O planeta Terra tem estado esfriando por 2000 anos

POR LUIS MIRANDA | THE REAL AGENDA | 14 JULHO 2012

Um estudo divulgado 09 de julho pelo Professor Dr. Jan Esper da Universidade Johannes Gutenberg em Mainz concluiu que a Terra, apesar do alarmismo climático tem esta esfriando pelo menos desde 138BC, a data desde quando o Professor Esper começou a analisar os anéis de árvores fossilizados, que são considerados um dos indicadores mais precisos da mudança climática.

O estudo também reforça a teoria de que o clima da Terra está sempre mudando, essas mudanças ocorrem durante longos períodos de tempo — 2000 anos — e que qualquer estudo a ser levada a sério deve conter dados coletados que representam períodos de até dois milênios. Estudos menores só medem as mudanças climáticas que ocorreram ao longo de décadas ou séculos, o que na área de mudanças climáticas têm se mostrado insignificantes porque eles não representam tendências completas da mudança climática.

O estudo de um grupo de cientistas liderados pelo Dr. Esper explica também outros eventos, como a forma como os romanos conseguiram plantar uvas no norte da Inglaterra por um longo tempo, enquanto o clima era mais quente, e como mais tarde as pessoas conseguiram caminhar sobre o rio Tames congelado depois que o clima mudou e tornou-se muito mais frio.

“Nossos resultados sugerem que a reconstrução de grande escala climática divulgada pelo Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC) subestimou a tendência de longo prazo de esfriamento nos últimos milênios”, diz o professor Esper. O estudo patrocinado pelo Instituto de Geografia da JGU foi publicado na revista Nature em 8 de julho, e um dia depois no site da universidade. “Cálculos feitos por cientistas de Mainz também influenciarao o modo como o clima atual é percibido”, diz o artigo na página da JGU.

Por milênios, a Terra experimentou períodos de mudança climática que são rotulados de acordo com os eventos climáticos mais importantes. Por exemplo, um período de aquecimento global ocorrido há mais de um milênio, é conhecida como o Período Quente Medieval (MWP), ou a Anomalia Medieval do Clima. Este período durou desde 950 AD a 1250 AD. Mais tarde, o aquecimento foi seguido por um período mais frio, principalmente no Atlântico Norte. Este período é conhecido como a Pequena Idade do Gelo. A Pequena Idade do Gelo foi vista como uma anomalia climática devido ao impacto na região. Esse impacto foi além de mudanças na temperatura.

O que o professor Esper e sua equipe de cientistas da Alemanha, Finlândia, Escócia e Suíça fizeram foi examinar a densidade de amostras de anéis de árvores da Lapónia finlandesa. Os restos das árvores estavam bem preservados a temperaturas muito frias porque eles haviam estado no fundo de lagos, onde descansaram durante milhares de anos. Os cientistas usaram medições da densidade de sub-fósseis de pinho para criar uma seqüência de mudanças climáticas voltando dois mil anos até 138 AC. As medidas dos anéis de árvores tem uma correlação muito estreita com as temperaturas na região que se encontram na taiga nórdica.

Após a obtenção das medições, os pesquisadores reconstruíram os registros de temperatura com alta qualidade e fidelidade, introduzindo padrões de temperatura de alta resolução ao longo dos últimos dois milênios, incluindo a romana, medieval e migração, para chegar à Idade do Gelo. O estudo feito pelo Dr. Esper também destaca um novo fenômeno, diz o estudo, que não se esperava que aparecera nesta pesquisa: Os pesquisadores foram capazes de utilizar os dados obtidos a partir de anéis de árvores para calcular com precisão uma tendência ou um período mais longo de esfriamento que vem ocorrendo nos últimos 2.000 anos.

“Os resultados do estudo mostram que essa tendência implica um esfriamento de -0,3 ° C por milênio sao causadas por mudanças graduais na posição do sol e o aumento da distância entre a Terra e o sol.” Isso reforça a teoria mostrada por estudos anteriores e explicações de cientistas reconhecidos — como Piers Corbyn — que a atividade solar e o movimento da Terra em torno do Sol é muito mais um condutor das alterações climáticas e atividade de aquecimento do que a atividade antropogênica, como o IPCC, a Universidade de East Anglia, Al Gore e James Hansen nos querem fazer crer.

“Este número pode parecer uma estimativa insignificante, mas não é”, diz o professor Esper. Ele acrescenta que não é insignificante comparado com o aquecimento global, que tem sido até agora menos de 1 ° C. De acordo com dados obtidos pelo estudo, a radiação solar observada no longo prazo, que muda de segundo as configurações orbitais e suas oscilações são muito importantes no clima do Holoceno. A influência da atividade solar tem determinado o clima ao longo dos últimos 2.000 anos, e sua influência tem sido até quatro vezes mais forte do que antropogênica, que atingiu 1,6 W m-2 neto de influência desde 1750.

“Aqui, nós apresentamos novas evidências sobre a densidade máxima dos anéis da madeira no norte da Escandinávia, o que indica que esta tendência de esfriamento foi o mais forte (-0,31 ° C por 1.000 anos, ± 0,03 ° C) do que previamente descrito, e demonstra que este está ausente em estudos de analises de densidade de anéis de arvores publicadas anteriormente. A tendência a longo prazo revelado quando estudando os dados de densidade de anéis de árvores fossilizadas em linha com modelos de circulação geral acoplados indicam que o albedo é impulsionado por mecanismos de feedback e de esfriamento no verão que tem sido substanciais nos últimos dois milénios no norte boreal e latitudes árticas.

Estes resultados, juntamente com informações de movimentos orbitais e registros dendrocronologicos nas reconstruções publicadas sugerem que a análise da temperatura do ar perto da superfície, que dependem de dados de anéis de árvores pode subestimar as medições de temperatura, incluindo temperaturas pré-instrumentais observadas durante a época romana e medieval “.

Dr. Esper e seus colegas acreditam que, no últimos dois milênios, a força orbital da Terra tem continuamente reduzido a insolação de verão no hemisfério norte. A maioria das mudanças no planeta, devido a estas mudanças orbitais, dizem eles, foram sentidas especialmente nas latitudes de aproximadamente 65 ° N no hemisfério norte, entre junho e agosto (JJA). Essas mesmas forças foram confirmadas como as condutoras da variabilidade do clima ao longo dos últimos milhões de anos. Curiosamente, o estudo da Universidade Johannes Gutenberg de Mainz também incorpora a longo prazo a influência de CO2 sobre os resultados, e determinou que a forca orbital junto com variações climáticas resultantes da realimentação biogeoquímica marinho e terrestre foram as que iniciaram ciclos de esfriamento entre os períodos glaciais e interglaciais.

A imprecisão das medidas dos anéis de arvores feitas durante prazos curtos acontece devido a sua limitada capacidade para avaliar as oscilações de temperatura de baixa frequência. O estudo liderado por Esper terminou com esta limitação ao desenvolver uma reconstrução dos verões nos últimos 2000 anos com base em 587 medicoes de temperatura de densidade máxima e medições de alta precisão (MXD) no norte da Escandinávia. Esta reconstrução foi baseada em uma análise que levou três anos pinheiros subfossil (Pinus sylvestris) de 14 lagos e 3 localidades nas margens dos lagos em latitudes de 65 ° N. A metodologia permitiu aos cientistas obter resultados muito melhores do que qualquer outra réplica MXD existente.

“Nós conduzimos uma série de testes para a rede MXD e destacou a força de tendências de longo prazo, bem como a importância da inclusão de árvores vivas na margem dos lagos para formar uma transição suave para o material subfóssil preservado nos lagos. Calibração / verificação com os dados instrumentais é temporário e não há evidência sólida de divergência “, diz o estudo. Uma vez que os dados foram aceitos como parte do estudo, a reconstrução final (N-scan) foi calibrada segundo as temperaturas regionais JJA (r1876-2006 = 0,77) e se estendendo desde a data de 138 AC a 2006 DC.

Este último estudo da Universidade Johannes Gutenberg de Mainz é forte evidência de que todas as tentativas de usar a mudança climáticas, o aquecimento global ou a atividade humana como a válvula de escape para que os governos e as organizações internacionais como as Nações Unidas controlem os recursos do planeta e limitem o desenvolvimento, são apenas tentativas para avançar a agenda de controle corporativo, que com as descobertas do presente estudo, morre um pouco mais a cada dia.

Talvez o prefeito de Nova York, Michael Bloomberg, deve ler este estudo e seus resultados antes de pensar em construir complexos de apartamentos que parecem gaiolas mais do que qualquer outra coisa. O estudo também deve ser um aviso para James Hansen, Al Gore, Ted Turner e Bill Gates, que gradualmente devem  perceber que as pessoas vão evitar que o seu sonho de ter uma civilização pré-industrial com os padrões de vida semelhantes aos da idade media, não vai acontecer. Este estudo é certamente uma flecha no coração das Nações Unidas e as politicas da Agenda 21 que estão sendo implementadas em todo o mundo, porque, segundo a ONU, “é preciso salvar o planeta do aquecimento global causado pelo homem”.

Pode-se argumentar contra um estudo de registro climético tão convincente que inclui informações de 2000 anos de história? Eles podem tentar.

Alarmistas do clima propõem esterilização e infanticídio

As técnicas para alcançar a redução da população incluem a esterilização em massa através de vacinas, o planejamento familiar obrigatório em troca por ajuda estatal.

Por Luis R. Miranda
The Real Agenda
Dezembro 10, 2010

Apenas alguns meses depois que um documento das Nações Unidas revelou o plano que os alarmistas do clima pretendem culpar a “superpopulação” como um mantra para reviver o desacreditado aquecimento global como um meio de desmantelamento da classe média, o bilionário Ted Turner salientou a mesma coisa durante um almoço em Cancún, exortando o mundo a adoptar a política brutal da China de permitir apenas um filho por família, e até sugeriu que os pobres devem ser esterilizados em troca de ajuda do governo.

Depois de um discurso precedido pelo economista Brian O’Neill, do Centro para a Pesquisa Atmosférica, nos Estados Unidos, que concluiu com a ideia de que uma população crescente está contribuindo para uma aceleração do crescimento das emissões, o Tio Ted lembrou que os escravos não devemos aspirar a seguir o seu exemplo de ter cinco filhos, e se fizemos isso devemos enfrentar a ira de uma política de natalidade no estilo chinês, que envia as mulheres que desafiam seus editais para “campos de reeducação”, depois de terem sido espancadas e forçadas a injetar-se para acabar com a vida de seus bebês no útero, é claro.

O Sr. Turner – um defensor do controle da população – disse que o estresse ambiental sobre a Terra exige soluções radicais, sugerindo que os países deveriam seguir o exemplo da China em estabelecer uma política de ter um filho único para reduzir a população mundial ao longo do tempo. Ele acrescentou que os direitos da fertilidade podem ser vendidos para as pessoas pobres podem e assim elas se beneficiem de sua decisão de não se reproduzir “, relata o jornal Globe and Mail.

O segredo por trás do pedido de Turner para impor uma política tirânica como a da China, que é administrada pela polícia secreta e de “planejamento familiar”, -seqüestram, drogam e obrigam as mulheres a abortar-, não tem nada a ver com a sua preocupação com o meio ambiente.

Turner tem cinco filhos e possui nada menos que 2.000.000 hectares de terra. Ele é o maior proprietário do planeta, atrás apenas das famílias reais da Europa. Turner tem defendido publicamente programas para reduzir e sacrificar a população humana em um 95%, um valor que só pode ser alcançado através de genocídio em massa, o aborto e o infanticídio.

No terceiro mundo, Turner deu bilhões para a redução da população, especialmente através dos programas das Nações Unidas, junto com Bill e Melinda Gates e Warren Buffet (o pai de Gates tem sido um membro da Planned Parenthood e sua política eugênica.) Gates tem dado palestras em que promove o uso de vacinas e do aborto como meio de reduzir a população mundial e à redução das emissões de CO2.

A alegação de que os cuidados de saúde através da vacinação podem salvar vidas, mas também reduzir o número de pessoas no planeta é um oxímoro, a menos que Gates se refere às vacinas para esterilizar as pessoas, que é precisamente o mesmo método preconizado no livro escrito pelo consultor científico atual para a Casa Branca, John P. Holdren chamado Ecoscience. Este livro defende uma ditadura ou “regime global” para impor medidas draconianas para reduzir a população através de todos os tipos de técnicas de opressão, inclusive a esterilização.

Isto é o que Gates e Turner discutiram quando se encontraram em segredo, com pessoas como George Soros, David Rockefeller e Oprah Winfrey, em um encontro privado de bilionários em Manhattan, no ano passado, um esquema que incidiu sobre como estes globalistas poderiam usar sua riqueza para “deter o crescimento da população global. ”

Como é eminentemente provável, a agenda real por trás atiçar as chamas do medo sobre a superpopulação, é a redução do nível de vida em todo o mundo, para impedir que o terceiro mundo se torne economicamente próspero, enquanto evisceram a classe média das nações ocidentais. Não tem nada a ver com o cuidado do meio ambiente ou o planeta. Simplesmente é apenas mais um Cavalo de Tróia para avançar sua tirania globalista.

Este fato foi admitido em um plano da ONU vazado que surgiu em setembro. O documento exorta os alarmistas das alterações climáticas a promover o tema da “superpopulação” como um substituto para o “aquecimento global”, embora admitem que o objetivo final é “limitar e reorientar as aspirações de uma vida melhor para o crescimento da classe média em todo o mundo”; em outras palavras, para convencer as massas, que terão de se contentar com um estado de pobreza para salvar o planeta do Armagedon. Naturalmente, o tio Ted pode manter os seus 2 milhões de hectares e cinco crianças que vão procriar ad infinitum.

A superpopulação é um mito. Dados da ONU indicam claramente que a população se estabilizará em 2020 e, em seguida, cairá dramaticamente depois de 2050 de uma forma natural. Como The Economist relatou: “A fertilidade está diminuindo e o número de membros da família está diminuindo, como no Brasil, na Indonésia, e até mesmo partes da Índia, onde as pessoas pensam que está explodindo com novos nascimentos. Como mostra esta informação, a taxa de fertilidade de metade do mundo agora é de 2,1 ou menos, o número mágico que é consistente com uma população estável e é muitas vezes chamado de “taxa de reposição da fertilidade.” Em algum momento entre 2020 e 2050, a taxa global de fertilidade será inferior à taxa de reposição em geral. ”

Para se destacar, não só os números indicam claramente que a superpopulação é um susto artificial, mas que os alarmistas têm sido forçados a admitir que estão alimentando temores a fim de reduzir os padrões de vida no Ocidente e, portanto, lançar o seu plano de redistribuição de riqueza mundial.

E nem por um segundo se iluda pensando que esta “redistribuição da riqueza” alegada irá se manifestar em uma espécie de utopia socialista. Como foi descoberto durante a Reunião de Copenhague, a agenda de “redistribuição da riqueza” em grande parte se concentra na pilhagem das riquezas da classe média nos países mais ricos, através de impostos de carbono e, em seguida, usar esse dinheiro para financiar a construção de um governo mundial. Como revelado no texto dinamarquês (danish text), o dinheiro gerado a partir de impostos sobre o consumo irá diretamente para o Banco Mundial, e não para países em desenvolvimento.

Mesmo se você acredita na charlataneria distribuídos sobre a supepopulação, duvido que você concorde com os globalistas que para “resolver o problema”, devemos matar 95 por cento da humanidade, destruir a prosperidade e a liberdade econômica ou assegurar que o terceiro mundo continue sendo escravizados por montanhas de dívida com o FMI e o Banco Mundial.

Ted Turner é um industrial bilionário, com cinco filhos, dois milhões de acres de terra e uma rede de interesses comerciais que emitem mais dióxido de carbono em um ano do que todas as pessoas que lêem este artigo juntos na vida podem emitir. E ele está dizendo para você fazer sacrifícios, não ter filhos e vender os seus direitos reprodutivos, esterilizar, reduzir seu padrão de vida, assim como Al Gore charlatanea sobre o nível do mar causado pelo aquecimento global, em quanto compra propriedades e constrói mansões que valem milhões de dólares em pontos turísticos ao redor do mundo.

Quantas mais provas são necessárias para que as pessoas aceitam o fato de que a superpopulação é um mito que foi seqüestrado por alarmistas do aquecimento global que estão agora usándo-lo como um substituto para a desacreditada ciência sobre o aquecimento global antropogénico, para a construção de uma nova ordem mundial, que será inteiramente baseada em sufocar a classe média e tornar as pessoas mais dependentes do governo, tornando-se assim em arquitetos da sua própria escravidão?

Geo-engenharia: Armas Laser e Modificação Climática

Por Luis R. Miranda
The Real Agenda
Junho 3, 2010

Muitas pessoas agem com incredulidade quando o assunto do uso de armas de energia direta é falado em uma conversa. Acredita-se

Armas laser disparadas do ar o desde o espaço são já uma realidade.

que a pessoa é “excêntrica” se ela explica que estas armas podem ser usadas para modificar o clima ou derrubar estruturas ou locais. No entanto, uma recente utilização do laser revela que tal uso militar não está somente bem próximo da realidade, mas na verdade é uma aplicação comum hoje em dia.

Em um artigo publicado na Russia Today, a existência de tais tecnologias é admitida por cientistas e militares e suas aplicações explicadas.

Abaixo está o artigo que Russia Today publicou em 4 de maio de 2010, às 13:08:

Um poderoso laser pode ser emitido no ar úmido para provocar a condensação da água, os cientistas descobriram. A tecnologia tem o potencial de substituir a adubação de nuvens usada hoje.

Um pulso de laser é disparado no ar e este faz um caminho de oxigênio e nitrogênio ionizado. Alguns pesquisadores militares querem usar este canal “plasma” para conduzir a eletricidade em armas futuristas de energia direta, mas parece que existe também um uso para fins pacíficos.

As moléculas ionizadas atuam como núcleos de condensação de água natural e, potencialmente, podem ser utilizadas para induzir a chuva. Jérôme Kasparian, um físico óptico na Universidade de Genebra, na Suíça, e seus colegas descobriram este processo ao investigar a possibilidade de desviar a descarga através de um raio laser.

Adubação de nuvens, o método utilizado atualmente, envolve o uso de iodeto de prata ou dióxido de carbono, que estimula a formação de gotículas nas nuvens. Os produtos químicos são liberados a partir de geradores na terra ou lançados de aeronaves em qualquer lugar. Esta abordagem tem sido usada há 50 anos, é apenas moderadamente eficaz e existem algumas preocupações ambientais.

Kasparian e a sua equipe testaram com sucesso o uso de lasers para criar condensação, tanto em laboratório como no mundo real. O número de gotas foi contado para um segundo pulso disperso de baixa energia de outro laser. Em tempo úmido, a medida foi 20 vezes maior do que após disparar o primeiro laser. Isto é relatado na revista Nature Photonics.

A tecnologia, entretanto, está em seus estágios iniciais e os cientistas ainda estão por provar que realmente podem causar condensação em grandes áreas. Também tem que ser investigado a tecnologia opera em diferentes condições ambientais.

Podemos acreditar que esta tecnologia não está em uso agora? Claro que não. Pode este laser ser usado para criar um maior grau de instabilidade na atmosfera, da mesma forma que pode ser usado para criar nuvens e fazer chover? Julgue você mesmo.

Quais outras aplicações pode ter essa tecnologia? Que tal ser capaz de disparar um raio de laser desde o espaço até qualquer ponto na Terra? De repente, a teoria de que armas de energia foram usadas em 9/11, não parece tão louca, né? Apesar de ainda faltar um ponto de ligação entre a tecnologia e como ela pode ou não ser sido utilizada em 2001, o paralelismo estabelecido em alguns estudos parece ser bastante preciso.

Trilhas químicas sobre a cidade de Sao Leopoldo-RS, Brasil

Será que a alteração do clima é uma iniciativa pacífica, como é definido no artigo anterior? Na realidade não. O clima em nosso

planeta gira em torno de processos naturais que fazem parte de um equilíbrio natural, portanto, qualquer alteração artificial pode causar efeitos inesperados nos padrões do clima. A modificação artificial do tempo e o clima através da utilização de trilhas químicas, ou chemtrails, é negada como técnica para mudar o clima em uma região na atualidade, apesar da existência de programas secretos e outros de conhecimento público que revelam a utilização de compostos de bário, óxido de alumínio e outros para modificar o tempo. Estes programas são concebidos para controlar a quantidade de luz solar que atinge a Terra. Quando questionadas sobre os programas secretos, as autoridades afirmam que a pulverização química é para o bem de todos. A primeira desculpa dada é o acontecimento do aquecimento global. Os cientistas e os governos acham que é uma boa idéia pulverizar produtos químicos que causam problemas de saúde e poluem o ar que respiramos e a água que bebemos para mudar um processo que ocorre naturalmente.

Depóis de alguns minutos, as trilhas se expandem e toman conta do céu em Sao Leopoldo-RS, Brasil.

Programas que tratam com a modificação do tempo, acredita-se, é uma questão da imaginação das pessoas, até que descobrimos que organizações corruptas como o IPCC estudaram e proporam o uso da tecnologia para alterar artificialmente o clima. O que os estudos não dizem é que as partículas utilizadas na mudança do clima são tão pequenas quanto 10 mícrons e podem ter consequências desastrosas para nossa saúde. O acúmulo de óxido de alumínio e outros produtos químicos na água da chuva coletada em regiões onde o produto químico foi usado é 20 vezes superior ao normal.

A iniciativa de mudar o clima através do uso de produtos químicos não é apenas uma coisa do presente ou do futuro. No passado, o governo dos E.U., por exemplo, usou adubação de nuvens para modificar o tempo e causar chuvas torrenciais no Vietnã durante a guerra. A chuva trouxe grandes enchentes que interromperam a ação do exército de resistência vietnamita e facilitou o trabalho dos aviões americanos. Os Estados Unidos realizaram mais de 2.000 missões de modificação do clima durante a guerra. O projeto Stormfury, ou Furia da Tormenta, usado para adubar nuvens e modificar o clima, assim como outras tecnologias, têm sido estudadas e aplicadas há pelo menos 40 anos. Dr. Joseph Golden, um cientista e pesquisador na National Oceanic Atmospheric Administration (NOAA), disse que essas tecnologias têm sido usadas para enfraquecer furacões em até 15 por cento no passado. Ele também apoia a utilização de produtos químicos que permite que os cientistas e militares controlem o tempo em qualquer lugar durante períodos variados. Chemtrails, ou trilhas químicas, podem permanecer entre 6 e 20 horas na atmosfera após os produtos químicos que os formam serem pulverizados. Elas podem abranger áreas tão grandes quanto 4.000 milhas ou mais. Minha pergunta é: estas tecnologias podem ser usadas para criar furacões da mesma maneira que se usam para enfraquecê-los ou até mesmo dissipá-los? A resposta é SIM.

O uso de lasers e outras tecnologias semelhantes é, como podemos ver nesta tabela, um objetivo bem alcançado. O mais famoso de todos os usos é o de Nikola Tesla, com o uso de energia direta. A aplicação de Tesla foi estudada e aperfeiçoada ao longo de décadas e é agora reconhecida, mesmo pelos militares, como uma fonte real de energia. Tenente-Coronel Thomas E. Bearden (aposentado), analista de sistemas com experiência e especialista em programas militares disse: “O tempo e a energia eventualmente tornam-se coisas que você pode inventar.” Ele continuou: “Para a nossa própria sobrevivência, é absolutamente imperativo que os cidadãos informados estejam conscientes desta mudança radical, que está apenas no início. A ciência nova e poderosa deve ser controlada e utilizada em benefício da humanidade e não em seu prejuízo. Caso contrário, será usada para destruir toda a vida na terra, como indicado por Nikita Khrushchev em 1960. ”

Tenente-Coronel Bearden

O que o Tenente-Coronel Bearden quer dizer é que a humanidade tem em suas mãos uma nova arma, uma arma que pode destruir toda a vida na Terra. A sua visão é apoiada pelo ex-secretário de Defesa dos Estados Unidos, William Cohen, quem alertou sobre o uso de armas laser como uma forma de terrorismo ecológico. “Outros estão envolvidos, mesmo em um tipo de eco-terrorismo que pode alterar o clima, causar terremotos e erupcões vulcánicas remotamente através do uso de ondas eletromagnéticas … Então, há uma abundância de mentes engenhosas que estão lá fora trabalhando para encontrar maneiras de criar terrorismo em outros países … “

Embora os cientistas não estejam pensando em usar a geo-engenharia ou tecnologias de modificação do tempo para causar danos a grandes áreas da Terra, -pelo menos não todos eles- a realidade é que essa decisão não está em suas mãos. Os cientistas são responsáveis por pensar, criar e implementar tecnologias. O que é feito com essas tecnologias é, então, a prerrogativa de empresas privadas ou governos, que são aqueles que fornecem financiamento e infra-estrutura para os experimentos. Uma questão que pode surgir sobre as alterações climáticas com armas laser ou trilhas químicas é: como ela nos afetam? A resposta é: não positivamente. Outra questão é: porque se no passado os governos e as empresas negaram a existência de modificações climáticas e as tecnologias de armas deste tipo, estão agora falando sobre seu uso e tornando-as visíveis para todos? Bem, porque você não pode negar a geo-engenharia que está acontecendo, como é reconhecida pelos cientistas e militares. Portanto, não é necessário documentar as trilhas químicas, porque está provado que elas existem. Não há necessidade de documentar as armas laser, tanto na Terra como no espaço, porque sem dúvida existem. Leia este documento PDF do Council on Foreign Relations (CFR), uma organização globalista conhecida por suas opiniões sobre o uso unilateral da geo-engenharia.

Como disse o ex-secretário de Defesa, William Cohen, a questão agora não é se a geo-engenharia através de lasers e trilhas químicas é real ou não, mas para que será usada. E se tomarmos a dua palavra, como ex-secretário de Defesa da mais poderosa força militar do mundo, o futuro não parece ser bom. Simplesmente a partir do ponto de vista do que armas laser ou a geo-engenharia são capazes de fazer, todas as questões devem ser levantadas. Se esses rastros químicos não são tóxicos, como alguns cientistas dizem, porque a Monsanto, empresa química em si, está criando um tipo de semente que pode suportar os produtos químicos utilizados nestes percursos? Segundo a Dra. Ilya Sandra Perlingieri, os produtos químicos aplicados às áreas povoadas e despovoadas estão prejudicando não só o ambiente mas também a saúde humana.

“… Nós também sabemos que certos tipos de produtos químicos podem danificar a saúde humana e dos animais, especialmente o sistema imunológico … … os perigos das alterações hormonais estão agora mais amplamente explicadas na Internet, mas não são bem conhecidos pelas pessoas que escutam notícia dos meios de comunicação tradicionais. (1) A maioria destes produtos químicos altamente tóxicos são invisíveis e, portanto, estão facilmente fora do nosso radar coletivo. Com o nível de estresse criado deliberadamente pela crise financeira orquestrada pelas elites, onde milhões de pessoas perderam seus empregos e lares, um ambiente degradado não é prioridade para ninguém, especialmente se há pouca informação ao respeito. Este cenário faz parte de uma perspectiva mais ampla e é o que Naomi Klein escreve em seu livro “The Shock Doctrine”. Temos grandes crises, uma após a outra, sendo difícil manter o contato com nossa rotina diária, muito menos ter tempo para considerar as implicações toxicológicas de enormes quantidades de metais pesados e produtos químicos que envenenam nossa cadeia alimentar e, portanto, a nossa suposta saúde. ” Estamos no topo de uma cadeia alimentar em ruínas. ”

Leia a avaliação completa da Dra. Perlingieri sobre a geo-engenharia e as alterações climáticas aqui. E sobre as armas laser? Bem,

Secretario de Defesa dos Estados Unidos, William Cohen.

se os governos e as empresas têm agora a possibilidade de criar nuvens, criar e gerenciar furacões, criar terremotos e outros fenômenos tais como William Cohen e o Tenente Bearden dizem, é seguro afirmar que estas são ameaças gigantescas à sobrevivência da humanidade. O uso de produtos químicos e lasers são o mesmo tipo de soluções rápidas que nos trouxeram DDT, gases CFC, dispositivos de radiação de microondas, os organismos geneticamente modificados (OGM), os pesticidas em alimentos e outros. É essa ameaça que levou as pessoas a se mobilizarem a nível mundial. O cientista David Suzuki diz que a geo-engenharia é uma “loucura” e vai mais longe ao dizer: “Se nós aprendemos alguma coisa do passado, é que apesar de estarmos muito hábeis em inventar novas e poderosas tecnologias, nosso conhecimento de como o mundo e as coisas estão interligadas é quase zero. ”

Mesmo os globalistas, tradicionalmente defensores da redução da população nas Nações Unidas, manifestaram sua preocupação com a utilização tanto das armas laser como das trilhas químicas. A 14ª Sessão do Órgão Subsidiário de Assessoramento Científico, Técnico e Tecnológico foi o primeiro lugar onde o Conselho das Nações Unidas discutiu a geo-engenharia, desde a assinatura do Tratado ENMOD em 1976. O tratado proibiu a geo-engenharia, quando ela é usada para objetivos”hostis”. SBSTTA 14 irá recomendar à Convenção das Nações Unidas sobre a Diversidade Biológica a imposição de uma moratória sobre todas as atividades de modificação do clima através de geo-engenharia em uma reunião em Nagoya, Japão em outubro 2010. Naturalmente, o conhecimento se dissemina mais rápido e melhor quando as pessoas mais a nível local são responsáveis por informar sobre estas questões. Então, conte à sua família, amigos e conhecidos sobre a origem e os perigos de armas laser e a modificação do clima com geo- engenharia ao redor do globo. Assim como OS POVOS expuseram as mentiras sobre o aquecimento global antropogênico e Climategate, é nosso dever expor isso também.