Estigmatização da Resistência à Autoridade

A medicalização da Rebelião

POR LUIS MIRANDA | THE REAL AGENDA | 3 MAIO 2012

Em 1861, Samuel A. Cartwright, um médico americano, descreveu uma doença mental que ele chamou de “drapetomania.” Conforme observado pela Wikipedia, o termo deriva do termo grego drapetes, “fora de controle [de escravos]”, e mania de loucura ou insanidade.

Assim, Cartwright definiu drapetomania como “uma doença que faz com que os negros escravos tentem fugir.”

“O sintoma de diagnóstico, a fuga ao trabalho, é bem conhecida pelos agricultores e capatazes”, Cartwright escreveu em um documento amplamente distribuído e apresentado à Associação Médica de Louisiana. No entanto, essa condição era “desconhecido às nossas autoridades médicas.”

Cartwright pensou que os proprietários de escravos ajudavam a criar a doença ao “interagir muito com [os escravos], tratando-os como iguais.” Drapetomania também pode ser induzida “se [o proprietário] abusa dos poderes que Deus tem dado sobre o seu próximo, sendo cruel com ele, ou punindo com raiva, ou a incapacidade de protege-lo contra o abuso irresponsável de seus conservos e todos outros, ou a negar os confortos habituais e necessidades da vida. ”

Ele tinha idéias sobre prevenção e tratamento:

[S] e o proprietário ou supervisor é amigável e cortês com o seu escravo, sem condescendência, e também oferece opções e tempo para suas necessidades físicas, e protege ele contra abusos, o negro se encanta e não quer escapar.

Se um ou mais deles, a qualquer momento, estão dispostos a levantar a cabeça em um nível com o proprietário ou o supervisor, pelo seu próprio bem, ele precisa ser punido até que caia nesse estado de submissão que pretende-se que eles ocupem em todos os momentos. . . . Eles só têm de permanecer nesse estado, e ser tratados como crianças, com cuidado, carinho, cuidado e humanidade, para prevenir e curar a idéia de fuga.

Também Dysaethesia

Identificar drapetomania não é a única realização de Cartwright. Também “descobriu” o dysaethesia aethiopica ou embotamento da mente e obtusa sensibilidade do corpo, uma doença de negros – como chamado pelo supervisores “patifaria”. “Ao contrário da drapetomania, a dysaetheisa afeta principalmente os negros livres. A doença é o fruto natural da liberdade dos negros, a liberdade para ser ocioso, chafurdar na lama, e desfrutar de uma alimentação e bebidas inadequadas.”

Cartwright, ouso dizer, era um tagarela, sempre pronto para atribuir qualquer comportamento perturbador a uma doença fictícia. Uma discussão muito mais informativa do comportamento de escravos pode ser encontrada no livro fascinante do Thaddeus Russell, A Historia Renegada dos Estados Unidos.

As coisas mudaram muito desde os dias de Cartwright? Você decide.

A atual edição do Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais (DSM-IV) inclui o Transtorno Desafiador de Oposição (TDO) na lista de “transtornos da infância ou adolescência.” (Tiremos o chapéu. Bryan Hyde).

De acordo com o manual:

A característica essencial do Transtorno Desafiador de Oposição é um padrão recorrente de negativa, desafiador, desobediente e hostil para com figuras de autoridade, que persiste por pelo menos seis meses. Caracteriza-se pela ocorrência freqüente de pelo menos quatro dos seguintes comportamentos: perder a paciência, discutir com adultos, desafiar ativamente ou recusar-se a cumprir solicitações ou regras dos adultos, deliberadamente fazer coisas que incomodam os outros , culpando os outros por seus próprios erros ou mau comportamento, ser suscetível ou facilmente aborrecido pelos outros, se enraivecido e ressentido, ou ser rancoroso e vingativo.

Marcado em uma curva

No diagnóstico desta doença, as crianças são marcadas em uma curva. “Para ser diagnosticado como doente com [ODD], os comportamentos devem ocorrer com mais freqüência do que é tipicamente observado em indivíduos da mesma idade e nível de desenvolvimento” (ênfase nosso). Os comportamentos também deve ser considerada um impedimento “, na vida social, acadêmica e profissional.”

O paralelo com drapetomania é ameaçador. Crianças, afinal, estão em uma forma de cativeiro, tão naturalmente como a idade, pode ressentir-se as decisões por eles tomadas. Acima de tudo não gostam de ser limitados quase todos os dias e ser sufocados em instituições governamentais, supostamente dedicadas à educação (“escolas publicas”). Alguns podem se rebelar, tornando-se um incômodo para as autoridades.

É realmente um transtorno mental, ou cérebral? PubMed, um site do National Institutes of Health, examina o tratamento e prevenção de formas que sugerem que a resposta é não. “O melhor tratamento para a criança e falar com um profissional de saúde mental em terapia individual ou familiar, se possível, os pais devem também aprender a gerenciar o comportamento da criança” (ênfase do autor), ele diz, acrescentando: “Os medicamentos podem também ser úteis. ”

Em termos de prevenção, ele diz: “Seja consistente sobre as regras e as conseqüências em casa. Não aplique castigos demasiado severos ou inconsistentes. Tenha um comportamento adequado para seu filho. Abuso e negligência aumentam as chances de que o distúrbio aconteca. ”

Doença estranha

Parece estranho que uma doença possa ser tratada com conversação e impedida pela boa criação. E como eles determinaram o numero quatro como o mínimo de comportamentos antes do diagnóstico? Ou seis meses o período mínimo? Estranho, não é?

Enquanto TDO é discutido com referência às crianças, suspeita-se que pode ser estendido aos adultos que “têm problemas com a autoridade.” Sem dúvida, um não pode ser curado apenas com a passagem da adolescência. Os adultos são cada vez mais sujeitos a um governo opressivo que toma as decisões, quase tanto como os adultos fazem com às crianças. A psiquiatria soviética facilmente encontrou esta doença nos dissidêntes. Não se esqueça de que a aliança da psiquiatria e o estado permite que as pessoas inocentes de um crime sejam medicadas e presas contra sua vontade.

Então devemos nos perguntar: Será que temos uma doença, ou melhor aqui é o que Thomas Szasz, o crítico liberal do “estado terapêutico” (principal preocupação do Szasz, dizem é psiquiatria, mas na verdade é a liberdade e auto-responsabilidade. Ver minha lição sobre Szasz aqui)

Parece que o denominador comum do que são chamados de transtornos mentais (ou cerebrais) é cualquer coisa que incomoda outras pessoas que querem controlar os outros. Por que supor que tal comportamento é uma doença? Não é este um erro de categorização? Porque estigmatizar uma criança rebelde com um estranho “diagnóstico”? (Não nos esqueçamos do que a psiquiatria considerou como uma doença não há muito tempo; e queria controlar.)

O cientificismo

Em nossa era científica, muitas pessoas acham que o cientificismo, e a aplicação dos conceitos e técnicas da ciência sobre as pessoas e os fenômenos econômicos / sociais. Na verdade, é a desumanização em nome da saúde.

Szasz, um autor prolífico que comemorou seu aniversário numero 92 no início desta semana, escreve:

Você nao tem que dizer para as pessoas que a malária ou o melanoma são doenças. Eles sabem que são. Mas tem alguns que dizem para as pessoas que o alcoolismo e a depressão são as doenças. Por quê? Porque as pessoas sabem que não são doenças, doenças mentais não são “como outras doenças”, hospitais psiquiátricos não são como outros hospitais, o negócio da psiquiatria é o controle e a coerção, não o cuidado e a atenção. Consequentemente, os médicos participam de uma tarefa interminável para “educar” as pessoas com a idéia de que doenças fictícias são doenças reais.

Ninguém acredita que drapetomania é uma doença real. Os escravos tinham uma boa razão para fugir. Nós todos também temos razões, para “fugir”; não doenças.

Traduzido do artigo original: Stigmatizing Resistance to Authority

Advertisements

About Luis Miranda
The Real Agenda is an independent publication. It does not take money from Corporations, Foundations or Non-Governmental Organizations. It provides news reports in three languages: English, Spanish and Portuguese to reach a larger group of readers. Our news are not guided by any ideological, political or religious interest, which allows us to keep our integrity towards the readers.

Comments are closed.