FMI presiona os países Europeus a entregarem sua Soberania

POR LUIS MIRANDA | THE REAL AGENDA | 18 NOVEMBRO, 2012

O Fundo Monetário Internacional (FMI) pediu aos países sob pressão do mercado por custos de financiamento elevados, incluindo a Espanha, que busquem a ajuda dos fundos de resgate europeus para o programa de compra de dívida criado pelo Banco Central Europeu (BCE).

“Os países deveriam implementar programas de ajuste e, se necessário, procurar o apoio adequado da EFSF / ESM. Isso permitiria ao BCE intervir com o programa recentemente criado, indicou “um documento do FMI preparado para a reunião dos ministros das finanças e presidentes de bancos centrais do G-20, em 4 e 5 de Novembro.

Neste sentido, a organização destaca que apesar da decisão do BCE de remover alguns dos principais riscos na zona do euro, os fatores econômicos e políticos podem acarretar que estes países não procurem a ajuda de seus parceiros europeus e do BCE.

A instituição liderada por Christine Lagarde disse que, embora se tenha avançado, a resolução da crise da zona do euro vai exigir  a implementação “oportuna e decisiva” das políticas propostas pelo BCE e do FMI.

O FMI alerta que o acesso ao financiamento a um custo razoável é “essencial para que as economias se ajustem com sucesso. Embora as economias de periferia devam continuar a ajustar seus balanços fiscais a uma taxa que possam ser pagos no atual ambiente frágil, devem, também, adoptar as políticas certas. “O documento adverte que as alterações que não envolvem um” resgate “podem ​​não ser suficientes para recuperar totalmente a confiança dos mercados, especialmente a implantação de risco.

Assim, a suposta solução fornecida pelos banqueiros não é somente eficaz, como também uma faca de dois gumes. Além de manter os países endividados, os banqueiros também querem aprofundar a crise através da emissão de mais dívida, para que mais risco se possa criar e que nada mude. É por isso que os bancos querem assumir o controle total, mantendo as políticas fiscais e monetárias em cada país para que eles possam arriscar tudo o que querem com o dinheiro dos outros sem ter que prestar contas a ninguém.

O FMI afirma falsamente que as medidas tomadas pela crise devem ser acompanhadas por um guia que levará a criação de um sindicato bancário e uma maior integração fiscal para fortalecer a união monetária. Este é o mecanismo que, de uma vez por todas, dará  o controle completo de todas as decisões financeiras da Europa aos banqueiros. Eles também pretendem exportar este mecanismo para o mundo uma vez que os países da UE sejam completamente absorvidos.

Segundo o FMI, a UE deve se basear em um único mecanismo de monitoramento – controlado pelos bancos que criaram a crise – um mecanismo de resolução ao nível da zona do euro com o apoio de todos os membros e um esquema onde todos os países financiem um sistema de seguro de depósito para a união monetária. Esse dinheiro também será destinado para causas decididas pelos banqueiros e os países ou bancos serão “resgatados” somente se estiverem de acordo com os termos dos contratos.

O FMI também destaca que a continuação da execução de reformas financeiras, fiscais e estruturais é “essencial”, embora reconheça que levará vários anos antes que todas as políticas se apliquem plenamente. Isto significa que os banqueiros, pelo menos por enquanto, não vão desabar o sistema financeiro europeu de uma só vez, desde que se possa criar mais dívida e fazer nações soberanas escravas desta dívida.

Os banqueiros têm alertado sobre o uso de austeridade como uma forma de reduzir os gastos fora de controle do governo. Em vez disso, dizem eles, os países devem defende uma dívida perpétua. Isto é porque este é o mecanismo mais eficiente para que eles rapidamente controlem nações diretamente. A verdade é, no entanto, que o FMI é um dos principais motores de austeridade como um primeiro passo na aquisição de nações endividadas. Uma vez que os burocratas do governo já não são capazes de cortar os orçamentos, os banqueiros se colocam como salvadores a emprestar dinheiro, fazendo com que os países comecem um novo ciclo de endividamento.

The Real Agenda permite a reprodução do conteúdo original publicado no site APENAS através das ferramentas fornecidas no final de cada artigo. Por favor, NÃO COPIE o conteúdo do nosso site para redistribuir ou para enviar por e-mail.

About Luis Miranda
The Real Agenda is an independent publication. It does not take money from Corporations, Foundations or Non-Governmental Organizations. It provides news reports in three languages: English, Spanish and Portuguese to reach a larger group of readers. Our news are not guided by any ideological, political or religious interest, which allows us to keep our integrity towards the readers.

Comments are closed.