O Shakedown Político Global será para melhorar?

POR LUIS MIRANDA | THE REAL AGENDA | 12 MAIO 2012

Em todo o mundo, parece haver uma onda de cidadãos detonando seus líderes. Exemplos recentes dessas manifestações de descontentamento com a situação política e econômica começou na Espanha, onde Mariano Rajoy assumiu o volante, que estava diante José Luis Rodriguez Zapatero. Então veio a Grécia, que mudou seu líder, George Papandreou, para Papademos Lucas.

O fim de semana passado, as eleições na França e Alemanha, continuaram a onda de mudanças quando o amigo de Muammar Gaddafi, Nicholas Zarkozy foi deposto como presidente da França. No seu lugar chegou François Hollande. Angela Merkel, sofreu perdas significativas na Alemanha, quando sua coalizão de centro-direita perdeu o poder no estado de Schleswig-Holstein. Ainda esta semana, uma vez que a recontagem seja completada, ela poderia ser uma vítima do que parece ser um mini-terremoto político generalizado na Europa. Nesta região, a única nação que parece ter escapado do ataque tecnocrático é a Islândia, cujos líderes não estavam totalmente nos bolsos dos banqueiros que tomaram grande parte da Grécia, Inglaterra, Espanha, Itália, Portugal e outros países.

Enquanto isso, nos Estados Unidos, a maioria dos meios de comunicação têm colaborado para selecionar Mitt Romney como candidato republicano à presidência depois de Newt Gingrich e Rick Santorum perceberam que eles não tinham dinheiro suficiente para financiar suas campanhas ou pagar suas dívidas. Ambos Santorum e Gingrich estao pedindo ao milionário Romney para pagar suas dívidas em troca de seus votos e apoio. A maior parte dos ganhos obtidos por Romney vem de suas vitórias no “concurso de beleza” conhecido como os caucus e primárias, permitindo-lhe obter o maior número de delegados não comprometidos entre os candidatos.

Ao contrário das eleições europeias, o sistema eleitoral dos EUA é mais como um concurso, e o candidato só é eleito durante uma convenção nacional do partido. A sabedoria convencional diz que Romney seria escolhido como o homem a lidar com um desajeitado Barack Obama em novembro, e é isso o que mídia e da máquina do Partido Republicano tentou fazer, já que ambos Santorum e Gingrich retiraran-se da eleição. No entanto, no centro de toda a tramóia criada para Romney ser o candidato à presidência, a onda de descontentamento dos EUA parece estar aumentando. Apesar que as bancadas estaduais e muitas primárias foram reportadas como vencidas por Santorum, Gingrich e Romney, os resultados oficiais em vários destes Estados não haviam sido anunciados. Nas últimas duas semanas, pelo menos cinco estados mudaram os resultados anunciados anteriormente. Não foi Romney, Gingrich ou Santorum quem ganharam nesses estados, mas o pre candidato e representante do Texas Ron Paul.

Nevada, Washington, Iowa, Maine e Louisiana estão agora oficialmente na lista de estados vencidos pelo Sr. Paul. Ele também fez progressos significativos em Minnesota e Missouri. Assim, enquanto a campanha de Romney estava desfrutando a sensação de ser inevitável, um grupo de trabalho composto por seguidores de Ron Paul verificaram que seu voto tivesse o peso que devia ter. A campanha do Paul, discretamente procurou um grande número de delegados depois que Romney foi oficialmente “eleito” pelo Partido Republicano para enfrentar Obama em novembro. Com os ganhos recentes, Paul avançou na tentativa de forçar uma solução negociada na Flórida, ao invés de deixar Romney desfrutar de uma vitória facil.

O assunto com todas os protestos políticos na Europa e nos EUA é saber se essas revoltas contra o poder estabelecido pelas corporações que controlam os candidatos tradicionais fizeram ou irão fazer a diferença para algo mais positivo para as pessoas que demitiram seus ex-líderes. No caso da Europa, tem havido pouco progresso, especialmente na Grécia. Depois de George Papandreou — candidato de esquerda — deixou o cargo, o país aceitou o suposto apoio financeiro da União Europeia e adotou um pacote de austeridade duro do governo, cujo único resultado importante foi o aumento dos suicídios políticos. A Grécia está em pior condição do que nunca. A idéia de que um país rico poderia ser capaz de pagar a sua dívida hoje é tão efêmero quanto a garantia de que isso aconteceria antes. Grécia, um dos países ricos da Europa é agora menos capaz de pagar a dívida, o que fez com que o problema da dívida soberana se torne evidente. Nem é a França, Espanha, Portugal ou qualquer outro país europeu parece ter essa capacidade hoje. Assim, para a Grécia, a mudança não tem sido muito boa. Tem sido para pior.

No caso de Espanha, as coisas são muito diferentes. O governo liderado por Mariano Rajoy, segue basicamente a mesma estratégia que Zapatero teve, que é uma economia patrocinada pelo governo. Rajoy, desde sua posse não fez nada para gerar mais receita do que aumentar os impostos. O governo aprovou igualmente programas de austeridade em troca de resgates com aumento do gasto público em programas sociais tradicionais. A saúde financeira da Espanha é pior hoje do que antes, e talvez até pior do que o da Grécia. Além da enorme dívida que está fora de controle, o governo socialista continua a pedir dinheiro emprestado a um custo muito elevado. A taxa de desemprego atingiu 24%, o que causou sérios problemas econômicos em toda parte. Por que a Espanha é pior do que a Grécia? Porque a sua economia é quatro vezes o tamanho da Grécia. A actividade económica em Espanha equivale a quase 12% do PIB gerado na área do euro, tornando-o o quarto maior na Europa e número 10 do mundo. Uma falência espanhola vai causar um terremoto cujas ondas serão sentidas em todo o mundo. Pode até significar o colapso da zona do euro, disseram analistas.

As perspectivas econômicas da França não são muito melhores. Esta situação, combinada com a sede de guerra do Nicolas Sarkozy lhe custou seu trabalho como presidente. Mas o que vai mudar para melhor? Tem o socialismo alguma vez funcionado para  melhorar? A pergunta não é retórica, porque o novo líder da França é um socialista. França perdeu seu rating AAA, se isso significa alguma coisa, enquanto a taxa de desemprego continua a aumentar, mesmo com números inventados ela esta por cima do 10%. O país está agora em uma situação semelhante a Espanha e Itália, afoga-se em insegurança econômica e uma crescente incapacidade de pagar a sua dívida, que é o melhor cartão de visita de um país para inspirar confiança e obter crédito barato. Os resultados desastrosos das políticas econômicas e fiscais de Sarkozy, não levaram ao crescimento, mas ele respondeu com novas propostas para mudar a direção do país. Demasiado pouco, demasiado tarde, muitos dizem que ele perdeu a eleição contra François Hollande pelas mesma razão. Sarkozy queria impor um aumento no imposto sobre o consumo, o que permitiria às empresas negociar mais flexibilidade do horário de trabalho e de remuneração, e esta politica seria consagrada como uma exigência no orçamento equilibrado na Constituição. Suas intenções não ressoaram com os franceses, que também souberam sobre sua conexão secreta com o assassinado líder líbio Muammar Gaddafi.

Talvez o único país que parece melhor é a Alemanha, tanto financeiramente como politicamente. Mas este estado de coisas não pode durar muito tempo. Angela Merkel, também conseguiu assustar o povo alemão. O exemplo mais recente de sua falta de liderança é a perda de apoio, ainda que pequena, poderia começar a moldar o que será a eleição nacional em 2013. Como a Alemanha parece ser o único Estado europeu com uma base mais forte, uma questão diferente se torna o centro da atenção. Conforme relatado pelo jornal Express, o ministro alemão das Relações Exteriores, Guido Westerwelle, está trabalhando em segredo para criar uma posição de liderança na Europa que combina os poderes da presidência do Conselho Europeu e a Comissão Europeia, deixando o Reino Unido fora do grupo . “Esta é uma conspiração de pessoas que querem abolir os Estados-nação e criar os Estados Unidos da Europa”, disse um dos rivais do grupo secreto. Tory MP Douglas Carswell disse que não importa como os poderes do Conselho e da Comissão estão dispostos, enquanto os tecnocratas que controlam a Europa não tenham a capacidade de ditar em que forma as pessoas devem viver. “Eles não são eleitos e não têm legitimidade.”

Com o ministro grego hipotecando o futuro do país através da adoção de novos programas de austeridade ineficazes e chamando a austeridade de “dever patriótico”, parece não haver uma saída para o país do Mediterrâneo que está agora nas mãos de seus credores. Espanha parece estar caminhando na direção da Grécia, como os seus dirigentes começando a adotar políticas semelhantes de gastos e empréstimos sem criar verdadeiras oportunidades de emprego para o número crescente de desempregados, em particular os menores de 25 anos — agora são chamados de geração perdida. “Esta é a geração melhor educada mas sem nenhuma esperança na Espanha”, disse Ignacio Escolar escritor local. O desemprego juvenil na Espanha atingiu 52% na Primavera deste ano.

Qualquer esperança de mudança reside então nos EUA. Será que os Americanos iniciaram uma “revolução de verão” para continuar a onda de mudanças que é muito necessária, ou será que eles continuaram confiando em seus líderes eleitos pelas corporações ao invés de demiti-los para sempre? Foram os Americanos quem lutaram contra os ingleses pela independência temporária, afinal de contas, certo? Com uma dívida de mais de 16 trilhões e uma taxa de desemprego crescente — cerca de 100 milhões de americanos estão fora da força de trabalho hoje — os americanos terão que escolher entre o modelo da ditadura de dois partidos que tem arrastado eles até o buraco negro onde estão hoje, ou a melhor opção para eles realmente começar uma verdadeira mudança. Uma revolução pacífica contra políticos e corporações nos Estados Unidos pode ser o começo de um despertar em todo o mundo e / ou um aumento na demanda por prestação de contas das pessoas aos seus governos que até agora têm mostrado o nível de conluio com os interesses corporativos.

Alguém tem que acender o fósforo para ascender o fogo.

Você pode compartilhar nosso conteúdo original, desde que respeite a nossa política de direitos autorais, conforme mostrado em nosso rodapé. Por favor, não corte os artigos de The Real Agenda para redistribuir por e-mail ou na Internet se você não cumpre com as nossas políticas de direitos de autor.

Enquanto a Sociedade se Decompõe, o Povo Pede Tirania

Por Luis R. Miranda
The Real Agenda
11 agosto de 2011

Passaram pelo menos 15 anos desde que ouvi de chamadas para que as pessoas acordarem porque a maior crise da existência da humanidade estava se aproximando rapidamente. Hoje, vendo vídeos e fotos de Londres, Síria, Egito, Estados Unidos e Líbia, não posso deixar de pensar que aqueles que tentaram alertar a população falaram simples e claramente a verdade. Talvez o fato mais impressionante é que eles, que muitas vezes eram identificados como teóricos da conspiração, nos contaram como tudo ia acontecer e como o ponto de ruptura estava mais perto e foram capazes de prever diferentes aspectos da queda com precisão excepcional. Claro, tudo o que tinham que fazer era estudar a história e criar analogias para saber em detalhe como tudo aconteceria. Qualquer um poderia saber se tivessem dado uma olhada na história.

Quem acreditaria há 15 anos que o mundo cairia de joelhos e implicaria a implementação de políticas e regimes tirânicos, a fim de trazer de volta a lei e a ordem? Eu certamente não. Antes de começar a estudar a história e eventos atuais, pensei que a sociedade seria capaz de cuidar de si mesmo e evitar o desastre. Mas as imagens de vídeo mais recentes de Londres e outros lugares mostram claramente que a sociedade está perdida na nublada realidade alternativa em que nasceram há 50 anos ou mais. Os engenheiros sociais jogaram suas cartas muito bem e capturaram a maioria da população que consome-se em uma rede de auto-degradação, morte e perversão apresentado como o moda mais legal por quase meio século.

Na Grã-Bretanha, as pesquisas mostram que mais de 65 por cento das pessoas estão pedindo o uso de balas de borracha, canhões de água, abuso policial e outras práticas tirânicas, porque eles têm medo de organizar os seus vizinhos e defender suas empresas familiares, casas, carros, lojas de calçados e de roupas dos saqueadores que querem roubar eletrônicos, jóias e produtos de valor, quebrando janelas e portas enquanto tiram os cidadãos de seus carros para esmagar suas cabeças nas ruas. Os britânicos estão agora pedindo um Estado Policia patrocinado pelo governo.

Note-se que a maioria dos lugares que estão sendo afetados pelas rebeliões e tumultos são os setores da sociedade cujos membros estão desarmados e não podem se defender porque seu governo que não pode protege-los as 24 horas, sete dias por semana, estabeleceu regras para proibir o direito do povo a armar-se e defender suas propriedades e suas famílias. Londres mostra sinais do mais recente confronto entre os membros da subclasse dependente do governo e da classe média operária, assim como os engenheiros sociais planejaram. Enquanto os governos reduzem gastos em uma tentativa fracassada de resolver o déficit e reduzir a dívida, é exatamente a classe mais baixa que sente o aperto em primeiro lugar. Mas em vez de atacar as políticas do governo e das entidades responsáveis pela crise financeira, a ignorante subclasse ataca aos membros da classe média, que também sofre da auto-infligida crise financeira patrocinada pelos seus próprios governos e o sistema bancário internacional.

O Apartheid financeiro e político que tem lugar no mundo de hoje, onde os governos roubam os fundos de pensão das pessoas para investir em produtos financeiros fictícios, os bancos socorridos pelos governos cobram taxas de juros do povo para manter dinheiro em suas contas, o governo corta a assistência para os beneficiários da segurança social e os gastos de saúde, os salários e pensões das pessoas compram menos alimentos, a instabilidade social aumenta, não só em Londres e na Grécia, mas nas Américas, Ásia, África e outros lugares. O experimento social falhou horrivelmente. Mas, novamente, estava destinado a falhar. A intenção de produzir divisões a fim de monopolizar, controlar e conquistar no tempo certo valeu a pena.

As classes mais baixas, bem como a classe média “atordoada”, que por muito tempo sugaram dos programas de dependência estabelecidos pelo governo, acordou só depois de encontrar-se sem trabalho, sem pensão, sem poupança e sem futuro. Eles acordaram de seu estado eterno da escravidão, porque o esquema de suborno conhecido como o Estado de Bem-estar que o governo usou para possui-los de repente desabou, e os dependentes não têm nenhuma rede de segurança para amortecer sua queda. O que quero dizer com “esquema de suborno”? Em 2007, o país mais rico do planeta tinha, pelo menos, 52,6 por cento das pessoas recebendo alguma forma de auxílios estatais, pensões, segurança social, etc .. Um em cada cinco americanos tinha um emprego no governo ou um trabalho que dependia dos gastos do governo. Cerca de 19 milhões usavam selos de alimentos e 2 milhões de pessoas viviam em casas ou apartamentos subsidiados pelo Estado. Se isso não é suborno do governo, eu não sei que é. Estes números podem ser proporcionalmente muito maiores nos países onde o Estado de Bem-estar é a base da sociedade. Os Engenheiros Sociais criaram apenas duas classes: a classe produtiva e a classe parasitária. Tanto o governo como as classes dependentes são igualmente violentas contra aqueles que produzem e aqueles que trabalharam para eles toda a vida.

Mas talvez um dos mais aberrantes aspectos do colapso da sociedade moderna é que os Engenheiros Sociais apontam para a classe baixa e a classe trabalhadora como os responsáveis pela crise. Isso mesmo. Eles acusam os chamados “comedores inúteis” por sua avareza e por viver além de seus meios pela crise que agora se desenvolve. Tanto a subclasse quanto a classe média são parcialmente culpados por sua avareza e decadência, mas não na sua totalidade. Mas eles não nasceram e se banhavam em um sistema que promove e facilita a avareza e dependência? Absolutamente. Então, são esses grupos responsáveis pela crise atual, porque eles sao avarentos e dependentes? Claro que não. Mas é isso que os banqueiros, os Engenheiros Sociais querem que as pessoas pensem, e é por isso que hoje as divisões raciais estão crescendo mais do que nunca, em Londres, América, África e Ásia. A subclasse acredita que a classe média é responsável pela crise porque são empresários e foram capazes de cuidar de si e suas famílias. Enquanto isso, os banqueiros que são responsáveis pela miséria de ambas as classes proliferam roubando das pessoas em todo o mundo.

O povo é o culpado, dizem os banqueiros e os políticos, porque eles querem mais serviços, mas não querem pagar mais impostos. Porque milhões não compraram a propaganda, o governo está jogando o cartão do Coletivismo. “Não há necessidade de procurar alguém para culpar, devemos agora estar unidos para resolver nossos problemas.” Nem o governo nem os bancos querem que os contribuintes compreendam que estas duas entidades são as únicas responsáveis pelo estado atual das coisas. Abertamente os governos têm subornado os cidadãos por um século para controlá-los, portanto, é tolice acreditar que alguém vai aceitar a propaganda do governo e os bancos, que os cidadãos são os culpados.

Enquanto milhões de pessoas perdem seus empregos, suas casas e vidas porque não podem pagá-los, alguns membros da escória consumem-se no falso tribalismo, racismo, roubo e violência, enquanto os covardes esperam que o Estado faça alguma coisa e rezam para a imposição da Lei Marcial e o Estado Polícia. Aqueles que aceitaram a cultura criada nos Estados Unidos que promove a morte, sexo, banditismo, abuso de drogas, suicídio e os comportamentos estilo gang estão agindo como eles tinham sempre sonhado ser: um grupo de escravos descontentes, sem emprego e sem futuro que edificam os rapperos, cantores, figuras do esporte, eletrônicos, álcool e drogas para preencher suas vidas vazias. O mundo passou de elogiar os exploradores, cientistas, bombeiros e inventores da comunidade para adorar a cultura “bling” e as ilusões criadas pela Madison Avenue.
Aqueles que se aproveitaram o sistema corrupto baseado em dívida para pagar suas férias, carros e créditos para comprar casas e apartamentos foram surpreendidos depois que os bancos que possuem seus meios de subsistência, cortaram as linhas de crédito há três anos para terminar com a realidade de fantasia a que estavam acostumados há muitos anos. Aqueles que totalmente acreditavam que o pagamento para o sistema público de pensões garantiria previdência para viver o resto de suas vidas, embora muitos tivessem avisado de sua não-existência, não foram apenas estúpido, mas também voluntários ignorantes. Eles confiaram em seu governo para dar-lhes tudo, e não puderam acreditar que o mesmo Estado poderia um dia lhes privar de tudo, que é o que está acontecendo agora. Até agora, os membros mais dependentes da sociedade estão culpando outras pessoas e não os bancos e os governos de sua miséria. Por quê? Porque o jogo da culpa é a base para a existência de Estatismo, e o Estado tem bem treinadas as pessoas para aceitar o jogo da culpa quando favorece ao Estado. Agora eles estão pedindo que os Engenheiros Sociais ponham fim à sua miséria. Eventos como os incidentes em Londres e os EUA são apenas o começo do que tem sido um longo verão e do que será um inverno doloroso. A violência nas ruas, o crime, e a oposição ao governo serão usados por governos para tirar nossos direitos. O Governo usará exércitos e a violência contra manifestantes pacíficos antes de impor mais austeridade e um Estado Policia mais visível para esmagar o direito das pessoas a falar e se defender. Os Estados vão continuar usando espionagem nas redes sociais, contas de e-mail, e qualquer sinal de dissidência.

Agora isto é o que uma sociedade quebrado representa no mundo desenvolvido. Você pode imaginar o que vai acontecer no Terceiro Mundo onde os Estados socialistas e paternalistas usaram mais austeridade, pobreza e fome para minar suas vidas de fantasia?

Geo-engenharia: Armas Laser e Modificação Climática

Por Luis R. Miranda
The Real Agenda
Junho 3, 2010

Muitas pessoas agem com incredulidade quando o assunto do uso de armas de energia direta é falado em uma conversa. Acredita-se

Armas laser disparadas do ar o desde o espaço são já uma realidade.

que a pessoa é “excêntrica” se ela explica que estas armas podem ser usadas para modificar o clima ou derrubar estruturas ou locais. No entanto, uma recente utilização do laser revela que tal uso militar não está somente bem próximo da realidade, mas na verdade é uma aplicação comum hoje em dia.

Em um artigo publicado na Russia Today, a existência de tais tecnologias é admitida por cientistas e militares e suas aplicações explicadas.

Abaixo está o artigo que Russia Today publicou em 4 de maio de 2010, às 13:08:

Um poderoso laser pode ser emitido no ar úmido para provocar a condensação da água, os cientistas descobriram. A tecnologia tem o potencial de substituir a adubação de nuvens usada hoje.

Um pulso de laser é disparado no ar e este faz um caminho de oxigênio e nitrogênio ionizado. Alguns pesquisadores militares querem usar este canal “plasma” para conduzir a eletricidade em armas futuristas de energia direta, mas parece que existe também um uso para fins pacíficos.

As moléculas ionizadas atuam como núcleos de condensação de água natural e, potencialmente, podem ser utilizadas para induzir a chuva. Jérôme Kasparian, um físico óptico na Universidade de Genebra, na Suíça, e seus colegas descobriram este processo ao investigar a possibilidade de desviar a descarga através de um raio laser.

Adubação de nuvens, o método utilizado atualmente, envolve o uso de iodeto de prata ou dióxido de carbono, que estimula a formação de gotículas nas nuvens. Os produtos químicos são liberados a partir de geradores na terra ou lançados de aeronaves em qualquer lugar. Esta abordagem tem sido usada há 50 anos, é apenas moderadamente eficaz e existem algumas preocupações ambientais.

Kasparian e a sua equipe testaram com sucesso o uso de lasers para criar condensação, tanto em laboratório como no mundo real. O número de gotas foi contado para um segundo pulso disperso de baixa energia de outro laser. Em tempo úmido, a medida foi 20 vezes maior do que após disparar o primeiro laser. Isto é relatado na revista Nature Photonics.

A tecnologia, entretanto, está em seus estágios iniciais e os cientistas ainda estão por provar que realmente podem causar condensação em grandes áreas. Também tem que ser investigado a tecnologia opera em diferentes condições ambientais.

Podemos acreditar que esta tecnologia não está em uso agora? Claro que não. Pode este laser ser usado para criar um maior grau de instabilidade na atmosfera, da mesma forma que pode ser usado para criar nuvens e fazer chover? Julgue você mesmo.

Quais outras aplicações pode ter essa tecnologia? Que tal ser capaz de disparar um raio de laser desde o espaço até qualquer ponto na Terra? De repente, a teoria de que armas de energia foram usadas em 9/11, não parece tão louca, né? Apesar de ainda faltar um ponto de ligação entre a tecnologia e como ela pode ou não ser sido utilizada em 2001, o paralelismo estabelecido em alguns estudos parece ser bastante preciso.

Trilhas químicas sobre a cidade de Sao Leopoldo-RS, Brasil

Será que a alteração do clima é uma iniciativa pacífica, como é definido no artigo anterior? Na realidade não. O clima em nosso

planeta gira em torno de processos naturais que fazem parte de um equilíbrio natural, portanto, qualquer alteração artificial pode causar efeitos inesperados nos padrões do clima. A modificação artificial do tempo e o clima através da utilização de trilhas químicas, ou chemtrails, é negada como técnica para mudar o clima em uma região na atualidade, apesar da existência de programas secretos e outros de conhecimento público que revelam a utilização de compostos de bário, óxido de alumínio e outros para modificar o tempo. Estes programas são concebidos para controlar a quantidade de luz solar que atinge a Terra. Quando questionadas sobre os programas secretos, as autoridades afirmam que a pulverização química é para o bem de todos. A primeira desculpa dada é o acontecimento do aquecimento global. Os cientistas e os governos acham que é uma boa idéia pulverizar produtos químicos que causam problemas de saúde e poluem o ar que respiramos e a água que bebemos para mudar um processo que ocorre naturalmente.

Depóis de alguns minutos, as trilhas se expandem e toman conta do céu em Sao Leopoldo-RS, Brasil.

Programas que tratam com a modificação do tempo, acredita-se, é uma questão da imaginação das pessoas, até que descobrimos que organizações corruptas como o IPCC estudaram e proporam o uso da tecnologia para alterar artificialmente o clima. O que os estudos não dizem é que as partículas utilizadas na mudança do clima são tão pequenas quanto 10 mícrons e podem ter consequências desastrosas para nossa saúde. O acúmulo de óxido de alumínio e outros produtos químicos na água da chuva coletada em regiões onde o produto químico foi usado é 20 vezes superior ao normal.

A iniciativa de mudar o clima através do uso de produtos químicos não é apenas uma coisa do presente ou do futuro. No passado, o governo dos E.U., por exemplo, usou adubação de nuvens para modificar o tempo e causar chuvas torrenciais no Vietnã durante a guerra. A chuva trouxe grandes enchentes que interromperam a ação do exército de resistência vietnamita e facilitou o trabalho dos aviões americanos. Os Estados Unidos realizaram mais de 2.000 missões de modificação do clima durante a guerra. O projeto Stormfury, ou Furia da Tormenta, usado para adubar nuvens e modificar o clima, assim como outras tecnologias, têm sido estudadas e aplicadas há pelo menos 40 anos. Dr. Joseph Golden, um cientista e pesquisador na National Oceanic Atmospheric Administration (NOAA), disse que essas tecnologias têm sido usadas para enfraquecer furacões em até 15 por cento no passado. Ele também apoia a utilização de produtos químicos que permite que os cientistas e militares controlem o tempo em qualquer lugar durante períodos variados. Chemtrails, ou trilhas químicas, podem permanecer entre 6 e 20 horas na atmosfera após os produtos químicos que os formam serem pulverizados. Elas podem abranger áreas tão grandes quanto 4.000 milhas ou mais. Minha pergunta é: estas tecnologias podem ser usadas para criar furacões da mesma maneira que se usam para enfraquecê-los ou até mesmo dissipá-los? A resposta é SIM.

O uso de lasers e outras tecnologias semelhantes é, como podemos ver nesta tabela, um objetivo bem alcançado. O mais famoso de todos os usos é o de Nikola Tesla, com o uso de energia direta. A aplicação de Tesla foi estudada e aperfeiçoada ao longo de décadas e é agora reconhecida, mesmo pelos militares, como uma fonte real de energia. Tenente-Coronel Thomas E. Bearden (aposentado), analista de sistemas com experiência e especialista em programas militares disse: “O tempo e a energia eventualmente tornam-se coisas que você pode inventar.” Ele continuou: “Para a nossa própria sobrevivência, é absolutamente imperativo que os cidadãos informados estejam conscientes desta mudança radical, que está apenas no início. A ciência nova e poderosa deve ser controlada e utilizada em benefício da humanidade e não em seu prejuízo. Caso contrário, será usada para destruir toda a vida na terra, como indicado por Nikita Khrushchev em 1960. ”

Tenente-Coronel Bearden

O que o Tenente-Coronel Bearden quer dizer é que a humanidade tem em suas mãos uma nova arma, uma arma que pode destruir toda a vida na Terra. A sua visão é apoiada pelo ex-secretário de Defesa dos Estados Unidos, William Cohen, quem alertou sobre o uso de armas laser como uma forma de terrorismo ecológico. “Outros estão envolvidos, mesmo em um tipo de eco-terrorismo que pode alterar o clima, causar terremotos e erupcões vulcánicas remotamente através do uso de ondas eletromagnéticas … Então, há uma abundância de mentes engenhosas que estão lá fora trabalhando para encontrar maneiras de criar terrorismo em outros países … “

Embora os cientistas não estejam pensando em usar a geo-engenharia ou tecnologias de modificação do tempo para causar danos a grandes áreas da Terra, -pelo menos não todos eles- a realidade é que essa decisão não está em suas mãos. Os cientistas são responsáveis por pensar, criar e implementar tecnologias. O que é feito com essas tecnologias é, então, a prerrogativa de empresas privadas ou governos, que são aqueles que fornecem financiamento e infra-estrutura para os experimentos. Uma questão que pode surgir sobre as alterações climáticas com armas laser ou trilhas químicas é: como ela nos afetam? A resposta é: não positivamente. Outra questão é: porque se no passado os governos e as empresas negaram a existência de modificações climáticas e as tecnologias de armas deste tipo, estão agora falando sobre seu uso e tornando-as visíveis para todos? Bem, porque você não pode negar a geo-engenharia que está acontecendo, como é reconhecida pelos cientistas e militares. Portanto, não é necessário documentar as trilhas químicas, porque está provado que elas existem. Não há necessidade de documentar as armas laser, tanto na Terra como no espaço, porque sem dúvida existem. Leia este documento PDF do Council on Foreign Relations (CFR), uma organização globalista conhecida por suas opiniões sobre o uso unilateral da geo-engenharia.

Como disse o ex-secretário de Defesa, William Cohen, a questão agora não é se a geo-engenharia através de lasers e trilhas químicas é real ou não, mas para que será usada. E se tomarmos a dua palavra, como ex-secretário de Defesa da mais poderosa força militar do mundo, o futuro não parece ser bom. Simplesmente a partir do ponto de vista do que armas laser ou a geo-engenharia são capazes de fazer, todas as questões devem ser levantadas. Se esses rastros químicos não são tóxicos, como alguns cientistas dizem, porque a Monsanto, empresa química em si, está criando um tipo de semente que pode suportar os produtos químicos utilizados nestes percursos? Segundo a Dra. Ilya Sandra Perlingieri, os produtos químicos aplicados às áreas povoadas e despovoadas estão prejudicando não só o ambiente mas também a saúde humana.

“… Nós também sabemos que certos tipos de produtos químicos podem danificar a saúde humana e dos animais, especialmente o sistema imunológico … … os perigos das alterações hormonais estão agora mais amplamente explicadas na Internet, mas não são bem conhecidos pelas pessoas que escutam notícia dos meios de comunicação tradicionais. (1) A maioria destes produtos químicos altamente tóxicos são invisíveis e, portanto, estão facilmente fora do nosso radar coletivo. Com o nível de estresse criado deliberadamente pela crise financeira orquestrada pelas elites, onde milhões de pessoas perderam seus empregos e lares, um ambiente degradado não é prioridade para ninguém, especialmente se há pouca informação ao respeito. Este cenário faz parte de uma perspectiva mais ampla e é o que Naomi Klein escreve em seu livro “The Shock Doctrine”. Temos grandes crises, uma após a outra, sendo difícil manter o contato com nossa rotina diária, muito menos ter tempo para considerar as implicações toxicológicas de enormes quantidades de metais pesados e produtos químicos que envenenam nossa cadeia alimentar e, portanto, a nossa suposta saúde. ” Estamos no topo de uma cadeia alimentar em ruínas. ”

Leia a avaliação completa da Dra. Perlingieri sobre a geo-engenharia e as alterações climáticas aqui. E sobre as armas laser? Bem,

Secretario de Defesa dos Estados Unidos, William Cohen.

se os governos e as empresas têm agora a possibilidade de criar nuvens, criar e gerenciar furacões, criar terremotos e outros fenômenos tais como William Cohen e o Tenente Bearden dizem, é seguro afirmar que estas são ameaças gigantescas à sobrevivência da humanidade. O uso de produtos químicos e lasers são o mesmo tipo de soluções rápidas que nos trouxeram DDT, gases CFC, dispositivos de radiação de microondas, os organismos geneticamente modificados (OGM), os pesticidas em alimentos e outros. É essa ameaça que levou as pessoas a se mobilizarem a nível mundial. O cientista David Suzuki diz que a geo-engenharia é uma “loucura” e vai mais longe ao dizer: “Se nós aprendemos alguma coisa do passado, é que apesar de estarmos muito hábeis em inventar novas e poderosas tecnologias, nosso conhecimento de como o mundo e as coisas estão interligadas é quase zero. ”

Mesmo os globalistas, tradicionalmente defensores da redução da população nas Nações Unidas, manifestaram sua preocupação com a utilização tanto das armas laser como das trilhas químicas. A 14ª Sessão do Órgão Subsidiário de Assessoramento Científico, Técnico e Tecnológico foi o primeiro lugar onde o Conselho das Nações Unidas discutiu a geo-engenharia, desde a assinatura do Tratado ENMOD em 1976. O tratado proibiu a geo-engenharia, quando ela é usada para objetivos”hostis”. SBSTTA 14 irá recomendar à Convenção das Nações Unidas sobre a Diversidade Biológica a imposição de uma moratória sobre todas as atividades de modificação do clima através de geo-engenharia em uma reunião em Nagoya, Japão em outubro 2010. Naturalmente, o conhecimento se dissemina mais rápido e melhor quando as pessoas mais a nível local são responsáveis por informar sobre estas questões. Então, conte à sua família, amigos e conhecidos sobre a origem e os perigos de armas laser e a modificação do clima com geo- engenharia ao redor do globo. Assim como OS POVOS expuseram as mentiras sobre o aquecimento global antropogênico e Climategate, é nosso dever expor isso também.