100 million Americans Poor or near Poverty Line

By MAC SLAVO | SHTFPLAN.com | JULY 23, 2012

It’s bad out there. Really bad.

As world leaders finally begin to admit that we are smack dab in the middle of another Great Depression and the economy stands at the cusp of another earth-shaking collapse of the financial system, the US census reports that nearly 100 million Americans are now classified as living in poverty or are considered “near poor.”

That’s nearly 1/3 of our populace who are living in the worst economic conditions in nearly fifty years.

We haven’t seen these highs since the mid ’60s. That survey indicates the poverty level has grown from 15.1% to as high as 15.7% [since 2010], and it’s spreading at record levels to many socio-economic groups from unemployed workers, suburban families, to the poorest poor.

…More discouraged workers are giving up on the job market and unemployment aid is running out. They found that the suburbs are seeing an increase in poverty

Those experts surveyed also predict poverty will remain above the pre-recession level of 12.5% for many more years.

Via Yahoo:

It’s not encouraging any way you look at it. And if you look at near poverty, which is another measure – the next income bracket up… you’re looking at just a huge number of Americans; I think on the order of almost 100 million people are either poor or close to poor. And poor, just in case you haven’t kept up on the definition is $11,000 a year for an individual or $22,000 for a family of four.

Poverty is up 25% since President Obama took the helm, and as predicted by the survey, will continue unabated as economic conditions worsen.

There can be no economic recovery – ever – if we continue down the path we’re on:

They are responsible for the overspending and making of promises that cannot be kept and thus the stifling of the economy as a whole as resources are shifted to an infantile and futile attempt to maintain the illusion of prosperity.

Prepare for a storm, my friends, for it is coming our way.

Source: Market Ticker

For 100 million of our fellow countrymen today, the storm is already pounding them with hurricane-like winds.

The contagion is most certainly spreading.

Twenty two percent of Americans are unemployed, underemployed or simply no longer counted, and half of American households are dependent on some type of government benefit to make ends meet. In fact, more people are applying for government disability benefits each month than there are jobs created.

The storm is coming, and when it strikes the government will be powerless to stop it, despite the belief by the majority of Americans that existing social safety nets and emergency response plans will bail them out.

America and Israel: Modern Day Spartas

By STEPHEN LENDMAN | PRAVDA.RU | MARCH 20, 2012

America and Israel live by the sword. One day they’ll perish by it.

The more belligerence they pursue, the more enemies they make. They also lose influence. Eventually homeland support will erode, decay, and fade.

What can’t go on forever, won’t. Neither nation understands in their rage to fight enemies they invent because real ones don’t exist. The strategy’s doomed, but how much more death, destruction, and human misery will occur first. The thought’s chilling and appalling.

Both nations are sham democracies. They tolerate none at home or abroad. How can they when wars define their existence. They’re not for noble aims, national security or self-defense. They’re about advancing imperial dominance and tolerating no dissent.

US Special Study Group Members Advocated War as Policy

In the early 1960s, a Special Study Group produced America’s Iron Mountain report. It’s purpose was “to determine, accurately and realistically, the nature of the problems that would confront the United States if and when a condition of ‘permanent peace’ should arrive, and to draft a program for dealing with this contingency.”

At first suppressed, an unnamed insider revealed it. Its findings said disarmament would require “scrapping….a critical proportion of the most highly developed occupational specialties in the economy.”

Diverting an arms budget to a “non-military system (was called) remote (in a) market economy.” Replacing it with public works was said to be “wishful thinking (and) unrealistic.”

Seymour Melman’s important work proved them wrong. Only his students and readers understand. Militarism comes at the expense of corrupted leaders, a culture of violence, lost industrialization, crumbling infrastructure, and suffering millions on their own, uncared for, unwanted, ignored, and forgotten to assure steady funding for America’s wars, no matter the cost to society.

Melman also showed how dollars spent for vital domestic needs achieve far more bang for the buck. Instead of building constructively, Washington ignored Eisenhower’s warning and pursued decades of death and destruction. America and its targeted countries suffered as a result.

Yet Iron Mountain Special Study Group members called war “the basic social system, within which other secondary modes of social organization conflict or conspire. (It’s) the system (that’s) governed most human societies of record, as it (does) today.”

Threats don’t cause wars. In fact, those alleged “against the national interest are usually created or accelerated to meet the changing needs of the war system.”

It was also wrongly called an “essential economic stabilizer.” In addition, war’s political importance was stressed. It defines and enforces relations with other nations.

National sovereignty “resides in its war powers.” They include the power of local police to deal with “internal enemies in a military manner.”

Moreover, wars serve ecological purposes. They “reduce the consuming population to a level consistent with the survival of the species.” Yet mass destruction is inefficient. Nuclear weapons are indiscriminate.

So other methods must be employed to remove “useless eaters,” as Henry Kissinger called them and recommended exterminating millions.

Throughout its history, America pursued permanent wars at home and abroad. Post-WW II, they raged more aggressively globally. The business of America became permanent wars. They’ve ravaged nations for wealth, power, resource control, and unchallenged world dominance.

Like GW Bush and other US presidents, Obama’s an unindicted war criminal multiple times over. He exceeds the worst of his predecessors.

He continues waging wars on Afghanistan, Iraq, and Libya, as well as numerous proxy ones in Africa, Asia, Central and South America, and at home against Muslims, Latino immigrants, and working households.

He’s a global menace with a friendly face concealing a heart of stone and attitude to match.

Benefitting Wall Street, other corporate favorites, America’s super-rich, and advancing the nation’s imperium alone matters. People needs are out of sight and mind.

Tyranny’s official policy. Numerous police state laws enforce it. Recent ones passed hardened it. America’s unfit to live in. Occupy Wall Street’s a warning of eventual larger scale public rebellion. People only tolerate so much. When thresholds too painful to endure are crossed, they react. Expect more.

America’s Partner in Crimes of War and Against Humanity

Israel replicates the worst of America’s agenda. State terror is official policy. So is indoctrinating youths to be warriors. Belligerence defines Israel’s existence.

Following its War of Independence, it stayed politically and militarily hardline. It negotiates from strength, choses confrontation over diplomacy, naked aggression against invented enemies, and occupation to seize all parts of Judea and Sumaria it wants, as well as Jerusalem as its exclusive capital.

In 1982, senior foreign affairs advisor Oded Yinon published a policy paper advising a divide and conquer agenda. Titled “A Strategy for Israel in the 1980s,” it said Israel must dominate the region and become a world power to survive.

Doing so requires balkanizing Arab states along ethnic and sectarian lines as Israeli satellites. Yinon recommended replicating the Ottoman Empire’s Millet (nation) system under which local authorities governed confessional communities with separate ethnic identities.

Israel pursues Yinon’s strategy. It works best when Washington wages Israel’s wars like in Iraq and Libya. The Israeli Lobby’s pushing hard for war against Syria and Iran. Replacing independent regimes with pro-Western ones serves Israel, especially if balkanization follows.

Conflict as Natural

Decades of Arab-Israel conflict produced seven full-scale wars, two Intifadas, and daily violence in Occupied Palestine.

Palestinians live in terror of who’ll be harmed next. So do Israeli Arabs called fifth column threats, according to racist government officials wanting them removed by one means or other. If not stopped, perhaps  a “final solution” policy one day will be adopted. Currently, a slow-motion one’s followed, especially in Gaza.

Palestinians and regional states are menaced by Israeli belligerence. The threat’s too great to ignore. In a population of about 5.8 million Jews, over a million are active or reserve combatants. They’re equipped with state-of-the art weapons, including a powerful nuclear arsenal and long-range delivery systems. Moreover, partnered with Washington, Israel literally gets away with murder.

Its child recruitment program indoctrinates youths to be warriors. It also teaches them to view Arabs and, of course, Iranians as existential threats. Throughout the country and Occupied Palestine, soldiers are everywhere, including in population centers and Jewish classrooms.

Jews, Israeli Arabs, and Palestinians encounter them daily. With exceptions, conscription is mandatory at age 18. Under-age youths may enlist. Child recruitment is done informally. Women serve like men. All citizens and permanent residents are affected, except Arabs. They may volunteer but aren’t drafted.

Classroom education teaches children to view military service as “noble and worthy.” At a very early age, they’re brainwashed to accept militarism and belligerence as normal and necessary for Israel’s survival.

Soldiers are present in schools and classrooms. Teachers, especially principals, are retired military officers. Photos of fallen heros adorn walls. Field trips for all ages visit military memorials on former battlegrounds.

Beginning in kindergarten, textbooks and classroom instruction teach militarism. High schools have mandatory “preparation for the IDF” programs. They include training and indoctrination to be warriors. Military heros and conquests are glorified. Arabs are vilified.

Besides school, children are exposed in ceremonies, commemorations, speeches, military base field trips, and holiday celebrations of battles between “us” and “bad guys.” No guessing which ones. As a result, they’re imbued to accept militarism and war as natural.

When called to wage it, they’re ready. They’re taught to accept military service as a right of passage in preparation for adulthood. An entire population is brainwashed to fight.

Some grow up believing they’re obligated to treat Palestinians violently, including harassing them, beating them, breaking into their homes, destroying their property, and at times killing them.

Defending Israel’s all that matters. Without threats, they’re invented. Heightened fear’s maintained. Young minds are easiest to convince, especially with constant repetition.

Israelis are conditioned to accept confrontational violence as natural. American youths aren’t indoctrinated the same way. More subtle methods include scoundrel journalism and political Washington heightening fear, vilifying enemies, and cheerleading US wars.

Although young men don’t face conscription, enough recruits are enlisted to pursue endless imperial wars. Promises rarely kept induce them to put themselves in harm’s way. Millions become permanently scared. Others replace them for employment when jobs are hard to find and perhaps believing they’re doing the right thing.

Few understand that lies define all wars. Noble aims disappear when exposed. Alleged enemies don’t exist so they’re invented. America’s war machine rampages ruthlessly without end. So does Israel’s.

Their crimes of war and against humanity harm millions. Their rogue agendas assure eventual self-destruction. What can’t go on forever, won’t. It’s just a matter of time, and imagine a world without menaces this great.

It’s coming unless they destroy it in the interim. It’s no idle threat given out-of-control policies each pursues. Stopping them is job one! Everyone must get involved. Indifference isn’t an option.

Only sustained activism works. It’s high time it busted out all over. Our very survival’s at stake.

Stephen Lendman lives in Chicago and can be reached at lendmanstephen@sbcglobal.net.

Also visit his blog site at sjlendman.blogspot.com and listen to cutting-edge discussions with distinguished guests on the Progressive Radio News Hour on the Progressive Radio Network Thursdays at 10AM US Central time and Saturdays and Sundays at noon. All programs are archived for easy listening.

Obama Signs the “National Defense Authorization Act

By Michel Chossudovsky
Global Research
January 1, 2012

With minimal media debate, at a time when Americans were celebrating the New Year with their loved ones,  the “National Defense Authorization Act ” H.R. 1540 was signed into law by President Barack Obama. The actual signing took place in Hawaii on the 31st of December.According to Obama’s “signing statement”, the threat of Al Qaeda to the Security of the Homeland constitutes a justification for repealing fundamental rights and freedoms, with a stroke of the pen.The controversial signing statement (see transcript below) is a smokescreen. Obama says he disagrees with the NDAA but he signs it into law.

“[I have] serious reservations with certain provisions that regulate the detention, interrogation, and prosecution of suspected terrorists.”

Obama implements “Police State USA”, while acknowledging that certain provisions of  the NDAA are unacceptable. If such is the case, he could have either vetoed the NDAA (H.R. 1540) or sent it back to Congress with his objections.

The “National Defense Authorization Act ” (H.R. 1540) is Obama’s New Year’s “Gift” to the American People.

He justifies the signing of the NDAA as a means to combating terrorism, as part of a counter-terrorism agenda.  But in substance, any American opposed to the policies of the US government can –under the provisions of the NDAA– be labelled a “suspected terrorist” and arrested under military detention.

“Moreover, I want to clarify that my Administration will not authorize the indefinite military detention without trial of American citizens. Indeed, I believe that doing so would break with our most important traditions and values as a Nation. My Administration will interpret section 1021 in a manner that ensures that any detention it authorizes complies with the Constitution, the laws of war, and all other applicable law.”

Barack Obama is a lawyer (a graduate from Harvard Law School). He knows fair well that his signing statement –which parrots his commitment to democracy– is purely cosmetic. It has no force of law.

The signing statement does not in any way invalidate or modify the actual signing by President Obama of NDAA (H.R. 1540) into law.

“Democratic Dictatorship” in America

The “National Defense Authorization Act ” (H.R. 1540) repeals the US Constitution. While the facade of democracy prevails, supported by media propaganda, the American republic is fractured. The tendency is towards the establishment of a totalitarian State, a military government dressed in civilian clothes.

The passage of  NDAA is intimately related to Washington’s global military agenda. The military pursuit of Worldwide hegemony also requires the “Militarization of the Homeland”, namely the demise of the American Republic.

In substance, the signing statement is intended to mislead Americans and provide a “democratic face” to the President as well as to the unfolding post-911 Military Police State apparatus.

The “most important traditions and values” in derogation of the US Constitution have indeed been repealed, effective on New Year’s Day, January 1st 2012.

The NDAA authorises the arbitrary and indefinite military detention of American citizens.

The Lessons of History

This New Year’s Eve December 31, 2011 signing of the NDAA will indelibly go down as a landmark in American history.

If we are to put this in a comparative historical context, the relevant provisions of the NDAA HR 1540 are, in many regards, comparable to those contained in the “Decree of the Reich President for the Protection of People and State”, commonly known as the “Reichstag Fire Decree” (Reichstagsbrandverordnung) enacted in Germany under the Weimar Republic on 27 February 1933 by President (Field Marshal) Paul von Hindenburg.

Implemented in the immediate wake of the Reichstag Fire (which served as a pretext), this February 1933 decree was used to repeal civil liberties including the right of Habeas Corpus.

Article 1 of the February 1933 “Decree of the Reich President for the Protection of People and State” suspended civil liberties under the pretext of “protecting” democracy: “Thus, restrictions on personal liberty, on the right of free expression of opinion, including freedom of the press, on the right of association and assembly, and violations of the privacy of postal, telegraphic, and telephonic communications, and warrants for house-searches, orders for confiscations, as well as restrictions on property rights are permissible beyond the legal limits otherwise prescribed.” (Art. 1, emphasis added)

Constitutional democracy was nullified in Germany through the signing of a presidential decree.

The Reichstag Fire decree was followed in March 1933 by “The Enabling Act” ( Ermächtigungsgesetz) which allowed (or enabled) the Nazi government of Chancellor Adolf Hitler to invoke de facto dictatorial powers. These two decrees enabled the Nazi regime to introduce legislation which was in overt contradiction with the 1919 Weimar Constitution.

The following year, upon the death of president Hindenburg in 1934, Hitler “declared the office of President vacant”  and took over as Fuerer, the combined function’s of Chancellor and Head of State.

Obama’s New Year’s Gift to the American People

To say that January 1st 2012 is “A Sad Day for America” is a gross understatement.The signing of NDAA (HR 1540) into law is tantamount to the militarization of law enforcement, the repeal of the Posse Comitatus Act and the Inauguration in 2012 of Police State USA.As in Weimar Germany, fundamental rights and freedoms are repealed under the pretext that democracy is threatened and must be protected.The NDAA is “Obama’s New Year’s Gift” to the American People. …

A Revolução que os Globalistas Desejavam

Como a mídia tradicional publica mentiras, as pessoas são cooptadas e os globalistas afirmam seu poder

Por Luis R. Miranda
The Real Agenda
Março 4, 2011

Deixe-me ir direto ao ponto. Glenn Beck não é um patriota ou nada parecido. Beck é uma máquina de relações públicas usada para vender publicidade na Fox News. Como ele, existem muitos outros na mídia, assim como há muitos ‘especialistas’ que manipulam a verdade. Então, porque Glenn Beck fala algumas verdades com precisão sobre o que está acontecendo no Egito?

Muitas pessoas no mundo acordaram para a realidade e, durante esse despertar, rejeitaram as mentiras e desinformação que a mídia oferece. Então a mídia emprega hoje uma “nova tática”. Essa “nova tática” envolve parecer que estão dizendo a verdade aos espectadores, leitores e ouvintes para, depois, encher suas mentes com informações falsas ou parcialmente falsas. Isso é feito em uma tentativa de salvarem-se do buraco no qual caíram já que as pessoas não confiam neles.

No relato ou discussão de qualquer assunto, a mídia tradicional informa as pessoas de 10 por cento da verdade e 90 por cento de mentiras. É aí onde está a armadilha. É uma operação psicológica (psy-op) para voltar a ganhar a confiança do público, mas muitas pessoas ainda não entendem isto. A mídia tradicional sabe quem é o público, como pensam e como chegar até eles. Eles empregam as mais doces combinações de palavras para atrair e manter os seus seguidores e tentar obter novos todos os dias.

É por isso que Glenn Beck e outros, as vezes, dizem às pessoas toda a verdade para, depois, contar mentiras. Exemplos disso são desnecessários, uma vez que qualquer um pode ver não só na Fox, mas também na CNN, MSNBC, CBS, ABC, Al-Jazeera, Globo, jornais e revistas populares que mascaram sua agenda com caras bonitas, apresentadores que parecem ser inteligentes e estúdios modernos. Mas o objetivo geral é o de vender mentiras. Não duvidem disso.

Exatamente como Glenn Beck apresentou em seu show muitas vezes, a situação no Egito, hoje, é uma cópia do que aconteceu no Irã em 1979. Mas ninguém parece entendê-lo completamente bem, porque ninguém se preocupa o suficiente. Ninguém se lembra do Irã em 1979. A agitação no oriente médio é interminável e muito antiga. Mas é importante saber o que origina a agitação, a perseguição, a violência e a destruição. Vamos citar apenas algumas razões pelas quais esta agitação acontece: sanções econômicas, tarifas comerciais, medidas de austeridade, fome, guerra, opressão, corrupção, trabalho escravizante e assim por diante.

O mundo não está prestes a ser dominado por poucas mãos, como Beck assinalou em um dos seus shows. O mundo tem estado nas mãos de um punhado de pessoas por pelo menos um século. A mídia tradicional não consegue entender isso, disse Beck. Outra mentira. A mídia conhece e muito bem, eles simplesmente não dizem o que sabem. Beck, assim como outros apresentadores, sabem que, se a mídia tradicional dissesse às massas como as coisas realmente funcionam, veríamos a situação do Egito repetindo-se não só no Oriente Médio, mas em qualquer outro lugar. De fato, a revolução do Egito pode ter começado como um movimento justo para destronar um ditador mas, certamente, não evoluiu como tal.

Beck tem razão quando diz que o conflito no Oriente Médio está prestes a destruir o Ocidente, mas isso não é uma surpresa, pois foi sempre sobre isso. As potências militares e econômicas ocidentais, através do seu complexo militar-industrial, sempre criaram e usaram os conflitos no Oriente para ter uma desculpa para encher seus bolsos com dinheiro e acumular o controle dos recursos e das pessoas. Nada de novo aqui.

Por que o Oriente supostamente odeia o Ocidente?

O Oriente não odeia o Ocidente. Essa é outra mentira da mídia tradicional. São os globalistas quem odeiam tanto o Oriente como o Ocidente e querem causar conflito para conseguir o controle completo de ambos os hemisférios, como originalmente planejado. O conflito entre as civilizações sempre foi estimulado por pequenos grupos de pessoas que procuram promover o controle de impérios e acumular poder enquanto oprimem os povos. Assim, os cidadãos do Leste não odeiam os cidadãos do Ocidente. Os ditadores fantoches do Oriente odeiam seus povos orientais, pois eles vendem as suas vidas aos controladores no Ocidente. As marionetes do Ocidente também odeiam seus países porque eles também vendem seu povo para os globalistas. Todos os conflitos religiosos e culturais são causados pela introdução de falácias que as pessoas acreditam como reais, como a ‘justiça social’, o multiculturalismo e o radicalismo religioso apoiados por frases como “você está do nosso lado ou do lado do inimigo”.

A mídia tradicional tem a ousadia de culpar as pessoas de pensamento progressivo por este desastre que já se arrasta por mais tempo do que qualquer progressista poderia imaginar. Tirania e corrupção não são características dos progressivos; é uma meta histórica dos globalistas. Para alcançar isto, eles utilizam nomes diferentes, políticas diferentes e, mais importante do que isso, empregam diferentes grupos sociais, religiões, ditadores e presidentes marionetes que seguem ideologias diferentes. Dessa forma, eles sempre podem amarrar todos nós. As mesmas políticas que a mídia tradicional descreve como originárias do movimento progressivo também foram produzidas e executadas pelos conservadores. Ambos os grupos produziram e executaram essas políticas porque eles são ambos controlados e cooptados por organizações e fundações globalistas.

Glenn Beck corretamente afirma que muito do ódio do Oriente é causado pela hipocrisia ocidental, especialmente a hipocrisia americana. Em parte, isso é verdade. O MAS é que esta hipocrisia não é apenas americana ou ocidental. Os Estados Unidos, assim como outros líderes do G-8 e do G-20 são dirigidos por governos fantoches que realizam os planos dos globalistas. Portanto, as pessoas responsáveis por tal hipocrisia são os globalistas no controle e não os americanos, franceses, britânicos, alemães ou gregos. Esta é a diferença entre a maneira em que a mídia atribui a culpa e a realidade que a mesma mídia nao conta.

Crédito deve ser dado à mídia tradicional porque eles têm sido capazes de manter os verdadeiros controladores escondidos ‘atrás da cortina’. Assim como Glenn Beck tentou fazer em seu show em 31 de janeiro, a mídia corporativa é especializada em mentir com uma cara séria. E ninguém pode ter uma cara mais de mentiroso e sério do que Beck. Além de detalhar o que chamou a ‘insurreição que vem’, Beck criticou Hosni Mubarak por tortura, seqüestro, espionagem e por oprimir e abusar do povo egípcio. Mas nem ele nem nenhum outro apresentador disse nada quando George W. Bush -outro fantoche presidente- fez exatamente a mesma coisa durante o seu governo.

No entanto, a farsa acabou. Muitas pessoas aprenderam a ver através das mentiras e da desinformação para reconhecer que os seus opressores não vivem em seus países. Eles também aprenderam que as agendas econômicas e políticas que causaram sua miséria e dor juntamente com a morte de milhares ou milhões de seus cidadãos chegam do estrangeiro. Eles não querem outro boneco, eles querem construir o país que querem para si e suas famílias. Mas a única maneira de alcançar este objetivo é libertar-se das cadeias que os impede de ser livres.

Como o congressista Ron Paul apontou, é a ocupação americana do Oriente Médio que tem servido como uma grande desculpa para a formação de grupos radicais, muitos deles apoiados pelos mesmos poderes ocidentais que afirmam estar lutando contra o terrorismo. Entre eles, a Irmandade Muçulmana, uma criação de agências de inteligência britânicas.

As guerras entre civilizaçoes não acontecem devido ao fato de que alguns são livres e prósperos e outros não. As guerras mais sangrentas da história não aconteceram por causa de diversidade religiosa, mas como as diferenças religiosas e movimentos religiosos têm sido usados para criar ódio entre os povos.

O complexo militar industrial criou ditadores de todas as cores e formas e os colocou no poder por séculos e os seus membros e especialistas têm confessado isto em público. Zbigniew Brzezinski não só mostrou sua preocupação com o aumento da oposição mundial contra a agenda globalista como também admitiu que era pessoalmente responsável pela criação do ditador oriental Mao Tse Tung, que foi levado ao poder pelos globalistas, assim como foi Adolf Hitler. O número de mortes devido às políticas e perseguições que esses dois tiranos realizaram são contados de forma conservadora hoje por dezenas de milhões.

Atualmente, os Estados Unidos, controlado pelos globalistas, apóia ditadores no Egito, Arábia Saudita, Tunísia, Iêmen e presidentes fantoches em toda a América Latina, Europa e outras regiões do mundo. O apoio a estes ditadores e presidentes títeres é dado em uma diversidade de maneiras. Egito recebe bilhões de dólares por ano, em grande parte em ajuda militar. Iêmen recebe uma grande parcela do orçamento da USAID. Muito disso, diz a organização, é para programas relacionados com a “paz e a segurança”. E quando a ajuda não vai na forma de dinheiro, como no caso da Arábia Saudita, está previsto e entregue por meio de tratados de armas.

Egito 2011 é o Irã em 1979

Vamos explicar isto o mais claramente possível. A revolução que está acontecendo hoje no Egito é uma cópia do que aconteceu no Irã no final dos anos 1970. Hosni Mubarack é um fantoche do sindicato internacional do crime conhecido como os globalistas. Os globalistas são um grupo de empresas e personalidades corruptas que controlam quase todos os aspectos de nossas vidas hoje. Eles conseguiram isso através da criação e imposição de um esquema para ter uma economia planificada, com desenvolvimento planejado e controlado, crescimento, educação, ou devo dizer treinamento planejado, entre outras coisas. Este regime lhes permitiu manter e aumentar o controle sobre a política, economia, política monetária e fiscal, investigação e utilização de recursos naturais, controle de natalidade, entretenimento e da mídia.

Justo como o conflito no Irã em 1979 não aconteceu porque os iranianos queriam obter democracia, o conflito em desenvolvimento em todo o Oriente Médio não é sobre democracia. É o mesmo cenário que existia no Irã, onde estudantes foram enganados em apoio a uma revolução, mas não a revolução do povo. A revolução iraniana não era sobre a liberdade e seu estado atual é um exemplo fiel disso. Antes de tornar-se no que é hoje, o Irã era um dos aliados mais fortes dos Estados Unidos, assim como o Egito é hoje. Jimmy Carter chegou fazer um brinde com o xá do Irã para apresentar a prosperidade do pais. O Xá era um ditador e um boneco, como Mubarak é hoje. Ele torturou milhares de pessoas e cometeu outros crimes que poucos lembram. Assim como acontece no Egito hoje, os grupos de estudantes apoiaram a revolução e estabeleceram um regime chamado ‘moderado’.

Então vamos ver … Em ambos os casos, a revolução foi liderada por estudantes co-optados. Em ambos os casos, eles queriam acabar com o reinado de um ditador brutal e em ambos os casos eles não conseguiram nenhum desses objetivos. Na verdade, eles acabaram sendo mais oprimidos do que nunca. No caso do Irã, um mês depois da revolução da “liberdade”, os EUA decidiram que o Xá não estava funcionando e enviaram extremistas islâmicos para assumir o poder com o aiatolá Komeni na cabeça. Dessa revolução surgiu a crise dos reféns na Embaixada dos EUA, onde pelo menos 60 pessoas foram sequestradas por mais de um ano.

Voltando para 2011

A solução que EUA tem estado cozinhando por um alguns anos é a instalação de Mohammed ElBaradei como o salvador do Egito. O boneco novo que irá fazer a devida diligência dos globalistas, como Mubarak fez. Da mesma forma, os bonecos na Jordânia, Marrocos, Sudão, Paquistão e Afeganistão fazem hoje sua parte para manter os globalistas no poder. Assim como Barack Obama faz o mesmo nos Estados Unidos e Inácio Da Silva fez a sua parte até janeiro de 2011 no Brasil.

Hoje, junto com o Egito, países como Argélia, Marrocos, Líbia, Sudão, Jordânia, Síria e Paquistão exibem revoluções populares. Todos eles são governados por ditadores que o governo fantoche dos EUA têm apoiado ao longo dos anos. Por que então os EUA, mesmo agora, tenta acabar com esses regimes? Porque os globalistas são as pessoas menos confiáveis que existem lá fora. Eles fazem de tudo para avançar sua agenda. Eles vão tirar quem eles precisam para aumentar seu controle e sua riqueza.

As mesmas pessoas no poder são os que provocam e co-optam a insurreição Egito, Iêmen, Turquia, Jordânia, Arábia Saudita e outros países ao redor do mundo. Eles sempre usaram os movimentos populares para enganar as pessoas e trazer “mudanças”. Isto é mais claro nas áreas do mundo onde as pessoas estão cansadas de ser escravos, mas não sabem como prosseguir para uma mudança real. Essa mudança não é compreendida pelas massas que, simplesmente, vão junto com a farsa. Idéias como a justiça social e a igualdade são apenas mentiras que são plantadas para atrair a atenção das pessoas. Na realidade, o objetivo é estabelecer um sistema comunista baseado na distribuição de riqueza. Mas essa riqueza não vai acabar nas mãos daqueles que mais necessitam. Muito pelo contrário. Ela vai acabar nas mãos dos globalistas. Estes globalistas controlam tudo desde lugares onde não existe extradição ou acordos para casos criminais até onde nunca podem ser vistos ou responsabilizados. Até agora.

No final de 2010, as pessoas na França, Grécia, Irlanda e Itália tinham manifestado a sua raiva nas ruas sobre os planos de austeridade planejados pelos seus governos, assim como reduções salariais, o confisco dos fundos de pensão públicos e privados, etc.

O que o ódio dos globalistas implica?

É o ódio globalista para com o povo, o verdadeiro capitalismo e o livre mercado que tem destruído um sistema que, embora imperfeito, poderia ter ajudado a melhorar as condições de vida para mais de milhares de pessoas. Mas as políticas de desregulamentação permitiram que os globalistas fizessem o que queriam e suas ganâncias cresceram fora de controle. Então, por que os globalistas querem efetivamente o colapso do mundo ao criar conflito na África, o Oriente Médio, Europa e Ásia? Essa não é a pergunta certa a fazer. A pergunta certa é: por que não? Isso lhes daria a desculpa perfeita para lançar seu tão aguardado assalto militar sobre as populações e impor a lei marcial e a militarização de, basicamente, todos os cantos do planeta sob o pretexto da segurança nacional ou internacional. Eles poderiam proibir as viagens, o comércio e, de fato, suspender toda a atividade econômica como é conhecida hoje. Tudo em nome da paz e a segurança, é claro. Nos termos do Tratado START, o exército do mundo poderia finalmente ser enviado para continuar com sua missão de manter a “paz e segurança” sempre que for necessário e, através da cláusula de emergência, fazer com que cada pais desse suas armas às Nações Unidas.

Além disso, eles poderiam avançar os seus novos regulamentos em matéria de produção alimentar, o uso de energia com a tecnologia ‘smart grid’, leis usando como desculpa o falso aquecimento global antropogênico, a proibição formal de livre expressão, o estabelecimento de zonas de livre expressão, maior regulamentação e controle da mídia, censura dos meios de comunicação alternativos e assim por diante. Como as coisas estão agora, os preços dos alimentos aumentaram somente no último ano em até 3,4 por cento em muitos países do mundo ocidental. A disponibilidade de alimentos é uma das ferramentas favoritas dos globalistas para escravizar as pessoas. A fome é uma das razões pelas quais muitos cidadãos pobres e de classe média protestam nas ruas hoje. Quem controla a produção e distribuição de alimentos mantém os dependentes como reféns. O impulso para um sistema centralizado de normas no âmbito do Codex Alimentarius proporciona um controle quase completo dos governos quando se trata de produção de alimentos, enquanto que proíbem as pequenas produções agrícolas de usar suplementos e medicina alternativa.

Segundo as leis de uso de energia recentemente aprovadas, os países cujos governos apóiam a imposição de taxas de emissões de carbono usam um mandato que limita quanta energia as pessoas podem usar e impõe restrições em diversos tipos de produção de energia, impostos, encargos e taxas para as empresas de pequeno e médio porte de acordo com o tipo de energia que utilizam. Em outros casos, os obrigam a comprar créditos de carbono. Com o novo sistema a ser implantado, os governos usam a tecnologia inteligente para regulamentar a forma como os cidadãos e as pequenas empresas utilizam energia, enquanto isenta as grandes corporações. Os subsídios do governo vão facilitar a aquisição e instalação de medidores inteligentes que permite aos governos controlar remotamente quem pode usar a energia, quanto e quando. Os profissionais de segurança têm questionado o uso destes medidores, mas a burocracia tem encontrado uma maneira de contornar as críticas e impor o seu uso.

Se você é um daqueles que odeia a intervenção do governo ou, simplesmente, prefere manter sua privacidade intacta, você está sem sorte. Protestar contra o controle do governo vai ficar mais difícil a cada dia. A liberdade de expressão é outro dos nossos direitos que pode se transformar em um luxo. Como pudemos testemunhar na América do Norte, América Latina, África e Oriente Médio, os ditadores e os globalistas não gostam da oposição da opinião pública. Eles, portanto, estabeleceram as chamadas “zonas de livre expressão” em faculdades e lugares públicos. Estas áreas estao localizadas longe da vista e da mente das pessoas, tornando o protesto público inócuo. Aqueles que não se atrevem a respeitar as regras ilegais são imediatamente acalmados por spray de pimenta, cães da polícia ou canhões de som.

A liberdade de expressão não seria completamente eliminada a menos que o governo controle a mídia. Como eles fazem isso? Não é através do envio de um bando de capangas para tomar conta das transmissões, das ondas de rádio ou prensas. Simplesmente compram a mídia com dinheiro do contribuinte. E quando se trata de mídia alternativa como blogs, sites de notícias e produtoras independentes eles estão trabalhando em um “kill switch” para a internet, o qual permite bloquear segmentos completos da net. Enquanto isto, engenheiros e advogados de segurança e privacidade alertaram em setembro de 2010 sobre um projeto de lei circulando no Congresso dos EUA que efetivamente impõe censura na internet. O projeto conhecido como Combate à Violação das Leis de Direitos do Autor foi patrocinado por membros de ambos os partidos Republicano e Democrata. “Se essa lei tivesse sido efetivada 5 ou 10 anos atrás, o YouTube não existiria hoje”, disse Peter Eckersley, técnico sênior da Electronic Frontier Foundation. O projeto não tem nada a ver com a violação de direitos autorais, é claro, mas com controle do governo sobre a internet e censura de daqueles que os burocratas consideram “perigoso”. Este projeto de lei, aprovado pela Comissão Judiciária do Senado com votação de 19-0 nunca recebeu um voto completo, mas com certeza acabará voltando como aconteceu com a Lei de Segurança Cibernética.

Então o que podemos tirar de tudo isso?

Em primeiro lugar, estar preparado. Ser auto-suficiente. Não espere que seu governo venha em seu auxílio quando você precisar de alimentos para comer, água para beber e energia para sobreviver a uma situação caótica. Os burocratas simplesmente não virão. Os governos, especialmente os governos grandes, são incapazes de ajudar a todos quando as catástrofes, violência, caos e instabilidade surgem. Em muitos casos, os próprios governos, a mando dos globalistas, causam o conflito e o caos sem ter a intenção de ajudar as pessoas necessitadas. Estar preparado é fundamental para sobreviver a qualquer situação difícil. Ser pró-ativo e não reativo é a solução. Ser auto-suficiente. Não espere até que os supermercados fiquem sem comida para começar a armazenar alimentos não perecíveis. Algumas lojas já estão sem alimentos devido à disparada dos preços do petróleo, a escassez artificial e a instabilidade da moedas. Ser independente. Ter sua própria fonte de água. Organizar pequenos grupos de bairro para se apoiarem mutuamente e melhorar as chances da sua família de superar uma crise e conseguir lidar com a escassez de comida e água. Leva apenas algumas semanas para que as pessoas com fome se tornem violentas quando o alimento e a água são escassos ou inexistentes. Leva apenas meses para que pessoas desesperadas matem para sobreviver. Finalmente, de maneira nenhuma, você pode pensar que o que está acontecendo hoje no Oriente Médio não pode acontecer aonde você vive amanhã. Esse seria o maior erro que você pode cometer.

O que está acontecendo no Oriente Médio?

Por Luis R. Miranda
The Real Agenda
27 Fevereiro, 2011

Se a crise no Oriente Médio e Norte da África bloqueia a produção de petróleo na Líbia e na Argélia, os preços do petróleo podem explodir e atingir 220 dólares por barril. Segundo um novo relatório da Nomura-Tóquio, a parada simultânea de OPEP vai reduzir a capacidade de produzir 2,1 milhões de barris por dia. Durante a Guerra do Golfo em 1990-1991, os preços do petróleo saltaram 70% em sete meses, quando a capacidade foi reduzida para apenas 1,8 milhões de barris por dia.

Ex-Secretário de Estado Henry Kissinger

Ex-Secretário de Estado Henry Kissinger

Porter Stansberry, fundador da Stansberry Investment Research & Associates, chegou à mesma conclusão. Ele concorda que no final de 2012, o preço do petróleo, que vai atravessar a 200 dólares o barril, fará com que o dólar deixe de ser a moeda reserva mundial. Além disso, não havera fornecimento de petróleo do Oriente Médio. O que isto significa é que tudo o que hoje é avaliado em dólares sera profundamente afetado, inclusive a dívida pessoal, de empresas e dos governos. Os analistas concluem que nem a Arábia Saudita, que visa suprir o mercado com mais petróleo pode acalmar a crise provocada pelos globalistas que controlam o Oriente Médio, Europa, Ásia e América.

Vários reportes da mídia indicam que Muammar Kadafi, atual ditador da Líbia, está decidido a sabotar a sua produção de petróleo, o que permitirá acelerar a crise. De acordo com Lindsey Williams, um confidente de duas empresas produtoras de petróleo, cujos diretores como Ken Fromm da Atlantic Richfield, os globalistas que controlam o fornecimento de petróleo irao violar um acordo com a OPEP assinado em 1977 pelo ex-secretário de Estado dos Estados Unidos Henry Kissinger, onde os EUA e outras nações ocidentais se comprometeram a não usar suas grandes reservas e, em vez, comprar apenas petróleo do Oriente Médio. Em contrapartida, os árabes usariam parte do dinheiro recebido para comprar títulos da dívida emitidos pelos Estados Unidos. Esse dinheiro foi usado para financiar o sistema baseado em dívida econômica que a os Estados Unidos tem usado por décadas. No final de 2012, o acordo será quebrado pelos globalistas e com isto a oferta da OPEP. Isso vai forçar as empresas a explorar as reservas nos Estados Unidos, um plano que elas já tinham preparado.

Williams forneceu um relato detalhado quatro meses atrás sobre como o Oriente Médio explodiria em caos, o que é realidade hoje no Egito, Líbia, Jordânia, Paquistão, entre outros. Os seus comentários foram acertados, porque eles foram obtidos de fontes primárias, com quem viveu por muitos anos e quem deram a informação para ele. São precisamente estas fontes globalistas que também planejaram a execução de múltiplas marchas e protestos no Oriente Médio para desestabilizar o mundo árabe e ter uma desculpa para realizar o seu plano, que inclui a violação do acordo assinado na década de setenta. Uma vez que os globalistas violem o acordo feito com os árabes, eles não terão os dólares para comprar dívida dos EUA, o que irá enfraquecer ainda mais a moeda reserva atual. Além disso, qualquer dívida comprada por árabes e outros como a China, será desvalorizada e seus investimentos perdidos.

Em 1971, Ken Fromm, disse a Lindsey Williams que os produtores não abirirían estoques americanos de petróleo até o preço chegar a US $ 200 por barril. Esse preço será atingido, de acordo com várias fontes, em 2012. Nos EUA, a falta de petróleo vai trazer conseqüências graves, assim como para quase todo o planeta. Entretanto, o maior produtor de petróleo atual, a Rússia, assinou um acordo com a China, que da aos asiáticos todo o petróleo e gás natural necessário para desenvolver sua economia e tornar se a maior economia do mundo.

Segundo Williams, os globalistas começaram a explorar as enormes reservas em território dos EUA, que permaneceram fechadas como uma condição do acordo assinado entre Kissinger e da OPEC em 1977. Atualmente, de acordo com o U.S. Geological Service (USGS), existe abaixo dos estados de Dakota do Norte, Dakota do Sul e Montana, um poço de petróleo com reservas de 503 bilhões de barris. Este poço percorre a fronteira norte cruzando ate o Canadá. A existência deste e de outros poços de petróleo com o óleo chamado “light sweet”, tem sido de conhecimento dos globalistas por décadas e é muito relevante porque este tipo de óleo requer pouco ou nenhum processamento industrial, o que significa que estaria disponível para uso quase que imediatamente.

Este óleo pode ser produzido a um custo de apenas US $ 16 dólares por barril, um preço que certamente os globalistas não irão pedir quando seja vendido a centros de distribuição. Em vez disso, segundo Williams, as corporações manterão o preço em 200 dólares ou mais, de modo que os consumidores tenham que pagar cerca de 7 ou 8 dólares para comprar gasolina em postos. De acordo com Williams, há petróleo suficiente no poço no norte para atender a demanda dos EUA até 2041. Alem deste poço, se devem acrescentar outras reservas de petróleo na América do Norte debaixo das Montanhas Rochosas, que é considerado o maior de todos os poços disponíveis no mundo e que não tem sido explorado. Segundo estudos, as reservas disponíveis nas Montanhas Rochosas atingem 2 trilhões de barris. James Bartis, um dos pesquisadores que participaram do estudo, disse que os Estados Unidos tem mais petróleo do que qualquer outro país no mundo, inclusive mais do que a soma de vários países produtores juntos. Outros poços encontrados em território americano incluem Gull Island, no Alasca e outros em Texas.

Quais serão os resultados desta mudança? Primeiro, nenhum, porque os globalistas que causam as crises econômicas, guerras e problemas sociais ainda estarão no poder e talvez serão mais poderosos do que nunca. Analistas acreditam que um mundo novo surgirá do desastre que os globalistas estão causando no Oriente. De fato, uma das maiores mudanças será a imposição de uma nova moeda reserva, dada a queda do dólar. Lindsey Williams diz que os corporatistas que são responsáveis pela atual destruição dos Estados Unidos e Europa Ocidental finalmente reconstruirão estas duas regiões do planeta, mas eles dominarão ambas mais do que nunca.

O analista de inteligência Wayne Madsen, que trabalhou para a National Security Agency (NSA) e agora é uma repórter investigativo, em Washington, DC, também concorda com Williams e o historiador Webster G. Tarpley. Segundo Madsen, os globalistas que agora causam o conflito no Norte de África são também responsáveis por protestos no Bahrein, Grécia, Turquia, Irã e Paquistão. Ele também concorda com o fato de que todos os presidentes e ditadores foram cuidadosamente selecionados e colocados ao redor do mundo para realizar os planos dos globalistas, que como troco, agora estão sendo derrubados. Madsen acredita que Kadafi provavelmente acabará fugindo de Líbia para qualquer uma das outras ditaduras que ele tem protegido, como o Zimbabué, Gâmbia, ou até mesmo a África do Sul. No Iêmen, Madsen disse que os movimentos independentes recuperarão o poder dos ditadores que os têm oprimido durante tanto tempo.

Historiadores como Webster Tarpley concordou com essa descrição em várias aparições na mídia dos EUA e a Europa. Como exemplo, Tarpley citou o discurso de Barack Obama na quarta-feira, dizendo que sua equipe de segurança nacional estava em processo de negociação com os aliados no mundo para intervir na Líbia com a intenção de “apaziguar” qualquer ação considerada extrema pelos os EUA e seus aliados. Obama fez comentários demagógicos dizendo que os Estados Unidos apoiariam os povos dos países orientais que estão sendo abusados por ditadores. Obama, contudo, não faz o que ele prega em seu próprio quintal. “Os direitos à liberdade de expressão e de reunião são invioláveis”, disse Obama, que permite a opressão de seus próprios cidadãos, quando expressam seu descontentamento com a economia ou a maneira em que o próprio Obama dirige os destinos dos EUA.

Enquanto Obama entende claramente que a origem do conflito no Oriente Médio é conseqüência direta das ações de seu país e do império anglo-saxão que o controla, ele não poupou esforços para insistir que nenhuma potência ocidental foi responsável por esse conflito. Para conseguir entender porque os globalistas causam esses distúrbios é necessario conhecer o contexto, a história, a origem da miséria de milhares de árabes que foram oprimidos por muitos anos. O que a grande maioria dessas pessoas não percebem é que estão sendo objecto de uma nova decepção, porque aqueles que alegam estar ajudando eles, realmente estão dando mais do mesmo. Resta saber se o povo permitira que isso aconteça ou saíra às ruas para exigir uma mudança real, ao invés de ser enganado, mais uma vez, por aqueles que os tem mantido no actual sistema neo-feudal durante muitas décadas.