Fidel Castro: Osama bin Laden is a CIA Spy

UK Guardian

Former Cuban president says the 9/11 mastermind is in the pay of the CIA and cites WikiLeaks as his source.

Fidel Castro has more reason than most to believe conspiracy theories involving dark forces in Washington. After all, the CIA tried to blow his head off with an exploding cigar.

Fidel Castro and Bilderberg Researcher Daniel Estulin

But the ageing Cuban revolutionary may have gone too far for all but the most ardent believer in the reach and competence of America’s intelligence agency. He has claimed that Osama bin Laden is in the pay of the CIA and that President George Bush summoned up the al-Qaida leader whenever he needed to increase the fear quotient. The former Cuban president said he knows it because he has read WikiLeaks.

Castro told a visiting Lithuanian writer, who is known as a font of intriguing conspiracy theories about plots for world domination, that Bin Laden was working for the White House.

“Bush never lacked for Bin Laden’s support. He was a subordinate,” Castro said, according to the Communist party daily, Granma. “Any time Bush would stir up fear and make a big speech, Bin Laden would appear, threatening people with a story about what he was going to do.”

He said that thousands of pages of American classified documents made public by WikiLeaks pointed to who the al-Qaida leader is really working for.

“Who showed that he [Bin Laden] is indeed a CIA agent was WikiLeaks. It proved it with documents,” he said, but did not explain exactly how.

He made his comments during a meeting with Daniel Estulin, the author of three books about the secretive Bilderberg Club which includes men such as Henry Kissinger, the former US secretary of state, leading European officials and business executives. Estulin says that the club is form of secret world government, manipulating economies and political systems.

Estulin offered his own views on Bin Laden: that the man seen in videos since 9/11 is not him at all but a “bad actor”.

However the two men did find something to disagree on.

Estulin has long argued that the human race will need to find another planet to live on because of overcrowding.

Castro was not keen. He observed that man had only made it to the moon, which is entirely unsuitable as a new home, and what lay beyond that was not much better. Better to fix things on earth.

“Humanity ought to take care of itself if it wants to live thousands more years,” he said.

How does the Global Elite Conquer the World? Destroying Nation-States

Bilderberg hound Daniel Estulin describes how the globalists have historically managed to amass power.  Their modus operandi is to destroy countries or nation-states by ending their sovereignty, their economies, identities and liberty.  This is achieved through compartmentalization of their internal organizations and governments which legislate in favor of a policy of complete openness to foreign corporations -owned by the globalists-.  These corporations define the commercial, economic and financial policies for each country which in turn allows them to obtain complete control.

In a recent interview to Russia Today, Estulin explains that what the global elite want to do -through front groups like Bilderberg- is to form a Global Inc of sorts which is consolidated every time a new country crumbles.  Many of the collapses seen up until today correspond to massive debts owed to the banks, also controlled by the shadow masters.  Watch Daniel Estulin’s interview below.

Daniel Estulin Revela Agenda Bilderberg para Junio 2010

Por Luis R. Miranda
The Real Agenda
Junio 1, 2010

El veterano investigador y autor Daniel Estulin ha adquirido una vez más una copia de la orden del día de la reunión anual de la élite del mundo. En una entrevista exclusiva con Corbett Report, Estulin reveló lo que los Bilderbergers debatirán en conciliábulo de este año en Sitges, España, entre el 3 y el 6 de junio.

Según los documentos que Estulin obtuvo de sus fuentes dentro del grupo secreto, los temas que se discutirán en las deliberaciones formales de este año son:

1. Sobrevivencia del Euro
2. Desarrollo en Europa: Estrategia de salida de Europa … en espera?
3. ¿Tenemos instituciones para lidiar con la economía mundial?
4. Grecia: Lecciones y estratégias orientadas hacia el futuro
5. La OTAN y Afganistán: La Agenda de prácticas para la Alianza
6. Irán y Rusia: Amenazas Económicas y Financieras de la Alianza
7. Las consecuencias de la guerra contra el terrorismo
8. La influencia de cuestiones internas de la política exterior estadounidense
9. Las Perspectivas para la economía de Japón
10. El futuro del dólar de EE.UU.: Escenarios Alternativos

Que los Bilderbergers -esencialmente una tertulia de Relaciones Europeas y de América del Norte- esten interesados en discutir la actual debacle de la economía europea no debería ser una sorpresa, sobre todo porque la lista de asistentes del grupo incluye muchos de los financieros claves y extractores que ayudaron a dirigir a Europa a la crisis en la que está. Algunos de los asistentes a reuniones anteriores fueron el Presidente de la UE, Herman Van Rompuy, que consiguió el trabajo como el primer jefe no electo de la organización antidemocrática llamada Unión Europea después de reunirse con los miembros del comité de dirección de Bilderberg. El año pasado se anunció el principio de gobierno mundial, alabando el creciente papel del G-20 para hacer frente a la crisis financiera mundial. Otros Bilderbergers clave incluyen a Jean-Claude Trichet, quien, como jefe del Banco Central Europeo, fue instrumental en ayudar a formular el “rescate” de Europea que está diseñado para incentivar la quiebra de los gobiernos del área. Trichet también recientemente clamó para que se forme un gobierno global que regule la crisis económica mundial y que fue creada por sus colegas de Bilderberger.

Aquellos que están familiarizados con el sueño largamente acariciado del grupo Bilderberg de lograr un gobierno mundial mediante la creación de un marco financiero internacional pueden sorprenderse ante la pregunta “¿tenemos instituciones para lidiar con la economía mundial?” Es el tercer orden del día en la reunión de este año. Tampoco será una sorpresa cuando la pregunta es, inevitablemente, respondida con la línea estándar globalista que las instituciones internacionales como el FMI y el Banco Mundial deben ser “fortalecidos” e incluso darles una mayor potestad reglamentaria como consecuencia de la crisis que ellos han producido, exactamente como observadores Bilderberg han estado prediciendo desde hace años. De hecho, como señala el propio Estulin en su último libro, Maestros de la Sombra o Shadow Masters, el ex subsecretario de Estado de EE.UU., George Ball manifestó el propósito de los globalistas en un discurso ante la reunión Bilderberg 1968 en Mont Tremblant, al afirmar que estaban interesados en el desarrollo de una ” empresa global” para hacerse cargo de la” estructura arcaica política de los estados nación “.

Otros puntos del orden del día están en línea con las cuestiones y los planes realizados en el Bilderberg del año pasado y las ideas debatidas en la reunión del G20 del año pasado, los Ministros de Hacienda, entre los cuales Estulin fue capaz de infiltrarse con sus fuentes en el interior. El hecho de que la alianza entre Irán y Rusia está en la agenda de este año es una redundancia, no sólo porque un ataque contra Irán estaba sobre la mesa en la reunión de la Comisión Trilateral de este año, sino porque, como dice Estulin en la entrevista de hoy, indica que el verdadero objeto de la agresión de los Bilderberg contra Irán es la desestabilización de Rusia, un país que tradicionalmente ha sido una espina en el costado de los globalistas.

Tal vez la única cosa que es sorprendente sobre el programa de este año es que el grupo secreto, que ha pasado inadvertido por muchos años gracias a la complicidad de la prensa, no ha tomado precauciones para prevenir que Estulin y sus fuentes de información se infiltren una vez más . “Estoy un poco decepcionado con los Bilderberg”, dijo vía telefónica desde España, donde reside actualmente. “Me gustaría pensar que han tomado ciertas precauciones y medidas, sobre todo viniendo a mi parte del mundo”.

Si bien el programa es sólo una guía para las discusiones del grupo más grande y la toma real de decisiones entre los principales miembros del grupo a puerta cerrada, esto sirve como un indicador de las cuestiones y acontecimientos que son preocupantes para los globalistas en esta delicada etapa de su funcionamiento, al igual que comenzar a hacer realidad su sueño de establecer un gobierno mundial por la fabricación de una depresión global. A pesar de que estos planes comienzan a dar frutos, la gente de Islandia, Grecia y otros países desarrollados están empezando a levantarse en masa para sacudir el yugo de la opresión financiera y los Bilderbergers hablan abiertamente de sus temores de un despertar político global .

La conferencia de este año marca un nuevo nivel de exposición y la oposición al grupo Bilderberg. Daniel Estulin hará un histórico discurso ante el Parlamento Europeo el 01 de junio, junto con Mario Borghezio, Nigel Farage, y otros diputados clave. Charlie Skelton, presentará informes una vez más para el periódico británico The Guardian, sobre una masiva contra-conferencia en la que los que se oponen a los Bilderbergers y sus procedimientos secretos se reunirán para llamar la atención sobre el grupo.

Bilderberg 2010 Agenda Leaked

Corbett Report

Veteran Bilderberg researcher and bestselling author Daniel Estulin has once again acquired a copy of the agenda for the annual meeting of the world’s power elite. In an exclusive interview with The Corbett Report earlier today, Estulin revealed what the Bilderbergers will be discussing at this year’s confab in Sitges, Spain on June 3-6, 2010.

According to the documents—which Estulin obtained from his sources inside the secretive group—issues to be discussed in this year’s formal deliberations are:

1. Will the Euro Survive?
2. Development in Europe: Europe’s Exit Strategy…On Hold?
3. Do We Have Institutions to Deal With the World Economy?
4. Greece: Lessons and Forward-looking Strategies
5. NATO and Afghanistan: The Practical Agenda for the Alliance
6. Iran and Russia: Economic and Financial Threats to the Alliance
7. The Consequences of War Against Terrorism
8. The Influence of Domestic Issues on American Foreign Policy
9.The Outlook for Japan’s Economy
10. The Future of the U.S. Dollar: Alternative Scenarios

That the Bilderbergers—essentially a talking shop for European and North American power players—are interested in discussing the current meltdown of the European economy should come as no surprise, especially as the group’s attendee list includes many of the key financiers and string pullers who helped steer Europe into the crisis in the first place. Past attendees of the meeting include current EU President Herman Van Rompuy who got the job as the first non-elected head of the undemocratic European Union after a special wine and dine session with Bilderberg steering committee members. Last year he heralded the beginning of global government, praising the increased role of G20 in dealing with the global financial crisis. Other key Bilderbergers include Jean-Claude Trichet, who, as head of the European Central Bank, was instrumental in helping to craft the current European bailout which itself is designed to incentivize the bankruptcy of Europe. Trichet, too, also recentlycalled for global government to regulate the world economic meltdown that his fellow Bilderbergers helped to create.

Those familiar with the Bilderberg group’s long-cherished dream of achieving global government through the creation of an international financial framework will be unsurprised to see that a debate on the question “Do We Have Institutions to Deal With the World Economy?” is the third order of business at this year’s meeting. Nor will it be a surprise when the question is inevitably answered with the standard globalist line that international institutions like the IMF and the World Bank need to be “strengthened” and even given enhanced regulatory powers as a result of the crisis they have brought about, exactly as Bilderberg observers have been predicting for years. Indeed, as Estulin himself notes in his latest book, Shadow Masters, former U.S. Undersecretary of State George Ball expressed the ambition of the globalists in an address to the 1968 Bilderberg meeting in Mont Tremblant when he stated that they were interested in developing a “world company” to take over the “archaic political structure of nation states”

Other items on the agenda are exactly in line with the issues and plans made at last year’s Bilderberg and those ideas debated at last year’s G20 Finance Ministers meeting, both of which Estulin was able to infiltrate with his inside sources. The fact that the Iran-Russia alliance is on this year’s agenda is doubly telling, not only because a strike against Iran was on the table at this year’s Trilateral Commission meeting, but because, as Estulin notes in today’s interview, it indicates that the real object of the Bilderbergers’ aggression against Iran is the destabilization of Russia, a country that has traditionally been a thorn in the side of the globalists.

Perhaps the only thing that is surprising about this year’s leaked agenda is that the secretive group, which has gone to great length to conceal itself from media and public scrutiny, has failed to take precautions to prevent Estulin and his sources from acquiring the information yet again. “I’m a little bit disappointed in the Bilderbergers,” he said on the line from Spain, where he currently resides. “I would think they would have taken certain precautions and measures, especially coming to my part of the world.”

While the agenda is only a guide for the larger group discussions and the real decision-making takes place among the core members of the group behind closed doors, it does serve as an indicator of the issues and events that are preoccupying the globalists at this sensitive stage of their operation, just as they begin to realize their dream of instituting global government by manufacturing a global depression. Even as these plans begin to come to fruition, the people of Iceland, Greece, and other developed countries are beginning to rise up en masse to throw off the yoke of financial oppression and key Bilderbergers are openly talking of their fears of a global political awakening.

This year’s conference marks a new level of exposure and opposition to the Bilderberg group itself. Daniel Estulin will be making an historic speech to the European parliament on June 1st along with Mario Borghezio, Nigel Farage, and other key MEPs. Then Charlie Skelton, reporting once again for the UK’s Guardian newspaper, will be taking part in a mass counter-conference where those opposed to the Bilderbergers and their secret proceedings will gather to draw attention to the group.

Brasil Viola Liberdades Civis

Por Luis R. Miranda
The Real Agenda
Maio 11, 2010

O Brasil é conhecido pelo samba, praias maravilhosas e pessoas amigas. O país é muitas vezes comparado com nações mais desenvolvidas por causa de seu tamanho, população e recursos. Mas há mais uma coisa pela qual o Brasil é similar ao mundo dos chamados desenvolvidos: O Brasil também viola as liberdades civis dos seus cidadãos. Diferente, por exemplo, dos Estados Unidos ou Inglaterra, a polícia aqui não importuna muito os cidadãos. No entanto, a violação das suas liberdades e direitos ainda é feito em silêncio. O Brasil é um país com um acesso muito limitado à informação e as pessoas aqui sabem muito pouco sobre seus direitos e deveres. Este panorama é um terreno fértil para o abuso do governo e a corrupção.

O gigante da América do Sul é conhecido pela sua impunidade ao longo dos anos. A corrupção corre solta de norte a sul e de leste a oeste. Em uma pesquisa recente, foi determinado que o Brasil está entre os primeiros países em corrupção e impunidade. Embora muita desta corrupção eleva-se a funcionários públicos que prestam e recebem grandes somas de dinheiro por favores políticos, há muito mais do que a corrupção da burocracia. A ex-colônia Portuguesa rapidamente adopta medidas globalistas de controle populacional, bem como os Estados Unidos, Inglaterra, Austrália e Nova Zelândia.

Ao longo dos últimos 12 meses, alguns jornais revelaram nas entrelinhas de suas páginas o caráter quase obrigatório da campanha de vacinação contra a gripe H1N1, que embora tenha sido provada uma farsa, continua a ser implementada em todo o país. Felizmente, algumas pessoas foram informadas sobre os perigos da vacina e a campanha não tem tido os resultados esperados pelas autoridades de saúde do governo. De acordo com o jornal Zero Hora, apenas 670.000 idosos foram vacinados ao invés de 1,4 milhões no estado de Rio Grande do Sul. Menos de 50 por cento tomaram a vacina contra a gripe regular. No entanto, isto não significa que o Brasil pode escapar do controle da Organização Mundial de Saúde.  As campanhas continuarão a ser realizadas em todo o país.

O Brasil também utiliza uma forma sintética de fluoreto de sódio na água potável, uma prática historicamente adotada pelas suas supostas vantagens no cuidado dos dentes, embora foi determinado que esta crença nao é mais que pseudociência. Recentemente, esta publicação entrevistou uma química do SEMAE, uma organização governamental que cuida da qualidade da água na cidade de São Leopoldo, Brasil. Com um mestrado em química, Juliana da Silva Chaves não só admitiu que nunca viu um estudo confirmando o benefício do uso do ingrediente que ela identificou como flúor, como também confessou que o flúor é colocado na água com base na crença de que ajuda a promover saúde bucal. Novamente, a química confirmou que esta afirmação foi passada para ela mas nenhum estudo foi mostrado para conferir a veracidade da mesma. Quando perguntamos sobre os perigos do fluoreto de sódio e outras substâncias na água potável, ela disse que nunca aprendeu nada sobre a toxicidade em cursos universitários ou de formação. De fato, o flúor provoca cárie dentária, câncer bucal e diversos distúrbios neurológicos, além de diminuição da inteligência.

O país está em estágio final na adoção de Cartões de Identificação que possuem um chip de rádio frequência, assim como Scanners de Corpo Inteiro nos aeroportos. Estas duas últimas tecnologias já estão sendo utilizadas ou entrarão em vigor nos próximos 10 anos. No caso dos scanners que emitem radiação, há vários deles em aeroportos nacionais e internacionais. Segundo o jornal Zero Hora do Estado do Rio Grande do Sul, passageiros que embarquem nas cidades de Guarulhos, Rio de Janeiro, Recife e Manaus podem ser selecionados como candidatos para provar um destes scanners Esta medida é rejeitada pelos grupos de vigilância da privacidade até mesmo nos países mais desenvolvidos não só pela radiação que emitem, mas também devido ao fato de que os corpos das pessoas são vistos completamente nus nas imagens que a máquina gera.

De acordo com muitos grupos de direitos civis, o uso de scanners é uma grave violação das leis de privacidade. As imagens geradas a partir dos scanners são salvas no disco rígido e mantidas para posterior utilização na vigilância. Embora as autoridades do Brasil neguem a capacidade dos scanners para fornecer essas imagens, Angelo Gioia, da Polícia Federal no Rio de Janeiro, admitiu que é um método mais invasivo de vigilância. Atualmente, a legislação brasileira permite buscas de pessoas quando há suspeitas fundadas de atividades ilícitas, mas não regulamenta a utilização deste tipo de scanner. Goia acredita que não deve haver limites quando se trata de segurança. O custo de cada scanner corporal é de U$170.000. A tecnologia de digitalização opera com base na utilização de ondas e radiação sobre um corpo para medir a energia refletida, e assim processar uma imagem 3D das ondas milimétricas. Os usuários dos scanners são expostos a ondas eletromagnéticas entre 3 e 30 gigahertz, algo próximo ao que emite um telefone celular. Os promotores dos scanners nos aeroportos sempre citam os enormes benefícios que estes proporcionam na prevenção de riscos de segurança, tais como armas, explosivos, etc. Mas a verdade é que uma revisão normal ou cães farejadores de bombas são tão úteis ou mais precisas. Assim como tem sido feito em outros países, no Brasil, o uso destas tecnologias é apresentada como uma conveniência, para que mais pessoas as recebam e aprovem. Pouco se falou sobre a violação ao direito à privacidade das pessoas e suas propriedades. Além da comodidade, há um outro fator injetado na aprovação dos scanners: Medo. A ameaça do terrorismo é a carta extra sob a manga sempre pronta para ser mostrada no caso das pessoas queixarem-se ou acharem os scanners um inconveniente.

Como é a situação do terrorismo aqui no Brasil? Comparado com outros países como a Irlanda, Israel, Palestina, Paquistão e Grã-Bretanha, a existência de terrorismo é nula. O país nunca sofreu um grande ataque terrorista na história moderna. O mais próximo ao terrorismo são os tiroteios ocasionais entre traficantes e policiais militares em pequenos bairros do Rio ou de São Paulo. Então, por que o Brasil precisa de scanners? A resposta é que não precisa. Como em muitos outros países, a adoção desta tecnologia é sinónimo da perda das liberdades civis, onde os cidadãos são culpados antes de serem provados inocentes. Na verdade, a história mostra que os ataques terroristas mais incríveis foram do tipo bandeira falsa, ou false-flag. Para Gerald Celente, conhecido estudioso das tendências mundiais e fundador do Instituto de Pesquisa e Tendências, 2010 será o ano dos ataques patrocinados pelos governos. “É o crash de 2010 como o previmos”, diz Celente. “O colapso da economia global em março de 2009, quando os mercados foram inflados com dinheiro falso.” Celente previu a atual crise, queda das bolsas, agitação civil na Grécia e o colapso da Islândia, Argentina, Portugal, Espanha, bem como a crise nos Estados Unidos e no Reino Unido. “Quem acredita que esse tipo de coisas como scanners e identificação con chip são benéficos, merece o que recebe.” Gerald Celente alerta as pessoas sobre o que vai acontecer uma vez que estes tipos de políticas estiveren totalmente implementadas. Assista a este clip no minuto 5 com 30 segundos.

Quando se trata do Cartão Nacional de Identificação no Brasil, informações sobre o assunto são muito escassas. A maioria das pessoas aqui visitam escritórios da Polícia Federal em todo o país para renovar suas licenças de motorista ou de identificação e não sabem ou não querem saber sobre a nova tecnologia utilizada nos referidos documentos. Em outros países onde foi implementado, o Cartão de Identidade Nacional é rejeitado pelos cidadãos informados, bem como grupos que apoiam a privacidade, porque contém todas as informações relacionadas ao portador do cartão, número da identidade, endereço físico e número de identificação único que inclui uma grande variedade de informações privadas, tais como contas bancárias, de poupança, local de trabalho, histórico de votação e outras.

No Brasil, o novo Cartão de Identificação Nacional prevê um número de identificação único de acordo com o estado onde a pessoa vive. No sul, as pessoas terão identificação com um número de 10 dígitos exclusivo, em Brasília, sete dígitos, São Paulo, 9 dígitos. A emissão do novo cartão terá início em Outubro de 2010 e estima-se que todos os cidadãos, imigrantes naturalizados e legais farão parte do banco de dados até 2020. De acordo com o especialista em tecnologia RFID Chris Paget, Radio Frequency Technology, do tipo usado em cartões de identidade nacional, tem sido usada há anos em cartões de crédito e verificação. “Houve centenas de milhões de cartões emitidos com RFID. O problema é que as pessoas não sabem que a tecnologia está contida nos cartões e, portanto, eles não fazem nada para protegê-los.” Parece estranho que a tecnologia que é criada para manter-nos seguros, precisa ser protegida. Agora, qualquer pessoa com um leitor de RFID pode encontrar cartões de crédito e cartões de ponto de verificação e obter informações suficientes para cloná-lo e usá-lo em uma transação. Então, por que os países, literalmente, querem contar e ter um controle tão exato dos seus cidadãos? Dra. Katherine Albrecht, fundadora e diretora da organização CASPIAN de Privacidade do Consumidor, considera que há uma pressão enorme para que os governos numerem e identifiquem a todos os seus cidadãos e, no processo, usem a tecnologia criada por mega corporações que estariam, então, no controle de informações pessoais tais como número de identificação, contas bancárias, segurança social, contas de fundos de pensão, números de cartões de crédito e assim por diante. “Estamos vendo isso na China, onde 1 bilhão de pessoas foram identificadas com cartões de identidade nacionais com dispositivos de rádio freqüência. Eles estão fazendo o mesmo no México, e na India, onde 1,2 bilhões de pessoas também foram submetidas a este processo.”

De acordo com o historiador Daniel Estulin, o uso de cartões de identidade nacional, juntamente com outras tecnologias, é um impulso para a criação de uma sociedade sem dinheiro. “Não será necessário usar dinheiro, porque você tem o crédito atribuído ao seu número de identificação. O problema é que você não será quem vai determinar se terá ou não créditos a serem colocados no cartão. O governo vai ter esse poder; as empresas donas da tecnología o terão, não os cidadãos “. Estulin, bem como Albrecht reconhecem a existência de bases de dados dos governos para quem procura emprego, crédito e para aqueles no sistema criminal, e alertam que o uso de cartões de identidade nacional vai permitir a criação de um banco de dados mundial, onde todos serão incluídos.

No Brasil, a emissão do Cartão de Identificação Nacional começará como um projeto piloto em cada região. A placa será semelhante a um cartão de crédito, com um chip contendo informações como o CPF ou Cadastro de Pessoa Física, número de registo de eleitores, impressão digital, íris ou uma imagem digitalizada que será aceita pelo sistema denominado AFIS ou de Identificação Automática de Impressões Digitais. Este sistema é reconhecido em todo o mundo e é utilizado pelos governos em todos os cinco continentes. O número resultante será padronizado RG ou Registro Geral. Com esse banco de dados local, regional e nacional, o Brasil será um dos últimos gigantes do planeta a sucumbir ao plano de se submeter a um programa de registro global onde as empresas conhecem cada ser humano, não importando onde eles vivam.