Brasil Enfrenta Previsões de Desaceleração

Tradução Luis Miranda
UPI
Novembro 1, 2011

Planejadores do governo brasileiro foram avisados que a economia do seu pais pode estar desacelerando-se.

Dados divulgados pelo Banco de Desenvolvimento do Estado BNDES indicou o lento crescimento não foi apenas uma realidade, mas que ganhou impulso nos últimos meses.

Relatórios do maior pais da região, mostraram uma maior desaceleração da economia, com projeções que continuam a indicar atividade saudável, na maioria dos setores da economia brasileira. O prognóstico de desaceleração é feito com base em números mais baixos de empréstimos, o que indica que o dinamismo da actividade económica diminuiu, os dados mostraram.

O banco disse que os desembolsos de empréstimos em 2011 vao perder a sua meta inicial para o ano, refletindo um déficit de US $ 2,95 bilhões a $4.14 bilhões. A estimativa de desembolsos de empréstimos total para o ano é provável que seja mais de US $ 83 bilhões contra estimativas de até US $ 87 bilhões.

A queda é em parte resultado de tomadores de empréstimos corporativos mudando de idéia sobre como fazer as solicitações de crédito novo, mas representa o primeiro declínio anual na figura desde 2008, quando o Brasil estava lutando contra a crise econômica global.

A queda ocorre em meio a previsões de financiamento que o crescimento econômico do Brasil este ano pode ser inferior a metade do que em 2010. O crescimento econômico do ano passado, registrou-se em 7,5 por cento, foi o mais rápido em 24 anos de atividade econômica no Brasil e atraiu investidores de todo o mundo.

Pelo menos parte da queda do endividamento do BNDES provém do conservadorismo entre pessoas jurídicas brasileiras que têm sido atacadas pela especulação dos investidores e as preocupações sobre as possíveis ramificações da crise da zona do euro.

Expectativas sobre a construção de novas formas de negócios e investimento com a União Europeia tem diminuído por mais de um ano e discussões para alcançar um acordo de livre comércio com a Europa no âmbito do comércio da América Latina e o Mercosul foram inconclusivos.

Autoridades dizem que a crise da zona do euro pode encorajar os negociadores europeus a abandonar suas objeções ao Mercosul, que é visto pelo sector da agricultura da UE como uma ameaça potencial. Os analistas da UE disseram que um acordo com o Mercosul ajudará a UE para forjar novas relações comerciais e encontrar novas fontes de receita em um momento de adversidade.

Vários países membros do Mercosul estão indo bem e o Brasil em particular, tem um vasto excedente que promete os exportadores da UE uma mina de ouro potencial se um acordo de comércio é realizado.

Países membros do Mercosul são Argentina, Brasil, Paraguai e Uruguai como membros plenos, Venezuela como membro pleno aguardando a confirmação e Bolívia, Chile, Colômbia, Equador e Peru como associados.
Analistas disseram que a notícia de uma potencial desaceleração econômica no Brasil provavelmente vai causar um efeito cascata no resto da região do Mercosul, que tem um produto interno bruto de $ $2.895 trilhoes.

Brazil faces forecasts of slow growth

UPI
November 1, 2011

Brazilian government economic planners have been served the first warning this year that the Latin American country’s commodities-fueled economy may be slowing.

Data released by the state development bank BNDES indicated the sluggish growth wasn’t only a reality but one that had gained momentum in recent months.

Reports of the continent’s largest economy slowing contrast with projections that continue to indicate healthy activity in most sectors of Brazilian economy. The slowdown prognosis is based on lower lending figures, which indicate momentum in economic activity, the data showed.

The bank said its loan disbursements in 2011 will miss their initial target for the year, reflecting a shortfall of $2.95 billion-$4.14 billion. The estimated total loan disbursements for the year are likely to be no more than $83 billion against estimates of up to $87 billion.

The drop is partly the result of corporate borrowers changing their minds about making new credit requests but it represents the first annual decline in the figure since 2008, when Brazil was battling the global economic downturn.

The financing slump comes amid forecasts that Brazil’s economic growth this year may be less than half that in 2010. Last year’s economic growth, recorded at 7.5 percent, was the fastest in 24 years of economic activity in Brazil and attracted investors from all over the world.

At least part of the drop in borrowing from BNDES stems from conservatism among Brazilian corporate entities that have been buffeted by investor speculation and worries over the possible ramifications of the eurozone crisis.

Talks on building new business bridges with the European Union have been stalled for more than a year and discussions on reaching a free trade deal with Europe within the framework of Latin America’s Mercosur trade bloc have been inconclusive.

Officials say the eurozone crisis may encourage European negotiators to drop their objections to Mercosur, which is seen by the EU agriculture sector as a potential threat. EU analysts have said a deal with Mercosur will help EU to forge new trade links and find new sources of revenue at a time of adversity.

Several Mercosur member countries are doing well and Brazil in particular has a vast surplus that promises EU exporters a potential bonanza if a trade deal is realized.

Mercosur member countries are Argentina, Brazil, Paraguay and Uruguay as full members, Venezuela as a full member awaiting confirmation and Bolivia, Chile, Colombia, Ecuador and Peru as associates.

Analysts said the news of a potential economic slowdown in Brazil will likely cause a ripple effect in the rest of the Mercosur region, which has a gross domestic product of $2.895 trillion.