Asteróide poderia ser puxado pela força gravitacional da Terra

Por Luis R. Miranda
The Real Agenda
05 de março de 2012

Para evitar uma possível catástrofe – desta vez marcada para fevereiro de 2013 – cientistas sugerem confrontar asteróide 2012 DA14 com uma pintura ou grandes armas. A ideia é que não há suficiente tempo para construir uma nave para realizar a operação.

Dados da NASA mostram que o asteróide de 60 metros, descoberto por astrônomos espanhóis, em fevereiro, vai assobiar pela Terra em 11 meses. Sua trajetória vai trazê-lo a uma distancia muito curta do nosso planeta, aumentando temores de uma possível colisão.

O asteróide, conhecido como DA14, vai passar por nosso planeta em Fevereiro de 2013, a uma distância de menos de 27,000 km (16,700 milhas). Isto está mais próximo do que a órbita geoestacionária de alguns satélites.

Existe a possibilidade de o asteróide colidir com a Terra, mas um cálculo adicional é necessário para estimar a ameaça potencial e trabalhar para para evitar um desastre, disse o especialista da NASA Dr. David Dunham aos estudantes de Eletrônica e Matemática da Universidade de Moscou (MIEM).

” O campo gravitacional da Terra irá alterar o caminho do asteróide significativamente. Cálculos escrupuloso adicionais são necessários para estimar o risco de colisão “, disse Dunham, como transcrito pelo Izvestia da Rússia. “O asteróide pode quebrar em dezenas de pequenos pedaços, ou vários pedaços grandes que podem se queimar na atmosfera. O tipo do asteróide e a sua estrutura mineral pode ser determinado por análise espectral. Isto irá ajudar a prever o seu comportamento na atmosfera que deve ser feito para evitar a ameaça potencial “, disse o Dr. Dunham.

No caso de uma colisão, os cientistas calcularam que a energia liberada seria equivalente ao poder destrutivo de uma bomba termo-nuclear.

Em resposta à ameaça, os cientistas vêm-se com alguns métodos engenhosos para evitar um desastre em potencial.

De fogos de artifício e aquarelas

Com o asteróide passando tão perto, será tarde demais para fazer qualquer coisa com ele além de tentar prever o seu destino final e as consequências do impacto.

Uma nave espacial é necessária, os especialistas concordam. Pode destruir a pedra ou apenas bater nela, ou quebrar o asteróide em escombros ou envia-lo fora do curso.

“Nós poderíamos pintá-lo”, diz o especialista da NASA David Dunham.

A pintura afetaria a capacidade do asteróide para refletir a luz solar, mudando sua temperatura e alterar a sua rotação. O asteróide iria fora de seu curso atual, mas isso também poderia tornar a pedra ainda mais perigosa quando voltar em 2056, disse Aleksandr Devaytkin, o chefe do observatório em Pulkovo Rússia.

Spaceship impossível?

Seja qual for a missão, a construção de uma nave espacial para lidar com 2012 DA14 levará dois anos – pelo menos.

O asteróide tem se mostrado uma descoberta amarga. Foi circulando em órbita por três anos já, atravessando a órbita da Terra várias vezes, diz o analista Sergey Naroenkov da Academia Russa de Ciências. Parece que detectar os perigos do espaço exterior ainda é a área onde reina o mero acaso, enquanto os sistemas de defesa de asteróides existem apenas em rascunhos.

Ainda assim, as perspectivas de encontrar o 2012 DA14 não são todas uma desgraça ou tristeza.

“O asteróide pode dividir em partes que entram na atmosfera. Neste caso, a maior parte de ele nunca vai chegar a superfície do planeta “, comenta Dunham.

Mas, se o asteróide inteiro colide com a planeta, o impacto será tão difícil quanto na explosão de Tunguska, que em 1908 derrubou árvores em uma área total de 2.150 km ² (830 milhas quadradas), na Sibéria. Isso é quase o tamanho de Luxemburgo. Em caso de hoje, o destino do asteróide ainda está para ser determinado.

Artigo traduzido do original: Asteroid Could be Pulled by Earth’s Gravity Force

About Luis Miranda
The Real Agenda is an independent publication. It does not take money from Corporations, Foundations or Non-Governmental Organizations. It provides news reports in three languages: English, Spanish and Portuguese to reach a larger group of readers. Our news are not guided by any ideological, political or religious interest, which allows us to keep our integrity towards the readers.

Comments are closed.

%d bloggers like this: