Brasil viola Libertades Civiles

Por Luis R. Miranda
The Real Agenda
Mayo 11, 2010

Brasil es conocido por la samba, hermosas playas y gente amable. El país es a menudo comparado con los países más desarrollados debido a su tamaño, población y recursos. Pero hay una cosa más en la que Brasil es similar a los llamados países desarrollados: Brasil también viola las libertades civiles de sus ciudadanos. A diferencia de, por ejemplo, los Estados Unidos o Inglaterra, la policía aquí no molesta a los ciudadanos. Sin embargo, la violación de sus libertades y derechos se hace en silencio. Brasil es un país con un acceso muy limitado a la información y la gente aquí sabe muy poco acerca de sus derechos y deberes. Este paisaje es un terreno fértil para el abuso y la corrupción gubernamental.

El gigante de América del Sur es conocido por su impunidad. La corrupción es rampante, de norte a sur y de este a oeste. En una encuesta reciente, se determinó que Brasil está entre los primeros países donde la corrupción y la impunidad reinan en todos los niveles. Aunque gran parte de esta corrupción acontece cuando los funcionarios dan y reciben grandes sumas de dinero en efectivo a cambio de favores políticos, hay mucho más que la corrupción de la burocracia. La antigua colonia portuguesa adopta rápidamente medidas de control de población globalistas como lo hacen los Estados Unidos, Gran Bretaña, Australia y Nueva Zelanda.

En los últimos 12 meses, algunos diarios revelaron entre las líneas de sus páginas el casi obligatorio carácter de la campaña de vacunación contra la gripe H1N1, aunque se ha demostrado que la pandémia es una farsa, la vacuna se sigue aplicando en todo el país. Afortunadamente, algunas personas se informaron acerca de los peligros de la vacuna y la campaña no ha tenido los resultados esperados por las autoridades sanitarias del gobierno. Según el periódico Zero Hora, sólo 670 000 personas de edad avanzada fueron vacunados en lugar de 1,4 millones en el estado de Rio Grande do Sul y menos del 50 por ciento se vacunó contra la gripe regular. Sin embargo, esto no significa que Brasil puede escapar del control de las campañas de la Organización Mundial de la Salud pues las vacunaciones se siguen haciendo en todo el país.

Brasil también utiliza una forma sintética de floruro de sódio en el agua potable, una práctica habitual adoptada por las supuestas ventajas en el cuidado de los dientes, aunque se haya determinado que esta creencia no es más que pseudociencia. Recientemente, esta publicación entrevistó a una funcionaria del SEMAE, una organización gubernamental que se ocupa de la calidad del agua en la ciudad de Sao Leopoldo, Brasil. Con una maestría en química, Juliana da Silva Chaves no sólo admitió que nunca vio un estudio que confirme las ventajas de utilizar el ingrediente que ella identificó como flúor, pero también confesó que el floruro se coloca en el agua basándose en la creencia que este ayuda a promover la salud oral. La química confirmó que esta creencia proviene de las altas autoridades de salud, pero ningún estudio que ella vió ha demostrado la veracidad de la misma. Cuando se le preguntó acerca de los peligros que el floruro de sodio y otras sustancias en el agua potable presentan a la salud humana, Chaves dijo que nunca aprendieron nada sobre la toxicidad en las clases universitárias o en las sesiones de capacitación. De hecho, el fluoruro causa caries, cáncer oral, diversos trastornos neurológicos y disminución de la inteligencia.

El país está en la etapa final en la adopción de tarjetas de identificación que tienen un chip de radiofrecuencia, así como los escáneres de cuerpo entero en los aeropuertos. Estas dos últimas tecnologías ya están siendo utilizados o entrarán en funcionamiento en los próximos 10 años. En el caso de los escáneres que emiten radiación, varios de ellos ya se usan en aeropuertos nacionales e internacionales. Según el periódico Zero Hora de Rio Grande do Sul, los pasajeros de vuelos en las ciudades de Guarulhos, Río de Janeiro, Recife y Manaus pueden ser seleccionados como candidatos para pasar por uno de estos escáneres. Esta medida es rechazada por los grupos que defienden la privacidad de los ciudadanos en la mayoría de los países desarrollados, debido no sólo a que emiten radiación, sino también por el hecho de que los cuerpos de las personas se ven completamente desnudos en las fotos que la máquina genera.

De acuerdo a muchos grupos de derechos civiles, el uso de los escáneres es una grave violación de las leyes de privacidad. Las imágenes generadas por los escáneres se guardan en un disco duro y se usan para monitorear a los ciudadanos. Aunque los funcionarios de Brasil niegan la capacidad de los escáneres para ofrecer estas imágenes, Angelo Gioia, de la Policía Federal en Río de Janeiro, admitió que se trata de un método de vigilancia más invasivo. En la actualidad, la legislación brasileña permite que las personas sean revisadas cuando hay sospecha de actividad ilícita, pero no regula el uso de este tipo de escáner. Goia cree que no deben haber límites cuando se trata de seguridad. El costo de cada escáner corporal es de $ 170.000. La tecnología de escaneo funciona basándose en el uso de ondas y radiación en un cuerpo para medir la energía reflejada, y así hacer una imagen 3D de ondas milimétricas. Los usuarios de los escáneres están expuestos a ondas electromagnéticas entre 3 y 30 GHz, similar a la expedición de un teléfono celular. Los promotores de los escáneres en los aeropuertos siempre citan los enormes beneficios que proporcionan en la prevención de los riesgos de seguridad tales como armas, explosivos, etc. Pero la verdad es que una revisión normal o perros detectores de bombas son tan útiles o más exactos. Como se ha hecho en otros países, en Brasil, el uso de estas tecnologías se presenta como una ventaja, para que más personas la reciban y aprueben. Poco se dice acerca de la violación de los derechos de intimidad de las personas y sus propiedades. Más allá de la conveniencia, hay otro factor inyectado en la aprobación de escáneres: el miedo. La amenaza del terrorismo es la carta bajo la manga lista para ser mostrada en caso que las personas se quejen de los escáneres o piensen que son inconvenientes.

¿Cómo es la situación del terrorismo aquí en Brasil? Comparado con otros países como Irlanda, Israel, Palestina, Pakistán y Gran Bretaña, la existencia del terrorismo es nulo. El país nunca ha sufrido un gran ataque terrorista en la historia moderna. Lo más cercano al terrorismo son los enfrentamientos ocasionales entre los traficantes y agentes de policía en pequeños barrios de Río o Sao Paulo. ¿Por qué Brasil necesita entonces de escáneres? La respuesta es no se necesitan. Como en muchos otros países, la adopción de esta tecnología es sinónimo de la pérdida de las libertades civiles, donde los ciudadanos son culpables antes de ser probada su inocencia. De hecho, la historia muestra que los ataques terroristas más sorprendentes fueron aquellos del tipo “bandera falsa”, o false-flag, usualmente patrocinados o llevados a cabo por gobiernos corruptos. Para Gerald Celente, conocido estudioso de las tendencias mundiales y fundador del Instituto para la Investigación de las Tendencias, 2010 es el año de los ataques patrocinados por los gobiernos. “Es el desastre del 2010, tal como habíamos anticipado”, dice Celente. “El colapso de la economía mundial empezó en marzo de 2009, cuando los mercados estaban inflados con dinero falso.” Celente predijo la crisis actual, la caída de las bolsas, el conflicto en Grecia y el colapso de Islandia, Argentina, Portugal, España, y la crisis en EE.UU. y el Reino Unido. “Aquellos que creen que tales cosas como los escáneres y el chip en los documentos de identificación son beneficiosos, merecen lo que reciben.” Gerald Celente alerta a las personas sobre lo que sucederá una vez que este tipo de políticas sean aplicadas en su totalidad. Vea este clip en 5 minutos y 30 segundos.

Cuando se trata de la Tarjeta Nacional de Identidad en  Brasil, la información sobre el tema es muy escasa. La mayoría de las personas que acuden a las oficinas de la policía federal en todo el país para renovar sus licencias de conducir o de identificación no saben o quieren saber acerca de las nuevas tecnologías utilizadas en los documentos. En otros países donde se aplicó, el Documento Nacional de Identidad es rechazado por grupos de ciudadanos informados  ya que contiene toda la información relacionada con el titular de la tarjeta, el número de identidad, dirección física y número de identificación único que incluye una amplia variedad de información privada como cuentas bancarias, de ahorro, el lugar de trabajo, la record votación y otros.

En Brasil, la nueva Tarjeta de Identificación Nacional proporciona un número único de identificación de acuerdo al estado donde vive la persona. En el sur, la gente se identificará con un único número de 10 dígitos, en Brasilia, 7 dígitos, São Paulo, 9 dígitos. La emisión de la nueva tarjeta se iniciará en octubre de 2010 y se estima que todos los ciudadanos y los inmigrantes naturalizados formaran parte de la base de datos en 2020. Según el experto en tecnología RFID, Chris Paget, el RFID se ha utilizado durante años en las tarjetas de crédito y de débito. “Han habido cientos de millones de tarjetas emitidas con RFID. El problema es que la gente no conoce la tecnología contenida en las tarjetas, por lo que no hacen nada para protegerla.” Parece extraño que la tecnología diseñada para mantenernos seguros, debe ser protegida al mismo tiempo. Ahora cualquier persona con un lector RFID puede encontrar tarjetas de crédito y de identificación y obtener información suficiente como para clonarla y utilizarla en una transacción. ¿Por qué los países, literalmente, quieren tener un control preciso de sus ciudadanos? La Dra. Katherine Albrecht, fundadora y directora de la organización CASPIAN de privacidad del consumidor, dice que hay una tremenda presión para que los gobiernos numeren e identifiquen a todos sus ciudadanos y en el proceso, usen tecnología creada por mega corporaciones que, entonces, quedan en control de la información personal, como el número de identificación, cuentas bancarias, cuentas de seguridad social, fondos de pensiones, números de tarjetas de crédito, etc. “Esto lo vemos en China, donde millones de personas se identificaron con documentos de identidad nacional con dispositivos de radio frecuencia. Ellos están haciendo lo mismo en México y la India, donde 1,2 millones de personas fueron también sometidas a este proceso “.

Según el historiador Daniel Estulin, el uso de tarjetas de identidad nacional, junto con otras tecnologías, es un impulso para crear una sociedad sin dinero. “No se necesita dinero porque usted tiene el crédito asignado a su número de identificación. El problema es que usted no es quien determinará si tendrá o no créditos y cuantos serán colocados en la tarjeta. El gobierno tendrá ese poder, y estas empresas que poseen la tecnología también tendrán ese poder, no los ciudadanos “. Estulin, y Albrecht reconocen la existencia de bases de datos de los gobiernos para los que buscan empleo, crédito, y para aquellos en el sistema de justicia penal, y advierten que el uso de tarjetas de identidad nacionales permitirán la creación de una base de datos mundial, donde todos seremos incluidos.

En Brasil, la emisión de la tarjeta de identificación se iniciará como un proyecto piloto en cada región. El documento será como una tarjeta de crédito con un chip que contiene información como CPF o Cadastro de Pessoa Física, registro de votación, huellas dactilares, imagén de iris escaneada que será aceptada por el sistema conocido como AFIS, o Identificación Automática de Las Huellas Dactilares. Este sistema es reconocido en todo el mundo y es utilizado por los gobiernos de los cinco continentes. El número resultante será estándar RG o Registro Geral. Con esta base de datos local, regional y nacional, Brasil será uno de los últimos gigantes del mundo a sucumbir a la intención de someterse a un programa de las corporaciones que sabrán todo sobre todos los seres humanos sin importar donde viven.

Brasil Viola Liberdades Civis

Por Luis R. Miranda
The Real Agenda
Maio 11, 2010

O Brasil é conhecido pelo samba, praias maravilhosas e pessoas amigas. O país é muitas vezes comparado com nações mais desenvolvidas por causa de seu tamanho, população e recursos. Mas há mais uma coisa pela qual o Brasil é similar ao mundo dos chamados desenvolvidos: O Brasil também viola as liberdades civis dos seus cidadãos. Diferente, por exemplo, dos Estados Unidos ou Inglaterra, a polícia aqui não importuna muito os cidadãos. No entanto, a violação das suas liberdades e direitos ainda é feito em silêncio. O Brasil é um país com um acesso muito limitado à informação e as pessoas aqui sabem muito pouco sobre seus direitos e deveres. Este panorama é um terreno fértil para o abuso do governo e a corrupção.

O gigante da América do Sul é conhecido pela sua impunidade ao longo dos anos. A corrupção corre solta de norte a sul e de leste a oeste. Em uma pesquisa recente, foi determinado que o Brasil está entre os primeiros países em corrupção e impunidade. Embora muita desta corrupção eleva-se a funcionários públicos que prestam e recebem grandes somas de dinheiro por favores políticos, há muito mais do que a corrupção da burocracia. A ex-colônia Portuguesa rapidamente adopta medidas globalistas de controle populacional, bem como os Estados Unidos, Inglaterra, Austrália e Nova Zelândia.

Ao longo dos últimos 12 meses, alguns jornais revelaram nas entrelinhas de suas páginas o caráter quase obrigatório da campanha de vacinação contra a gripe H1N1, que embora tenha sido provada uma farsa, continua a ser implementada em todo o país. Felizmente, algumas pessoas foram informadas sobre os perigos da vacina e a campanha não tem tido os resultados esperados pelas autoridades de saúde do governo. De acordo com o jornal Zero Hora, apenas 670.000 idosos foram vacinados ao invés de 1,4 milhões no estado de Rio Grande do Sul. Menos de 50 por cento tomaram a vacina contra a gripe regular. No entanto, isto não significa que o Brasil pode escapar do controle da Organização Mundial de Saúde.  As campanhas continuarão a ser realizadas em todo o país.

O Brasil também utiliza uma forma sintética de fluoreto de sódio na água potável, uma prática historicamente adotada pelas suas supostas vantagens no cuidado dos dentes, embora foi determinado que esta crença nao é mais que pseudociência. Recentemente, esta publicação entrevistou uma química do SEMAE, uma organização governamental que cuida da qualidade da água na cidade de São Leopoldo, Brasil. Com um mestrado em química, Juliana da Silva Chaves não só admitiu que nunca viu um estudo confirmando o benefício do uso do ingrediente que ela identificou como flúor, como também confessou que o flúor é colocado na água com base na crença de que ajuda a promover saúde bucal. Novamente, a química confirmou que esta afirmação foi passada para ela mas nenhum estudo foi mostrado para conferir a veracidade da mesma. Quando perguntamos sobre os perigos do fluoreto de sódio e outras substâncias na água potável, ela disse que nunca aprendeu nada sobre a toxicidade em cursos universitários ou de formação. De fato, o flúor provoca cárie dentária, câncer bucal e diversos distúrbios neurológicos, além de diminuição da inteligência.

O país está em estágio final na adoção de Cartões de Identificação que possuem um chip de rádio frequência, assim como Scanners de Corpo Inteiro nos aeroportos. Estas duas últimas tecnologias já estão sendo utilizadas ou entrarão em vigor nos próximos 10 anos. No caso dos scanners que emitem radiação, há vários deles em aeroportos nacionais e internacionais. Segundo o jornal Zero Hora do Estado do Rio Grande do Sul, passageiros que embarquem nas cidades de Guarulhos, Rio de Janeiro, Recife e Manaus podem ser selecionados como candidatos para provar um destes scanners Esta medida é rejeitada pelos grupos de vigilância da privacidade até mesmo nos países mais desenvolvidos não só pela radiação que emitem, mas também devido ao fato de que os corpos das pessoas são vistos completamente nus nas imagens que a máquina gera.

De acordo com muitos grupos de direitos civis, o uso de scanners é uma grave violação das leis de privacidade. As imagens geradas a partir dos scanners são salvas no disco rígido e mantidas para posterior utilização na vigilância. Embora as autoridades do Brasil neguem a capacidade dos scanners para fornecer essas imagens, Angelo Gioia, da Polícia Federal no Rio de Janeiro, admitiu que é um método mais invasivo de vigilância. Atualmente, a legislação brasileira permite buscas de pessoas quando há suspeitas fundadas de atividades ilícitas, mas não regulamenta a utilização deste tipo de scanner. Goia acredita que não deve haver limites quando se trata de segurança. O custo de cada scanner corporal é de U$170.000. A tecnologia de digitalização opera com base na utilização de ondas e radiação sobre um corpo para medir a energia refletida, e assim processar uma imagem 3D das ondas milimétricas. Os usuários dos scanners são expostos a ondas eletromagnéticas entre 3 e 30 gigahertz, algo próximo ao que emite um telefone celular. Os promotores dos scanners nos aeroportos sempre citam os enormes benefícios que estes proporcionam na prevenção de riscos de segurança, tais como armas, explosivos, etc. Mas a verdade é que uma revisão normal ou cães farejadores de bombas são tão úteis ou mais precisas. Assim como tem sido feito em outros países, no Brasil, o uso destas tecnologias é apresentada como uma conveniência, para que mais pessoas as recebam e aprovem. Pouco se falou sobre a violação ao direito à privacidade das pessoas e suas propriedades. Além da comodidade, há um outro fator injetado na aprovação dos scanners: Medo. A ameaça do terrorismo é a carta extra sob a manga sempre pronta para ser mostrada no caso das pessoas queixarem-se ou acharem os scanners um inconveniente.

Como é a situação do terrorismo aqui no Brasil? Comparado com outros países como a Irlanda, Israel, Palestina, Paquistão e Grã-Bretanha, a existência de terrorismo é nula. O país nunca sofreu um grande ataque terrorista na história moderna. O mais próximo ao terrorismo são os tiroteios ocasionais entre traficantes e policiais militares em pequenos bairros do Rio ou de São Paulo. Então, por que o Brasil precisa de scanners? A resposta é que não precisa. Como em muitos outros países, a adoção desta tecnologia é sinónimo da perda das liberdades civis, onde os cidadãos são culpados antes de serem provados inocentes. Na verdade, a história mostra que os ataques terroristas mais incríveis foram do tipo bandeira falsa, ou false-flag. Para Gerald Celente, conhecido estudioso das tendências mundiais e fundador do Instituto de Pesquisa e Tendências, 2010 será o ano dos ataques patrocinados pelos governos. “É o crash de 2010 como o previmos”, diz Celente. “O colapso da economia global em março de 2009, quando os mercados foram inflados com dinheiro falso.” Celente previu a atual crise, queda das bolsas, agitação civil na Grécia e o colapso da Islândia, Argentina, Portugal, Espanha, bem como a crise nos Estados Unidos e no Reino Unido. “Quem acredita que esse tipo de coisas como scanners e identificação con chip são benéficos, merece o que recebe.” Gerald Celente alerta as pessoas sobre o que vai acontecer uma vez que estes tipos de políticas estiveren totalmente implementadas. Assista a este clip no minuto 5 com 30 segundos.

Quando se trata do Cartão Nacional de Identificação no Brasil, informações sobre o assunto são muito escassas. A maioria das pessoas aqui visitam escritórios da Polícia Federal em todo o país para renovar suas licenças de motorista ou de identificação e não sabem ou não querem saber sobre a nova tecnologia utilizada nos referidos documentos. Em outros países onde foi implementado, o Cartão de Identidade Nacional é rejeitado pelos cidadãos informados, bem como grupos que apoiam a privacidade, porque contém todas as informações relacionadas ao portador do cartão, número da identidade, endereço físico e número de identificação único que inclui uma grande variedade de informações privadas, tais como contas bancárias, de poupança, local de trabalho, histórico de votação e outras.

No Brasil, o novo Cartão de Identificação Nacional prevê um número de identificação único de acordo com o estado onde a pessoa vive. No sul, as pessoas terão identificação com um número de 10 dígitos exclusivo, em Brasília, sete dígitos, São Paulo, 9 dígitos. A emissão do novo cartão terá início em Outubro de 2010 e estima-se que todos os cidadãos, imigrantes naturalizados e legais farão parte do banco de dados até 2020. De acordo com o especialista em tecnologia RFID Chris Paget, Radio Frequency Technology, do tipo usado em cartões de identidade nacional, tem sido usada há anos em cartões de crédito e verificação. “Houve centenas de milhões de cartões emitidos com RFID. O problema é que as pessoas não sabem que a tecnologia está contida nos cartões e, portanto, eles não fazem nada para protegê-los.” Parece estranho que a tecnologia que é criada para manter-nos seguros, precisa ser protegida. Agora, qualquer pessoa com um leitor de RFID pode encontrar cartões de crédito e cartões de ponto de verificação e obter informações suficientes para cloná-lo e usá-lo em uma transação. Então, por que os países, literalmente, querem contar e ter um controle tão exato dos seus cidadãos? Dra. Katherine Albrecht, fundadora e diretora da organização CASPIAN de Privacidade do Consumidor, considera que há uma pressão enorme para que os governos numerem e identifiquem a todos os seus cidadãos e, no processo, usem a tecnologia criada por mega corporações que estariam, então, no controle de informações pessoais tais como número de identificação, contas bancárias, segurança social, contas de fundos de pensão, números de cartões de crédito e assim por diante. “Estamos vendo isso na China, onde 1 bilhão de pessoas foram identificadas com cartões de identidade nacionais com dispositivos de rádio freqüência. Eles estão fazendo o mesmo no México, e na India, onde 1,2 bilhões de pessoas também foram submetidas a este processo.”

De acordo com o historiador Daniel Estulin, o uso de cartões de identidade nacional, juntamente com outras tecnologias, é um impulso para a criação de uma sociedade sem dinheiro. “Não será necessário usar dinheiro, porque você tem o crédito atribuído ao seu número de identificação. O problema é que você não será quem vai determinar se terá ou não créditos a serem colocados no cartão. O governo vai ter esse poder; as empresas donas da tecnología o terão, não os cidadãos “. Estulin, bem como Albrecht reconhecem a existência de bases de dados dos governos para quem procura emprego, crédito e para aqueles no sistema criminal, e alertam que o uso de cartões de identidade nacional vai permitir a criação de um banco de dados mundial, onde todos serão incluídos.

No Brasil, a emissão do Cartão de Identificação Nacional começará como um projeto piloto em cada região. A placa será semelhante a um cartão de crédito, com um chip contendo informações como o CPF ou Cadastro de Pessoa Física, número de registo de eleitores, impressão digital, íris ou uma imagem digitalizada que será aceita pelo sistema denominado AFIS ou de Identificação Automática de Impressões Digitais. Este sistema é reconhecido em todo o mundo e é utilizado pelos governos em todos os cinco continentes. O número resultante será padronizado RG ou Registro Geral. Com esse banco de dados local, regional e nacional, o Brasil será um dos últimos gigantes do planeta a sucumbir ao plano de se submeter a um programa de registro global onde as empresas conhecem cada ser humano, não importando onde eles vivam.

A Fluoretação da Agua: O Maior Caso De Fraude Científica Do Século

A História De Forçar O Flúor Em Humanos Através Da Fluoretação Da água Potável é Feito Com Mentiras E Engano.

Por Luis R. Miranda
The Real Agenda
Maio 1, 2010

A história de forçar o flúor em humanos através da fluoretação da água potável é feito com mentiras, ganância e engano. Governosfluor que adicionam flúor à água potável, insistem que é seguro, benéfico e necessário, no entanto, provas científicas mostram que o flúor não é seguro para ingerir e áreas que colocam fluor nos seus suprimentos de água potável têm maiores taxas de cáries, câncer, fluorose dental, osteoporose e outros problemas de saúde. Por causa do impulso da indústria de alumínio, as companhias farmacêuticas e fabricantes de armas, o flúor continua a ser adicionado ao abastecimento de água de quase todo o mundo, e devido às recentes ações judiciais contra as empresas de água que colocam fluor na água potável, o precedente foi definido que irá torná-lo impossível que mais ações judiciais sejam tomadas contra os fornecedores de água que com fluor. Há uma crescente resistência contra a adição de flúor no nosso abastecimento de água, mas, infelizmente, porque flúor tornou-se “a força vital de parte da economia e a industrial moderna” (Bryson 2004), há muito dinheiro em jogo para aqueles que endossam a fluoretação da água. As mentiras dos benefícios da fluoretação da água vao continuar a ser alimentado ao público, não para incentivar os benefícios de saúde para um grande número de pessoas, mas para o lucro do complexo militar-industrial.

A história começa em 1924, quando Interessen Gemeinschaft Farben (IG Farben), uma empresa química alemã, começou a receber empréstimos de banqueiros americanos, gradualmente, levando à criação do enorme cartel IG Farben. Em 1928, Henry Ford e American Standard Oil Company (da familia Rockefeller) fundiram os seus bens com IG Farben, e pelos anos trinta, houve mais de uma centena de empresas americanas que tinham filiais e associacoes com eles na Alemanha. Os ativos da I.G. Farben na América eram controlados por uma holding, a American IG Farben, que enumerava sobre ela, a bordo do sector marítimo da Administração: Edsel Ford, presidente da Ford Motor Company, E. Mitchell, presidente da Rockefeller, aos National City Bank de Nova York, Teagle Walter, presidente da Standard Oil de Nova York, Paul Warburg, presidente da reserva federal e irmão de Max Warburg, financista da Alemanha, aos esforços de guerra, Herman Metz , um diretor do Bank of Manhattan, controlado pelo Warburgs, e uma série de outros membros, dos quais três foram julgados e condenados como criminosos de guerra na Alemanha por seus crimes contra a humanidade. Em 1939, no âmbito do acordo Alted, o americano Aluminum Company (ALCOA), então o maior produtor mundial de fluoreto de sódio, e a Dow Chemical Company transferiu sua tecnologia para a Alemanha. Colgate, Kellogg, Dupont e muitas outras empresas eventualmente assinaram acordos de cartel com IG Farben, criando um poderoso grupo de pressão com precisão apelidada de “a máfia de flúor” (Stephen 1995).

No final da II Guerra Mundial, o governo de Estados Unidos enviou a Charles Eliot Perkins, um pesquisador em química, bioquímica, fisiologia e patologia, para tomar conta das plantas químicas vastas Farben, na Alemanha. Os químicos alemaes disseram ao Perkins de um regime que eles tinham planejado durante a guerra e que tinha sido adaptado pelo Estado-Maior alemão. O alemão explicou sua intensao de usar químicos para controlar a população numa determinada região, através da medicação em massa de água potável com fluoreto de sódio, uma tática usada na Alemanha e Russia nos campos de prisioneiros de guerra para fazer o prisioneiro “estúpidos e dócil” (Stephen 1995) . Farben havia desenvolvido planos durante a guerra para usar fluor nos países ocupados, pois verificou-se que o fluoretação causou danos leves a uma parte específica do cérebro, tornando mais difícil para a pessoa afectada defender sua liberdade e fazendo com que o indivíduo se torne mais dócil para autoridade. Fluoreto permanece uma das mais fortes substâncias anti-psicóticas conhecidas, e está contido em vinte e cinco por cento dos tranqüilizantes. Pode não parecer surpreendente que Hitler, praticou o conceito de controle da mente por meios químicos, mas os americanos continuaram a investigação militar nazista, exploraram as técnicas para incapacitar um inimigo ou medicar uma nação inteira. Tal como e referido no Relatório de Rockefeller, um briefing presidencial sobre as atividades da CIA “, o programa de drogas fazia parte de um programa da CIA muito maior para estudar meios de controlar o comportamento humano” (Stephen 1995).

O, mito da prevencao de caries, associados com o uso de flúor, se originou nos Estados Unidos em 1939, quando um cientista chamado Gerald J. Cox, empregado da Alcoa, o maior produtor de resíduos tóxicos de flúor e, ao mesmo tempo sendo ameaçado por alegações por danos com flúor , deu fluor para alguns ratos de laboratório e concluiu que o flúor reduziu as cáries e alegou que devia ser adicionado ao abastecimento de agua de toda a nação. Em 1947, Oscar R. Ewing, um advogado da ALCOA por muito tempo, foi nomeado chefe da Agência Federal de Segurança, uma posição que o colocou no comando do Public Health Service (PHS). Durante os próximos três anos, oitenta e sete novas cidades americanas começaram a fluoretação de água, incluindo a cidade de funcionou como um estudo de controle de fluoretação da água em Michigan, eliminando, assim, o teste mais cientificamente objetivo de segurança e benefícios antes de ele nunca foi concluído.

As investigacoes sobre as consequencias no uso de fluor nos Estados Unidos “foram financiadas pela Indústria de Fertilizantes e Armas que procurava uma saída para os resíduos de fluoreto de montagem industrial, enquanto cada vez mais atingir aumentar o lucro positivo. A “descoberta” que o flúor “beneficiava” os dentes, foi pago pela indústria que precisava ser capaz de defender os “processos de trabalhadores e comunidades envenenadas pelas emissões de flúor industrial” (Bryson, 1995) e transformar um passivo em um ativo. Flúor, um componente de resíduos nos processos de fabricação de explosivos, fertilizantes e outras necessidades “, cuja eliminacao era dispendiosa “foi usado entao no abastecimento de água na América, Através da re-educação pública, o fluoreto, uma vez um produto de resíduos, tornou-se o ingrediente ativo em pesticidas fluorados, fungicidas, raticidas, anestésicos, tranquilizantes, medicamentos fluorados, e um número de produtos industriais e domésticos, dentais géis fluordaos, cremes dentais e enxaguatórios. O flúor é uma parte importante da renda bilionária da industria farmacêutica, que a eventual retirada do apoio desta pratica é financeiramente impossível, juridicamente impensável e potencialmente devastadora para a sua carreira e reputação.

Financiado por empresários de E.U., em uma tentativa de promover a aceitação pública de flúor, Edward Bernays, também conhecido como o pai do PR, ou o spin doctor original, começou uma campanha de artifício para convencer a opinião pública. Barnays explicou que “você pode obter praticamente qualquer idéia aceita se os médicos são a favor. O público está disposto a aceitá-la porque um médico é uma autoridade para a maioria das pessoas, independentemente de quanto ele sabe ou não sabe” (Bryson, 2004). Médicos que aprovaram a fluoretação não sabiam nem sabem hoje das consequencias para a saude que o flúor apresenta. O fluoreto chegou a ser visto como parte do progresso científico e desde que foi apresentado ao público como saúdavel,como uma substância adicionados ao ambiente para o bem das crianças, os opostos ao flúor foram demitidos como excêntricos, os charlatães e lunáticos. Fluoreto tornou-se imune às críticas por causa de uma ofensiva de relacoes publicas implacável, mas também por causa de sua toxicidade global. Ao contrário dos produtos químicos que têm um efeito de assinatura, fluoreto, um veneno sistêmico, produz uma gama de problemas de saúde, de modo que seus efeitos são mais difíceis de diagnosticar.

Documentos recentemente desclassificados nos E.U. Do Projeto Militar Manhattan, mostram como o flúor é a substância química chave na produção da bombas atômica e milhões de toneladas que eram necessários para a fabricação de bombas de urânio e plutônio. Intoxicação por Flúor, não envenenamento por radiação, emergiu como o principal perigo químico de saúde para os trabalhadores e comunidades próximas. Cientistas foram obrigados a fornecer elementos úteis para a defesa no litígio, de modo que começaram secretamente testes de flúor em pacientes hospitalizados desavisados e indignados, crianças deficientes mentais ..”A edicao de agosto 1948 do Journal of American Dental Association que mostrou que há provas de efeitos adversos de flúor foi censurada pela Comissão de Energia Atômica de E.U. por razões de” segurança nacional “(Griffiths, 1998). O relatório liberado somente afirmou que o flúor era seguro para humanos em pequenas doses.

Durante a Guerra Fria, o Dr. Harold C. Hodge, que tinha sido o toxicologista para o Exército de E.U. no Projeto Manhattan, foi o promotor de liderança científica da fluoretação da água. Ele foi secretamente realizando uma das premeiras experiências de fluoretação da água pública em Newburgh, Nova York, secretamente estudando amostras biológicas de cidadãos de Newburgh E.U. em seu laboratório na Universidade de Rochester. Dado que não existem restrições legais contra a supressão de dados científicos, a única conclusão publicada dessas experiências foi que o flúor era seguro em baixas doses, a um veredicto profundamente útil para o Exercito de E.U. que temeu ações judiciais por danos com fluoreto nos trabalhadores em usinas nucleares e fábricas de munições. Poluição do flúor foi uma das maiores preocupações legais que enfrentam os sectores industriais dos E.U. durante a guerra fria. Um grupo secreto de advogados das empresas, conhecidos como os advogados da Comissão Fluor, cujos membros incluíam companias de Aço, ALCOA, Kaiser Alumínio e Reynolds Metals, visitaram as empresas que estavam lutando uma onda de reclamações dos cidadãos por lesão de flúor. Os Advogados do Comité Fluor e os seus embaixadores médicos estavam em contato pessoal e freqüente com os altos funcionários do governo federal do Instituto Nacional de Pesquisa Odontológica, e têm sido implicados no estudo “Kettering” da campanha de quarenta anos, que mostrou que o flúor envenena os pulmões e os gânglios linfáticos em animais de laboratório. Os interesses privados, procuraram destruir carreiras e censurar a informação, garantindo que os estudos científicos levantando dúvidas sobre a segurança do flúor nunca foram financiados, e se o fizessem, nunca foram publicados.

Durante a pesquisa de 1990, conduzido pelo toxicologista Phillis Mullenix de Harvard, ele mostrou que o flúor na água pode levar diminuir o IQ, e aumentar os sintomas em ratos de déficit de atenção e hiperatividade (TDAH). Poucos dias antes de sua pesquisa for aceita para publicação, Mullenix foi demitido como chefe de toxicologia no Forsyth Dental Center, em Boston. Em seguida, a sua candidatura a uma bolsa para continuar sua pesquisa sobre as consequencias do fluor no sistema nervoso central foi rejeitado pelo National Institute of Health (NIH), quando um painel do NIH lhe disse que “o fluor não tem efeitos no sistema nervoso central” (Griffiths 1998) .

A pesar de evidências crescentes de que é prejudicial para a saúde pública, agências de saúde púbica e grandes organizações médicas e dentais, tais como a American Dental Association (ADA), continuam a promover o flúor. A fluoretação da água continua, apesar de que os próprios cientistas da EPA, cuja união, o capítulo 280 do Tesouro Nacional, União de Trabalhadores, tomou uma posição firme contra isso. Dr. William Hirzy, vice-presidente do capítulo 280, declarou que “flúor (que é adicionado à água municipal) é um produto de resíduos perigosos para os quais há provas substanciais de efeitos adversos para a saúde e que, ao contrário da percepção pública, virtualmente nenhuma evidência significativa mostra seus benefícios “(Mullenix 1998). Embora o flúor é de até cinqüenta vezes mais tóxico do que o dióxido de enxofre, ainda não é regulamentada como um poluente do ar pelo Clean Air Act americano. Uma vez que milhares de toneladas de resíduos industriais de flúor é vertida em abastecimento de água potável, supostamente para incentivar sorrisos brilhantes em nossas crianças, a grande indústria tem a vantagem de poder emitir resíduos de flúor no ambiente como eles gostam, com absoluta nenhuma exigência para medir as emissões e não há maneira de ser considerado responsável pelo envenenamento de pessoas, animais e vegetação.

Em agosto de 2003, a EPA solicitou que o Conselho Nacional de Pesquisa, o braço de pesquisa da National Academy of Sciences (NAS), reavaliar as normas de segurança da água de flúor através da revisão da literatura científica recente, porque a última revisão, em 1993, tinha grandes lacunas na investigação . “Nem o E.U. Food and Drug Administration (FDA), nem o Instituto Nacional de Pesquisa Odontológica (NIDR), nem a American Academy of Pediatric Dentistry tem qualquer prova sobre a segurança ou a eficácia do flúor” (Sterling, 1993). A Academia Internacional de Medicina Oral e Toxicologia classificou o flúor como um medicamento não aprovado devido à sua alta toxicidade e o Instituto Nacional do Câncer encontrou que o flúor é um agente cancerígeno (Maurer 1990).

Atualmente, os governos continuam a introduzir sistemas de fluoretação adicional em todo o país, incluindo as Leis da Água, o que tornou impossível para as empresas de água se submeter a uma audiçao civil ou penal, como resultado da adição de flúor à água de abastecimento público.

Em uma sociedade onde os produtos que contenham amianto, chumbo, berílio e muitos outros carcinógenos foram recolhidos do mercado, é surpreendente que o flúor é abraçado tão completamente e cegamente. Parece absurdo que iríamos considerar pagar pela indústria química, para eliminar seus resíduos tóxicos, adicionando-o ao nosso abastecimento de água. Esconder os perigos da poluição do flúor do público é um trabalho de estilo capitalista, de proporções épicas que tem ocorrido porque um poderoso lobby pretende manipular a opinião pública a fim de proteger os seus interesses financeiros. “Aqueles que manipulam esse mecanismo invisível da sociedade constitui um governo invisível que é o verdadeiro poder dominante de nosso país … nossas mentes são moldadas, nossos gostos formados, nossas idéias sugeridas, em grande parte por homens de quem nós nunca ouvimos falar” (Bernays 1991 ).