Toxina Bt em Milho Transgênico Fulmina Biodiversidade

Por Luis R. Miranda
The Real Agenda
05 de março de 2012

Um novo estudo Suíço confirma mais uma vez que o Bacillus thuringiensis (Bt), um pesticida produzido pelos prejudiciais organismos geneticamente modificados (GM), está acabando com espécies que não são alvo da toxina. Publicado no periódico Environmental Science na Europa, o estudo revela que as larvas de joaninha (Adalia bipunctata L.) expostas à toxina Bt têm uma taxa de mortalidade muito mais alta do que os não expostos (1).

Contrariamente às afirmações repetidas por Monsanto e outras empresas do setor de biotecnologia sobre a suposta segurança da toxina Bt para espécies não-alvo, o estudo independente recente revela o contrário. Expõe também a ilegitimidade dos vários estudos financiados pela indústria, que argumentam que a toxina Bt não e prejudicial para espécies não-alvo, incluindo os humanos, uma declaração sem fundamento que tem sido demonstrado ser falsa em várias ocasiões.

A nova pesquisa, conduzida pela Dra. Angelika Hilbeck e seus colegas do Instituto Federal Suíço de Tecnologia, em Zurique, foi realmente um acompanhamento de pesquisas anteriores sobre as larvas de joaninha e a toxina Bt realizadas em 2009. A industria pro organismos geneticamente modificados já havia tentado, sem sucesso, desacreditar a pesquisa anterior, publicada na revista Arquivos de Contaminação Ambiental e Toxicologia (2)

Uma investigação independente consistentemente demonstra os perigos dos OGM

No entanto, o novo estudo realizado pela Dra. Hilbeck, que não foi financiada pelo lobby pro-OGM, confirmou os resultados do estudo de 2009. E no interesse de promover a ciência verdadeira, ela e vários outros que reconhecem os perigos reais associados com produtos GM e a toxina Bt, em particular, estão expondo aqueles que ainda insistem em negar a realidade de que a toxina Bt não é segura.

“Hora de ir além da negação dogmática e “matar o mensageiro” neste debate. Em vez disso temos um discurso maduro e científico para examinar as significativas ‘surpresas’ que dominam a discussão científica “, disse David Gee, assessor científico sobre ciência, política e questões emergentes na Agência Europeia do Ambiente (SEA).

A SEA, é claro, fez muitas de suas políticas em matéria de OGM com base em estudos falhos financiados pela indústria dos OGM. Então, Gee e outros estão pedindo que a agência começe a olhar para as pesquisa independentes sobre os OGM, que tem uma história muito diferente do que as contadas por empresas como a Monsanto e o governo dos EUA que é pro OGM.

“Nós não precisamos de pesquisas de biossegurança integrada nas visões da indústria de biotecnologia, que apoia a agricultura industrializada insustentável”, acrescentou o professor Brian Wynne, do Centro para os Aspectos Econômicos e Sociais Genômicos na Universidade de Lancaster, no Reino Unido. “Em vez disso, precisamos de uma investigação independente, como a da Hilbeck, avaliando os efeitos ambientais específicos da engenharia genética, utilização de metodologias sensíveis e ajudando a indicar os efeitos potencialmente prejudiciais sobre a biodiversidade e diversidade agrícola e sistemas de produção industrial que a agricultura transgênica intensifica. ”

Traduzido do artigo original: Study: Bt toxin in GM crops kills non-target species

Fontes para este artigo incluem:

http://www.ensser.org/media/0112/