U.S. Homeland Security Department approves ‘Suspicionless’ Seizure of Electronics

By DAVID KRAVETS | WIRED | FEBRUARY 11, 2013

The Department of Homeland Security’s civil rights watchdog has concluded that travelers along the nation’s borders may have their electronics seized and the contents of those devices examined for any reason whatsoever — all in the name of national security.

The DHS, which secures the nation’s border, in 2009 announced that it would conduct a “Civil Liberties Impact Assessment” of its suspicionless search-and-seizure policy pertaining to electronic devices “within 120 days.” More than three years later, the DHS office of Civil Rights and Civil Liberties published a two-page executive summary of its findings.

“We also conclude that imposing a requirement that officers have reasonable suspicion in order to conduct a border search of an electronic device would be operationally harmful without concomitant civil rights/civil liberties benefits,” the executive summary said.

The memo highlights the friction between today’s reality that electronic devices have become virtual extensions of ourselves housing everything from e-mail to instant-message chats to photos and our papers and effects — juxtaposed against the government’s stated quest for national security.

FULL ARTICLE →

 

Darpa trabalha na próxima geração de scanners para aeroportos

Os novos scanners substituirão os defeituosos, inúteis e perigosos scanners corporais nos que os governos gastaram milhões de dólares.

POR LUIS MIRANDA | THE REAL AGENDA | 8 SETEMBRO 2012

Quanto tempo levou? Hmmm … … Vamos ver … cinco anos para que o Departamento de Segurança Interna (DHS), o principal impulsionador dos scanners de corpo inteiro, admitisse que o seu brinquedo favorito é uma peça defeituosa, inútil e perigosa. Muitos de nós já sabíamos há algum tempo, é claro, e eles também. A imprecisão, a falta de eficácia e as consequências adversas para a saúde do uso de scanners de corpo inteiro foi demonstrado muitas vezes antes, mas o DHS esperou até que não podia mais esconder a fraude, para mostrar um leve interesse em “melhorar” a tecnologia.

Como relatado anteriormente, aqueles que têm mais a perder devido à adoção de scanners de corpo inteiro são os seus operadores, que têm ficado gravemente doentes depois de trabalhar em torno dos scanners por 5 ou 10 anos. Em nosso artigo de 28 de junho de 2011, foi revelado como muitos operadores de scanner de corpo inteiro, de repente começaram a descobrir vários tumores cancerígenos em seus corpos. Naquele momento, o Centro de Informação de Privacidade Eletrônica obteve documentos que mostram como os trabalhadores da Administração de Segurança de Transporte ficaram doentes com câncer, doença cardíaca e vascular cerebral após ser exposto à radiação de scanners.

Este fato foi negado pelo DHS e TSA, da mesma forma que negam a ineficácia dos scanners para detectar objetos escondidos. O perigo de se tornar doente devido à radiação, em conjunto com a explícita violação da privacidade e da incapacidade demonstrada dos scanners para detectar objetos colados a um corpo humano, reforçou as chamadas das  organizações de direitos humanos para acabar com o uso de scanners assim como a presença de trabalhadores da TSA em postos de controle inconstitucionais nos aeroportos.

Como na maioria dos casos de fraude do governo, o DHS solicitou nova tecnologia para realizar buscas e apreensões ilegais de bens pessoais em 180 aeroportos em todo os Estados Unidos. Parece que mais de 700 scanners de corpo inteiro simplesmente não estão fazendo o trabalho como deveriam. O DHS já solicitou a DARPA pesquisar e criar uma nova geração de sistemas de imagens que são menores, mais precisos e menos propensos a ser adulterados.

Como muitos leitores devem se lembrar, o DHS jurou que as imagens dos passageiros não eram armazenadas após a conclusão de uma análise, mas o público mais tarde soube que os scanners realmente gravam imagens em computadores que estão conectados a eles. Trabalhadores da TSA foram descobertos usando imagens para fazer piadas sobre os passageiros. Mas as imagens não são apenas armazenadas. Os scanners sao equipados com a tecnologia para enviar imagens para um banco de dados. Na verdade, a TSA forçou os fabricantes a produzir scanners que tivessem a capacidade de armazenar e transmitir imagens.

Algumas semanas atrás, o DHS e DARPA anunciaram que os novos scanners terão dois objetivos principais. Primeiro, o que eles chamaram de “melhoria no uso do tempo na medição de pressão.” De acordo com as duas organizações, este aspecto será melhorado para poder recolher as imagens. Os scanners também serao mais leves e terão uma capacidade de detecção mais exata e confiável, eles disseram. Isso é como dizer, “Vamos violar os direitos de privacidade de maneira um pouco mais confortável.”

“A pesquisa busca usar novas formas de identificar os passageiros que agora usam os aparelhos convencionais de raios-X e sistemas de dupla projeção de energia Multi View”, explicaram.

O segundo objectivo consiste em tornar os chips de memória menos susceptíveis de ser adulterado. Os chips devem ter níveis elevados de funcionalidade a um custo inferior, enquanto consomem menos energia e são mais fiáveis. Isto significa que os viajantes serão despojados de seus direitos constitucionais com tecnologia que funciona em harmonia com a natureza. Os scanners devem ter “alta resistência ao desgaste.”

A chegada dos scanners de corpo inteiro veio depois que um suposto terrorista tentou detonar uma bomba — o famoso bombardeiro da cueca — em um avião para Detroit, Michigan. Este suposto plano terrorista era falso e por muitos considerado um evento de bandeira falsa para justificar a adoção dos scanners. Na verdade, o suposto terrorista foi mais tarde identificado como agente duplo da CIA, que foi assistido ao abordar o avião, mesmo sem ter seu passaporte. Kurt Haskell e sua esposa, que foram testemunhas a bordo do voo 253 da Northwest Airlines viram como Umar Farouk Abdulmutallab embarcou em Amsterdã.

Sobre o uso indiscriminado de scanners, a ACLU disse que as máquinas produzem “imagens notavelmente gráficas dos corpos dos passageiros, essencialmente tirando uma foto nua da pessoa.” Tanto o DHS quanto o TSA ignoraram perguntas sobre privacidade e segurança. Como muitos leitores sabem, os scanners de raios-X de retroespalhamento literalmente realizam uma “gravação virtual nua”, que só se justifica pela Constituição se os oficiais tem causa provável.

Tanto o DHS quanto DARPA se reunirão em 18 de setembro para discutir detalhes da próxima geração de scanners. A nova estratégia vai incluir tanto o registro ilegal de passageiros, bem como uma nova maneira de rastrear bagagens. Para este fim, a DARPA apresentará o seu programa de Medição de Informação Compresionada, um sistema criado “para obter mais informações dos passageiros.”

Darpa trabaja en la próxima generación de escáneres de aeropuerto

Substituirán defectuosos, inútiles y peligrosos escáneres de cuerpo en la que los gobiernos gastaron millones de dólares.

POR LUIS MIRANDA | THE REAL AGENDA | 8 SEPTIEMBRE 2012

¿Tomó cuánto tiempo? … Hmmm … A ver … 5 años para que el Departamento de Seguridad Nacional de los EE.UU.(DHS), el impulsor principal de los escáneres de cuerpo completo, admitiera que su juguete preferido es una pieza defectuosa, inútil y peligrosa. Muchos de nosotros ya lo sabíamos desde hace un tiempo, por supuesto, y ellos también. La inexactitud, falta de efectividad y las consecuencias negativas para la salud del uso de los escáneres corporales se ha demostrado en múltiples ocasiones antes, pero el DHS esperó hasta que ya no podía ocultar el fraude, para mostrar un leve interés por “mejorar” la tecnología.

Como se informó anteriormente, las personas con más que perder debido a la adopción de los escáneres de cuerpo completo son sus operadores, que se han enfermado seriamente después de trabajar en torno a los escáneres por 5 o 10 años. En nuestro artículo del 28 de junio de 2011, se dio a conocer como numerosos operadores de escáner de cuerpo entero de repente comenzaron a descubrir múltiples tumores cancerosos en sus cuerpos. En aquel entonces, el Centro de Información sobre Privacidad Electrónica obtuvo documentos que muestran cómo los trabajadores de la Administración de Seguridad en el Transporte se enfermaron de cáncer, enfermedades del corazón y derrame cerebral después de haber sido expuestos a la radiación de los escáneres.

Este hecho fue negado por el DHS y la TSA de la misma manera que niegan la ineficacia de los escáneres para detectar lo que estaban destinados a encontrar. El peligro de enfermarse debido a la radiación, junto con la violación explícita de la privacidad y la incapacidad demostrada de los escáneres para detectar objetos adheridos a un cuerpo humano, reforzó las llamadas de las organizaciones de derechos humanos para poner fin al uso de los escáneres así como la presencia de trabajadores de la TSA en puestos de control inconstitucionales en los aeropuertos.

Al igual que en la mayoría de los casos de fraude gubernamental, el DHS solicitó nueva tecnología para llevar a cabo los registros e incautaciones ilegales de pertenencias personales en 180 aeropuertos de todo Estados Unidos. Parece que los más de 700 escáneres de cuerpo entero simplemente no están haciendo el trabajo como se quiere. El DHS ya ha solicitado a DARPA investigar y crear una nueva generación de generadores de imágenes que son más pequeños, más precisos y menos vulnerables a ser adulterados.

Como muchos lectores recuerdan, DHS juró que las imágenes de los pasajeros no se almacenaban después de completar un análisis, pero el público se enteró más tarde de que los escáneres de hecho graban las imágenes en las computadoras que estaban conectadas a ellos. Trabajadores de la TSA fueron descubiertos utilizando las imágenes para hacer bromas a los pasajeros o mirar las partes íntimas de cualquier persona. Pero no sólo los escáneres almacenan las imágenes, también se ajustaron con la tecnología necesaria para enviar las imágenes a una base de datos. De hecho, la TSA ha obligó a los fabricantes para que produjeran escáneres que tuvieran la capacidad de almacenar y transmitir imágenes.

El lunes pasado, el DHS y DARPA anunciaron que los nuevos escáneres tendrán buscarán lograr dos objetivos principales. En primer lugar, lo que definieron como “tiempo real de utilización de técnicas de medición de presión.” De acuerdo con ambas entidades, este aspecto será para mejorar la recopilación de imágenes. Los escáneres también serán menos pesados y tendrán una capacidad de detección más precisa y fiable, dijeron. Eso es como decir: ‘vamos a hacer que la violación de la privacidad y los derechos constitucionales sea un poco más cómodo’.

“La investigación busca identificar nuevas formas de identificación de los pasajeros, que las convencionales que se emplean en sistemas de rayos X y escaneos de doble proyección de energía tipo doble Multi-View “, explicaron.

El segundo objetivo es hacer que los chips de memoria sean menos propensos a ser adulterados. Los chips deben tener altos niveles de funcionalidad a un coste inferior, mientras que consume menos energía y tienen más fiabilidad. Eso significa que los viajeros a ser despojados de sus derechos constitucionales serán víctimas de tal abuso con tecnología en armonía con la naturaleza. Los escáneres deben tener “alta resistencia al desgaste”.

La llegada de los escáneres de cuerpo completo se produjo después de que un supuesto terrorista intentó detonar una bomba — el famoso bombardero de ropa interior — en un avión que iba a Detroit, Michigan. Esta presunta conspiración terrorista era falsa y por muchos considerada en evento terrorista de falsa bandera para ayudar a impulsar la adopción de los escáneres. De hecho, el atacante fue identificado más tarde como un doble agente de la CIA, quien fue ayudado a subir al avión sin tener ni siquiera un pasaporte. Kurt Haskell y su esposa, quienes fueron testigos a bordo del vuelo 253 de Northwest Airlines, vieron a Umar Farouk Abdulmutallab en la puerta de embarque en Amsterdam.

En cuanto al uso de los escáneres indiscriminadamente, la ACLU dijo que las máquinas producen “imágenes sorprendentemente gráficas de los cuerpos de los pasajeros, esencialmente tomando una foto desnuda.” Tanto el DHS como la TSA ignoraron las preguntas sobre la privacidad y la seguridad. Como muchos lectores saben, la retrodispersión de rayos X de los escáneres, literalmente, llevar a cabo un “registro virtual al desnudo”, que sólo es justificada por la Constitución si los agentes tienen una causa probable.

Tanto el DHS como DARPA se reunirán el 18 de septiembre para discutir detalles sobre la próxima generación de escáneres. La nueva estrategia incluirá tanto el registro de los pasajeros, así como una nueva forma de registrar equipajes. Para ello, se espera que DARPA presente su programa de Medición Compresionada de Información, un sistema creado “para obtener aún más información de los pasajeros.”

Avisam sobre Evento de Falsa Bandeira para reeleger Obama

POR LUIS MIRANDA | THE REAL AGENDA | 3 SETEMBRO 2012

Douglas J. Hagmann, fundador da Rede de Inteligência do Nordeste apareceu no programa de Alex Jones semana passada e disse que a sua fonte, que trabalha no Departamento de Segurança Interna, avisou sobre a possibilidade de um evento de falsa bandeira no outono. Segundo Hagmann, ele tem uma comunicação permanente com esta fonte, que falou sobre os planos do governo e grupos afiliados para a realização de um evento de falsa bandeira, a fim de manter Barack Obama no cargo.

Quando Jones perguntou se a origem desta informação pode ser questionável, ou uma operação psicológica para ver a reação do público, Hagmann disse que poderia ser uma possibilidade, porque os governos usam essa técnica o tempo todo. Mas ele acrescentou que ele conhece sua fonte há pelo menos 25 anos e confiar no que ele diz, especialmente quando a fonte diz que a luz verde foi dada para realizar um evento de falsa bandeira para garantir a reeleição de Barack Obama.

A ocorrência de um grande evento “já foi aprovada”, disse Hagmann. Hagmann é um investigador que trabalha com a polícia e tem muitas fontes dentro do Departamento de Segurança Interna. A revelação feita por Hagmann vem em um momento em que muitas agências do governo tem comprado mais de um bilhão de balas de ponta oca, um número astronomicamente alto nunca antes comprado em um período tao curto. Ao mesmo tempo, relata sobre a forma como o governo dos EUA tem mobilizado grandes quantidades de equipamentos militares ​​em todo o país, como se estivesse se preparando para um evento importante e a revelação de que comandos russos e chineses tem estado infiltrando os Estados Unidos, desde o Canadá, tem alarmado a mídia alternativa, enquanto a mídia tradicional continua ignorando todos estes fatos.

Quando perguntado sobre a natureza do ataque de falsa bandeira, Hagmann disse que teria um impacto económico, social e racial. A fonte de Hagmann é conhecida como “Rosebud”, e ele ou ela tem acesso a altos níveis de gestão do DHS. “Os planos que temos em vigor foram aprovados nos mais altos níveis da Casa Branca”, disse Hagmann. “Estas são as ordens, os planos para eventos encenados orquestrados desde a Casa Branca, em coordenação com Janet Napolitano.”

Segundo Hagmann, o evento busca reunir apoio para o presidente Barack Obama, que parece estar atrás de Mitt Romney em popularidade. Na semana passada, um juiz do Texas em Lubbock County, disse que se Obama fosse reeleito, uma guerra civil iria começar em os EUA. Ele alertou que Obama pretende entregar a soberania do país as Nações Unidas. “O que vai dar quando isso aconteça?”, perguntou o juiz. “Eu estou pensando o pior. Guerra civil, desobediência civil, talvez. Agora, o que vai acontecer se fizermos isso, se as pessoas decidirem fazer isso?”

Já em 2010, o ex-conselheiro de Bill Clinton, Mark Penn, apareceu em Hardball de MSNBC e sem rodeios sugeriu que apenas um ataque como o de Oklahoma City iria garantir a reeleição de Obama em 2012. “Lembre-se que o presidente Clinton recuperou o apoio da população devido ao ataque de Oklahoma, disse Penn. “E o presidente agora parece retirado. Não foi até o seu discurso [após o ataque] que [Clinton] realmente clicou com o público americano. Obama precisa de um momento semelhante. ‘

Outro ex-conselheiro do presidente Bill Clinton, Robert Shapiro emitiu uma declaração similar sobre as chances de Obama de sobreviver seu primeiro mandato. Ele escreveu no Financial Times que apenas um evento como o de Oklahoma ou 9/11 poderia dar a Barack Obama a chance de provar que ele é um líder forte. “O ponto aqui é que os americanos não acreditam na liderança do presidente Obama”, disse Shapiro, acrescentando: “Ele tem que encontrar alguma maneira entre agora e novembro de demonstrar que ele é um líder que pode comandar a confiança e, a menos que um evento como o 9/11 aconteca, eu não consigo pensar em como ele poderia fazer isso. ‘

“Eles têm um par de planos de acordo com a minha fonte, e mudaram esses planos de acordo com os acontecimentos … tem planos de contingência em planos de contingência”, disse Hagmann. Sua fonte acrescentou ainda que, independentemente de como o evento de falsa bandeira aconteça, o mesmo vai polarizar ainda mais a sociedade americana, que é o que o governo Obama tem tentado fazer desde o primeiro dia: promover a luta de classes.

Hagmann continuou detalhando como membros importantes do Departamento de Segurança Interna e outras agências responsáveis ​​pela aplicação da lei estão “cansados” e “com medo” do que acontece dentro da administração. “Acho que estamos em um ponto onde houve um compromisso assumido.” A implementação dos planos, como explicou Hagmann, dependem das condições existentes antes e durante o tempo em que o evento de falsa bandeira terá lugar.

Darpa and Homeland Security working on Next Generation Airport Scanners

Forget about those old, defective, useless, dangerous airport body scanners in which governments spent millions of dollars.

By LUIS MIRANDA | THE REAL AGENDA | AUGUST 31, 2012

It took how long?… Hmmm… Let’s see… 5 years for the U.S. Department of Homeland Security (DHS), the main pusher of full body scanners, to admit that its toy of choice is a defective, useless and dangerous piece of junk. We all knew that a while ago, of course, and so did they. The inaccuracy, ineffectiveness and negative health consequences of the use of body scanners has been proven in multiple occasions before, but the DHS waited until it could no longer hide the fraud, to show a slight interest to ‘improve’ the technology.

As we reported before, the people with more to lose due to the adoption of full body scanners were their operators, who have gotten seriously ill after working around the scanners for 5 or 10 years.  On our article from June 28, 2011, we unveiled how numerous body scanner operators suddenly began discovering multiple cancerous tumors in their bodies. Back then, the Electronic Privacy Information Center obtained documents that showed how Transportation Security Administration  workers got sick with cancer, heart disease and stroke after being exposed to the radiation from the scanners.

This fact was denied by the TSA and the DHS just as they denied the ineffectiveness of the scanners in detecting whatever they were meant to find. The danger of getting sick due to the radiation together with the explicit violation of privacy and the proven incapacity of the scanners to detect objects attached to a human body, reinforced calls from the public and human rights organizations to stop the use of the scanners and the presence of TSA workers at security checkpoints in airports.

As in most cases of government fraud, the DHS is now requesting new technology to conduct the illegal searches and seizures of personal belongings in 180 airports around the United States. It seems that the more than 700 full body scanners are simply not doing the job anymore. The DHS has now asked DARPA to look into a new generation of image generators that are smaller, more precise and less vulnerable to hacking.

As many readers remember, DHS swore that images of passengers were not stored after completing a scan, but the public later learned that the scanners did in fact collect the images in computers that were connected to them. TSA workers were found to use the images to crack jokes on passengers or look at anyone’s private parts. But not only did the scanners store the images, they also were fit with the technology to send those images to a database. In fact, the TSA had required to the manufacturers that all airport scanners had to be able to store and transmit images for “testing, training, and evaluation purposes.”

Last Monday, the DHS and DARPA announced that the coming scanners will try to accomplish two main objectives. First, what they defined as “real-time utilization of compressive measurement techniques.” According to both entities, this aspect will improve the collection of images. The scanners will also be less cumbersome and will have a more precise and reliable detection capacity, they said. So that is like saying, ‘we’ll make the violation of your privacy and constitutional rights a little bit more convenient.’

“The research seeks to identify novel signatures distinct from those typically employed in conventional X-ray tomography systems and multi-view dual energy projection scans,” they explained.

The second goal is to make memory chips less prone to being hacked into. The chips will need to have high-levels of functionality at a lower cost, while consuming less energy and more reliability. That means travelers will be stripped of their constitutional rights through the use of environmentally friendly technology. The scanners must have “extremely high-endurance, near unlimited wear for write, read, and erase cycles.”

The arrival of the full body scanners occurred after s supposed terrorist attempt to light up a bomb — the famous underwear bomber — on a plane going to Detroit, Michigan. This alleged terrorist plot was fake and by many considered a false-flag to help push the adoption of the scanners. In fact, the supposed bomber was later identified as a CIA double agent, who was helped into boarding the plane without having a passport. Kurt Haskell and his wife, who were witnesses on board Northwest Airlines Flight 253 saw Umar Farouk Abdulmutallab at the boarding gate in Amsterdam.

Regarding the use of the scanners to indiscriminately screen passengers, the ACLU said that the machines produce “strikingly graphic images of passengers’ bodies, essentially taking a naked picture.” Both the DHS and the TSA ignored the questions about privacy and safety. As many readers are aware, the Backscatter X-ray scanners literally carry out a “virtual strip search,” which is only warranted by the Constitution if the agents have probable cause.

Both DHS and DARPA will meet on September 18 to discuss further details about the next generation of scanners. The new strategy will include both the search of passengers as well as a new way to check baggage. For this, DARPA is expected to present his Knowledge Enhanced Compressive Measurement program, a system created “to gather even more and better quality information.”