Operadores de Scanners de Aeroportos sofrem de Câncer

Por Luis R. Miranda
The Real Agenda
28 de junho de 2011

Levou apenas alguns anos para que as conseqüências da exposição continuada à radiação do scanners foram reveladas. Os operadores de scanner aos que muitos passageiros estão sujeitos antes de embarcar um avião, encontraram flocos cancerígenos em seus corpos após apenas uma década ou menos de trabalhar com estas máquinas. A descoberta dessas informações foi realizada após que o Centro de Informação para a Privacidade Eletrônica publicou documentos mostrando como os trabalhadores do aeroporto estavam doentes com câncer, problemas cardíacos e tinham sofrido derrames. Estes documentos foram obtidos através de um pedido sub a Ley de Liberdade de Informação.

Em vez de fornecer os trabalhadores com assistência médica adequada e realizado avaliações das máquinas para verificar sua segurança, a Agência de Segurança Aeroportuaria (TSA), tentou manter o assunto em segredo para evitar uma oposição ainda maior contra os scanners instalados em muitos aeroportos os EUA e do mundo. A proximidade e a exposição continua à radiação causaram as doenças em vários operadores que operam os scanners desde 2003, fazendo com que, hoje, sofram problemas de saúde irreversíveis.

Mesmo quando os funcionários e supervisores freqüentemente pediram medidores de radiação para avaliar realisticamente a quantidade de radiação à que eles estavam expostos, o TSA não atendeu as solicitações. Alem disso, a TSA não tinha avaliado os scanners para determinar a segurança ou insegurança deles. Embora a secretária de Segurança Nacional, Janet Napolitano, disse várias vezes que as máquinas eram seguras, a verdade é que um estudo citado pela TSA e Segurança Nacional era falso. O estudo de acordo com Napolitano havia sido feito pelo Instituto Nacional de Padrões e Tecnologia (NIST), mas este nunca ocorreu. NIST lançou recentemente uma aclaração e disse que o Instituto Nacional de Padrões e Tecnologia nunca realizou testes de segurança em scanners de corpo inteiro.

Aparentemente, o alarme sobre o câncer começou quando um diretor federal de segurança em Boston Logan International Airport, disse que estavam preocupados sobre o número de trabalhadores com diagnóstico de câncer. Em um e-mail com o assunto: “O câncer de Boston + Riscos de Radiação para a Saúde e preocupações de segurança”, o diretor mais uma vez implorou para receber os dispositivos de monitoramento radiológico que havia solicitado em várias ocasiões. No mesmo e-mail sublinha a sua preocupação e a de muitos outros trabalhadores sobre “o número de operadores diagnosticado com câncer” e “a preocupação nossa que TSA tem monitorado erradamente a ameaça que eles enfrentam a os operadores e os trabalhadores que monitoram a bagagem dos passageiros. ”

Alguns trabalhadores da TSA estavam preocupados com a exposição à radiação nos últimos meses, alegando que o TSA em si não tinha compartilhado as suas conclusões sobre a segurança de exposição à radiação. De acordo com Infowars.com o Dr. David Brenner, da Universidade Columbia descobriu que “os scanners corporais provavelmente conduzirám a um aumento de um tipo comum de câncer de pele chamado carcinoma basocelular, que afeta a cabeça e pescoço. ” Além disso, Dr. Michael Love, do Departamento de Biofísica e Química Biofísica da Universidade Johns Hopkins, disse publicamente que “estatísticamente alguém vai ter câncer de pele da radiação emitida por essas máquinas. ”

“Não há realmente nenhuma outra tecnologia que podemos usar com raios-X que não contamine um grande número de pessoas. É realmente sem precedentes no mundo da radiação “, diz Brenner. Enquanto os cientistas e a mídia alternativa alertaram sobre os perigos dos scanners, o governo dos EUA diz que as máquinas eram seguras.

Muitos professores de ciências e outros cientistas alertaram o governo sobre a pouca ou nenhuma pesquisa existe sobre a segurança dos scanners. Alguns sugeriram que deveria haver formas de alcançar os mesmos objetivos que o governo tinha, sem prejuízo para os trabalhadores e passageiros. “Ainda não há dados concretos, claros, para determinar a segurança dos scanners utilizados nos aeroportos”, disse um grupo de professores da Universidade da Califórnia, observando que os testes só foram feitos pelos fabricantes dos scanners.

Vale lembrar que a mesma tecnologia está sendo implantada pelos governos e suas agências de segurança nacional em lugares como estádios, postos de controle, e, em tamanhos menores nos tribunais, shoppings e até mesmo algumas escolas.

Ataque Terrorista em Oslo Possível Falsa-bandeira

Por Luis R. Miranda
The Real Agenda
25 de julho de 2011

Como The Real Agenda alertou na quinta-feira passada, a probabilidade de um ataque terrorista de falsa bandeira era cada vez mais possível. Em nosso artigo publicado na quinta-feira 21 de Julho, se concentrou em um novo vídeo divulgado pelo Departamento de Segurança Interna e FEMA nos Estados Unidos, que apontou especificamente para os homens brancos como uma ameaça potencial do terrorismo. No vídeo, as duas organizações apresentam homens brancos que deixam carros-bomba em um prédio federal e ativam explosivos em uma rua em algum lugar.

Quais são as chances de que no dia seguinte, um suposto ataque terrorista causado por um homem branco em um edifício do governo em Oslo, Noruega? Quais são as chances de que o suposto terrorista utilizara um dos dois métodos mostrados no vídeo do Departamento de Segurança Interna? Quais são as chances de que ele era um homem branco com crenças cristãs conservadoras?

Somente temos que olhar para a história e as principais características de eventos anteriores e comparar o bombardeio em Oslo com estes eventos, mas que poderia ter acontecido em qualquer outro lugar do mundo. Primeiro, a mídia tradicional rapidamente culpou extremistas muçulmanos pelo ataque, para depois alterar a sua história e culpar um membro “branco” do grupo terrorista Al-Qaeda pelo ataque em Oslo e Utoya.

Outra parte que coincide com outros ataques de falsa bandeira é que o autor dos ataques é apresentado na mídia tradicional como o único responsável, agindo sozinho, e quando as histórias falsas da mídia não convenceram o público, novos detalhes são adicionados para fazer com que a história sobreviva mais um dia. Agora, a polícia disse que um segundo homem está sob custódia, e que este homem teria agido juntamente com Anders Behring Breivik para realizar os dois ataques. O mesmo padrão de bode expiatório único foi oferecido pelas autoridades durante os ataques na cidade de Oklahoma e no World Trade Center em 1993.

Outro pedaço de informação que não faz sentido é que o ataque terrorista ocorreu em um feriado, quando a maioria dos trabalhadores do governo não estavam em seus escritórios. Por que um terrorista perderia tempo e trabalho para realizar um ataque durante um feriado, quando o dano seria menor? Por que um grupo de terroristas atacaria um prédio quase vazio em um feriado? A explosão de uma bomba de Oslo, vem em um momento de dificuldades econômicas na Europa, enquanto o governo está passando por um baixo nível de aprovação pública e depois que a Noruega anunciou a retirada de suas tropas da força NATO que está a bombardeando a Líbia e outros países Africanos.

Anders Behring Breivik é um branco caucasiano de 32 anos de idade, que chama-se a si mesmo um cristão conservador, como alguns rumores relataram, um membro da Maçons. Não tenho nada contra dos maçons aqui. De nenhuma maneira, no entanto, um “lobo solitário” poderia matar 92 pessoas na Noruega. De fato, um outro homem foi preso. É a informação publicada na página do Facebook Breivik uma tentativa de enquadrar os conservadores cristãos e, em seguida, classificá-los como potenciais terroristas? Este é um cenário muito provável, porque é isso que os governos fizeram para os muçulmanos depois de 11 de setembro. Veja a página do Anders Behring Breivik no Facebook aqui.

A tudo isto há que acrescentar que a polícia esperou 90 minutos antes de realizar a operação de resgate de jovens na ilha de Utoya. Isso permitiu que o atirador (os atiradores) executaram seu plano para disparar todos aqueles na frente antes de serem encontrados pela polícia. Durante o 11 de setembro, aviões de combate não foram enviados para “caçar” os aviões supostamente seqüestrado por ordem do vice-presidente Dick Cheney, como disse o ex-secretário de Transportes Norman Minetta. Isso permitiu que os aviões chegassem até a cidade de Nova York e chocaram contra as torres gêmeas. A mídia em seguida, culpou os muçulmanos pelos ataques da Noruega com zero evidência, em seguida também culpou os “brancos” da Al Qaeda, novamente sem nenhuma prova.

Dado o fato de que o primeiro-ministro da Noruega visitaria Utoya para conversar com os jovens que foram baleados por atiradores, funcionou muito bem com o fato que a bomba explodiu no prédio do governo apenas umas poucas horas antes e funcionara como uma distração para realizar os assassinatos em Utoya.. Outro fato prático é que Anders Behring Breivik era supostamente um fazendeiro. Isto serviu como uma desculpa para comprar seis toneladas de fertilizantes antes do ataque, o seu provedor, disse no sábado. Os tiroteios começaram poucas horas depois da explosão que destruiu o prédio do governo em Oslo, onde o escritório do primeiro-ministro estava.

Segundo o historiador e pesquisador G. Webster Tarpley, o ataque terrorista em Oslo tem “indícios de uma provocação de falsa bandeira”.

“Tem sido relatado que, embora a mídia mundial está tentando se concentrar em Anders Behring Breivik como um assassino solitário na tradição de Lee Harvey Oswald, muitas testemunhas concordaram que um segundo atirador agiu na massacre em um acampamento de jovens em Utøya. Também foi revelado que uma unidade especial da polícia realizou um exercício no centro de Oslo, que envolvia a detonação de bombas – exatamente o que causou o derramamento de sangue algumas centenas de metros de distância, pouco mais de 48 horas depois. A pesquisa também revela que as agências de inteligência dos Estados Unidos haviam realizado um programa de larga escala para recrutar oficiais reformados da polícia norueguesa com o suposto objectivo de realizar vigilância dentro do país. Este programa, conhecido como Unidades de Vigilância Detecção ou SIMAS é o veículo perfeito para a penetração e subversão da polícia norueguesa pela NATO. ”

Segundo a imprensa norueguesa, houveram vários treinos nos dias que antecederam os ataques em Oslo, com homens vestindo ternos pretos descendo pelas paredes de edifícios do centro de Oslo, a poucos quarteirões do escritório do primeiro-ministro. Este comportamento é consistente com as ações tomadas em anteriores ataques de falsa bandeira como no 11 de setembro de 2001. O que os exercícios fazem é permitir que se coloquem explosivos ou carros-bomba, que podem ser parte da simulação e, em teoria, são falsos explosivos e falsos carros-bomba, mas elas realmente são explosivos reais e carros-bomba verdadeiros. Aqueles que participam nos exercícios podem ou não saber sobre a realidade dos explosivos ou bombas, pois os equipamentos e materiais utilizados durante os exercícios são reais. O fato de que os exercícios ocorreram pouco antes do ataque também protege aqueles que podem ser os culpados pelo ataque porque “era tudo parte do exercício” e ninguém sabia que havia explosivos reais envolvidos bombas reais ou carro.

Outra característica que torna a explosão de uma bomba em Oslo estranha é que um conhecido de Anders Behring Breivik, Ulav Andersson, diz que ele pode ter sido doutrinado ou ele pode ter tido uma “lavagem cerebral”. Anderson também foi colega de trabalho de Breivik.

Breivik também participou de reuniões do grupo Os Cavaleiros Templários e como foi dito anteriormente, também parece ser um membro dos Maçons. A única coisa que não aconteceu no ataque terrorista em Oslo é que Breivik não foi misteriosamente morto na prisão ou se enforcou em sua cela, como em outros casos. No entanto, mais detalhes serão divulgados nos próximos dias e esse resultado não seria uma surpresa.

Enquanto toda esta informação aponta claramente para um ataque de falsa bandeira, a mídia e seus especialistas em segurança e terrorismo optam por ignorá-los e continuam culpando extremistas cristãos conservadores.