Saudi Prince Al-Waleed bin Talal Founding Construction of Ground Zero Mosque

Saudi Prince Al-Waleed bin Talal Co-owns Fox News

Raw Story

The second largest shareholder in News Corp. — the parent company of Fox News — has donated hundreds of thousands of dollars to causes linked to the imam planning to build a Muslim community center and mosque near Ground Zero in Manhattan, says a report from Yahoo!News.

According to the report from Yahoo!’s John Cook, Saudi Prince Al-Waleed bin Talal, who owns seven percent of News Corp., “has directly funded [Imam Feisal Abdul] Rauf’s projects to the tune of more than $300,000.”

Cook reports that Prince Al-Waleed’s personal charity, the Kingdom Foundation, donated $305,000 to Muslim Leaders of Tomorrow, a project sponsored by two of Rauf’s initiatives, the American Society for Muslim Advancement and the Cordoba Initiative, which is building the Manhattan mosque.

That Fox News’ second-largest shareholder, after Rupert Murdoch, has financial links to the “Ground Zero mosque” will be seen as ironic by critics of the news network, who have watched with chagrin as the network’s talking heads attempt to link the mosque to radical Islamism.

Last week, Daily Show host Jon Stewart lambasted Fox panelist Eric Bolling’s attempt to link the Cordoba Initiative to Hamas and Iran. Stewart used News Corp.’s connections to Prince Al-Waleed, and the prince’s connections to the Carlyle Group and Osama bin Laden to make a tongue-in-cheek argument that Fox News may be a “terrorist command center.”

“Stewart didn’t need to take all those steps to make the connection,” Cook writes.

Cook also reports that Prince Al-Waleed has in the past funded a number of Islamic organizations that have been maligned by Fox News commentators:

Al-Waleed donated $500,000 to the Council on American-Islamic Relations — which has been repeatedly denounced on Fox News’s air by Geller and others as a terror group — in 2002. Indeed, Rauf’s “numerous ties to CAIR” alone have been cited by the mosque’s opponents as a justification for imputing terrorist sympathies to him, yet few people seem to be asking whether Murdoch’s extensive multi-billion business collaboration with the man who funds both Rauf and CAIR merits investigation or concern.

Other beneficiaries of Al-Waleed’s largess include the Islamic Development Bank, a project designed to “foster the economic development and social progress of [Muslims] in accordance with the principles of Shari’ah.” The IDB funds the construction of mosques around the world, and has been implicated by frequent Fox News guest Stephen Schwartz in an attempt to spread radical Wahhabism (a fundamentalist branch of Islam) throughout the United States.

Cook notes that it was none other than News Corp.’s New York Post that reported on Prince Al-Waleed’s donation to Muslim Leaders of Tomorrow. He reports that Fox News had no comment for his article, and emails to the prince’s Kingdom Foundation were not returned.

Prince Al-Waleed owns an estimated $2.5-billion-worth of News Corp. Majority shareholder Rupert Murdoch recently took a stake in the prince’s Middle East-based media conglomerate, Rotana Group. Murdoch and Prince Al-Waleed are reportedly working on launching an Arabic news network that will compete with existing pan-Arabic networks Al-Jazeera and Al-Arabiya.

Estados Unidos Sí negocia con Terroristas y Narcos

Por Luis R. Miranda

¿Ha escuchado usted los rumores de que los EE.UU. son el principal comerciante de drogas en todo el mundo? ¿Qué tal el rumor que cuenta cómo el ex jefe de New York Stock Exchange se fue a Colombia para pedir a los narcos que invirtieran en la Bolsa de Nueva York? Que rumores, ¿verdad? Nope. Hay pruebas suficientes para saber que, efectivamente, los Estados Unidos no sólo es el mayor operador y co-productor de drogas del mundo. También existen pruebas suficientes de que Richard Grasso, ex jefe de la Bolsa de Nueva York viajó a Colombia para reunirse con jefes del narcotráfico local para ofrecer que intercambiaran sus drogas por dinero para alimentar el mercado financiero.

En la actualidad, los Estados Unidos vigila y ayuda en el cultivo de cocaína en Afganistán,-según lo informado por Fox News y Gerald

El Ejército Norteamericano vigila sigilosamente los campos cultivados en Afganistán.

o Rivera. Hay por supuesto una buena explicación para la doble moral. Si los EE.UU. no ayuda al hermano del presidente Karzai para ganarse la vida de la venta de drogas, entonces los terroristas lo harían y usarían el dinero para atacar al “mundo libre”. Casualmente, esto es exactamente lo que ocurre en Colombia. Como informó el Washington Post, el hermano del presidente colombiano, Santiago Uribe, era el jefe de un escuadrón de la muerte en la parte norte del país, que operaba desde una finca que perteneció a la familia Uribe. Santiago, también conocido por sus vínculos con cárteles de la droga, asesinaba delincuentes menores, simpatizantes de la guerrilla y sospechosos de subversión.

Pero las negociaciones con los narcos no se limita a Colombia o Afganistán. La “gloriosa” guerra contra las drogas llega a los más altos mandatarios de la actual administración Obama. El asesor de Obama, George Soros es un hombre de negocios conocido por su intención de querer legalizar todas las drogas. Como parte de la guerra contra las drogas, Colombia entregó parte de un territorio montañoso a las FARC, un grupo paramilitar que estaba entonces supuestamente siendo desmantelado como parte del proceso de negociación para poner fin al comercio de la guerra.

Richard Grasso abraza al jefe de las FARC, Raul Reyes en 1999.

Como el documental American Drug Waro Guerra Contra Las Drogas en America expone, los EE.UU. tiene una larga historia de traficar drogas en todos los continentes, especialmente de América del Sur al Norte, y más recientemente de Asia a América. Desde que el presidente Nixon legalizó el tráfico de drogas por el gobierno de los EE.UU. a través del establecimiento de la guerra contra las drogas, el negocio de la trata y el transporte de drogas ha crecido de manera exponencial y el resultado ha sido el blanqueo de miles de millones de dólares por los bancos de Wall Street, que se utilizan para financiar operaciones secretas ilegales en todo el mundo. Estas operaciones se llevan a cabo para capturar países que no colaboran, o sea, no se rinden ante los banqueros; y son llevadas a cabo con guerrillas y contratistas militares de operaciones especiales.

El ex detective de Narcóticos de la Policía de Los Ángeles, Mike Ruppert, envió ondas de choque alrededor de los Estados Unidos cuando le dijo al director de la CIA John Deutch y una sala llena de reporteros, que la organización había encabezado el trafico de drogas por mucho tiempo. Amadeus, Pegaso y Atalaya son los nombres de tres operaciones que la CIA utilizó para comercializar drogas en todo Estados Unidos. Él mismo había sido reclutado para ayudar a proteger las operaciones de la agencia. Ruppert desafió a Deutch a investigar las operaciones secretas de y decir la verdad al público.

Catherine Austin Fitts-, ex Secretaria Asistente de Vivienda-Comisionado Federal de Vivienda en la primera Administración Bush, describe la visita de Grasso a Colombia:

Supongo que el viaje de Grasso no tuvo éxito en cambiar el curso del flujo de caja. Por lo tanto, el Plan Colombia se introdujo para mantener un buen ritmo para tratar de mover los depósitos narco fuera del control de las FARC y de nuevo al control de nuestros aliados tradicionales y, si esto no funciona, se aumenta la cuota de mercado de Citibank y la de los otros bancos de EE.UU. en América Latina.

En su ensayo Narco Dólares, Fitts expone cómo funciona el trasiego de dinero en el comercio de drogas ilícitas. Según Fitts, el poder de Narco Dólares viene cuando se combina el tráfico de drogas con el Mercado de Valores. Señala que las drogas no son siempre un bien, pero a veces se convierten en una moneda. Cuando la industria militar vende armas a un grupo terrorista, por ejemplo, se puede o no pagar en dólares. Cuando el papel moneda es escaso, existe la opción de pagar con las drogas. Es por eso que la CIA lleva drogas a los EE.UU. como pago por la venta secreta de armas a Colombia y otros gobiernos títeres en América Latina.

Todos recordamos el escándalo Irán-Contra. El corazón del escándalo es el hecho de que Oliver North y la Casa Blanca (Consejo Nacional de Seguridad) comercializó drogas a través de Mena, Arkansas para facilitar envíos de armas. Mena fue por supuesto un gran contribuyente a Bill y Hillary Clinton en varias campañas a nivel local regional y nacional.Otros ejemplos en los que las drogas se usaron para el comercio de armas son los conflictos en Vietnam, Kosovo, México, y así sucesivamente. En todos estos casos, las drogas, el petróleo, el gas y las armas son las monedas utilizadas para el intercambio. “Si se añade el oro, una moneda y la cuota de mercado de los bancos y usted tiene mi lista para entender cómo el dinero funciona en cualquier guerra o” conflicto de baja intensidad “en todo el mundo”, dice Fitts.

Todos recordamos el escándalo Irán-Contra. El corazón del escándalo es el hecho de que Oliver North y la Casa Blanca (Consejo Nacional de Seguridad) comercializó drogas a través de Mena, Arkansas para facilitar envíos de armas. Mena fue por supuesto un gran contribuyente a Bill y Hillary Clinton en varias campañas a nivel local regional y nacional.Otros ejemplos en los que las drogas se usaron para el comercio de armas son los conflictos en Vietnam, Kosovo, México, y así sucesivamente. En todos estos casos, las drogas, el petróleo, el gas y las armas son las monedas utilizadas para el intercambio. “Si se añade el oro, una moneda y la cuota de mercado de los bancos y usted tiene mi lista para entender cómo el dinero funciona en cualquier guerra o” conflicto de baja intensidad “en todo el mundo”, dice Fitts.

En el otro lado de la moneda tenemos los Bush. George H.W. Bush fue director de la CIA y presidente de Estados Unidos. Sus hijos Jeb y

Junto con los Clintons, la familia Bush es una de las más corruptas en la historia Estadounidense.

George W. fueron los gobernadores de dos de los mayores mercados de drogas en los Estados Unidos: Texas y Florida. Los otros dos estados son Nueva York y California. Más tarde, George W. Bush se convirtió en presidente de los Estados Unidos. ¿Puede ser una coincidencia que los hijos de un ex jefe de la mafia ocuparon exitosamente esas funciones durante uno de los períodos de tráfico de drogas más intenso en la historia del país?

¿Por qué las personas que usaro drogas son enviadas a la cárcel, entonces? Bueno, el narcotráfico es un negocio redondo. Las mismas corporaciones que se benefician del tráfico de drogas también se benefician del sistema penitenciario. Tomemos por ejemplo la CCA, o Corrections Corporation of America. En su página web auto califican su trabajo como un servicio para construir y administrar las cárceles. “Nuestro enfoque de asociación público-privada en las prisiones combina el ahorro de costes y la innovación de las empresas con las estrictas directrices y la supervisión constante del gobierno.” De los más de 2 millones de personas en prisión en los Estados Unidos, más del 80 por ciento están en la cárcel por fumar, vender o comprar marihuana, por ejemplo. El negocio del tráfico de drogas, simplemente recoge los beneficios de todos los puntos posibles. Desde la plantación, hasta la cosecha, el transporte, la venta y el encarcelamiento de quienes las usan. Por supuesto, no es suficiente que la gente sea enviada a la cárcel. Mientras están ahí, estos infractores también son obligados a trabajar en los campos de esclavos con el fin de multiplicar los beneficios que obtiene el complejo industrial de prisiones. ¿Es esto un monopolio criminal o no?

As it turns out, the U.S. does negotiate with Terrorists and Drug Traffickers

By Luis R. Miranda

Have you heard the rumors that the U.S. is the main carrier of drugs around the world?  How about the one that tells how the former New York Stock Exchange boss went to Colombia to ask the Narcos to invest in the NYSE?  All rumors, right?  Nope.  There are enough trails to know that indeed the United States is not only the largest carrier and co-grower of drugs in the world.  There is also enough proof that Richard Grasso, the former NYSE’s head traveled to Colombia to meet with local narcotrafficking bosses to offer ‘his exchange’ to hide their money.

The U.S. military closely guards the largest poppy plantation in the world.

Currently, the United States guards and aids in the growth of poppies in Afghanistan, -as reported by Fox News’s Geraldo Rivera.  There is of course a good explanation for the double standard.  If the U.S. does not help President Karzai’s brother to make a living of it, then terrorists would grow it and use the money to attack the ‘free world.’  Coincidentally, this is exactly what happens in Colombia.  As reported by the Washington Post, Colombian president’s brother, Santiado Uribe, was the head of an infamous death squad in the northern part of the country, right out of a estate that belonged to the Uribe family.  Santiago, also known for his ties to drug cartels, took it upon himself to murder petty thieves, guerrilla sympathizers and suspected subversives.

But negotiating with Narcos is not limited to Colombia or Afghanistan.  The ‘glorious’ war on drugs reaches the highest heads of the current Obama administration.  Obama’s advisor George Soros is a known narco businessman too.  Soros is one of the most vocal people who want all illegal drugs to be legalized.  As part of the drug war, Colombia surrendered part of a mountainous territory to the FARC, a paramilitary group which was then allegedly dismantled as part of the negotiating process to end the war trade.

NYSE Richard Grasso embracing FARC leader Raul Reyes in 1999.

As the documentary American Drug War exposes, the U.S. has a long history of running drugs across the continents, especially from South America to the North, and more recently from Asia to America.  Since President Nixon legalized the trafficking of drugs by the U.S. government through the establishment of the war on drugs, the business of dealing and transporting drugs has grown exponentially and the result has been the laundering of billions of dollars by Wall Street banks which is then used to finance illegal intelligence secret operations around the globe.  Such operations are carried out to capture non collaborating countries, using guerrilla forces and special-ops military contractors.

Former Los Angeles Police Narcotics Detective Mike Ruppert sent shockwaves around the United States when he told CIA Director John Deutch and a room full of reporters that the organization he headed had been running drugs for a while.  Amadeus, Pegasus and Watch Tower are the names of three operations the CIA used to run drugs around the United States.  He himself had been recruited to help protect the agency’s dealing of drugs.  Ruppert challenged Deutch to investigate classified operations and to tell the truth to the public.

Catherine Austin-Fitts, a former Assistant Secretary of Housing-Federal Housing Commissioner in the first Bush Administration, says of Grasso’s visit to Colombia:

I presume Grasso’s trip was not successful in turning the cash flow tide. Hence, Plan Colombia is proceeding apace to try to move narco deposits out of FARC’s control and back to the control of our traditional allies and, even if that does not work, to move Citibank’s market share and that of the other large US banks and financial institutions steadily up in Latin America.

In her essay Narco Dollars for Dummies, Fitts exposes how the money works in the illicit drug trade.  According to Fitts, the power of Narco Dollars comes when you combine drug trafficking with the Stock Market.  She points out that drugs are not always a commodity, but sometimes it becomes a currency.  When the military industry sells weapons to a terrorist group, for example, they may or may not pay in dollars.  When the green back is scarce, there is the option of paying with drugs.  That is why the CIA brings drugs into the U.S. as payment for the secret sale of arms to Colombia and other puppet governments in Latin America.

We all remember the Iran-Contra scandal.  The heart of the scandal was the fact that Oliver North and the White House (National Security Council) dealt drugs through Mena, Arkansas to facilitate arms shipments. Mena was of course a large contributor to Bill and Hillary Clinton’s multiple campaigns at the local regional and national levels.  Other examples of the drugs for arms trade are the conflicts in Vietnam, Kosovo, Mexico, and so on.  In all these cases, drugs, oil, gas and arms are the currencies used to deal.  “Add gold, currency and bank market share and you have the top of my checklist for understanding how the money works on any war or “low intensity conflict” around the globe,” says Fitts.

Along with Bill Clinton, the Bushes are some of the most corrupt elements of the American elites.

On the other side of the coin we have the Bushes.  George H.W. Bush was CIA director and U.S. President.  His sons Jeb and George W. were the governors of two of the largest drug markets in the United States: Texas and Florida.  The other two states are New York and California.  Later, George W. Bush became president of Unites States.  Can it be a coincidence that the sons of a former CIA Mafia boss successfully held office during one of the most intense drug trafficking period in the history of the country?

Why are people who used drugs put in jail then?  Well, drug trafficking is a round business.  The same corporations who benefit of the drug trade also run the prison system.   Take for example the CCA, or Corrections Corporation of America.  On its website they label their work as a service to build and run prisons.  “Our approach to public-private partnership in corrections combines the cost savings and innovation of business with the strict guidelines and consistent oversight of government.”  From the more than 2 million people in prison in the United States, more than 80 percent are non-violent offenders, who are in jail for smoking, selling or buying marihuana, for example.  The drug trade business simply collects profits from every possible point.  It plants the drugs, harvests them, transports them, sells them and imprisons those who use them.  Of course it is not enough with sending people to prison.  While innocent or non-violent offenders are inside the gulags, they are also obligated to work in slavery camps in order to multiple the profits for the prison industrial complex.  Is that a monopoly or what?

Aquecimento Global Antropogênico: A Fraude, as Mentiras e o Crime

Como Os Cientistas, Os Globalistas E a Mídia Foram Pegos Mentindo

Por Luis R. Miranda
The Real Agenda
Maio 1, 2010

Se você ouviu falar sobre Climategate nas últimas duas ou três semanas, você está na sorte. Climategate, que é, em parte nomeada aquecimento globalapós Watergate, ou Bushgate devido ao nível de fraude e mentiras, é de acordo com muitos cientistas o maior escândalo que a comunidade científica já viu. Tudo começa com a fuga de e-mails e documentos com mais de 60 MB, da Unidade de Pesquisa Climática na Universidade de East Anglia. E porque todo o escândalo? Bem, os documentos revelam entre outras coisas que os programadores na Unidade fabricaram propositadamente os dados nos que basearam as suas interpretações ao respeito do aquecimento global. Além disso, -os e-mails revelam- houve uma política de tolerância zero em contra de aqueles que dissentiram, assim como uma manipulação intencional da opinião pública através da censura e o segredo.

O que está causando o engano entre tantos cientistas? A resposta para isso é: toda uma nova indústria. A comunidade científica depende de doações e fundos de pesquisa a fim de realizar suas atividades. Quanto mais alarme há sobre um tema como o aquecimento global antropogênico, mais financiamento fluirá para a comunidade científica. Phil Jones, chefe da Unidade de Pesquisa Climática recebeu 55 doações desde 1990, que ascendem a mais de US $ 22 milhões. Dezenove dos vinte e dois foram dados a ele e seus colegas de East Anglia entre 2000 e 2006. Em outras palavras, quanto mais popular o assunto do aquecimento global se tornou na arena pública, maior foi a quantidade de recursos destinada para o estudo do aquecimento global. Algumas das mais importantes agências que doaram para Jones e seus parceiros estão o Departamento de Energia dos E.U., NATO e a ONU. Outras fontes de financiamento potenciais para a pesquisa foram o Carbon Trust do Reino Unido, a Iniciativa de Energia do Norte, o Energy Saving Trust e North West Renováveis. O número total de dólares destinados a investigar o aquecimento global antropogênico alcança os trilhões de dólares por ano.

Em um recente artigo publicado no Wall Street Journal, Bret Stephens revela a influência dos tentáculos dessa nova indústria são.

“A apropriação mais recentes da Comissão Européia para a investigação do clima é de quase US $ 3 bilhões, sem contar os fundos dos governos membros da União Européia. Nos E.U., a Casa Branca pretende desembolsar US $ 1,3 bilhões para a NASA, $ 400 milhões para a NOAA e $ 300 milhões para a National Science Foundation. Os Estados da União Americana também têm uma parte da ação, com a Califórnia, aparentemente não sentindo suficientemente a falência financeira pos dedica-$ 600 milhões para sua iniciativa climática. Na Austrália, os alarmistas têm seu próprio Departamento de Mudanças Climáticas à sua disposição. “ escreve Stephens

Para as pessoas entenderem o quão grande o assunto do aquecimento global antropogênico tem sido para esta nova indústria, precisam reconhecer exemplos. O primeiro deles sendo o financiamento dos cientistas que cometeram a fraude. O segundo exemplo é quem mais, além dos cientistas está se beneficiando ao empurrar esta mentira no público. Al Gore, entre outros globalistas é um dos que tem enchido os bolsos, como conseqüência do que muitos chamam de “New Religion”. The New York Times revelou em um relatório por Jon Broder que as empresas de Gore, bem como aquelas que ele tem investido fortemente como Silver Spring Networks, receberam contratos que ultrapassam as centenas de milhões de dólares por parte do governo dos E.U.. No caso de Silver Spring, um dos contratos foi de US $ 560 milhões. Será que isto é simplesmente um bom negocio? Gore insiste em que isto não reflete a sua fome por dinheiro, mas seu interesse pelo ambiente.

A empresa Generation Investment Management, propriedade do Al Gore, que é conhecida por comercializar créditos de carbono na Chicago Climate Exchange é o maior acionista da mesma. Este, juntamente com outros investimentos Gore percebeu junto com pessoas como Maurice Strong, o pai do movimento ambientalista moderno, mostra com uma luz brilhante o porquê esta agenda está sendo conduzida de forma tão veemente. Gore e Strong são alunos do Clube de Roma, cujo relatório “The First Global Revolution”, admite como os globalistas planejam usar a teoria do aquecimento global antropogênico para promover sua agenda de consolidação do poder nas mãos de organizações não-eleitas como a ONU, a União Européia, a União Africana, a União da Ásia Pacifica, o Mercosul, o Parlacen e outros. O relatório diz, em parte:

“Em busca de um novo inimigo para nos unir, nós viemos com a idéia de que a poluição, a ameaça do aquecimento global, a escassez de água, a fome e outras assim seriam a solução perfeita. Todos estes perigos são provocados por intervenção humana, e é somente através de mudanças de atitudes e comportamentos que podem ser superadas. O verdadeiro inimigo, então, é a própria humanidade “

Idéias como a venda de Créditos de Carbono fazem parte de um esforço concertado para tomar o poder fora das mãos das pessoas e colocá-lo nas mãos de funcionários não eleitos que estão cada vez mais envolvidos com as corporações globais. A adoção de políticas para reduzir as emissões de carbono no mundo, que é o que os representantes das nações do planeta, planejam implantar em Copenhague, significaria um abrandamento significativo da indústria do mundo, tanto em países desenvolvidos e subdesenvolvidos. Esta iniciativa não parece sábia em um momento em que a economia global está se equilibrando na borda do precipício. David Davis, um membro do partido conservador na Inglaterra, diz que a adoção de políticas como a de Créditos de Carbono imporia uma limitação grave para a economia. Davies acrescentou mais tarde que não é surpresa para ele que mais de metade da população não acredita mais que o homem seja responsável pelo aquecimento global devido a que os dados de fato mostram que o planeta esfriou nos últimos 10 anos. Essa afirmação foi uma das muitas que os cientistas em East Anglia tentaram esconder da opinião pública, alterando os resultados dos modelos climáticos com o uso de “truques“, desenvolvidos por programadores de computador com quem eles trabalham.

Ressurreição dos caídos

O astrofísico Nir Shaviv, um dos cientistas que mostraram oposição à teoria do aquecimento antropogênico, e que foi censurado por seus colegas de East Anglia diz que as revelações constantes dos documentos e e-mails não vem como uma surpresa para ele. Se os e-mails revelam censura ou presença de dados falsos não é algo novo para Shaviv, que foi atacado quando ele mostrou os resultados de suas próprias pesquisas aos cientistas que estão a favor da idéia do aquecimento antropogênico, diz que um editor de uma publicação científica proeminente disse-lhe que os estudos que se opõem à teoria do aquecimento global antropogênico eram politicamente motivados, e, portanto, deviam ser rejeitados. “A histeria em torno do conceito de” aquecimento global “vai desaparecer ao longo dos anos … As pessoas vão ver que as previsões apocalípticas não estão se tornando realidade. Hoje não há nenhuma prova que ateste que as emissões de dióxido de carbono provocam um aumento da temperatura”, diz Shaviv . Ele, como centenas de outros climatologistas, meteorologistas, astrofísicos, paleontólogos e oceanógrafos quem estudaram a influência que o sol tem no clima do planeta concluíram que é realmente a gigantesca bola de fogo no espaço, que é responsável pelas mudanças climáticas, não as emissões de dióxido de carbono. Veja The Great Global Warming Swindle, em 16 minutos e 50 segundos. O climatologista Tim Ball explica que as informações obtidas após examinar amostras de núcleos de gelo, assim como dados históricos mostram que, embora a elevação das temperaturas está diretamente relacionada com as emissões de dióxido de carbono, a relação não é como foi apresentada por Al Gore e seus seguidores. Veja The Great Global Warming Swindle em 21 minutos.

O famoso e hoje infame gráfico hockey stick que supostamente mostrou o aumento da temperatura como resultado do aumento das emissões foi fraudulentamente utilizado no filme do Gore “Uma Verdade Inconveniente“. Gore abandonou o gráfico como a sua prova mais clara que o homem é responsável pelo aquecimento, depois que se descobriu que ele e seus asseclas simplesmente decidiram vira-lo para mostrar a falsa relação. Mas que verdade tão inconveniente! A verdadeira relação entre as emissões de CO2 e a temperatura é que, após o aumento de temperatura, a quantidade de dióxido de carbono aumenta com uma defasagem de até 800 anos. Veja The Great Global Warming Swindle, em 22 minutos e 35 segundos

O que, então, influencia o clima e o tempo?

Ambos cientistas Nir Shaviv e Tim Ball explicam como a atividade solar modifica o clima. Os registros históricos, não os modelos climáticos manipulados, mostram que o clima e as previsões meteorológicas são mais efetivamente previstas quando são baseadas na atividade solar. O número de manchas solares que se relacionam com o nível de atividade solar ajudam aos cientistas a determinar a quantidade de vento solar. O vento solar afeta diretamente a quantidade de raios cósmicos que atingem a Terra, o que junto com as gotículas de água formam nuvens no céu. Mais uma vez, os registros históricos mostram que essa teoria é muito sólida. Após a compilação de informações que remontam a 8.000 anos, os cientistas determinaram que a atividade do sol é o que afeta diretamente o clima. Tanto a Pequena Era do Gelo como o Holoceno Máximo, dois períodos de resfriamento e aquecimento, coincidiram com uma diminuição e um aumento de atividade solar. Quando mais vento solar atingiu a atmosfera da Terra, menos raios cósmicos atingiram o planeta e menos nuvens se formaram, portanto, mais aquecimento foi detectado. Entretanto, quando a atividade solar diminuiu e menos vento solar atingiu a atmosfera, mais raios cósmicos atingiram a Terra e mais nuvens se formaram. Um período de resfriamento ocorreu. Veja The Great Global Warming Swindle em 27 minutos e 50 segundos.

A Fraude se descobre

As conseqüências diretas da fraude descoberta na Unidade de Pesquisa Phil Jones levou pouco tempo para desvendar. O próprio Jones se afastou como o manipulador em chefe, enquanto uma investigação interna é conduzida. Nos Estados Unidos, o congressista James Inhofe pediu investigações sobre a fraude, bem como uma revisão detalhada da suposta ciência por trás da teoria do aquecimento global. O Congresso dos E.U. realizou audiências para determinar os passos a seguir depois de descobrir a manipulação e mentiras que, segundo Inhofe requer uma investigação mais profunda, inclusive o relatório do Painel Intergovernamental do Cambio Climático (IPCC). Este relatório é o mesmo a través do qual o consenso teria sido alcançado. A Unidade de Pesquisa Climática providenciou uma quantidade importante de informações para a ONU e seu escritório de pesquisa climática para escrever o relatório do IPCC.

Enquanto isso, na Austrália, o Senado rejeitou o esquema de comércio de emissões pela segunda vez, depois que alguns políticos crescem conscientes sobre a manipulação de dados, opiniões e da ciência. O esquema significaria um imposto de 114 milhões dólares em total. Tal medida seria acompanhada pela instalação obrigatória de medidores digitais nas casas das pessoas que os críticos dizem, eventualmente regularia também o consumo de energia. Os proponentes do aquecimento antropogênico estão também a favor de uma polícia ambiental, que iria espiaria os hábitos das pessoas dentro e fora de suas casas. Países como o Brasil, que rapidamente adotou políticas globalistas doou milhões de hectares da Amazônia para a ONU em um esforço para mostrar preocupação com o aquecimento global. Em troca, o país poderia receber o dinheiro das nações desenvolvidas, a fim de manter um olho sobre a propriedade agora em mãos das Nações Unidas. A terra da Amazônia e demais propriedades próximas são patrulhadas pela polícia verde, treinados de acordo com as orientações expressas na Avaliação da Biodiversidade das Nações Unidas.

Se o Clube de Roma e sua “First Global Revolution” é responsável pela origem da fraude do aquecimento climático, a Enron foi a organização responsável por perpetuar, planejar e projetar uma lista de medidas que devem ser adotadas a fim de implementá-lo. O mesmo Al Gore, que agora assegura às pessoas que o homem é responsável pelo aquecimento global, foi quem se encontrou com Ken Lay na Casa Branca para desenhar as políticas que ele atualmente empurra a fim de salvar o planeta. Quando perguntado sobre essas reuniões em audiências no Congresso, Gore esquivou as perguntas implicando que ele nunca iria usar a ciência para benefício pessoal, mas não respondeu a pergunta diretamente.

O Lord Mockton, provavelmente a pessoa mais franca no Parlamento britânico, escreveu um relatório sobre as descobertas feitas a partir de documentos de East Anglia:

• Eles tinham violado os seus próprios dados, de modo a ocultar as inconsistências e erros.

• Eles tinham usado um “truque” para esconder o “declínio” das temperaturas no paleoclima.

• Eles expressaram consternação pelo fato de, contrariamente a todas suas previsões, as temperaturas globais não subiram significativamente em 15 anos, e vinham caindo há nove anos. Eles admitiram que a sua incapacidade de explicar o que foi descoberto como “uma farsa”. Esta dúvida foi interna em contraste com suas declarações públicas de que a década atual era a mais quente, e que a ciência do “aquecimento global” estava resolvida.

• Tinham interferido com o processo de peer-review, publicando as suas pesquisas em publicações amigáveis para estas serem analizadas por seus amigos ao invés de cientistas independentes.

• Eles tiveram sucesso ao contar com editores de revistas amigáveis para rejeitar trabalhos relatando resultados inconsistentes com seu ponto de vista político.

• Eles tinham feito uma campanha para a remoção do editor de um jornal, pelo simples fato de ele não compartilhar sua intenção de alterar a ciência para fins políticos corruptos.

• Eles tinham montado uma virulenta campanha pública de desinformação e difamação de seus adversários através de um portal científico que tinham criado.

• Ao contrário de todas as regras da ciência, a equipe tinha cometido o delito de conspiração para esconder e destruir códigos de computador e os dados que haviam sido legitimamente solicitados por um pesquisador externo, que tinha boa razão para duvidar que as suas investigações eram honestas ou competentes.

Na mídia, notícias sobre a manipulação dos dados do clima é quase nula. Nos E.U. FOX News dedica apenas uma pequena parte de seus programas para falar sobre os e-mails e documentos. Outros meios de comunicação como a CNN ainda continua chamando aqueles que são céticos do aquecimento global antropogênico de negacionistas do Holocausto. A cobertura das notícias sobre o que é agora chamado Climategate vem principalmente da mídia alternativa e mídia européia, mais especificamente de jornais como o Telegraph, o Daily Express e o Daily Mail do Reino Unido. Em E.U. o New York Times tem sido a voz principal, no entanto, o jornal encobre o escândalo enchendo seus artigos com declarações que sugerem os documentos encontrados não mudam nada e que o programa de Créditos de Carbono deve ser adotado sem demora.. Um relatório da CBS admite que, “Os arquivos mostram que cientistas proeminentes eram tão apegados às teorias do aquecimento global antropogênico que ridicularizaram os dissidentes que pediram cópias de seus dados, e mantiveram eles longe do processo de peer review, assim como também do código dos computadores que tinham sido pedidos a través sob a lei da liberdade de informação “.

Por que eles querem aplicar as leis com base na manipulação da ciência?

Documentos de organizações como a Royal Society, a União Européia, o Clube de Roma, a Comissão Trilateral, o Grupo Bilderberg, o Council on Foreign Relations, e a Casa Branca, todos eles abertos ao escrutínio público- revelam um esforço concertado por essas organizações e as Nações Unidas para estabelecer uma Entidade Global que irá reger acima e além da competência dos Estados membros. Esta entidade será totalmente financiada pelos trilhões de dólares em impostos que os governos serão obrigados a cobrar os seus cidadãos através da adoção do Tratado de Copenhague. Este tratado oficialmente legalizará a criação de uma Autoridade Global que não só vai “salvar o planeta“, mas também controlará a situação financeira e política do mundo.

Um dos objetivos mais importantes do Tratado de Copenhague é evitar que as nações do terceiro mundo se industrializem, e isto será conseguido a través do suborno dos seus políticos e populações com bilhões de dólares que seriam enviados pelas nações industrializadas como pagamento pelas suas emissões passadas. Ao mesmo tempo, os países desenvolvidos terão de reduzir a produção industrial, a fim de reduzir as emissões de CO2. Estes dois fatos desaceleraram o desenvolvimento a nível planetário, e o resultado será um mundo que lenta e dolorosamente voltará a um estado e estilo de vida do tipo medieval, com recursos limitados como comida, água e terra disponível para o cultivo de alimentos para a população, redução do cuidado médico, e completa dependência de um governo global centralizado. Todos estes objetivos serão potencialmente atingidos sob a desculpa de conservação e ambientalismo. O que a maioria das pessoas não sabem, é que por trás do ambientalismo de hoje se escondem uma série de iniciativas para a redução da população,-até 80%-e a habilitação de um governo central global sem limites. Os limites ao acesso de água e alimentos, como é explicado no Memorando número 200 da Casa Branca, e uma tirania nutricional que visa a proibição de alimentos naturais e/ou medicinas alternativas para escravizar o mundo ainda mais ao corporativismo médico que experimentamos hoje. Veja Codex Alimentarius.

Assim como aconteceu nas últimas três décadas no que respeita ao aquecimento global, os cientistas subornados, bem como os globalistas que financiaram eles com dinheiro dos contribuintes e os recursos que eles mesmos possuem, estão contando com que o público continue não se importando ou simplesmente acreditando cegamente neles. É somente através de informações como o as contidas nos e-mails e documentos, como a maioria das pessoas vão ser capazes de despertar e exigir investigações profundas do aquecimento global antropogênico -injustamente rotulado mudanças climáticas, bem como outros de semelhante importância. Apenas porque os documentos provam que a ciência por trás do aquecimento global não é assente na verdade -está longe disso- e que é muito cedo para dizer que há consenso. Parece que tem de haver uma análise mais rigorosa do que é definido como verdade e o que não é. A palavra-chave parece ser Responsabilidade.

Fontes de Informação:

The Great Global Warming Swindle
http://video.google.com/videoplay?docid=-5576670191369613647&ei=o-IXS_ybHaL6rALuzPmuBA&q=The+Great+Global+Warming+Swindle&hl=en#

National Security Study Memorandum 200
http://www.scribd.com/doc/4012734/National-Security-Study-Memorandum-200-NSSM-200

The Treaty of Copenhaguen
http://www.scribd.com/doc/21944058/Copenhagen-Treaty

Club of Rome. The First Global Revolution
http://www.scribd.com/doc/13088153/Club-of-Rome-The-First-Global-Revolution

Codex Alimentarius
http://www.healthfreedomusa.org/?page_id=163

EndGame: Blueprint for Global Enslavement
http://video.google.com/videoplay?docid=1070329053600562261&ei=HSkYS4etCpjqqwKz2c3ADA&q=endgame+blueprint+for+global+enslavement&hl=en#

Gordon Brown calls for a New World Order
http://www.telegraph.co.uk/finance/financetopics/recession/3414946/Gordon-Brown-calls-for-new-world-order-to-beat-recession.html

New World Order
http://www.time.com/time/magazine/article/0,9171,1877388,00.html

And Now for a New World Order
http://www.ft.com/cms/s/7a03e5b6-c541-11dd-b516-000077b07658,dwp_uuid=70662e7c-3027-11da-ba9f-00000e2511c8,Authorised=false.html?_i_location=http%3A%2F%2Fwww.ft.com%2Fcms%2Fs%2F0%2F7a03e5b6-c541-11dd-b516-000077b07658%2Cdwp_uuid%3D70662e7c-3027-11da-ba9f-00000e2511c8.html&_i_referer=http%3A%2F%2Fforums.gazettelive.co.uk%2Fviewtopic.php%3Ft%3D4991%26view%3Dnext

Climategate: it’s all unravelling now
http://blogs.telegraph.co.uk/news/jamesdelingpole/100018556/climategate-its-all-unravelling-now/

Senate kills off emissions trade laws
http://www.abc.net.au/news/stories/2009/12/02/2759595.htm?section=business

Denmark rife with CO2 fraud
http://www.cphpost.dk/news/national/88-national/47643-denmark-rife-with-co2-fraud.html

Lord Monckton’s summary of Climategate and its issues
http://wattsupwiththat.com/2009/12/01/lord-moncktons-summary-of-climategate-and-its-issues/

List of Potential Sources of Funding
http://ukginger.net/FOI2009/FOIA/documents/potential-funding.doc

Climategate: Follow the Money
http://online.wsj.com/article/SB40001424052748703939404574566124250205490.html

Al Gore set to become the first Carbon Billionaire
http://www.prisonplanet.com/al-gore-set-to-become-first-carbon-billionaire.html

East Anglia CRU: welcome to the Piltdown Institute of Mann-made Global Warming
http://blogs.telegraph.co.uk/news/geraldwarner/100018534/east-anglia-cru-welcome-to-the-piltdown-institute-of-mann-made-global-warming/

Climategate: not news to me, says Shaviv
http://blogs.news.com.au/heraldsun/andrewbolt/index.php/heraldsun/comments/climategate_not_news_to_me_says_shaviv#64286

Probability of the Cosmic Ray Flux Theory of Climate Change
http://landshape.org/enm/probability-of-the-cosmic-ray-flux-theory-of-climate-change/

Top Tory David Davis goes to war on Cameron’s green crusade
http://www.dailymail.co.uk/news/article-1232507/Top-Tory-David-Davis-goes-war-Camerons-green-crusade.html

Inhofe Asks Boxer to Investigate Possible Scientific ‘Conspiracy’ in ‘Climategate’
http://www.cnsnews.com/news/article/57879

Climate Change Ringleader Phil Jones to Step Down
http://www.infowars.com/climate-change-ringleader-phil-jones-to-step-down/

University Reviewing Recent Reports on Climate Information
http://www.ems.psu.edu/sites/default/files/u5/Mann_Public_Statement.pdf

Fallout Over “ClimateGate” Data Leak Grows
http://www.cbsnews.com/blogs/2009/12/02/taking_liberties/entry5860171.shtml

Climategate: the whitewash begins
http://blogs.telegraph.co.uk/news/jamesdelingpole/100018144/climategate-the-whitewash-begins/

ClimateGate: Caught Green-Handed
http://scienceandpublicpolicy.org/images/stories/papers/originals/Monckton-Caught%20Green-Handed%20Climategate%20Scandal.pdf

Fall of The Republic. Clip # 1
http://www.youtube.com/watch?v=97n-a9EYUIQ&feature=player_embedded

Fall of the Republic. Clip # 2
http://www.youtube.com/watch?v=N7ZadD7S3zA&feature=player_embedded

Larry Silvertein begged his insurance to let him implode WTC 7

Fox News hit-piece revealed that Silverstein was on the phone with his insurance company asking whether he could demolish the WTC 747 story building before it came down.

Fox News.com

Jesse Ventura should be ashamed of himself and embarrassed.

The former Minnesota governor recently lent his political credentials to the discredited 9/11 “Truther” movement by alleging that the Sept. 11 attacks were either planned or permitted by the United States government.

This recent admission was only a small part of Ventura’s new book, “American Conspiracies: Lies, Lies and More Lies the Government Tells Us,” which echoes a revisionist account of American history that holds the Bush administration responsible for the Sept. 11 attacks by implying that the Bush administration either knew about the attacks, did nothing to stop them or actually participated in them.

During a March 10 interview with Barbara Walters on “The View,” Ventura implied the Bush/Cheney administration used 9/11 as a pretense to start the Iraq War under false pretenses. Ventura apparently developed this theory after former Kennedy/Johnson adviser Robert McNamara visited him at Harvard and allegedly admitted to him that the Gulf of Tonkin incident, which escalated the Vietnam War, never actually happened.

Perhaps what Ventura is missing is that there is probably more incontrovertible evidence and more witnesses who have already established what happened on Sept. 11, 2001 than most major historical events. To dispute the conventional historical account is intellectually dishonest and nonsensical.

I know this because I was working as a journalist for Gannett News at Ground Zero that day, and I remember very clearly what I saw and heard.

Although I arrived at Ground Zero shortly after the Twin Towers fell, I was in the danger zone created by Building 7 from the moment it collapsed in the afternoon, an event that is one of the key cornerstones of the 9/11 conspiracy theory.

Governor Ventura and many 9/11 “Truthers” allege that government explosives caused the afternoon collapse of Building 7. This is false. I know this because I remember watching all 47 stories of Building 7 suddenly and silently crumble before my eyes.

Shortly before the building collapsed, several NYPD officers and Con-Edison workers told me that Larry Silverstein, the property developer of One World Financial Center was on the phone with his insurance carrier to see if they would authorize the controlled demolition of the building – since its foundation was already unstable and expected to fall.

A controlled demolition would have minimized the damage caused by the building’s imminent collapse and potentially save lives. Many law enforcement personnel, firefighters and other journalists were aware of this possible option. There was no secret. There was no conspiracy.
While I was talking with a fellow reporter and several NYPD officers, Building 7 suddenly collapsed, and before it hit the ground, not a single sound emanated from the tower area. There were no explosives; I would have heard them. In fact, I remember that in those few seconds, as the building sank to the ground that I was stunned by how quiet it was.

The myth that Building 7 was blown up by the U.S. government is false – and so is the broader theory that our government was somehow involved in the 9/11 attacks. I know this because I was one of the few reporters who investigated 9/11 conspiracy theories and urban legends on location in the immediate aftermath of the tragedy.

In October 2001, I reported on a story for Gannett newspaper, The Journal News, that the FBI Joint Terrorist Task Force was investigating a Brooklyn high school student for predicting the collapse of the World Trade Center five days before it happened.

To my surprise, the NYC Board of Education confirmed the story on the record and the FBI confirmed there had been rumors circulating in the New York City Arab-American community about a possible attack on Manhattan. My story was immediately confirmed by Newsweek Senior Editor Jonathan Alter, and after I penned a follow up in The Washington Times magazine, “Insight,” I was interviewed by Fox News’ Bill O’Reilly on “The O’Reilly Factor.”

My investigation into 9/11 conspiracy theories and urban legends led me to interview both American and Israeli intelligence officials as well as representatives of the Afghan Northern Alliance, FBI, NYPD and sources within the Muslim community of New York City.

Although I found trace evidence that vague rumors circulated within the Arab-American community that “something was going to happen” in “lower downtown Manhattan” on Sept. 11, I found no evidence of any conspiracy other than the one hatched by Al Qaeda that was later confirmed by the 9/11 Commission.

Since Al Qaeda once operated out of the Alkifah Refugee Center on Atlantic Avenue in Brooklyn and had many low level operatives working in the NYC area, it did not surprise me that rumors of their plan had leaked within the Arab-American community of New York. Many similar rumors and reports occur frequently, however, and so I have never faulted the Arab-American community or our government for not acting upon them.

In no instance did I ever once talk to one source who even hinted the American government had any foreknowledge or involvement in the Sept. 11 attacks. As an investigative reporter who survived the collapse of Building 7 and doggedly investigated 9/11 conspiracy theories in the wake of the attack, I am convinced the 9/11 “Truther” movement is nothing more than a paranoid, delusional pack of lies.

I was there.

I know what happened, and there is no single credible piece of evidence that implicates the United States of America in the Sept. 11 attacks. Governor Ventura has discredited himself, and dishonored and defamed his country by promoting these intellectually dishonest views. He should be ashamed of himself. Read FOX News’ article here.