IDflu: O Coquetel de vacinas de Sanofi-Pasteur

Por Luis R. Miranda
The Real Agenda
Setembro 9, 2010

Como The Real Agenda relatou algumas semanas atrás, os globalistas que criaram a fraudulenta, amplamente reportado como tal, pandemia da gripe H1N1 estão de volta com mais fome do que nunca para mais fraudes e mais dólares. Recentemente, o jornal La Nación de Costa Rica publicou um artigo sobre a disponibilidade da nova vacina da empresa farmacêutica Sanofi-Pasteur chamada IDflu. O artigo, como quase tudo que este jornal publica, está cheio de mentiras e meias verdades; então, eu fui obrigado a escrever um artigo que mostra os detalhes que Irene Rodriguez, autora do artigo original, omitiu.

Esta é a fina agulha usada para injetar IDflu que é vendido como uma das novos "conveniências", porque as pessoas sentem picada não é tão dolorosa.

Eu mandei um e-mail a ela descrevendo estes detalhes, embora eu não esperasse que ela reescrevesse o artigo com as informações documentadas no e-mail. “Eu li seu artigo sobre a nova vacina da Sanofi-Pasteur chamada IDFlu. Estou preocupado com a omissão de detalhes importantes sobre a vacina. Esses detalhes são, precisamente, aqueles que nunca são descritos para o público e a razão pela qual muitas pessoas ainda acreditam que é uma ótima idéia se vacinarem de forma contínua.”

Em primeiro lugar, a vacina é a primeira de vários tipos que serão oferecidas ao público como um “cocktail” com vários vírus, incluindo o H1N1. Com isso, o consumidor já não tem mais a opção de escolher qual a vacina que ele quer tomar, pois terá de tomar uma única vacina contendo todos os vírus em um. Isso elimina o direito de escolher. Na verdade, a vacina contém três vírus: A / New Caledonia/20/99 (H1N1) como a tensão (A / New Caledonia/20/99 (IVR-116)) 9 microgramas HA, A/Wisconsin/67/2005 (H3N2 ) como a tensão (A/Wisconsin/67/2005 (NYMC X-161), 9 microgramas HA, B / Malaysia/2506/2004 como a tensão (B/Malaysia/2506/2004) 9 microgramas HA. Ver o documento original contendo a descrição da vacina. Página 32

Em segundo lugar, o artigo não lista os efeitos colaterais, que são tão graves quanto outros tipos de vacinas: problemas no sistema vascular e linfático, encefalomielite (inflamação do cérebro e medula espinhal), neurite, síndrome de Guillain-Barré, inflamação dos vasos sanguíneos, convulsões, doenças neurológicas e imunogenicidade ou o aparecimento de reações imunológicas que geralmente culminam em paralisia parcial ou completa. Página 39

Além disso, o artigo não menciona que os estudos clínicos foram realizados a partir do momento em que a vacina é injetada até três semanas depois, um período durante o qual é difícil detectar os efeitos colaterais sérios, especialmente os citados acima (principalmente a imunogenicidade ), porque os sintomas ocorrem após esse período. O acompanhamento da empresa farmacêutica convenientemente termina em seis meses, o que significa que não se observa se algum efeito colateral apareceu depois deste período. Portanto, a Sanofi-Pasteur não poderia descartar o aparecimento de efeitos colaterais graves causados pelo uso da vacina, porque o monitoramento não é feito. No entanto, a Sanofi-Pasteur afirma que tais efeitos são raros ou inexistentes (parte inferior da página 4). Em que se baseia para fazer tal observação? Não em estudos científicos.

Em terceiro lugar, de acordo com o documento que descreve a origem, produção e composição da vacina, estudos clínicos foram conduzidos em populações europeias. Em outras palavras, o resultado destes estudos não pode ser usado para provar a eficácia ou a segurança da vacina em outras populações. Como a venda de um produto que não foi estudado em populações específicas é permitida no mercado? Esta pergunta deveria ser feita ao seu Departamento de Saúde.

Em quarto lugar, os resultados obtidos em relação à segurança da vacina para uso humano são baseados em estudos com animais (ponto 5.3 na página 6) e estes estudos, de acordo com a empresa farmacêutica, apresentaram imunogenicidade.

Em quinto lugar, estudos de segurança não foram realizados após a vacina foi introduzida no mercado. Estudos sobre incompatibilidade ou estudos clínicos sobre os efeitos que a vacina pode ter sobre as habilidades motoras, tais como operar veículos ou máquinas nao foram realizados.

Além disso, a vacina contém formaldeído, ou formol em sua forma líquida, que é um ingrediente tóxico usado em vacinas e cujo efeito cumulativo enfraquece o sistema imunológico, causa alterações genéticas, acidose metabólica, choque circulatório, insuficiência respiratória e insuficiência renal aguda. O formol também é um sensibilizador, uma característica que torna as pessoas alérgicas a muitas outras coisas. Se ingerido, é corrosivo e é cancerígeno. Além dos ingredientes já citados, as vacinas também contêm:timerosal, esqualeno, adjuvantes, cloreto de sódio, cloreto de potássio, fosfato dissódico dihidratado e dihidrogenofosfato de potássio.

No entanto, a novidade sobre esta vacina não esta nos seus ingredientes, mas no seu comportamento no organismo. De acordo com informações contidas no documento oficial, a vacina não é injetada no músculo como tradicionalmente é feito. Sanofi utiliza um novo método, o intradérmico. A dose exata de 0,1 ml é injetada sob a pele para uma mais ação imediata. É possível que a mesma velocidade com que a vacina age para “imunizar” possa ser vista no aparecimento de efeitos colaterais? A empresa farmacêutica Sanofi-Pasteur não tem dados a respeito.

Talvez o único lado positivo, especialmente para os costarriquenhos, é que as autoridades de saúde não vão adquirir a vacina da empresa farmacêutica pelo menos por agora. Para aqueles que querem injetar o coquetel de vírus, deverão pagar 24 dólares de seus próprios bolsos para comprar em farmácias locais. Deste modo, não há dinheiro do contribuinte enriquecendo as contas bancárias da empresa Sanofi-Pasteur.