Wikileaks: EUA Financia oposição na Síria

Departamento de Estado financia um canal de televisão por satélite contra o governo sírio.

UK Telegraph
Abril 18, 2011
Adaptação Luis R. Miranda

O Departamento de Estado dos Estados Unidos financiou e continua financiando os adversários do presidente sírio, Bashar Assad, diz o Washington Post, citando documentos diplomáticos que foram fornecidos ao jornal pelo site Wikileaks.

Clique na imagem para ir a Barada TV

Um dos grupos financiados pelos os EUA é Barada TV, um canal por satélite com sede em Londres que transmite notícias contra o governo da Síria, segundo o Post de domingo. O editor-chefe da TV Barada, Malik al-Abdeh, é co-fundador do grupo de exilados sírios Movimento para a Justiça e Desenvolvimento.

Os documentos que vazaram mostram que EUA tem proporcionado pelo menos $ 6 milhões para Barada televisão e outros grupos de oposição na Síria, disse o jornal.

O governo do presidente Obama falou com o regime de Assad, na esperança de persuadi-lo a mudar sua política em relação a Israel, Líbano, Iraque e apoiar grupos militantes. Em janeiro, EUA enviou um embaixador a Damasco, a capital, pela primeira vez em cinco anos.

O Post disse que não ficou claro nos documentos se o U. S. continua financiando adversários de Assad, apesar de que eles mostram que os fundos tinham sido enviados pela ultima vez em setembro de 2010.

Ativistas sírios organizaram protestos contra o regime autoritário do Assad há mais de um mês. Mais de 200 pessoas foram mortas quando as forças de segurança tentaram esmagar os protestos.

No domingo, atiradores abriram fogo durante o funeral de um manifestante, matando pelo menos três pessoas, disseram testemunhas e ativistas. Dezenas de milhares de sírios foram às ruas em todo o país apesar da promessa de Assad de terminar com quase 50 anos de estado de emergência nesta semana, uma das principais exigências dos manifestantes.

Na semana passada, o Departamento de Estado disse que o Irã parecia estar ajudando a Síria a reprimir os manifestantes, chamando-lhe um exemplo preocupante de intromissão iraniana na região. Esta informação nunca foi confirmada independentemente.

“Se a Síria busca ajuda do Irã, pode ser que o sua suposta reforma não seja real”, disse o porta-voz Mark Toner aos repórteres.

WikiLeaks: U.S. funding Syrian opposition

State Department financing of an anti-government satellite TV channel

UK Telegraph
April 18, 2011

Click to go to Channel's website.

The State Department has been secretly financing opponents of Syrian President Bashar Assad, the Washington Post reported, citing previously undisclosed diplomatic documents provided to the newspaper by the WikiLeaks website.

One of the outfits funded by the U.S. is Barada TV, a London-based satellite channel that broadcasts anti-government news into Syria, the Post reported Sunday. Barada’s chief editor, Malik al-Abdeh, is a cofounder of the Syrian exile group Movement for Justice and Development.

The leaked documents show that the U.S. has provided at least $6 million to Barada TV and other opposition groups inside Syria, the newspaper said.

President Obama’s administration has reached out to Assad’s regime, hoping to persuade it to change its policies regarding Israel, Lebanon, Iraq and support for extremist groups. In January, the U.S. stationed an ambassador in Damascus, the capital, for the first time in five years.

The Post said it was not clear from the WikiLeaks documents whether the U.S. was still financing Assad’s opponents, though they showed funding had been set aside through September 2010.

Syrian activists have been staging protests against Assad’s authoritarian regime for more than a month. More than 200 people have been killed as security forces tried to crush the protests.

On Sunday, gunmen opened fire during a funeral for a slain anti-government protester, killing at least three people, according to witnesses and activists. Tens of thousands of Syrians took to the streets nationwide despite Assad’s promise to end nearly 50 years of emergency rule this week, a key demand of the protesters.

Last week, the State Department said Iran appeared to be helping Syria crack down on protesters, calling it a troubling example of Iranian meddling in the region.

“If Syria’s turning to Iran for help, it can’t be very serious about real reform,” spokesman Mark Toner told reporters.