Recuperação econômica occurrerá só se os bancos vão à falência

POR LUIS MIRANDA | THE REAL AGENDA | OUTUBRO 28, 2012

Embora se diga que a crise financeira iniciou em 2008, o seu começo foi muitos anos antes. Como foi explicado ontem, a chamada recuperação que quase todos os políticos dizem que os governos estão procurando é uma farsa. Nao existem planos elaborados para ter uma recuperação. Na verdade, e todo o contrário.

É verdade, a crise que estamos enfrentando é a pior desde a Grande Depressão da década de 1930, mas as condições que criaram a crise são as mesmas que existiram no século passado. O sistema de criação de dinheiro da nada permite que os fabricantes do dinheiro falso injetem capital na economia, no que é chamado de investimento. Depois que as economias se tornam viciadas em dinheiro rápido e / ou “de graça” para construir seus negócios, os emitentes do dinheiro falso subtraem rapidamente esse dinheiro ou exigem a devolução imediata do “investimento”, o que causa a descapitalização das economias e portanto, o seu colapso.

As causas que desvendaram a crise em 2008 se originaram no início do século 20, com a adoção do modelo de desenvolvimento baseado na emissão de dívida. De acordo com suas instruções, os governos dão poder de emitir dinheiro para um grupo de banqueiros internacionais que criam dinheiro em nome de governos ao redor do mundo, com um ganho de até 30 por cento de juros. Estes juros são cobrados dos cidadãos de cada pais. Os juros cobrados pela emissão do dinheiro — que e dado aos governos como um crédito — é colocado no “cartão de crédito” dos governos como dívida. Imediatamente, o pagamento desta dívida torna-se responsabilidade dos cidadãos, quem terão que trabalhar toda a sua vida para pagar os intermináveis pagamentos dos juros.

O modelo econômico baseado na emissão de dívida originada na irresponsabilidade por parte dos burocratas que dirigem o governo. Em vez de gastar o dinheiro do povo de forma responsável, burocratas pensaram que era uma melhor idéia pedir dinheiro emprestado a taxas de juros enormes, em vez de diminuir gastos. Eles decidiram aceitar subornos e conselhos de banqueiros internacionais para financiar seus programas de “bem-estar” e, assim, cumprir algumas promessas de campanha, enquanto aumentaram a carga de juros da dívida sobre as classes trabalhadoras.

Este sistema, que foi iniciado em 1913, é usado ainda hoje e, qualquer lugar que existe um banco central. Se o banco é uma entidade privada ou uma agência governamental é irrelevante. Burocratas eleitos para representar o povo pedem dinheiro emprestado ao Fundo Monetário Internacional e o Banco Mundial, por exemplo, em troca pela adoção de políticas específicas para garantir o aluguel da força de trabalho por muitas gerações. Na pratica, as classes pobre e media trabalham para os banqueiros internacionais, e não para se mesmos ou seu pais.

O dinheiro pago pelos trabalhadores ao governo central não é usado para melhorar as comunidades em que vivem. O dinheiro dos impostos é usado para pagar os juros da dívida contraída pelo governo central em nome do povo. Os tipos de melhorias prometidas pelos políticos durante suas campanhas não são pagos com dinheiro do contribuinte, mas com dinheiro emprestado de bancos internacionais. Banqueiros oferecem empréstimos aos governos que não têm liquidez suficiente para cumprir as promessas feitas durante a campanha. O governo aceita todas as condições do contrato de empréstimo e efetivamente cede soberania e a trabalho da sua população aos fabricantes do dinheiro.

O tipo de colapso que estamos vivenciando é a última etapa do plano que os banqueiros têm desenvolvido e aplicado para se tornarem os únicos proprietários de tudo. A principal diferença entre o anterior e a atual crise é que esta pode ser a última vez que os banqueiros precisam usar o seu plano. Isso porque os banqueiros podem simplesmente ir embora com tudo.

A questão é, então, como podemos evitar que os banqueiros façam o mesmo que fizeram na Grécia, onde saquearam tudo? É realmente simples. Em toda a Europa e no resto do mundo os governos tem que fazer o que fez a Islândia. Em vez de dizer que as instituições financeiras internacionais são demasiado importantes para ir a falência, a Islândia decidiu jogá-los fora. Como resultado, cerca de 90 por cento da dívida em poder do governo islandês, que era realmente dívida criada pelos bancos foi eliminada. O outro 10 por cento era dívida real do governo. Depois que esta decisão foi feita, a Islândia decidiu tomar um outro caminho para ter uma recuperação real.

Acredite ou não, a Islândia decidiu permitir o colaps dos bancos, que é exatamente o oposto do que foi feito na Itália, França, Grécia, Espanha, Inglaterra e Estados Unidos, para citar alguns países. Em todos esses lugares, a crise atingiu os bancos internacionais, mas os governos decidiram que era uma má idéia deixar os bancos assumir a sua própria dívida. Em vez disso, eles imprimiram mais dinheiro falso para “resgatar” os bancos e a dívida foi para a cidadania, quem vai pagar juros sobre essa dívida por muitas  gerações. Essa decisão não somente não resolveu o problema, já que a única coisa que fez foi incorrer em dívida adicional, mas também piorou as condições econômicas porque não foram implementadas soluções reais para a crise.

No início de 2008, os bancos que operavam na Islândia tinham uma divida equivalente a seis vezes o PIB do país. O governo decidiu nacionalizar os três maiores bancos, causando a desvalorização da moeda local — a coroa — em 85 por cento. Este parecia ser um problema para a Islândia, mas ao contrário do senso comum, na verdade, ajudou o país a ter uma recuperação real, mantendo grande parte da sua independência e soberania. O governo foi à falência no final desse ano, mas o país evitou ter que tornar os cidadãos responsáveis ​​pela dívida gerada por bancos internacionais.

Junto com a desvalorização da coroa islandesa, o pais experimentou aumento da inflação imediatamente após a declaração de falência. Enquanto isso, o governo decidiu tomar todo o dinheiro e depósitos nos bancos recentemente nacionalizados para começar tudo de novo. A ação tomada pelo governo islandês significou um curto período de verdadeira dor, mas também deu às pessoas a oportunidade de começar de novo, sem dívidas e com gastos sob controle.

Até 2010, apenas dois anos após a declaração de falência e nacionalização de bancos, Islândia experimentou seus primeiros sinais de crescimento econômico, que marcou o início da recuperação. Ao permitir o colapso dos bancos internacionais, a Islândia não só puniu os banqueiros irresponsáveis pela sua irresponsabilidade, mas também impediu que o povo se torna se escravo dos bancos. O país também admitiu ter alguma dívida real — uma pequena parte do total — e agora está trabalhando em um caminho de sucesso para uma recuperação completa.

A lição aprendida de tudo isso é: Você não pode lutar contra o fogo derramando gasolina sobre ele. Se a origem da crise atual é o sistema econômico baseado na emissão de dívida, não haverá solução real, porque tudo o que a maioria dos governos faz é criar mais dívida para pagar dividas existentes. A razão pela qual a maioria dos países decidiu escolher a emissão de mais dívida — como nas nações da Europa — é que os políticos são comprados e pagos pelos banqueiros para tomar essa decisão. Se ocorrer o inverso, ou seja, se o débito gerado pelos bancos é rejeitado e se esses bancos vão a falência, teremos muitas recuperações mais bem sucedidos. É tão simples que até mesmo Paul Krugman entende.

Então, se você quiser que o seu país esteja livre de dívida e dinheiro falso, peca ao seu governo renunciar ao modelo de desenvolvimento baseado na emissão de dívida, que não é nem mesmo um modelo de desenvolvimento. Se você quer uma recuperação real, você tem que deixar os bancos ir a falência.

The Real Agenda permite a reprodução do conteúdo original publicado no site APENAS através das ferramentas fornecidas no final de cada artigo. Por favor, NÃO COPIE o conteúdo do nosso site para redistribuir ou para enviar por e-mail.

Medicamentos Psiquiátricos: Uma Descoberta Surpreendente

Por Shane Ellison
Master of Science
Tradução: Luis R. Miranda

Faço perguntas para tentar encurtar as  conversas. Evito contato visual com estranhos, com medo (talvez seja ansiedade) de  aprender muito sobre eles. Secretamente, acho que Metallica estaria fazendo música melhor se eles usaram drogas e álcool, ao invés de “terapia”. Estou tentando dominar a lei da não atração para me proteger do trabalho “real” pequenas casas e carros antigos. E eu estou sempre dando conselhos a outros apenas para dar conselhos a mim mesmo.

Os medicamentos psiquiátricos podem me ajudar?

Talvez estas perguntas são o que me motivou a prosseguir uma carreira como químico e desenhar drogas, ganhando vários prêmios pelo meu trabalho. Nada me excita mais do que as drogas e como elas afetam o corpo (exceto o abdômen da minha esposa). Estudei anatomia molecular, arriscando minha vida para misturar e combinar produtos químicos explosivos em um balão fundo redondo, e até mesmo vendi minha alma para as grandes companhias farmacêuticas em troca por um laboratório de química e um capuz.

Durante esse tempo, fiz algumas descobertas surpreendentes sobre medicações psiquiátricas, incluindo antidepressivos, antipsicóticos, estimulantes e medicamentos anti-ansiedade. Entender o que eu aprendi ajudará protege-lo dos efeitos colaterais que estão sendo descobertos cortesia do grande número de pacientes que os usam em nome da saúde mental.

Seu inferno pessoal

Os antidepressivos aumentam a capacidade de lidar com tempos difíceis, alterando os níveis da molécula serotonina no cérebro. Supõe-se que nos ajuda a encontrar a felicidade quando estamos cobertos por uma avalanche de mal. Mas isso nunca foi testado. No entanto, as drogas aumentam os níveis de serotonina ao “seletivamente” diminuir e até deter a recaptação de entre as células cerebrais. E deste processo de onde a sigla SSRI foi inventada – “inibidor seletivo da recaptação da serotonina.” É um nome inovador, mas uma idéia estúpida. Nada é seletivo no corpo.

Na tentativa de bloquear a recaptação de serotonina, os antidepressivos podem impedir a liberação da mesma e de outro composto do cérebro conhecido como dopamina. As áreas do cérebro responsáveis pela liberação e recaptação desses neurotransmissores são tão semelhantes (afinal, trabalham na mesma molécula) que um medicamento antidepressivo não é o suficiente inteligente para entender como eles funcionam. Então ele faz o que qualquer droga idiota faria, ele bloqueia ambos. É por isso que os usuários muitas vezes trazem um olhar vidrado. Completamente sob o encanto psiquiátrico.

Sintómas como profunda tristeza, medo, raiva e agressão podem ocorrer ao longo do tempo. Com a remoção da serotonina e dopamina do cérebro, os usuários dos antidepressivos não podem encontrar ou sentir felicidade. Em vez disso, eles ficam  enterrados em uma avalanche de oscuridão. E se você não pode encontrar ou sentir a felicidade na vida, qual é o ponto? O que vai prevenir você para não quebrar o pescoço de um colega? Não muito, quando você vive em um inferno antidepressivo.

Acho que isso é tudo opinião?

De acordo com o FDA, os antidepressivos podem causar pensamentos e comportamentos suicidas, pioram a depressão, ansiedade, ataques de pânico, insônia, irritabilidade, hostilidade, impulsividade, agressividade, surtos psicóticos e violência. Alguns chegam a causar ideação homicida de acordo com os fabricantes. Muitos usuários de antidepressivos no longo prazo, dizem que não se sentem normais, são zumbis entorpecidos.

Mas os efeitos colaterais destas drogas não estão limitados ao seqüestro de seus sentimentos e estado emocional, causando estados violentos e psicóticos. Efeitos colaterais físicos ocorrem também, e incluem sangramento anormal, defeitos de nascimento, ataque cardíaco, convulsões e morte súbita. Mais de cento e setenta avisos foram emitidos em estudos sobre os antidepressivos, para soar o alarme sobre os efeitos colaterais.

Apenas para uso em Elefantes

Os Psiquiatras prescrevem antipsicóticos como Zyprexa e Seroquel para qualquer coisa, desde esquizofrenia, transtorno bipolar, transtorno delirante, depressão psicótica, autismo ou qualquer outra coisa imaginável, incluindo “transtorno invasivo do desenvolvimento”, que é perfeito para atingir as metas de vendas, porque as drogas são recomendadas para crianças que sofrem de irritabilidade, agressividade e agitação. É uma pena, porque esses medicamentos são inúteis, apenas sedativos para acalmar elefantes com raiva, não para curar uma doença psiquiátrica.

Segundo um estudo publicado na revista Psychological Medicine, os medicamentos antipsicóticos causam encolhimento do cérebro, o volume de massa cerebral. Originalmente concebido para aqueles considerados “esquizofrênicos”, as empresas farmacêuticas criaram uma brilhante campanha de marketing para vender estes medicamentos a um maior número de usuários de antidepressivos no mercado. Provavelmente você já viu os anúncios: ” se a sua medicação para a depressão não está trabalhando, então a culpa não é da droga, e sua porque você tem transtorno bipolar! ”

Uma vez ingeridos, os antipsicóticos navegam através da corrente sanguínea, onde são transportados para o cérebro. Como uma maré negra gigante, os antipsicóticos cobrem o cérebro e bloqueiam a transmissão de ondas cerebrais. O usuário não tem mais uma atividade normal no cérebro. A motivação, a unidade e os sentimentos de recompensa são exterminados. Se os psiquiatrias considera este tratamento como uma cura, eles são os loucos.

Se você já viu alguém que sofreu un destes “derrames” cortesia de seguir as ordens do médico, não pode errar detectando um dos efeitos colaterais mais comuns. E chmado Acatisia, ou movimentos involuntários, tiques, espasmos na face e no corpo inteiro podem ser efeitos colaterais permanentes para os usuários de antipsicóticos.

Antipsicóticos também causam obesidade, diabetes, derrame cerebral, eventos cardíacos, problemas respiratórios, pensamentos delirantes e psicose. Os reguladores de medicamentos em E.U., Canadá, Reino Unido, Irlanda, Austrália, Nova Zelândia e África do Sul alertam que eles também podem levar à morte. Por isso não me surpreende que os psiquiatras consideram esta uma cura …

Use isso para pular o Grand Canyon

Se você estiver indo para tentar saltar sobre o Grand Canyon em sua motocicleta, ou descendo do Monte Kilimanjaro, os estimulantes são muito bons. Elas inundam o cérebro com dopamina, provocando uma onda de adrenalina desumana, responsável por nos fazer acreditar que a vida é grande, apesar da morte iminente ao tentar usar esses “talentos”. Fora isso, ou você é um louco da velocidade, um estudante de faculdade tentando aprender um semestre inteiro de Biologia em 4 horas, ou um aluno da quinta série “, seguindo as ordens do médico”.

Os melhores estimulantes que são prescritos hoje não são nada mas que uma mistura de anfetaminas embaladas com nomes comerciais, tais como Adderall, Ritalin e Dexedrine. Bandidos de rua vendên-los como metanfetamina, cocaína dos pobres, cristal, gelo e speed. Não é extranho que as crianças abusem do Ritalin, Adderall e essas drogas ao invés de drogas de rua, porque eles são mais baratas de obter e são “legais”, por isso, são chamados de cocaína para crianças.

Mesmo a DEA classifica o Ritalin na lista II, o que significa que tem um alto potencial de abuso, como cocaína e morfina. Eles têm todos os mesmos efeitos, independentemente do que eles são chamados: a sobrecarga no seu sistema nervoso central, levando a ataques cardíacos e / ou insuficiência cardíaca. E as crianças estão caindo mais rápido do que os viciados do Meth nas ruas.

Eu não estou exagerando.

Onze agências reguladoras internacionais e a FDA emitiram avisos de que estimulantes como a Ritalin causa dependência, depressão, insônia, dependência de drogas, mania, psicose, problemas cardíacos, derrame e morte súbita.

Queime o cérebro com drogas anti-ansiedade

Se você não é homem o suficiente para uma droga capaz de sedar um elefante, como os antipsicóticos, os psiquiatras prescrevem drogas anti-ansiedade, especialmente benzodiazepinas. A escolha entre os dois é como decidir se você quer bater a cabeça com um bastão de alumínio ou um de madeira. Os medicamentos contra a ansiedade seriam o bastão de madeira.

Descoberto nos laboratórios de química Hoffman La Roche, em 1955, os medicamentos contra a ansiedade são projetados para ativar receptores do sono no cérebro. Assim, em vez de estar cheio de ansiedade, o paciente é colocado para dormir. Este é um tratamento que os psiquiatras têm praticado por décadas. Mas, ainda não funcionou, porque os problemas de drogas são mais perigosos do que a ansiedade. O uso de drogas anti-ansiedade é acompanhada por uma série de efeitos colaterais desagradáveis, tais como convulsões, agressão e violência, uma vez que a droga desaparece. Alucinações, delírios, confusão, comportamento anormal, agressividade, agitação, irritabilidade, depressão e pensamentos suicidas são todos os resultados possíveis de acordo com os documentos que as grandes companhias farmacêuticas haviam guardado fortemente até recentemente.

Quando você para de usar a droga pode ser mais difícil abandoná-la do que quando se trata de abandonar a heroína. Alguns descreveram a reação a algo similar a puxar centenas de anzóis da sua pele, sem anestesia. Se você duvidar de sua natureza aditiva, vá ao Google e digite os nomes de algumas das principais drogas para “tratar” a ansiedade como Xanax e Klonopin e encontrará milhoes de resultados como os descritos acima.

Os efeitos colaterais dos medicamentos psiquiátricos se estendem incontrolavelmente. E a maioria são escondidos dos pacientes e os médicos também. Felizmente, a Terceira Comissão de Direitos Humanos resolveu este problema com um banco de dados de última geração que permite às pessoas pesquisar a lista de reacções adversas, submetidas à FDA sobre os medicamentos psiquiátricos. Ela também fornece avisos de regulamentação internacional de drogas e estudos publicados sobre os efeitos colaterais da droga.

Então, a psiquiatria pode me ajudar? Não. E isso é surpreendente, porque medicações psiquiátricas são alguns dos medicamentos mais vendidos, para selar as esperanças e sonhos de milhões de pessoas. Independentemente do estado de espírito em que eu possa estar, não existe remédio único para curar, tratar ou resolver os problemas de saúde mental.

Enquanto as pessoas podem sofrer miseravelmente pressão emocional ou mental que pode afectar o seu estilo de vida, a pseudo-ciência da psiquiatria ainda tem que resolver todos estes problemas, por enquanto, de facto, só contribui para a má saúde, visto com a vasta gama de efeitos colaterais. As campanhas de marketing e artigos fantasmas escritos  em revistas médicas são concebidos para esconder esses fatos. Mas a base de dados sobre efeitos colaterais dos medicamentos psiquiátricos cortesia do CCHR garante que todos os pacientes tenham acesso à verdade, o que poderia salvar sua vida ou a de um familiar ou amigo querido.