FMI presiona os países Europeus a entregarem sua Soberania

POR LUIS MIRANDA | THE REAL AGENDA | 18 NOVEMBRO, 2012

O Fundo Monetário Internacional (FMI) pediu aos países sob pressão do mercado por custos de financiamento elevados, incluindo a Espanha, que busquem a ajuda dos fundos de resgate europeus para o programa de compra de dívida criado pelo Banco Central Europeu (BCE).

“Os países deveriam implementar programas de ajuste e, se necessário, procurar o apoio adequado da EFSF / ESM. Isso permitiria ao BCE intervir com o programa recentemente criado, indicou “um documento do FMI preparado para a reunião dos ministros das finanças e presidentes de bancos centrais do G-20, em 4 e 5 de Novembro.

Neste sentido, a organização destaca que apesar da decisão do BCE de remover alguns dos principais riscos na zona do euro, os fatores econômicos e políticos podem acarretar que estes países não procurem a ajuda de seus parceiros europeus e do BCE.

A instituição liderada por Christine Lagarde disse que, embora se tenha avançado, a resolução da crise da zona do euro vai exigir  a implementação “oportuna e decisiva” das políticas propostas pelo BCE e do FMI.

O FMI alerta que o acesso ao financiamento a um custo razoável é “essencial para que as economias se ajustem com sucesso. Embora as economias de periferia devam continuar a ajustar seus balanços fiscais a uma taxa que possam ser pagos no atual ambiente frágil, devem, também, adoptar as políticas certas. “O documento adverte que as alterações que não envolvem um” resgate “podem ​​não ser suficientes para recuperar totalmente a confiança dos mercados, especialmente a implantação de risco.

Assim, a suposta solução fornecida pelos banqueiros não é somente eficaz, como também uma faca de dois gumes. Além de manter os países endividados, os banqueiros também querem aprofundar a crise através da emissão de mais dívida, para que mais risco se possa criar e que nada mude. É por isso que os bancos querem assumir o controle total, mantendo as políticas fiscais e monetárias em cada país para que eles possam arriscar tudo o que querem com o dinheiro dos outros sem ter que prestar contas a ninguém.

O FMI afirma falsamente que as medidas tomadas pela crise devem ser acompanhadas por um guia que levará a criação de um sindicato bancário e uma maior integração fiscal para fortalecer a união monetária. Este é o mecanismo que, de uma vez por todas, dará  o controle completo de todas as decisões financeiras da Europa aos banqueiros. Eles também pretendem exportar este mecanismo para o mundo uma vez que os países da UE sejam completamente absorvidos.

Segundo o FMI, a UE deve se basear em um único mecanismo de monitoramento – controlado pelos bancos que criaram a crise – um mecanismo de resolução ao nível da zona do euro com o apoio de todos os membros e um esquema onde todos os países financiem um sistema de seguro de depósito para a união monetária. Esse dinheiro também será destinado para causas decididas pelos banqueiros e os países ou bancos serão “resgatados” somente se estiverem de acordo com os termos dos contratos.

O FMI também destaca que a continuação da execução de reformas financeiras, fiscais e estruturais é “essencial”, embora reconheça que levará vários anos antes que todas as políticas se apliquem plenamente. Isto significa que os banqueiros, pelo menos por enquanto, não vão desabar o sistema financeiro europeu de uma só vez, desde que se possa criar mais dívida e fazer nações soberanas escravas desta dívida.

Os banqueiros têm alertado sobre o uso de austeridade como uma forma de reduzir os gastos fora de controle do governo. Em vez disso, dizem eles, os países devem defende uma dívida perpétua. Isto é porque este é o mecanismo mais eficiente para que eles rapidamente controlem nações diretamente. A verdade é, no entanto, que o FMI é um dos principais motores de austeridade como um primeiro passo na aquisição de nações endividadas. Uma vez que os burocratas do governo já não são capazes de cortar os orçamentos, os banqueiros se colocam como salvadores a emprestar dinheiro, fazendo com que os países comecem um novo ciclo de endividamento.

The Real Agenda permite a reprodução do conteúdo original publicado no site APENAS através das ferramentas fornecidas no final de cada artigo. Por favor, NÃO COPIE o conteúdo do nosso site para redistribuir ou para enviar por e-mail.

Dívida da Espanha vai aumentar em 23.000 milhões até final de 2012

POR LUIS MIRANDA | THE REAL AGENDA | 12 AGOSTO, 2012

Não estão enlouquecendo. 23.884 milhões de euros é o que a dívida da Espanha aumentará no curto prazo se o país continua a adotar as políticas bancárias europeias. A razão para isto é que o pacote atual de medidas de austeridade e empréstimos prolongará a situação dolorosa do país e levará ao fracasso ao inflar a dívida pública, que crecará mais de 23.000 milhões de euros. É por isso que as medidas tomadas até agora pelo governo liderado por Mariano Rajoy levam a questionar qual será o impacto real de um plano de resgate financeiro do governo espanhol, que atualmente é estimado em 300 bilhões de euros. A resposta é que o impacto simplesmente afundará ainda mais a dívida Espanhola.

Como foi o caso na Grécia, a negociação da dívida, tanto para o sistema bancário como do governo espanhol é apenas uma fachada para estender as perdas e acumular o poder nas mãos da elite bancária, da qual todos somos escravos, de acordo com a mídia corporativa. A dívida acima é a dívida que a Espanha vai ter que arcar para financiar seu governo para o resto de 2012. Mais da dívida será adicionada a esta a longo prazo, se o sistema bancário europeu decide resgatar a Espanha, e por sua vez, tornará impossível saldar suas obrigaçoes.

O total de 23.000 bilhões é algo como 27,8% do montante total previsto para o ano.A esse montante devem ser adicionados vários bilhões a mais em termos de dívida de curto prazo — 3 meses a 18 meses. Se as coisas não mudam muito, a dívida de longo prazo será a taxa mais elevada nos últimos anos, segundo um comunicado emitido pelo presidente do Banco Central Europeu (BCE), Mario Draghi.

Na sexta-feira, a dívida do Tesouro colocados em dois, quatro e 10 anos estava em taxas de juros variando entre 4,8% e 6,7%. O Diretor de Estudos da Caixa Catalunya, Ramon Roig, explicou que “a taxa na qual se colocou a taxa de juros é praticamente a mesmo do que a usada no mercado secundário.” Portanto, se a dívida espanhola nesta recuperação do mercado consolida-se (o vínculo de 10 anos situou-se em 7,2%), Espanha vai ter que pagar mais juros. “Definitivamente vai torná-lo mais caro para financiar o empréstimo, o que vai complicar a vida”, disse Miguel Angel Bernal, professor de IEB.

Um total de 1.062.100 mil milhões da dívida foi colocada nesta quinta-feira a dois anos, 4,8% (a anterior foi de 5,3%), com 1,024.4 milhões, devido a quatro anos de 6,1% (em o primeiro foi de 5,6%) e 1.0458 bilhões a 10 anos em 6,7% (anteriormente 6,5%).

De acordo com o Tesouro espanhol em junho (últimos dados disponíveis), havia 611.992.000 de títulos em circulação com uma meia vida de 6,2 anos. O custo médio, de acordo com as mesmas estatísticas, é de 4,1%, um dos mais baixos nos últimos anos.

O Ministério das Finanças confirmou que, como em anos anteriores, não haverá leilão de longo prazo, dado o período de férias em meados de agosto. Então, o próximo teste para o estado é 21 e 28 deste mês, quando a maioria da dívida será colocada para a compra. Essa dívida de curto prazo é mais fácil de colocar junto a investidores, entre outras razões, porque em uma situação hipotética em que você pegar o dinheiro dos credores, uma redução da dívida pode ser deixada de fora, dizem analistas. Isto é o que aconteceu na Grécia.

Miguel Angel Bernal, advertiu ontem que “o momento chave é outubro, porque há muitos vencimentos da dívida.” De acordo com o Tesouro, esse mês vai ver a renovação de mais de 20 mil milhões para o longo prazo e cerca de 5.000 milhões a curto prazo. Além desses prazos, o Estado deve financiar os déficits gerados no mesmo período. “Se você gastar mais do que aquilo que você tem, como uma família, torna-se um déficit e o déficit deve ser financiado, o que geralmente se traduz em mais dívida”, disse Roig.

Banco Central Europeu: U$ 1 trilhão só serve para ganhar tempo

Por Luis R. Miranda
The Real Agenda
Maio 17, 2010

A corrupção e as mentiras do Banco Central Europeu e das suas filiais ao redor do mundo são ilimitadas. Há um ano atrás, o seu escritório nos Estados Unidos, -a Reserva Federal- solicitou 700 milhões de dólares para ‘salvar’ a economia. Isso, nós aprendemos mais tarde, revelou-se uma mentira. Foi uma mentira não só porque o dinheiro não era para fazer “mágica” econômica tal como foi prometido, mas também porque não erão somente U$700 milhões e, sim, mais de U$ 25 bilhões. Há poucos dias atrás, a União Européia lançou um pacote de ajuda de 1 trilhão de dólares que, segundo eles, serviria para manter a região economicamente estável. Agora, o BCE disse que o trilhão só serve para ganhar tempo. Tempo para quê? Resposta: Tempo para os bancos fazerem os preparativos finais para o colapso total da economia global. Existe alguém que ainda não vê isso?

Este tem sido o padrão mostrado ao longo da história com a elite liderada pelos bancos.  Eles criam problemas e apresentam soluções “milagrosas” que, também, ajudam a consolidar o poder e controle. Desta vez, porém, é definitiva. A linha inferior é esta, os banqueiros jogaram todas as suas cartas e, de uma vez, se converterão nos proprietários de tudo e de todos. A economia e o estado do mundo correram para baixo de modo incontrolável e nem mesmo eles podem salvá-los neste momento. Não que eles tiveram a intenção de fazê-lo.

Um por um, os países que foram vítimas de abutres financeiros ao longo de 100 anos fazem fila para pular além da borda do cânion. Como nos lembramos, tudo começou na Islândia, onde os funcionários agora parecem tentar lutar contra a corrupção enviando banqueiros para a cadeia. A crise mudou-se para a Grécia, onde as nuvens de dívida fiscal envolveram um país que, pelo contrário, é considerado um paraíso. Com Goldman Sachs como portador da lança, os banqueiros adicionaram mais um país à sua valiosa coleção. Nenhum banqueiro foi preso ou processado ainda. Em contrapartida, a Grécia sucumbiu à União Européia, enquanto os banqueiros tomam conta dos fundos de pensão e da poupança através do endividamento.  Os gregos agora estão imersos em uma dívida ainda maior através de um pacote de ajuda que assegura que a jóia do Mediterrâneo seja propriedade dos bancos.

Dois gigantes estão em linha para seguir os passos da Grécia e a Islândia. Portugal e Espanha começaram o processo de colapso através da redução dos salários, congelamento das pensões e o aumento dos impostos. Com uma população à beira do colapso social, as duas nações podem ver protestos no estilo tailandês mais cedo do esperado. A razão pela qual isso não aconteceu ainda? A Engenharia Social, é claro. A atenção do povo é desviada para o futebol e os torneios de tênis assím como cinzas vulcânicas imaginárias. Com o desemprego em torno de 20%, tanto Espanha como Portugal tiveram uma queda quieta livre de dor, mas as últimas medidas de austeridade provavelmente estouraram a bolha que isolou os dois países nos últimos dois anos. As subidas de impostos e os cortes nos serviços sociais foram bastante aplaudidos pelo Banco Central Europeu, bem como o líder do mundo em falências, Barack Obama. Esses aplausos decorrem do fato que as medidas os ajudam a ganhar tempo para consolidar o poder e os recursos. Cada vez que um país anuncia um pacote de medidas de austeridade, significa que mais dinheiro do povo, que já pagam impostos para tudo, é usado para pagar os empréstimos que os bancos já fizeram para estes países. É o banco que tem a prerrogativa de pedir aos países para reembolsar o empréstimo na totalidade, se desejar. Foi o que aconteceu na Islândia, Grécia e é por isso que eles precisam ser resgatados. O problema é que o plano de resgate financeiro vem dos banqueiros com quem os países inicialmente estavam em dívida. Você começa a entender a idéia? Por isso é chamado Consolidação.

A forma na qual os bancos operam é como um pescador que pesca um peixe grande. O pescador coloca a isca, -o banco oferece empréstimos-, o peixe morde a isca -os países aceitam os empréstimos-, e o pescador pode, então, escolher puxar o peixe para fora devagar, esperando que este continue travado no gancho, ou decide dar um grande puxão. A primeira opção fará com que a captura seja quase certa, mas vai demorar mais tempo. A segunda, dará uma recompensa mais rápida, mas o resultado pode ser também que o cordão seja cortado e, como resultado, o peixe escape. Há quase um século atrás, os banqueiros decidiram tentar a primeira opção para puxar a corda devagar deixando que o peixe se sentisse confortável. Agora, o peixe -a gente-, sabe que está preso e está fortemente puxando a corda. O pescador está desesperado porque o peixe pode escapar e está pensando seriamente em puxar a corda rápido e forte.

Parece impossível escapar do desastre econômico mundial que começou há aproximadamente uma década e que somente foi mascarado pelos números falsos de crescimento e recuperação econômica. Não houve geração de empregos significativa nas maiores economias do mundo e, até Jean Claude Trichet,  manifestou o seu pessimismo sobre as esperanças de um final feliz. Ele, claro, conhecia o resultado há muito tempo, provavelmente desde que chegou ao BCE. Ele disse, na semana passada, que os Estados Unidos estavam em uma situação semelhante à da Grécia. Outros cúmplices de Trichet também contribuiram à lista de frases memoráveis. George Soros, por exemplo, disse que o euro estava em uma situação precária e muito perto do colapso.

Pode-se facilmente ver o desespero da elite quando Nicolas Sarkozy bate o punho na mesa e Angela Merkel relutantemente apóia um pacote de ajuda que, em teoria, salvaria a Europa da ruína, mas na verdade não salvará ninguém. Como o BCE disse, o pacote só serve para ganhar tempo. O colapso financeiro foi precipitado ainda mais rapidamente devido ao fato de que mais pessoas estão entendendo este tipo de fraude e como elas foram enganadas durante as últimas décadas submetendo as suas poupanças e pensões  às organizações supranacionais. Como alguém disse, você pode enganar algumas pessoas durante algum tempo, mas você não pode enganar todas as pessoas o tempo todo. O mundo tem sido oprimido durante séculos, até mesmo milhares de anos, pelos impérios, os banqueiros e a elite. Agora, a moeda se inverteu e a pressão está sobre os opressores.  Eles têm que escolher entre fazer o colapso ocorrer de forma lenta ou abrupta. A Comissão Trilateral reuniu-se este mês. A reunião do Grupo Bilderberg é em Junho. O pescador está desesperadamente pensando em puxar a corda fortemente.

Fique atento.