“Protestos no Mundo Arabe Usados para Controlar Eurásia”

Tradução Luis Miranda
Russia Today
Novembro 1, 2011

O objetivo final dos EUA é pegar os recursos da África e do Oriente Médio sob o controle militar para bloquear o crescimento econômico da China e da Rússia, assumindo toda a Eurásia sob controle, diz o autor e historiador William F. Engdahl.

A crise na economia dos EUA e do sistema do dólar e a execução de política externa dos EUA sao uma parte da decomposição da estrutura da superpotência que foi construída após o fim da Segunda Guerra Mundial, afirma Engdahl.

“Ninguém em Washington está disposto a admiti-lo, como ninguém na Grã-Bretanha um século atrás admitiu que o Império Britânico estava em fase terminal”, diz o autor, observando que “Tudo isto está relacionado com a tentativa de manter a superpotência não só intactas, mas também estender sua influência sobre o resto do planeta. ”

William F. Engdahl acredita que os protestos no Oriente Médio e Norte da África é um primeiro plano anunciado por George W. Bush em uma reunião do G-8 em 2003 que foi chamado de “O Grande Projeto do Médio Oriente.”

Foi projetado que esta zona seria tomada sob o controle da “democratização” em todo o mundo islâmico desde o Afeganistão até o Irã, Paquistão e a área produtora de petróleo do Golfo Pérsico, Norte da África até Marrocos.

“A chamada primavera árabe tinha sido planejada, pré-organizada e usada pelos instigadores dos “protestos espontâneos ” e distúrbios do Twitter no Cairo e Túnis, e assim por diante”, insiste o historiador.

Engdahl explica que alguns dos líderes do protesto tinham sido treinados em Belgrado, na Sérvia, por ativistas do Center for Applied Non-Violent Actions and Strategies e o Otpor (um movimento de jovens que tiveram um papel importante na expulsão do ex-presidente Slobodan Milosevic da Sérvia. Ambas as organizações são financiadas pelo Departamento de Estado dos EE.UU.

Engdahl cita duas razões para o projeto que o Departamento de Estado tem no mundo islâmico.

A primeira razão é a grande riqueza nas mãos dos líderes do mundo árabe, os fundos soberanos e de recursos. A ordem do dia – como foi quando a União Soviética entrou em colapso em 1991 – é “a privatização do FMI, da economia de livre mercado e assim por diante, em favor dos bancos ocidentais e as instituições financeiras para entrar e tomar conta de todo. ”

“O segundo programa é militarizar o fornecimento de petróleo em lugares como a Líbia e a chamada República do Sul do Sudão, que estão diretamente e estrategicamente localizada no esquema de crescimento económico futuro na China”, disse Engdahl.

“Isso tem a ver com o controle da Eurásia, que Zbigniew Brzezinski falou em 1997, em seu famoso livro The Great Chessgame, especialmente no controle da Rússia e da China, e qualquer coesão potencial dos países da Eurásia econômica e politicamente” , diz ele.

E os resultados já estão aí – no Egito e na Tunísia a democracia trouxe uma economia fraca, enquanto a Líbia, o país com melhores padrões de vida em toda a África antes dos bombardeios da OTAN, está agora em ruínas.

A preocupação das potências ocidentais, especialmente o Pentágono, é com o controle militar da região em conflito, e não o restablecimiento normal, diz o historiador. A principal preocupação do governo fantoche da NTC é fornecer bases para NATO – algo nunca antes visto durante os 42 anos de governo do Gaddafi.

“O Africom [comando do Pentágono para a África] coordena a cena”, diz William F. Engdahl, notando que “curiosamente [AFRICOM] foi criado depois que a China lancou uma campanha de diplomacia em 2006, quando 40 chefes de nações Africanas foram convidados a Pequim, onde assinaram acordos para exploração de petróleo e construção de infra-estrutura, hospitais e assim por diante -, tudo o que o FMI não fez na África nos últimos 30 anos ”

É verdade que os EUA está agindo contra os interesses chineses e de segurança nacional, mas Pequim, que recebe cerca de US $ 300 bilhões anualmente, por meio do comércio, simplesmente tem que investir esse dinheiro em algum lugar, e como não existem grandes mercados para absorver o dinheiro – Beijing compra títulos do Tesouro U. S. – e patrocina as guerras americanas que, ironicamente, estao direcionadas contra os interesses chineses.

“Para os deuses do dinheiro” em Wall Street, a única chance de sobreviver e manter seus dólares agora é encontrar novas áreas onde robar. A primavera árabe é feita para controlar e privatizar a enorme riqueza do mundo árabe “, diz ele Engdahl.

Mas o futuro da área do euro também é escuro porque a crise financeira grega foi artificialmente criada em 2002 por Goldman Sachs. A origem do dinheiro, afirma Engdahl, mostra que “a crise grega foi programada para detonar na ordem de Wall Street, o Tesouro dos Estados Unidos e a Federal Reserve para proteger a moeda de reserva – o dólar EUA “.

Engdahl disse que os EUA está construindo cada vez mais bases em todo o mundo, incluindo as novas 17 bases, a maioria das bases para a Força Aérea no Afeganistão, que estão prontas para a guerra com a China ou a Rússia, provavelmente.

“Dada a história da Guerra Fria, a Rússia pode desempenhar um papel estabilizador e construtivo como um contrapeso à estratégia altamente perigosa no Grande Projeto do Médio Oriente patrocinado pela NATO e os EUA”, disse Engdahl. “Espero que eles fazam isso.”

 

 

G20: Os bancos devem manter o dinheiro para a crise que virá

O Sindicato do Crime Internacional, melhor conhecido como o G20, determinou na sua última reunião que o colapso e a consolidação da economia global começará por volta de 2012 e terminará em 2016 com a liquidação de todos os países que estejam em dívida com o FMI e o Banco Mundial.

Por Luis Miranda
The Real Agenda
Junho 29, 2010

Banqueiros e membros do G20 têm formas diretas e indiretas para falar com o público. No final da última reunião do G20 em

G10? Dez dos vinte representantes dos países industrializados dão uma caminhada entre reuniões.

Toronto, ambos os grupos falaram muito claramente sobre o que eles têm em mente para o futuro. Primeiro, eles estão interessados somente em ajudar o processo de consolidação global. Em segundo lugar, eles vão estender a depressão atual lentamente cortando o dinheiro disponível para empréstimos. Em terceiro lugar, eles vão continuar seus programas de austeridade nos países para matar lentamente as suas economias e consolidar cada um deles. Em quarto lugar, agora que eles roubaram os impostos do povo através dos seus pacotes de resgate, eles planejam roubar os acionistas, colocando o ónus do próximo resgate nas costas dos investidores. Em quinto lugar, hipócrita e irresponsavelmente, pensam que poupando 130 bilhoes de libras criarão uma garantia para a economia, dado que apenas a dívida do esquema de derivativos se conta nos quatrilhões de dólares. E, por último, eles pretendem cimentar a implosão final que, de acordo com seu comunicado, pode vir a partir de 2012.

Se tudo isto parece confuso, por favor, deixe-me explicar.

Vamos começar por lembrar que os G20 e, principalmente, os G8 foram os que causaram a atual crise financeira. Eles fizeram isso através de suas empresas de fachada, por exemplo, os bancos que implementaram uma série de esquemas de corrupção e falência das economias de países inteiros, através do investimento de risco e, às vezes, de produtos financeiros inexistentes. Estes esquemas foram executados depois de duas décadas onde a maioria das regras postas em prática para impedir fraudes financeiras foram eliminadas como uma desculpa para melhorar o “mercado livre”. O que a desregulamentação permitiu foi a criação de planos de investimento falsos que os bancos ofereceram mais tarde para países, estados e municípios, muitas vezes através dos governos e os usaram para adquirir todas as suas infra-estruturas e dinheiro através da emissão de dívida ou de investimentos.

Tornou-se claro que o G8 e os banqueiros não estão interessados em melhorar as atuais condições económicas. Eles simplesmente querem estender a crise, enquanto eles precisam, a fim de executar seu plano final de implosão global. Isso é o que emerge a partir da idéia de cortar o dinheiro de empréstimos e pedindo que os bancos acumulem o dinheiro para a próxima crise, como o comunicado do G20 diz. Embora 130 bilhoes de libras é uma ninharia em comparação com a dívida dos países do G8, a ação de manter o dinheiro em reserva é uma imagem clara do que os “líderes” têm em mente. O que eles querem é um processo lento e doloroso de destruição da economia a fim de causar a maior quantidade de dano possível. Essa política irá assegurar-lhes a consolidação de mais recursos, antes que seja dado o golpe final para a economia global.

Uma das ferramentas mais importantes que os banqueiros utilizaram ao longo dos últimos 100 anos foi criar uma bolha artificial de abundância de dinheiro -dinheiro sem respaldo- a fim de obter a confiança dos países e do público. Isto é o que muitos descrevem como os booms econômicos. Mas dado o fato de que a economia global é baseada em dívida e reservas fracionárias, o único objetivo que as bolhas têm é ligar a maior quantidade de consumidores com dívida e, em seguida, tirar o dinheiro do mercado. Ao fazer isso, os banqueiros aceleram o seu processo de consolidação. Juntamente com a redução dos empréstimos, os países do G8 concordaram em continuar os planos de austeridade em cada país. A austeridade será implantada sobre a classe trabalhadora através da redução de serviços como polícia, hospitais,financiamento das escolas e programas sociais. Isto, por sua vez, causará agitação civil, que é o que os banqueiros querem a fim de estabelecer oficialmente sua grade de controle militar e tecnológico. Uma prévia do que essa grade seria foi visto nas ruas de Toronto, durante a reunião do G20 do fim de semana passado. Também foi visto durante o colapso da Argentina em 2001.

Os infames pacotes de resgate glorificados pelo FMI e o Banco Mundial como a melhor maneira de evitar um colapso completo da economia global -que foi causado pelos próprios banqueiros- foram a maior transferência de dinheiro e recursos na história do mundo. Somente os Estados Unidos deram aos banqueiros cerca de 25 trilhões de dólares em dinheiro dos contribuintes para que Goldman Sachs, Iberia Bank,JP Morgan Chase, Bank of America e outros pudessem pagar aos seus accionistas a sua parte do esquema. Veja a lista completa dos bancos que receberam o dinheiro do resgate aqui. Mas só 25 trilhões de dólares não são suficientes, é claro. Alemanha, por exemplo, votou para dar 66% de sua receita anual para os bancos. Se nos guiarmos pelo comunicado do G20, é claro que eles estão planejando outro grande colapso, possivelmente, o último. Também é claro que eles terão que roubar alguém diferente desta vez. E é isso o que os banqueiros e os “líderes” disseram. Eles vão criar um outro pacote de resgate no qual os acionistas dos bancos terão que pagar a conta. Então se você tem investimentos em qualquer banco, é aconselhável salvar a si mesmo e tirar o dinheiro das contas antes de o novo pacote bancário chegar.  Descaradamente, eles dizem que vão obrigar os bancos a manter bilhões até a próxima crise chegar e os contribuintes não serão sobrecarregados. Eles acham que não sabemos que os milhares de dólares são os mesmos que roubaram em 2009. Agora que eles consolidaram e estabilizaram o seu sistema financeiro fraudulento, não importa se os outros bancos irão cair fora do seu esquema.

A idéia de que 130 bilhoes de libras é suficiente para ter uma rede de segurança para uma crise futura ou uma recessão dupla como eles gostam de chamá-la, é absurda. A dívida produzida pelos derivativos, dependendo a quem você perguntar, está entre 600 trilhoes e 1 quatrilhão de dólares. Segundo Robert Chapman, do theinternationalforecaster.com “comprar derivativos não é uma forma de investimento. É um jogo de seguros e apostas. Os derivativos não criam nada.” De acordo com o Bank of International Settlements, a bolha de derivativos tem crescido exponencialmente, até um ponto em que os montantes negociados ao abrigo deste esquema já ultrapassou em muito o PIB do mundo.”Operações de derivativos têm crescido exponencialmente, até agora, são maiores do que toda a economia global.” Os Credit defaultswaps (CDS) são a forma mais comum de derivativos. CDS são apostas entre duas partes, sobre se uma empresa poderá ou não retornar os investimentos nos seus títulos. Na verdade, são seguros ilegais, sem exigência de titularidade de qualquer ativo. Os CDS são usados para aumentar os lucros em jogos de mudanças no mercado.

rede de dívida em que a economia atual foi construída ao longo dos últimos 100 anos foi uma ferramenta em um processo para reverter tudo o que os seres humanos lograram. Não foi acidental, no entanto, pois este mecanismo foi planejado pelos banqueiros globalistas desde o início. Toda vez que o mundo viveu uma crise financeira como em 1929-1933, a consolidação e o aumento no controle dos banqueiros ficou cada vez maior. As medidas para evitar um colapso total, como nos foi dito, não foram suficientes nem tinham esse como objetivo real. Eles eram simplesmente maneiras de adiar o colapso iminente. As medidas implementadas pelos banqueiros não podem ser usadas para sempre. Alguma coisa ia falhar mais cedo ou mais. “Este esquema levado passo a passo, é uma abordagem não-holística da Fed e do Tesouro para a gestão de crises mas tem sido um fracasso. . . . arrastar e preencher um buraco no [tempo] é inútil quando todo o sistema de impostos está em colapso em meio à tempestade financeira perfeita. Uma abordagem muito mais radical, holística e sistêmica para a gestão de crises é agora necessária “, diz o professor Nouriel Roubini, fundador do Roubini Global Economics.

Depois de tornar a economia global em um sistema baseado em serviços, onde nenhum produto de qualidade é fabricado, dirigindo os países em desenvolvimento a uma dívida enorme, enquanto se colapsam as economias do mundo ocidental, os banqueiros estão prontos para a sua última jogada: a última crise. De acordo com o comunicado do G20, seus membros devem reduzir os seus déficits até 2013, um processo que já começou. Este processo deve terminar em 2016, quando os países devem ter estabilizado os seus déficits. Diminuindo e, em seguida, estabilizando os déficits significa que os países devedores terão que encontrar uma maneira de pagar suas dívidas na íntegra ao FMI e ao Banco Mundial, de acordo com as condições impostas por essas entidades. Cada país que não pagar na íntegra será liquidado e seus recursos serão transferidos automaticamente para os banqueiros globalistas. Imagine o que aconteceu com Argentina, Grécia e Islândia na última década, mas em vez de serem esses países, os devedores serão os Estados Unidos, Espanha, Portugal, Inglaterra e Alemanha.

Pacote de resgate para a Europa pode destruir economia mundial

Por Luis R. Miranda

Uma cláusula secreta no acordo de resgate europeu de um trilhão de dólares vai garantir a criação de mais dívidas na Europa, a deterioração da economia global dizimando os Estados-nação e permitindo que mais poder seja dado aos organismos supranacionais.

Como publicou o Financial Times, o principal jornal alemão Bild afirma que obteve uma cópia do acordo de socorro financeiro e vai “expor” uma série de cláusulas secretas.

A maioria dessas cláusulas dizem que se um país se considera incapaz de coletar fundos para o resgate e as taxas de juros da carga de 5 por cento concordado no caso da Grécia, pode optar por sair do plano de resgate financeiro completamente, deixando o resto dos estados da área do euro a pagar a diferença.

Se isso acontecer, o plano poderia resultar em um efeito dominó, como o repórter do London Telegraph, Ambrose Evans-Pritchard, explica:

BNP Paribas disse que iria rapidamente se transformar em uma crise sistêmica se a Espanha estivesse nessa posição, por exemplo, porque outros países não podem aguentar a carga crescente. O banco avisou que o projeto para salvar o euro pode começar a desintegrar-se rapidamente se estas cláusulas de emergência forem postas à prova.

Como o analista financeiro Tyler Durden do Zero Hedge explica, isso significa más notícias para os contribuintes da U.E porque a U.E é essencialmente usada como um motor para a consolidação global:

Portugal, Espanha e Itália são arrastados pelos guardas das elites na sua participação na recuperação de $ 1 bilhão para prevenir o colapso. E quando isso acontece, o custo total do resgate será financiado pelo país mais rico do FMI, os Estados Unidos.

Obviamente, o incentivo para explodir os custos dos empréstimos são enormes no presente acordo e a Alemanha e os E.U. não têm escolha a não ser salvar todos os dominós que caiam.

A cláusula secreta essencialmente cria um incentivo para que os países da zona euro mais débiles explorem suas dívidas – o acordo cria um risco moral muito grande.

Tyler Durden novamente:

… O benefício para o primeiro desertor é muito maior do que qualquer outro problema e o último ficaria com o saco vazio no que basicamente se tornaria num dos maiores resgates de toda a Europa. Muitos se perguntam como pode ser que pessoas inteligentes concordem com um pacote de salvamento da Grécia, no que a Grécia tem para contribuir com sua própria salvação. Agora sabemos que este foi o truque que os banqueiros tinham planejado desde o começo.

Como foi exposto, no coração da centralização em curso das economias nacionais existe uma propagação viral de caos econômico por meio do qual o mais poderoso pode consolidar seu controle sobre o mundo.

A super-elite está, essencialmente, desviando a riqueza de cada nação soberana que pode colocar em suas mãos, deixando os povos dessas nações para salvar o seu país através dos seus governos eleitos enquanto, lentamente, drenam tudo o que eles têm.

A exposição e a compreensão deste programa e o que ele significa para as massas é fundamental, porque enquanto as pessoas permitam que os seus governos operem neste sistema sob a ilusão de que eles estão trabalhando para algum tipo de harmonização utópica, quando a realidade é tudo contrário; as coisas só pioram.

…Y ahora Por Un Banco y Una Moneda Global

Por Luis R. Miranda
The Real Agenda
Mayo 18, 2010

Desde que era niño he oído sobre la posibilidad de una moneda mundial. En aquel entonces nadie a mi alrededor supo explicar cómo surgiría y quién la controlaría. La respuesta a estas preguntas ya están claras. Dominic Strauss-Kahn, respondió a mis preguntas de infancia. Una moneda mundial administrada por un banco central global. El jefe del FMI dijo que esto era necesario en Zürich, Suiza, durante una reunión en la que confirmó su opinión de que esta crisis “es una oportunidad”.

Según Kahn, el Fondo Monetario Internacional y el Banco Internacional de Divisas serían una cosa de último recurso, en los casos en que la economía mundial cayera en ruinas. Kahn dijo que la nueva moneda sería un “activo libre de riesgo para el sistema independiente de las monedas nacionales”, y que un “banco central mundial también podría servir como un prestamista de última instancia”. Qué inteligente del Sr. Kahn! El problema es que estas ideas no son nuevas y no son suyas. La creació de un organismo financiero mundial ha estado en formación durante décadas.

La idea de un organismo mundial que controle la emisión de moneda y de toda la política financiera se creó antes que las Naciones Unidas, la Liga de Naciones y la Unión Europea. Este principio de concentrar el poder y la política fue originalmente concebido para amasar control con la excusa de que evitaría la corrupción económica y el desastre. Sin embargo, no pasó mucho tiempo para descubrir que es exactamente lo contrario. Así como la creación de la Liga de Naciones, las Naciones Unidas y la Unión Europea no puso fin a las guerras, la inestabilidad económica tampoco acabará con la creación de una organización supranacional. De hecho, lo perpetuarán.

Echemos un vistazo a los acontecimientos pasados. Desde que las Naciones Unidas nació, hemos experimentado conflictos en todos los continentes. Esos conflictos no fueron las obras de países contra países, sino la desestabilización llevada a cabo con grupos de delincuentes patrocinados por gobiernos o por organismos de inteligencia. Mossad, el MI6, la CIA, los talibanes y el IRA son sólo algunos ejemplos. Guerras patrocinadas por países son cosa del pasado, y en sus cartas de intención, los países que impulsaron la creación de la Liga de Naciones y la ONU sabían que no serían necesarias como una herramienta, ya que ellos también controlan las organizaciones terroristas que harían el trabajo para ellos.

En el mundo de la economía y las finanzas, los imperios, o los países que aspiran a convertirse en imperios también tienen sus herramientas para llevar a cabo terrorismo económico y financiero. Las corporaciones que inicialmente operaban fuera del gobierno contrataron entidades financieras para llevar a cabo sus actividades fraudulentas. A continuación, las Corporaciones se convirtieron en el gobierno y entonces fue más fácil llevar a sus operaciones de terrorismo financiero. Las corporaciones multinacionales de Banca establecieron un nuevo orden controlado por ellos mismos, acabaron con la supervisión gubernamental y crearon las políticas que efectivamente los convirtieron en los amos de la economía mundial.

Así, los banqueros no necesitaban de Al-Qaeda, el MI6, el Mossad o la CIA para poner al mundo de rodillas. Ese objetivo se podría lograr a través de Wall Street, el FMI y el Banco Internacionales de Divisas. La creación de bloques regionales para promover el comercio y el intercambio fue una excusa para consolidar el poder y los recursos. Esta idea más tarde se probó a nivel mundial, promoviendo la creación de una entidad financiera global que controlará la emisión de dinero y las condiciones en que se prestáse ese dinero.

¿Cuáles fueron los resultados de la concentración de la política financiera y económica en Europa? Los estamos viendo ahora. Islandia, Grecia y ahora España, Portugal e Inglaterra están en ruinas. ¿Por qué? Debido a que la homogeneización financiera no está destinada a promover economías estables y políticas económicas saludables, sino para reforzar los controles y llevar a cabo políticas que permitan a los banqueros consolidar aún más. El objetivo de los banqueros nunca ha sido contar con una economía estable, con una política monetaria sólida, ya que en ese tipo de mundo ellos tienen menos control y la riqueza no se concentra en sus manos.

Echemos un vistazo a otro ejemplo nos ofrece la historia: La creación y adopción de políticas globalistas como los acuerdos de libre comercio. NAFTA, CAFTA, GATT por mencionar algunos, fueron las tropas sobre el terreno para los banqueros. El fin del mundo industrial, el fin del capitalismo -ya que trabajó con éxito durante algún tiempo-, dio paso a la apertura de las fronteras para el flujo de productos tóxicos baratos y de inmigrantes ilegales. Los acuerdos de libre comercio no sólo destruyeron la industria, sino también aniquilaron la red de seguridad social en las naciones del mundo occidental. Mientras que los dineros de las ciudades y pueblos fueron robados y usados para invertir en productos financieros imaginarios, los extranjeros ilegales exprimieron los servicios sociales básicos -ya debilitados- en todas las naciones de las Américas y Europa.

Hoy en día, los políticos más influyentes y las estrellas de la cultura pop  justifican la falta de respeto hacia las naciones, sus constituciones y leyes al permitir que no sólo los acuerdos de libre comercio, pero el continuo flujo de inmigrantes ilegales a través de todos los lugares posibles en las fronteras. Hacer cumplir leyes de inmigración y la constitución es visto como racista y los que proponen la inmigración legal son etiquetados como injustos, inhumanos y simplemente locos. Este es exactamente el resultado que los globalistas bancarios esperaban. Dividir y conquistar nunca ha tenido mejores resultados. Las políticas de inmigración, son definitivamente radicales en un mundo donde todos inconscientemente creen que las fronteras abiertas son lo normal y los artículos baratos hechos por esclavos en Asia y América Latina son lo mejor por su precio.

Ahora que hemos dado una mirada hacia atrás, vamos a echar una mirada hacia adelante.¿Cómo sería un mundo con más concentración de poder y el control en manos de los responsables de la actual crisis? Seamos optimistas y digamos que no podría ser peor; ciertamente no será mejor. La centralización del poder y del gobierno a nivel regional es lo que causó el lío en que estamos en este momento, la centralización en manos de los que financiaron a Hitler, Mao, Stalin, Noriega, Pinochet, Saddam Hussein y que ahora controlan las finanzas y los gobiernos de los Estados Unidos, Gran Bretaña, Asia y África, hará que el mundo gire aún más fuera de control. Para su beneficio, por supuesto. La historia no miente, ¿verdad?

Aquellos que prometieron el fin de las guerras, sólo trajeron más, y los que prometieron la estabilidad financiera sólo crearon más desigualdad, pobreza y miseria. ¿Confiaría las llaves de su casa al ladrón que está fuera de su propiedad para que cuide de ella? Usted no lo haría. Usted no debería. En las próximas elecciones, donde viva donde viva, vote por usted y vote a los ladrones fuera del gobierno. Esa es la única manera de derrotar su agenda de conquista y esclavitud. Muchas personas ya están trabajando activamente para poner fin a la tiranía mundial que crearon hace décadas, por lo que usted no está solo.

Ahora, basta de charla! Vamos a actuar! Abajo aparece una lista de algunas de las empresas que en forma fraudulenta están a cargo del mundo de hoy. Estoy esperando que usted les niegue el privilegio de dirigir su vida. Deje de usar, comprar o de cualquier manera consumir sus productos. Vamos a utilizar su globalismo en su contra. Un boicot global de sus productos baratos, tóxicos y fraudulentos será el primer paso.

Disney                              Adidas                         Time Warner                  IBM

Merck                              Napa                              Holiday Inn                    ACE

Old Navy                        Ford                              Seven Eleven                  USPS

Comcast                         Chevrolet                    Citgo                                  VISA

CNN                                 Dyncorp                       Pepsi                                  Chevron

Coca Cola                      True Value                   Kraft                                  Chrysler

Exxon Mobile             General Electric         Starbucks                        Westinghouse

Taco Bell                       Wells Fargo                  America Online             KFC

NBC Universal            American Airlines    Royal Dutch Shell         Bank of America

CBS                                  The Carlyle Group    GAP                                     Master Card

Master Card                Stop&Shop                   HBO                                     ABC

Nike                               Wal Mart                       Jiffy Lube                          JP Morgan

GM                                 Volkswagen                 Fox News Channel        Monsanto

Du Pont                        NASA                             Pizza Hut                           Syngenta

Microsoft                    Mc Donald’s                 Home Depot                    Safe Way

Burger King               Sony                                Dodge                                Intel

Staples                         Verizon                          Toro                                  John Deere

Firestone                    Bechtel                           MSNBC                             Goodyear

Amoco                        AT&T                               Mitsubishi                       Nestle

Sugiera el nombre de más corporaciones a través de la sección de comentarios.  También, responda a nuestra encuesta sobre las corporaciones y su control sobre los gobiernos.