especificamente quando a aeronave esteja passeando na baixa estratosfera”, acrescenta. Relatórios de trilhas químicas ao longo de centenas de cidades em países ao redor do mundo são agora comuns. Plumas de fumaça pintam os céus azuis de cinza, após aviões comerciais e privados liberam os produtos químicos. Ambas agências governamentais e instituições como a Força Aérea ou empresas privadas contratadas são responsáveis por operar os aviões, colocar os componentes químicos em tanques independentes ou até mesmo no combustível que as naves usam.

Com todos os efeitos negativos que as trilhas tiveram sobre as populações, muitos cientistas fizeram pronunciamentos sobre os perigos que este tipo de geo-engenharia representa para o ambiente e as pessoas. Dan Schrag, da Universidade de Harvard, alertou que qualquer intenção de mudar o ambiente, incluindo o próprio ecossistema, poderia ter conseqüências desastrosas, entre elas, secas e outros desastres naturais. “Eu acho que nós deveríamos considerar a engenharia climática apenas como uma resposta de emergência a uma crise climática, mas não existem provas que mostrem uma crise climática”, disse Schrag. Alan Robock, professor da Rutgers University, diz que as consequências poderão ir muito mais longe do que secas. Estas experiências, ele diz, “poderiam criar catástrofes”, danificando a camada de ozônio e, potencialmente, alterando a estratosfera, eliminando os padrões climáticos, tais como a estação das chuvas, da qual bilhões de pessoas dependem para suas lavouras e alimentos para a população “. O problema é que este é exatamente o que o uso de trilhas químicas pretende fazer: mudar os padrões meteorológicos. A utilização de produtos químicos para bloquear os raios do sol implicará em mudanças drásticas na biosfera e atmosfera, tais como o ciclo hidrológico, padrões de vento e como o sol impulsiona os ventos ao redor do planeta. Com isso, outros aspectos tais como fertilidade do solo e a disponibilidade de água começam a aparecer.

Não deixe que as mentiras do jornal Zero Hora, do Rio Grande do Sul, confundam você. Geo-engenharia e trilhas químicas não é o mesmo que contrails ou trilhas de condensação. Enquanto os contrails desaparecem após alguns minutos no céu, chem-trails são deixadas por aviões que cruzam o céu várias vezes, produzindo figuras como um tabuleiro de xadrez, círculos e semi-circulos.

Se os seres humanos são responsáveis pelo aquecimento global, por que bloquear o sol? A verdade é que o sol é o mais gigantesco corpo quente do sistema solar e como tal, o elemento que determina o clima. Diferentes cálculos estimam que a atividade humana emite apenas entre 4 e 6 por cento do total de CO2 na atmosfera, portanto, tendo pouca influência sobre os padrões climáticos. Erupções vulcânicas e o sol, por exemplo, têm um efeito maior no clima do que qualquer atividade humana. O CO2 é realmente o que a maioria da biosfera usa como alimento. Um ambiente rico em CO2, então, fornece mais combustível para as plantas e as árvores e mais alimentos para animais e seres humanos.

Em una ou duas horas, os compostos químicos formam uma neblina o névoa que mais tarde cai como chuva ácida.

Outra conseqüência das trilhas químicas é a chuva ácida. Gotas de chuva contendo elementos químicos causam enorme acidificação dos lagos e rios, contribuindo com o envenenamento dos humanos, árvores em altitudes elevadas e muitos solos florestais sensíveis. Mas não só aqueles que rejeitam a teoria do aquecimento global antropogênico são céticos sobre o uso de trilhas químicas. O cientista chefe do Greenpeace no Reino Unido, Doug Parr, um defensor da explicação do aquecimento global antropogênico, desqualifica as tentativas de Geo-engenharia do planeta como “estranhas” e “perigosas”. Uma reportagem da KSLA no início deste ano constatou que experimentos químicos com aerosóis vêm acontecendo por décadas. A reportagem revelou experimentos expostos em 1977 em audiências do Senado dos Estados Unidos. O relatório mostrou as experiências com compostos bioquímicos em humanos e relatou que “239 áreas povoadas foram contaminadas com agentes biológicos, entre 1949 e 1969.

Então, para os que escreveram o artigo na Zero Hora, -o qual não tem o nome do repórter- estas trilhas não significam nada mais do que condensação casual de contrails, mas as provas mostram exatamente o oposto. Os repórteres no jornal são ignorantes ou simplesmente mentem para os seus leitores deliberadamente.

Se o objetivo final da Geo-engenharia é reduzir os efeitos do aquecimento global devido à atividade humana e às suas consequentes emissões de gases estufa, pensaríamos que este método teria pelo menos uma boa chance de funcionar, não é? Bem, acontece que a Geo-engenharia bioquímica não tem efeito nenhum para evitar o aquecimento que cientistas corruptos dizem causam o efeito estufa na atmosfera. Portanto, o uso de trilhas químicas é, no mínimo, uma solução incompleta e, no máximo, um envenenamento massivo da humanidade.

O cientista David Suzuki diz que a geo-engenharia é uma “loucura” e vai mais longe ao dizer: “Se nós aprendemos alguma coisa do passado, é que apesar de estarmos muito hábeis em inventar novas e poderosas tecnologias, nosso conhecimento de como o mundo e as coisas estão interligadas é quase zero. ”

No final de tudo isso há um aspecto mais preocupante da geo-engenharia. Nós todos sabemos o que os governos são capazes de fazer quando querem manipular as pessoas: guerras inexplicáveis, pandemias inexistentes, eventos terroristas … Embora o uso de produtos químicos como arma de guerra é geralmente visto como moralmente e universalmente proibido, temos visto evidências muito convincentes de que essa proibição nem sempre é respeitada. Segundo um artigo publicado na Revista Wired Magazine, outras formas de geo-engenharia, tais como fertilização dos oceanos, podem ser usados para proliferação de algas que esterilizam os oceanos, isto, por sua vez destruirá a pesca e os ecossistemas de água.

Mesmo os globalistas das Nações Unidas, tradicionalmente defensores destas politicas, manifestaram sua preocupação com a

Algumas trilhas tomaram completamente os céus de São Leopoldo em 03 de junho.

utilização das trilhas químicas. A 14ª Sessão do Órgão Subsidiário de Assessoramento Científico, Técnico e Tecnológico foi o primeiro lugar onde o Conselho das Nações Unidas discutiu a geo-engenharia, desde a assinatura do Tratado ENMOD em 1976. O tratado proibiu a geo-engenharia, quando ela é usada para objetivos “hostis”. SBSTTA 14 irá recomendar à Convenção das Nações Unidas sobre a Diversidade Biológica a imposição de uma moratória sobre todas as atividades de modificação do clima através de geo-engenharia em uma reunião em Nagoya, Japão em outubro 2010. Naturalmente, o conhecimento se dissemina mais rápido e melhor quando as pessoas mais a nível local são responsáveis por informar sobre estas questões. Então, conte à sua família, amigos e conhecidos sobre a origem e os perigos de armas laser e a modificação do clima com geo- engenharia ao redor do globo. Assim como OS POVOS expuseram as mentiras sobre o aquecimento global antropogênico e Climategate, é nosso dever expor isso também.

Então, por que adotamos uma técnica de modificação do clima que é prejudicial aos seres humanos e cujo principal objetivo não pode ser alcançado? Quem se beneficia deste tipo de tecnologias de geo-engenharia se são adotadas por outras razões? Certamente não será o meio ambiente. Mais respostas sobre trilhas químicas ou chemtrails, suas origens e o que elas significam pode ser encontrado em A Ciência da “Farmacologia do Ar” ou “Chemtrails”. Aos meus colegas na Zero Hora quero dizer: não custa nada escrever uma reportagem completa com fontes confiáveis e com fatos. Mas acho que todos sabemos porque este jornal evita escrever a verdade. Como parte do grande império da Globo, talvez é dificil falar ou escrever a verdade. Somente os que se prestam para mentir ou falar meias verdades por causa da sua ignorância -voluntária ou não- e /ou preguiça profissional têm espaço numa empresa como o Jornal Zero Hora ou o império Globo.