Objetivo: Genocídio Global. Plano da Elite Explicado

Por Luis R. Miranda
Vídeo PrisonPlanet.tv
21 de junho de 2011

O historiador e pesquisador Webster Tarpley descreve qual é o plano da Elite para a maioria da população. De despovoamento até deindustrializacao. Da instalação de um regime planetário até o uso de vacinas para realizar esterilizações forçadas. Tarpley analisa a informação contida no livro de John P. Holdren, “Ecosciência: População, Recursos, Ambiente,” inspirado pelos escritos de Thomas Malthus e Paul Ehrlich. John P. Holdren é o atual czar da Ciência e Tecnologia dos EUA serve como conselheiro do Barack Obama nestes dois campos.

Os planos descritos no livro de John P. Holdren tem sido apresentados em outros trabalhos patrocinados pela Elite que surgem de organizações como a Fundação Bill e Melinda Gates, a Fundação Rockefeller, o Clube de Roma, os Bilderbergers, e assim por diante.

Se o mundo fosse alterado conforme desejado pelo Holdren, o resultado seria o despovoamento, a fome massiva, a esterilização forçada, o implante de chips em pessoas, bem como outros dispositivos para controlar a população e uma mudança total na forma que os seres humanos vivem, se movimentam e usam suas habilidades para desenvolver tecnologias alternativas para resolver problemas reais, tais como energia, alimentos e saúde nos países do terceiro mundo e da classe média nos países desenvolvidos.

Os membros da Elite que pretendem colocar essas políticas em ação odeiam a humanidade -embora eles mesmos sejam humanos- e já deixaram claro que vão usar todos os recursos à sua disposição para realizar seu plano de Eugenia e livrar o planeta da “escória humana” para que todo fique só para eles.

A Elite, a oligarquia, só serve os oligarcas. Para eles, deve haver apenas a Elite e as massas, e nada entre eles. As massas são chamadas de “consumidores inútieis”, e “animais” cuja vida não é digna de ser vivida. Portanto, a vida dos membros dessas massas devem ser terminadas. A população tem que ser cortada para algumas centenas de milhões de pessoas. A Elite está com medo de uma população maior, porque não será capaz de controlá-la e acha que as pessoas irão “roubar” os recursos que até agora monopolizaram por tantas décadas.

Eles foram inteligentes no exercício do seu genocídio, porque o fizeram tão silenciosamente que quase ninguém sabe sobre ele. Eles usaram duas das armas mais efetivas que possuíam: a economia e a medicina moderna. Longe da vista, longe do coração. Vacinas, medicamentos e negligência médica matam mais pessoas do que as próprias doenças. As políticas econômicas impostas às nações pobres e em desenvolvimento pelo FMI e Banco Mundial -criaturas de Bretton Woods I- tem matado mais pessoas do que qualquer conflito militar que o planeta teve no século 20.

O problema para a Elite, no entanto, é que grande parte do mundo despertou ao seu plano e começou a ver e entender. É a consciência crescente de milhões de pessoas em todo o mundo o que levou à Elite, os globalistas, a oligarquia, para lançar ataques militares múltiplos em várias nações no Oriente Médio e ataques econômicos na Europa e América Latina para acelerar os seus planos. Através de sua agressão militar e económica, a Elite destina quer, pela ultima vez, absorver a maior parte dos recursos do mundo, a infra-estrutura e a terra antes de decidir exterminar a maioria das pessoas.

Se você acredita que a informação apresentada aqui é uma teoria da conspiração, um exagero de fatos ou uma má interpretação das palavras de John P. Holdren, leia o livro “Ecosciência: População, Recursos, Ambiente” você mesmo. Além disso, dê uma olhada em outra literatura -histórica e atual, com relação ao que a Elite implementou e irá implementar em relação a assuntos globais como a saúde, crescimento, desenvolvimento, controle da população e assim por diante.

Por favor, consulte os livros e vídeos listados abaixo para expandir sua pesquisa:

Livros:

Cognitive Infiltration
by David Ray Griffin

Dumbing us Down
by John Taylor Gatto

Underground History of American Education
by John Taylor Gatto

The Globalization of Poverty and the NWO
by Michel Chossudovsky

Ecoscience: Population, Resources,
Environment
by Paul R. Ehrlich

The Illusion of Disease
by Mike Adams

Callous Disregard
by Dr. Andrew Wakefield

IBM and the Holocaust
by Edwin Black

Videos:

Global Eugenics: Using Modern Medicine to Kill

Endgame: Blueprint for Global Enslavement  from producer Alex Jones

Consuming Kids  by the Media Education Foundation

The Secret of Oz   from Writer and Director Bill Still

We Become Silent: The Last Days Of Health Freedom

For Love of Water   from director Ilena Salinas

The World According to Monsanto    from Marie-Monique Robin

House of Numbers:  Anatomy of an Epidemic  from producer Brent W. Leung

Shadow Government  from producer Grant R. Jeffrey

Inside Job  from producer Charles Ferguson

Alimentos Transgênicos são Armas Biológicas

“Nós temos uma estufa cheia de plantas de milho que produzem anticorpos anti-esperma”, disse Mitch Hein, presidente da Epicyte, uma empresa de biotecnologia da Califórnia.

Por Luis R. Miranda
The Real Agenda
02 junho de 2011

Os organismos geneticamente modificados (OGM) usados para criar novos alimentos e sementes são verdadeiras armas biológicas para criar infertilidade em nível mundial. Existem várias empresas que trabalham no campo da biotecnologia e da nano tecnologia, que existem com o único propósito de estudar, experimentar e criar organismos geneticamente modificados que causem infertilidade em animais, plantas e seres humanos. A mais famosa dessas empresas é a Monsanto, cujos executivos disseram publicamente que querem que Monsanto seja a única produtora de sementes do mundo e que nenhum alimento deve ser produzido por outra empresa que não seja a sua.

A Monsanto é apoiada por outros gigantes da biotecnologia e da química como Cargill, DuPont e ConAgra. Mas a criação e aplicação de organismos transgênicos não se limita a essas corporações multinacionais. Há empreiteiros menores que fazem o mesmo trabalho com resultados talvez mais impressionantes devido ao know-how dos seus trabalhos. Um exemplo é Epicyte, uma empresa na Califórnia, cujo presidente tem demonstrado a satisfação de estar na posse de grandes quantidades de produtos alimentares infectados com ingredientes transgênicos, que, depois de ser consumidos, causam a esterilização de quem ingeri-los.

Um relatório com data 28 de maio afirma que a organização do Codex internacional, fundada pelas Nações Unidas, e que regulamenta todos os alimentos, minerais e ervas em todo o mundo, não acredita que os produtos transgênicos são alimentos, e isto coloca alimentos com esses ingredientes em um local diferente do que o alimento produzido naturalmente, e como tal pode ser usado para diversas práticas, incluindo o controle da natalidade e a criação de infertilidade em uma nação ou povo.

Em uma de suas publicações, o Salem News indica que há esforços a nível local, regional, nacional e internacional para identificar e rotular OGM em produtos destinados ao consumo humano, mas os governos e as empresas se recusam a aceitar tal pedido. Após a implementação do Codex Alimentarius em 2009 a vontade das grandes empresas se tornou realidade, porque dentro das normas estabelecidas pelo Codex, afirma-se claramente que os OGM não são considerados alimentos e, portanto, não podem ser identificados.

A existência de milho geneticamente modificado foi analisado em testes realizados pelo Departamento de Agricultura de Estados Unidos, que trabalhou com a empresa Epicyte. Ao anunciar o seu sucesso numa conferência de imprensa de 2001, o presidente da Epicyte, Mitch Hein, disse que suas plantas transgênicas de milho fabricam “anticorpos anti-esperma.”

Hein disse que a criação de organismos transgênicos e sua aplicação em alimentos “poderia ser usado como uma ferramenta para resolver a superpopulação”-. Salem News

Em 1996, após a criação e utilização de OGM em milho e outros grãos em lugares como América do Sul, México e África, surgiram dados relacionados com a fertilidade nos EUA, onde quase imediatamente após a aprovação do famoso -ou infame- milho Bt de Monsanto, a taxa de natalidade diminuiu de forma acelerada, apenas três anos após a introdução de OGM no abastecimento alimentar americano.

Muitas fundações empurram a expansão e aceitação de OGM nos alimentos; e na lista estão, claro, o milho, soja e arroz. Estes três são os grãos mais utilizados na erradicação da fome e da pobreza no mundo. As fundações Gates, Rockefeller, e Agra, fundada por Kofi Annan, são três das mais prestigiadas organizações que se esforçam para aumentar a oferta de fundos e alimentos às populações mais carenciadas do mundo. Todos estes alimentos contêm OGM.

A Fundação Bill e Melinda Gates gasta bilhões de dólares “ajudando” com o plantio e colheita de culturas geneticamente modificadas na África, América Latina e Ásia. Você reconhece o genocídio? Essas fundações não apenas fogem do pago de impostos com a sua alegada filantropia, mas colaboram com o assassinato de milhões de pessoas que não sabem que seus alimentos contém OGM’s, ou mesmo sabendo, não tem nenhuma escolha mas que se alimentar com estes venenos.

Nos Estados Unidos existe uma luta contínua entre os consumidores e a Food and Drug Administration (FDA) para rotular os produtos que contêm OGMs. No entanto, a agência do governo deu lugar às exigências das grandes empresas, antes dos pedidos do público. A maioria dos desinformados ou mal informados cidadãos compram e continuam consumindo alimentos contaminados. Enquanto isso, embora os alimentos GM não são considerados “alimentos” pelo Codex Alimentarius, a FDA permite que as corporações usem estes organismos em grãos básicos utilizados para fabricar a maioria dos produtos que as pessoas comem, bebem e usam diariamente.

A criação de um organismo transgênico que é usado na fabricação de alimentos consumidos pelos seres humanos depois de ser modificado para esterilizar, é essencialmente um exemplo do uso de uma arma biológica com o único objectivo de reduzir a população mundial secretamente. Bem, isso não é mais um segredo. Os alimentos transgênicos não são considerados pelo Codex Alimentarius como “alimentos”, mas ao mesmo tempo, é permitido que pequenas e grandes empresas de biotecnologia usem estes na fabricação de produtos de consumo mundial. O objectivo é muito claro.