O coquetel de até 20 produtos químicos em um copo de leite

Adaptação Luis R. Miranda
Mail Online
07 julho de 2011

Um copo de leite pode conter uma mistura de até 20 analgésicos, antibióticos e hormônios de crescimento, os cientistas têm mostrado.

Usando um teste altamente sensível, eles encontraram uma grande quantidade de produtos químicos utilizados para tratar doenças em animais e pessoas nas amostras de leite de vaca de cabra, leite.

As doses dos medicamentos foram muito pequenas para ter um efeito sobre qualquer bebida, mas os resultados mostram como produtos químicos sintéticos estão agora invadem a cadeia alimentar.

A maioria das drogas são encontradas no leite de vaca.

Os investigadores acreditam que alguns dos medicamentos e hormônios de crescimento dado ao gado, se misturaram no leite através dos alimentos dados ao ou chegaram lá por contaminação em fazendas.

A equipe de cientistas da Espanha e Marrocos, analisaram 20 amostras de leite de vaca compradas em Espanha e Marrocos, juntamente com amostras de leite de cabra e de mama.

O relatório, publicado no Journal of Agriculture and Food Chemistry, descobriu que o leite de vaca contém traços de anti-inflamatório ácido niflumic, ácido mefenâmico e cetoprofeno – comumente usado como analgésico em animais e humanos.

Veja a tabela com a lista de substâncias químicas encontradas no estudo

O leite analisado também contém o hormônio 17-beta-estradiol, uma forma de estrogênio, um hormônio sexual. O hormônio foi detectado em três milionésimos de um grama por quilo de leite, enquanto a dose mais elevada de ácido niflumico foi menos de um milionésimo de um grama por quilo de leite.

Os cientistas, liderados pelo Dr. Evaristo Ballesteros, da Universidade de Jaén, Espanha, dizem que sua técnica pode ser usada para verificar a segurança de outros tipos de alimentos.

Dr. Ballesteros disse: “Nós acreditamos que a nova metodologia vai ajudar a fornecer uma maneira mais eficaz de determinar a presença de contaminantes, para o leite e outros produtos.

Os laboratórios de controle de qualidade poderiam usar esta nova ferramenta para detectar as drogas antes de entrar na cadeia alimentar. Isso aumentaria a consciencialização dos consumidores e daria-lhes o conhecimento de que os alimentos são seguros …, autênticos, puros, benéficos para a saúde e livre de resíduos tóxicos “, acrescentou.

Os testes também descobriram o ácido niflumico em leite de cabra, assim como traços de analgésicos como ibuprofeno e naproxeno, juntamente com o antibiótico triclosan e alguns hormônios.

Os pesquisadores dizem que seu teste de 30 minutos novo é o mais sensível de seu tipo. Se as descobertas são verdadeiras para o leite espanhol e marroquino, os resultados também podem ser verdade para o leite produzido na Grã-Bretanha, no norte da Europa ou em qualquer outro lugar.
No ano passado, cientistas da Universidade de Portsmouth descobriram que os peixes estavam contaminados com o antidepressivo Prozac.

A droga entra nos rios da rede de esgotos e mexe com a química do cérebro de peixe, disseram os pesquisadores.

Estudos anteriores mostraram que cafeína é liberada na água depois de sobreviver ao processo de tratamento de águas residuais. O que outras substâncias podem sobreviver a este tratamento, além de cafeína?

Os hormônios em pílulas anticoncepcionais e terapia de reposição hormonal têm sido associados a feminização de peixes, levando a produção de ovos em peixes machos. Outras substâncias como bisfenol A, têm sido associadas a mudança de sexo em vários animais que se tornam hermafroditas ou as vezes ficam desinteressados em reprodução. Alguns neurologistas e outros médicos acreditam que estes químicos tem alguma coisa a ver com o aumento no numero de humanos homossexuais, que possam ter sido expostos aos químicos inclusive antes de nascer. Ao mesmo tempo, os médicos também acreditam que os hormônios influenciam o desenvolvimento prematuro nas fêmeas. Em alguns países, meninas de apenas 3 ou 4 anos de idade já mostram sinais de puberdade.

Cientistas de outras universidades de outros países também estão estudando os efeitos dos antibióticos, medicamentos para pressão arterial e outros usados para abaixar o colesterol em animais selvagens em todo o mundo.