Equador tenta chantagear o mundo para ‘salvar’ suas florestas

POR LUIS MIRANDA | THE REAL AGENDA | 12 MAIO 2012

Se você está cansado de ouvir os ambientalistas dizer como é bom ter uma Nova Ordem Mundial, seja paciente, porque eles vêm com mais ‘grandes’ idéias. Em preparação para a reunião do Rio sobre o Meio Ambiente, que é patrocinado pelas Nações Unidas, ONGs ambientalistas e políticos, os cúmplices do globalismo já estão pedindo a implementação de um Fundo Climático (GCF) para ajudar a “salvar” as florestas do mundo. Em um artigo anterior, dizemos como o Fundo Climático da ONU está buscando imunidade diplomática, um pedido sem precedentes, tendo em conta que o que entidade deve fazer é redistribuir a riqueza — não que esta é uma coisa positiva, é exatamente o oposto. Duas semanas atrás, perguntamos sobre a razão para essa necessidade, e parte da resposta é que, embora o Fundo Climático é uma criatura da ONU, não está coberta pela imunidade que protege outras organizações das Nações Unidas, tais como Organização para a Convenção sobre Mudanças do Clima (UNFCC).

Por que o Fundo Climático precisa imunidade? Eu gostaria de ouvir suas sugestões.

Como explicado acima, a única finalidade do Fundo é, como membros da ONU confessaram, redistribuir a riqueza do planeta, mas essa riqueza não vai para as mãos das pessoas mais necessitadas nos países mais pobres. Além disso, os políticos não eleitos e participantes em reuniões anteriores da ONU vão obter o financiamento necessário para o Fundo Climático — tirando dinheiro a traves de impostos — das classes média e baixa nos países desenvolvidos, para dar aos ricos nos países subdesenvolvidos. Como e que isso vai ajudar a salvar o planeta de uma catástrofe que não existe, mas que muitos temem? Também aceito sugestões sobre esta pergunta.

O GCF foi criado durante as últimas negociações sobre o clima em Durban, em que 194 Estados-membros votaram a favor da formação de um órgão provisório para tentar estabelecer a melhor forma de gastar cerca de 6.700 mil milhões de dólares até junho de 2013. Bem, agora parece haver uma grande oportunidade de gastar esse capital. O país sul-americano do Equador adotou oficialmente o Fundo Climático como a única maneira de “salvar” o seu valioso Parque Nacional Yasuni. A Embaixadora do Equador na ONU, Ivonne A-Baki, solicitou que o dinheiro dado ao Fundo seja usado para pagar seu plano de comércio de ‘petróleo pela floresta’. O plano diz que o Equador vai manter as suas florestas intactas, enquanto o resto do mundo pague o país por não usar seus recursos naturais como petróleo e gás natural, que estão em áreas protegidas e parques nacionais, como o citado Yasuní.

O modelo estabelecido pelo GCF é semelhante ao do regime de crédito de carbono, onde países e empresas pagam taxas que lhes permite poluir. Desta vez, porém, países como o Equador estão buscando um incentivo financeiro para não desenvolver os seus recursos naturais e, em vez optar por manter seu povo pobre e subdesenvolvido. Não me interpretem mal, não há nada negativo sobre o desejo de preservar a natureza em seu estado original. O problema surge quando um país como o Equador solicita incentivos financeiros como condição para proteger suas florestas. Nenhum país do mundo precisa de ajuda financeira, a fim de proteger o seu ambiente se ele realmente pretende mante-lo. O planeta não precisa de um sistema de socialista global e nenhum país deve exigir dinheiro da classe média ou pobre em outras nações para implementar programas de conservação.

Equador é um dos vários países latino-americanos com muitos recursos naturais, os quais já sao usados pela industria. O problema com o Equador é o mesmo que outras nações da América Latina: a corrupção do governo. Porque a maioria da população vive em condições deploráveis, poderíamos pensar que a assistência financeira internacional pode ser uma solução para a pobreza no país, mas é importante dizer que o Equador é membro da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP), a organização que se sente livre para manipular os preços do petróleo ao seu gosto. A nação do Equador é um dos maiores exportadores de petróleo da América Latina, com um total de cerca de 285.000 barris por dia (bbl / d). De acordo com a Energy Information Administration dos Estados Unidos, em 2011, o setor de petróleo do Equador representou cerca de 50 por cento das receitas de exportação. Por que é que os equatorianos não gozam dos benefícios dos recursos do seu país, então? O conluio entre o governo e as empresas forçou o país a importar produtos petrolíferos refinados, devido à falta de capacidade de refino doméstica — não por acaso — para atender a demanda local. A maioria do petróleo do Equador é enviado para a China em troca de empréstimos do China Development Bank.

Por que a embaixadora do Equador na ONU usa um tom ameaçador para solicitar fundos para preservar o Parque Nacional Yasuni? Bem, essa política vem do escritório do presidente Rafael Correa, que disse que não vai perfurar ali, enquanto a comunidade internacional pague ao país 3,6 bilhões de dólares, o que é aproximadamente a metade do valor das reservas de petróleo. Em outras palavras, os políticos concordam em entregar os recursos naturais  às Nações Unidas, em troca por apenas a metade do valor de seus recursos naturais. Isso é um roubo, certo?

Quando os políticos e as organizações internacionais mais importantes falam sobre a preservação das florestas e dos recursos naturais, muitas vezes eles usam pontos de discussão espirituais e coletivistas, e no caso do Equador, não é a exceção. A embaixadora chama a religiosidade das pessoas ao dizer que o Yasuní é solo sagrado e protegido por Deus, enquanto mostra uma pulseira que diz “Juntos para a Yasuni”, ela diz que a pulseira esta encantada. “Você fica lá apenas um dia, e fica revitalizado, é como estar em um spa. É tão pura, tão limpa. “É como um spa no que muitos parques nacionais ou áreas de conservação, eventualmente se tornam, uma vez que sao dados às Nações Unidas. A ONU, através de suas políticas de conservação, e em parceria com organizações globalistas conhecidas como a União Internacional para Conservação da Natureza, a World Wildlife Fund, The Nature Conservancy, o Programa das Nações Unidas sobre Meio Ambiente, a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Organização para a Ciência e a Cultura, entre outros, tentam destruir a propriedade privada em todo o mundo, e fazê-lo em nome da conservação. Esses escritos do ambientalismo moderno baseiam-se em seguir religiosamente os escritos da Avaliação da Biodiversidade das Nações Unidas, um documento que orienta sobre o chamado “desenvolvimento sustentável” e os escritos de Agenda 21; ambos os documentos são conjuntos de politicas para destruir a sociedade como e conhecida hoje.

Países como Equador pararam de mendigar e passaram a exigir que os países industrializados e organizações internacionais não eleitas fazam alguma coisa para “ajudar” a manter as reservas naturais e parques nacionais, como condição para não explorar o petróleo e outros recursos . Há um senso de auto-direito em alguns países em desenvolvimento, cujas formas de governo socialista e comunista tem alienado o capitalismo verdadeiro — não o corporatismo — em quanto vem como seus sonhos de se tornar uma nação de primeiro mundo desaparecem tão rápido quanto as empresas estrangeiras, ao serem eliminadas iniciativas privadas de desenvolvimento, e o governo passou a promover políticas globalistas de controle da população para torná-los mais dependentes. Agora, dadas as suas políticas isolacionistas, eles acham que é apropriado solicitar subornos em troca de promover a agenda do falso ambientalismo globalista e a falsa agenda de conservação.

O termo mais comumente usado é “justiça climática” que está associada com a suposta obrigação que os países industrializados têm de pagar aos países pobres para financiar o custo do que eles chamam de danos ecológicos que as nações desenvolvidas têm feito ao planeta. O problema com este pensamento é que não têm sido os países industrializados que causaram danos irreparáveis ao planeta, mas as grandes multinacionais que controlam os governos de fora e os políticos corruptos que formam esses governos. Para acabar com esse tipo de câncer, nao é necessário que cada um pague as dívidas dos outros, mas arrancar esses debedores desde a raiz. Corporações, não os governos, são responsáveis por danos ecológicos. Nem os Estados Unidos, China, Austrália, Espanha, Alemanha ou Rússia, mas a Monsanto, Cargill, BP, Exxon Syngenta e muitas outras empresas são as que tem uma dívida impagável com os habitantes da Terra. Portanto, é importante concentrar os esforços sobre os verdadeiros culpados.

Aqueles que dirigem a agenda de fantasia do desenvolvimento sustentável terao ampla oportunidade para expressar as suas preocupações durante a reunião do Rio +20 que se realizará a partir do 06 de junho, onde nações como o Equador, mais uma vez exigirão que a classe média e os pobres nos países desenvolvidos paguem — por meio de impostos — o sistema de corrupção que existe nos mais altos níveis do governo em todo o mundo em desenvolvimento. Mas esse modelo de feudalismo pode ter seus dias contados, porque, mais ambientalistas bem-intencionados perceber o que está por trás do suposto plano para conservar as florestas e outros recursos, o que resultara em menos apoio para as medidas apresentadas em fóruns como Durban e Rio. O qué quer o falso ambientalismo? “Basicamente, o que o assunto do Yasuni representa é uma questão de quem deve a quem? É esta idéia de que o Norte pague ao Sul para manter o óleo no subsolo “, diz Kevin Koenig da organização Amazon Watch. Portanto, a agenda de conservação como um todo não tem nada a ver com conservação. Por um lado, este é um grupo de ressentidos e aspirantes a líderes do Terceiro Mundo que estão dispostos a manter seus povos pobres e famintos enquanto alguém lhes paga para isso. Por outro lado, é um programa de desindustrialização corporativa global projetado para tornar os ricos ainda mais ricos e os pobres ainda mais pobres.

Apenas um mês antes da reunião Rio +20, é fácil ver que os grupos que professam políticas anti humanas descobriram uma maneira comum de realizar seu plano e as duas partes esperam o mesmo resultado: defraudar as pessoas ao redor do mundo incutindo a crença de que os seres humanos são maus, que o mundo vai acabar se os parques nacionais não são dados  às  Nações Unidas como o maior latifundiário do planeta. Por sua vez, a ONU vai manter o terceiro mundo pobre e subdesenvolvido, em nome da salvação de todos nós. Para tornar essa meta uma idéia brilhante, eles usam e usarão celebridades, estrelas de cinema e políticos famosos que consolidem a falsa agenda de conservação. No entanto, a conservação não será feita para as gerações futuras, como eles dizem, mas para oligarcas internacionais que financiam e controlam quase todas as organizações ambientais e organizações não-governamentais que promovem o desenvolvimento sustentável.

Se você gosta da idéia de um sistema global neofeudalista sinta-se livre para apoiar a ONU no seu plano de fazer de todos nós seus escravos.

Você pode compartilhar nosso conteúdo original, desde que respeite a nossa política de direitos autorais, conforme mostrado em nosso rodapé. Por favor, não corte os artigos de The Real Agenda para redistribuir por e-mail ou na Internet se você não cumpre com as nossas políticas de direitos de autor.

Advertisements

About Luis Miranda
The Real Agenda is an independent publication. It does not take money from Corporations, Foundations or Non-Governmental Organizations. It provides news reports in three languages: English, Spanish and Portuguese to reach a larger group of readers. Our news are not guided by any ideological, political or religious interest, which allows us to keep our integrity towards the readers.

Comments are closed.