Anticorpos Induzidos por Vacinas são Desnecessários para Combater Doença

POR LUIS R. MIRANDA | THE REAL AGENDA | 15 ABRIL 2012

Historicamente, o estabelecimento médico-farmacêutico promoveram vacinas como a solução milagrosa para todos os problemas de saúde que os seres humanos enfrentam. Casas farmacêuticas concluiram que as vacinas eram necessárias porque o corpo necessita delas para construir anticorpos para combater doenças e que as vacinas eram a melhor ferramenta para garantir que o sistema imunológico humano tivesse a capacidade de produzir estes anticorpos. No entanto, as vacinas são coqueteis ineficazes e tóxicos de metais pesados e vírus vivos, que não só nao previnem doenças mas que as causam.

Inúmeros estudos — por favor, faça sua própria investigação — têm mostrado a ligação entre ingredientes das vacinas, como o mercúrio, o esqualeno, adjuvantes e condições médicas, como o autismo, câncer, condições do sistema nervoso, danos ao cérebro, e assim por diante. Os profissionais médicos como Russell Blaylock e Andrew Wakefield tem falado interminavelmente sobre os perigos das vacinas — devido a forma em que são produzidas — para a saúde humana. Mas apesar dos inúmeros estudos e avisos de profissionais médicos, autoridades de saúde e empresas farmacêuticas sempre trabalharam em conjunto para impor regras — não leis — que todos devem ser vacinados para seu próprio bem.

Enquanto a maioria das políticas oficiais do governo indicam que as vacinas são devidamente testadas e continuamente monitoradas pelos seus possíveis efeitos colaterais e reações, a maioria das vacinas são testadas e monitoradas apenas pelos produtores destas vacinas, que enviam seus resultados para as autoridades “vigilantes”. Estas autoridades permitem aos fabricantes a liberdade de produzir vacinas em massa, que mais tarde são recomendadas e acrescentadas à lista cada vez maior de vacinas, especialmente crianças, que são injetadas desde o nascimento.

Só que agora há um problema, um problema novo para o cartel médico-farmacêutico: O corpo humano não necessita de anticorpos induzidos pelas vacinas para combater doenças, vírus, bactérias ou outros agentes patogénicos. O nosso sistema imunológico na verdade, tem a capacidade de produzir anticorpos naturais que por sua vez, funcionam como defesas contra as doenças. O sistema imunológico humano é composto de características originais e outros que são fabricados pelo organismo — criado depois que uma pessoa nasce e cresce — que trabalham juntos para manter o corpo a salvo de doenças sem a necessidade de produtos artificiais criados em laboratórios. Isto pode vir como uma surpresa para muitos, mas não para outros indivíduos que estão bem informados sobre como evitar e curar doenças.

A pseudociencia usada para implementar as políticas de vacinação diz que quando uma pessoa é injectada com uma vacina, o sistema imunológico responde aos ingredientes da vacina como se fosse um ataque real a partir de um vírus ou outro agente patogénico. O corpo responde a este suposto ataque, criando anticorpos para tratá-lo. No futuro, se o vírus ou o organismo ataca a pessoa novamente, o sistema imunológico sabe como reagir e se defender do ataque. Isso é explicado como se o sistema imunológico “aprendesse” como agir em caso de uma infecção. O problema é que o suposto “aprender” para combater a doença é algo que o corpo já sabe como fazê-lo; é uma habilidade natural, como é sua capacidade de produzir anticorpos. O que a reação induzida pela vacina realmente faz é alterar a resposta natural do sistema imunitário humano que por sua vez prejudica o sistema imunológico, porque ao longo do tempo, o corpo não pode responder a outros vírus ou organismos que podem causar doenças mais do que aquelas injectadas através de uma vacina. Este é o caso com a gripe comum.

O vírus da influenza é um organismo que está sempre mudando, nunca é o mesmo. Quando as pessoas injetadas com a vacina contra a gripe comum que contem a cepa do ano passado, elas acham que estarão protegidos, mas a nova cepa não tem nenhum problema para entrar num sistema imunológico degradado  que não é apenas indefeso contra ela, mas também incapaz de lidar com a nova versão do vírus em si.

Este é o momento onde o estudo publicado na revista Immunity confirma nossas suspeitas. O estudo mostra que anticorpos induzidos pela vacina são incapazes de combater doenças por si sós, uma característica que só ocorre naturalmente em anticorpos produzidos pelo nosso sistema imunológico. Este é o fato que absolutamente quebra o mito de que as vacinas são necessárias para manter as pessoas livres de vírus ou bactérias que podem causar doenças. Como em muitos outros casos, a teoria científica alegada é apenas isso, uma teoria. Como mencionado no estudo, as vacinas não ajudam a prevenir ou combater infecçoes. “Nossos resultados contradizem a visão atual de que os anticorpos criados em resposta às vacinas são absolutamente necessários para sobreviver a infecções com vírus como o VSV (vírus da estomatite vesicular), e estabelecer uma função inesperada para as células B como guardiões de macrófagos na imunidade antiviral “, diz Dr. H. von Andrian Uldrich Harvard University Medical School.

Dr. von Andrian acrescentou que “é importante dissecar o papel dos anticorpos e interferon na imunidade contra vírus similares, que atacam o sistema nervoso, tais como raiva, vírus do Nilo Ocidental e Encefalite.”

Então, se as vacinas não funcionam como anunciadas pelas grandes empresas farmacêuticas, e se são prejudiciais para o sistema imunológico natural, porque as agências governamentais sempre recomendam que todos usemos tais vacinas? De acordo com o neurocirurgião Russell Blaylock, as vacinas suprimem o sistema imunológico sendo que este não pode produzir citocinas de tipo Th2 e também suprimem a imunidade celular. O resultado é um enfraquecimento do sistema imunológico que resulta em um corpo fraco que é mais vulnerável às doenças, e que também faz com que o corpo leve mais tempo para se recuperar. O que os resultados deste estudo representam é o prego final no caixão da pseudociência das vacinas. As vacinas foram — segundo os cientistas — a melhor invenção desde o advento da roda, para tornaran-se um mal perigoso, mas necessário, e agora são um método ineficaz para combater doenças.

“Incrivelmente, nunca houveram estudos controlados comparando uma população de pacientes vacinados contra outro grupo de pacientes não vacinados,” diz o Dr. Phillip Incao. A crítica do Dr. Incao é suportada por muitos médicos independentes como o Harold Buttram. “Não houve nenhum estudo desta natureza, e, aparentemente, nunca foi tentado”, diz Dr. Buttram.

Além das informações acima, é importante dizer que a vacinação obrigatória atual — não há lei que obrigue ninguém a usar uma vacina — em quase todos os países violam o Código de Nuremberg, o conjunto de regras que todos os profissionais da medicina devem seguir, quando se trata da utilização de vacinas. De acordo com o Sistema de Informação de Efeitos Adversos Causados por Vacinas (VAERS), existem pelo menos 2.142 mortes confirmadas e 3.177 pessoas portadoras de deficiências permanentes entre 1991 e 2001, que foram causadas por vacinas. Veja a pagina Vigilância após a Imunização. Mas, na realidade, as estatísticas globais mostram que as conseqüências são muito piores. As mortes são entre 21,420 a 142.800 mortes, se considerarmos que apenas 1,5 a 10% de eventos adversos são relatados.

Segundo o Instituto Mundial das Vacinas, estas são responsáveis por causar doenças como a AIDS, Câncer, Diabetes, Audição e perda de visão, hepatite B, MMR, caxumba, poliomielite, rubéola e autismo, sem que ninguém jamais demonstrasse que uma vacina curou ou ajudou a tratar nenhuma doença.

Se você está curioso para saber quais são alguns dos ingredientes utilizados na produção de vacinas — muitos dos que se acumulam em seu corpo — por favor, seja corajoso e veja a lista fornecida pela CDC.

As vacinas nunca ajudaram a reduzir a incidência de nenhuma doença, muito menos a cura-las. Veja os gráficos abaixo que demonstram como as vacinas sempre foram usadas DEPOIS que as doenças começaram a desaparecer o qual foi usado para justificar o seu uso.

Você pode compartilhar nosso conteúdo original, desde que respeite a nossa política de direitos autorais, conforme mostrado em nosso rodapé. Por favor, não corte os artigos de The Real Agenda para redistribuir por e-mail ou na Internet se você não cumpre com as nossas políticas de direitos de autor.

Influenza H1N1: A fraude que foi… o Perigo que está por chegar

Por Luis R. Miranda
The Real Agenda
Setembro 9, 2010

Gostaria de uma vacina contra a gripe comum, misturada com um vírus H1N1? Como você se sentiria se esta vacina fosse obrigatória? As pessoas não acreditaram a fraude do ano passado, mas como na melhor das seqüelas de Hollywood, os vilões se tornaram mais agressivos do que nunca. As empresas farmacêuticas estão trabalhando em um plano destinado a, através de seus governos controlados, proibir as pessoas ir à escola, trabalhar ou ter uma vida normal, se não se injetam com seus produtos tóxicos. Os controladores chegam de mãos vazias, como no ano passado, sem estudos científicos, e sem ciência.

Os países da Oceania e Finlândia já provaram o amargor da nova vacina híbrida. Crianças e adultos que tomaram o novo “coquetel” sofrem de efeitos colaterais terríveis tais como temperaturas corporais elevadas, convulsões, vômitos e hemorragias graves. Tanto assim, que o governo australiano tem parado de usar a mistura tóxica. Barbara Loe Fisher, fundadora da National Vaccine Information (NVIC), é uma das especialistas que estudam e analisam a fraude da falsa pandemia de gripe H1N1 do ano passado, e as alterações potencialmente nocivas que são introduzidas na nova vacina contra a gripe A nesta temporada. Os resultados da sua pesquisa evidenciam coisas que vão além do que qualquer cidadão doutrinado ou desinformado poderia duvidar.

É relatado que na Finlândia os casos de narcolepsia em crianças aumentaram em 300 por cento após a injeção com a nova vacina durante a campanha de vacinação mais recente. O Instituto Nacional de Saúde da Finlândia (THL) suspendeu o uso de vacina H1N1 pelo medo que a vacina continue causando distúrbios neurológicos em crianças e jovens, como tem acontecido nos últimos seis meses. A narcolepsia é um distúrbio neurológico que pode ser desencadeado por um vírus. “Um paciente que sofre de narcolepsia pode adormecer, de repente, por exemplo, enquanto, fala ou come, sem aviso prévio. Seus músculos também podem enfraquecer de repente, e subitamente colapsar. Nenhuma cura é conhecida para a doença “, relata o site de notícias YLE da Finlândia.

“Há uma correlação clara entre o tempo dos casos e a vacina contra a gripe H1N1”, relata o Helsingin Sanomat. Um número anormalmente elevado de casos de narcolepsia, na Suécia, também surgiram como resultado da vacina H1N1 durante um programa de vacinação. De acordo com a Kari Lankinen, médica chefe da agência finlandesa de medicamentos, os médicos foram cúmplices em esconder a relação entre a vacina contra a gripe A e a narcolepsia e como isto afetaria a sua carreira, a publicação de artigos em revistas internacionais, etc. Os médicos que fizeram os comentários nos últimos meses, agora trabalham com o Instituto Nacional de Saúde e Assistência (THL) “, relata YLE.fi. No total, cerca de 750 finlandeses têm experimentado efeitos colaterais resultantes da vacina H1N1, de acordo com o Times de Helsínquia.

Tanto a FDA como a Organização Mundial da Saúde recomendam a vacina H1N1 para ser incluída na vacina contra a gripe tradicional e, portanto, os serviços de saúde em todo o mundo combinam agora as duas vacinas. Como informamos no início deste ano, o presidente do Conselho de Saúde da Europa, Wolfgang Wodarg confirmou que o surto de gripe H1N1 de 2009 foi uma farsa fabricada por empresas farmacêuticas em conjunção com a OMS para obter enormes lucros, sem se importar com a saúde pública.

O perigo que vem

Ambas as vacinas contra a gripe tradicional e a H1N1 estão associadas a uma série de efeitos colaterais em todo o mundo, incluindo síndrome de Guillain-Barré e distonia, uma doença neurológica incapacitante. A vacina contra a gripe tradicional também tem sido associada com convulsões em crianças menores de 5 anos de idade.

Muitos lotes de vacinas contra a gripe H1N1 incluem esqualeno e mercúrio entre os seus ingredientes, duas substâncias que foram directamente ligados à explosão de autismo entre crianças, bem como outras doenças. Enquanto isso, pessoas dentro do governo e as forças armadas tiveram o privilégio de receber a vacina sem estes aditivos. Por quê? A chanceler alemã, Angela Merkel e os ministros do governo, bem como os soldados alemães estavam entre aqueles que receberam a versão “amigavel” da vacina.

A fim de evitar ações judiciais contra as empresas farmacêuticas, estas foram legalmente isentas por todos os governos que utilizaram a vacina em suas populações. Sanofi-Pasteur, GlaxoSmithKline e outros fabricantes de vacinas têm agora direito a imunidade. Por quê? A verdade é que a vacina contra a gripe para o inverno de 2010-2011, terá três vírus de tipo A ou B, e um deles é o H1N1. No ano passado, os cidadãos tinham a opção entre a vacina contra a gripe comum ou H1N1, mas este ano vão ser forçados a usar ambas. Então, as vacinas que causam o síndrome de Guillain-Barré, que afetaram e continuam a afetando a criação de células brancas no sangue, causando uma reação auto-imune e paralisia facial, devem ser tomadas por todos, porque nenhuma outra opção existe para aqueles que confiam a sua saúde e suas vidas para as vacinas. Os governos é claro, dizem que não sabem se essas reações são causadas pelas vacinas.

“Eu acho que não é razoável pedir às mulheres grávidas se injetar uma vacina que não tenha sido estudada, e cujos efeitos colaterais têm sido tão nitidamente negativos para os pacientes”, diz Barbara Loe Fisher, diretora do Centro de Informação sobre Vacinas

Mas a questão é mais séria do que um estudo clínico pode revelar. Timerosal, o preservativo de mercúrio usado em quase todas as vacinas é uma substância que não pode ser descartada no lixo uma vez que as vacinas expiram. A razão é que é tão tóxico que está proibido descartá-lo como qualquer outro produto. Mas para as autoridades de saúde é uma boa ideia usar vacinas com timerosal nas pessoas. Cerca de 12.000 crianças nos Estados Unidos foram usados como cobaias para uma vacina contra a gripe H1N1 contendo esqualeno, um ingrediente perigoso que tem sido diretamente relacionado com casos de Síndrome da Guerra do Golfo e uma série de outras doenças debilitantes. (NVIC.org). “É perigoso para as mulheres e as crianças que estão em suas barrigas.” A pergunta que Fisher e outros que monitoram a criação e utilização de vacinas é, onde esta a ciência que apoia a eficácia e segurança de produtos farmacêuticos tais como vacinas? A resposta que Fisher encontra uma e outra vez é que os dados obtidos nestes dois aspectos são quase inexistentes ou inconclusivos. “Como é que estão solicitando que todos se injetem com algo que não sabemos como nos afetará?”, diz Fisher.

E para aqueles que acreditam que a dose de mercúrio é muito baixa em uma vacina para prejudicar um ser humano, devem saber que a vacina contra a gripe A tem uma dose 25.000 vezes superior ao que é considerado uma quantidade segura. O Dr. Kent Holtorf, especialista em doenças infecciosas, alertou que a vacina é mais perigosa que a gripe. “Tenho uma grande preocupação com a vacina contra a gripe A H1N1. Foi introduzida no mercado muito rapidamente, e tem níveis muito mais elevados de adjuvantes, timerosal e esqualeno “, acrescenta Holfort. Quando o repórter perguntou se ele iria injetar a vacina nos seus filhos, Holtorf disse que “absolutamente não. Seria uma aposta muito arriscada.”

Outros doutores têm enfatizado os efeitos colaterais de outros ingredientes. O esqualeno contribuiu para a cascata de reações chamada síndrome da Guerra do Golfo. (Desenvolvido por soldados que foram vacinados), que também ficaram doentes com problemas de artrite, fibromialgia, linfadenopatia, erupção cutânea, erupção fotossensível, fadiga crônica, dores de cabeça crônica, perda de cabelo anormal do corpo, lesões de pele que não cicatrizam, úlceras, tontura, fraqueza, perda de memória, convulsões, alterações de humor, problemas neuropsiquiátricos, efeitos anti-tireóide, anemia, hemossedimentação (VHS), lúpus eritematoso sistêmico, esclerose múltipla, esclerose lateral amiotrófica, doença de Raynaud, síndrome de Sjogren , diarreia crónica, suores nocturnos e febre. Esses sintomas e problemas de saúde foram confirmados pelo médico e micropaleontologo Viera Scheibner.

“As vacinas, como tem sido constantemente encontrado, são prejudiciais para os seres humanos. Nunca foi provado que uma vacina trata ou cura qualquer doença, mas para aquelas pessoas que querem usar as vacinas, o mínimo que eles merecem é ter estudos científicos comprovando a eficácia e segurança das vacinas”, diz Barbara Loe Fisher. “Nem o governo nem nenhuma organização internacional têm o direito ou o poder de obrigar ninguém a usar um produto, muito menos se não foi cientificamente testado e aprovado. Fisher assim como médicos que foram consultados para este artigo concordam que as pessoas têm e devem conservar o direito de escolher se querem ou não usar uma vacina ou qualquer outro produto.

Assim, quando o médico, o diretor da escola ou da faculdade ou o seu patrão diga que é necessário injetar a vacina para trabalhar ou estudar, ensine-lhe a diferença entre um mandato e uma lei, e explique que não há lei obrigando ninguém a usar nenhuma vacina. Nenhum governo tem o poder de criar uma lei que obrigue um cidadão a ser injetado. Isso é inconstitucional. Se você é discriminado porque não vacinou-se ou não vacinou suas crianças, saiba que as leis, a ciência e a verdade estão do seu lado.

IDflu: O Coquetel de vacinas de Sanofi-Pasteur

Por Luis R. Miranda
The Real Agenda
Setembro 9, 2010

Como The Real Agenda relatou algumas semanas atrás, os globalistas que criaram a fraudulenta, amplamente reportado como tal, pandemia da gripe H1N1 estão de volta com mais fome do que nunca para mais fraudes e mais dólares. Recentemente, o jornal La Nación de Costa Rica publicou um artigo sobre a disponibilidade da nova vacina da empresa farmacêutica Sanofi-Pasteur chamada IDflu. O artigo, como quase tudo que este jornal publica, está cheio de mentiras e meias verdades; então, eu fui obrigado a escrever um artigo que mostra os detalhes que Irene Rodriguez, autora do artigo original, omitiu.

Esta é a fina agulha usada para injetar IDflu que é vendido como uma das novos "conveniências", porque as pessoas sentem picada não é tão dolorosa.

Eu mandei um e-mail a ela descrevendo estes detalhes, embora eu não esperasse que ela reescrevesse o artigo com as informações documentadas no e-mail. “Eu li seu artigo sobre a nova vacina da Sanofi-Pasteur chamada IDFlu. Estou preocupado com a omissão de detalhes importantes sobre a vacina. Esses detalhes são, precisamente, aqueles que nunca são descritos para o público e a razão pela qual muitas pessoas ainda acreditam que é uma ótima idéia se vacinarem de forma contínua.”

Em primeiro lugar, a vacina é a primeira de vários tipos que serão oferecidas ao público como um “cocktail” com vários vírus, incluindo o H1N1. Com isso, o consumidor já não tem mais a opção de escolher qual a vacina que ele quer tomar, pois terá de tomar uma única vacina contendo todos os vírus em um. Isso elimina o direito de escolher. Na verdade, a vacina contém três vírus: A / New Caledonia/20/99 (H1N1) como a tensão (A / New Caledonia/20/99 (IVR-116)) 9 microgramas HA, A/Wisconsin/67/2005 (H3N2 ) como a tensão (A/Wisconsin/67/2005 (NYMC X-161), 9 microgramas HA, B / Malaysia/2506/2004 como a tensão (B/Malaysia/2506/2004) 9 microgramas HA. Ver o documento original contendo a descrição da vacina. Página 32

Em segundo lugar, o artigo não lista os efeitos colaterais, que são tão graves quanto outros tipos de vacinas: problemas no sistema vascular e linfático, encefalomielite (inflamação do cérebro e medula espinhal), neurite, síndrome de Guillain-Barré, inflamação dos vasos sanguíneos, convulsões, doenças neurológicas e imunogenicidade ou o aparecimento de reações imunológicas que geralmente culminam em paralisia parcial ou completa. Página 39

Além disso, o artigo não menciona que os estudos clínicos foram realizados a partir do momento em que a vacina é injetada até três semanas depois, um período durante o qual é difícil detectar os efeitos colaterais sérios, especialmente os citados acima (principalmente a imunogenicidade ), porque os sintomas ocorrem após esse período. O acompanhamento da empresa farmacêutica convenientemente termina em seis meses, o que significa que não se observa se algum efeito colateral apareceu depois deste período. Portanto, a Sanofi-Pasteur não poderia descartar o aparecimento de efeitos colaterais graves causados pelo uso da vacina, porque o monitoramento não é feito. No entanto, a Sanofi-Pasteur afirma que tais efeitos são raros ou inexistentes (parte inferior da página 4). Em que se baseia para fazer tal observação? Não em estudos científicos.

Em terceiro lugar, de acordo com o documento que descreve a origem, produção e composição da vacina, estudos clínicos foram conduzidos em populações europeias. Em outras palavras, o resultado destes estudos não pode ser usado para provar a eficácia ou a segurança da vacina em outras populações. Como a venda de um produto que não foi estudado em populações específicas é permitida no mercado? Esta pergunta deveria ser feita ao seu Departamento de Saúde.

Em quarto lugar, os resultados obtidos em relação à segurança da vacina para uso humano são baseados em estudos com animais (ponto 5.3 na página 6) e estes estudos, de acordo com a empresa farmacêutica, apresentaram imunogenicidade.

Em quinto lugar, estudos de segurança não foram realizados após a vacina foi introduzida no mercado. Estudos sobre incompatibilidade ou estudos clínicos sobre os efeitos que a vacina pode ter sobre as habilidades motoras, tais como operar veículos ou máquinas nao foram realizados.

Além disso, a vacina contém formaldeído, ou formol em sua forma líquida, que é um ingrediente tóxico usado em vacinas e cujo efeito cumulativo enfraquece o sistema imunológico, causa alterações genéticas, acidose metabólica, choque circulatório, insuficiência respiratória e insuficiência renal aguda. O formol também é um sensibilizador, uma característica que torna as pessoas alérgicas a muitas outras coisas. Se ingerido, é corrosivo e é cancerígeno. Além dos ingredientes já citados, as vacinas também contêm:timerosal, esqualeno, adjuvantes, cloreto de sódio, cloreto de potássio, fosfato dissódico dihidratado e dihidrogenofosfato de potássio.

No entanto, a novidade sobre esta vacina não esta nos seus ingredientes, mas no seu comportamento no organismo. De acordo com informações contidas no documento oficial, a vacina não é injetada no músculo como tradicionalmente é feito. Sanofi utiliza um novo método, o intradérmico. A dose exata de 0,1 ml é injetada sob a pele para uma mais ação imediata. É possível que a mesma velocidade com que a vacina age para “imunizar” possa ser vista no aparecimento de efeitos colaterais? A empresa farmacêutica Sanofi-Pasteur não tem dados a respeito.

Talvez o único lado positivo, especialmente para os costarriquenhos, é que as autoridades de saúde não vão adquirir a vacina da empresa farmacêutica pelo menos por agora. Para aqueles que querem injetar o coquetel de vírus, deverão pagar 24 dólares de seus próprios bolsos para comprar em farmácias locais. Deste modo, não há dinheiro do contribuinte enriquecendo as contas bancárias da empresa Sanofi-Pasteur.

Vacina contra H1N1 contém Virus Vivo, Esqualeno e Adjuvantes

Adjuvantes aceleram ação da vacina e causam reações imunológicas mortais.  Descrição da vacina diz que a mesma provoca efeitos neurológicos colaterais

Por Luis R. Miranda
The Real Agenda
Maio 1, 2010

Como tem sido abundantemente comprovado, mercúrio e seus derivados são responsáveis pelo autismo em crianças emuitas outras doenças neurológicas, como a Síndrome da Guerra do Golfo. Mercúrio em sua forma mais comum de timerosal é colocado em quase todas as vacinas disponibilizadas ao público, normalmente como conservante. Como foi recentemente revelado pelo jornal Washington Post, muitas doses da nova vacina H1N1 serao armazenada em frascos de dose múltipla, que irao conter timerosal. Dados do Departamento de Educação relacionadas com estudos de 1992 e 1993 que foram comparados a dados de 2000 a 2001, revelam que o autismo tem aumentado em 644% entre as crianças nos E.U. Ao mesmo tempo, a Agencia de Alimentos e Drogas dos Estados Unidos (FDA) nunca exigiu às empresas farmacêuticas realizar testes de funcionamento. De acordo com Boyd Haley, o presidente do Departamento de Química da Universidade de Kentucky, o mercúrio é responsável por danos à mitocôndria.

Depóis de ler a transcrição e assistir o relatório onde o Dr. David Spencer, chefe do Centro de Control de Doencas (CDC), durante a crise da gripe de 1976 confessou que a vacina da gripe suína não foi testada antes de ser usada em 46 milhões de pessoas, agora tenho outra preocupação em relação à nova vacina contra H1N1. Foi confirmado que a nova vacina vai conter mercúrio e ingredientes derivados.

Devido ao uso de timerosal nas vacinas dadas às crianças, o número de casos de autismo aumentou em 1.500 por cento desde 1991. Este número corresponde ao período de tempo durante o qual o número de vacinas para crianças também aumentaram. Enquanto em 1991 havia uma criança com diagnóstico de autismo por cada 2500, hoje existem 166 crianças diagnosticadas para o 2500 mesmo. Estes números, bem como a pressão pública para interromper o uso de mercúrio em vacinas, obrigou algumas empresas para supostamente reduzir as quantidades de timerosal usado em seus produtos. Digo supostamente, porque, apesar de muitos médicos e outros profissionais de saúde assegurar às pessoas que a vacina é livre de mercúrio, esqualeno e adjuvantes, a verdade é que as descrições das vacinas páginas (Novartis 11-14) não só confirmam a utilização desses ingredientes, mas também confirmam que as vacinas não foram devidamente testadas (Sanofi Pasteur), a fim de conhecer os seus efeitos nas mulheres grávidas, crianças e jovens. Esses três grupos são os mesmos que o governo e as empresas pharmaceuticas tem como alvo nas campanhas de vacinação.

Enquanto o Center for Disease Control (CDC), a Organização Mundial da Saúde (OMS) e outras agências continuam empurrando vacinas que contém mercúrio e outros produtos farmacêuticos como forma de prevenir e curar a doença, o Departamento de Defesa dos Estados Unidos reconhece os perigos do mercúrio. “O mercúrio é um material perigoso, que pode causar a morte se ingerido, inalado ou absorvido através da pele.” Entretanto, a Environmental Protection Agency (EPA), limitou as emissões de mercúrio na produção industrial, porque pode danificar o cérebro e sistema nervoso e é especialmente perigoso em fetos e crianças pequenas. As pessoas não pensariam que o mercúrio é perigoso ou que as vacinas são prejudiciais ao assistir os noticiários. Isso é porque ha uma campanha para tentar covencer as pessoas de que o mercúrio é bom e para fabricar a creenca que as vacinas sao ainda melhor. Há alegações nos meios de comunicação que querem fazer-nos pensar o mercúrio é maravilhoso para as crianças. E quando tal crença não funciona, nunca falta propaganda que diga que as criancas são ruins para o mundo.

Embora existam estudos independientes que provam que a ingestao de mercúrio tem consequências perigosas para o corpo humano, as empresas farmacêuticas continuam a rejeitá-los e dizem que as quantidades de mercúrio nas vacinas são seguras para ser injetadas na corrente sanguínea. Entre as conseqüências derivadas da ingestao de mercúrio de acordo com um estudo Ruso de 1977 estao dano cerebral, necrose tubular e lesão do sistema nervoso, incluindo obnubilação, coma e morte. Os epidemiologistas Tom Verstraeten e Dr. Richard Johnston, pediatra e imunologista da Universidade do Colorado, concluíram que o timerosal foi responsável pelo aumento dramático nos casos de autismo, mas seus resultados foram demitidos pela CDC. Rússia proibiu o timerosal das vacinas das crianças em 1980. Dinamarca, Áustria, Japão, Grã-Bretanha e todos os países escandinavos também proibiram o preservativo.

Em 1948, Randolph Byers e Frederick Moll, da Harvard Medical School e da Federal Drug Administration, realizaram testes com vacinas DPT no Hospital Infantil de Boston e concluiram que graves problemas neurológicos poderiam seguir da administração de vacinas DPT. Os resultados dos ensaios foram publicados na revista Pediatria. Segundo o testemunho do secretário adjunto de Saúde, Edward Grant, Jr., diante de uma Comissão do Senado nos E.U. no dia 3 de maio de 1985, a cada ano, 35.000 crianças sofrem danos neurológicos relacionados com a vacina DTP. Uma figura ainda mais recentes sobre a reação à vacina DTP indica que 1 em cada 100 crianças reagem com convulsões ou colapso ou agudos e que uma em cada 3 destes, que é de 1 em cada 300 permanece permanentemente danificados . Para obter mais informações, leia o Treatise Alex Logia sobre “Vacinação”

Assim, mais uma vez, centenas de milhares, senão milhões de pessoas servirão como ratos de laboratório para testar uma vacina que provavelmente não funciona. Ambas as companhias farmacêuticas e agências de saúde ainda não sabem como fazer uma vacina que seguramente vai lutar contra o vírus sem prejudicar o público. Estima-se que cerca de 12.000 crianças nos E.U. serao injetados com mercúrio quando estes sejam vacinados contra a gripe H1N1. Os preparativos estão sendo feitos para a realização de campanhas de vacinação forçada, para inocular em massa milhões de pessoas em todo o mundo.

Então o que devemos fazer em relação a nova vacina? Nós certamente não podemos confiar no governo ou nas agências do governo que nunca conseguiram nos manter saudaveis com os seus produtos químicos e outras ameaças como fluoreto de sódio na água potavel. Na verdade, os governos patrocinam muitos dos programas que matam pessoas. Além disso, as empresas farmacêuticas estão imunes a uma ação judicial por parte dos consumidores pois os paises que usam as vacinas assinaram um documento que mantém as grandes empresas farmaceuticas livres de culpa se qualquer pessona fica doente o morre depois de ser vacinado.

Esteja ciente não há nenhuma lei ou qualquer mandato que obrigue voce a tomar vacinas. Portanto, nenhum servidor público ou privado, deve obrigar a tomar uma vacina ou um produto farmacêutico. Há renúncias que um pai pode usar para evitar tomar vacinas, o que também pode ser usado para impedir que os seus filhos sejam injetados na escola. A recomendação feita por muitos médicos, cientistas e enfermeiros que reconhecem os perigos das vacinas e mercúrio como um ingrediente em si é não tomar a vacina até que seja comprovado de forma independente que esta é segura. Outro passo que você pode tomar para manter-se e aos seus filhos a salvo de mercúrio e outras substâncias químicas contidas em vacinas e medicamentos, é melhorando as chances de se manter saudável, é o de melhorar o seu sistema imunológico com produtos naturais como o óleo de orégano, vitamina D3, água sem floreto de sódio assim como frutas e vegetais orgânicos.

Fontes de informacao:

Vacinas, Neurodesenvolvimento e Transtornos do Espectro do Autismohttp://web.mac.com/rblaylock/Russell_Blaylock_M.D./Articles/Entries/2008/3/12_Vaccines%2C_Neurodevelopment_and_Autism_Spectrum_Disorders.html

1. O objetivo de cada vacina H1N1 é Imunotoxicidade, neurotoxicidade e esterilidade
http://preventdisease.com/news/09/103009_vaccine_sterility_immunotoxicity_neurotoxicity.shtml

2. Novo estudo implica Mercúrio no desenvolvimento do autismo
http://stanford.wellsphere.com/autism-autism-spectrum-article/new-study-implicates-mercury-in-the-development-of-autism/202357

3. Vacinas, Autismo e Síndrome da Guerra do Golfo
http://www.rense.com/general67/vacc.htm

4. Washington Post: vacina contra gripe suína contém mercúrio
http://nationalexpositor.com/News/1603.html

5. CBS 60 Minutes: 1976 Propaganda para favorecer vacinacao contra gripe suína
http://www.youtube.com/watch?v=Ro1WL5ketWg

6. CBS K-EYE Mercúrio e bom para voce
http://www.youtube.com/watch?v=vZArebYZzdc

7. Crianças são ruins para o planeta?
http://www.sodahead.com/living/having-kids-is-bad-for-the-planet/question-249304/

8. Fatos científicos sobre Mercúrio
http://www.greenfacts.org/en/mercury/l-2/mercury-2.htm

9. Mercúrio, vacinas, autismo e a saúde do seu filho
http://www.naturalnews.com/011764.html

10. Painel cria lista de grupos para vacinar a populacao
http://www.washingtonpost.com/wp-dyn/content/article/2009/07/29/AR2009072903607_2.html?wpisrc=newsletter&wpisrc=newsletter&wpisrc=newsletter&sid=ST2009072903827

11. Wal-Mart quer ser centro de vacinacao
http://www.reuters.com/article/domesticNews/idUSTRE56T4I220090730

12. University of Alabama Implementa Programa de Vacinação Obrigatória
http://www.republicmedia.tv/index.php?option=com_content&view=article&id=3556:university-of-alabama-implements-mandatory-vaccination-program&catid=42:national-headlines&Itemid=53

13. Empresas que fabricam a vacina contra a gripe suína obtem imunidade
http://southeastern-massachusetts.injuryboard.com/fda-and-prescription-drugs/swine-flu-vaccine-makers-get-immunity-.aspx?googleid=267416

14. Experimentação médica nos humanos: A história chocante sobre a verdade da medicina moderna e psiquiatria (1833-1965)
http://www.naturalnews.com/019189.html

15. Associação Nacional de Autismo. O que provoca o autismo
http://www.nationalautismassociation.org/thimerosal.php

16. Boyd Haley comentários sobre o autismo e timerosal
http://adventuresinautism.blogspot.com/2008/03/boyd-haley-comments-on-thimerosal-and.html