Hillary Clinton reafirma compromisso dos EUA para continuar criando conflitos em África e no Oriente Médio

POR LUIS MIRANDA | THE REAL AGENDA | JANEIRO 26, 2013

Enquanto os grandes conflitos no Oriente Médio começam a diminuir, os Estados Unidos estão preparados para apoiar as guerras e conflitos em outras regiões do mundo. Na verdade, a história mostra que o intervencionismo dos EUA tem sido uma série de tentativas de desestabilizar governos através da ativação de grupos terroristas que fazem o trabalho sujo em nome de Washington.

Se as palavras de Hillary Clinton realmente refletem o que está por vir nos próximos meses e anos, o mundo vai ver uma continuação da atual política exterior dos EUA, a qual consiste de ataques militares, assim como guerra econômica e financeira.

Em sua última aparição como Secretária de Estado, Hillary Clinton advertiu ao Congresso nesta quarta-feira que os Estados Unidos vão ter que lutar contra a Al-Qaeda no norte da África e lidar com a instabilidade e a insegurança causada pelas revoluções em vários países árabes, que o mesmo EUA ajudou a organizar. Na opinião de Clinton, o governo dos EUA será forçado a participar diretamente na prevenção da propagação do terrorismo na região. Clinton se esqueceu de dizer que a maioria, se não todos os atos de terrorismo são realizadas tanto por forças especiais dos EUA e membros da comunidade de inteligência como por grupos terroristas armados e financiados pelo governo de Washington.

“O ataque terrorista em Benghazi ocorrido em 11 de setembro de 2012, que matou quatro americanos valentes é parte de um amplo desafio estratégico para os Estados Unidos e nossos aliados no norte da África”, disse Clinton à Comissão dos Exteriores do Senado que investigar os fatos. Nenhum membro da Comissão pediu explicações para Clinton sobre o papel das forças especiais norte-americanas ou de outros grupos no conflito, nem porquê as forças dos EUA foram obrigadas a retirar-se, mesmo estando perto para ter intervindo durante o ataque ao escritório consular dos EUA em Benghazi, na Líbia.

Clinton assumiu a responsabilidade pessoal por quaisquer erros que possam ter sido cometidos e que, inevitavelmente, facilitaram a morte de norte-americanos na Líbia, mas disse que não foi um evento isolado, atribuível à falta de medidas de segurança no consulado em Benghazi, mas a uma ampla ofensiva contra a qual os EUA está obrigado a responder com urgência. “O que significa,” ela disse, “é que devemos redobrar os nossos esforços para combater o terrorismo e para encontrar formas de apoiar a democracia nascente no Norte da África e em outros lugares.”

“Nós enfrentamos”, lembrou, “a um ambiente ameaçador que muda rapidamente, e temos que trabalhar para aumentar a pressão sobre a Al-Qaeda no Magreb Islâmico e outros grupos terroristas na região. Nós quase acabamos com Al-Qaeda no Afeganistão e Paquistão, mas seus membros se dispersaram para outros países “, acrescentou. Conforme relatado pela mídia, grupos terroristas filiados à Al Qaeda na Líbia e na Síria foram patrocinados pelos EUA como parte de um movimento terrorista internacional que trabalhou com grupos de oposição para derrubar Kadafi e agora estão trabalhando para destronar Bashar al-Assad.

A Secretária de Estado referiu-se, em particular a Mali “, onde a instabilidade”, disse ela, “criou um santuário para terroristas, que têm por objectivo alargar a sua influência e preparar novos ataques como o que vimos na semana passada na Argélia” .

Clinton não se referiu à operação militar francesa no país, mas disse que “é importante que os EUA mantenham a sua liderança no Oriente Médio, Norte da África e no resto do mundo. Atingimos muitos objetivos nos últimos quatro anos e não podemos sair agora “, disse ela, reafirmando o compromisso dos EUA para ocupar algumas das regiões mais voláteis do mundo, onde, de acordo com a BBC, a França e outros aliados voltaram para recuperar o que era uma vez parte de suas colônias.

EUA começou a ajudar a França através de transporte aéreo de tropas francesas e equipamento militar.

Clinton disse que a diplomacia dos EUA está operando furiosamente na área – o que significa que há infiltração militar – o que sugere que outras medidas mais fortes serão tomadas nos próximos meses. “Quando os EUA está ausente “, disse Clinton,” o extremismo se enraíza, e nossos interesses de segurança no país estão ameaçados. ”

A Secretária de Estado admitiu que os movimentos revolucionários ocorridos nos últimos dois anos no mundo árabe “têm uma dinâmica complicada e que eles ajudaram a destruir as forças de segurança na região, o que estabeleceu as bases para a propagação do terrorismo. Ela disse que “muitas das armas usadas por terroristas na Argélia e Mali vêm da Líbia, onde as autoridades atuais são incapazes de controlar todos os grupos armados que surgiram durante a revolta contra Muammar Gaddafi.” Na verdade, as armas poderosas das que Clinton fala foram fornecidas por EUA, e estes mesmos grupos terroristas as usaram para realizar ataques contra civis inocentes na Líbia.

Apenas os senadores John McCain e Rand Paul mostraram o seu desagrado sobre as desculpas dadas por Clinton. O senador Paul disse a Clinton que dada a sua falta de liderança, ele a teria demitido de seu cargo no Departamento de Estado. No entanto, Paul e os outros membros da Comissão dos Assuntos Externos falharam miseravelmente porque não fizeram perguntas pertinentes sobre o que realmente aconteceu em Benghazi.

O democrata John Kerry irá substituir Clinton no Departamento de Estado, uma vez que seja confirmado pelo Congresso.

The Real Agenda permite a reprodução do conteúdo original publicado no site APENAS através das ferramentas fornecidas no final de cada artigo. Por favor, NÃO COPIE o conteúdo do nosso site para redistribuir ou para enviar por e-mail.

About Luis Miranda
The Real Agenda is an independent publication. It does not take money from Corporations, Foundations or Non-Governmental Organizations. It provides news reports in three languages: English, Spanish and Portuguese to reach a larger group of readers. Our news are not guided by any ideological, political or religious interest, which allows us to keep our integrity towards the readers.

Comments are closed.