Cientistas: Soldados da ONU Levaram Doenças Mortais para Américas

Por Luis R. Miranda
The Real Agenda
14 de Janeiro de 2012

Novas evidências científicas sugerem que as forças de paz das Nações Unidas levaram uma cepa virulenta de cólera – um super bug – ao Hemisfério Ocidental.

A cepa forte da cólera já matou 7.000 pessoas no Haiti, onde ele surgiu em uma aldeia remota em outubro de 2010. Pesquisadores da Harvard Medical School disseram à ABC News que, apesar dos desmentidos da ONU, há agora uma montanha de evidências sugerindo que a cepa foi originada no Nepal, e foi levada para o Haiti por soldados nepaleses que vieram ao Haiti para servir como soldados da ONU após o terremoto que devastou o país em 12 de janeiro de 2010 – há dois anos hoje. Haiti nunca tinha visto um caso de cólera até a chegada das forças de paz, que supostamente não conseguiram manter as condições sanitárias em sua base.

“O que me assusta é que a cepa do Sul da Ásia tem sido reconhecida como mais virulenta, mais capaz de causar doença grave, e mais transmissível”, disse John Mekalanos, que preside o Departamento de Microbiologia e Imunobiologia da Harvard Medical School. “Essas cepas são desagradáveis. Até agora não houve nenhum foco secundário, mas Haiti agora representa um ponto de apoio para uma variedade particularmente perigosa desta doença mortal.”

Mais de 500.000 haitianos foram infectados, e Mekalanos disse que um punhado de vítimas que contraíram cólera no Haiti já apareceram na Venezuela, República Dominicana, e em Boston, Miami e Nova York, mas apenas em casos isolados.

Desde que a cólera desembarcou no Haiti, tem sido um tema politicamente carregado por mais de um ano, com as Nações Unidas repetidamente se recusando a reconhecer qualquer papel no surto, apesar das evidências crescentes de que forças de paz internacionais foram os mais prováveis ​​culpados. A ONU já enfrentou hostilidade por parte de haitianos que acreditam que tropas de paz têm abusado de residentes locais sem conseqüência. Eles enfrentam agora uma acção judicial de parentes das vítimas que pediram restituição à ONU. E o surto de cólera poderia dificultar ainda mais a capacidade da ONU para trabalhar eficazmente lá, dois anos após que o país foi prejudicado pelo terremoto.

Durante o verão, o Secretário-Geral Adjunto Anthony Banbury disse à ABC News que a ONU sinceramente queria saber se ele desempenhou um papel no foco, mas os esforços independentes para responder a essa pergunta não tinham conseguido seu objetivo. Ele disse que a doença poderia ter sido levada lá por um mochilero ou trabalhador de ajuda civil.
Banbury disse que a ONU, tanto através de sua missão de paz como de suas organizações civis “estão trabalhando muito duro … para combater a propagação da doença e levar assistência ao povo. E é isso que é importante agora.”

“Os cientistas dizem que não pode ser determinado com certeza de onde veio”, disse Banbury. “Então, não sabemos se foi a tropas da ONU ou não. Essa é a linha de fundo.”

Uma porta-voz da ONU repetiu a resposta quando questionada novamente na semana passada: “Os [cientistas] determinaram que não foi possível ser conclusivo sobre como o a cólera foi introduzido no Haiti”, disse Lopez da ONU Anayansi.

Cientistas Rastream Cepa da Cólera aos Peacekeepers das Nações Unidas

Mas a ABC News entrevistou vários cientistas envolvidos na pesquisa sobre as origens do surto de cólera, e eles não expressaram nenhuma duvida que foram as tropas da ONU as  responsáveis. O motivo: Uma análise genética da cepa encontrada no Haiti corresponde a outra idêntica que foi encontrada em um surto no Nepal em agosto e setembro de 2010. As tropas de paz nepaleses foram enviadas ao Haiti, precisamente no momento em que, os haitianos haviam relatado falhas sanitárias no acampamento nepalês ao longo de um afluente do rio Artibonite, cerca de 60 quilômetros ao norte da capital Port-au-Prince. No mês seguinte, os primeiros casos de cólera surgiram na mesma área remota, a partir de haitianos que foram beber agua e tomar banho no rio.
“O debate científico sobre a origem da cólera no Haiti já existia, mas foi resolvido pelo acúmulo de evidências que, infelizmente, não deixam dúvidas sobre a implicação do contingente nepalês da missão de paz da ONU no Haiti”, disse o epidemiologista francês Renaud Piarroux, cuja pesquisa sobre o surto foi publicada pelo Jornal de Controle de  Doenças dos EUA.

Mekalanos concordou, dizendo que a peça mais forte de evidência veio da análise genética da cepa, que segundo ele era praticamente idêntico a cepas que causoaram cólera no Nepal na época em que as tropas foram enviadas. Tomadas em conjunto com problemas de saneamento na base do Nepal, que estava localizada perto do epicentro do surto, ele disse “quase qualquer outra explicação que eu possa pensar fica bem atrás das possíveis causas”, disse ele.

“É ultrajante para a ONU tentar negar a responsabilidade de trazer a cólera ao Haiti”, disse Mark Weisbrot, co-diretor do Centro com sede em Washington para a Pesquisa Econômica e Política, cujo grupo tem vindo a acompanhar os esforços de socorro no Haiti. “Foi negligência da sua parte? Esta é uma das questões que eles não terão de responder se podem varrer essa coisa toda debaixo do tapete.”

Especialistas dizem que a compreensão da origem do surto é importante. Louise C. Ivers, um especialista em doenças infecciosas e professor de saúde global e medicina social na Harvard Medical School, publicou um artigo esta semana que traçava a propagação da cólera de volta para a primeira vítima, um homem mentalmente doente que ingeriu água do rio contaminado. Ela testemunhou em primeira mão a destruição que causou enquanto centenas de moradores começaram a morrer de uma doença desconhecida.

“Foi impressionante”, disse ela. “Não houve casos relatados no Haiti antes de 2010, nunca. Realmente as pessoas não tinham idéia do que estava acontecendo. Para ouvir o medo e as suspeitas e a falta de compreensão sobre como isso foi acontecendo é muito, muito triste. O surto colocou um enorme estresse sobre o que já era um sistema de saúde muito frágil. Sem duvida será um problema para o futuro previsível “.

Ela disse que o que fez ao Haiti tão vulnerável foi a falta de latrinas e água potável limpa. Ela disse que tem havido pequenos surtos na República Dominicana, mas nada na escala do que atingiu o Haiti porque as condições sanitarias são melhores.

Mekalanos disse que há passos que as organizações de ajuda da ONU e outros podem e devem tomar se são enviadas a trabalhar de uma área onde a cólera está ativo a uma região onde esta muito tempo ausente. No futuro, disse ele, a ONU pode considerar dar as tropas uma dose profilática de antibiótico antes de envia-las. Ou eles poderiam fazer mais para assegurar condições adequadas de saneamento em acampamentos da ONU.

Com a probabilidade de que a cólera fará parte da paisagem no Haiti para as próximas décadas, a esperança é que os tropeços que trouxeram a cepa da Ásia para o oeste não se repitam e levem à sua propagação .

“A cólera é uma doença dos pobres”, disse ele. “Quando os padrões de vida já estão nos níveis mais baixos, a cólera é um assassino de proporções históricas. Se ele se espalha para outras partes do mundo, nesses tipos de configurações, eu temo que haverá uma taxa muito elevada de morte.”

Funcionários da ONU disseram que Banbury está atualmente no Haiti, “ativamente discutindo com a Missão da ONU o que mais pode fazer para ajudar a lidar com o surto do Haiti”.

Artigo traduzido do original: Scientists: UN Soldiers Brought Deadly Superbug to Americas