Advertisements

Desespero Econômico Aumenta Suicídios na Grecia

POR LUIS MIRANDA | THE REAL AGENDA | 1 MAYO 2012

Na segunda-feira, um professor de geologia de 38 anos, enforcou-se de um poste de luz em Atenas e no mesmo dia um padre de 35 anos pulou para a morte de sua varanda, no norte da Grécia. Na quarta-feira, um homem de 23 anos de idade se deu um tiro na própria cabeça.

Em um país que teve uma das menores taxas de suicídio do mundo, um aumento no número de suicídios, como resultado da crise econômica e assumida na nação mediterrânea antes eleições de 6 de maio.

A morte horrível do farmacêutico Dimitris Christoulas que deu-se um tiro na cabeça em uma praça central de Atenas, aconteceu devido à pobreza causada pela crise que deixou a milhões sem trabalho e em uma situação muito mais dramática.

Antes de se suicidar na manhã de 4 de abril na praça Syntagma, em frente ao prédio do parlamento grego, o aposentado de 77 anos de idade teve um momento para escrever uma nota.

“Não vejo outra solução que dei um fim digno a minha vida, não vou ter que revirar lixo para meu sustento”, escreveu Christoulas, que se tornou um símbolo nacional da dor induzida pela austeridade que está apertartando a milhões.

Meios de comunicação gregos têm relatado suicidas semelhante quase diariamente, a deterioração de um sentimento de tristeza em dias antes das eleições na próxima semana, depois que o governo do primeiro-ministro interino, Lucas Papademos, concluiu seu mandato e garantiu um novo acordo de resgate com os credores estrangeiros pelos cortes de gastos adicionais feitos pelo seu governo.

Alguns médicos especialistas dizem que esta forma de suicídio político é um reflexo do crescente desespero e desamparo que muitos sentem. Mas outros advertem que a mídia pode ampliar significado e associa-lo com a crise pela sua cobertura e que o número pode ter subido ligeiramente.

“A crise levou a um crescente sentimento de perda e de culpa, de baixo auto-estima e humilhação para muitos gregos”, disse a Reuters Nikos Sideris, psicanalista e autor, em Atenas.

“Os gregos não querem ser um fardo para ninguém e há este sentimento crescente de impotência. Algumas pessoas desenvolvem uma atitude de auto-ódio que leva à auto-destruição. Isso é o que está por trás do aumento nos suicídios e tentativas de suicídio . Nós estamos vendo uma nova categoria: o suicídio político ”

Segundo a polícia, o professor de geologia, Nikos Polyvos, que se enforcou estava ansioso sobre um trabalho pedagógico que foi bloqueado devido ao congelamento da contratações no setor público.

NAÇÃO EM CHOQUE

Especialistas dizem que os números são relativamente baixos – menos de cerca de 600 por ano. No entanto, o aumento no número de suicídios, tentativas de suicídio, uso de medicação antidepressiva e a necessidade de cuidados psiquiátricos são motivo de alarme em um país desacostumado a problemas.

Antes da crise financeira em 2009, a Grécia tinha uma das mais baixas taxas de suicídio do mundo, 2,8 por 100.000 habitantes. Houve um aumento de 40 por cento nos suicídios no primeiro semestre de 2010, de acordo com o Ministério da Saúde.

Não existem estatísticas confiáveis sobre o 2011, mas especialistas dizem que a taxa de suicídios dobrou na Grécia, provavelmente, cerca de 5 por 100.000. Isso ainda é bem abaixo dos níveis de 34 por 100.000 vistos na Finlândia ou 9 em 100.000 na Alemanha. Tentativas de suicídio e procura de ajuda psiquiátrica aumentou na Grécia, onde as pessoas se esforçam para lidar com a pior crise econômica desde a Segunda Guerra Mundial.

Nikiforos Angelopoulos, professor de psiquiatria, tem uma prática da psicoterapia em uma área agradável de Atenas. Ele disse que a crise agravou problemas para algumas pessoas que são menos estáveis e que cerca de cinco por cento dos pacientes desenvolveram problemas por causa da crise.

“Somos uma nação em estado de choque”, disse ele, embora suspeitasse que era a cobertura da mídia sobre suicídios que aumentou significativamente mais do que o número real de suicídios. Ele, no entanto, disse que a crise está atrás de um aumento significativo de problemas de saúde mental na Grécia.

“Eu tive um paciente internado com depressão grave – que é dono de uma empresa de fabricação de móveis, que entrou em dificuldades financeiras e teve que demitir 20 de seus 100 trabalhadores”, disse ele. “Ele não conseguia dormir e não podia comer. Ele disse que seu bom negócio foi arruinado e não podia mais agüentar.”

O marceneiro passou quatro meses em tratamento e também foi ajudado por antidepressivos, Angelopoulos disse.

“Esta melhor agora. Ele percebeu o que aconteceu já passou. Mas há muitos outros que são instáveis ou psicóticos, e desde que a crise aumentou, também aumentou a sua ansiedade e insegurança.”

Angelopoulos, 60, também sofreu por causa que cerca de 20 por cento de seus pacientes não podem mais pagar 100 euros (130 dólares) por uma hora de sessão. Alguns pediram desconto de até a metade, enquanto outros dizem que simplesmente não podem pagar nada.

“Eu nunca rejeito as pessoas”, disse ele. “Se um paciente diz:” Eu não tenho dinheiro ‘, eu não poderia dizer-lhes para ir embora. Eu digo que está tudo bem que você não tem que pagar agora, mas lembre-se de mim depois. ”

GREGO FELIZ?

Há várias explicações possíveis para a baixa taxa de suicídios na Grécia, além do fato de que o país tem uma abundância de sol e clima ameno.

Para evitar a estigmatização de suas famílias, alguns gregos suicídas batem deliberadamente seus carros. Estes suicídios são freqüentemente relatados como acidentes. Famílias muitas vezes tentam ocultar um suicídio para que seus familiares possam ser enterrados corretamente na Igreja Ortodoxa Grega, pois esta recusa-se a oficiar funerais de pessoas que cometem suicídio.

Outro fator importante por trás da baixa taxa de suicídio é que os gregos têm famílias unidas, e uma cultura altamente comunicativa e expressiva.

“A Grécia é um país onde todo mundo vai falar com você”, disse Sideris, o psicanalista de Atenas. “Você sempre vai encontrar alguém para compartilhar seu sofrimento e alguém está sempre lá para ajudar.

“Não é apenas o tempo. É a poderosa rede de apoio que fez a taxa de suicídio na Grécia tão baixa. Ainda assim, esta crise é muito para algumas pessoas.”

Muitos gregos também não perderam o bom senso de humor.

Dimitris Nikolopoulos, um vendedor de 37 anos, riu da idéia de que a taxa de suicídio era tão baixa, porque os gregos estão bem ajustadas e geralmente são um povo feliz.

“Os gregos costumavam ser pessoas muito felizes, porque vivíamos com dinheiro que era nosso”, disse ele com um sorriso irônico. “Mas às vezes você tem que encarar a realidade. Não era o nosso dinheiro.”

Traduzido do artigo original: Economic Dispair Makes Suicide Rate Explode in Greece

Advertisements

About Luis Miranda
The Real Agenda is an independent publication. It does not take money from Corporations, Foundations or Non-Governmental Organizations. It provides news reports in three languages: English, Spanish and Portuguese to reach a larger group of readers. Our news are not guided by any ideological, political or religious interest, which allows us to keep our integrity towards the readers.

Comments are closed.