Advertisements

Se ninguém acredita na recuperação econômica, por que Europa e o mundo fingem?

POR LUIS MIRANDA | THE REAL AGENDA | OUTUBRO 23, 2012

Não sei você, mas eu estou cansado de ouvir sobre o colapso financeiro. A crise financeira na que estamos hoje foi prevista há muito tempo, e a previsão se concretizou. Então, por que não aconteceu ainda?

Primeiro, ela está acontecendo. Na verdade, tudo começou há um tempo atrás. Enquanto muitos esperavam um colapso repentino, que  acabasse com o mundo inteiro, a queda do sistema financeiro internacional foi planejado para ser feito dessa maneira. Segundo, o colapso financeiro foi planejado para ocorrer lenta e dolorosamente, não somente porque os membros da elite são sádicos, mas também porque é a única maneira de realizar seu plano com sucesso.

O colapso financeiro lento permite que os autores lentamente mordam pedaços do ‘bolo’, infligindo dor letal, mas controlável, enquanto danificam os sistemas econômicos e financeiros do mundo. Essa tática, por sua vez, abre caminho para uma maior deterioração e aquiescência do público e dos governos que eles controlam. O tipo de terrorismo financeiro realizado pelas maiores instituições financeiras na história do mundo, que são controladas por umas poucas pessoas, torna possível realizar o sonho da elite para criar o monopólio de dinheiro e recursos mais poderoso, enquanto eles se apresentam como salvadores para resolver a crise que eles mesmos criaram.

A verdade, contudo, é que eles não estão salvando ninguém, mas eles próprios. Enquanto subornam políticos para adquirir os recursos pagando preços muito baixos em qualquer moeda que eles querem, os membros da elite não precisam ser responsáveis pelas seus crimes. De fato, os burocratas do governo são leais cúmplices da elite. Apenas um país tem sido capaz de derrotar esses caras, e esse país é a Islândia. Depois de chutar o traseiro dos banqueiros, Islândia está agora no caminho da recuperação, com uma economia crescente que só voltou à vida depois de determinar que a dívida criada ilegalmente pelos banqueiros não seria paga pelos cidadãos do pais.

Islândia fez o que nenhum outro país teve a coragem de fazer: deixar que os bancos estrangeiros fossem à falência. Quatro anos depois, o país está sendo elogiado pelo Fundo Monetário Internacional (FMI). Isso é correto. Uma das mais importantes organizações globalistas que geralmente planejam a destruição de países como Itália, Grécia, Portugal e Espanha, parabenizou a Islândia por fazer a coisa certa. Os Islandeses não tiveram necessidade de adotar programas de austeridade, perder milhões de empregos, perder pensões ou contas de aposentadoria para salvar os bancos. “A recuperação tem sido bastante impressionante. O crescimento do PIB se acelerou nos últimos dois anos e agora está em três por cento ao ano “, diz Franek Rozwadowski, um visitante do FMI.

Enquanto isso, do outro lado do oceano há países como Espanha, Itália, Grécia e Portugal, os quais escolheram seguir o caminho da  destruição. A dívida da Espanha aumentou dramaticamente enquanto o governo diz que faz um esforço para reduzir o déficit. O governo impôs medidas de austeridade maciças, saqueou as pensões e contas de aposentadoria, reduziu o emprego público, acumulou uma taxa de desemprego de 24%, “resgatou” bancos pelo menos duas vezes e adotou as políticas econômicas mandadas de Bruxelas, mas o pais esta ainda caminha em direcao ao precipício financeiro. O mesmo modelo foi utilizado pela Grécia, Itália e Portugal, que seguem a Espanha em seu caminho para o colapso social. Estima-se que a dívida espanhola vai chegar a € 23 bilhões até o final do ano, sem esperança de ver a luz no fim do túnel.

A principal razão para isto é que a aliança feita entre o Governo espanhol e Bruxelas não se destina a guiar a Espanha fora do túnel escuro. Como explicado nos documentos obtidos do Banco Mundial, o colapso da maioria dos países europeus é parte de um plano bem concebido que a elite tem aplicado uma e outra vez em muitos países em todo o mundo. Foi o que aconteceu em países pequenos como Guatemala, e Nicarágua e outros de médio porte como Argentina. Agora, estas mesmas politicas estão sendo aplicadas em grandes economias, como Espanha, EUA, França, Itália, Grécia e outros.

Os chamados resgates financeiros não são tal. Esses pressupostos são mesmo aquisições. Como explicado pelo jornalista investigativo Greg Palast — que revelou a história sobre o plano do Banco Mundial para colapsar a economia global — a idéia é secretamente tomar posse dos bens de todos os países do mundo. Isto é conseguido através de um sistema de suborno em que os banqueiros mundiais compram o voto dos burocratas em diferentes países para que adotem políticas emitidas pelo FMI e o Banco Mundial cujo objetivo é destruir suas economias. Uma vez que as políticas têm sido adotadas, os bancos começam a assumir progressivamente os recursos desses países de maneira imperceptível, principalmente através de programas de ajuda financeira e acordos comerciais.

A crença equivocada de que a recuperação vai sair das medidas de austeridade atuais e dos resgates é derivada da campanha de propaganda orquestrada pelo sistema bancário e os principais meios de comunicação, que tinham negado a existência da crise, mas que depois tiveram que aceitar que existe. A mentira agora baseia-se na ideia — também divulgada pela mídia — que os mesmos banqueiros que causaram a crise serão os nossos salvadores. A maioria das pessoas sabem pouco ou nada sobre o fato que o tipo de crise que estamos passando é parte de um plano para realizar um esquema de extorsão mundial em que a elite globalista bancária mais uma vez fica com uma quantidade significativa de recursos.

A diferença é que desta vez o saque não se limita a uma nação, mas vários países importantes da Europa e do mundo. Por exemplo, as ilhas gregas estão agora para a venda pela melhor oferta, porque o país não pode pagar suas dívidas depois de aceitar a ‘ajuda’ dos banqueiros europeus. Adivinhe quem vem para o resgate. Os mesmos banqueiros querem comprar as ilhas gregas para ‘ajudar’ o pais mas eles querem pagar tostões. O mesmo se aplicará em Espanha depois que Mariano Rajoy solicite o resgate financeiro.

Então, se você está se perguntando por que a economia não está melhorando apesar das garantias constantes de que tudo aquilo que está nos livros está sendo feito para chegar a esse ponto, a verdade é que os banqueiros nunca contemplaram ter uma recuperação. Pelo menos, não uma em que todos tenham a oportunidade de prosperar.

Leia a entrevista completa dada por Greg Palast após obter documentos secretos do Banco Mundial detalhando como instituições financeiras globais procuram destruir nações.

The Real Agenda permite a reprodução do conteúdo original publicado no site APENAS através das ferramentas fornecidas no final de cada artigo. Por favor, NÃO COPIE o conteúdo do nosso site para redistribuir ou para enviar por e-mail.

Advertisements

Vacina Gardasil contaminada com DNA recombinante de HPV

Dr. Sing Lee encontrou DNA recombinante das cepas HPV-11 e HPV-18, que foi descrito como “firmemente aderido ao adjuvante de alumínio.”

rDNA encontrado em Gardasil foi criado geneticamente

NaturalNews.com
Setembro 20, 2011
Tradução de Luis R. Miranda

Na busca por respostas a respeito de por que meninas estão sofrendo danos devastadores à saúde depois de ser injetadas com vacinas contra o HPV, SANE Vax, Inc decidiu comprar frascos de Gardasil e testar em laboratório. Eles encontraram mais de uma dúzia de frascos de vacina Gardasil, que foram contaminados com DNA recombinante do vírus do papiloma humano (HPV). Os frascos foram adquiridos nos Estados Unidos, Austrália, Nova Zelândia, Espanha, Polónia e França, indicando que a contaminação da vacina Gardasil é um fenômeno global.

Isto significa que as adolescentes que são injetadas com essas vacinas estão sendo poluídas e expostas a perigo biológico – o rDNA de HPV. Na realização dos ensaios, o Dr. Sing Lee encontrou rDNA das cepas HPV-11 e HPV-18, que foram descritas como “firmemente ligadas ao adjuvante de alumínio.”

O fato que alumínio também é encontrado em vacinas deve ser alarmante por si só, já que o alumínio não deve ser injetado no corpo humano (porque é tóxico quando ingerido e, especificamente, danifica o sistema nervoso). Com a descoberta de que o adjuvante de alumínio também tinha fragmentos de DNA recombinante de duas cepas diferentes do vírus do papiloma humano, agora o alarme chega a um perigoso risco de contaminação biológica – mais como uma arma biológica em vez de algo como um medicamento.

Como SANE Vax explica em sua declaração, estes testes foram realizados depois que uma adolescente experimentou “artrite reumatóide grave somente 24 horas” depois de ser injetada com uma vacina contra o HPV. Ver relatório de SANE Vax aqui.

DNA recombinante de Gardasil foi criado geneticamente

O DNA recombinante que foi encontrado na vacina Gardasil não é “natural” do vírus HPV em si. Pelo contrário, é engenhado genéticamente através da utilização do código genético do HPV que é adicionado a vacinas durante a fabricação.

Como o Dr. Lee, o patologista que realizou testes laboratoriais para identificação do risco biológico de contaminação de Gardasil, disse:

“O DNA natural do HPV no sangue não permanece por muito tempo. No entanto, o DNA em Gardasil não é “natural”. É uma recombinante DNA do HPV (rDNA) – ingeniadp geneticamente – que é inserido em células de levedura para a produção de proteínas semelhantes ao vírus VLP (vírus-like-partícula). rDNA é conhecido por seu comportamento diferente do DNA natural. Ele pode entrar em uma célula humana, especialmente em uma lesão inflamatória causada pelos efeitos do adjuvante de alumínio, através de mecanismos pouco conhecidos. Uma vez que um segmento de DNA recombinante é introduzido em uma célula humana, as conseqüências são difíceis de prever. Na célula pode viver temporariamente ou ficar lá para sempre, com ou sem causar uma mutação. Agora, a célula hospedeira contem DNA humano assim como o DNA viral geneticamente produzido em laboratório. “

Crianças inocentes estão sendo injetados com rDNA do HPV produzido geneticamente

O que tudo isto significa é que, por meio da vacina Gardasil, meninas inocentes estão sendo injetadas com o DNA recombinante de HPV, que é um bio-infectante que persiste no sangue. As implicações disso são bastante graves, como o Dr. Lee explica:

“Uma vez que um segmento de DNA recombinante é introduzido em uma célula humana, as conseqüências são difíceis de prever. Na célula, sua presença pode ser temporária ou ficar lá para sempre, com ou sem causar uma mutação. Agora, a célula hospedeira continua tendo ambos tipos de DNA; o humano e o DNA viral. “

A indústria de vacinas, é claro, tem uma história longa e escura de vacinas contaminadas com o vírus causador de câncer e outros contaminantes. Veja este vídeo incrível do Dr. Hilleman representando a Merck, onde ele admite abertamente que as vacinas da pólio foram contaminados com SV40, o vírus que causa câncer.

O vídeo é chamado de “Científico de Merck admite presença de vírus SV40 e AIDS em vacinas.” Este vídeo foi narrado pelo Dr. Len Horowitz. Você pode ver a transcrição completa da entrevista extraordinária neste link.

Se você pensou que as vacinas eram seguras, pense novamente. Aprenda. Conheça a verdade, e por favor compartilhe esta história para que outros possam se informar.

Porque você acha que a indústria das vacinas tão fortemente solicita aos governos ser mantida imune a litígios e responsabilidade financeira quando uma vacina causa lesões em pacientes? Porque se você soubesse a verdade sobre como as vacinas causam autismo, câncer e até a morte, o prejuízo para essas empresas seria tão grande que eles iriam desaparecer!

Veja a mais recente entrevista com o Dr. Russell Blaylock, neurologo quem explica a fraude das vacinas e os perigos da vacina Gardasil.

Os perigos de Gardasil, com o Dr. Russell Blaylock

Governos se Preparam para Confiscar Fundos de Pensões

Por Luis R. Miranda
The Real Agenda
Outubro 17, 2010

Enquanto as organizações financeiras supranacionais acumulam mais poder, e os países membros sucumbem às suas regras, as classes média e média alta em todos os países membros suportam o peso da maior redistribuição de recursos na história moderna. Usando o pretexto da “crise econômica”, embora de acordo com as mesmas instituições esta crise terminou em 2009 – o FMI, o Banco Mundial e a União Europeia continuam saqueando os poucos recursos que restam para a classe trabalhadora.

Cristina Fernández de Kirchner anuncia a nacionalização dos Fundos de Pensões Privados. (Foto: EFE)

O último ataque vem na forma do roubo dos fundos de pensão da classe trabalhadora. Este roubo é feito através dos governos, que obedecem o pedido do FMI e o Banco Mundial e têm feito de tudo para confiscar as pensões das classes média e média alta para investir no sistema financeiro. O problema é que esse investimento será feito sem o consentimento dos pensionistas, e os produtos nos quais os fundos serão investidos são ativos não financeiros como os derivativos e hedge funds ligados aos falidos mercados imobiliários e títulos do governo.

A conseqüência direta destas medidas de ajuste económico e financeiro, como são chamados pelos banqueiros, é o desconforto dos pensionistas e da classe trabalhadora em muitos países onde os governos têm retirado as suas pensões, como a Grécia, Islândia, Espanha, França, Equador e outros. Os planos de austeridade oferecidos pelas organizações financeiras internacionais, buscam cortar gastos do governo, segundo eles, para estabilizar a economia.

Nos países em que as pensões não foram roubadas pelos governos, os burocratas estão fabricando explicações para preparar seus escravos, pois eles têm que dar mais de seu dinheiro aos banqueiros, embora eles já receberam cerca de 25 trilhoes de dólares no ano passado. Os governos estão se preparando para tomar as aposentadorias do setor privado, enquanto consideram a implementação de mais impostos sobre o rendimento pessoal e empresarial. A desculpa que vai ser usada é que os outros programas patrocinados pelo governo, incluindo a Segurança Social, estão quebrados, e precisaram da re-distribuicao do dinheiro para manté-los funcionando. Na realidade, os governos são querem roubar as pensões dos trabalhadores e contribuintes para manter suas políticas de gasto desenfreado, que são insustentáveis.

Nos Estados Unidos, os fundos de pensão públicos foram saqueados pelo governo e as cidades e municípios estão enfrentando déficits financeiros de até 574.000 milhões de dólares, de acordo com uma reportagem da CNBC. O buraco negro deixado pelos gastos do governo deve agora ser preenchido com o dinheiro dos contribuintes em todo o mundo, através do confisco da riqueza privada de milhões de americanos, europeus e latino-americanos, entre outros. Os defensores deste regime não só não expressam qualquer culpa pelos crimes cometidos contra seus cidadãos, mas também agem com a arrogância de pensar que podem roubar dinheiro de pessoas que trabalharam durante décadas para acumular fundos para sustentar o resto de suas vidas.

“Isso, é claro, é um sistema público de roubo do sistema de Segurança Social, e do governo para dar aos grandes políticos fundos adicionais para pagar as despesas fora de controle”, escreve Connie Hair. Em uma audiência no Congresso dos Estados Unidos., a professora Teresa Ghilarducci da New School for Social Research, em Nova York, propôs a criação de um regime de pensões que confisque os fundos públicos e regimes de pensões privados para colocá-los em um único fundo de conta de pensões (GRA), gerido pela Administração da Segurança Social.

O GRA é aplicado através de uma poupança fiscal obrigatória, equivalente a 5 por cento do salário anual de uma pessoa para ser depositado nesse fundo. Durante entrevista a uma rádio de Seattle, em outubro de 2008, Ghilarducci disse que o motivo por trás do plano e que : “estou reorganizando os cortes de impostos que já estão disponíveis para os fundos de pensão e como esses recursos serão redistribuídos”

No entanto, como aprendemos com dor imediatamente após o resgate financeiro dos bancos que foi originalmente de 700 milhões de dólares e que seria usado para curar as contas dos bancos que tinham investido em produtos financeiros tóxicos, esses recursos acabaram nos bolsos dos grandes bancos europeus e dos EUA. A idéia da re-distribuicao da riqueza soa bem para aqueles que ignoram as verdadeiras intenções dos globalistas, e aqueles que acreditam no coração a existência d “justiça social” e que o socialismo é a resposta para a igualdade. Com as reformas socialistas no mundo financeiro, os globalistas quase sempre cobrem a riqueza sob o pretexto de serem os salvadores, enquanto avidamente roubam todos os recursos e bens com o dinheiro que imprimem ilegalmente.

O programa GRA e outros similares, estão sendo empurrados pelo Economic Policy Institute, uma organização localizada no terceiro andar do prédio George Soros Center for American Progress. O Center for American Progress é um grupo de peritos liderado pelo ex-chefe do quadro de funcionários de Bill Clinton, John D. Podesta, que também era chefe da equipe de transição presidencial de Barack Obama após as eleições de 2008.

Em preparação para roubar os fundos de previdência privada, os Estados Unidos agirão da mesma forma como o governo argentino, em 2008, nacionalizou os planos de previdência privada no país, conhecidos como AFJP, e confiscou a riqueza de milhões de pessoas. “Não temos dúvida de que isso violaria o direito à propriedade privada. Não apenas para nós, mas para a sociedade e o mundo, esta é uma apreensão clara “, disse Ernesto Sanz, membro do Partido Radical da Argentina.

Como os americanos agiram ao saber que a sua riqueza, o fruto do seu trabalho está sendo roubado pelo governo? Se isto não desperta uma revolta generalizada da classe média assim como desobediência civil nos Estados Unidos e todos os outros países, então nada o fará.

Se você não tem previdência privada ou pública e acredita que isso não vai afetá-lo, pense novamente. Uma vez que seja estabelecido que o Estado pode confiscar a riqueza pública e privada, então eles podem vir e tomar sua casa, seus filhos e, finalmente, sua liberdade. Uma vez que o vampiro do grande governo fica um gosto de sangue, os seus dentes simplesmente afundam mais, e com isto qualquer sistema democrático mudará rapidamente para tornar-se uma tiranía.