Operadores de Scanners de Aeroportos sofrem de Câncer

Por Luis R. Miranda
The Real Agenda
28 de junho de 2011

Levou apenas alguns anos para que as conseqüências da exposição continuada à radiação do scanners foram reveladas. Os operadores de scanner aos que muitos passageiros estão sujeitos antes de embarcar um avião, encontraram flocos cancerígenos em seus corpos após apenas uma década ou menos de trabalhar com estas máquinas. A descoberta dessas informações foi realizada após que o Centro de Informação para a Privacidade Eletrônica publicou documentos mostrando como os trabalhadores do aeroporto estavam doentes com câncer, problemas cardíacos e tinham sofrido derrames. Estes documentos foram obtidos através de um pedido sub a Ley de Liberdade de Informação.

Em vez de fornecer os trabalhadores com assistência médica adequada e realizado avaliações das máquinas para verificar sua segurança, a Agência de Segurança Aeroportuaria (TSA), tentou manter o assunto em segredo para evitar uma oposição ainda maior contra os scanners instalados em muitos aeroportos os EUA e do mundo. A proximidade e a exposição continua à radiação causaram as doenças em vários operadores que operam os scanners desde 2003, fazendo com que, hoje, sofram problemas de saúde irreversíveis.

Mesmo quando os funcionários e supervisores freqüentemente pediram medidores de radiação para avaliar realisticamente a quantidade de radiação à que eles estavam expostos, o TSA não atendeu as solicitações. Alem disso, a TSA não tinha avaliado os scanners para determinar a segurança ou insegurança deles. Embora a secretária de Segurança Nacional, Janet Napolitano, disse várias vezes que as máquinas eram seguras, a verdade é que um estudo citado pela TSA e Segurança Nacional era falso. O estudo de acordo com Napolitano havia sido feito pelo Instituto Nacional de Padrões e Tecnologia (NIST), mas este nunca ocorreu. NIST lançou recentemente uma aclaração e disse que o Instituto Nacional de Padrões e Tecnologia nunca realizou testes de segurança em scanners de corpo inteiro.

Aparentemente, o alarme sobre o câncer começou quando um diretor federal de segurança em Boston Logan International Airport, disse que estavam preocupados sobre o número de trabalhadores com diagnóstico de câncer. Em um e-mail com o assunto: “O câncer de Boston + Riscos de Radiação para a Saúde e preocupações de segurança”, o diretor mais uma vez implorou para receber os dispositivos de monitoramento radiológico que havia solicitado em várias ocasiões. No mesmo e-mail sublinha a sua preocupação e a de muitos outros trabalhadores sobre “o número de operadores diagnosticado com câncer” e “a preocupação nossa que TSA tem monitorado erradamente a ameaça que eles enfrentam a os operadores e os trabalhadores que monitoram a bagagem dos passageiros. ”

Alguns trabalhadores da TSA estavam preocupados com a exposição à radiação nos últimos meses, alegando que o TSA em si não tinha compartilhado as suas conclusões sobre a segurança de exposição à radiação. De acordo com Infowars.com o Dr. David Brenner, da Universidade Columbia descobriu que “os scanners corporais provavelmente conduzirám a um aumento de um tipo comum de câncer de pele chamado carcinoma basocelular, que afeta a cabeça e pescoço. ” Além disso, Dr. Michael Love, do Departamento de Biofísica e Química Biofísica da Universidade Johns Hopkins, disse publicamente que “estatísticamente alguém vai ter câncer de pele da radiação emitida por essas máquinas. ”

“Não há realmente nenhuma outra tecnologia que podemos usar com raios-X que não contamine um grande número de pessoas. É realmente sem precedentes no mundo da radiação “, diz Brenner. Enquanto os cientistas e a mídia alternativa alertaram sobre os perigos dos scanners, o governo dos EUA diz que as máquinas eram seguras.

Muitos professores de ciências e outros cientistas alertaram o governo sobre a pouca ou nenhuma pesquisa existe sobre a segurança dos scanners. Alguns sugeriram que deveria haver formas de alcançar os mesmos objetivos que o governo tinha, sem prejuízo para os trabalhadores e passageiros. “Ainda não há dados concretos, claros, para determinar a segurança dos scanners utilizados nos aeroportos”, disse um grupo de professores da Universidade da Califórnia, observando que os testes só foram feitos pelos fabricantes dos scanners.

Vale lembrar que a mesma tecnologia está sendo implantada pelos governos e suas agências de segurança nacional em lugares como estádios, postos de controle, e, em tamanhos menores nos tribunais, shoppings e até mesmo algumas escolas.