A Nova Ordem Mundial: As Oito Famílias

Por Dean Henderson
Tradução de Luis R. Miranda
03 de junho de 2011

Parte 1 de uma série de quatro

Os Quatro Cavaleiros do sistema bancário (Bank of America, JP Morgan Chase, Citigroup e Wells Fargo) são proprietários dos Quatro Cavaleiros do petróleo (Exxon Mobil, Royal holandesa Shell, a BP Amoco e Chevron Texaco), juntamente com o Deutsche Bank , BNP, Barclays e outros gigantes europeus. Mas o seu monopólio sobre a economia mundial não pára por aí.

Segundo documentos apresentados à SEC, os Quatro Cavaleiros do sistema bancário estão entre os dez maiores acionistas de quase todas as corporações da Fortune 500. [1]

Então, quem são os accionistas dos bancos?

Esta informação é vigiada de perto. Minhas consultas com os reguladores bancários sobre os proprietários de ações dos 25 principais bancos dos EUA receberam status ao abrigo da Lei de Liberdade de Informação, antes de ser rejeitadas por razões de “segurança nacional”. Isto é bastante irônico, já que muitos dos accionistas dos bancos residem na Europa.

Um repositório importante para a riqueza da oligarquia mundial destes bancos é o U.S. Trust Corporation – fundada em 1853 e agora propriedade do Bank of America. Um dos curadores mais recentes e administrador honorário foi Walter Rothschild. Outros diretores foram Daniel Davison da JP Morgan Chase, Richard Tucker, Exxon Mobil, Daniel Rodrigues de Citigroup e Marshall Schwartz, do Morgan Stanley. [2]

JW McCallister, quem iníciou na indústria do petróleo na casa de Saud, escreveu no The Grim Reaper que as informações obtidas sobre os banqueiros árabes decreviam que 80% da Reserva Federal de Nova York, a agência mais poderosa do Fed, é controlada por oito famílias, quatro das quais vivem em EUA. São Goldman Sachs, Rockefeller, Lehman Loebs Kuhn de Nova York, os Rothschilds de Paris e Londres, Warburg, em Hamburgo, Lazards Paris, e os israelenses Moisés Seifs de Roma.

CPA Thomas D. Schauf corrobora McCallister, acrescentando que dez bancos controlam as doze agências da Reserva Federal. Os nomeados NM Rothschild em Londres, Rothschild Bank em Berlim, Warburg Bank of Hamburg Warburg Bank of Amesterdão, do Lehman Brothers em Nova York, Lazard Brothers de Paris, Kuhn Loeb Bank of New York, Israel Moisés Seif Banco da Itália, o Goldman Sachs de Nova York e o Banco JP Morgan Chase em Nova York. Ele lista Schauf William Rockefeller, Paul Warburg Jacob Schiff e James Stillman como donos de grandes parcelas da Reserva Federal. [3] Schiff é um privilegiado dentro do Kuhn Loeb. O Stillman, privilegiados do Citigroup, juntou-se com o clã Rockefeller.

Eustace Mullins chegou a conclusões semelhantes em seu livro Os Segredos da Reserva Federal, que mostra gráficos de ligação da Reserva Federal e os bancos participantes com as famílias Rothschild, Warburg, Rockefeller e outras. [4]

O controle exercido pelas famílias de banqueiros sobre a economia global não pode ser exagerada e é um segredo bem guardado. Seu braço na mídia corporativa é rápido para desacreditar qualquer informação que expõe este cartel privado de bancos centrais como “teoria da conspiração”. Entretanto, os fatos estão provando isso.

A Casa de Morgan

A Reserva Federal, nasceu em 1913, mesmo ano em que J. Pierpont Morgan, um chefão do setor bancário dos EUA morreu e quando a Fundação Rockefeller foi formada. A Casa de Morgan presidida finanças americanas a na esquina de Wall Street e Broad Street, como o banco central dos EUA desde 1838, quando George Peabody a fundou em Londres.

Peabody era um parceiro de negócios de Rothschild. Em 1952, Eustace Mullins apresentou a hipótese de que Morgan não era mais do que um agente de Rothschild. Mullins escreveu que os Rothschild, “… preferiram trabalhar no anonimato nos EUA por trás da fachada de JP Morgan & Company. ” [5]

O autor Gabriel Kolko disse, “as actividades de Morgan entre 1895-1896 na venda de títulos do Tesouro dos U.S. na Europa é baseada em uma aliança com a Casa de Rothschild. “[6]

Os tentáculos do Morgan se espalharam rapidamente pelo mundo. Morgan Grenfell estava operando em Londres. Morgan Cerulean et Paris. Os primos de Rothschild Lambert & Company criou Drexel, na Filadélfia.

A Casa de Morgan assiste aos Astor, DuPont, Guggenheim, Vanderbilt e Rockefeller. Esta casa financiou o lançamento do AT & T, General Motors, General Electric e DuPont bem como o banco Rothschild e Baring com sede em Londres. Morgan tornou-se parte da estrutura de poder em muitos países.

Em 1890, a Casa de Morgan fez empréstimos ao banco central do Egito, financiou a construção das ferrovias russas, as obrigações dos governos estaduais brasileiros bem como na Argentina com projetos de obras públicas. Uma recessão em 1893 aumentou o poder de Morgan. Naquele ano, Morgan salvou o governo dos EUA de uma corrida bancária (a bank run), formando uma união para fortalecer as reservas do governo, com um carregamento de US $ 62 milhões em ouro de Rothschild. [7]

Morgan era a força motriz por trás da expansão ocidental nos EUA, o financiamento e controle de acordos através de votos de confiança. Em 1879, Morgan financiou a New York Ferrovia Central a uma taxa preferencial para o envio do monopólio da Standard Oil, cimentando a relação entre Rockefeller e Morgan.

A Casa de Morgan, em seguida, veio sob o controle dos Rothschild e Rockefeller. A manchete do New York Herald, afirmou: “Os reis do trem são um Trust gigantesco.” J. Pierpont Morgan, disse alegremente certa vez: “A competição é um pecado”. “Pense sobre isso.” Toda a competição do tráfego ferroviário ao oeste de São Luís estava nas mãos de trinta homens. [8]

Morgan e o banqueiro de Edward Harriman, Kuhn Loeb detinha o monopólio do transporte ferroviário, enquanto as dinastias bancárias de Lehman, Goldman Sachs, Lazard se juntaram com Rockefeller para monopolizar o controle da base industrial dos EUA. [9]

Em 1903, o Banker’s Trust foi fundado por oito famílias. Benjamin Strong, foi o primeiro governador da Reserva Federal de Nova York. A criação da Reserva Federal em 1913 fundiu o poder das oito famílias com a força militar e da diplomacia do governo dos EUA. Se seus empréstimos estrangeiros não eram pagos, os oligarcas podiam enviar o exercito americano para cobrar as dívidas. Morgan, Chase e Citibank formaram um sindicato de empréstimos internacionais.

A Casa de Morgan era aconchegante com a Câmara Britânica de Windsor e a Câmara Italiana de Sabóia. Os Kuhn Loebs, Warburg, Lehman, Lazards, Israel Moisés Seifs e Goldman Sachs também tem laços estreitos com a realeza européia. Em 1895, Morgan controlava o fluxo de ouro dentro e fora dos EUA. A primeira onda de fusões da América estava na sua infância e estava sendo promovida pelos banqueiros. Em 1897, ocorreram sessenta e nove fusões industriais. Em 1899 ocorreram 1200. Em 1904, John Moody – fundador da Moody’s Investor Services – disse que era impossível falar dos interesses de Rockefeller e os interesses de Morgan separadamente. [10]

A desconfiança pública sobre as fusões começou a surgir. Muitos foram considerados traidores que trabalham para as antigas potências europeias. Standard Oil de Rockefeller, U.S. Steel do Andrew Carnegie e as ferrovias do Edward Harriman foram financiados por meio do banqueiro Jacob Schiff de Kuhn Loeb, que trabalhou em estreita colaboração com os Rothschilds da Europa.

Vários países ocidentais proibiram a entrada dos banqueiros. O pregador populista William Jennings Bryan foi três vezes candidato democrata para presidente desde 1896 -1908. O tema central de sua campanha foi que a América estava caindo em uma armadilha, que incluía “servidão financeira para a capital britânica”. Teddy Roosevelt derrotou Bryan em 1908, mas foi forçado a promulgar a Lei Sherman Anti-Trust. Em seguida, Roosevelt começou sua perseguição da U.S. Standard Oil Trust.

Em 1912, foram realizadas as audiências Pujol para analisar a concentração de poder em Wall Street. Naquele mesmo ano, a Sra. Edward Harriman vendeu suas ações da Guaranty Trust Bank de Nova York para o JP Morgan, Morgan Guaranty Trust foi então criado. O juiz Louis Brandeis, convenceu o presidente Woodrow Wilson para exigir o fim das associações entre os diretores de bancos. Em 1914, foi aprovada a Lei Clayton Anti-Trust.

Jack Morgan – filho e sucessor de J. Pierpont – respondeu ao chamado de seus clientes do Morgan Remington e Winchester para aumentar a produção de armas. Ele argumentou que os EUA precisava entrar na Primeira Guerra Mundial. Picado pela Fundação Carnegie e outros frentes oligárquicos, Woodrow Wilson aceitou a sugestão. Como Charles Tansill escreveu em “América vai para a guerra“, “Muito antes do início do conflito, a empresa francesa de Rothschild Freres contactou Morgan & Company em Nova York para pedir emprestado $ 100 milhões, uma parte substancial do que viria a ser utilizado em EUA para pagar as compras francesas de produtos americanos. ”

A Casa de Morgan financiou a metade da intervenção dos EUA na guerra, em quanto ele recebia comissões para permitir a participação de empreiteiros, como a General Electric, DuPont, US Steel, Kennecott y ASARCO. Todos eram clientes do Morgan. Morgan também financiou a guerra da Grã-Bretanha contra os Boers na África do Sul e a Guerra Franco-Prussiana. A Conferência de Paz de Paris de 1919 foi liderada por Morgan, que liderou o esforço conjunto para a reconstrução da Alemanha e os aliados. [11]
Em 1930, ressurgiu o populismo nos Estados Unidos depois que Goldman Sachs, Lehman e outros beneficiaram-se da crise de 1929. [12] O presidente do Comitê Bancário do Congresso, Louis McFadden (D-NY) disse sobre a Grande Depressão “, foi um acidente. Foi uma ocorrência cuidadosamente criada artificialmente … Os banqueiros internacionais buscaram criar um estado de desespero para emergir como os nossos dirigentes e proprietários. ”
O senador Gerald Nye (D-ND) presidiu uma investigação em 1936. Nye concluiu que a Casa de Morgan tinha levado EUA a participar na Primeira Guerra Mundial para proteger o crédito, os empréstimos e criar uma indústria de armamento. Nye mais tarde produziu um documento intitulado “A Próxima Guerra”, que cinicamente se refere ao” velho truque para enganar a deusa da democracia “, através do qual o Japão poderia ser usado para atrair EUA a II Guerra Mundial.

Em 1937, o Secretário do Interior, Harold Ickes alertou sobre a influência de “60 famílias americanas.” O historiador Ferdinand Lundberg mais tarde escreveu um livro com o mesmo título. Na Suprema Corte, William O. Douglas relatou: “A influência do Morgan … como a mais perniciosa, no presente na indústria e finanças.”

Jack Morgan respondeu levando os EUA para a II Guerra Mundial. Morgan tinha relações próximas com a família Iwasaki e Dan – os dois clãs mais ricos do Japão – que são donos da Mitsubishi e Mitsui, respectivamente, porque estas empresas surgiram de acordos no século XVII. Quando o Japão invadiu Manchúria, matando camponeses chineses em Nanquim, Morgan minimizou o incidente. Morgan também tinha uma relação estreita com o fascista italiano Benito Mussolini, enquanto a Alemanha nazista, em quanto o alemão nazi Dr. Hjalmar Schacht era um link do Banco Morgan durante a Segunda Guerra Mundial. Após a guerra Hjalmar se encontrou com um representantes de Morgan Schacht no Banco de Compensações Internacionais (Bank of International Setlements ou BIS) na Basiléia, Suíça. [13]

A Casa dos Rockefeller

O BIS é o banco mais poderoso do mundo, um banco central global das oito famílias que controla os bancos centrais privados da maioria dos países ocidentais, incluindo países em desenvolvimento. O primeiro presidente do BIS foi o banqueiro de Rockefeller McGarrah Gates, um funcionário do Chase Manhattan e da Reserva Federal. McGarrah era o avô do ex-diretor da CIA, Richard Helms. O Rockefeller, como Morgan, tinha laços estreitos com Londres. David Icke escreve em The Children of the Matrix, que o Rockefeller e o Morgan eram apenas “mensageiros” dos Rothschilds na Europa. [14]

O BIS é propriedade da Reserva Federal, o Banco da Inglaterra, Banco da Itália, Banco do Canadá, Banco Nacional da Suíça, Nederlandsche Bank, do Bundesbank e do Banco da França.

O historiador Carroll Quigley escreveu em seu livro Tragedia e Esperanca (Tragedy and Hope), que o BIS foi parte de um plano “para criar um sistema mundial de controle financeiro em mãos privadas capazes de dominar o sistema político de cada país e a economia mundial juntos … para ser controlado pelos bancos centrais de maneira feudal e em conjunto por acordos secretos “.

O governo dos EUA tinha uma desconfiança histórica do BIS, mas o seu lobby para desmantelá-lo não teve efeito em 1944, durante a reunião Bretton Woods, após a Segunda Guerra Mundial. Em vez disso, o poder das oito famílias aumentou com a criação, também em Bretton Woods, do FMI e o Banco Mundial. A Reserva Federal tomou medidas contra o BIS somente em setembro de 1994. [15]

O BIS mantém pelo menos 10% das reservas monetárias de pelo menos 80 dos bancos centrais do mundo, o FMI e outras instituições multilaterais. Serve como agente fiscal de acordos internacionais, coleta informações sobre a economia mundial e serve como um emprestador de última instância para evitar o colapso financeiro global.

O BPI promove um programa do capitalismo monopolista e fascismo. Este banco deu um empréstimo à Hungria em 1990, para garantir a privatização da economia daquele país. Serviu como um canal para o financiamento das Oito Famílias, que por sua vez financiaram o Adolf Hitler, dirigidas por J. Henrique Schroeder e Mendelsohn Warburg Bank de Amesterdão. Muitos pesquisadores afirmam que o BIS é a cabeça do gerenciamento de dinheiro proveniente da venda de drogas em todo o mundo. [16]

Não é por acaso que o BIS está baseado na Suíça, esconderijo favorito para a riqueza da aristocracia e a sede mundial da P-2 Maçônica Italiana, Alpine Lodge, bem como a Nazista International. Outras instituições que são controladas pelas Oito Famílias são o Fórum Econômico Mundial, a Conferência Monetária Internacional e a Organização Mundial do Comércio.

Bretton Woods foi uma bênção para as Oito Damílias. O FMI e o Banco Mundial foram o foco desta “nova ordem mundial”. Em 1944, os primeiros títulos do Banco Mundial foram acolhidos pela Morgan Stanley e First Boston. A família Lazard francesa tornou-se mais envolvida no interesse da Casa de Morgan. Lazard Freres, o maior banco de investimentos em França, é propriedade da Lazard e as famílias David-Weill, descendentes do banqueiro genovês representado por Michelle Davive. Um presidente e CEO do Citigroup foi Sanford Weill.

Em 1968, Morgan Guaranty lançou o Euro-Clear, um banco de compensação em Bruxelas, para os valores de eurodólares. Foi o primeiro banco automatizado do seu tipo. Alguns chamaram o Euro-Clear “The Beast” ou a Besta. Bruxelas é a sede do novo Banco Central Europeu e a NATO. Em 1973, funcionarios de Morgan reuniram-se ilegalmente e secretamente nas Bermudas para ressuscitar a antiga Casa de Morgan, 20 anos antes da revogação da Lei Glass Steagall. Morgan e Rockefeller apoiaram financeiramente a Merrill Lynch, fazendo com que este banco ficasse dentro dos 5 grandes bancos de investimento dos EUA. Merrill é agora parte do Bank of America.

John D. Rockefeller usou sua riqueza do petróleo para comprar Equitable Trust, que tinha engolido os grandes bancos e corporações em 1920. A Grande Depressão ajudou a consolidar o poder de Rockefeller. Seu Chase Manhattan Bank fundiu com Kuhn Loeb Bank para formar Chase Manhattan, consolidando uma relação de família que tinha existido por um longo tempo. A Kuhn, Loeb tem financiado – com Rothschild – o Rockefeller para torna-lo o rei do petróleo. National City Bank de Cleveland, deu a John D. o dinheiro necessário para embarcar em sua monopolização da indústria do petróleo no EUA. O banco foi identificado em audiências no Congresso como um dos três bancos de propriedade do Rothschilds em EUA durante a década de 1870, quando se juntou com Rockefeller na Standard Oil de Nova York. [17]

Um membro do Rockefeller e a Standard Oil foi Edward Harkness, cuja família chegou a controlar o Chemical Bank. Outro foi James Stillman, cuja família controla Manufacturers Hanover Trust. Os dois bancos se uniram sob a égide do JP Morgan Chase. Duas das filhas de James Stillman casaram com dois dos filhos de William Rockefeller. As duas famílias controlam uma grande parte do Citigroup. [18]
No negócio de seguros, o Rockefeller controla Metropolitan Life, a Equitable Life, de Prudential e New York Life. Os bancos de Rockefeller controlam 25% de todos os ativos dos 50 maiores bancos comerciais dos EUA e 30% de todos os ativos das 50 maiores empresas de seguros. [19] As companhias de seguro, a primeira nos EUA, foi lançada pelos maçons através de seus Woodman da América, que desempenham um papel fundamental na lavagem de dinheiro do comércio de drogas nas Bermudas.

As empresas controladas por Rockefeller são a Exxon Mobil, Chevron Texaco, BP Amoco, Marathon Oil, Freeport McMoran, Quaker Oats, Asarco, United, Delta, Northwest, a ITT, a International Harvester, a Xerox, a Boeing, a Westinghouse, a Hewlett-Packard, a Honeywell, International Paper, Pfizer, Motorola, Monsanto, Union Carbide e General Foods.

A Fundação Rockefeller tem estreitos laços financeiros com as Fundações Ford e Carnegie. Outras iniciativas filantrópicas da família sao o Rockefeller Brothers Fund, o Instituto Rockefeller de Pesquisa Médica, do Conselho Geral da Educação, a Universidade Rockefeller e da Universidade de Chicago, que produziu um fluxo constante de economistas de direita como apologistas do capital internacional, incluindo Milton Friedman.

A família é dona do 30 Rockefeller Plaza, onde a árvore de Natal nacional é acesa todos os anos, e o Rockefeller Center. David Rockefeller foi fundamental na construção das torres do World Trade Center. A casa principal da família Rockefeller é um imenso complexo no estado de Nova York, conhecido como Pocantico Hills. Eles também possuem um dúplex de 32 quartos, na Avenida 5 ª, em Manhattan, uma mansão em Washington, DC, Rancho Monte Sacro na Venezuela, plantações de café no Equador, várias fazendas no Brasil, uma propriedade imensa em Seal Harbor, Maine, resorts no Caribe, Havaí e Porto Rico. [20]

As famílias Dulles e Rockefeller são primos. Allen Dulles, quem criou a CIA com a ajuda dos nazistas, encobriu o assassinato de Kennedy durante a investigação da Comissão Warren e concordou com a Irmandade Muçulmana para executar assassinatos com ‘patsies’ que foram submetidos a lavagem de cérebro. [21]

O Irmão John Foster Dulles, presidiu a falsa Confiança de Goldman Sachs antes do crash da bolsa em 1929 e ajudou o seu irmão para derrubar governos no Irão e na Guatemala. Ambos eram membros da Skull & Bones, privilegiados do Council on Foreign Relations (CFR), e maçons grau 33 (o maior de todos). [22]

Os Rockefellers foram fundamentais na formação da política de despovoamento do Clube de Roma, em sua propriedade em Bellagio, Itália. Eles criaram a Comissão Trilateral na sua fazenda em Pocantico Hills. A família é um dos principais financiadores do movimento eugênico que levou ao poder a Hitler, a clonagem humana e a obsessão com o DNA na comunidade científica de EUA.

John Rockefeller Jr., dirigiu o Conselho da População até sua morte. [23] Seu filho homônimo é um senador da Virgínia Ocidental. O irmão Winthrop Rockefeller foi vice-governador do Arkansas e continua a ser o homem mais poderoso do estado. Em outubro de 1975, em entrevista com a revista Playboy, o vice-presidente Nelson Rockefeller, que também foi governador de Nova York, articulou uma visão paternalista da sua família: “Sou um grande crente no planejamento econômico, social, político, e militar do mundo inteiro. ”

Mas de todos os irmãos Rockefeller, David, fundador da Comissão Trilateral (TC), e presidente do Chase Manhattan, foi quem levou a agenda fascista da família em uma escala global. Ele defendeu o xá do Irã, o regime do apartheid sul-Africano e a junta militar de Pinochet no Chile. Ele foi o maior financiador do CFR, CT, e (durante a Guerra do Vietnã), o Comitê para uma Paz Efetiva e duradoura na Ásia- um contrato de bonança para aqueles que fizeram uma vida fora do conflito.

Nixon pediu-lhe para ser secretário do Tesouro, mas Rockefeller recusou a oferta de emprego sabendo que seu poder era muito maior. O autor Gary Allen escreveu no arquivo de Rockefeller, que em 1973, “David Rockefeller se reuniu com 27 chefes de estado, incluindo os chefes da Rússia e da China comunista”.

Após o golpe contra o primeiro ministro australiano Gough Whitlam em 1975, (realizado pela CIA e o Nugan Hand Bank, o seu lacaio na Coroa britânica, Malcolm Fraser, visitou os EUA, onde conheceu o presidente Gerald Ford, depois de conferenciar com David Rockefeller [24].

Na próxima semana: Parte II: Os maçons e o Banco dos Estados Unidos

Fontes de informação:

[1] 10K Filings of Fortune 500 Corporations to SEC. 3-91

[2] 10K Filing of US Trust Corporation to SEC. 6-28-95

[3] “The Federal Reserve ‘Fed Up’. Thomas Schauf. www.davidicke.com 1-02

[4] The Secrets of the Federal Reserve. Eustace Mullins. Bankers Research Institute. Staunton, VA. 1983. p.179

[5] Ibid. p.53

[6] The Triumph of Conservatism. Gabriel Kolko. MacMillan and Company New York. 1963. p.142

[7] Rule by Secrecy: The Hidden History that Connects the Trilateral Commission, the Freemasons and the Great Pyramids. Jim Marrs. HarperCollins Publishers.New York. 2000. p.57

[8] The House of Morgan. Ron Chernow. Atlantic Monthly Press NewYork 1990

[9] Marrs. p.57

[10] Democracy for the Few. Michael Parenti. St. Martin’s Press. New York. 1977. p.178

[11] Chernow

[12] The Great Crash of 1929. John Kenneth Galbraith. Houghton, Mifflin Company. Boston. 1979. p.148

[13] Chernow

[14] Children of the Matrix. David Icke. Bridge of Love. Scottsdale, AZ. 2000

[15] The Confidence Game: How Un-Elected Central Bankers are Governing the Changed World Economy. Steven Solomon. Simon & Schuster. New York. 1995. p.112

[16] Marrs. p.180

[17] Ibid. p.45

[18] The Money Lenders: The People and Politics of the World Banking Crisis. Anthony Sampson. Penguin Books. New York. 1981

[19] The Rockefeller File. Gary Allen. ’76 Press. Seal Beach, CA. 1977

[20] Ibid

[21] Dope Inc.: The Book That Drove Kissinger Crazy. Editors of Executive Intelligence Review. Washington, DC. 1992

[22] Marrs.

[23] The Rockefeller Syndrome. Ferdinand Lundberg. Lyle Stuart Inc. Secaucus, NJ. 1975. p.296

[24] Marrs. p.53

Desenvolvimento Sustentável: Genocídio transformado em Necessidade

Por Luis R. Miranda
The Real Agenda
Maio 5, 2011

Muitas vezes ouvimos que o desenvolvimento sustentável e a sustentabilidade originaram-se nos anos 70 e foram reforçados ao longo dos anos 80 e 90. Em qualquer pesquisa, a maioria das publicações afirmam que o desejo de manter os recursos naturais como ferramentas para as gerações presentes e futuras nasceu em 1972, quando uma conferência das Nações Unidas na Suécia promulgou três princípios: a interdependência dos seres humanos e o meio ambiente, as relações entre desenvolvimento econômico, desenvolvimento social e a proteção do ambiente e a necessidade de uma visão global e princípios comuns. Crédito para o desenvolvimento desses princípios é dado à Comissão Mundial sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento de 1987.

As Nações Unidas são a instituição que promove as políticas criadas pelos nazistas para promover o despovoamento.

A sabedoria convencional retrata a visão coletivista de que a sustentabilidade e o desenvolvimento sustentável são políticas e iniciativas para proteger o ambiente contra os abusos da humanidade e, assim, promover o benefício das massas. Hoje, a proteção ambiental tornou-se a lança mais luminosa a ser levantada por qualquer pessoa, independentemente de raça, condição social, idade ou religião. Na verdade, o ambientalismo se tornou a religião de escolha para muitos. O apoio dos ambientalistas para a sustentabilidade está quase inerentemente arraigada em nossas vidas. Foi aplicada à economia, construção, planejamento comunitário, agricultura, segurança, natalidade e assim por diante.

Inúmeras reuniões foram organizadas nos últimos 50 anos para convencer as massas de que não há futuro sem uma abordagem sustentável para a existência humana. Primeiro, o Clube de Roma escreveu documentos como “Limites do Crescimento” e “Um Novo Caminho para o Desenvolvimento Global”, cujo objetivo é globalizar a sociedade do planeta e usar a engenharia social em tudo: valores, emprego, comércio, demografia, política, economia, etc, tudo em um esforço para desindustrializar o planeta e fazer o que o seu antecessor, a Liga das Nações, queria. Junto com o lobby de grupos como o Clube de Roma e outras organizações igualmente proeminentes, os globalistas operam para alcançar um novo pacto social, relacionado a questões económicas e de desenvolvimento. As Nações Unidas, uma criatura dos globalistas, que também criaram a Liga das Nações com a intenção de “pôr fim aos conflitos armados”, tem sua própria lista de manuais sobre como executar a desindustrialização. Por exemplo, o Programa das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento (UNEP), prega os princípios e os fracassos das políticas ambientais e de imposição das “economias verdes”. A Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento em 1992, mais conhecida como Cúpula da Terra, promove planos como Agenda 21 e a Convenção das Nações Unidas sobre a Diversidade Biológica que, gradualmente, atingem o sono ecofacista de Kurt Waldheim para despovoar o planeta.

Onde se originou o “desenvolvimento sustentável”?

Embora haja uma grande quantidade de documentação sobre como o ambientalismo está ligado à chamada “ala verde” do Partido Nazista, ninguém descreve essa história. Os historiadores e ambientalistas costumam ignorá-la e o público é enganado ao acreditar nos princípios genocidas do desenvolvimento sustentável. Algumas questões relevantes para perguntar sobre a origem nazista do movimento verde são: qual é a sua inspiração? Quais são os objetivos que pretendem atingir? Como a ideologia do genocídio nacional-socialista conduziu ao que é aparentemente um amor sem precedentes pela natureza?

A Alemanha não foi apenas o berço da política genocida de sustentabilidade mas, também, a terra onde se tornou realidade. Os nazistas alemães e seus seguidores adotaram muitas das políticas verdes que vemos nas sociedades modernas. A ciência que estuda os seres e seu meio ambiente foi ‘descoberta’ pela primeira vez na Alemanha durante os anos que antecederam a ascensão dos nazistas ao poder. A natureza genocida do ambientalismo originou-se de um louco amor pela natureza. (1)

Pensadores nazis e alguns antecessores queriam que os seres humanos fossem vistos como iguais as plantas, animais e insetos para ter um equilíbrio no mundo. Essa linha de pensamento está nas mentes de ambientalistas modernos, como o presidente boliviano Evo Morales e o promotor da teoria Gaia, James Lovelock, que acreditam que um grande número de pessoas devem morrer a fim de obter o equilíbrio natural. Recentemente, o autor e ambientalista Keith Farnish usou um de seus livros para promover a sabotagem e atos de terrorismo ambiental como ataques a barragens e destruição de cidades para retornar o planeta as condições pré Revolução Industrial. Farnish junto com outros altamente respeitados pressupostos científicos, como o Dr. James Hansen da NASA, concordam com essa linha de pensamento.

Ernst Moritz Arndt

Um dos pais do que chamamos de ambientalismo hoje, foi Ernst Moritz Arndt. Juntamente com Wilhelm Heinrich Riehl, Arndt tinha ódio infinito do Iluminismo. Ambos eram conhecidos por suas opiniões extremistas nacionalistas que foram usadas para promover ideais que perpetuaram a dependência do Estado. Estes dois homens, mas, especialmente, Arndt, foram identificados como os primeiros pensadores ecológicos. Arndt escreveu em um artigo em 1815 que “Quando você vê a natureza em uma conexão necessária e uma interação, todas as coisas são igualmente importantes -. Arbustos, vermes, plantas, pedras, humanos, como uma única unidade” (2) As idéias de Arndt foram separadas com as de outros ambientalistas em que os seus pensamentos mesclavam o respeito pela natureza com um discurso xenófobo e, este, era relacionado com a própria existência dos alemães e da Alemanha. Ao defender o meio ambiente na maioria de seus escritos, também chamava pela pureza racial e condenava outras raças, como os judeus e os franceses. Foi esse amor à natureza e o ódio contra os judeus que viria a orientar a perseguição e o assassinato daqueles que não eram arianos.

Wilhelm Heinrich Riehl, aluno da escola do pensamento de Arndt, fez com que o trabalho de seu professor não se perdesse no tempo. Em um artigo em 1853, Riehl expressou sua forte oposição ao industrialismo e disse: “Temos que salvar a floresta, não só para que os nossos fornos não fiquem frios no inverno mas, também, para que as pessoas continuem suas vidas e para que a Alemanha continue sendo Alemanha. “(3) Ele se opôs a qualquer tipo de desenvolvimento enquanto usava o anti-semitismo para forçar a forma de vida camponesa. Riehl e Arndt, ambos, tinham idéias que foram adotadas mais tarde pelo movimento völkisch, que era uma mistura de nacionalismo populista com um amor louco pela natureza. Líderes völkischs pediram a volta da vida simples, enquanto culpavam a vida da cidade e o racionalismo da destruição do meio ambiente. (4) No centro do ódio estava um elemento significativo que havia ficado na mente dos grupos anti-semitas como völkischs o tempo todo: o povo judeu. Por quê? Os judeus eram a classe média na época e o amor doente pela natureza e pelo ambiente incluía um ódio repugnante contra qualquer pessoa e qualquer coisa que pusesse em perigo a sua vida ou maneira de pensar. (5)

Depois de estabelecer uma relação muito cobiçada entre o anti-semitismo e amor pela natureza, os völkischs manteram seu preconceito ao longo dos séculos 19 e 20. A luta contra a industrialização e o sentimento anti-judaico foi anexado ao discurso da pureza racial e superioridade Ariana apenas em tempo para o surgimento do Partido Nazista.

Ecologia e a ligação com o Racismo Nazista

Em 1867, Ernst Haeckel, zoólogo alemão, usou pela primeira vez a palavra “ecologia” e a relacionou ao estudo de criaturas e seus ambientes. Haeckel foi fortemente influenciado pelo darwinismo social, a um ponto que se tornou pai de uma espécie de darwinismo social conhecido como “monismo”. Ele fundou a Liga Monista Alemã, uma organização guiada pelos princípios völkisch. Haeckel, Arndt e Riehl acreditavam na superioridade racial e eram opostos à mistura social. Além disso, eles também aprovavam o eugenismo racial. Seus pensamentos foram a base para o que mais tarde ficou conhecido como anti-semitismo nacional-socialista na Alemanha. Na verdade, Haeckel foi um orador de destaque em favor do racismo, nacionalismo e do modelo alemão de imperialismo. (6) No final de sua vida, Haeckel tornou-se membro da Sociedade Thule, uma organização que mais tarde serviu como base política para a criação do Partido Nazista. (7) Haeckel, Riehl Arndt e seus antecessores pensadores, como Willibald Hentschel, BrunoWille Bölsche Wilhelm receberam todo o crédito pela associação entre ecologia e socialismo nacional, o racismo, anti-semitismo e as políticas ambientais que todos nós sabemos influenciaram a Alemanha antes e depois da Primeira Guerra Mundial.

Um dos fatos mais reveladores sobre o autoritarismo ecológico atual e o antigo é a crença de seus criadores de que os seres humanos devem ser integrados em “categorias biológicas” e viver em “zonas de vida” com uma entidade tecnocrática com punho de ferro exercendo o seu poder. Haeckel disse que as civilizações e a natureza deviam obedecer as mesmas leis. A origem desta forma de pensar é um estado reacionário anti-humanista. Os Monistas acreditavam que os seres humanos eram insignificantes –mas não eles mesmos– em comparação com a grandeza do meio ambiente. Idéias semelhantes são observadas em iniciativas modernas patrocinadas pelo Clube de Roma, a Fundação Carnegie, a NASA, as Nações Unidas, assim como algumas faculdades e universidades que são financiadas por globalistas que apóiam o eugenismo como ferramenta para limpar o planeta. Tomemos por exemplo o texto da Convenção das Nações Unidas sobre Biodiversidade, que tem sido apontado como a política e a religião do ambientalismo moderno. Entre outros objetivos, a Convenção pretende “reorganizar” a civilização ocidental, excluindo a atividade humana de 50 por cento do território no continente americano. O plano é dividir a terra em “biomas”, “zonas tampão” e “corredores”. No âmbito deste plano, os seres humanos viverão em áreas fortemente vigiadas e controladas, das quais nunca poderão sair. Esta agenda globalista verde é promovida pelas Nações Unidas desde 1992, quando foi introduzida oficialmente durante a primeira Reunião da Terra no Rio de Janeiro. A mesma política será realizada na Ásia, África e Europa.

Escritos da Fundação Carnegie também incentivam a implementação de políticas tais como a Agenda 21 e a Convenção sobre Diversidade Biológica. A fundação manifestou orgulho por práticas que incluem assassinatos em massa em um esforço para limpar a terra de pessoas indesejáveis. A Instituição Carnegie promove o trabalho do imperador Gengis Khan e valida o seu trabalho como “imperador verde” por causa de ações que incluíram o assassinato de 40 milhões de pessoas. Segundo seus escritos, isto contribuiu para reduzir as emissões de carbono e manter o planeta em equilíbrio.

Os Monistas usaram seu sentimento anti-humanista, juntamente com as idéias völkisch para discriminar contra o progresso, urbanismo e aqueles que pensavam de maneira diferente. Em seu Lebensgesetze(Leis da Vida), o biólogo Raul Francé escreveu que a ordem natural determina a ordem social. Ele disse que a miscigenação não era natural. Francé é hoje um dos fundadores do aclamado eco-fascismo contemporâneo “pioneiro do movimento ambientalista.” (8) Francé também promoveu uma suposta conexão entre a pureza do ambiente e a “pureza racial”. Francé e seus seguidores exigiram uma mudança em relação à vida rural e disseram que a modernidade significava a degradação da raça e que as cidades eram inorgânicas. (9)

Ernst Haeckel

No início do século XX, o argumento “verde” penetrou nos grupos políticos de direita, que se tornaram muito respeitados dentro da cultura alemã. Durante o período de turbulência em torno da Primeira Guerra Mundial, a mistura de preconceito etnocêntrico, rejeição regressiva da modernidade e genuínas preocupações ambientais acabaram por ser uma mistura mortal.

Ambientalismo Nazista em Ação

Algumas pessoas vêem uma contradição em que eugenistas modernos apoiem um ambientalismo estilo nazista, enquanto possuem bens pertencentes à elite empresarial tecnocrática. Esta não é uma surpresa, porque as elites que apoiaram o Terceiro Reich foram também os industriais que, como de costume, controlam muitos segmentos da população e as classes intelectuais. Esta prática sempre valeu a pena, pois garante o controle total, não importa o resultado. Homens como Fritz Todt, pesos pesado no movimento nacional-socialista na Alemanha e Albert Speer, o seu sucessor a partir de 1942, participaram da construção de infra-estrutura viária e da Autobahn, um dos maiores projetos da história da engenharia na Alemanha. Todt queria construir a estrada de uma forma que mais beneficiaria sua classe, mas ao mesmo tempo, que promovesse e mantivesse a sensibilidade à natureza. (10)

Todt exigiu que o trabalho realizado tivesse harmonia com a natureza e a paisagem, cumprindo assim os princípios modernos da engenharia ecológica e os princípios “organológicos” de sua época, com suas raízes na ideologia völkisch. (11) Tal como acontece com Arndt, Riehl e Darre, Todt e seus sócios tiveram uma relação völkisch inseparável do nacionalismo. Todt disse certa vez: “O cumprimento da finalidade do transporte não é só o objetivo final da construção da estrada alemã. A Autobahn alemã deve ser uma expressão da sua paisagem e uma expressão da essência alemã. “(12) Um dos assistentes de Todt, Alwin Seifert, foi um defensor da paisagem no Terceiro Reich. No exercício das suas funções oficiais Seifert destacou a importância da fauna e opôs fortemente a monocultura, a drenagem de zonas úmidas e produtos químicos agrícolas. Ele criticou Darré por ser demasiado moderado e chamou uma revolução agrícola para uma vida natural, utilizando métodos simples de agricultura que fossem independentes do capital. “(13)

O lugar proeminente que a natureza tinha ganhado no Partido Nazista ajudou a aprovar a produção industrial-militar que permitiu a Hitler intimidar o resto da Europa por um tempo. Em outras palavras, eles promoviam a conservação e pureza racial ambiental enquanto exploravam os recursos para fabricar armas, prisões e equipamentos pesados. Iniciativas radicais foram criadas e sempre receberam o selo de aprovação dos mais altos oficiais nazistas. Outro membro influente foi o chanceler do Reich, Rudolph Hess, que foi o ponto forte da “ala verde” dentro do partido. Hess entrou no partido e nas instituições do governo e rapidamente tornou-se assistente pessoal de Hitler. Muitos ainda consideram que ele foi a mão direita do Führer. Hess tornou-se membro do Partido Nazista em 1920 e depois fez o seu caminho até o topo. Foi o segundo homem na lista de espera para tomar o poder, se Hitler e/ou Göring não fossem capazes de assumir a obrigação. Todas as novas leis aprovadas pelo governo passaram pelas mãos de Hess antes de serem promulgadas.

Foto: Adolf Hitler, Göring e Rudolph Hess.

Nos anos trinta, um conjunto completo de leis e decretos foram aprovados sob a égide de Hess. Um dos decretos mais conhecidos e usados no ambientalismo de hoje é aquele que cria reservas naturais. Mas talvez a mais bem sucedida realização do ambientalismo da Alemanha nazista foi o Reichsnaturschutzgesetz. Esta lei estabelece diretrizes para salvaguardar a flora, fauna e recursos naturais, e o acesso restrito para tais reservas. Políticas semelhantes foram escritas no âmbito da Agenda 21 das Nações Unidas e da Convenção sobre Diversidade Biológica. Como acontece com estes dois documentos, as autoridades nazistas exigiam uma consulta antes de qualquer modificação local na terra reservada, mesmo quando estas terras pertenciam a um indivíduo. Junto com o Reichsnaturschutzgesetz, a contribuição mais importante que os nazistas fizeram ao movimento pro eugenismo moderno e o ambientalismo foi a integração do ambientalismo corporativo na política nazista.

Desenvolvimento Sustentável Hoje

Na página 350 do Relatório sobre a Diversidade Biológica das Nações Unidas diz que o gado, como vacas, ovelhas, cabras e cavalos não são sustentáveis. Indivíduos e organizações que apoiam o desenvolvimento sustentável querem que os seres humanos parem de comer carne, porque os animais poluem o ambiente. O programa completo de sustentabilidade é baseado em um esforço para mudar o comportamento humano para um estado que os seres humanos normalmente não aprovariam ou apreciariam. Esta mudança no comportamento humano é principalmente instigada pelo medo. O medo do aquecimento global, mudanças climáticas, catástrofes naturais, guerras, fome, secas, etc

Que tipo de coisas o desenvolvimento sustentável quer fazer na realidade? Sustentabilidade e mudanças no comportamento humano não estão somente relacionadas à agricultura, ambiente e poluição. É um pacote completo de reformas que se for finalmente implementado, mudará o comportamento social em uma escala global. É comum encontrar programas educacionais que patrocinam e ensinam as crianças como se preparar para viver em um mundo sustentável. Mas, quando as táticas não funcionam adequadamente, os globalistas responsáveis pelo programa, as fundações e organizações de assistência financeira e corporações globais usam táticas de intimidação.

Junto com os sistemas de ensino, o desenvolvimento sustentável também atua diretamente sobre as economias, os sistemas de saúde, a segurança, a agricultura e os assuntos sociais e culturais públicos. Nos últimos 50 anos foram criadas parcerias entre empresas e governos que levaram ao fascismo social no qual todos nós vivimos. Quanto a propriedade privada, decretos e leis são criados para acabar com o direito de comprar e manter qualquer tipo de terreno sem os auspícios das autoridades. É por isso que os proprietários são obrigados a pagar impostos sobre a propriedade, mesmo que já tenham pago impostos na hora da compra do imóvel. Segundo as orientações da Agenda 21 e da Convenção das Nações Unidas sobre Diversidade Biológica, as massas de terra como parques nacionais, reservas naturais e áreas de conservação devem ser doadas as Nações Unidas, que será a organização que administrará os recursos encontrados nessas terras.

A pandemia de obesidade originada principalmente no mundo anglo se espalhou para países da América Latina e Europa, onde o estilo anglo-saxão é recebido com braços abertos. Esta pandemia de obesidade que assola o mundo de hoje, promovida por campanhas maciças de propaganda pagas pela indústria alimentar é a desculpa para introduzir leis e políticas que, essencialmente, permitem que o governo diga às pessoas o que comer ou beber. Nos Estados Unidos, as escolas nao permitem que os pais preparem as refeições para seus filhos, porque o governo não tem “nenhuma confiança” nos pais quando se trata da saúde dos seus filhos. Enquanto isso, a nova regulamentação introduzida pelo Codex Alimentarius proíbe a venda e uso de suplementos naturais e a plantação de produtos agrícolas em pequenas propriedades, enquanto as grandes corporações agrícolas que poluem o ambiente com as sementes, plantas e animais geneticamente modificados estão autorizadas a continuar suas praticas. Tais políticas têm causado o suicídio de centenas, se não milhares de agricultores indianos que se endividaram até o pescoço para comprar sementes geneticamente modificadas da Monsanto, que não só destruiram as terras, mas também reduziram a quantidade de alimentos produzidos (algodão bt).

No âmbito social e cultural, o discurso politicamente correto foi adotado em massa e a dissensão é visto como uma forma de racismo e terrorismo. As políticas de imigração passaram de levemente proteger a propriedade privada e os direitos dos particulares a patrocinar a abertura indiscriminada de fronteiras, com falsos acordos de livre comércio que destroem a indústria e a produção. Isto custou o emprego de milhões de pessoas em todos os continentes. A crítica religiosa da prática da homossexualidade e outras formas de vida é rotulada como homofóbica, enquanto profundas crenças religiosas são vistas como extremistas. Tudo para a polarizar a raça humana.

A mobilidade em áreas urbanas também têm sido afetada pelas políticas do ambientalismo falso. A especulação e a manipulação dos preços do petróleo pela OPEP faz aumentar exponencialmente os custos de transporte. O mesmo aconteceu com os preços dos alimentos. Carona nas viagens de automóvel e a utilização de ônibus e comboios são recomendados para reduzir dramaticamente a poluição e as emissões de CO2, enquanto as elites que pedem o fim da industrialização vivem em palácios luxuosos e voam ao redor do mundo em seus jatos particulares e iates que consomem grandes quantidades de combustível.

Com relação à segurança social, políticas de desenvolvimento sustentável adotadas pelos governos estão removendo as constituições dos Estados soberanos que estes afirmam representar e defender. A liberdade de expressão, liberdade de circulação e os direitos de privacidade são continuamente violados pela criação pelo complexo tecno-militar-industrial que controla o movimento ao redor do mundo, espia registros financeiros, comportamento, saúde, hábitos, política, crenças religiosas, etc, tudo em nome da segurança.

Qual é o objetivo das políticas de desenvolvimento sustentável hoje? Reduzir a população. O desenvolvimento sustentável é um plano que será aplicado através de toda a existência humana. É um plano criado por alguém para ser aplicado em você, seus filhos, netos e bisnetos. A crença por trás da suposta necessidade de uma redução maciça da população mundial é o equívoco de Thomas Malthus que o crescimento da população excede a disponibilidade de alimentos. Malthus achava que o aumento da população era consequência da reduçao nas taxas de mortalidade e que o mundo iria ficar sem comida em 1890. Ele, então, recomendou matar os pobres, idosos e doentes e deixar o resto morrer de fome. As idéias de Malthus foram retomadas recentemente por Paul Earlich em 1968. Earlich disse que o comportamento reprodutivo irresponsável das mulheres deixaria o planeta sem alimentos em 1970. Esta crise imaginária foi adiada por globalistas e os seus fantoches nas comunidades intelectuais sempre que a data chegava e a crise não acontecia. Segundo estimativas do Population Research Institute, hoje o mundo pode viver com comida suficiente em uma área do tamanho do estado do Texas, EUA.

A verdade é que, com a taxa de natalidade atual, muitos países da Europa e da Ásia estão enfrentando problemas relacionados ao envelhecimento da população não sendo substituída por novos cidadãos. Na América do Norte, Central e Sul, os governos estão se esforçando para manter à tona os seus programas estatais devido ao fato de que mais pessoas estão se aposentando e menos pessoas estão contribuindo para os cofres do governo central, segurança social e programas de saúde. Ironicamente, o crescimento populacional vai se estabilizar naturalmente, ou seja, parará de crescer e começará a cair uma vez que a soma de todos os seres humanos chegue a quase 9 bilhões. Saiba mais sobre a ciência do crescimento da população aqui.

Bem, há suficiente terra para viver? Mas, há comida suficiente para todos? Se você é um crente apenas da informação “oficial” e de estatísticas, você vai querer saber que de acordo com a Organização para Alimentação e Agricultura das Nações Unidas e o Programa Mundial de Alimentos, atualmente, há comida suficiente para alimentar o planeta sem problema. O problema é que nem todos têm acesso aos alimentos. Por quê? Várias razões: especulação de preços, uso de alimentos como milho e cana-de-açúcar para produzir combustível ineficientes e, claro, a criação de uma escassez artificial de alimentos.
As modernas técnicas de cultivo inclusive permitem que áreas mais áridas da África sejam cultivadas. Muitos acreditam que o continente Africano pode ser capaz de alimentar a todos, se essas técnicas fossem aplicadas com a devida diligência. Então, porque mais pessoas passam fome todos os dias? Por causa da pobreza, dos conflitos e da pobre infra-estrutura agrícola em países pobres, onde vivem a maioria das pessoas que sofrem de fome. A guerra é uma das principais causas da destruição das colheitas. Quem são os patrocinadores da guerra e do conflito? O complexo militar-industrial controlado pelos mesmo globalistas que querem que as pessoas sejam ambientalmente amigáveis. Reduzir o número de pessoas no planeta não iria resolver um problema de superpopulação, se houvesse. Isso é apenas uma outra tática usada para assustar por aqueles que querem perpetuar o sonho nazista. Para uma explicação detalhada sobre como as Nações Unidas implementa o seu programa de eugenismo sob a mentira de que promove iniciativas de saúde reprodutiva, acaba com a pobreza e reduz a ocorrência de doenças, veja o relatório em quatro partes abaixo. (Parte 1) (Parte 2) (Parte 3) (Parte 4)

Fontes de informação para este artículo incluem:

 (1) Raymond H. Dominick, The Environmental Movement in Germany: Prophets and Pioneers, 1871-1971

(2) Der Begriff des Volksgeistes in Ernst Moritz Arndts Geschichtsanschauung, Langensalza, 1914.

(3) Wilhelm Heinrich Riehl, Feld und Wald, Stuttgart, 1857, p. 52.

(4) George Mosse, The Crisis of German Ideology: Intellectual Origins of the Third Reich, New York.

(5) Lucy Dawidowicz, The War Against the Jews 1933-1945, New York, 1975, pp. 61-62.

(6) Daniel Gasman, The Scientific Origins of National Socialism: Social Darwinism in Ernst Haeckel and the German Monist League, New York, 1971, p. xvii.

(7) Gasman’s thesis about the politics of Monism is hardly uncontroversial; the book’s central argument, however, is sound.

(8) See the foreword to the 1982 reprint of his 1923 book Die Entdeckung der Heimat, published by the far-right MUT Verlag.

(9) Mosse, The Crisis of German Ideology, p. 101.

(10) Bramwell, Ecology in the 20th Century, p. 197.

(11) Karl-Heinz Ludwig, Technik und Ingenieure im Dritten Reich, Düsseldorf, 1974, p. 337.

(12) Quoted in Rolf Peter Sieferle, Fortschrittsfeinde? Opposition gegen Technik und Industrie von der Romantik bis zur Gegenwart, München, 1984, p. 220.

(13) Dominick, “The Nazis and the Nature Conservationists”, p. 529.